Revista GGN

Assine

Os 50 anos de derrota dos EUA na Baía dos Porcos

Por MiriamL

Do UOL

Cuba festeja 50 anos da vitória sobre os EUA na Baía dos Porcos

HAVANA, 11 Abr 2011 (AFP) -Cuba festeja no próximo final de semana os 50 anos da derrota dos Estados Unidos na invasão contra Fidel Castro, na Baía dos Porcos, com um histórico VI Congresso do Partido Comunista, que marcará o rumo econômico e político da revolução.

Uma solenidade militar na Praça da Revolução, centro político da ilha, abrirá as comemorações no sábado. Nesta data se completa meio século que Fidel Castro proclamou o caráter socialista do regime, às vésperas do desembarque de 1.400 exilados armados pela CIA.

Como símbolo de compromisso com o futuro da revolução, milhares de jovens encerrarão o desfile, seguido depois, durante três dias, do VI Congresso do Partido Comunista de Cuba (PCC), o primeiro em 14 anos.

Mil delegados devem votar a reforma econômica do presidente Raúl Castro, renovar a estrutura do sistema do partido único e reeleger ou exonerar Fidel Castro, de 84 anos e afastado do governo desde que ficou doente em 2006, como chefe máximo do PCC.

Com a dramática advertência "ou retificamos ou afundamos", Raúl, de 79 anos, convocou a reunião para "atualizar" o modelo cubano, atrelado ao esquema centralizado soviético, "sem restaurar o capitalismo", nem separar-se do caminho socialista "irrevogável" que seu irmão traçou 50 anos atrás.

O Congresso, com um atraso de nove anos, será crucial, admitiu o governante, por ser o último com a participação da "geração histórica" que levou ao triunfo a revolução no dia 1º de janeiro de 1959 e travou batalhas como a da Baía dos Porcos.

Nesta "primeira grande derrota do imperialismo na América Latina" celebrada por Cuba, as forças comandadas por Fidel Castro venceram após 72 horas de sangrentos combates com os invasores que desembarcaram no dia 17 de abril de 1961 na Playa Larga e na Playa Girón, na Baía dos Porcos, a 200km ao sudeste de Havana.

"Voltem quantas vezes quiserem. Aqui os esperamos com fuzil na mão", disse à AFP Domingo Rodríguez, ex-combatente de 70 anos, na areia branca da Playa Larga, contando que ali mesmo Fidel afundou com um tiro de tanque o principal barco invasor.

Aprovada pelo presidente Dwight Eisenhower e assumida por seu sucessor John F. Kennedy, a operação começou no dia 13 de abril quando zarparam da Nicarágua os navios com os expedicionários da Brigada 2506, treinados em bases secretas neste país e na Guatemala.

Prelúdio da invasão, na manhã de 15 de abril seis aviões B-26 com falsas insígnias cubanas bombardearam duas bases aéreas em Havana e Santiago de Cuba (sudeste). A CIA esperava liquidar com esse ataque a força aérea cubana.

Na tarde de 16 de abril, no enterro de sete vítimas, em uma rua central de Havana, Fidel Castro, na época com 35 anos, declarou a natureza da revolução, após negar por anos que era comunista.

"Os imperialistas não puderam perdoar isto, que (...) tenhamos feito uma revolução socialista embaixo do nariz dos Estados Unidos", disse em seu vibrante discurso.

A invasão da Baía dos Porcos, que deixou 161 mortos nas fileiras de Castro e 107 na dos invasores - 1.189 prisioneiros foram trocados por 53 milhões de dólares em remédios e alimentos em 1962 -, marcou para sempre a relação entre os dois países, mais que qualquer outro conflito de sua longa inimizade.

A comemoração acontece em meio a novas tensões: Havana exige a libertação de cinco agentes cubanos presos nos Estados Unidos; Washington a de um contratista americano que foi condenado por Cuba, que o acusa de apoiar a oposição em uma "nova forma de invasão: "a ciberguerra".

Após uma curta trégua com o governo de Barack Obama, um desgelo das relações - rompidas em 1961 - parece distante. "Estamos prontos (a dialogar), mas sem subordinação a ninguém", disse recentemente Raúl Castro ao ex-presidente Jimmy Carter, de visita a Havana.

Há 50 anos, Fidel dirigiu as operações na Baía dos Porcos a partir do campo de batalha. Raúl deve agora enfrentar "as novas manobras" do "inimigo imperialista", mas também resistências internas à abertura econômica, para evitar o naufrágio da revolução.

http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/afp/2011/04/11/cuba-festeja-...

Sem votos

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+15 comentários

 

Fidel Castro dando uma sova merecida no obama...

