newsletter

Os costumes por trás da história, e o que não é alardeado

Por urbano

Fora da pauta de hoje mas dentro da pauta de ontem:

Nosso Brasil tem uma intelectualidade muito peculiar:

Hoje em dia já ninguem se lembra do dia do aniversario do Imperador Pedro II (Nos 47 anos de seu reinado era a festa mais comemorada por seus súditos). Em compensação no dia em que se comemora a proclamação da Republica, retornam os muitos saudosistas da Monarquia. Algo mudou? Em vez de comemorar o alegre natalicio do Serenissimo Imperador, o que restou foi execrar o Marechal Deodoro que o mandou passear.

Apesar de sermos todos, mais ou menos personagens Machadianos, Não é irrelevante alguma dose de realismo nestas horas de saudades do bom pai. ( Realismo de Realidade e não de Rei).

O Imperador era o pináculo de nossa nobreza. E como se formou essa nobreza em pais tão sem tradições guerreiras?

Alguns a trouxeram em suas tralhas quando vieram de Portugal mas a maioria se candidatou aqui mesmo. O candidato deveria provar, entre outras coisas, que:

1- Era limpo de sangue ( Os espiritos mais sensiveis não se ofendam com os termos. São os mesmos usados nos documentos da época) . Isso é: Tinha que provar que não descendia de Judeu, Mouro , Negro ou de alguma outra Nação Infecta.

2 - Deveria viver segundo as leis da nobreza. Isso é: Não trabalhar com as mãos.(Ser trabalhador manual ou viver do comercio era quase fatal para as pretensões dos candidatos). Andar sempre a cavalo, ter espada. contar com pagens para todos os serviços e andar trajado adequadamente eram requisitos essenciais.

O Marques de Pombal modernizou as condições e terminou com a distinção entre cristãos velhos e novos e decretou que viver do comercio não era um impedimento tão essencial. Desde que o comerciante fosse um atacadista e não vendesse em loja a retalho ( viver com vara e metro, se dizia)

Mesmo assim nosso infeliz poeta Claudio Manuel da Costa esteve em apuros para ser aprovado porque se descobriu um avô ou bisavô que vendia azeite de porta em porta e isso quase lhe foi fatal nas pretensões de um "Habito de Cristo".

Por via das dúvidas, o paulista Pedro Taques, cuidadosamente omitiu as atividades mercantis de seus maiores e preferiu louvar as "guerras" de preação de indios dos insignes paulistas.

Entrado o seculo XIX, com a independência, algo deveria mudar e mudou, mas bem pouco, porque a tradição pesa e impõe suas regras. Assim, apesar de não existirem mais as "Ordenanças" muitos fazendeiros continuaram a ostentar seus titulos de "Capitão Mor". ( Muitas vezes obtidos por seus pais e herdados pelos filhos - sabe-se la baseado em que lei).

Avançando o século alguma coisa foi mudando e ao final do inefável reinado de Pedro ( o segundo) ja poucos tinham a coragem de Bernardo Pereira de Vasconcelos que tinha declarado solenemente na Câmara de Deputados: " A Africa civiliza o Brasil". Em poucas palavras: A Africa fornecia os negros para os trabalhos duros para permitir aos senhores brancos que se dedicassem às coisas do Espirito e às Letras. ( Já naquela época, como ainda hoje a Civilização Brasileira dependia da educação).

O ideal a ser imitado era a Nobreza Inglesa com seus pajens impecáveis e louros, Mas por aqui os nobres tinham que se contentar com negros no serviço, vestidos mais ou menos decentemente ja que qualquer branco, só por ser branco, se considerava com fumos de nobreza e portanto inápto para trabalhos manuais e pesados.

Velhos fazendeiros enriquecidos gastavam parte substancial da fortuna acumulada para terminar a vida ostentando um titulo de nobreza. Nossa famosa "nobreza de pijama".

