Revista GGN

Assine

Pode dar primeiro turno

Coluna Econômica

Pode dar primeiro turno nas eleições

É enorme a probabilidade de a eleição presidencial terminar no primeiro turno. É a opinião dos dois mais respeitados institutos de pesquisa de opinião do país: Vox Populi e Instituto Sensus.

Ontem o Instituto Vox Populi soltou sua pesquisa, mostrando vantagem de Dilma Rousseff de 40 a 35% para José Serra. Mas, computando os votos úteis, Dilma salta para 48%, a 2 pontos da vitória no primeiro turno.

20% ainda não se decidiram e a tendência majoritária será por Dilma. Segundo João Francisco Meira, do Vox, as tendências majoritárias nessas eleições são as seguintes:

1. As pessoas sentem que sua situação melhorou e não consideram que haja relação com o governo FHC. Ambos – Lula e FHC – garantiram a estabilidade, mas apenas Lula – segundo essa percepção – garantiu a melhora de vida.

2. As pessoas sentem que, além de sua vida ter melhorado, o governo é bom. Tanto que 80% consideram ótimo ou bom.

3. Há a convicção de que Dilma representa continuidade.

4. Além da desvantagem, o PSDB não terá tempo de TV a mais, para tentar reverter o jogo.

A esses fatores devem ser acrescentados os seguidos erros de condução da campanha do candidato José Serra.

***

O erro mais notável foi a escolha de Álvaro Dias, do Paraná, para candidato a vice – provocando uma crise insanável com o DEM.

Para Ricardo Guedes, do Sensus, só há uma explicação para essa imprudência: a percepção, na campanha de Serra, de que o PSDB poderá perder o sul – fato inédito em campanhas eleitorais. A tática não seria mais a de angariar apoios – o que ocorreria com um candidato do nordeste – mas a de preservar a região.

O Sensus montou para vários clientes vários de discussão em São Paulo, Santa Catarina e Paraná. Nesses grupos, as pessoas são convidadas a dar nota de 0 a 10 aos candidatos tanto no início quanto no final das discussões. Em todos os grupos se observou tendência de crescimento de Dilma e de queda de Serra.

***

A explicação de Guedes é que ocorreu uma antecipação da campanha presidencial. É como se o primeiro turno tivesse terminado agora, diz ele. Nesse período houve exposição dos dois candidatos na mídia, debates, currículos e argumentos colocados, acusações, dossiês. Tudo o que poderia ocorrer no primeiro turno ocorreu agora.

Em Minas Gerais e São Paulo, a verdadeira campanha começa agora, diz ele. No Brasil, não.

***

Submetidos a ataques intensos meses atrás – quando identificaram a possibilidade de vitória de Dilma, quando Serra ainda ostentava imensa maioria -, ambos os institutos saem da refrega com a reputação consolidada.

Para João Francisco, da Vox, o que diferenciou as análises foi o maior conhecimento histórico e político. Outros institutos limitavam-se a pegar números do dia e projetar, ou analisar tendências históricas sem que o Brasil tivesse conjunto de eleições suficiente para permitir extrapolações – da redemocratização para cá foram apenas quatro campanhas.

***

As dúvidas, agora, são sobre a posição do DEM na sua convenção de hoje. Caso desista da coligação, o PSDB terá um horário de TV equivalente ao de um partido nanico. 

Média: 4.9 (11 votos)
28 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+28 comentários

Ah, agora sim: ÍNDIO DA COSTA... Manda bordar a faixa, Dilma.

 

O Serra não vai poder fazer antidoping nesta eleição.

O sujeito consumiu tudo quanto é vidro de DERROTOX 45.

Re: Pode dar primeiro turno
 

Nassif,

 a meu ver, há que se considerar um outro elemento:o PSDB apostava em mau desempenho de Dilma nos programas de TV - hotrário eleitoral gratuito -  e nos debates. 

Pelo que se viu no Roda Viva, Dilma sai-se bem, tanto nos programas, nos quais contará com a óbvia ajuda da edição, quanto nos debates. Para mim, melhor do que Serra.

A conferir

 

Eu disse q tinha cheiro estranho no ar...

 

Primeiro previsões...depois otimismo....

 

2 pesquisas do mesmo instituto em 2 semanas....o cheiro continua no ar...e cada vez mais forte....

 

http://veja.abril.com.br/blog/radar-on-line/eleicoes-2010/tucanos-aposta...

 

Esperemos que a direita não apele para um golpe. Parece improvável...

 

_____________________________

Roberto Locatelli

Profissional de computação gráfica, modelador digital

Adiós muchachos, ya me voy y me resigno, contra el destino nadie la talla.

[Adiós muchachos, já me vou e me resigno, contra o destino ninguém pode fazer nada.]

