newsletter

Pular para o conteúdo principal

Processo da Monte Carlo fica ‘acéfalo’

Parece que as coisas vão caminhando para dar em nada mesmo. Esse Judiciário é uma vergonha, a corrupção corre descaradamente, alguns magistrados, procuradores, ministros do STF sequer se preocupam  em disfarçar, vão na cara-dura mesmo.

Juiz que ordenou prisão de Cachoeira é trocado de vara e processo da Monte Carlo fica ‘acéfalo’  

Do Blog do Josias (UOL)

A ação penal em que figuram como réus Carlinhos Cachoeira e outras 80 pessoas vinculadas à sua quadrilha está acéfala. O juiz federal que ordenou a deflagração da Operação Monte Carlo, Paulo Augusto Moreira Lima, não é mais o titular da 11a Vara da Seção Judiciária de Goiás, onde corre o processo.

Por ordem do desembargador Mário César Ribeiro, presidente do Tribunal Regional Federal da 1a Região, sediado em Brasília, o magistrado Moreira Lima passará a dar expediente, nesta segunda-feira (18), noutra frequezia, a 12a Vara da mesma Seção Judiciária de Goiás. Vai substituir o colega Társis Augusto de Santa Lima.

O blog obteve cópia do ato que formalizou a troca. Leva o número 882. Foi assinado, sem alarde, há três dias, na última quinta-feira (14). Anota que Moreira Lima vai à 12a Vara, “com prejuízo de suas funções na 11a Vara”. Significa dizer que as ações que presidia até então, entre elas a Monte Carlo, já não lhe dizem respeito.

O documento não faz menção ao nome do substituto de Moreira Lima. Tampouco explica as razões do seu deslocamento. Limita-se a informar que a dança de cadeiras decorre do “processo administrativo número 4.319/2012”. Nos subterrâneos, o que se diz é que o próprio magistrado pediu para trocar de ares.

Seja quem for, o futuro substituto de Moreira Lima será submetido a uma maratona que empurrará o processo do caso Cachoeira para uma fase de hibernação. O novo juiz terá de desbravar 53 volumes. Apenas a transcrição dos grampos telefônicos ocupa 36 volumes. Estão anexados aos autos, de resto, mais de uma centena de relatórios da Polícia Federal.

A análise de todo o material demandará tempo. O caso envolve, além de Cachoeira, uma quadrilha de 80 pessoas. Entre elas seis delegados e dois agentes da polícia civil goiana, dois delegados e um servidor da própria Polícia Federal, 30 policiais militares e um servidor da Polícia Rodoviária Federal.

A mudança no comando do processo ocorre em momento delicado. Na última terça-feira (12), dois dias antes da assinatura do ato de transferência do juiz Moreira Lima, iniciou-se na 3a turma do TRF-1 um julgamento que pode levar à anulação dos grampos telefônicos colecionados pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo.

Discute-se um habeas corpus ajuizado por Márcio Thomaz Bastos e sua equipe, defensores de Cachoeira. Alega-se na petição que a investigação estaria viciada por ter nascido de uma denúncia anônima. Relator do caso, o desembargador Tourinho Neto deu razão à defesa de Cachoeira.

No seu voto, Tourinho Neto (foto ao lado) anotou que o sigilo das comunicações telefônicas é assegurado pela Constituição. Só pode ser quebrado em casos excepcionais. Para o desembargador, o juiz Moreira Lima autorizou as escutas sem fundamentar adequadamente a decisão. Assim, as provas seriam ilegais e devem ser anuladas.

Integram a 3a turma do TRF-1 três desembargadores –Tourinho Neto e outros dois. Um deles, Cândido Ribeiro, pediu vista dos autos, adiando a decisão. O julgamento deve ser retomado nesta semana. Basta que um dos desembargadores siga o voto do relator para que todas as escutas da Monte Carlo sejam enviadas ao lixo.

A perspectiva de anulação das provas deixa desalentados os procuradores da República Daniel de Resende Salgado e Léa Batista de Oliveira, que acompanham o caso Cachoeira pelo Ministério Público Federal. Em privado, a dupla avalia que, prevalecendo o entendimento de Tourinho Neto, ficarão comprometidos os inquéritos e as ações penais abertas contra Cachoeira e seu bando.

