newsletter

T-50, a 6ª geração de caças russos

Sugestão de Assis Ribeiro

Da Gazeta Russa

Rússia começa a projetar avião de caça de 6ª geração

O T-50, previsto para ser adotado pela FAR em 2016, é o avião mais moderno da Rússia com a tecnologia stealth, um radar inteligente altamente sensível, armas de alta precisão, supermanobrabilidade e aviônicos supermodernos Foto: wikipedia.org

Víktor Litóvkin, especial para Gazeta Russa

Para analista, é pouco provável, no entanto, que aeronave saia do papel em um futuro próximo.

Às vésperas da abertura do Salão Internacional de Aeronáutica e Espaço Maks-2013 em Moscou, o ex-comandante da FAR (Força Aérea Russa) Peter Dejnékin afirmou que a Rússia começou os trabalhos de desenvolvimento de um avião de caça de 6ª geração. Sem divulgar suas especificações técnicas nem a data de sua apresentação, o general disse que o novo veículo aéreo não será tripulado.

As revelações do general são ainda mais relevantes pelo fato de a Rússia ter apresentado de uma só vez três aviões de caça de quinta geração T-50 nesta edição do Maks. Assim, o país demonstrou que não está atrasado em tecnologias em relação aos EUA e seu F-22 e pode assumir a liderança mundial nessa área.

O caça avançado T-50 havia sido exibido pela primeira vez em 2011. Nesta edição do Maks,  três T-50 executaram acrobacias aéreas, incluindo os famosos Sino e Cobra, que nenhum outro avião de caça do mundo pode executar.

O T-50, previsto para ser adotado pela FAR em 2016, é o avião mais moderno da Rússia com a tecnologia stealth, um radar inteligente altamente sensível, armas de alta precisão, supermanobrabilidade e aviônicos supermodernos. Por tudo isso, se distingue radicalmente dos aviões de caça de 4ª geração. Nesse contexto, as declarações sobre um avião de 6ª geração são, certamente, otimistas, mas infundadas, pois ainda não se sabe quais exigências serão feitas pelos militares à uma aeronave do tipo.

Nuances

Para os especialistas do Pentágono, um avião de combate de 6ª geração deve ser praticamente invisível, possuir supermanobrabilidade, desenvolver uma velocidade de mais de Mach 5 e ser dirigido opcionalmente por uma tripulação ou robô.

Guívi Janjgava, engenheiro-chefe do Centro de Desenvolvimento em Tecnologias Eletrônicas de Ramenscoe, na região de Moscou, conhecido por ter construído os aviônicos para o Su-30, Su-35 e T-50, compartilha a opinião de que o futuro da aviação militar está no veículo aéreo não tripulado. Para Jangjava, muitos dos elementos de um veículo aéreo não tripulado de 6ª geração já foram criados na Rússia e são usados pelos novos aviões de combate russos.

Mas a questão é saber se vale a pena continuar avançando nesse sentido. Jangjava concorda que colocar um robô ao volante de um avião é mais prático do que um ser humano. O treinamento de pilotos leva anos e custa milhões de dólares. A perda de um piloto é um problema sério para a Força Aérea. Além disso, o piloto pode ficar doente, ter dificuldades psicológicas e, no final das contas, ser incapaz de cumprir a missão. Já o robô pode agir em quaisquer circunstâncias. Mas será que é isso mesmo?

Segundo o diretor dos programas de veículos aéreos não tripulados do consórcio Vega, Arkádi Siroejka, o calcanhar de Aquiles de todas as aeronaves não tripuladas é o de que não é possível fazer ajustes ao programa de voo conforme a mudança da situação durante sua missão. A preparação do robô norte-americano MQ-1 Predator para uma missão leva vários meses. Se, durante a missão, algo não estiver dando certo, o robô será trazido de volta à base. Meses de trabalho de centenas de pessoas serão desperdiçados e a missão acabará descumprida. Já o piloto-chefe da corporação Mig, Mikhail Beliaev, acredita que, ao contrário do robô, um piloto é capaz de não só avaliar adequadamente a situação mas também tomar decisões necessárias ao cumprimento de sua missão e cumpri-la.

Velocidade hipersônica

Até recentemente, a velocidade hipersônica era vista como um dos principais elementos de aeronaves do futuro. Todavia, falando em um encontro com jornalistas sobre o projeto de um novo bombardeiro avançado russo, o comandante da FAR, Víktor Bôndirev, disse, para surpresa de muitos, que o novo avião será subsônico. Isso quando muitos peritos consideram que o novo avião deve ser hipersônico, já que o atual bombardeiro estratégico russo Tu-160 atua a velocidade superiores a 2.000 km/h e pode executar missões no espaço circunterrestre.