 

"O mundo estaria salvo se os homens de bem tivessem a mesma ousadia dos canalhas" Nelson Rodrigues

"Marina e Serra não poderão participar de campanha de Gabeira, entende TSE"

FELIPE SELIGMAN
DE BRASÍLIA

Ao responder a uma consulta feita pelo PPS, o TSE vetou a utilização da imagem e voz dos candidatos à presidência José Serra (PSDB) e de Marina Silva (PV) na propaganda eleitoral de Fernando Gabeira (PV), que concorrerá ao governo do Rio de Janeiro.

O tribunal entendeu, por 6 votos a 1, que a legislação não permite a dois partidos coligados regionalmente utilizar a imagem de candidatos à presidência, se esses mesmos partidos são rivais em nível nacional.

Os ministros disseram que tal possibilidade poderia gerar confusão na cabeça do eleitor.

A consulta do PPS não questionava o caso específico do Rio de Janeiro, mas, apesar do tema de forma abstrata, se encaixa perfeitamente à situação de Gabeira.

O partido fez duas perguntas: 1) Um candidato a governador de um partido A pode utilizar a voz e a imagem do candidato à presidência do mesmo partido, se este está coligado a um partido B que tem candidato próprio à presidência?; e 2) Um candidato à presidência do partido B que está coligado regionalmente a um partido A, pode aparecer na campanha de um candidato a governador do partido A, sendo que este partido também tem candidato à presidência?

Para ambas as questões, o TSE respondeu "não".

http://www1.folha.uol.com.br/poder/759378-marina-e-serra-nao-poderao-participar-de-campanha-de-gabeira-entende-tse.shtml

 

"Ou o Brasil acaba com a mídia canalha, ou a mídia canalha acaba com o Brasil"

Serra é um horror.

Não conhece a humildade,

Pensa ser gênio da humanidade.

Quando tranquilo, entorna;

Diante da refrega, apela.

Desagrega sem parar,

Nem mesmo os apoios tradicionais consegue manter;

Com sua infinita incapacidade de dialogar, isola-se.

Perito em dossiês, espalha-os à granel,

Instado a responder, pergunta. Foge.

Mal-humorado, quer tristeza.

Mas os brasileiros querem alegrias e não dissabores.

 

Serra é um horror.

Não conhece a humildade,

Pensa ser gênio da humanidade.

Quando tranquilo, entorna;

Diante da refrega, apela.

Desagrega sem parar,

Nem mesmo os apoios tradicionais consegue manter;

Com sua infinita incapacidade de dialogar, isola-se.

Perito em dossiês, espalha-os à granel,

Instado a responder, pergunta. Foge.

Mau-humorado, quer tristeza.

Mas os brasileiros querem alegrias e não dissabores.

 

Dos 4 pontos citados,como indicadores de uma vitória da candidata oficial,eu destacaria os 3 primeiros como os reais motivos das pessoas pesquisadas estarem dando a entender,do que acontecerá nas urnas: Uma reafirmação da satisfação do eleitor,com a gestão Lula,e a sua confiança,na candidata Dilma,pela certeza,de ela dará plena continuidade aos atuais programas sociais e à manutenção do crescimento da macro-economia brasileira,que na outra ponta,elevou a qualidade de vida dos brasileiros de todas as classes sociais,e aumentou a confiança destes,num futuro melhor e sem sobresaltos na micro-economia,que é a parte que lhes interessa.

 

O preço da liberdade, é a eterna vigilancia.

Se o DEM tiver vergonha na cara larga o Serra, depois da traição que ele fez.

 

Marise

A dúvida agora é...

E o Datafolha? 

E aquela pesquisa?

Talvez a manchete dos jornais amanhã, depois das pesquisas dos institutos Vox Populi e Ibope, deveria ser:

Datafolha consegue captar os 2 dias de liderança do Serra. ; )

 

MANCHETE MIMOSA DOS MARINHOS

Maravilha, não? A dívida líquida percentual sobre o PIB está caindo. Mesmos os gastos com pessoal, motivo de tanto alarde na mídia, registraram queda real este ano.

Entretanto, reparem na manchete mimosa do Globo de hoje:

Quanta sensibilidade social, não é? Um incauto poderia acusar o Globo de fazer terrorismo econômico, de manipular as notícias, tudo com objetivo de arranhar a imagem do governo e, com isso, prejudicar a candidatura de Dilma Rousseff. Mas o pasquim de Kamel nunca faria isso.

(fonte: blog Óleo do Diabo)

 

Eles "esqueceram" de dizer que um grande responsável pelo déficit foram os investimentos de PAC, que não havia em 1999. O que é melhor para o país neste momento, investir no PAC e reduzir os gargalos de infraestrutura ou aumentar o superávit público?