O questionamento das provas é apenas parte da guerrilha judicial que assedia a Monte Carlo. Ironicamente, coube a Márcio Thomaz Bastos protagonizar a ofensiva. Ex-ministro da Justiça de Lula, ele vem colecionando êxitos que minam o inquérito feito pela Polícia Federal que já dirigiu.

Graças a Thomaz Bastos, o processo contra Cachoeira encontra-se em banho-maria desde 31 de maio. Nesse dia, o juiz Moreira Lima deveria ter tomado o depoimento do contraventor, de outros seis réus e de 15 testemunhas. Seria a primeira audiência de instrução da ação penal. Julgando um habeas corpus da defesa de Cachoeira, o desembargador Tourinho Neto suspendeu as oitivas.

O magistrado Moreira Lima havia determinado o desmembramento do processo. Desejava acelerar o julgamento dos réus que se encontravam presos, entre eles Cachoeira. Thomaz Bastos alegou que o desmembramento prejudicou a defesa. Por quê? Como a denúncia inclui o crime de formação de quadrilha, o que for declarado por um réu pode influir no destino dos outros. Portanto, todos teriam de ser julgados em conjunto.

Para fundamentar o pedido de suspensão do depoimento de Cachoeira, Thomaz Bastos citou o processo do mensalão, no qual os 38 réus, mesmo os que não têm mandato, estão submetidos ao mesmo foro privilegiado do STF. Ao acolher as alegações, o desembargador Tourinho deu-lhe razão. Anotou:

“Observe-se o que afirmou o ministro Joaquim Barbosa, citado pelas impetrantes, no processo conhecido por mensalão, em que são denunciadas 40 pessoas: ‘o contexto em que tais fatos ocorreram não aconselha esse desmembramento, sob pena de perdermos a sequência lógica e a conjunta em que teriam sido praticados os crimes. Isso para o julgador.’ Para a defesa, seria pior.”

Ironicamente, o trecho citado por Tourinho Neto fora escrito num despacho em que, vinte dias antes, Joaquim Barbosa indeferira um recurso do mesmo Thomaz Bastos. O ex-ministro defende no STF um dos réus do mensalão: José Roberto Salgado, ex-diretor do Banco Rural.

Como seu cliente não tem mandado eletivo, Thomaz Bastos solicitara que as acusações contra ele fossem apartadas do processo principal e enviadas para a primeira instância do Judiciário.

Quer dizer: o advogado pediu no STF o oposto do que iria requerer no TRF-1 vinte dias depois: o desmembramento dos autos. E utilizou em favor de Cachoeira os mesmos argumentos que o ministro da Corte Suprema usara para negar o que pretendia para José Salgado, o outro cliente.

Como se fosse pouco, os últimos oito réus da Monte Carlo que continuavam presos estão deixando, um após o outro, a cadeia. O próprio Cachoeira obteve na sexta-feira (15) uma liminar ordenando sua libertação. Expediu-a o mesmo desembargador Tourinho Neto, sempre ele.

A ordem só não foi cumprida porque está em vigor um decreto de prisão do contraventor baixado noutra ação penal. Decorrência da Operação Saint Michel. Trata-se, por assim dizer, de um filhote da Monte Carlo.


Sem votos
44 comentário(s)

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+44 comentários

Se é o que parece, só consigo me lembrar dos rostos

dos juízes Falconi e Borselino quando caíram e morreram

ao tentar contrastar o crime organizado internacional e

italiano...   

 

 Bom, se não serve para praticamente nada esse trabalho monumental da Policia Federal e ABIN, vamos dar férias definitivas para ele e acabar com essa farsa, de que se ha justiça no Brasil. Assim ninguém  perde tanto tempo, anos de trabalho para tudo terminar com "o grampo foi ilegal". Eh abusar da nossa paciência cidadã.

