newsletter

Pular para o conteúdo principal

RIP José Vicente Goulart Brizola

José Vicente era filho mais velho de Leonel Brizola.
Morre no Rio pai do ministro Brizola Neto e filho de Leonel Brizola

 

José Vicente Goulart Brizola morreu aos 61 anos, no Hospital Miguel Couto.
Ele estava internado desde o dia 13, com quadro hemorrágico.

Morreu às 5h desta sexta-feira (28), no Rio, o ex-deputado José Vicente Goulart Brizola, pai do ministro do Trabalho e Emprego, Brizola Neto, e filho mais velho do ex-governador do Rio Leonel Brizola (1922-2004). Ele estava internado desde o dia 13 no Hospital Municipal Miguel Couto, na Zona Sul, com quadro hemorrágico. As informações são da assessoria de comunicação do ministério.

Brizola Neto viajou para o Rio, onde o velório começou a ser realizado às 18h, no Cemitério Memorial do Carmo, no Caju. Neste sábado (29), no mesmo local, ocorrerá a cremação do corpo.

José Vicente deixa três filhos do primeiro casamento, com Nereira Daudt: Juliana (deputada estadual no Rio Grande do Sul), Carlos Daudt Brizola, mais conhecido como Brizola Neto, e o vereador Leonel Brizola Neto, todos do Partido Democrático Trabalhista (PDT), mesmo partido pelo qual ele foi deputado federal, de 1990 a 1995. Do segundo casamento, deixa mais dois filhos: Vicente e Maria Inês, de acordo com nota publicada no site do PDT.

— Meu pai piorou nos últimos dois dias. Ele estava afastado da política desde quando saiu do PT. Na verdade, ele nunca foi político. Ele se decepcionou muito com a política - afirmou ao GLOBO a deputada estadual no Rio Grande do Sul, Juliana Brizola (PDT), filha de José Vicente.

 

José Vicente nasceu em Porto Alegre. Ele também era guitarrista e mantinha um estúdio em casa. Além de Juliana, o ex-deputado deixa outros dois filhos: o ministro do Trabalho, Brizola Neto, e o vereador no Rio, Leonel Brizola Neto. As cinzas serão levadas para São Borja, no Rio Grande do Sul, e ficarão no mesmo cemitério onde estão enterrados outros parentes, entre eles Leonel Brizola e o ex-presidente João Goulart, tio de José Vicente.


Sem votos
34 comentário(s)

Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
+34 comentários

Meus sentimentos à família Brasileira Brizola !!!

 

José Vicente juntava dois grandes sobrenomes ao quais o Brasil muito deve: Goulart e Brizola.

Meus sentimentos à família, em especial ao ministro Brizola Neto e à  Juliana que mantêm a paixão e o modo apaixonado de fazer política do avô , o grande e  inesquecível batalhador pela liberdade, Leonel de Moura Brizola.

 

Domenico Amaral

Mais um momento de pesar, mas também de reconhecimento histórico da zaga de uma família que foi e poderá continuar sendo, uma chama que ilumina qualquer treva que tentar esconder os legítimos caminhos desta nação.

A geração dele, de exílio e insegurança, no meio de ferozes batalhas que perseguiram a sua família, o José Vicente fez uma ponte formidável entre o Leonel Brizola e os seus combativos netos. Embora sem um brilhante desempenho, a passagem do bastão nesta longa corrida foi devidamente executada, e nos permite conviver hoje com o espírito do Brizola personificado em sementes fortes e duradouras.

O Brizolinha, atual Ministro do Trabalho, ainda dará ao Brasil enormes contribuições.

 

 

Querido Brizola Neto, meus pesares a essa valorosa família Brizola. Que seu pai Leonel e sua mãe Neusa recebam seu filho.

 

A MORTE DE JOSÉ VICENTE BRIZOLA: SEU ÚNICO IRMÃO NÃO PODERÁ SE DESPEDIR

Publicado em 28/12/2012 - Hildegard Angel

A morte de José Vicente Brizola, numa situação de saúde inesperada, diagnosticada como hemorragia digestiva, nesta madrugada, no Hospital Miguel Couto, no Rio de Janeiro, foi um choque para toda a família. Pai de nosso ministro do Trabalho, o Carlos, que usa o nome político de Brizola Neto, e do vereador carioca Leonel Brizola, José Vicente era filho de dona Neusa e do emblemático político Leonel de Moura Brizola, e irmão da Neusinha, já falecida, e do João Otávio, que recebeu a notícia em Lima, no Peru, onde se encontra, desde ontem, com a ex-mulher, Fátima Abreu, de quem é amigo.

