Revista GGN

Assine

Uma trinca do escracho, por Gaspari

Da Folha de S. Paulo

ELIO GASPARI

Uma trinca do escracho

Lula, Gilmar Mendes e Jobim produziram uma situação escrachada, constrangedora para o Judiciário

O QUE aconteceu no dia 26 de abril no escritório de Nelson Jobim, ex-ministro da Justiça, da Defesa, e ex-presidente do Supremo Tribunal Federal? Certo mesmo, só que lá se encontraram Lula, o ministro Gilmar Mendes e o dono da casa.

Os repórteres Rodrigo Rangel e Otávio Cabral revelaram a lembrança de Mendes. Coisa tenebrosa. Lula recomendou que se adiasse o julgamento do mensalão: "É inconveniente julgar esse processo agora" e contou que estava caitituando votos da corte.

Cármen Lúcia? "Vou falar com o Pertence para cuidar dela." Referia-se ao ex-ministro Sepúlveda Pertence, por coincidência, presidente da Comissão de Ética Pública da Presidência. Dias Toffoli? "Ele tem de participar do julgamento." (O ministro, como ex-advogado-geral da União, poderia dar-se por impedido.) Ricardo Lewandowski? "Ele só iria apresentar o relatório no semestre que vem, mas está sofrendo muita pressão."

Joaquim Barbosa: "Complexado." Finalmente, Lula prensou Mendes com uma pergunta. "E a viagem a Berlim?" Por trás da curiosidade estava a maledicência de que o ministro fizera uma viagem a Berlim com o senador Demóstenes Torres e parte do paganini por conta de Carlinhos Cachoeira. O ministro rebateu a insinuação e dobrou a aposta: "Vá fundo na CPI".

O repórter Jorge Bastos Moreno ouviu a narrativa de Jobim: "Não houve nada disso". Ele contou que o encontro ocorreu por acaso, durou cerca de uma hora, e em nenhum momento os dois estiveram a sós. Dias depois, corrigiu-se e disse que marcou o encontro a pedido de Lula. O ex-presidente, por intermédio de sua assessoria, contestou, indignado, a reconstrução de Gilmar Mendes.

Alguém está mentindo. Ou mente Gilmar ou mentem Lula e Jobim.

Pela narrativa de Gilmar, "fiquei perplexo com o comportamento e as insinuações despropositadas do presidente Lula". O ministro conta que narrou o episódio ao presidente da corte, Carlos Ayres Britto, na quarta-feira da semana passada, 27 dias depois do ocorrido. Infelizmente, ambos mantiveram-no restrito ao mundo de confidências que alimentam a nobiliarquia de Brasília.

Se a narrativa de Mendes é verdadeira, o escracho começou na própria conversa. Nem Lula poderia ter dito o que disse nem Mendes poderia ter ouvido. Sua perplexidade diante das "insinuações despropositadas" deveria ter sido expressa no ato.

A comunicação do ocorrido ao ministro Ayres Britto deveria ter desencadeado uma imediata iniciativa pública. A essa altura, era Britto quem não poderia ter ouvido o que Mendes lhe contou. O cargo em que está investido recomendava que pedisse ao colega que narrasse o episódio na sala de sessões da corte, ao vivo e a cores, como já fez o ministro Joaquim Barbosa quando julgou impertinente um telefonema que lhe dera um ex-ministro da Casa, advogando um caso milionário.

Nessa ocasião, Barbosa começou a construir sua fama de intratável. Um Supremo Tribunal Federal com 11 juízes intratáveis jamais acabaria metido numa história dessas.

P.S.: A memória exige o registro de que, em 2008, o ministro Gilmar Mendes, presidindo o STF, denunciou um "Estado policialesco" a partir da leitura do que seria a transcrição de conversa que tivera com o senador Demóstenes Torres. Até hoje não apareceu o áudio desse grampo.

Sem votos
35 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+35 comentários

Nisso tudo, quando se fala em mensalão, a gente so tem noticia do mensalão que teve origem com PT, o pai dos mensalões, ou seja, o do PSDB de Minas Gerais a gente não nenhuma noticia, tais como: qual ´o andamento dele no STF? existem testemunhas? ja foram ouvidas? qdo ocorrem a prescrição do mesmo? qual o relator do mesmo?, quando este apresenta seu relatorio, e vejo ninguem falar no nome dos acusados. São questoes que não divulgadas, esperamos algumas  respostas sejam apresentadas e cobradas como as que envolvem o mensalão do PT.