 

Cada dia mais um desânimo, mais uma vontade de sumir quando vemos a vergonha que é nosso judiciário. Verdadeiros bandidos, pois cúmplices de criminosos, com apoio da nossa imprensa golpista. Ou a sociedade civil se movimenta e vai às ruas exigir reformas profundas, ou as nossas institutições já ameaçadas serão completamente destruídas. Não dá mais para aguentar tamanha falta de vergonha.

 

Não ficará acéfalo por muito tempo... alguém do esquema vai assumir, logo logo.....

 

O estado falha mais uma vez.  Surpresa enorme, ne?

So nos resta saber se o juiz vai "descansar" em Portugal tambem...

 

ECHELON saiu da internet. ECHELON agora esta no seu proprio computador.

Salve, Ivan...

triste realidade, né não!?

Estado que não é capaz de ter domínio sobre a corrupção mesmo com todas as provas já acumuladas, não passa mesmo de um estado de merda, de enganação..........

se foi assim, se seguiu assim e se permanece assim, qualquer juiz se serve à vontade e ainda por cima ordena que policiais sejam punidos

 

mas ainda resta o bote no principal, o que abriu todas as portas da justiça para todo tipo de bandido, desde que milionário e muito sujo e muito encrencado...........porque aí vai pagar muito

 

abraço forte

 

Em tempo...

assim como também serve qualquer governo

 

se abrir a Delta o PT perde a pose junto com PMDB

 

Saída é pela Delta...

já que políticos não fazem nada, não reclamam dessa porcaria de justiça, mantemos o foco na política

pegue alguns deles, faz balançar o governo, base aliada, força do pmdb

e talvez assim o ministério tome a devida providência

 

Segurança aposentado do ex-ministro Murilo Macedo e do ex-vice-presidente Aureliano Chaves e, por fim, de um ex-prefeito de uma grande cidade do interior, garantiu, em conversa informal, que cidadãos de toda a estirpe possuem telefones grampeados por forças policiais no referido município. Ele justifica o grampo indiscriminado, afirmando que o mesmo possibilita a retirada de vários policiais das ruas, permitindo, deste modo, a execução de um trabalho investigativo mais eficiente.

 

E tenho outra indagação: De onde vem o dinheiro que será a paga dos honorários do ex-ministro ?

Da pilhagem, do crime. Obviamente, Bastos participará do butim. 

 

Aonde tá  todomundo que não se  rebelam quanto à falha jurídica presente neste fato atual:

- O Tourinho Neto deveria ser considerado  sob suspeição para julgar o mérito de escutas telefônicas  pois, como réu de um processo da PF  tem  suas posições  sériamente  tendenciosas devido a fato ocorrido.  Deveria  ser  considerado impedido de  fazer  qualquer julgamento  por  isso.

- É o mesmo caso do Tóffoli e sua  namorada, advogada do Zé Dirceu: deveria também se declarar sob suspeição.

-  Na mesma linha  de raciocínio, jamais um  ex-min. da justiça  poderia defender um réu  contra  ações da PF, já  que este  como ex-chefe dela, tem informações  privilegiadas que podem prejudicar todo um trabalho de investigação.

-Conclusão: A  partir de agora, o jeito é  a  PF efetuar  as  escutas  e  esperar pelo flagrante do cabra  com a  boca  na botija,  pois, do jeito que  vocês  estão falando, isso aqui não demora  prá se tornar  na casa  da mãe joana !!

 

 

"A democracia é o pior sistema de governo do mundo. À exclusão de todos os demais” ...Churchill.

 

Quem diria que um homem que foi Ministro da Justiça utiliza de artifícios estapafúrdios para defender criminosos que lesaram e continuarão lesando o Estado Brasileiro! As vítimas de Cachoeira e sua quadrilha são incontáveis, na medida que em não são apenas os cidadãos que jogam o jogo sujo de suas máquinas e dos bingos ou apostam nos números mascarados das papeletas do jogo do bicho. E o bicho Cachoeira e os de sua quadrilha têm feições de animais selvagens, inumanos e ávidos por devorarem o "dinheirinho"  dos tolos apostadores, muitos dos quais se viciam e chegam a apostar todo o salário mensal.

