newsletter

Assinar

Para entender o xadrez da política

Vamos entender o xadrez político atual.

Há um jogo em que o objetivo maior é capturar o rei – a Presidência da República. O ponto central da estratégia consiste em destruir a principal peça do xadrez adversário: o mito Lula.

Na fase inicial – quando explodiu o “mensalão” – havia um arco restrito e confuso, formado pela velha mídia e pelo PSDB e uma estratégia difusa, que consistia em “sangrar” o adversário e aguardar os resultados nas eleições presidenciais seguintes.

A tática falhou em 2006 e 2010, apesar da ficha falsa de Dilma, do consultor respeitado que havia acabado de sair da cadeia, dos 200 mil dólares em um envelope gigante entrando no Palácio do Planalto, das FARCs invadindo o Brasil  e todo aquele arsenal utilizado nas duas eleições.

A partir da saída de Lula da presidência, tentou-se uma segunda tática: a de construir um mito anti-Lula. À falta de candidatos, apostou-se em Dilma Rousseff, com seu perfil de classe média intelectualizada, preocupações de gestora, discrição etc. Imaginava-se que caísse no canto de sereia em que se jogaram tantas criaturas contra o criador.

Não colou. Dilma é dotada de uma lealdade pessoal acima de qualquer tentação.

O “republicanismo”

Mas as campanhas sistemáticas de denúncias acabaram sendo bem sucedidas por linhas tortas. Primeiro, ao moldar uma opinião pública midiática ferozmente anti-Lula.

Depois, por ter incutido no governo um senso de republicanismo que o fez abrir mão até de instrumentos legítimos de autodefesa. Descuidou-se na nomeação de Ministros do STF (Supremo Tribunal Federal), abriu-se mão da indicação do Procurador Geral da República (PGR) e descentralizaram-se as ações da Polícia Federal.

Qualquer ação contra o governo passou a ser interpretada como sinal de republicanismo; qualquer ação contra a oposição, sinal de aparelhamento do Estado.

Caindo nesse canto de sereia, o governo permitiu o desenvolvimento de três novos protagonistas no jogo de “captura o rei”.

STF

Gradativamente, formou-se uma bancada pró-crise institucional, composta por Gilmar Mendes, Joaquim Barbosa, e  Luiz Fux, à qual aderiram Celso de Mello e Marco Aurélio de Mello. Há um Ministro que milita do lado do PT, José Antonio Toffolli. E três legalistas: Lewandowski, Carmen Lucia e Rosa Weber.

O capítulo mais importante, nesse trabalho pró-crise, é o da criação de um confronto com o Congresso, que não terá resultados imediatos mas ajudará a alimentar a escandalização e o processo reiterado de deslegitimação da política.

Para o lugar de César Peluso, apostou-se em um ministro legalista, Teori Zavascki. Na sabatina no Senado, Teori defendeu que a prerrogativa de cassar parlamentares era do Parlamento. Ontem, eximiu-se de votar. Não se tratava de matéria ligada ao “mensalão”, mas de um tema constitucional. Mesmo assim, não quis entrar na fogueira.

Procuradoria Geral da República (PGR)

Há claramente um movimento de alimentar a mídia com vazamentos de inquéritos. O último foi esse do Marcos Valério ao Ministério Público Federal.

Sem direito à delação premiada, não haveria nenhum interesse de vazamento da parte de Valério e seu advogado. Todos os sinais apontam para a PGR. Nem a PGR nem Ministros do STF haviam aceitado o depoimento, por não verem valor nele. No entanto, permitiu-se o vazamento para posterior escandalização pela mídia.

Gurgel é o mais político dos Procuradores Gerais da história recente do país. A maneira como conquistou o apoio de Demóstenes Torres à sua indicação, as manobras no Senado, para evitar a indicação de um crítico ao Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), revelam um político habilidosíssimo, conhecedor dos meandros do poder em Brasília. E que tem uma noção do exercício do poder muito mais elaborada que a do Ministro da Justiça e da própria Presidente da República. Um craque!

Polícia Federal em São Paulo

Movimento semelhante. Vazam-se os e-mails particulares da secretária Rosemary Noronha. Mas mantém-se a sete chaves o relatório da Operação Castelo de Areia.

O jogo político

De 2005 para cá, muita água rolou. Inicialmente havia uma aliança mídia-PSDB. Agora, como se observa, um arco  mais amplo, com Ministros do STF, PGR e setores da PF. E muito bem articulado agora porque, pela primeira vez, a mídia acertou na veia. A vantagem de quem tem muito poder, aliás, é essa: pode se dar ao luxo de errar muitas vezes, até acertar o caminho.

Daqui para frente, o jogo está dado: um processo interminável de auto-alimentação de denúncias. Vaza-se um inquérito aqui, monta-se o show midiático, que leva a desdobramentos, a novos vazamentos, em uma cadeia interminável.

Essa estratégia poderia ter uma saída constitucional: mais uma vez “sangrar” e esperar as próximas eleições.

Dificilmente será bem sucedida no campo eleitoral. Mas, com ela, tenta-se abortar dois movimentos positivos do governo para 2014:

  1. É questão de tempo para as medidas econômicas adotadas nos últimos meses surtirem efeito. Hoje em dia, há certo mal-estar localizado por parte de grupos que tiveram suas margens afetadas pelas últimas medidas. Até 2014 haverá tempo de sobra para a economia se recuperar e esse mal-estar se diluir. Jogar contra a economia é uma faca de dois gumes: pode-se atrasar a recuperação mas pratica-se a política do “quanto pior melhor” que marcou pesadamente o PT do início dos anos 90. Em 2014, com um mínimo de recuperação da economia,  o governo Dilma estará montado em uma soma de realizações: os resultados do Brasil Sorridente, resultados palpáveis do PAC, os efeitos da nova política econômica, os avanços nas formas de gestão. Terá o que mostrar para os mais pobres e para os mais ricos.
  2. No campo político, a ampliação do arco de alianças do governo Dilma.

Há pouca fé na viabilidade da candidatura Aécio, principalmente se a economia reagir aos estímulos da política econômica. Além disso, a base da pirâmide já se mostrou pouco influenciada pelas campanhas midiáticas.

À medida que essa estratégia de desgaste se mostrar pouco eficaz no campo eleitoral, se sairá desses movimentos de aquecimento para o da luta aberta.

Próximos passos

Aí se entra em um campo delicado, o do confronto.

Ao mesmo tempo em que se fragilizou no campo jurídico, o “republicanismo” de Lula e Dilma minimizou o principal discurso legitimador de golpes: a tese do “contragolpe”. Na Argentina, massas de classe média estão mobilizadas contra Cristina Kirchner devido à imagem de “autoritária” que se pegou nela.

No Brasil, apesar de todos os esforços da mídia, a tese não pegou. Principalmente devido ao fato de que, quando o STF achou que tinha capturado o PT, já havia um novo em campo – de Dilma Rousseff, Fernando Haddad, Padilha – sem o viés aparelhista do PT original. E Dilma tem se revelado uma legalista até a raiz dos cabelos e o limite da prudência.

Aparentemente, não irá abrir mão do “republicanismo”, mas, de agora em diante, devidamente mitigado. E ela tem um conjunto de instrumentos à mão.

Por exemplo, dificilmente será indicado para a PGR alguém ligado ao grupo de Roberto Gurgel.

Espera-se que, nas próximas substituições do STF, busquem-se juristas com compromissos firmados e história de vida em defesa da democracia – e com notório saber, peloamordeDeus. De qualquer modo, o núcleo duro do STF ainda tem muitos anos de mandato pela frente.

Muito provavelmente, baixada a poeira, se providenciará um Ministro da Justiça mais dinâmico, com mais ascendência sobre a PF.

Do outro lado do tabuleiro, se aproveitará os efeitos do pibinho para iniciar o processo de desconstrução de Dilma.

Mas o próximo capítulo será o do confronto, que  ocorrerá quando toda essa teia que está sendo tecida chegar em Lula. E Lula facilitou o trabalho com esse inacreditável episódio Rosemary Noronha.

Esse momento exigirá bons estrategistas do lado do governo: como reagir, sem alimentar a tese do contragolpe. E exigirá também um material escasso no jogo político-midiático atual: moderadores, mediadores, na mídia, no Judiciário, no Congresso e no Executivo, que impeçam que se jogue mais gasolina na fogueira.