 

As verdadeiras intenções da “Aliança Igualitária”

por Fidel Castro

http://www.viomundo.com.br/voce-escreve/as-verdadeiras-intencoes-da-alianca-igualitaria.html

 

"

Todo o seu palavreado para terminar com uma loa à OEA que Roa qualificou como “Ministério Ianque das Colônias”, quando, em memorável denúncia de nossa pátria nas Nações Unidas, informou que o governo dos Estados Unidos tinha atacado nosso território em 15 de abril de 1961 com bombardeiros B-26 pintados com insígnias cubanas; um fato desavergonhado que dentro de 23 dias completará 50 anos.

Dessa forma acreditou que tudo estava totalmente pronto para proclamar o direito a subverter a ordem em nosso país.

"

 

A Praça da Revolução pronta para o desfile de 16 de abril

TRABALHADORES de diversas áreas preparam a Praça da Revolução para o desfile militar e popular de 16 de abril próximo, por ocasião do 50º aniversário da declaração do caráter socialista da Revolução e da vitória contra a invasão mercenária pela Baía dos Porcos.

Recentemente foi organizado o destacamento dos trabalhadores de limpeza pública, responsáveis pela limpeza e manutenção da Praça e das áreas próximas.

Atualmente, este destacamento trabalha na limpeza e ornamentação do lugar, como parte da remodelação que se efetua com vista ao desfile militar, incluída a técnica de combate, que nesta ocasião terá a particularidade de que desfilará sobre reboques e não com as esteiras, como aconteceu em outras ocasiões.

A este destacamento de limpeza de todas as áreas, soma-se uma força mecanizada composta por caminhões basculantes especializados e tratores com carroças.

Integram o grupo 1.380 trabalhadores de limpeza pública de toda a cidade, em representação dos mais de 6 mil que se dedicam hoje a esta atividade na capital.

http://www.granma.cu/portugues/index.html

 

“Instrui-vos, porque precisamos de vossa inteligência. Agitai-vos, porque precisamos de vosso entusiasmo. Organizai-vos, porque carecemos de toda vossa força.” Revista Lórdine Nuovo

O jornalista Tad Szulk (?-2005), no ótimo livro "Fidel: um retrato crítico", conta que os planos da Cia para os mercenários invasores era que eles tomassem uma área no litoral de Cuba e a declarassem território  livre. Os Estados Unidos seriam o primeiro país a responder sim ao pedido de reconhecimento desse "território" sob comando de cubanos e, com isto, estariam autorizados a enviar tropas para socorrer o "país amigo" contra o "tirano". O plano previa que as forças de Castro responderiam exclusivamente por terra, pois era sabido que Cuba não possuia artilharia aérea. Só que, como diria o Chaves, não contavam com a astúcia de Fidel Castro, que havia mandado adaptar metralhadoras ponto 50 nos poucos aviões militares cubanos, e, assim, deu combate aos invasores por terra e ar. A "cavalaria" norte-americana, que estava a postos no golfo do México pronta para socorrer os exilados mercenários, teve que fazer meia volta.

 

Daqui uns 30 anos, quando a ditadura acabar por lá, essa data será lembrada da mesma maneira que o 31 de março por aqui.

 

Perderam os dois paises. Os EUA por apoiarem uma ditatura derrotada e Cuba por virar uma fazendona da famiglia Castro.

 

Tudo bem, Cuba é opositora ferrenha dos EUA,
no entanto essa exaltação não passa de simbólica, pois qualquer pessoa
em sã consciência sabe que os EUA possuem total capacidade de invadir
Cuba com as suas forças armadas a hora que bem entenderem.

Fidel tem muitos méritos por ter tirado Fulgêncio Batista do governo,
no entanto o regime Cubano está completamente ultrapassado e tenho certeza que o
povo de lá concorda com isso.Acho que a blogueira Yoani Sánchez representa esse
sentimento.

Estive lá como turista por 10 dias, o país é muito bonito e o povo muito hospitaleiro, no entanto
não possuem liberdade política nem econômica. È bem verdade que não vi crianças de rua, no entanto
a prostituição e a pirataria rolavam solta. Saí de lá com a sensação de que Cuba não deu certo.

A linda paisagem de Varadeiro contrastou com os operários pedindo desde óculo escuros a pilhas usadas
dos turistas que passeavam pela areia.

Fique realmente triste, pois o sentimento é de que o próprio homem destruiu o ideal de um modo de
vida menos individualista, voltado para o coletivo. o a prostituição, pirataria rolavam solta.

 

Claro que Cuba não deu certo!

