Revista GGN

Assine

Um best-seller no Piauí, por Rui Daher


Reprodução de cena do filme Viramundo (1965), de Geraldo Sarno, sobre migração de nordestinos à São Paulo

Por Rui Daher

Já foi mais, proporcionalmente, muito mais, diria. Lembram do trecho falado por Bethânia ou Nara Leão em “Carcará”, do show “Opinião”. É obrigação citar os autores dessa obra antológica: Oduvaldo Vianna Filho, Paulo Pontes, João do Valle, Armando Costa, e o diretor Augusto Boal.

Mas assim sempre continuou. Até hoje. Um pequeno intervalo, entre 2005 e 2015, quando se ensaiou um movimento de reversão pelo desenvolvimento de renda, emprego e programas sociais dirigidos para aquela região por Lula.

A imigração nordestina para o Sudeste, principalmente São Paulo, é um fenômeno que construiu a metrópole, hoje “amargarinada” por Doriana Júnior, mas ainda entronizada em nossas periferias e mesmo em âmagos burgueses.

Hoje em dia, somados o economicismo rentista de Temer e Meirelles e a decadência da Capital, em minhas andanças pelos GGN e CartaCapital, percebo o movimento imigratório se deslocando para o interior do estado de São Paulo, onde os encontro e me divirto, ouvindo histórias longínquas desses queridos nordestinos, prestando serviços onde são menores os sinais de crise graças aos agronegócios.

Faço um parêntesis. Nota-se nos guetos de luxo da Capital ajuntamentos interessantes, vindos de lugarejos do Nordeste, onde uns vão chamando outros, por parentesco ou afinidade, para trabalharem aqui, em serviços. Numa mesma rua, vocês podem encontrar vários deles, da mesma cidade, que aqui se juntam em seus hábitos e culturas, para fazer-me feliz e, no meu caso, idade tivesse, levar para estudo nos barracões da Ciências Sociais. Restam-me as conversas noturnas com Darcy Ribeiro.

Meu causo vem de Piracicaba. Lá, onde vou amiúde, depois do trabalho, conforme relatado no “Dominó de Botequim”, não deixo de visitar meus amigos da Botecaria Villinha, numa rua que corre paralela à Rua do Porto e ao jubiloso Rio de Piracicaba. Lá fiz muitos amigos. Fora Valdéris, o proprietário, gaúcho, se não me engano de Ijuí, a maioria dos garçons da Botecaria e de outros bares e restaurantes, veio de Dom Pedro II, município com 35 mil habitantes, no Piauí. Mesma mecânica, um foi chamando os outros. Estão contentes com Piracicaba, e passam suas férias no Piauí. Querem Brasil melhor? Sim. Eu também o idealizo, mas pelo menos estamos aí.

Lá deixei cinco livros e propus: “Vendendo, 1/3 vai para a casa; 1/3 pro menino que vender; e 1/3 pra mim em desconto nos itens líquidos que eu consumir”. Valdéris respondeu: “Esquece a casa: meio a meio entre os meninos e você”. Feito.

Na última vez que estive lá, Tomaz Souza, o Tomazinho, um dos meninos de Dom Pedro II, chega com duas notas: valor três Opalas. A cidade de Tomaz tem uma moeda que funciona como o real, a opala (ver foto no post), homenagem ao local onde se encontram as únicas minas da pedra no Brasil. Fica a 200 km de Teresina. Pesquisem, vale a pena.

O “Dominó de Botequim” pode ter sido desclassificado do Prêmio Jabuti por falha no preenchimento de uma ficha catalográfica, mas é o melhor livro de crônicas publicado em 2016 e o único vendido por três opalas.

Obrigado, Grande Tomaz Souza e todo o povo de Dom Pedro II (PI), em Piracicaba.

 

 

Imagens

Média: 5 (9 votos)
1 comentário

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Cris Kelvin
Cris Kelvin

O tempo passa...

... da Opinião de Bethãnia à recitação do Ultimatum de Álvaro de Campos', metaforfoses.....

Também quqero respirar, mas sem generalização e ceticismo, navegando o copo de mar, possível...

Pelos  interiores, com Rui, com os brasileiros,em  devir

 

 

 

 

 

 

 

 

Seu voto: Nenhum
imagem de ze sergio
ze sergio

um.....

Caro sr. Rui, não poderia deixar de escrever sobre 2 imbecilidades que marcam o atraso que aceitamos e prorrogamos: o lageado do Rio Piracicaba dentro da cidade deveria ser considerado Patrimônio Mundial. Já vi piracema neste local há poucos anos. O rio não passa pela grande região metropolitana da capital, no entanto é tão poluído como o Tiête. Como é possível? Como não foi feito nada em 40 anos de redemocratização, fora piorar a situação? Onde estão as politicas de Meio Ambiente? Que Humanidade que devemos preservar com nossos biomas senão aquela piracicabana e vizinhas? Onde está a Ong SOS Mata Atlântica, fora dizer que o Tiête está menos poluído.Subsidiada, é claro, por generosa verba de contrato com governo Picolé de Chuchu? ( visitem Pirapora do Bom Jesus/Grande São Paulo e constatem o óbvio, se narizes e estômagos suportarem). E depois, sobre as opalas do Piaui. Se tamanha riqueza, porque estes piauinses fogem da miséria da sua terra? O que poderá alterar suas realidade mais que a riqueza natural que já possuem? Quem as retira de lá? Qual é a parte desta riqueza que fica para a população? Outro dia, num assalto (a noticia era o crime) em duas miseráveis cidades do interior de PE, senão me engano, roubaram duas mineradoras separadas por uns 20 Km. Uma de diamantes (de propriedade belga) e outra de ouro (canadense). E as pessoas destas cidades? Vivendo miseravelmente de Bolsa Família !!! Aí não é possível qualquer discussão !!! Como falar em resolver nossos problemas?! Ficaremos nestas balelas e conversas fiadas tupiniquins por mais 5 séculos. Opalas, ouro, diamantes...e estas pessoas fugindo da pobreza por serviços braçais e pressionarem ainda mais as condições sociais de outras regiões?! Clareza, Transparência, Projetos, Direcionamento, Informação, Perspectivas, Prazos para alterar a realidade nacional. Domsebastianismos já deu!!! Deveriamos ser um Havai com padrão norueguês. Não existe uma única razão para isto não ter sido construído por nós. (Obrigado por seguir com Andanças Capitais. Fantásticas. E pela paciência) abs. 

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.