Sem votos

Recomendamos para você

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Diego Alexandre
Diego Alexandre

Mas, e a respeito das

Mas, e a respeito das manifestações populares ocorridas ano passado e que, talvez, ocorram esse ano juntamente com a Copa do Mundo? Em que medida influencia no xadrez da política, ou não influenciam?

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+400 comentários

Excelente artigo! Nos acrescenta com clareza a dinamica dos movimentos das pedras; às vezes atiradas!

 

Excelente artigo! Nos acrescenta com clareza a dinamica dos movimentos das pedras; às vezes atiradas!

 

O tempo realmente joga a favor do governo com a entrada de dois novos ministros no STF, a saída do Gurgel em julho  e o reaquecimento da economia. Por isto o Gurgel, a mídia e todos os aliados tentarão despachar definitivamente o Lula movendo uma ação contra ele, e se for possível desorganizar ainda mais o governo Dilma para atingi-la depois. Além disso o STF está pegando pesado demais e deve provocar reações, tanto à direita como à esquerda.

 

A Questão de 2014 é uma só: Se a economia estiver bem,  se o nível de desemprego estiver baixo, se a classe média alta continuar trocar o seu Iphone todo ano, a elite golpista pode espernear, xingar, ameaçar, perserguir, caluniar, difamar, especular, que não tem jeito. É DILMA NA CABEÇA!!! Se tem uma coisa que o LULA sabe fazer como  ninguém é mobilizar, falar a lingua do povo mais humilde, que é a maioria.

 

Enquanto a "elite corrupta" (que o povo não qer ver nem pelas costas), não retomar (nem que seja na marra ou pelo golpe, ainda que seja sob um "toró" de mentiras) o poder para manter seus privilégios, ela não sossegará. É preciso estar atentos para essas investidas, com sabor de terrorismo, que só mesmos os "mal acostumados" no/pelo poder pretendem. Parece movimento de quadrilha em busca de partilhar algum espólio! Em tempos de "paredón", caberia muito bem a máxima (supostamente criado por algum cretino dessa elite), "bandido bom é bandido vivo"! Asimm, a quadrilha se desintegraria e não corríamos o perigo de ver a Democracia ser violentada por essa caterve de bandidos, disfarçados de políticos.

 

para o meu pai

 

Sergio

Você tem razão no ponto em que diz que está em curso um novo tipo de golpe!

Antes quero explicar que o linchamento no caso de Getúlio, não teve de fato o clamor popular dando crédito ao denuncismo midiático como hoje acontece, até porque não se tinha à época esse conceito bem desenvolvido de “opinião pública”, se bem que Carlos Lacerda (jornalista do PIG – o PIG vem de muito tempo atrás) vivia no Congresso a “fabricar escândalos” contra Getúlio.

Mas o que houve mesmo foi uma reunião liderada pelo Ministro da Guerra, que teria dado a Getúlio um ultimado após sair na mídia as acusações de que seu governo era corrupto: ou ele renunciava ou seria deposto (Por quem? Por ele próprio Ministro da Guerra e vários Ministros já cooptados). Imagine você o que significa isso. Seus próprios “auxiliares”, dizerem que vão lhe depor?

No caso do “Lulismo” se mostrar imbatível também é uma boa observação de sua parte. Isso deixa os jornalistas do PIG e os estrategistas do PSDB (se é que existem estrategistas nesse partido) perplexos, sem entenderem o porquê isso ocorre.

A cara de Fernando Mitre da Rede Bandeirantes e do comentarista Antônio Lavareda (cientista político contratado à época para fazer pesquisa de opinião pública para o  governo de Fernando Henrique Cardoso) era de total perplexidade, uma hora depois da vitória de Haddad contra José Serra.

Não sabiam o que disser. Então falaram que os partidos deviam estudar sobre o fenômeno ocorrido pois, talvez o que tivesse acontecido era que o povo queria mudanças e como a oferta eram aqueles candidatos, como não tinham coisa melhor, então escolheram Fernando Haddad.

Ou seja, não valorizaram a vitória de Lula como patrocinador de uma candidatura que começou com menos de 1% dos votos. Eles não dão o braço a torcer!

Mas sabem que não têm condições nenhuma de voltarem ao poder, pois não têm projetos para o país.

Então o que lhes restam como estratégia politico-eleitoral é a técnica secularmente utilizada pelas forças conservadoras nesse país: a fabricação de escândalos apoiados por eles próprios (neoliberais) em conluio com a grande imprensa, suportada pelo Procurador Geral da República (essa uma novidade que conseguiram) acusado por Collor como um prevaricador (vazador de informação mantida sob segredo de justiça para a revista “Veja”) além do que, em suas palavras, um chantagista.

E apoiada também pelo núcleo duro do STF que está a ponto de cometer um ato falho: qual seja? O descumprimento da Constituição sendo eles os guardiões da Carta Magna.     

Esse é o golpe a que você se refere. Intentar chegar ao poder não porque tem proposta política para o país, mas porque ao desgastar o PT e os partidos aliados, julgam terem assim maiores chances de conquistarem de novo a Presidência da Republica

Mas a estratégia não é conquistar apenas a Presidência da República (ai é que vem o golpe) a estratégia é dar continuidade aos projetos inconclusos de privatizações.

A estratégia, a privatização da Petrobrás. Isso por si só vale uma guerra como a que aconteceu no Iraque.

E eles vão jogar todas as fichas em cima desse “prêmio”.

São muitos bilhões de reais que estão em jogo.

Você tem razão: estão armando um golpe contra o povo brasileiro.

 

 

A análise  é muito interessante e desnuda o golpismo eterno das forças conservadoras no Brasil.

Entendo, porém,  que o termo "republicanismo" é usado de maneira muito restrita a algumas ações de governo.

De maneira mais ampla, o que faltou à chamada base aliada, foi justamente um espírito republicano amplo, que  deve abranger  desde os pequenos até os grandes atos de gestão da coisa pública.Algo que as Rosemarys da vida e outros tantos da base aliada não praticaram, ao contrário.

Aliás, republicanismo esse que a oposição, a chamada grande mídia e parte enorme da elite"do país, tampouco praticaram ou praticam.

 

Me parece que o que está em curso é um processo de linchamento do lulismo. Penso que é preciso realçar a relação e semelhança que ele tem com o linchamento de Getúlio e Jango. O "modus operandi da mídia e das forças conservadoras é igual.

 

No caso de Getúlio as grandes multidôes não acreditaram no denuncismo midiático.No caso do lulismo, as urnas deste ano também não se dobraram ao espetáculo midiático.

Isto, a meu ver sucita uma pergunta terrível: Ao afigurar-se imbatível nas urnas (o lulismo) e tendo em vista que as quarteladas clássicas são, hoje impraticáveris, estariam a mídia e as forças conservadoras, planejando e articulando, no Brasil, um golpe de NOVO tipo? É bom pensar!

 

Muito realista sua análise, Nassif.

 

Vejo um problema sério no antipetismo e antilulismo promovido por empresas de comunicação como a Abril (através, principalmente da revista Veja), da Globo (notadamente a Globo News), a Folha de São Paulo (São Paulo é, talvez, a única cidade grande do mundo em que dois de seus mais importantes cartões de visita têm o mesmo nome, Octávio Frias de Oliveira, dado pelo PSDB) e o OESP (sem comentários): trata-se da raiva, do medo, do revanchismo que essas empresas espalham.

 

Há uns anos, a maior parcela da população, aquela formada por pessoas comuns, vivia um eterno "thriller" fomentado por jornais dos quais se dizia que "se espremer, sai sangue". E a burguesia pairava acima dessas "baixarias". Hoje esse movimento está invertido: a pessoa comum está confiante, otimista em relação ao PT. E a burguesia trinca os dentes de bruxismo quando dorme.

 

Talvez alguém devesse (ou pudesse) alertar à burguesia quanto ao malefícios que o consumo dos produtos principalmente daquelas quatro empresas podem causar, ao longo do tempo, em quem alimenta-se de seus produtos e de sentimentos "baixos". Cardiopatias, gastrites, colapsos nervosos e toda sorte de doenças decorrentes de péssima "alimentação" intelectual que praticam.

