Revista GGN

Assine

Folha "lamenta" que jovens nordestinos estudem mais

 

Associando índice de desocupçao com desemprego já no primeiro parágrafo, o jornalista Gustavo Patu cita pesquisa do IBGE que mostra que crianças com mais de dez anos e adolescentes estão retardando sua entrada no mercado de trabalho. A pesquisa, no entanto, foi relatada como se fosse uma notícia ruim. O repórter não considera que o trabalho infantil vem caindo bastante nos últimos anos e a escolarização na região apresentou forte crescimento na década anterior - dados disponíveis no próprio IBGE. Além disso insiste em considerar mulheres donas de casa como desocupadas (em parte, pela própria forma como o IBGE agrega os dados).

Força de trabalho encolhe no NordesteGustavo Patu Além da maior taxa de desemprego do país, a região Nordeste abriga a maior proporção de pessoas que não trabalham nem procuram ocupação -e esse percentual está crescendo.

O descompasso entre o mercado de trabalho nordestino e o do resto do país ficou evidente com a nova pesquisa de emprego do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que passou a coletar dados em todo o território nacional.

Enquanto a apuração anterior, limitada às maiores metrópoles, sugeria um cenário de pleno emprego, os novos números mostraram que no Nordeste 10% procuram uma vaga sem conseguir.

Além disso, na região, 43,9% das pessoas consideradas em idade de trabalhar -de 14 anos de idade ou mais- estão fora do mercado, por opção ou por desalento. No país, o percentual médio é de 38,5%.

Não parece difícil imaginar por que os números nordestinos são mais elevados que os das demais regiões: pobreza, setor empresarial menos estruturado e menor participação do trabalho feminino são explicações plausíveis.

 Editoria de Arte/Folhapress 

Mais complicado é explicar por que a força de trabalho está encolhendo no Nordeste, como mostram números calculados pelo Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, ligado ao Palácio do Planalto).

Montado a partir de pesquisas populacionais do IBGE, o banco de dados do Ipea aponta que, em dez anos, a população economicamente ativa -quem trabalha e quem procura emprego- caiu de 55,7% para 51,8% da população em idade ativa (nesse cálculo, entram pessoas com dez anos de idade ou mais).

Nesse período, de 1992 a 2012, o percentual cresceu no Sudeste, no Centro-Oeste e no Norte, com leve queda no Sul. O Nordeste, que fez cair o percentual do país, teve crescimento econômico acima da média nacional.

"É um certo paradoxo", diz a pesquisadora Ana Luiza Neves, do Ipea. Um estudo do instituto mostra que, de 2009 para cá, a força de trabalho diminuiu em todas as regiões -e a queda nordestina foi a mais aguda.

Segundo os dados nacionais, boa parte dessa diminuição se deve a jovens que retardam o ingresso no mercado -na melhor das hipóteses, porque podem estudar mais; na pior, porque não acreditam nas suas chances de conseguir uma ocupação.

As pesquisas disponíveis ainda não permitem identificar com segurança se o encolhimento da força de trabalho está mais ligado a bons ou maus motivos, mas o Ipea adianta que, entre os brasileiros de 15 a 24 anos de idade, 40,6% das mulheres e 25,7% dos homens estão fora da escola.

BENEFÍCIOS SOCIAIS

Para o economista Miguel Pinho Bruno, estudioso do mercado de trabalho, a maior oferta de educação e benefícios sociais deu opções para jovens e adultos.

"Em vez de aceitar imediatamente um emprego de baixa remuneração, a pessoa pode ficar na escola ou recorrer a algum programa social."

Ele é cauteloso, porém, ao relacionar os programas de renda, como o Bolsa Família, à redução da força de trabalho no Nordeste, porque os dados sobre isso ainda são precários.

Ana Luiza Neves não acredita nessa hipótese: "A evidência empírica mostra que o impacto desses programas no mercado de trabalho é quase nulo".