E o juiz Tourinho, que ironicamente tem no nome uma alusão a um bicho, afirmou que Cachoeira pratica um crime menor, o da contravenção. Ora, Cachoeira e sua quadrilha estão a anos luz de meros praticantes de crimes menores, nos quais a "justiça" costuma enquadrar os funcionários das empresas de jogos, sendo muitos deles, senhores aposentados que se sentam em banquinhos nas entradas dos bares para marcar as apostas. Estes sim, praticantes de crimes menores, sabedores que são de que estão na pratica da contravenção. Os cabeções do bicho, os donos milionários, não são incomodados pela "justiça", haja vista as palavras amenas e carinhosas do Tourinho acerca de um criminoso qualificadíssimo. As provas contra Cachoeira e sua quadrilha coligidas pela Polícia Federal, demonstram de modo enfático que eles estão inclusos em muitos outros crimes, tanto que o Legislativo, por intermédio de prerrogativas legais de seus membros, deram início à uma CPMI para apuração de uma rede interminável de crimes de várias ordens, tais como, contra a economia do país, contra o inriquecimento ilícito, contra o republicanismo, contra as leis que versam sobre a condenação da formação de quadrilha, etc.

Suponhamos, agora, que todas as robustas provas coligidas sejam anuladas por Tourinho. De que maneira Cachoeira e sua quadrilha serão responsabilizados por seus crimes, posto que por simples questões de lógica e de bom senso eles, de fato, os cometeram?

Lá estão suas vozes tramando contra as leis do país.

Lá estão suas intenções criminosas gestando meios espúrios para atingirem seus objetivos ilícitos. E mais, muito mais.

De que modo Tourinho poderá anular as provas se os Legisladores já observaram, com a criação da CPMI, que Cachoeira se sua quadrilha necessitam serem investigados por inclusos no arcabouço das leis sobre crimes que os próprios Legisladores criaram e promulgaram?

Que tipo de interferência é essa?

Pois Tourinho pode tomar uma interpretação errônea de uma questão formal de ação penal,  levianamente proposta por - é de se pasmar! - um ex-Ministro da Justiça, em detrimento do conteúdo, que indubitavelmente incrimina os réus.

De que modo o país irá penalizar aqueles que o violentam? Prosseguirão livres e desimpedidos para prosseguirem com seus intentos criminosos? Será que Tourinho conhece outros modos para cessar a atuação dos réus, que não seja por intermédio das provas que hoje estão prementes para sem analisadas? Eu desconheço.

Sinceramente, eu admirava o advogado e ex-Ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos. Agora vejo, creio que eu e os que têm noção de Justiça, que Bastos não passa de um Bicho, um ser inumano a serviço de criminosos e tangido a muitos milhões. E não venham com o argumento de que todo réu tem direito a um advogado. Tem sim, mas o advogado tem o dever moral e ético de avocar a defesa nos limites da lei, sem invencionices cujo princípio é perpassar argumentos por brechas desonestas. A lei tem um corpo e sua existência não está a disposição para receber facadas desferidas por quem é tangido por interesses materiais. 

 

  

 

Eles estão sempre em luta para tomar espaço, ou mesmo o país, e estes fatos são realmente lamentáveis. Mas são decisões isoladas que não são concedidas a qualquer hora. Elas também geram desgastes para os grupos vencedores e podem trazer leis para protegerem a sociedade. Na verdade as coisas sempre foram assim. Agora é que tomamos conhecimento destas manobras e acho que as coisas estão começando a mudar. Mas não se esqueçam que existem os interesses ecomômico, político, o interesse de outras potências que atuam ativamente no nosso país até dos aproveitadores, tipo Cachoeira, tentando se aproveitar de todos os demais. Isto são só batalhas mas a luta continua.

 

 

Alguém ainda acha um exagero a declaração da Ministra ELIANA CALMON?

 

"A corregedora nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, que causou polêmica ao afirmar que no Judiciário existem "bandidos de toga", criticou a aposentadoria compulsória como forma de punição a juízes no Brasil.

Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/pais/eliana-calmon-reafirma-que-ha-bandidos-de-toga-3241990#ixzz1y6RwBcDR."

