newsletter

"Sou plenamente favorável à redução da maioridade penal", afirma o promotor Thales Cezar de Oliveira

Em entrevista exclusiva ao Jornal GGN, o promotor de Justiça Thales Cezar de Oliveira afirma que é plenamente favorável à redução da maioridade penal. Entre outros motivos diz ele, é perceptível, na atividade das varas da Infância e Juventude de São Paulo, que aos 16 anos,o adolescente começa a praticar crimes mais graves.

O promotor participará, hoje (3), às 15 horas, no Senado, da primeira de três audiências públicas promovidas pelo Senado Federal sobre redução da maioridade penal. Também participarão desta primeira audiência o procurador-geral de Justiça da Paraíba, Oswaldo Trigueiro do Valle Filho; o presidente da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho e  o subprocurador-geral da República Eugênio Aragão.

Fundação CASA trata adolescente internado como prisioneiro
Redução da maiordade penal criminaliza jovens pobres e negros diz especialista
Ministro da Justiça diz que Brasil não pode mudar maioridade penal

As outras duas audiências estão previstas para acontecer nos dias nos dias 10 e 17 de junho. Todas poderão ser vistas em tempo real pelo portal e-Cidadania, no site oficial do Senado e por meio das redes sociais (Twitter e Facebook). Perguntas poderão ser enviadas aos senadores e convidados pelo link bit.ly/maioridadepenalemdebate. Também é possível participar dos eventos pelo Alô Senado (0800-612211).


Jornal GGN: Como o senhor vê a redução da maioridade penal?

Thales Cezar de Oliveira: Eu sou plenamente favorável à redução da maioridade penal para 16 anos.

Por que 16 anos?

Esta idade não é aleatória, foi percebido na vara da infância e Juventude de São Paulo que o adolescente infrator começa atua em crimes mais graves como o latrocínio, roubo, homicídio a apartir dos 16 anos. A participação de adolescentes de 12 a 15 anos é praticamente mínima nestes tipos de crimes.

Entretanto, eu não sou entusiasta da repressão do adolescente. Prefiro que o Estado invista na prevenção e em políticas públicas voltadas para crianças e adolescentes.

Como fica a questão de o artigo 228 da Constituição Federal ser considerado cláusula pétrea?

Existem vários posicionamentos. O que é cláusula pétrea, na verdade, é a necessidade da fixação de uma idade mínima para a responsabilização penal. Mas não a idade em si. Eu não entendo que a idade mínima de 18 anos para a responsabilização penal seja uma cláusula pétrea senão vamos entrar em um estado de convulsão civil e nunca vamos poder alterar esta idade.

Como o senhor enxerga o adolescente que comete o crime?

Nem todo adolescente que comete crimes é miserável. Apenas 1,68% é morador de rua. Dentre eles, 78,32% tem casa própria. Apenas 20%, mora em casa alugada. Há vários casos em que o adolescente que está na minha frente com a mãe do lado, a mãe só falta bater nele porque ele cometeu o crime por uma questão de consumo. Ela olha para mim e diz que ainda está pagando algo que ele [o adolescente] pediu a ela. Ou seja, ele tem família.

Neste ponto, é possível perceber que a criminalidade não é gerada pela miséria, mas pela desvalorização da ética. Muitas vezes motivados pela personalidade. Há muitos jovens de classe média hoje que cometem crimes. É preconceito achar que só o pobrezinho comete crimes.  


Então, o senhor considera que o adolescente tem consciência do que faz?

Sim, o adolescente que comete o crime tem plena consciência de que está cometendo um crime e que está causando um dano a alguém.

É preciso também ter a percepção de que o adolescente, hoje, não apenas comete o crime, mas tem se transformado em chefe de quadrilha. Ele está ficando cada vez mais audaz, exatamente porque sabe que nada vai acontecer com ele. O adolescente sabe que ele pode pegar 3 anos de internação, mas só fica em média 3 a 4 meses na instutição cumprindo medida socioeducativa. Principalmente em casos de graves.  

Diferentemente, um jovem de 20 anos, por exemplo, sabe que se fizer qualquer coisa pode vir a pegar 8, 9 ou mais anos de cadeia e pensa duas vezes antes de agir.

Mas é necessário se perceber que se o adolescente tem consciência como um adulto do crime que comete, ele deve ser punido como um adulto. Se não é como se ele tivesse um salvo conduto para praticar crimes.

O senhor acha que é necessário ouvir a sociedade neste sentido?

Sim, é preciso ouvir a sociedade, a última pesquisa que eu vi mostra que em todas as faixas sociais, 70%, quer que haja a redução da maioridade penal.

Temos por dever não só pensar no adolescente, mas na dona de casa e nos trabalhadores que são vítimas deste infrator que está se transformando em uma pessoa violenta, sem medo de qualquer punição.

O Estado está preparado para receber estes jovens nas cadeias?

Mesmo que se reduza a maioridade penal há a necessidade de se separar os jovens de 16 até, por exemplo, 21 anos para que eles possam se reintegrar e não conviver com criminosos já experientes que podem ser encontrados nas cadeias.

Uma solução para isto seria a integração de unidades da Fundação Casa ao sistema prisional.

Outra seria a internação do menor com a previsão de um tempo mínimo de seis meses e de um tempo máximo de cinco anos para sua recuperação. De seis em seis meses este adolescente seria avaliado ou reavaliado para se saber se ele pode ou não sair.

Sem votos

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de solrac
solrac

maioridade penal

Me desculpe, mas essa de promotores, juízes, ....se arvorarem em serem favoráveis  a isto ou aquilo; como aquele promotor que sugeriu fuzilar os garotos do PML,  serem os donos da verdade é pura ditadura.


Estamos numa República, e numa república quem legisla é o Legislativo. Que foi eleito para isto.


 

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.