 

Média: 5 (7 votos)
22 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Cunha
Cunha

" A Casa Grande fica aflita

" A Casa Grande fica aflita quando a senzala aprende a ler "  ( Mino Carta )

Seu voto: Nenhum (3 votos)

A Folha está chateada por não

A Folha está chateada por não conseguir mais mão de obra barata para fazer serviço braçal na gráfica do Jornal.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

A Folha fez  sem querer

A Folha fez  sem querer querendo a festa dos preconceituosos. Na caixa de comentários eles procuram se superar na sanha de atacar nós nordestinos que, a propósito, estamos c.......e andando para todos eles.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de AlvaroTadeu
AlvaroTadeu

The USP's Black Book

Fiz um arranjo nos meus livros, para começar o ano organizado. Encontrei alguns tão antigos de que nem me lembrava mais. Um deles foi "O Livro Negro da USP". Lista nomes e conta as circunstâncias de como professores de certo prestígio na Academia entregaram seus desafetos à Ditadura, alguns assassinados de forma tão covarde que mesmo com a imprensa censurada, os esbirros da Ditadura não tiveram coragem de assumir, como o caso dos professores Ana Rosa Kucinsky (Instituto de Química) e Vladimir Herzog (Escola de Comunicações e Artes), assassinados. Ana Rosa até hoje seu corpo não foi encontrado, Vladimir Herzog teve seu corpo entregue à família num caixão lacrado. Alegaram "suicídio".

Quando acabou a II Guerra Mundial, na Alemanha o nazismo foi posto fora da lei e seus seguidores severamente reprimidos. No Brasil deviam ter feito o mesmo. Os saudosos e viúvas da Emílio Garrastazu Médici ainda vagam suas almas penadas por aí, lembrando seus momentos de glória, quando qualquer imbecil virava gênio salvador da Pátria. Aquele que apunhalou Camillo Calazans pelas costas, com um diplominha de economista de 3a. classe, de uma universidade de quarta, esse ainda vaga por aí, dando entrevistas nos jornais e querendo ensinar como Guido Mantega deve levar a Economia. Detalhe: essa alma penada, quando foi ministro da Fazenda, entregou o país com uma inflação MENSAL de 84%. (taxa março de 1990, confira IPC da FGV).

Seu voto: Nenhum
imagem de iron
iron

Por que o receio de escrever

Por que o receio de escrever Mailson da Nóbrega ?  Pior ainda, o referido vivia escrevendo artigos em jornais e , pasmem, dando uma de renomado consultor de economia. O mundo é mesmo feito de otários.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de josé adailton
josé adailton

CADÊ?

Associando índice de desocupçao com desemprego já no primeiro parágrafo, o jornalista Gustavo Patu cita pesquisa do IBGE que mostra que crianças com mais de dez anos e adolescentes estão retardando sua entrada no mercado de trabalho.

 

NA REPORTAGEM NÃO VI ESTE "PRIMEIRO PARÁGRAFO" CITADOO NO POST:. NO 4º  HÁ UMA INFORMAÇÃO DIFERENTE.

Força de trabalho encolhe no Nordeste

Além da maior taxa de desemprego do país, região tem a maior proporção de pessoas que não procuram vaga

Tornou-se mais comum a opção de ficar mais tempo na escola ou recorrer a um programa social, diz economista

GUSTAVO PATUDE BRASÍLIA

Além da maior taxa de desemprego do país, a região Nordeste abriga a maior proporção de pessoas que não trabalham nem procuram ocupação --e esse percentual está crescendo.

O descompasso entre o mercado de trabalho nordestino e o do resto do país ficou evidente com a nova pesquisa de emprego do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que passou a coletar dados em todo o território nacional.

Enquanto a apuração anterior, limitada às maiores metrópoles, sugeria um cenário de pleno emprego, os novos números mostraram que no Nordeste 10% procuram uma vaga sem conseguir.

Além disso, na região, 43,9% das pessoas consideradas em idade de trabalhar --de 14 anos de idade ou mais-- estão fora do mercado, por opção ou por desalento. No país, o percentual médio é de 38,5%.

Seu voto: Nenhum

  Explico, querido. "ALÉM DA

 

Explico, querido.

"ALÉM DA MAIOR TAXA DE DESEMPREGO NO PAÍS, O NORDESTE ABRIGA A MAIOR PROPORÇÃO DE PESSOAS QUE NÃO TRABALHAM"

Na construção sintática, "desemprego" e a ideia de "desocupação" compõem o mesmo período, com o conectivo "além" que remete à ideia de adição, o que logicamente é uma associação entre dados.

