Revista GGN

Assine

Quando Demóstenes era uma "promessa"

Por Marcia

De Acervo / Blogs Estadão

Há 10 anos, Demóstenes Torres era promessa de renovação

Quando desbancou favoritos e foi eleito senador por Goiás dez anos atrás, o senador Demóstenes Torres, que depôs no Conselho de Ética do Senado por causa das denúncias de envolvimento com o bicheiro Carlinhos Cachoeira, figurava como uma das promessas de renovação do quadro político no sempre desprestigiado Congresso Nacional.

A reportagem do enviado especial a Goiânia, João Unes, o apontava como o fenômeno eleitoral e dizia que ele unia três qualidades que foram essenciais para a vitória nas urnas: a novidade, a competência e a honestidade.

Acervo Estadão  – 13/10/2002

“O eleitor conhece meu passado”, dizia Demóstenes, cuja trajetória  e “passado limpo” eram apresentados na mesma página que outras novidades eleitas pelo País.

 

A reportagem terminava com o jovem político dizendo que que o fato de ser novato não o intimidaria em sua atuação no Senado e  que prometia priorizar projetos na área de segurança. “O que importa é que o eleitor teve empatia com minhas propostas e isso me traz grande responsabilidade.  Estou me preparando com um grande arsenal para não decepcionar o eleitor.”

Pesquisa e Texto: Edmundo Leite

Sem votos
14 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+14 comentários

E uma das mentiras mais ridiculas do provável ex-senador na CPMI é desconhecer as atividades do Cachoeira como bicheiro, já que foi secretário de segurança do Perillo!!

 

Ana Bednarski

Nas degravações do Inquérito 3430 aparecem diálogos de membros da quadrilha afirmando que o Cachoeira queria fazer de Demóstenes prefeito, creio que de Goiania. Claro que o próximo passo, se a PF e o MPF não tivessem interrompido o vôo da quadrilha,  seria o Demóstenes  assumir o governo de Goiás para manter o esquema funcionando. Nesse caso, quem seria o substituto na função de "personal senador, ou deputado" do Cachoeira para fazer o serviço de "office boy" em Brasília?

 

Domenico Amaral

ótimo! já dá pra pensar num 'museu do mundo paralelo dos barões da imprensa'

 

Del40

Nas eleições de 2010 Demóstenes continuou se apresentado como promessa pelo simples fato de Gurgel ter sentado sobre sua ficha suja. Perillo e Demóstenes não teria sido eleitos com esta  mãozinha de Gurgel. Demóstenes, como secretário de segurança de Perillo, ajudou no combate dos concorrentes de Cachoeira. Perillo assinou um convênio em que o contraventor, a título de esmola, doava uma mixaria para uma associação de assistência aos portadores de HIV e, em troca, tinha todos os espaços garantidos para a ampliação da jogatina. O João Unes é um jornalista goiano apontado em conversas com Cachoeira. No momento, à frente da Record local e, fazendo jus ao trio Cachoeira/Marconi/Demóstenes,  ao noticiar a passeata de milhares de jovens no #ForaMarconi sonegou o motivo da manifestação e afirmou que era por outra reivindicação qualquer.

 

Nesta época ele já era robô do Cachoeira ?

 

Estou de saco cheio por tudo que vem acontecendo no país, e nós democratas, não fazemos nada.

Eu inclusive. Parece que estamos todos anestesiados, que fomos dopados. Mas essa lombra vai passar e vamos acordar.

Eu creio !!!

gAS

Essas três qualidades do fenômeno me lembram uma piada tosca,

- menina jovem e bonita do interior chega na capital com uma mão na frente e outra atrás e enriquece.

- como ?

- tirou a mão da frente.

Novidade o senador já não era mais, será que abriu mão de mais alguma virtude?

 

Esse tipo de coisa acontece com bastante regularidade !


 

Não sei não, acho que esse DEMOSTENES não será cassado. Os votos serão secretos e nessa o cara se livra da cassação.

 

"... o acerto da minha campanha foi ter colado no governador Marconi Perilo"


Será que eles compartilhavam as mesmas fontes de financiamento também?

 

"...prometia priorizar projetos na área de segurança. “O que importa é que o eleitor teve empatia com minhas propostas e isso me traz grande responsabilidade.  Estou me preparando com um grande arsenal para não decepcionar o eleitor.”

Ora, ele não pode ser acusado por essa declaração. Ninguém perguntou o fundamental: 1- Segurança de quem e contra quem?  2 - Quem é O "eleitor" que teve empatia com suas propostas e V.futuraExcia. não quer decepcionar?

Daí se poderia inferir qual seria o 'grande arsenal'. Mas parece que não foi tão grande, nem tão bem preparado, senão ele teria argumentos irrefutáveis para a Comissão de Ética. Primeiro erro. E aceitou 'arsenal' alheio, dO "eleitor", acreditando que era 'ingrampeável' (mas era feito aqueles rabinhos de papel que aluno grampeava em bumbum de professor - só o professor não via). Segundo erro.

 

Quem sobe ao alto lugar, que não merece,
Homem sobe, asno vai, burro parece,
Que o subir é desgraça muitas vezes.

A fortunilha, autora de entremezes
Transpõe em burro o herói que indigno cresce:
Desanda a roda, e logo homem parece,
Que é discreta a fortuna em seus reveses.

Homem sei eu que foi vossenhoria,
Quando o pisava da fortuna a roda,
Burro foi ao subir tão alto clima.

Pois, alto! Vá descendo onde jazia,
Verá quanto melhor se lhe acomoda
Ser homem embaixo do que burro em cima.

Gregório de Matos

 

Veja com são os sociopatas.

A frase "meu passado é limpo" é dúbia. Um presente sujo não elimina um passado limpo.

Foi, era, estava.

Talvez se referisse a tenra infãncia.

 

....assim como a "última esperança do DEM" é ACM Neto, aquele mesmo que disse que ia dar uma surra no presidente.

Os eleitores do DEM adoram esses tipos "defensores da moralidade".

 

 

A reportagem terminava com o jovem político dizendo que que o fato de ser novato não o intimidaria em sua atuação no Senado e  que prometia priorizar projetos na área de segurança. “O que importa é que o eleitor teve empatia com minhas propostas e isso me traz grande responsabilidade.  Estou me preparando com um grande arsenal para não decepcionar o eleitor.”

A casa caiu, Senador,  agora  so´resta   o senhor  chorar  pelas más  companhias. E chore na cama que é um lugar  quentinho  e  acolhedor.