Há o isolamento de uma pequena e pobre ilha socialista num mundão capitalista. Lá, a socialização foi da pobreza. E com o turismo como fonte de renda, a prostituição apareceu e se desenvolveu.

Também já fui a Cuba, e apesar da pobreza gostei muito de ter conhecido a ilha. Que povo valoroso, inteligente, musical.

Mas hoje em dia há um certo desalento, ou cansaço, apesar de o povo adorar Fidel Castro.

Espero que com a inevitável abertura que haverá esse povo incrível não perca suas conquistas: uma excelente educação, medicina de primeira e o orgulho de ter feito uma revolução.

 

"uma excelente educação, medicina de primeira "

 

Isso os malvados ianques também tem, e adicionalmente:

- liberdade de expressão

- liberdade religiosa

- liberdade econômica

- liberdade política

- grana

- armas

- todo tipo de indústrias

- agência espacial

- Disneylândia

- produção agrícola

- pesquisa científica de ponta em todas as áreas

- etc

 

"e o orgulho de ter feito uma revolução"

Bom, imagino que não dê pra comprar nem um pão amanhecido com esse "orgulho"...

 

Memórias do subdesenvolvimento (1967), do cubano Gutierrez Alea, é um clássico do cinema moderno, baseado no romance de Edmundo Desnoes.

Apresenta o ponto de vista de um protagonista que não é um apoiador da revolução,  por ser ex-empresário e membro de uma família rica, mas que se recusa a deixar a ilha com ela.

Acostumado a ver o "subdesenvolvimento" nos outros, nos pobres de seu país periférico, Sergio vai descobri-lo em si mesmo.

O filme mistura ficção e trechos de documentários como no segundo segmento abaixo, em  que os derrotados na tentativa de invasão patrocinada pelos Estados Unidos e que são presos e julgados, publicamente.

Misturam-se também trechos de documentários do período pré-revolucionário, para se tratar da "divisão do trabalho moral", em que alguns assassinos contratados fazem o trabalho sujo, para que outros não entrem "em contato direto com a morte", mantendo "suas almas limpas".

Ninguém assume a responsabilidade pelos crimes cometidos,  e daí a irônica e terrível mensagem dialética: "a verdade do grupo está no assassino".

 

Essa derrota selou o destino de toda a América Latina. A partir desse momento, os americanos partiram com toda sua força para evitar uma "nova Cuba" em nosso continente. Contribuiram enormemente para o atraso da região, derrubando governos legitimamente eleitos, matando ou referendando mortes.

Até hoje não toleram essa derrota que para nós, latinos, será sempre simbolo maior de nossa luta para afastar a influência desse lado nocivo dos norte-americanos.

 

Dia de luto nacional para os cubanos. Com a consolidação do regime comunista de Castro, Cuba voltou à idade Média, nivel de videa de subsistencia, muito inferior a qualquer favela do Rio, escassez de comida, de moveis, de tinta para pintar as casas, uma vida miseravel, de campo de concentração, o PIB de uma economia integrada à globalização poderia ser DEZ vezes maior do que é hoje em Cuba, que foi até Castro um dos paises mais ricos da America Latina, hoje é o mais pobre.

Porque será QUE NINGUEM QUER EMIGRAR PARA CUBA? Ninguem, nem um misero esquerdista, desses que aqui tem mais que pinguço em quermesse, NINGUEM QUER MORAR LA, mas todo mês, ainda hoje, 50 anos após a revolução castrista, 200 a 300 se mudam para a Florida toda semana, que coisa impressionante e é gente pobre, os ricos e a classe media baixa ja foram embora há muito tempo, a classe media alta e os ricos há mais tempo ainda,  não  sobrou um, só os irmãos Castro, que eram da classe rica e ricos continuam pelo menos no conforto da vida material.

Alguem ja imaginou a economia cubana surfando no etanol? Era até Castro a maior industria açucareira do mundo, maior que a brasileira,  seria a Arabia Saudita do etanol, hoje dependem da Venezuela para um pouco de gasolina que Chavez manda de graça, um pais que vive de esmolas.

 

Desculpe Sr. André, mas não é isso que mostra o IDH da ONU (insuspeita) sobre Cuba. As dificuldades que os cubanos passam se deve muito ao embargo criminoso a que estão submetidos. Abraços, Marcos !!!

 

Será que o paspalhão do tio sam não consegue aprender?

 

Re: Os 50 anos de derrota dos EUA na Baía dos Porcos
 

Fidel Castro é disparado o maior Estadista das Américas.

Saca só o narigão do tio sam...

 

Re: Os 50 anos de derrota dos EUA na Baía dos Porcos
 

Da-lhe Cuba!

Cuba colocou a bandidagem ianque prá correr...