O porquê da FAR querer uma aeronave subsônica é simples. Em primeiro lugar, ela é mais barata do que uma aeronave supersônica e muito mais barata do que uma aeronave hipersônica. Além disso, hoje em dia, um bombardeiro moderno não precisa cruzar as fronteiras de seu país para atacar alvos no outro hemisfério. Pode fazer isso com mísseis de cruzeiro de longo alcance. A mesma tendência, aliás, é observada na aviação de caça. O F-22 tem elevada capacidade de manobra, mas, se precisar atacar um alvo, irá usar mísseis em vez de canhões para não entrar em contato com aviões inimigos e não invadir a área de ação da defesa antiaérea inimiga.

Sem adversário digno

As discussões entre os engenheiros e os pilotos mostram que ninguém sabe, até agora, como deve ser o avião de caça de 6ª geração. O mesmo aconteceu na hora de se decidir sobre o caça de 5ª geração. O F-22 foi criado quando a Guerra Fria estava no auge e as duas potências se preparavam para destruir totalmente uma à outra, competindo entre si em tecnologias. No entanto, o primeiro Raptor viu a luz do dia quando os governos de Moscou e de Washington decidiram que eram "parceiros" e que não haveria nenhuma guerra global entre os dois países.

Como resultado, a carteira de encomendas do F-22 foi cortada em dois terços. O Ministério da Defesa russo também não pretende comprar muitos T-50, dando preferência aos aviões "velhos", tecnologicamente "ensaiados", de geração "4 + +", o Su-35 e MiG- 35, compreensíveis em termos de emprego. Uma tendência semelhante se verifica também na Força Aérea dos EUA.

Para iniciar os trabalhos no avião de sexta geração deve haver um adversário adequado. Esse pode ser um novo avião de caça chinês, que supere em performance o F-22 e T-50, ou um disco voador de invasores alienígenas. Tanto uma coisa como outra são pouco prováveis. Portanto, é pouco provável que Moscou ou Washington comecem a construir um avião que ainda não tem adversários dignos no mundo e, portanto, não tem missões a cumprir, e aloquem para tanto enormes verbas.

Média: 5 (1 voto)
3 comentário(s)

Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Ulisses ss
Ulisses ss

Caça A1

Embraer entrega o primeiro A-1 modernizado para a FAB 
Divulgação - 3/9/2013 

 

A Embraer realizou hoje a cerimônia de entrega do primeiro jato de ataque A-1 modernizado (A-1M) para a Força Aérea Brasileira (FAB) na sua planta industrial em Gavião Peixoto, no interior paulista. O evento contou com a participação do Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro-do-Ar Juniti Saito, e oficiais do Alto Comando da FAB. O programa A-1M prevê a revitalização e a modernização de 43 jatos subsônicos AMX, 16 dos quais já se encontram nas instalações da Empresa.

O A-1M possui capacidade de realizar missões de ataque ao solo, bombardeio, apoio aéreo tático e reconhecimento. Os aviões modernizados da FAB receberãonovos sistemas de navegação, armamentos, geração de oxigênio, radar multimodo e contramedidas eletrônicas. Esses equipamentos, aliados à revitalização estrutural realizada, permitirão a essas aeronaves operarem até o ano de 2025. De acordo com o programa de modernização da Embraer, os A-1M receberão sistemas similares aos que já equipam os F-5M e os A-29 Super Tucano da FAB, o que auxilia na adaptação dos pilotos e representa uma padronização que oferece inúmeras vantagens operacionais, tais como o aprimoramento da doutrina de emprego da frota, o melhor rendimento das horas de voo e a redução dos custos de manutenção e operação.

O programa prevê ainda o fornecimento de estações de briefing e debriefing que serão empregadas no treinamento e na proficiência dos pilotos dos esquadrões da FAB, possibilitando um melhor aproveitamento, redução de custos e maior eficácia no planejamento e execução das missões. Deste modo, a FAB passará a dispor de uma aeronave de ataque no estado da arte, com aviônica e sistemas embarcados de última geração, garantindo assim a capacidade de cumprir com excelência a missão de defender a soberania do espaço aéreo brasileiro.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de RPFN
RPFN

Acho que você não leu o

Acho que você não leu o texto. O texto fala em Sukhoi -35 e Mig-35 como caças da geração 4++. E são.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Cesar A
Cesar A

Esse texto é uma salada, fala

Esse texto é uma salada, fala de algo que não existe, caça de sexta geração, se equivoca ao conceituar os caças Su-30 e MiG-35, são aviões consoderados de terceira geração ( a mesma do F-15 americano por exemplo )... o texto se alonga sobre algo que não consegue precisar e parece se basear em boatos... uma coisa que ele menciona é certa, o uso cada vez mais intenso de drones no lugar de caças, a França por exemplo tenta deseperadamente convencer algum pais incauto a comprar seus Rafales ( conceitualmente de quarta geração, mas com armamento e sensores inferiores aos ultimos disponiveis no ocidente ) enquanto esta correndo atrás de seu proprio drone, inclusive comprando americanos.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Onde estão os comentários?

Onde estão os comentários?

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.