 

Vejo assim, nesses tempos, que aquela "imprensa", além de viver de espetáculo (ou "showrnalismo") também é danosa à saúde mental e física. Ué, a Anvisa não proíbe a comercialização de droga que cause mais efeito colateral indesejado do que efeito direto desejado? Devia proibir aquela imprensa de provocar doença mental e espiritual em seus fiéis assinantes, né? Quanto ao efeito direto desejado, que é informar-se, há muitas outras publicações, como esse blog, por exemplo.

 

Esse negócio daquela "imprenseca" judiar de seus fiéis seguidores ainda vai acabar matando-os...

 

Nassif

Claro que você tem razão. Sua análise é perfeita. Vou aqui reforçar sua tese com os acontecimentos da história. O que aconteceu no Brasil com todos os presidentes que de uma forma ou de outra, contrariaram o poder das classes dominantes. Entenda-se ai também e principalmente, os setores industriais multinacionais que sempre tiveram ambições em relação ao Brasil nos diferentes momentos de nossa história.

São as chamadas “forças ocultas” nominadas assim pela primeira vez, pelo Presidente Jânio Quadros, que quando contrariadas em seus interesses, se unem e agem sempre com o mesmo modus-operandi. A fabricação de escândalos apoiado por uma imprensa oportunista, sempre serviçal a essas forças.

Foi assim com Getúlio Vargas (campanha do “petróleo é nosso”, siderúrgica de Volta Redonda, defesa do trabalhador com a CLT, instituição do salário mínimo e outros movimentos de cunho social).

Como à época isso não interessava ao empresariado cosmopolita, as “forças ocultas” entraram em cena, e da noite para o dia, o governo do presidente Getúlio Vargas estava envolto em lama, a “corrupção” como sempre à frente, como temática de desmoralização do governante legalmente constituído e o desfecho com o suicídio do presidente, que segundo suas palavras: “saia da vida para entrar na história”.

Jucelino não foi molestado, pelo menos durante seu mandato (ele o cumpriu completamente) porque de certa forma, se comportou conforme as “forças” assim o queriam.

Segue-se Jânio Quadros, presidente eleito pelo voto popular, sufragado por uma maioria esmagadora de votos, que ao dar sinais contrariando a expectativa das classes dominantes começa a ser fustigado em suas ações. Pressão essa a que batizou de “forças ocultas”, as mesmas que derrubaram Getúlio e que agem hoje contra o Presidente Lula.

Jânio cometeu “a imprudência” de visitar Cuba, visitar a China, estabelecendo laços de amizade e simpatia com esses dois países. Foi o suficiente para as “forças ocultas” entrarem em ação.

Antes de estabelecer o escândalo acusando o Presidente Jânio Quadros de corrupto (sempre a mesma tecla) o presidente numa visão equivocada tentou dar um “golpe” nessas forças.

Tencionou renunciar esperando que o clamor popular o guindasse de volta ao posto.

Ledo engano, ao renunciar (que é um ato unilateral sem volta, pois perde legalmente a condição de ter o mandato restituído) quando menos viu, já tinham quatro pretendentes sentados na cadeira, querendo a primazia do cargo.

Foi instalado o parlamentarismo com Tancredo Neves como Primeiro Ministro, mas que durou pouco, por iniciativa de Brizola que conseguiu recolocar de volta o Vice de Jânio no poder, João Goulart.

O resultado disso foi que de novo as “forças ocultas” agiram. Desta feita, de forma mais radical e violenta mergulhando o país em 20 anos de ditadura, tida pelo atual Ministro do Supremo Marco Aurélio de Mello, como tendo sido “um mal necessário”. Imaginem só! 

Veio a eleição de Tancredo que foi sucedido por Sarney, um homem de confiança do regime, e que por isso obteve o aval das “forças ocultas” e pôde terminar sem grandes sobressaltos seu mandato. Não sem antes ter sido criticado por sua política de defesa da reforma agrária e o congelamento de preços de gêneros alimentícios (confisco de boi gordo no pasto e os fiscais do Sarney).

Veio Collor de Mello mais do que representante dos meios de comunicação (a chamada grande mídia) dos usineiros da cana-de-açúcar, enfim, das elites industriais brasileiras.

Ao contrariar essas mesmas elites que o elegeram com o confisco da poupança, o fechamento do IAA e a forma de governar com pouco trato em relação aos Deputados na Câmara, sofreu o “impeachment”.

Com certeza mais uma investida das “forças ocultas” que agem sempre com um mesmo DNA: a fabricação de escândalos, alimentados pela grande mídia, a criminalização sem provas por corrupção e a destituição do poder do governante eleito contrário a seus interesses. Diga-se de passagem, que o Presidente Collor foi posteriormente absolvido pelo STF que não encontrou indícios de que tenha praticado improbidade administrativa.

Mas note-se que ele caiu por isso! Pelo escândalo armado, pela criminalização de seus atos e sua deposição (Modus-Operandi das elites contrariadas).

Com Lula foi a mesma coisa. Fabricaram o escândalo do chamado mensalão ainda no final de seu primeiro governo e até tentaram ensaiar um impeachment. Nessa época o presidente rememorando a história falou com todas as letras, “não vou dar um tiro na cabeça, nem vou renunciar”. Numa alusão aos dois presidentes Getúlio e Jânio Quadros respectivamente, que caíram pela articulação maniqueísta das chamadas “forças ocultas”.

Hoje elas não são mais tão ocultas assim. Estão claramente identificadas. Um conlúio (intriga secreta) entre os setores neoliberais e a grande imprensa que sonha com a volta do neoliberalismo no país, tendo como instrumento de ação, o fenômeno da “judicialização da política”, apoiada pelo Procurador Geral da República, Roberto Gurgel, apontado pelo Senador Collor de Mello como prevaricador e chantagista. Intimidando políticos com a ameaça de fabricação de novos escândalos, visto deter o poder de apuração das “denúncias” e engavetando processos quando tem interesse em proteger aliados seus.

Ai Nassif, volto, ao seu artigo, com sua análise perfeita enumerando as peças desse jogo de xadrez político.                  

Antes quero dizer que se deve esperar o pior dessa gente. E por quê?   

Porque o que está em jogo não é uma simples chegada ao poder (a reconquista da Presidência da República). O que está em jogo é uma atividade muito mais rendosa. A retomada dos projetos inacabados de privatização que sem a volta da corrente política neoliberalista não têm como serem concretizados.

O prêmio é muito alto, a privatização da Petrobrás (com olho nas jazidas do Pré-sal), com lucros a contar de bilhões. Isso, por si só, vale uma guerra.

O Iraque foi invadido exatamente por essa cobiça. Arrumou-se um pretexto qualquer e se invadiu o país.

Também a privatização dos sistemas de geração e transmissão de energia elétrica, estão nos planos dessa “trupe”. Além da privatização do Banco do Brasil e da Caixa Econômica que estão se mostrando instituições importantes como instrumento de pressão para a baixa dos juros cobrados nos empréstimos bancários. Essa política interessa a todos os brasileiros, mas não interessa aos banqueiros, sem a menor sombra de dúvidas.

Esses empreendimentos representam muitos bilhões de reais. Justificam, não importam quais sejam os meios que se venham a empregar para se chegar ao poder.

As “forças ocultas” em sua versão renovada contam com o apoio do núcleo duro do STF (Ministros Joaquim Barbosa, Luiz Fux, Gilmar Mendes, Celso de Melo e Marco Aurélio de Mello) que estão a cometer um crime contra a Constituição Federal.

Arvoram-se eles, do poder de cassar mandatos de deputados federais e senadores, o que o texto da constituição nega expressamente (Art. 55).

Por quê? Porque pode muito bem o julgamento ser um julgamento político como é expressamente o caso da Ação Penal 470.

Caso venham a ter sucesso no empreendimento (pelo menos de forma declaratória) está reeditado o AI 5. Agora juízes podem decretar de seu gabinete a cassação de mandatos de parlamentares legalmente eleitos pela vontade popular. A prerrogativa de imunidade parlamentar vai para o “espaço”.

Ora, o texto constitucional fala expressamente que o mandato somente pode ser cassado pela Câmara ou pelo Senado em caso de parlamentar condenado em sentença criminal transitada em julgado. Sendo esse exatamente o caso. Não há dúvida interpretativa.