Luiz 

 

Estou enojada de ler que "jornalista precisa sobreviver" e que por isso tem que escrever o que o patrão manda. Isso é desculpa das mais esfarrapadas. Quem é decente é, quem não é...paciência, tem que assumir sua falta de coragem e de honestidade. Porque há muitos jornalistas que falam a verdade, de acordo com os fatos, e dão suas opiniões com independência e altivez? Pra mim é questão de caráter, nada mais.

Quanto ao Gaspari, porque colocar no PS uma "lembrança" que de certa forma responde a todas as perguntas feitas no corpo da matéria? Precaução? Falta de convicção? 

 

TAMPA E BALAIO.


Demótenes Torres foi flagrado ao alertar Carlinhos Cachoeira de que uma operação da Polícia Federal iria ser deflagrada  para apreensão de máquinas caça-níqueis. Explicação do senador na CPMI: estava jogando verde para saber se Cachoeira estava envolvido com jogos ilegais.


Gilmar Mendes foi indagado por um jornalista o porquê da demora para denunciar a pressão de Lula para o adiamento do julgamento do mensalão. Resposta do ministro: porque jornalistas amigos me  alertaram que Lula estava trabalhando nos bastidores da CPMI para me ligar ao Carlos Cachoeira.


É patético!

 

"P.S.: A memória exige o registro de que, em 2008, o ministro Gilmar Mendes, presidindo o STF, denunciou um "Estado policialesco" a partir da leitura do que seria a transcrição de conversa que tivera com o senador Demóstenes Torres. Até hoje não apareceu o áudio desse grampo".

Ou seja, Gilmar já pode ter mentido pelo menos uma vez. Na minha terra há um ditado que diz: "Cesteiro que faz um cesto, faz um cento, assim tenha cipó e tempo". Eu acredito nisso.

 

O Gilmar diz que o Lula perguntou sobre a viagem a Alemanha. Logo depois um ministro da mais alta corte (GM) vem mostrar a cópia que a passagem foi paga pelo supremo. Me parece elementar. Ainda mais quando tem pelo menos o que disse o P.S. do artigo do Gaspari.

Como diria o outro Lula (o gonzagão): o homem endoidou.

 

Um juiz, qualquer de fosse, se abordado sobre qualquer assunto que fosse passar sobre o seu julgamento, simplesmente diria ao seu interlocutor que ele estava sendo inoportuno. Na Suprema Corte, que é o exemplo máximo para todos o Judiciário brasileiro, o distanciamento tinha que ser maior ainda.
Ouvir, sair do local e ir numa reunião do DEM com o Agripino Maia, deixar passar um mês para se reportar aos fatos tanto ao seu superior quanto para a imprensa (que deveria ficar fora dos assuntos internos da Corte) e fazer com que o fato fosse divulgado na semana em que seu amigo Demóstenes iria depor na comissão de ética do Senado e de quebra botar fogo no assunto mensalão que a oposição vai utilizar como argumento político na próxima eleição. Sinto muito mas Mendes não é juiz, é militante político e protetor de corruptos.
Sem esquecer que no mesmo período foi divulgado que o juiz da Suprema Corte brasileira usou o avião do meliante Cachoeira. Excelência, sua senhoria (está correto?) pode enganar a ingenua imprensa brasileira ao dizer que não sabia de quem era o avião que o levou para Brasília. Tomo por mim que já peguei muitas caronas de carro e até de moto e sempre soube a quem pertenciam. Agora avião é objeto muito mais caro e raro para não se saber o dono.
E o "esperto negociador" Lula levou um chapéu de novo. Já tinha levado antes
com o grampo sem áudio quando foi desmontado todo um aparato para proteger o Brasil de achacadores e bandidos. Mereceu.

 

Vera Lucia Venturini

Uma prova cabal de que o STF é sensível a pressões é que o falsamente apelidado de "mensalão do PT" estará sendo julgado antes do mensalão tucano/mineiro. Porque isso, se até os valores envolvidos são quatro vezes maiores, se o fato contém provas muita mais robustas, e se o fato aconteceu antes de 2005? Ou seja: o STF vai julgar antes porque a Veja quer, porque a Globo quer, porque o PIG quer. 

 

"Os repórteres Rodrigo Rangel e Otávio Cabral revelaram a lembrança de Mendes." Qual lembrança? Qual revelação? O trecho pressupõe veracidade em Mendes. Porém, Gaspari diz mais adiante que ou Mendes mentiu ou Lula e Jobim mentiram. Contraditório.

Curiosamente, Mendes declara que Lula teria dito (bela construção essa!!!) que Joaquim Barbosa é um "complexado". Pelo caráter adjetivante da declaração, sinceramente, soa mais com o próprio jeito de Mendes e menos o de Lula (prestem atenção nesse detalhe de comportamento).