 

"Se você pode sonhar, você pode fazer" - Walt Disney

Nassif,

Apesar de cadastrado, sempre que tento fazer um comentário aparece a mensagem de que o nome que estou usando é de usuário já cadastrado. Poderia me orientar?

 

Experimente "sair" (canto superior direito), fechar o internet explorer, abrir de novo, fazer login e depois tentar o comentário. Já deu certo comigo.

 

"Se você pode sonhar, você pode fazer" - Walt Disney

Nassif, O Ibope, Datafolha, Vox Populi e Sensus estão todos correndo atrás do IBOP - instituto briguilino de opinião pessoal -. A tendência de vitória no primeiro turno já foi escancarada na penúltima pesquisa do IBOP realizada no dia 19 de junho. Confiram o resultado aqui http://migre.me/RDC8 

 

A Dilma no último "programa" de entrevista que participou, foi precisa e direta em todas as respostas. Mesmo aquelas mais agressivas.

 

Muito bom Nassif! 

Só não creio que a questão do tempo de TV irá interferir tanto, a não ser que o DEM saia formalmente da coligação. Ainda assim, o tempo dos Tucanos ainda será próximo dos 5 minutos, suficiente para um candidato já conhecido como o Serra. A grande vantagem, nesse caso, é o aumento do tempo para a Dilma, que poderia explorar ainda mais os avanços do Governo Lula. 

 

Deu no Terra. PSDB desistiu de Álvaro Dias na vice:

http://noticias.terra.com.br/eleicoes/2010/noticias/0,,OI4533677-EI15315,00-PSDB+desiste+de+Alvaro+Dias+na+vicepresidencia+de+Serra.html

 

Vou escrever o óbvio: se depender de mim e da família, a Dilma ganha no primeiro turno.

 

MINAS INTEIRA VOTA NA DILMA!

62% PARA DILMA, E O RESTO E SÓ RESTO.

 

"O Sensus montou para vários clientes vários de discussão"

Nassif, acho que vc quis dizer "O Sensus montou para vários clientes grupos de discussão"... 

 

"Ou o Brasil acaba com a mídia canalha, ou a mídia canalha acaba com o Brasil"

PSDB desiste de Alvaro Dias na vice-presidência de Serra

 

Marcela Rocha, Direto de Brasília- Portal Terra Eleições 2010, 30 de junho de 2010 03h07 atualizado às 04h02

Em reunião na casa do presidente nacional do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), os tucanos resolveram desistir de colocar o senador tucano Alvaro Dias (PR) como vice do candidato do PSDB à presidência, José Serra.

Na madrugada desta quarta-feira, tucanos e democratas foram avisados por telefone pelo senador Osmar Dias (PDT) de que ele concorreria ao governo do Paraná, o que, segundo uma liderança peessedebista, inviabilizou a defesa do nome de Alvaro para ocupar o posto.

O presidente do DEM, o deputado Rodrigo Maia, e o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, foram de Brasília a São Paulo para definir com Serra quem será o vice.

A solução deve ser apresentada até esta quarta (30), data da convenção do Democratas, que deve ser estendida até que encontrem uma solução consensual entre os aliados.

O DEM voltou a defender o nome da ex-vice-governadora do Pará Valéria Pires para ocupar o posto. Entre os tucanos, fala-se novamente na senadora Marisa Serrano e no deputado Gustavo Fruet.....

.....Após reunião da cúpula do DEM na casa do senador Heráclito Fortes, o presidente da sigla disse: "Queremos mostrar aos nossos aliados que foi cometido um erro e que esse erro precisa ser resolvido para que o partido entre com força total na campanha. Um partido que tem 56 deputados, 14 senadores e 4 candidatos ao governo com muitas chances de vitória precisa estar motivado".

As agremiações passaram dois dias consecutivos fazendo longas reuniões, que contaram inclusive com a presença de Serra e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Os partidos retomaram o diálogo e, segundo o senador Agripino Maia, voltaram à estaca zero.

A crise entre DEM e PSDB foi desencadeada pelo anúncio de que Alvaro Dias era o nome indicado pela cúpula tucana para ser vice de Serra. O DEM se sentia no direito de ficar com a vaga e não gostou de ter recebido a notícia pelo Twitter de Roberto Jefferson, presidente do PTB, que, na última sexta-feira (25), fez uma série de ofensas ao ex-PFL na sua página do microblog, depois de iniciada a reação dos democratas....

 

 

 

http://noticias.terra.com.br/eleicoes/2010/noticias/0,,OI4533677-EI15315,00.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

 

2014---distribuição de renda

Enquete da Folha sobre escolha do vice de Serra

http://blogdacoroa.wordpress.com/2010/06/30/enquete-da-folha-sobre-escol...