Ai eu discordo de seu artigo quando diz que esse conflito pode inicialmente não ter muita importância. Ele tem muita importância sim, e é ai que eu proponho que a Câmara não só mantenha o mandato dos parlamentares (ESCANCARANDO A CRISE INSTITUCIONAL) como também, ato contínuo, abra uma discussão para debater a viabilidade de enquadrar os Ministros do STF que votaram contra a Constituição, como incorrentes em ato de improbidade administrativa, e parta para a cassação de seus mandatos. Se isso não for possível, que pelo menos se emita uma nota oficial de desacordo e repulsa ao que se pode caracterizar como uma tentativa de descumprimento do texto constitucional justamente pelos que deveriam ser os guardiões da Carta Magna.

A Câmara tem poder para isso!

Observe que todos os deputados condenados são do PT, exclusivamente do PT, pois até os outros parlamentares de outros partidos que estavam nessa condição (condenação em regime fechado) na última sessão do STF foram absolvidos pelo Ministro Marco Aurélio livrando-os do regime fechado. Intenta o magistrado dessa forma (a meu sentir, como costuma dizer Barbosa) de maneira espúria, “cooptar” o apoio dos partidos “beneficiados” a sua ação inconstitucional. Qual seja, a de se revestir do poder de cassar mandatos de parlamentares.

A lógica sendo a seguinte: se não vai ter parlamentar preso, porque o partido “beneficiado” defenderia os do PT que “precisam ser presos” como forma de desmoralizar perante a opinião pública aquela agremiação partidária? Note-se que até o próprio deputado denunciante, Roberto Jefferson, inicialmente condenado a mais de dez anos de prisão, teve posteriormente sua pena rebaixada para não pegar regime fechado.

Ou seja, não dá para esconder que esse julgamento da Ação Penal 470 não seja um julgamento político-partidário com o intuito de atingir o PT. Na verdade, atingir o presidente Lula.   

São de novo as “forças ocultas” agindo em sua nova versão: a da judicialização da política.

É preciso agir. Se se ficar só na defensiva, tanto no xadrez como em qualquer outro jogo, o adversário termina por romper as defesas e ganhar a partida.

Sou um jogador de xadrez medíocre (fui campeão brasileiro universitário de xadrez individual em 1971 e, a melhor classificação que consegui nos Campeonatos Brasileiros de Xadrez Absoluto em que tomei parte, foi duas vezes em 8° lugar).  Mas essa experiência, mesmo pequena que tive do jogo, me autoriza a dizer que a melhor defesa em posições de grande pressão, é o ataque.

Se ficar por motivação de ética apenas se defendendo, vai findar por perder o jogo.

Bandido só entende a sua própria linguagem!

Urge, portanto, empreender um contra-ataque, preferencialmente de grande envergadura e alcance.

Os dados históricos importantes estão no próprio Congresso como, a compra de votos para mudar a Constituição e outorgar um segundo mandato ao Presidente FHC, a distribuição gratuita de concessão de canais de televisão (corrupção ativa de quem os doou e corrupção passiva de quem os recebeu, formação de quadrilha das duas partes), o relatório engavetado sem apuração das denúncias conhecido como “Dossiê Rosa das Ilhas Caymãs” e tantos outros. A farta documentação disponível no livro “Privataria Tucana”.

Chega-se rapidinho no coração do comando das “forças ocultas” ou “corrente neoliberal”, se houver necessidade! É só querer.

 

 

É uma vergonha grande ter de ver nosso Supremo Tribunal Federal ser encarado em uma análise política séria como essa, como sendo apenas um peão no jogo da oposição. Mas você tem razão, não pode ser de outra forma. Um peão importante, pelo menos se diga. Agora espero que, entre os fatos positivos do governo, anunciados para breve, se inclua sem falta a conclusão dos canais de transposição da água do São Francisco para o Sertão do Nordeste Setentrional. Politicamente, está sendo feroz o ataque contra Lula, símbolo do Governo, em todo o Nordeste. Os adversários sabem que aqui é seu santuário. Mas não se trata apenas de neutralizar ataques oposicionistas quando se fala na conclusão o mais rápido possível das citas obras. O que há em perspectiva é uma das grandes secas secularmente históricas. A seca já se instalalou no sertão do Ceará e em áreas dos sertões pernambucano, paraibano, potiguar e parte do sertão piauiense. E muitos acreditam que agora é que ela vai começar de fato. Uma resposta concreta a esta catástrofe que se anuncia seria demonstração firme de que o Governo está presente de forma substancial e providencial.

 

 Primeira pergunta: Como o Estadão conseguiu informações do relatório do novo depoimento do Valério?

 Segunda: Por que o PT morre de medo de partir para a ofensiva, sem dó nem piedade?

 Terceira: Perceberam no Estadão uma notícia sobre o helicóptero do Alckimin? ( para parecer coisa de imprensa isenta )

 Quarta: Onde estão as pessoas com a estirpe e coragem  de um Brizola? ( aquele que conseguiu detonar a Globo )

 Última: Por que 99,9% dos políticos morrem de medo da impresa?

 

 

Os bispos da IMPRENSA GOLPISTA e os cavalos da OPOSIÇÃO estão cercando o REI e a RAINHA, mas nesse jogo de xadrez entre o PT e a IMPRENSA há um personagem muito mais importante que ninguém comenta: o PEÃO, isto é, o povo brasileiro que diariamente assiste o William Bonner golpear o governo. Essa importante peça do tabuleiro não está sendo levada em conta de um lado, só do outro. Enquanto os SANTIFICADOS JORNALISTAS DA GLOBO-VEJA-ESTADÃO-FOLHA preparam os escandá-los de semana que vem, o governo trabalha para a ampliação das medidas sociais que garantiram sua permanência no poder.

O LULA apanha na GLOBO todo dia desde 1989, e mesmo assim não foi possível evitar que ele ganhasse por TRÊS VEZES a PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA. Em 2014 quando o cidadão comum for cumprir sua obrigação eleitoral, de que será que ele vai lembrar? DAS BOLSAS DO LULA OU DA BOLSA LOUIS VUITTON DA PATRÍCIA POETA? Qual dessas bolsas interessam mais ao povo brasileiro?

 

As peças brancas desse xadrez - PSDB, DEM, PIG, STF, PGR - avançam com seus peões, no intuito de "cercar" o rei e a rainha - no caso, Lula e depois Dilma. No caso de Lula, a briga é para derrubá-lo do jogo e extirpá-lo da cena política; com Dilma, capitulada e sem apoio, seria trazê-la para a adesão demotucana.

Concordo que o governo, no afã de defende o republicanismo com unhas e dentes, deixou de tomar os devidos cuidados e agora paga caro o preço dessa decisão. As escolhas do PGR e do STF devem ser feitas, como você mesmo disse, olhando o histórico do candidato a vaga, dos princípios democráticos e defesa das leis e da justiça.

O PT tem a nobre missão de querer quebrar esse paradigma de aparelhamento do Estado, mas na atual conjuntura, agir assim é sangrar a própria República. O Estado é instrumento de organização política da sociedade e dentro desse desenho, as forças sociais conduzem seus ideais dentro de tempos e movimentos histórico-políticos.

Em que pese o poder emanar do povo, uma parcela desses representantes joga contra o povo, seja sabotando o projeto político do PT, seja conduzindo as instituições a que pertencem a rumos prejudicial à população, ao bom funcionamento do nosso sistema democrático.

Por esse motivo, a escolha do PGR e dos ministros do STF deve ser pautada não pelo aparelhamento dos órgãos de justiça, mas por indivíduos comprometidos com a Constituição e as Leis do país. Como já analisado aqui no blog, os ministros do STF tomam suas decisões a partir de sua leitura política e proximidade ideológica com o tema em discussão. Feito isso, procura-se respaldo na letra fria da lei.

A escolha de ministros do STF deve ser feita respeitando o princípio constitucional de que "o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos". Repito: aqueles que votaram em Lula e depois em Dilma, delegaram a esses dois representantes o poder de escolher os ministros e ministras. Não se pode fechar o olho para essa escolha.

Não estou dizendo que o PT deva aparelhar a Procuradoria-Geral da República ou o Supremo Tribunal Federal. Não é isso. Se o PT quer agir de forma republicana, deve primeiro propôr uma mudança profunda na Suprema Corte, através de Emenda Constitucional via Legislativo. Roberto Requião (PMDB-PR), Senador, já propôs que haja mandato para os ministros.