As hipóteses são várias. Uma delas seria a de que a própria declaração de Mendes à imprensa, como a Veja, serviria para pressionar (sim) os juízes do STF, por meio da opinião pública, a votarem a favor da punição em relação ao mensalão (que ainda está por provar). Se não votarem, seria manobra do Lula, do PT e dos juízes indicados por Lula e, portanto, Mendes sairia não apenas como a "grande vítima dos petralhas", mas como aquele defensor do Estado de Direito.

 

Lula deveria guardar distância de Gilmar Mendes (e do "tucano" Jobim também). O que se poderia esperar de um sujeito que deixou o STF ser contaminado por um bicheiro ...?! Se é recomendado a um juiz de 1ª instância que tenha extremo cuidado no relacionamento com a sua comunidade, como pode um juiz da mais alta corte do país ter relações festivas com um rematado contraventor?? Gilmar está falando da viagem a Alemanha para se blindar  do caso CELG. Quem envolveu Gilmar com o bicheiro e o suspeitíssimo caso CELG não foi o Lula, mas o próprio senador Demóstenes Torres, conforme revelam as escutas telefônicas trocadas entre ele e o "dono de Goiás".

 

Gilmar e veja não têm importancia nenhuma. Nem o fato do gilmar voar com o demostenes em avião cedido pelo cachoeira merece ser citado. São peças velhas e desmoralizadas.

 

Quem não desconfia de si próprio não merece a confiança dos outros (ditado árabe)

Lamentável um ministro da suprema corte ficar nesse disse me disse; lamentável a considerada grande mídia ficar repercutindo tal fato, o que não é supresa para ninguém. O ministro não se dá ao respeito e pelo seu destempero há algo que mais cedo ou mais tarde saberemos. 

 

..."A comunicação do ocorrido ao ministro Ayres Britto deveria ter desencadeado uma imediata iniciativa pública. A essa altura, era Britto quem não poderia ter ouvido o que Mendes lhe contou. O cargo em que está investido recomendava que pedisse ao colega que narrasse o episódio na sala de sessões da corte, ao vivo e a cores, como já fez o ministro Joaquim Barbosa quando julgou impertinente um telefonema que lhe dera um ex-ministro da Casa, advogando um caso milionário.

Nessa ocasião, Barbosa começou a construir sua fama de intratável. Um Supremo Tribunal Federal com 11 juízes intratáveis jamais acabaria metido numa história dessas."....

Essa passagem é sublime, só por ela a matéria já seria fantástica.

 

Mas uma pergunta, não quer calar. Já se passou um mês que aconteceu o fato(a conversa), por que só agora é que o Gilmar resolveu abrir a boca? e a principal pergunta: quem entregou a historia à Veja? Porque à Veja e não à outra revista ou jornal ou ao Fantastico? qual era a intenção de quem tomou essa decisão da denuncia via imprensa?? (gente,será que foi o LULA?na Veja?) o problema desses jornalistas, é achar que todo mundo é burro,idiota,etc,etc......

 

uma vez ouvi o lula falar que nunca mentia pois a mentira é como bola de neve cada vez aumenta mais, nao acredito , pela estoria do lula que ele tenha mentido agora o mesmo nao falo do gilmar , que nao passa de um tucano que faz tudo o que o serra quer, lembra-se daquele telefonema , em um julgamento,  e o serra sabe que ele so  ganha aqui em sp se o lula for desmoralizado, entao vamos a luta e a bolinha da vez na cabeça do lula, mas o lula e um bom jogador sabe cabecear, sou lula ate morrer 

 

Nassif e amigos

Também considero mais acertado mudar a agenda do blog, e somente retornarmos ao assunto Gilmar se surgir fato mais relevante. Mas, no Valor de hoje, aparece uma nova versão, contada a partir de uma entrevista do Próprio Ministro Gilmar: não apenas Lula, mas "Lula e Jobim tentaram constrangê-lo".

Essa mudança responde às negações feitas pelo único ouvinte (agora participante) das conversas. Se Jobim nega as versões do Ministro então também deve ir para o banco dos réus.

Chama a atenção um pedaço da entrevista onde perguntado se "O senhor não temeu que Lula e Jobim negassem essa versão?", o Ministro responde "Isto não tem a menor importância". Somente não tem importância, porque o Ministro tem uma imprensa a seu dispor capaz de transformar em verdade absoluta as suas variadas e divergentes versões. Fosse o posto, uma acusação de chantagem denunciada sem provas contra um Ministro do STF nunca, nunca apareceria. Muito menos mereceria o destaque esse episódio.