João Otávio e Fátima tentaram sem sucesso conseguir passagem aérea para estar na cremação que será amanhã, às 15h40, no Cemitério do Caju, onde acontece neste momento o velório, no Memorial do Carmo.

De Brasília, veio o filho de José Vicente, o ministro Brizola Neto. Do Sul, o filho vereador, Leonel Brizola, com sua irmã gêmea, Juliana. Passaram o Natal com a mãe, Nereida, em Santa Catarina, e depois foram ao Rio Grande do Sul. Do Uruguai, os dois filhos caçulas de José Vicente, Vicentinho e Maria Inês, de seu último casamento, com Gina.

José Vicente era o mais velho dos três filhos de Neusa Goulart Brizola (irmã do ex-presidente João Goulart) e Leonel de Moura Brizola. Ele tinha 62 anos. Neusinha teria 56 anos. João Otávio tem 60 anos.




Publicado em Coluna da Hilde por Hildegard Angel

 

 

Uma vez estive no apartamento  de Brizola em companhia de alguns amigos da juventude socialista do PDT, na primeira metade da década de 80 na Av. Atlântica e fiquei surpreso com a vida espartana que o Seu Leonel levava num dos bairros mais caros do RJ. Nenhum luxo e nenhuma sofisticação eram vistos na grande sala da residência do ex-governador. Tudo aquilo que a velha imprensa propalava sobre  a "fortuna" de Brizola  (riqueza advinda de corrupção, de fazendas no Uruguai ou dos dólares vindos de Cuba) dissolvia-se quando adentrávamos no hall da "estância" carioca do velho gaúcho, adquirida pela fámilia, quando a Princesinha do Mar ainda não era um dos lugares mais caros do Brasi. Daquela vivenda ornada por lembranças do Rio Grande e do Uruguai o único indício de que ali vivia um homem "rico" era a bela vista que se tinha do Atântico e da Praia de Copacabana. De resto, tudo se parecia com uma casa de subúrbio de qualquer cidade brasileira.

Mesmo eu que era um admirador fervoroso do ex-governador, na minha ingenuidade de jovenzinho, cheguei a imaginar - diante do bombardeio constante da Globo e da mídia raivosa do Brasil - que pelo menos 1% das mentiras que eram ditas sobre a polpuda grana do gaúcho trabalhista talvez fossem verdadeiras.

Fiquei envergonhado ao constatar  que aquele cara de estatura mediana que falava pausadamente diante de mim, nada tinha de magnata.  Vestido com calças de tecido barato, sapato Vulcabrás, camisa azul-aeronáutica e cheirando a loção Bozzano, Brizola falou-nos, pausadamente,  durante horas sobre como deveriámos formar comitês para discutirmos a Constituinte de 1988.

Essas lembranças  de minha juventude me vieram à tona depois de saber sobre o triste falecimento  de João Vicente num hospital público sucateado como o Miguel Couto. Vicente, lembro-me bem, foi alvo de ataques desfechados pela mídia fluminense que o acusavam de ser um dos homens mais ricos do RJ e dono de uma grande empreiteira (Carioca Engenharia) que monopolizava quase todas as obras do estado. Contra Neuzinha Brizola, irmã de Vicente, também foram promovidos diversos ataques rasteiros que levaram-na a afastar-se do pai por longos anos, fragilizando ainda mais as relações de uma família que amargou durante anos no exílio forçado. Poucas famílias foram tão perseguidas e corroídas pelos ódio das elites brasileiras como a de Brizola .

Ao falecer em uma unidade de saúde que atende basicamente a favelados da zona-sul carioca, João Vicente mostra que, como o pai, sempre esteve ao lado do povo que o elegera, o mesmo povo que derrotara a PROCONSULT e os Marinho nas eleições de 1982, com o lema: o povo não é bobo, abaixo a Rede G...

VADE IN PACE, VICENTE.

 

 

Seo Luiz Claudio,

Obrigado pelo relato. Contribuições deste porte deveriam vir à tona sempre, pois relatos de pessoas desconhecidas - pelo menos para mim - contradizendo o que a grande mídia propagava acerca da família Brizola, coloca diante de nós o outro lado da questão, a outra parte da história, a outra versão. Isto deveria ser escrito sempre e lido por todos. São relatos críveis.

 

 

Fatos da vida.

Se vivermos o suficiente, vamos assistir a partida de muitos entes queridos.

Meus sinceros sentimentos à família. 

 

Sempre acompanhei a movimentação de Brizola depois do ciclo da redemocratização. Sua defesa do trabalhismo me parecia politicamente inadequada para o momento pós-ditadura que estávamos vivendo, em que haviam surgido novos movimentos sociais e sindicais.