Concordo, mas é preciso ir além do mero mandato de ministro, mas que se mude a forma de composição hoje no STF. Por omissão constitucional, os ministros devem ter entre 35 e 65 anos de idade e notório saber jurídico. Nada mais. Não é exigido nenhum critério mínimo de composição.

Como complemento à proposta de mandato de 8 anos dos ministros (sem recondução), uma forma de resolver isso seria o STF se submeter aos mesmos critérios hoje adotados nos demais tribunais superiores - TST, STJ, STM. Por exemplo, a composição do STF, hoje de 11 ministros, a meu ver, poderia ser feita da seguinte forma:

7 ministros são escolhidos entre juízes de carreira dos tribunais superiores e regionais, com 35 e 65 anos de idade, notório saber jurídico e reputação ilibada;

2 ministros são escolhidos entre membros da Advocacia (1) e membros do Ministério Público (1), com 10 anos de atividade profissional para aqueles e 10 anos de efetivo exercício para este;

2 ministros de livre escolha do Presidente da República (espaço para nomear membros políticos para o STF).

É uma saída que precisa ser enfrentada. Do contrário...

 

Nassif: você ataca a suposta mídia conservadora, mas se revela um jornalista a serviço da suposta esquerda brasileira. Não dá para se comportar com ingenuidade, imaginando que malfetorias ainda ocultas não tenham sido perpetradas pelo PT e seus asseclas (PMDB e companhia). Deixe que os fatos venham à tona, ainda que provenientes da boca do Valério. Engraçado: tudo que se pretende apurar é sinônimo de golpe da mídia conservadora? Por que essa "proteção" implacável ao Senhor Luis Inácio? Será que ele está acima do bem e do mal? Será que ele é um Deus sagrado que não pode descer à condição dos mortais? Chega de "proteção" a esses pilantras, Nassif!

 

ESSE RAPAZ DEVE SER PARENTE DO REINALDO AZEVEDO(pseudo jornalista pago pelo psdb)ALGUMA COISA A FALAR SOBRE O PSDB, OU O FINADO DEM, ACHO QUE VOCE NÃO TEM O QUE FALAR SOBRE ESSE ASSUNTO NÃO É MESMO?

 

"você ataca a suposta mídia conservadora", diz o pilantra da opinião, fazendo-se de ignorante em relação a dita cuja ter se auto declarado de oposição, unificar seu pensamento e ações no instituto millenium, criado para tanto, e concentrar-se de forma monopolista nas mãos e desejos de cinco famiglias, cujo passado  condena.


De suposto atualmente na mídia, infelizmente, apenas a liberdade de imprensa, transformada em liberdade de empresa pela "ditadura da informação" vigente no Brasil.  

 

Prezado, voce tem o mesmo pensamentos em relação  aos pilantras do PSDB ?

Contra o Lula apenas existe a palavra, sem prova,  de um condenado.

Contra os pilantras do PSDB, existem fartas documentação com provas documentais.

Diz aí vai. 

 

Consagre os seus sonhos e projetos ao Senhor, e eles serão bem sucedidos, creia.

gAS

"Cuidado com o que vc pensa", soa sempre em tom de ameaça, que é a arma preferida dos fracos de argumentos. 

 

O Azedo comentaristas só vê "pilantras" com o seu olho esquerdo. Torto e caolho. Com tantos escândalos e falcatruas comprovados e documentados pelos preferidos do seu olho direito, também torto e caolho, sem nenhum julgamento, nem sequer com alguma menção...


Com certeza vossa consciência, também torta e caolha, está no mínimo precisando de um oftalmologista...

 

Quem assistiu a luta do século, sofreu por muitos e muitos assaltos sem compreender porque Cassius Clay apanhava tanto de Foreman, apenas se esquivando e sem agredir. Só no final é que Clay, ainda inteiro apesar da cara deformada, partiu para nocautear um adversário cansado de tanto bater.

Comunistas da velha guarda falam da perplexidade que foi acompanhar pelo noticiário o rápido avanço do Eixo sobre os soviéticos, com o Exercito Vermelho oferecendo relativamente pouca resistência. As batalhas decisivas e o contra ataque até a rendição do inimigo só começaram bem mais tarde

É de fato angustiante apanhar, perder batalhas sem que se tenha lutado com todas as forças. Mais ou menos como nos sentimos hoje assistindo a criminalização do PT na mídia, no STF, sem que se convoque o povo para a rua, sem que se promulgue a lei da mídia, etc., etc., etc. Nesta hora, a emoção não nos deixa ver que apostar todas as fichar em batalhas erradas pode parecer heroico, mas é apenas trágico.

Tenham certeza: enquanto a história do PT for apanhar muito e não parar de crescer é porque seus dirigentes estão, há um bom tempo, escolhendo bem a hora de apenas esquivar e a hora de contra atacar. Fato inédito na história da esquerda brasileira.

 

Nassif, na realidade aquela que foi chamada de "A luta do século" primeiro foi entre o Cassius Clay e o Joe Frazier, antes desta a que se refere. Naquela luta, Clay acabara de sair da cadeia e por isso foi chamada assim, afinal Clay estava prestes a recuperar seu cinturão que lhe foura roubado pelo governo americano por ter se recusado a ir ao Vietnã. Clay bateu muito em Frazier, mas deram a vitória ao derrotado. Nos dias seguintes, os jornais exibiam o rosto de Frazier totalmente deformado e este ficou internado um bom tempo. O rosto de Clay parecia o de um nasciturno. ANGELICAL. Na outra luta, com o Foreman, um golpe do ENORME Foreman quebrou-lhe o maxilar e creio que Clay possa ter ficado um pouco desnorteado com as dores, mas reagiu e nocauteou o "MONSTRO"! Mas, de todo modo, "Lutas do Século" houve várias, inclusive esta com o Foreman. 

Mas gostei da analogia! Lula não vai às cordas em vão. Como numa luta de "catch and catch can", ou, como nós chamamos " Telequete", Lula está só esperando a hora para usar as cordascomo estilingue e partir pra cima da camarilha. Aguardemos!

 

Concordo com tudo, em todos os sentidos. É isso aí. Vide Ghandi, leia-se A arte da Guerra, do Sun Tzu.

Parabéns, seu moço. Adoro ler suas matérias.

 

Meus Caros,

O PT tinha que trocar as cores de sua bandeira, no lugar da Bandeira vermelha a bandeira de cor amarela, pois o partido amarelou no relatório final da CPI do Cachoeira. E está amarelando até agora.   toda hora o PIG vai prá cima do partido com denuncias de corrupção requentadas e infundadas, feitas por bandidos já julgados e condenados. E o partido nada faz para responder estas denuncias a altura do que elas merecem serem tratadas. Não sei o que os 85 Deputados Federais e mais 15 Senadores Eleitos, e mais o Senador Hibernardo do Ministério das Comunicações e mais o Ministro da Justiça Cardoso Dantas,  estão fazendo em Brasília. Será que estão todos eles com medo do PIG. Pois não vejo nenhuma destas vozes se levantarem em defesa do partido. Sugiro que o porta voz do PT seja o Senador Collor de Mello. Pois é o único que tem coragem de enfrentar o PIG e o Procurador Geral da Republica Jô Gurgel. A melhor defesa é o ataque, já dizia o saudoso Técnico da Seleção Brasileira de 1982 Telle Santana.

 

Com o PMDB apoiando Policarpo e Gurgel, ou seja, contra o PT, vc queria o que mesmo.

 

Este Xadrez sempre é jogado quando um governo dito de “esquerda” assume o poder. E sempre termina com os adversários exasperados virando o tabuleiro.  Foi assim com Getúlio, foi assim com Jango e está sendo agora com Lula.


O que será que estes governos de “esquerda” fazem no poder que lhes garante votos e mais votos? Por que os que sempre estiveram nas elitistas hostes do poder nunca conseguiram o apoio das grandes massas? Por que não conseguem mais derrotar os “populistas” no voto?


Será que os eternos donos da “moral”, da “ética” e dos “bons costumes”, conseguiram há algum tempo fazer um governo que melhorasse o Brasil e a vida do seu povo? Por que não vencem no voto?


Eu sei as respostas... Mas deixo para reflexão dos “lulofóbicos”... Afinal os tempos são outros e não está tão fácil virar o tabuleiro do jogo...