O próprio Ministro sabe que poderia responder, no mínimo, por difamação. Em um processo dessa natureza, não seria aceita a sua versão, sem qualquer prova ou testemunha que a convalidasse. Teria que se retratar. Talvez, por isso, as novas versões falam apenas em "constrangimento" não mais em "chantagem". 

Mas,  o Ministro não está preocupado com o mundo jurídico. Está cumprindo uma agenda política. Veste-se do papel de um parlamentar, que na defesa de suas posições políticas, tem imunidade pelas suas palavras e opiniões. Sabidamente, essa postura não cabe aos membros do poder judiciário. 

Não é sem causa que muitas atitudes dos membros do STF vêm sendo criticadas pela sua postura política, pelo apresso à mídia ou referência prioritária à opinião pública. 

No modelo brasileiro, os membros do Poder Judiciário não são eleitos, exatamente para poderem atuar tecnicamente. Isto não significa desapresso às questões sociais ou econômicas, mas que as decisões precisam de lastro jurídico, não midiático. 

As consequências dessa atitude do Ministro Gilmar, muito provavelmente vão marcar as próximas decisões do STF. Será defícil afastar as referências politicas, independentemente da decisão. Foi verdadeiramente um desserviço ao próprio Judiciário.

 

E a famosa "da pag 3 a 9" do globo de hoje?

Gilmar aparece em foto ocupando quase meia página com dedo em riste e Demóstenes na 1ª com cara de santo.

 

 

 

 

Gilmar Mendes que criou uma situação constrangedora para o Judiciário. Inclusive, nem deveria estar onde está. Lula apenas foi envolvido por esse desqualificado. Esse sujeito é um biscateiro do PIG.

 

Nassif, o que poucos estão comentando é o momento em que Gilmar decidiu tornar o "fato" público. Para mim, ele esperou as vésperas do depoimento do Demóstenes Torres por dois motivos. Primeiro, para jogar uma cortina de fumação e tirar o foco do depoimento. Não fosse esse disse-me-disse, a manchete dos jornais seria o Demóstenes. Segundo, para inibir qualquer deputado de questionar o nobre senador sobre a sua amizade. Todos os integrantes da CPI ficam com pé atrás na hora de pergutarem qualquer coisa sobre o Gilmar (Mendes?). 

 

"Alguém está mentindo. Ou mente Gilmar ou mentem Lula e Jobim".

Sutilmente Gaspari fornece a resposta no PS. " A memória exige.... . Até hoje não apareceu o áudio desse grampo".

Não sejamos tão rigorosos com o Gaspari, afinal " ele precisa sobreviver, entende?" .

Para quem não leu o Pasquim. Henfil usava a frase " ele precisa sobreviver, entende" para justificar determinados equilibrismos em muros, concessões, sabujices, covardias, curvaturas da coluna, etc. que determinadas figuras públicas assumiam para poder pagar a conta do supermercado, luz, telefone, etc.

E

 

Domenico Amaral

Todo esse disse-me-disse postado na imprensa pelo PIG só esquece um aspecto: Gilmar Mendes representa o 1% e Lula os 99%. 

 

A pergunta é: se GM sentiu-se chantageado, pressionado, ameaçado ou coisa que o valha, porque não recorreu aos canais institucionais em busca de providências logo após ocorrido o suposto incidente? Quer dizer que um Ministro do STF prefere "denunciar" coisas através de uma publicação como aquela do que fazer as coisas dentro dos meios institucionais? Uai, até onde sei Carolina Dieckman procurou a polícia quando do episódio daquelas fotos e tentativa de extorsão, só pra citar um exemplo. Se roubam teu carro você vai dar queixa na polícia ou corre para escrever uma carta para algum jornal publicar?

 

Em cores.

 

 Nassif , Tu num falou que só ia publicar coisa relevante? Esses caquéticos como Gaspari e Dines não acrescentam nada. Jornalismo anódino mero exercício de salamaleques retóricos. E corporativismo de dar engulhos.

 

Vc leu o PS.?

 

Gaspari poderia ter jogado fora todo o texto e publicado apenas o PS. Ou você acredita sinceramente que, a esta altura, ainda exista alguém de boa fé e com mais de dois neurônios que está em dúvida sobre quem mentiu?

De novidade mesmo, apenas a informação - inédita até agora - de que a suposta insinuação de Lula sobre a viagem de Gilmar Mendes a Berlim teria sido paga "em parte" por Cachoeira: "E a viagem a Berlim?" Por trás da curiosidade estava a maledicência de que o ministro fizera uma viagem a Berlim com o senador Demóstenes Torres e parte do paganini por conta de Carlinhos Cachoeira".