Claro, minha avaliação era influenciada pela leitura de que Lula representava uma posição política mais adaptada ao novo período e que o PT cumpria um papel mais progressista na democracia que retomávamos.

Mas, admirava a dignidade com que Brizola enfrentava a Rede Globo. A firmeza com que ele lutou pela vitória na eleição que lhe seria confiscada no Rio de Janeiro se ele não sustentasse a afirmação de que havia vencido o pleito. Além disso, a decisão de criar os CIEPs, muitos anos à frente no quesito educação, do que quase todas as políticas públicas que se faziam na área até então, antecipando movimentos que somente muito mais tarde passaram a ser incorporados.

Na acirrada disputa presidencial de 1989, festejei os 0,5% da vitória de Lula sobre Brizola no primeiro turno, mas, admirei a postura e o engajamento de Brizola para o segundo turno.

Sobre o movimento do seu filho, no Rio Grande do Sul, confirma a posição alinhada com a defesa de posturas mais progressistas. Não há dúvidas acerca de quem era mais avançado politicamente: Olívio Dutra x Alceu Collares. Então, o movimento de ingresso no PT, de que Dilma também participou, representava a disposição de promover avanços sociais e políticos mais arrojados.

Comemorei bastante a ida de Brizola Neto para o Ministério do Trabalho e Emprego, porque vislumbrei o fato de que haveria uma melhora qualitativa expressiva nos posicionamentos do Ministério e uma redução do histrionismo representado por Carlos Lupi. E, de fato, isso se deu.

Então, acompanho a Márcia, na manifestação de que a família Brizola merece um reconhecimento enfático de seu papel na luta por uma país mais democrático, sem corrupção, com democratização da mídia, inclusive.

Lamento a perda e compartilho da dor. Minha solidariedade e condolências.

 

Edmar Roberto Prandini
http://www.unipress.blog.br
www.twitter.com/edmarrp
www.facebook.com/edmarrp

RIP

Cumpriu com a dificil tarefa de ser filho de um mito!

 

José Vicente, além de político, foi músico. Nos anos 80, gravou um disco na série Todos os Sons da gravadora Barclays/Ariola. Mais tarde se associou ao produtor Roberto SantAnna na criação do selo Nova República.


José Vicente e seus irmãos tiveram suas infância e juventude roubadas pela ditadura militar.  Foram vítimas do ódio que a elite predatória brasileira tinha em relação a seu pai. O mesmo ódio que a mesma "elite", hoje, devota a Lula.


Deixou de herança para o país uma prole comprometida com o pensamento do  avô extraordinário . Um pensamento voltado para a justiça social. Pela redenção dos mais necessitados.


Que Deus o tenha. Golpe e ditadura jamais!

 

Meus mais sinceros pêsames à família dele, que foi um homem honrado.

 

Leider Lincoln

Cheguei agora e só soube do ocorrido aqui...meus sentimentos a família,  e que Deus d serenidade a elas...fico contente que pelo menos até agora nenhum dos nossos trolls escreveu nada de horroroso como quando da morte do Niemeyer...

 

alexandre toledo

Toda nossa solidariedade à família de Brizola que nos deixou o legado de luta contra a desigualdade social.

 

Ivanisa Teitelroit Martins

nossos profundos sentimentos à família e principalmente ao Ministro Brizola Neto com quem tinhamos mais contato via blog.

 

Tenho  certeza que  o conceito  de justça  social que Lula  e Dilma    se    inspiraram  nos   ensinamentos  de   Brizola. E  foi o falecido, como  Dep.  Fedral  quem levou  Dilma    ao PT.

Homenagear  ao  filho, é mais   que  homenagear   ao pai.

Lamento  pelo  silencio  dos imbecis.

Nada  mais  vou postar.

Estou  sentida pelo pai, pelo filho   e  até pelo   avô.

 

minha querida vamos dar uma chance ..muitos não devem estar on-line por causa di fim do ano ..

 

alexandre toledo

Muito bem lembrado, Alexandre.

Beijos meu  grande  amigo  e que  2013  seja refleto  de felicidades para vc   e sua família linda!

 

Gnete, onde  estão  os  admiradores de  Brizola pai?

Com certeza  ele não ficaria  feliz  com  esse  silêncio  (  silencio  desumano   e mau caráter).

 

Marcia, muito obrigado. 

Para você e para os seus comentários:

Re: RIP José Vicente Goulart Brizola
 

Pereira, é  questão  de justiça, honestidade     e humanidade, essa família  nunca fez mal  ao  Brasil, , muito pelo  contrário,  só   ajudou   a democrtaização  desse  País.

Brizola   e  seus descendentes   sempre  foram  coerentes   e honestos.

Estou  sentida, mas  ele  se  reuniu  aos   seus.