 

Mais uma vez Marcos Coimbra vai ao cerne da questão: o argumento de alternância do Poder. Faltou falar que os mesmos que querem essa mudança em nível federal, calam-se em relação às eleições estaduais.

Marcos Coimbra

 

Mudar ou continuar Já faz algum tempo, começou a se generalizar no meio político a convicção de que Dilma vai ganhar as eleições. Embora nem todos admitam, é o que pensam até as principais lideranças da oposição, assim como a quase totalidade dos formadores de opinião e da imprensa.

Para consumo externo, continuam a dizer que o processo está aberto, que nada está definido.

Mas não é o que, no íntimo, acreditam que vai acontecer.

Do lado governista, nem se fala. Não é de agora que os principais estrategistas do Planalto e do PT trabalham com o cenário de crescimento e vitória da candidata de Lula. A rigor, é nisso que apostam desde 2008, quando o presidente deixou claras duas coisas: que ele próprio não tentaria mudar as regras do jogo para disputar um terceiro mandato; e que achava que conseguiria ganhar as eleições com alguém que o representasse.

Tudo que está acontecendo na sua sucessão, até o momento, confirma seu cálculo. Ele não se baseava no que diziam as pesquisas sobre as intenções de voto do conjunto do eleitorado. Ao contrário, o raciocínio sempre foi sobre o potencial de crescimento de uma candidatura identificada com ele e com o governo, avaliados, pela grande maioria da população, como ótimos ou bons.

Nunca foi relevante considerar os resultados agregados das pesquisas (normalmente os que a imprensa divulga), pois misturavam respostas de quem sabia e quem não sabia qual era a candidatura apoiada por Lula. Enquanto não aumentasse a proporção dos que tinham essa informação, a vantagem de Serra era ilusória e não preocupava quem, no PT, sabia fazer as contas.

É de se notar que, na oposição, as pessoas pensaram de maneira oposta. A opção por Serra, em detrimento de Aécio, mostrou que ela preferia escolher em função do desempenho presente dos pré-candidatos, deixando em segundo plano seu potencial de crescimento. Serra prevaleceu pelo patamar de largada, não pela perspectiva de chegada.

Há quem defenda que é cedo para decretar que a eleição está resolvida. De fato, é preciso admitir que muita água ainda pode rolar por baixo da ponte.

Não é impossível que Dilma, sua campanha, seus apoiadores e o vasto conjunto de forças políticas mobilizadas para elegê-la cometam erros calamitosos.

É, apenas, pouco provável.

Em função da possibilidade cada vez mais concreta de que Dilma venha a ganhar (talvez já no primeiro turno), alguns setores da oposição andam à cata de novos argumentos para tentar convencer os eleitores a mudar de ideia. Um dos mais engraçados tem a ver com o conceito de alternância do poder.

Trata-se da tese de que é bom, para a democracia, que as eleições ensejem a mudança do partido ou da coalizão que está no poder, assim permitindo que ocorra uma salutar alternância de pontos de vista e de prioridades.

A continuidade seria ruim, ao impedir que novas agendas sejam discutidas e que outras políticas, mais adequadas a um novo momento, sejam formuladas.

O ápice dessa argumentação aconteceu outro dia, quando uma importante revista semanal entrevistou o candidato do PSDB e perguntou “por que é positivo” para “a democracia brasileira” experimentar “uma alternância de poder depois de oito anos de governo Lula”.

Difícil imaginar algo mais sem sentido, a começar pelo fato da pergunta ser feita ao candidato interessado na alternância. É o mesmo que perguntar ao macaco se quer banana.

Ou alguém supõe que Serra diria que o melhor, para o país, é a continuidade? Mas o importante não é isso. A democracia não está na ideia abstrata de alternância. Para o ideal democrático, o relevante não é o conteúdo da escolha.

Tanto faz que os cidadãos prefiram continuar ou mudar. O que torna uma sociedade democrática é haver instituições que assegurem, a cada cidadão, a possibilidade real de escolher.

Se a maioria da sociedade brasileira quer a continuidade e votará em Dilma, é bom que todos se acostumem — incluindo os que querem a alternância. Em si, ela só é importante como uma possibilidade. Se não, nem seria preciso haver eleições. Bastaria trocar o governo a cada período estipulado. (O problema é que ninguém saberia como fazê-lo.)

 

Concordo plenamente : a alternância de poder não vale para S. Paulo?

 

Vícios foram adquiridos pelos tucanos no poder durante os 20 anos que administram o estado que retirá-los seja quem for o eleito (a) será uma tarefa nada fácil. Vícios na Educação, Saúde, Segurança Pública, etc, etc, etc