 

Que tal aproveitar a Rio+20 para mostrar ao mundo que a nossa corrupção é a melhor de todas, a que se mantém constante por não encontrar qualquer obstáculo ao fluir pelos canais da justiça, o que tem possibilitado atender a todos os interessados em preservá-la...(?)

de repente o mundo quer saber o motivo da euforia de juízes, senadores, empresários e governadores, quando viajam para o exterior.

 

a euforia da nova classe média eles já entenderam, vivas, pois, aos cartões de crédito

 

e por falar em conta no exterior, Cachoeira manda fatura pra juiz ou vai naquele esquema dos recadinhos para doleiros com um só anotação, vale o escrito excelência???

fala aí, São Thomas, salvem Seu Cabral, Demóstenes fica, soltem o Cachoeira e os seus

 

 

 

A temática da Rio+20 é outra, se bem que tá passando da hora de se criar um foro internacional para debater a corrupção, depois de melar a Sarthiagraha a coisa se repete com anulação da Monte Carlo, isso é revoltante

 

Blog do IV AVATAR

eu sei, Avatar...tava de brincadeira, rs

mas estamos  a depender mesmo de uma Justiça+PodridãoSemFim

já era, tudo perdido

 

 Quem sabe se essa atitude não é desqualificar esse tribunal nesse processo.


Na recomendação do CNJ  n°3 de 3/5/06,  exige especialização das  varas para julgar delitos praticados por organizações criminosas, entre outras providências.


Exige também a participação de mais de 3 juizes no julgamento de quaisquer atos pertinentes as organizações criminosas.


Daí a solicitação do advogado, em desmembrar o processo.


 

 

Não é melhor acabar de uma vez o sistema de denuncia anonima que tem contribuido fortemente para elucidar inumeros crimes?

Graças ao disque denuncia a policia do Rio de Janeiro tem conseguido inúneros e  sucessivos sucessos

Tudo leva a crer que o sistema de disque denuncia,que muitas vezes é baseado em denuncias ,só se aplica para prender os P 's da vida ,pobre,prostituta,pederasta,preto.........

 

Um proceso de investigação policial já "vendido" (sabotado intencionalmente ?) .Veja o Hino da estrutura Policial Brasileira frente ao crime organizado de alto coturno (envolvendo militares !)

 

Dastanhêda

Esse video teria ficado melhor com cenas da Privataria Tucana, Lista de Furnas, Escândalo do Banestado, Paulo Preto & Serra, o FHC pagando parlamentares para aprovar a emenda da sua reeleição...

 

Blog do IV AVATAR

olha, que me desculpem os amigos de blog mais flexiveis - mas é triste saber que sem o saber juridico do ex-ministro da justiça MT Bastos, talvez este marginal e sua quadrilha já estivessem tendo o que merecem.

Acho triste o papel que um homem já muito rico e com todo o sucesso profissional/pessoal possiveis esteja ao lado de um crime/criminoso tão nocivo quanto este e atuando contra todo um País, contra a Nação e a ainda não nascida Democracia brasileira. 

Acho lamentável este sr MT Bastos. Posição indefensável a dele.

(não foram à toa tantos os cínicos sorrisos do Waterfall durante seu "depoimento" na CPMI).

:/

 

Werner, não são os advogados; eles só colocam os medalhões para parecer que é trabalho de excelentes profissionais mas não é nada disso. O juiz, já sabe o que tem que fazer; o medalhão entra em cena só para dar um clima de excelência jurídica a falcatrua. 

Esse juiz da Monte Carlo, ou foi saído ou pediu para sair e o que entrar vai entrar para fechar o negócio, nem há, de fato, necessidade de qq advogado, é tudo um cenário, entende? É só show.

Veja como são as coisas, a maior aberração do tal de mensalão é, exatamente, o foro inadequado para a maioria dos réus. Joaquim Barbosa, pensou como MTB, se eu desmembrar, minha tese vai pro espaço ( ele não quer saber se a tese dele é correta, quer adequar o processo a tese ) e, portanto, eu vou negar recurso a 30 e tantos réus, ou seja, o magistrado vai cercear a defesa dos réus para fazer valer sua tese. Não é a acusação que está fazendo isso, é o juiz! Muito bem, aí nós saímos da última instância e voltamos a primeira, em Goiás; um advogado fundamenta seu pedido de não desmembramento na decisão estapafúrdia do STF! A tese de formação de quadrilha tem que vingar aqui, pq vingou lá em cima!!!????