Não sei quem disse isso ao Gaspari, pois até agora o que vazou foi que a viagem não apenas foi totalmente paga pelo bicheiro, como ele os acompanhou. Ambos, Gilmar e Demóstenes, dizem que têm como comprovar que pagaram suas próprias passagens, hospedagens, locomoções, refeições, etc. Que o façam, portanto.

 

Eu li. E se eu não estiver sonhando, essa foi a forma mais refinada e covarde de chamar Gilmar Mendes de mentiroso. Devia ter ido direto ao ponto. Ministro do Supremo  trata  o caso de maneira institucional, de acordo com a Lei. Se Lula chantegeou, que o caso seja levado aos setores competentes, que se arrolem as testemunhas, que se abra um processo; Procurar a VEJA, um mes depois, é coisa de informante barato, mau caráter, que não tem condições de exercer o cargo que exerce. Agora o meu PS: se o ministro procurou a VEJA, é por que não teve apoio dos pares para a história mirabolante que ele contou. Quem conhece o Lula,  conhece o seu carater. não dá para comparar.

 

Apoiado! Esse texto do Gaspari é igual a "sandálias havaianas", não tem cheiro, não solta a tinta, nem as tiras... Lula indicou 9 ministros do STF, não interferiu no caso "mensalão" na época que tinha poder e meios para tal, agora a mídia travestida de oposição, junto com "seus" políticos, faz uma clara "operação tapa corrupção" com a velha tática de atirar no "novo" velho inimigo. Vai daí, somos obrigados a ler essas "platitudes" de gente interessada no "disse me disse" só prá aparecer e vender jornal.

O Brasil é um país sui generis, pois esse caso deveria ser rápidamente resolvido, não pela imprensa, não pelo Gilmar, não pela CPMI, não pelo PT, e sim pela Polícia Federal. Se ela tem gravações e provas, ela que se mexa rápidamente e apresente o caso ao judiciário de uma vez. Um saco tudo isso!

Um abraço.

 

"[...]Devia era, logo de manhã, passar um sonho pelo rosto. É isso que impede o tempo e atrasa a ruga.[...]" - Mia Couto

Apoiado (II) - texto insosso, bobo, sem argumentos inteligentes ou novidades... passa a impressão de quem apenas quis deixar um registro para o futuro, do tipo: "Oh!... eu falei sobre este assunto... critiquei os três! sou isento!..." - puro tro-ló-ló......

 

Eu discordo do Gaspari.

Sem provas, a história não deveria ser divulgada. Senão fica esse disse-me-disse, e nada mais.

 

Erick

Perfeito.

Divulgar uma conversa particular em público por si só ja demonstra falta de caráter. Ainda mais quando não existem provas.

 

Discordo totalmente de você. A gente não sabe se a conversa existiu ou não e nem vou entrar nesse merito, mas não acho que é falta de caráter divulgar uma conversa particular quando esta conversa constitui um crime. Não to falando do caso do lula-gilmar-jobim. Estou falando de qualquer conversa, se constituir crime deve sim ser divulgada, ainda mais quando se trata de autoridades envolvidas.

 

Se houver crime, deve  ser denunciada e claro que pode ser divulgada. Mas isso, se houver provas ou pelo menos fortes indícios do crime cometido. Senão quem comete crime é quem denuncia sem provas, como parece que foi o caso.

 

Caro Daniel , a que ponto chegamos , esta quase sendo preciso intimar o ex presidente  juntamente com Gilmar para saber quem esta com a verdade , fazer um confronto de versões coisa rotineira na rotina policial . Eu particularmente sempre acreditei no Lula , mas urge que se chegue a uma conclusão , pois ai temos o envolvimento das mais altas instituições da república , caso contrário ninguem mais tera razão nester pais.

 

 

Macondo é sim, aqui!

 

TAMPA E BALAIO.


 


Demótenes Torres foi flagrado ao alertar Carlinhos Cachoeira de que uma operação da Polícia Federal iria ser deflagrada para apreensão de máquinas caça-níqueis. Explicação do senador na CPMI: estava jogando verde para saber se Cachoeira estava envolvido com jogos ilegais.


 


Gilmar Mendes foi indagado por um jornalista o porquê da demora para denunciar a pressão de Lula para o adiamento do julgamento do mensalão. Resposta do ministro: porque jornalistas amigos me alertaram que Lula estava trabalhando nos bastidores da CPMI para me ligar ao Carlos Cachoeira.


 


É patético!