Outra modernidade do seculo XIX era que os titulos de nobreza brasileiros não eram herdados pelos filhos mas, como a tradição tem suas exigências, ainda hoje a Baronesa de São João del Rei aparece na procissão de endoenças com alguns negrinhos carregando copos de prata com agua fresca para matar a sede dos fiés compungidos com a encenação do sofrimento do Cristo.

Dispensado o Imperador , por inutil, depois de consumada a Abolição da escravatura, uma das primeiras medidas da jovem Republica dos Fazendeiros foi criar o STF onde os filhos letrados poderiam seguir exercendo seu poder de justiça e sem trabalharem muito mas muito mandando.

O STF ja nasceu senil. Um agrupamento de fazendeiros assustados com a necessidade de ter que pagar salarios a seus trabalhadores. Mas sempre, como ainda hoje, um bastião da tradição mandonista, etc...

Sem votos
8 comentário(s)

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+8 comentários

Muda-se tudo para que continue igual. Êta sociedade mal acostumada!

 

O dia do aniversário de Dom Pedro II continua a ser comemorado de forma indireta: ele foi escolhido como Dia do Astrônomo e da Astronomia, em homenagem ao apoio que Dom Pedro deu ao estabelecimento da Astronomia no país. A data foi oficializada pela ALERJ no começo da década 2000, mas vem sendo adotada noutros estados pelos astrônomos amadores.

 

..... Caro Urbano.

"O STF ja nasceu senil. Um agrupamento de fazendeiros assustados com a necessidade de ter que pagar salarios a seus trabalhadores..........."

me permita discordar. esse foi o grande lance da aboliçao dos escravos. passaria-se a pagar salario aos empregados e em contra partida eles iriam ao mercado gastar o q receberam. e se endividariam tb.

entao, o q mudou: passamos à escravidao branca .....  soh isso  !!

 

Parabéns ao Urbano, que acerta ao chamar a atenção de que precisamos prestar atenção à nossa história para entendermos o que hoje acontece.

Esse talvez o método mais importante que devemos aplicar hoje (devemos voltar a Nestor Duarte, Caio Prado, a Sérgio Buarque, a Oliveira Viana, a Capistrano, a Joaquim Nabuco, a José Bonifácio, entre outros e  mais outros).

"Correr para diante é ir ao encontro do que ficou atrás", diz a narradora no romance A Manta do soldado, da portuguesa Lídia Jorge.

 

 

Acho que isso começou muito antes, mas muito antes mesmo da limagem do nosso Imperador II, é só dar uma lida nos santos evangelhos, salvo engano em Lucas, na parte do Injusto Juíz!.

 

Se não estou enganado, nenhum membro do STF defendeu com veemência o imperador que o nomeou; quase um século depois a maioria do STF aprovou o golpe de 1964 que rasgou a Constituição que legitimava sua nomeação. A jurisprudência da baioneta sempre fez sucesso naquele Tribunal, cujos Ministros têm mais vocação para a servidão do que para a distribuição de Justiça. Agora o STF serve a mídia que pediu a cabeça de José Dirceu e a ganhou com extrema facilidade. Rosa Weber resumiu bem a questão "não tenho provas cabais de que ele cometeu os crimes lhe imputados, mas tenho poder para condenar e condeno". A lei ora a lei... em se tratando de petista a suspeita vale mais que a prova.

 

Fábio, por favor,

 "Rosa Weber resumiu bem a questão "não tenho provas cabais de que ele cometeu os crimes lhe imputados, mas tenho poder para condenar e condeno". "

Desculpe-me, mas isso É TÃO GRAVE que PRECISO ver com os "MEUS OLHOS, QUE A TERRA HÁ DE COMER". Procurei no YouTube e não achei. Poderia ajudar-me a encontrar essa "PÉROLA" da Min. Weber?

Grata,

Dulce

 

E continua tudo na mesma.

O poder deve continuar com os que se dedicam "às coisas do Espirito e às Letras".

Um trabalhador braçal na presidência, jamais!

E está aí o "bastião da tradição mandonista" para garantir!