Qdo a gente alerta para o precedente que o mensalão e o Ficha -Limpa vão abrir, é por essas situações aí. No caso específico, a fundamentação se deu, apenas, em cima do desmebramento, ou seja, julgamento em foro inadequado mas, ainda temos , denúncia sem provas, inversão do ônus da prova, alteração dos ritos processuais, abandono da presunção de inocência, alteração da estrutura de outros tribunais para favorecer um julgamento, retroatividade de leis, abolição do trânsito em julgado, transferência de titularidade de direitos políticos e etc... Se todos esses ítens começarem a fundamentar outros pedidos e/ou decisões, vai ser difícil cobrar alguma coerência do judiciário que já não faz muita questâo de esconder sua seletividade.

 

O problema não são os advogados do Cachoeira, o MTB é apenas um deles, os advogados pedem e os magistrados dão, o Tourinho dá prá qualquer um, sendo prá ajudar o Cachoeira...

 

Blog do IV AVATAR

É o mesmo modus operandi realizado com o juiz Fausto De Santis, só que no caso dele o derrubaram para cima, foi levado ao Tribunal de Justiça depois da perseguição implacável que lhe foi promovida por Gilmar Dantas.  

 

Depois destes fatos do Judiciário com desmantelamentos das Tres  opereções da PF e a soltura do contraventor que tomou o estado de Goiais  e  quase tomou governo federal, posso garantir que o governo da DIlma esta por um fiu. 

 

Enquanto não temos uma lei de imprensa, o crime organizado continuará imperando com as bênçãos dos chefões do mesmo: globo, folha, veja, estadão, juizes, gurgel, ...

 

ja escrevi aqui que politico e juiz é iqual a banana, vai na feira e compra a duzia.

 

Onde encontramos, com a chancela de legalidade, a distribuição de cargos bem remunerados, emprego de familiares, troca de favores, descaminho do dinheiro público com reformas inacabaveis e desnecessárias, corregedorias comprometidas com falta de fiscalização, indicações políticas para cargos chaves, "deuses" que se acham acima da Constituição e das leis, sorvedouro de dinheiro público? Se achamos que é o Legislativo, estamos errados. O Judiciário, em suas instancias superiores principalmente, é a sauva e o gafanhoto da nação brasileira. Interpreta as leis de olho no troca-troca, das convicções políticas do poder, da importancia da pessoa julgada e da projeção de quem o defende. Ou seja, uma nódua no Estado brasileiro. Não adianta seguir os ditames da Constituição, das leis de processo, pois sempre encontraremos encastelado no pior orgão do Estado alguem que destroi e corrompe, e impõe a falsa justificativa da autonomia e defesa da lei e ordem. Todos os processos que destruiriam o cancer da corrupção e desvio do dinheiro público sempre morreram nas gavetas de um iluminado ou nas decisões de algum orgão superior. Reforma já ! Ou desmanchamos e construimos um novo Judiciário ou nunca  deixaremos de ser uma república de bananas. Devemos destampar a fossa que se encontra o judiciárioduto brasileiro e,sempre ter, na hora do voto, a consciencia da reforma necessária na CF no que se refere ao Judiciário. Ali reina as trevas e a luz do sol é o melhor desinfetante!

 

O magistrado deve ter solicitado a transferência, pois possuem a garantia constitucional da inamovibilidade. Deve ser por esta razão que o Josias, lá no meio do texto, como se fosse uma fofoca solta:"Nos subterrâneos, o que se diz é que o próprio magistrado pediu para trocar de ares."

 

Marta, a inamovibilidade se aplica de uma comarca para outra. A mudança de vara é ato administrativo que diz respeito a LOTAÇÃO, diferente de REMOÇÃO. 