Feliz  2013  para vc.

 

LN  vc  tucanou  nesse post.

É o meu ponto  de  vista, talvez  vc esteja   em outro clima, o  que é  muito humano.

 

 A esquerda ressentida   e  a  direita  inimiga.

Assim é dífícil.

Precisamos   de mais  humanidade  com   quem não fez,  de fato, mal     a ninguém.

Sou  solidária,    amei meu  ídolo....destre  sempe, Manoel  de  Moura  Brizola.

 

Que deus na sua infinita bondade a colha a sua alma, e acalente a dor da sua familia.

 

Morre filho de Brizola que ajudou a levar Dilma para o PT

O ex-deputado federal José Vicente Goulart Brizola teve uma hemorragia digestiv

Morreu na madrugada de hoje no Rio o ex-deputado federal José Vicente Goulart Brizola, 61, filho do ex-governador gaúcho Leonel Brizola (1922-2004).

A causa da morte foi uma hemorragia digestiva. Ele passou as últimas semanas internado no Hospital Miguel Couto.
Nascido em Porto Alegre, José Vicente foi eleito para a Câmara em 1990 pelo PDT do Rio e permaneceu no Congresso até 1995. Ele é pai do ministro do Trabalho, Brizola Neto, 34, da deputada estadual gaúcha Juliana Brizola, 37, e do vereador no Rio Leonel Brizola Neto, 37. Os três são pedetistas.

Um dos momentos marcantes de sua trajetória foi o rompimento com o PDT de seu pai em 2001. Na época, ele liderou um grupo dissidente que saiu do partido no Rio Grande do Sul e migrou para o PT gaúcho.

http://www.gazetadopovo.com.br/vidapublica/conteudo.phtml?tl=1&id=133136...

 

A humanidade é terrivel, todos  nós   somos imponderáveis, muitos defeitos, mas  somos   iguais. Todos  nós, é  só  sermos coerentes  e justos.

O movimento que trocou de legenda era formado também pela hoje presidente Dilma Rousseff, que naquele ano era secretária da Energia do Rio Grande do Sul. A ida de Dilma para o PT gaúcho abriu caminho para que ela se tornasse ministra do governo Luiz Inácio Lula da Silva a partir de 2003.

 

Morreu no Miguel Couto, um hospital público de emergência muito conhecido da população carente do Rio de Janeiro. Se fosse filho de algum ministro, desses que quando deixam o ministério vão dar acessoria a um grande grupo, estaria internado  num hospital privado cuja diária vai além dos 3 mil reais, e talvez estivesse vivo.

 

Pois é,  Leonel   de  Moura  Brizola  foi um   homem  honesto,  seu  herdeiros  nunca  viveram  como  Nababo.

 

As  desavenças  não  significa  falta de  amor. O PIG  adora   explorar   as  idiossincrasias  familiares.

 

Morre, aos 61 anos, filho mais velho de Leonel BrizolaO ex-deputado federal José Vicente Brizola faleceu na madrugada desta sexta-feira

 

COMPARTILHE:  14  111 Orkut0  

 

Da RedaçãoFoto: Reprodução/ PDT

Rio de Janeiro  - O filho do ex-governador Leonel Brizola, José Vicente Brizola, morreu às 5 horas desta sexta-feira. O ex-deputado federal, também pelo PDT, tinha 61 anos, morava no Rio de Janeiro e faleceu por complicações decorrentes de uma hemorragia digestiva. Ele estava internado há duas semanas.

José Vicente era pai da deputada estadual gaúcha Juliana Brizola, do ministro do Trabalho, Brizola Neto, e também do vereador do Rio de Janeiro Leonel Brizola Neto. O político deixa ainda dois filhos do segundo casamento, Vicente e Maria Inês.

Vicente tinha um histórico de desavenças com o pai, morto em maio de 2004, por questões políticas e também de herança. Ele foi deputado por um mandato, entre 1991 e 1994.

O corpo será cremado na tarde deste sábado.

 

LN, voce  deveria  dar   a notícia  real   sobre     a morte  dele,  afinal  foi  Deputado  Federal   e filho  do  grande  Brizola.

Essa  sua chamada  deixa  muito  a  desejar. Me  desculpe.

Abraços.

 

Estou  sentida.

Vai  se juntar  ao pai, o  grande  Brizola,  e  a     atormentada  irmã.

Lamento  muitíssimo.

 

Meus  Deus, que triste.

Que  Deus o receba  com   seus braços   abertos.

 

Meus pêsames ao Carlito, Juliana e Neto.

Desejar força é desnecessário, é a marca da família.

 

Solidariedade à família.

 

Meus sentimentos ao Brizolinha e família.