 

Foi assim com Getúlio, foi assim com Jango e está sendo agora com Lula. Brizola também sofreu muito assédio da midia, foi um massacre covarde, lembro que ele(Brizola), via PDT, tinha que comprar espaço no próprio Globo para se defender, os chamados Tijolões, mas não adiantou, pois morreu no ostracismo, e olhe lá que agora, além da Globo e cia há Instituições da República fazendo oposição golpista, naquela época pelo menos o Judiciário não tinha chegado a tanto, tanto que deu direito de resposta a Brizola, algo impensável nos dias de hoje

 

 

...spin

 

 

É importante lembrar dos fatos que se deram em cadeia e sua ação e reação.

As ações que levaram a derrubada do esquema Cachoeira / Demostenes, com suas ramificações no judiciário (em especial STF), e no PIG (com envolvimento direto da Veja no esquema).

A incapacidade do Governo de aprofundar as investigações destas relações perniciosas e a atual vendeta.  Dai nasceram as atuais denuncias procurando vincular qualquer denuncia a imagem de Lula.

Vingança:  de Cachoeira, que era o dono de Goias e mandava praticamenite no estado todo.

Vingança:  do Demostenas, por ter sido desmascarado e humilhado.

Vingança:  do PIG, preventivamente, por ter seu jogo sido exposto, atravez de chantagem, evitando qualquer hipotese de convocação em CPI.

Vingança:  de parte do STF, que aderiu ao jogo até muito rapido, provavelmente descontente de ter sido citado seu envolvimento no grupo do Cachoeira; age preventivamente, se apertar aí tem mais coisa podre.

Aprarentemente o PT e parte do governo ainda acredita na justica.  Mas, conforme vemos, pela incapacidade de punir Cachoeira, do Demostenes e outros, a Justiça faz parte do jogo, não é um poder isolado como deveria.

Enquanto o Judiciário não passar por um processo de democratização teremos isto.   Um juiz prende, outro solta, e os criminosos ficam a vontade para se vingar.

 

Hoje ao ouvir o Bom dia Brasil lembrei dois posts do Nassif. Um que elogiou o padrão técnico do jornalismo da Globo e o outro que levantava a ausência de comentaristas conservadores no blog que trouxessem contribuições nas discussões propostas. O que levantou questionamentos vorazes aqui no blog. Estou cá com os ouvidos em alerta quando ouço o Chico: " E a Mirian Leitão está de volta! Mirian está chegando o fim do ano com números nada animadores para a economia. Bom dia."

Mirian: "Bom dia Chico. Assim eu não saio mais de férias." E continuou.

Olhei para a tela e pensei: "Será que eles ao pautarem estas frases gracinhas de efeito se dão conta que do lado de cá tem gente que pensa?".

Não discuto o padrão técnico, mas a linha ideológica... essa não é tratada como inteligência e sutileza, chega às raias da militância truculenta. 

Vamos ver onde vai dar esta ideologia que alimenta uma estratégia que dá voz  à Marcos Val, Cachoeira e tapa os olhos para o que está acontecendo em SP.

Caso Cacheira, hoje jogue mais m. no ventilador e com isso trazendo da escuridão Cavendish da Delta como ficarão os contratos milionários para os grandes eventos em RJ com os quais a Globo só tem a ganhar?

 

Região Serrana Fluminense:Vergonha!Vergonha!Vergonha!

Lembrando que hoje é 12/12/2012...Esquenta pro dia 21/12/2012!

 

Região Serrana Fluminense:Vergonha!Vergonha!Vergonha!

Outro dia me perguntava quem dentre os golpistas, todos extremamente medíocres, seria indicado para governar o país. Acho que ninguém esqueceu da campanha sórdida para presidente de 2010. Mas poucos devem lembrar de um dos vídeos mais idiotas que apareceu, parecia uma montagem neonazista. Vamos à histórinha do vídeo. Era o ano de 2012, ano perigoso segundo o calendário maia. O PT e o PMDB não mais se entendiam, Serra tinha fugido e pedido exílio nos EUA. Lembram? Segundo o vídeo, o povo (leia-se Instituto Millenium, logo a mídia corporativa e aliados) não aceitava mais a corrupção e o desgoverno no Brasil, Dilma era finalmente destituída e Serra voltava nos braços do povo (leia-se Instituto Millenium, logo entenda-se: a passeata do Millenium em Ipanema era o povo). Só agora entendi. Era o vídeo do golpe autoexplicativo. Ou a profecia de Nosferatu. Acho que o golpe está marcado para o dia 21 de dezembro de 2012. Já tem até boato por aqui de um grupo carismático (lembra do padre Peyton?) que orienta as pessoas para não sairem de casa dia 21 e armazenarem bastante comida. Não é coincidência, não.

 

Alguem sabe dizer o porque não é repercutido o discurso que Collor frequentemente tem feito no plenário do Senado sobre as ligações do PGR, Policarpo e vazamentos das operações da PF? Não vejo ninquém explorando esse assunto.


 

 

Está bem, Lula fez um bom governo para os pobres. Politicamente foi péssimo. O problema é que o PT, partido fraco, covarde e conivente com o exercício podre do poder se apoia num Lula politicamente medroso, debilitado por suas próprias fraquezas e condutas irresponsáveis e numa votação medíocre que teve nas últimas eleições. Declarações do partido são tão fúteis que nunguém mais dá bola. Dilma continua alimentando inimigos e incompetentes no governo. Partidos da base aliada estão com oxiuros de excitação para bandear para o outro lado (se é que já não fizeram). Todo mundo quer tirar uma casquinha no PT e nas dificuldade do governo. A oposição está nadando de braçadas, feliz como pinto no lixo. Sabem onde isso tudo vai dar? Num  golpe jurírco/midiático que já está em pleno andamento. Não há mais democracia no Brasil e segurança jurídica. O Governo, Lula, Dilma e o PT são os grandes responsáveis por essa situação devido à sua fraquesa e ingenuidade auto-proclamada na formulação "comportamento republicano".

 

Sim,não se pode mais dizer que há  no Brasil uma Corte Suprema que faça o controle da constitucionalidade, há sim, um conselho de aiatolás dando golpes contra a CF

 

Só lembrando do que a oposição perdida já acusou Lula:

1. racista
2. ladrão
3. pedófilo
4. estuprador
5. assassino

Se Lula é isso tudo, eu também sou por que meu nome também é LULA!

 

 

Parece que o mês do cachorro louco passou de Agosto para Dezembro, a cachorrada está excitada. Todo meu apoio ao grande presidente Lula, seu crime foi ter sido um bom presidente, isso eles não perdoam. 

 

Franklin.

Só o 'mensalão' chegou a Justiça

http://www.youtube.com/watch?v=nSYDYNNsgjM

 

 

...spin

 

 

Veja só no que deu o republicanismo de Lula: Simplesmente indicou seus desafetos políticos para postos chaves de importantes Instituições como o STF. FHC, que de bobo não tem nada, indicou o sexto da lista mas de sua estrita confiança. A PGR é oposição, bem como STF. Brizola enfrentou somente a midia, tanto que teve direito de resposta na Globo concecido pelo Judiciário. A situação agora é diferente: O PT tem que enfrentar as Instituições da república, todas a serivço do PSDB e midia. Como disse Bob Fernandes, só o 'mensalão' chegou a Justiça. Muito lamentável

http://www.youtube.com/watch?v=nSYDYNNsgjM

 

 

...spin

 

 

Ava,

Tú ta equivocado no seguinte aspecto: Não é somente a elite conservadora, acastelada nas instituições da república pelos seus representantes e mais a grande mídia representantes dos grandes negócios e negociatas, mas também, um canal de sustentação da elite que utilizam “eventualmente” o PSDB como mais um canal de reverberar seus métodos e atingir com suas táticas os resultados planejados. Quando conseguirem seus objetivos o PSDB e seus eventuais aliados (psol, pps etc...) serão descartados como sempre fizeram nos últimos 450 anos.

 

O poder que emana do povo é quem constrói a verdadeira democracia. No Brasil a Democracia é CAPENGA pois o Judiciário "não emana do POVO" e aí torna-se uma DITADURA dos Magistrados. Este poder não é maior que o Poder Legislativo nem que o Poder Executivo pois os dois últimos têm respaldo popular; o PODER JUDICIÁRIO não. Os Legítimos poderes no Brasil são: Legislativo e Executivo ( emanam do povo ); O JUDICIÁRIO e o PIG ( este comanda até o STF) são os dois poderes mais fortes do Brasil mas são DITADURAS pois não têm respaldo popular!!!!!!

