Revista GGN

Assine

Papai-Noel Pode Matar em "Rare Exports"

Por que muitas crianças temem a figura de Papai Noel em shoppings e parques? Por que a constante presença de papais-noéis assassinos e aterrorizantes na cinematografia? Essas questões em relação ao mito do Papai Noel são as motivações para o jovem diretor finlandês Jalmari Helander a desconstruir o imaginário desse personagem. Jalmari vai buscar as origens do mito natalino no folclore pagão, anterior à conversão cristã e norte-americana através da publicidade da Coca-Cola: há um imaginário subterrâneo e esquecido em torno do mito do Papai-Noel que insistentemente ressurge na cultura.

Jalmari tem dedicado sua carreira a expor a verdade de que o Papai Noel não é tão bom quanto parece. Após dois curtas premiados sobre o tema (a origem Finlandesa do personagem, antes da sua reconversão pela Coca-Cola no século XX), o diretor nos premia com essa pequena pérola do fantástico: “Rare Exports: a Christmas Tale”, vencedor de festivais do gênero terror e fantástico como Locamo na Suiça e Sitges na Catalunha.

Por que muitas crianças choram de medo na presença dessas figuras que habitam shopping centers e lojas no natal? Por que insistentemente o cinema de terror explora esse lado assustador do personagem (por exemplo: "Elves" - 1989 ou "Santa's Slay" - 2005)? Há até um nome para esse tipo de  fobia infantil: coulrofobia, o medo que se estende, também, para a presença de palhaços ou "clowns".  

Embora as origens oficiais ou cristã do Papai-Noel (ou "Santa Claus") estejam associadas à figura de São Nicolau, um jovem bispo de Myra (Turquia) do século IV DC (conhecido pela generosidade e por dar presentes, tornado-se o santo padroeiro das crianças), há uma origem pagã anterior a sua conversão pela Igreja. Uma origem de moralidade ambígua e cruel, própria das origens dos contos de fadas que acabou sedimentando-se em um imaginário subterrâneo que resiste aos tempos.

Embora a cinematografia e os medos infantis apresentem sintomas da existência desse arquétipo subterrâneo em um personagem tão altruísta, nunca é explicitado o porquê. Jalmari aceitou esse desafio: foi buscar no folclore escandinavo um assustador personagem (quase demoníaco) que não trás presentes para as crianças e todos têm medo dele. O diretor vai desenvolver esse tema através de dois elementos: o confronto entre a moralidade cruel das versões originais dos contos de fadas e a amoralidade do mundo pós-modeno e a revelação da verdade do mito natalino por meio de uma narrativa que explora um simbolismo neo-platônico. 

Tudo se passa quando um pacato vilarejo na Finlândia, no meio do nada e da neve, vê o seu sossego ser perturbado por uma escavação arqueológica no monte Kovatunturi, patrocinado pela multinacional norte-americana intitulada Subzero Inc. Estão ali em busca do Papai Noel original que teria existido de fato e estaria ali, num túmulo gelado. Mal sabiam (por terem na cabeça a imagem convencional e americanizada do Papai Noel) que libertariam uma entidade maligna que dizimaria toda a equipe.

“Alguma coisa está enterrada ali”, diz Pietari, menino que junto com seu amigo Jusso, espionam o trabalho das escavações. Pietari (menino inteligente e sensível, contrastando com a vida e habitantes rudes do vilarejo) logo descobre o objetivo daquelas escavações. Pesquisa em seus livros as sombrias lendas do folclore finlandês sobre Santa Claus: uma figura maligna com barbas e chifres que pune crianças desobedientes. Nos livros vê figuras com a entidade cruel chicoteando crianças ou afogando-as em caldeirões com água fervente.

Logo depois, estranhos eventos começam a ocorrer na localidade: crianças desaparecem, junto com fogões e aquecedores. Além disso, são encontradas dezenas de renas mortas mutiladas. Isso ameaça desequilibrar a frágil economia local que depende desses animais para a subsistência.

O natal está próximo e Pietari, junto com seu pai e amigos, se armam e vão ao local das escavações. Estranhamente está abandonado e toda a equipe de arqueólogos desaparecera.

O mistério aumenta quando um estranho homem idoso, nu e com barbas brancas é pego numa armadilha para lobos. Seu olhar é sinistro, nada fala e demonstra ser agressivo, principalmente na presença de Pietari. É mantido preso no matadouro nos fundos da casa de Pietari até o grupo conseguir uma resposta para todos os acontecimentos.

O desfecho é de profunda ironia e humor negro. Descobrem que aquele velho é o ser descoberto nas escavações, descongelado e ressuscitado. Ele é Santa Claus! Tentam negociar sua venda com a Subzero Inc. e ganhar muito dinheiro. Mas, na hora da negociação com o representante norte-americano veem saindo das sombras da noite, dezenas de velhos de barba, nus, com o mesmo olhar sinistro, agressivos e armados de pás e picaretas. Desespero? Não. A perspicácia do protagonista Pietari vê nessas dezenas de Santa Claus resuscitados uma oportunidade empresarial: prendê-los, adestrá-los, treiná-los e exportá-los como papais-noeis para shopping-centers do mundo inteiro. Encaixotados, são exportados sob o selo “Rare Exports”, a empresa que salvará a economia combalida daquela localidade perdida no meio do nada.

>>>>>>>>>> Leia mais>>>

 

Sem votos
2 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+2 comentários

Na tradição polonesa, dos imigrantes poloneses, tem um tal de papai noel de branco que desse o cacete nas criancinhas desobedientes. Já apanhei muito.

 
Re: Papai-Noel Pode Matar em "Rare Exports"