 

Os barões da mídia oligárquica são iguais ou piores do que uma prostituta desqualificada, que vai para a cama com qualquer um, desde que lhes pague um valor qualquer.

Ou "mandaram" ele pedir...

 

Concordo plenamente.

O "processo administrativo" talvez seja o que decide o pedido de remoção.

 

Nunca vi um processo administrativo no Judiciário, sei que dizem que apuram ( uma vez na vida!!!!!) algum crime cometido por Juízes mas  a sociedade nunca tem acesso  a esses processos. Ficam entre  quatro paredes, se é que vcs me  entendem.

 

Eu trabalho no judiciário, federal, e vivemos sempre a possibilidade de processos administrativos de toda espécies, desde punitivos a administrativos propriamente ditos, como suponho ser o caso que discutimos aqui.

 

Pergunta ignorante. Pergunto pq o Macabu usou este expediente na tese de conceder parcialmente o direto de cachoeira sair da cadeia. Sai mas não conversa. 

Quem foi o juiz que assinou o HC ao denunciado Queiroga em Goias ? o substituto ? 

(macabu cita mais não coloca quem decidiu)

 

Por uma década de imagens/escutas clandestinas, a quadrilha deve ter acumulado extensos e inquietantes arquivos contra numerosas personalidades de alta graduação na República.

 

Enquanto isso... olha a que nosso Judiciário partidarizado e até mancomunado  com o crime - e parte de nossa mídia também - está nos levando:

"Policiais usam onda de arrastões para vender segurança".

Milícias cariocas; milícias paulistas... e infelizmente não é coisa só de São Paulo e Rio, não.  A sensação de que "tá tudo uma baderna" incentiva baderna de fato.  O que tem de policial por aí ganhando pra "eliminar problemas" não é fácil. Ai entramos na selva.

Roube e se dê bem; a Justiça da UDN garante.

 

Certamente, será um juiz "bem mais indicado" que irá ocupar o lugar do Juiz Moreira.

 

Das 3 maiores operações da PF duas estão em vias de ser anuladas, a Satiagraha e a Castelo de Areia. Agora a do Cachoeira segue o mesmo caminho. Aí está todo o roteiro da corrupção que se pratica no Brasil. Se o judiciário se debruçasse nessas investigações da PF encontraria o meio de passar este país a limpo. Infelizmente tudo vai virar pó. Prova de que o maior mal no Brasil não é a corrupção, mas o judiciário que a chancela, que a incentiva à medida que não toma as providências legais para punir exemplarmente os culpados. No Brasil podemos dizer que o crime de corrupção compensa. Pode-se meter a mão no dinheiro público e tranquilamente contar com o judiciário que certamente vai passar por alto qualquer perspectiva de punição.

 

Certos julgamentos não passam “de uma cerimônia legal” para “averbar um veredito já ditado pela imprensa e pela opinião pública que ela gerou”. Juiz Jackson da Suprema Corte dos E.U.A

Esquiber, já disse aqui várias vezes e sempre que tenho oportunidade digo também ao meus amigos: tudo que nós vimos e lemos sobre cachoeira e etc não vai dar em nada, o senador Demóstenes sequer será cassado. A única coisa que realmente aconteceu é que ele nunca mais vai posar de varão de plutarco, bastião da moral e dos bons costumes e etc, no mais, tudo vai continuar na mesma, só serve para pauta de jornais e revistas para fabricarem manchetes!

 

Quem acredita no Sistema Judiciário brazyleiro são os BANDIDOS e seus advogados caros. Ninguém pagaria 15 milhões para um advogado de porta de cadeia se não acreditasse no sistema.

Dos que trabalham é descontado o IR na fonte para sustentar um judiciário tomado pelo crime organizado.

Soltem logo a quadrilha do Cachoeira, vamos acabar com a injusta prisão. 

 

Pois é... Então é o seguinte: OU A SOCIEDADE CIVIL TOMA VERGONHA E COMEÇA JÁ A SE MEXER PARA DAR CURSO A UMA PROFUNDA REFORMA DESSE NOSSO GROTESCO JUDICIÁRIO ou vamos presenciar aberrações piores a cada dia...