 

Só faltava essa: O MPF e outras importantes Instituições da República fazendo oposição descancarada. Alias, pior do que oposição: Golpismo rasteiro. O que se vê é que não dá prá ser republicano num pais onde o golpe está sempre no ar. Lula indicou seus desafetos politicos para estas Instituições, de STF a MPF, passando por PF. Ao adotar o critério da competencia imaginou que estaria ajudando o pais, o problema é que isso se revelou um fiasco, pois tudo se desdobrou em golpismo. Se Brizola enfrentou somente a mídia, Lula vai ter enfrentar, além desta, MPF, STF, PF, todos na oposição, fora a mídia e a direita recacionária.

 

 

...spin

 

 

Disse tudo, não podemos mais permitir essa ditadura no Brasil. Há uma imensa necessidade de rever o sistema judiciário no país. Espero que PT tenha tomado isso como experiência e saiba escolher representantes no judiciário comprometidos com a verdadeira justiça, nossa democracia não pode ficar correndo risco por essa oposição sem o mínimo de pudor e caráter. Basta!

 

Em política, quem não bate, apanha


CADU AMARAL     11 de Dezembro de 2012 às 13:22


 


Infelizmente, o PT e a esquerda como um todo apanham, apanham e dão a outra face


Nos últimos tempos temos visto a criminalização da política se intensificar. Não faltam fatos e factóides para a execução da campanha antipolítica. Vale tudo para tirar a participação popular dessa esfera da convivência em sociedade. A principal delas, por sinal.


São as decisões políticas que determinam tudo o que nos cerca. De preços de mercadorias e semáforos nas ruas a quantos e quais são os parlamentares em qualquer nível ou como a economia de determinado local é tocada ou a forma de escolha até dos membros do Judiciário. Qualquer escolha que dialogue com a coletividade, essencialmente, política.


Não temos nem trinta anos de democracia ininterrupta no país. E este é o maior período democrático de nossa História.


Em certa medida é natural que existam problemas na exercício da democracia no Brasil. Como por exemplo a relação entre os poderes da República. Presenciamos neste momento que é o galo que canta em qual galinheiro na relação Câmara dos Deputados e STF.


O presidente do STF, Joaquim Barbosa, chegou a afirmar em sessão do dia 10 de dezembro que "O STF é a Constituição".


Outro aspecto é a nefasta existência dos financiadores de campanha. Ela transforma representantes do povo em office-boys.


Nessa confusão sobre o papel de cada um no convívio em sociedade, a imprensa, ou parte dela, tem a absoluta certeza de ser maior do que qualquer Poder constituído, do que qualquer mandatário popular. Quer acusar, julgar e condenar. E é claro, não aceita a menor fagulha de crítica. Não se criticam os deuses, pensam os agentes midiáticos.


E no Brasil ela atua sem a mínima regulação. Não havendo regras, é natural que haja dessa forma.


A questão é que a imprensa não é um Poder. Ela é instrumento do poder econômico. Este o grande poder. O que realmente manda.


Não tem essa de Poder executivo, Poder Legislativo ou Poder Judiciário. Tampouco a imprensa é o quarto poder. Isso é conversa mole. O poder que manda é o econômico.


Ele determina a linha editorial da imprensa; determina ações de governo e criação de leis e também a velocidade ou não, a rigidez ou não de processos no Judiciário.


É evidente que existem contradições. Esta é uma regra geral e se materializa globalmente.


Melhorar o poder de compra das pessoas até certo ponto interessa ao poder econômico. Até certo ponto. A partir do momento em que as posições na chamada pirâmide social se deslocam, aí não interessa mais.


Projeção política de pessoas oriundas do povo interessam também até certo ponto. Legitima o sistema político criado pelo capital. Mas um filho do povo alcançar o status que Lula alcançou no Brasil e fora dele não interessa ao poder econômico.


Não é à toa que a imprensa bate tanto em Lula. Não é à toa que ela requenta matéria a todo o instante. Muda nos requentes um parágrafo, coloca umas aspas, muda o título e o lide. Pronto, "escândalo" novo.


Mas o que não pode se dar é um grupamento político, seja partido ou social, não devolver as pancadas sofridas. Isso não é nem salutar para a democracia. Democracia é construção diária.


Não se pode apanhar sem bater de volta.


Aí o PT errou feio. Desde 2003 teve a chance de reorganizar parte das regras do jogo. Ou pelo menos mostrar que se apanhar muito, revidaria as pancadas.


Infelizmente, o PT e a esquerda como um todo apanham, apanham e dão a outra face.


Momentos que cito a seguir não mudariam o centro da regra do jogo, mas dariam mais equilíbrio entre os atores. Isso sem falar na Reforma Política. Mas tem que ser uma reforma mesmo e não um remendo eleitoral. O Estado brasileiro precisa ser reformulado.


Primeiro, a retirada de Policarpo Júnior de Veja do relatório da CPI do Cachoeira. Como argumento foi dito que a retirada se deu para garantir o restante do documento. Não vai passar nada. Perillo sequer será citado no texto final. Aposta minha, que espero estar errado.


Outro exemplo, para citar um mais distante. Foi o debate sobre a criação do Conselho Federal de Jornalismo em 2004. Órgão nos mesmos moldes da OAB ou CRM, que serviria para regulamentar a profissão de jornalista no Brasil.


Os Jornalistas em congresso da Federação Nacional de Jornalismo (FENAJ) decidiram pela criação de sua autarquia. Então o executivo, como preconiza a Constituição para a criação de autarquias, elaborou a mensagem para enviá-la ao Congresso.


A defenestração foi gigantesca. "Censor" era a palavra mais "sociável" que a imprensa usou. Quer dizer, os donos da imprensa.


Com o Conselho, questões como condições de trabalho e piso salarial seriam nacionalizados. Além, é claro, da formação do profissional em jornalismo.


Dia após dia, fica claro que assim como no futebol, onde quem não faz gol, leva. Em política, quem não bate, apanha.


http://www.brasil247.com/pt/247/poder/87691/Em-política-quem-não-bate-apanha.htm

 

webster franklin

O "garganta profunda" disse que vai falar...  Isso já está cansando...  PSDB + DEM + PIG estão no limite do bom senso!

 

"O que fazemos na vida, ecoa na ETERNIDADE!" (Máximus - Gladiador)

"Os dois mais importantes dias em sua vida são o dia em que você nasceu e o dia em que você descobrir o porquê... - M

Você esqueceu de citar o braço armado desse trio do barulho, Ministério Publico e Supremo.

 

Vendo e refletindo sobre tudo que está acontecendo me parece que o PT tem uma estratégia bem definida. Sei que é duro ver ele apanhando como mulher de malandro, mas diferente dessa, é ele quem está ficando mais forte, vide a evolução nas últimas eleições e comento alguns fatos:

- vejo críticas a aliança com o pmdb mas é essa aliança que vem garantindo os nossos avanços, tivessemos um pmdb solto e teríamos sim risco real desse golpe;

- ainda falando de pmdb me vem a questão do porque esse partido ser tão importante? o pmdb só é importante porque tem uma base parlamentar muito grande. Como o pmdb consegue esse grande número de deputados e senadores? o pmdb foi um partido que percebeu que poderia estar em qualquer governo se tivesse esse grande número de parlamentares e também percebeu que só consiguiria isso se tivesse uma grande capilaridade (leia-se prefeituras) e é exatamente aí que reide o poder do pmdb. Agoro me digam, o que o pt vem fazendo de uns tempo pra  cá? Não aumentando exatamente sua capilaridade? Como isso reflitirá nas eleições legislativas de 2014?

- outro fato que me chamou atenção foi a não aprovação para que o PT assumisse uma posição aberta de enfrentamento ao stf nesse final de semana, deixando, segundo alguns colunistas do pig, os nossos Zés a própria sorte. Alguém aqui duvida que se os nossos Zés quisessem levar o partido para o confronto com o stf eles não consiguirma aprovar isso? Então tudo leva a crê que esse confronto vai ser travado em outra frente, como por exemplo nas falas do Marco Maia. E aqui cabe outra observação quanto ao mesmo estar sozinho como levantado em alguns post. Ele não precisa estar acompanhado por ninguém pois ele ali falou em nome da camara, como seu presidente, e não apareceu nenhum lider, nem sequer da oposição, para contradizê-lo. os deputados e senadores sabem unirem-se quando a água bate nas nádegas.

- outro fato que leva a crê que o confronto se dará em outro campo são as manifestações de defesa do LULA feitas pela presidenta DILMA em um evento internacional, o pig não teve como não apresentá-la, e melhor ainda o posicionamento de outro chefe de estado defendendo nosso ex-presidente. Ao mesmo tempo temos a manifestação do presidente do congresso nacional o senador Sarney defendendo também nosso LULA, defendendo de forma enfática, ou seja, temos aí a manisfestação conjunta dos chefes de dois dos 3 poderes da república repudiando esses ataques, fato que não ocorreu durante todo esse tempo. E acontecer simultaneamente não pode ser coincidência. 

Apesar de parecer perdido acredito que as mentes que pensaram algumas estratégias que veem dando certo até agora, e sempre estando um passo a frente da oposição, como teem demonstrado os resultados das últimas eleições, que na verdade é o que importa, essas mentes não foram engolidas pela estratégia golpista do pig.

 Errarm a mão no stf sei, mas se observamos as últimas indicações vemos que as mesmas foram cuidadosas quanto ao quisito tempo de magistratura, as duas últimas indicações não passam de 2018, tendo portanto esse governo, se reeleito como tudo aponta, a chance de criar um stf extremamente afinado com o projeto de BRASIL que vem sendo feito nos últimos 10 anos além é claro  de ter o poder de rebater o pig e a oposição para qualquer indicação, já que o stf que julgou o pt na farsa do mensalão tinha 8 indicações do PT, sendo mesmo assim capaz de condená-lo.

 

 

Boa reportagem Nassis, se eles pensam que vão derrubar o Governo dos pobres deste país, vão quebrar a cara pois nós estamos de prontidão, e iremos as ruas para lutar contra estes golpistas de ultima classe, e defender o Homem dos pobres que é o grande "Luis Inacio da Silva", sera uma grande revolução desarmada que faremos neste País.

 

Prezados,

Acredito que a condenação de José Dirceu, Genoino e demais integrantes do PT, não foi apenas mais uma etapa para o golpe, Mas a etapa. O principal objetivo era verificar a reação pública, partidária e política em relação ao fato.

Como diz um ditado popular: "Onde passa boi, passa boiada".

Agora a força de reação do governo  e do PT terá ser muito superior, rápida e eficiente. 

Como diriam os comentaristas de futebol: "Quem não faz, leva". O governo e o PT estão jogando na retranca. E agora terão de partir para o ataque com placar desfavorável e time adversário pressionando.

 

 

 

 

 

 

 

 

Altamiro Borges: O cerco contra Lula se fecha. E agora?

publicado em 11 de dezembro de 2012 às 23:10

por Altamiro Borges, no seu blog

 Reportagem do Estadãode hoje confirma, até para os mais ingênuos, que a direita midiática e partidária não vai recuar um milímetro na sua ofensiva para desconstruir a imagem de Lula – e para, logo na sequência, bombardear a presidenta Dilma. Ela teve como base um depoimento prestado por Marcos Valério, em 24 de setembro último, à Procuradoria-Geral da República, que “vazou” no jornal da famiglia Mesquita. Nela o publicitário afirma que pagou “despesas pessoais” do ex-presidente Lula e que sofreu “ameaças de morte”.

 

  

Ainda segundo o sinistro depoimento, prestado após o empresário ser condenado a 40 anos de prisão pelo Supremo Tribunal Federal, Lula teria dado aval aos empréstimos que irrigaram o “mensalão” que comprou deputados da base aliada do seu governo. Marcos Valério fez as novas denúncias às procuradoras Raquel Branquinho e Cláudia Sampaio – esta última mulher de Roberto Gurgel, procurador-geral da República. Com isto, ele tentou ser incluído no programa de proteção a testemunhas para reduzir a sua pena.

 Direita em plena ofensiva 

O depoimento “vazado” deu novo fôlego à oposição midiática e partidária. Em plena ofensiva, ela atua em várias frentes. Explora ao máximo o midiático julgamento do “mensalão do PT”, que já estava nos seus estertores e agora ganha nova dinâmica, e ainda abusa das baixarias, inclusive moralistas, no caso Rosemary Noronha, ex-chefe do gabinete da Presidência da República em São Paulo. Tudo é calculado para fustigar a popularidade do ex-presidente Lula e, de quebra, para fragilizar o governo da sua sucessora.

 Neste esforço, o que há de mais reacionário na política nativa se une. Logo após o factoide do Estadão, o PSDB anunciou que pedirá a imediata convocação de Marcos Valério para depor no Congresso Nacional. “Queremos ouvi-lo para que ele diga ao país o que disse ao procurador. O que se sabe são vazamentos. É oportuna a presença dele para confirmar o que saiu na imprensa”, justificou o exótico Álvaro Dias, líder tucano no Senado. Os demos, mais sujos do que pau de galinheiro, também pedem a convocação. Aécio Neves bebeu novamente? 

Já o cambaleante presidenciável do PSDB, Aécio Neves, disse que “o PT e o governo deveriam terminar este ano de luto”. Será que ele bebeu novamente? Será que ele já se esqueceu dos péssimos resultados das eleições municipais? Para o senador mineiro, as denúncias de Marcos Valério confirmam que “o nível das relações íntimas do governo federal nos tráficos de influência que lesaram o erário público… O mensalão está aí na sua fase final e já temos outras denúncias que justificam a investigação da Procuradoria-Geral”.

 

Outras lideranças políticas, de legitimidade próxima à nulidade, também ficaram excitadas com a denúncia do Estadão. Roberto Freire, o chefão do PPS, novamente tentou se colocar como o capacho da direita. Já o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE), que andava meio na moita por puro oportunismo eleitoral, voltou a esbravejar que “o PT se transformou num verdadeiro carrasco da ética” e que o governo Dilma é “incompetente”. Alguns “viúvos do Demóstenes”, que se travestem de esquerda, também já se ouriçaram.

 Reação tímida dos atingidos 

Diante deste verdadeiro linchamento, amplificado pela mídia, a reação das vítimas desta nova ofensiva da direita ainda é muito tímida. Na França, onde participa de um seminário internacional, Lula disse apenas que o depoimento de Marcos Valério “é uma mentira e eu não posso acreditar em mentiras”. Já a presidenta Dilma Rousseff, também presente ao evento em Paris, lamentou “estas tentativas de desgastar a imagem de Lula. Repudio todas as tentativas de destituir Lula de sua imensa carga de respeito pelo povo brasileiro”.

 

O PT divulgou hoje à tarde uma nota, assinada pelo presidente da sigla, Rui Falcão, em repúdio às acusações. “A direção nacional do PT lamenta o espaço dado pela imprensa para as supostas denúncias assacadas pelo empresário Marcos Valério contra o partido e contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Caso essas declarações efetivamente tenham sito feitas em uma tentativa de ‘delação premiada’, deveriam ser tratadas com a cautela que se exige nesse tipo de caso. Infelizmente, isso não aconteceu”.

 Superar o pragmatismo e a conciliação 

Ainda segundo a nota, “as supostas afirmações desse senhor ao Ministério Público Federal, vazadas de modo inexplicável por quem teria a responsabilidade legal de resguardá-las, refletem apenas uma tentativa desesperada de tentar diminuir a pena de prisão que Marcos Valério recebeu do STF. Trata-se de uma sucessão de mentiras envelhecidas, todas já claramente desmentidas. É lamentável que denúncias sem nenhuma base na realidade sejam tratadas com seriedade”.

 Os pronunciamentos e notas, porém, não são suficientes para conter a fúria da direita midiática e partidária. A conjuntura política fica cada vez mais delicada, com forte tendência à radicalização. Os demotucanos, sempre pautados pela mídia, já decidiram “endurecer” e precipitar a sucessão presidencial de 2014. As forças de esquerda, especialmente o PT, precisam reavaliar o cenário. Não podem ficar acuadas em função das visões pragmáticas e conciliadoras. O momento exige partir para ofensiva. Antes que seja tarde!

 

 

Combatendo a hipocrisia nacional que alimenta o fascismo.