Observe que mesmo em dados díspares, posso fazer a associação com esta mesma construção:

"Além de não praticar exercídios, ele anda de carro" . .

"Práticas de exercícios" e "uso do carro", que são ações díspares, passam, por força da injunção produzida pelo conectivo "além", a serem associados.

O que produz sentido, no caso acima, de "sedentarismo", visto que linguisticamente é sempre o todo da expressão que determina o significado.

.Do ponto de vista do leitor, ele tende a associar mesmo que os dados sejam ainda mais díspares:

"Além de ir ao teatro, ele compra frutas". Neste caso o leitor vai procurar alguma associação, como, por exemplo, interpretando a sentença acima como "hábitos saudáveis"...

Espero que a análise acima tenha servido.

Um abraço.

 

 

 

 

 

 

.

 

 

Seu voto: Nenhum

To imaginando o Aécio e o

To imaginando o Aécio e o Eduardo prometendo mais emprego para criança de 14 anos como Turcomano prometeu ao paulistano cobrar passagem mais cara de quem morasse mais longe.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Está certo o PHA, " A FSP é

Está certo o PHA, " A FSP é um jornal que não se deve ler".

Seu voto: Nenhum (2 votos)

lenita

imagem de Evaristo
Evaristo

Folha de SP a serviço da desinformação e do golpe de estado

É bom ressaltar o nome dos jornalistas que estão vendendo o corpo do pescoço para cima escrevendo o que manda os donos das consciências deles, os seus patrões midiáticos, no caso os frias. É absurdo um jornalismo tão fascista e imbecilizado como o praticado no Brasil pela Folha, Globo, Veja e Estado.

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de iron
iron

Agora é proibido pensar,

Agora é proibido pensar, especular, usar de raciocinio. O PT proíbe.

Seu voto: Nenhum (10 votos)
imagem de josé lima
josé lima

Agora é proibido pensar...

Pensar ou distorcer fatos?

Vou ao cerne da questão:

Sou nordestino e tenho constatado o quão é difícil conseguir pessoas para atender às demandas que o dia a dia exigem, mesmo que você tenha as condições econômico-financeiras para remunerá-las pelos serviços prestados.

Na época do famigerfado governo FHC era comum que não houvesse esse tipo de dificuldade.

Havia filas de pessoas nas portas das rádios que noticiavam em seus programas diários as raras oportunidades de emprego.

Ademais, a pessoa que necessitava contratar, éra quem ditava o preço do salário. Era pegar ou largar.

Mesmo com a atual escassez de mão de obra, é preferível que assim seja.

Quanto a frequência escolar, houve uma verdadeira revolção no índice de assiduidade das crianças que frequentam o ensino funbdamental

A minha esposa é diretora de uma Escola no Município de Mossoró/RN, e a frequência atingiu em 2013 o índice de 98%.

O que o jornal Folha de São Paulo parece querer,é criar uma versão deturpada da realidade, distorcendo indicadores, posto que, sabe que a regiaão Nordeste tem dado, progressivamente, um salto de qualidade nos útimos dez anos e, sem dúvida vai continuar por muito tempo sendo o fiel da balança no resultado das eleições presidencias, ou seja, vamos continuar decidindo as eleições para desespero dos conservadores e seus sequazes.

Há, portanto, todo um esquema de interesses escusos na tentativa de desconstruir todo o progresso, educacional, econômico e político que estamos vivendo,

Essa turma não tem escrúpulos, conforme confessou, certa vez, o tucano Rubens Ricúpero. 

Seu voto: Nenhum

Ai ai... Pode pensar, mas não

Ai ai... Pode pensar, mas não com a cabeça da década de 70. Aí chega a conclusões idiotas como essa. Ora, se o nível de escolaridade deu um salto na última década é de se esperar uma redução dos trabalhadores menores de 18 anos. Também é objetivo do Bolsa Família combater pelo desestimulo o trabalho infantil. Mais da metade dos beneficiados estão no Nordeste.

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de Durvaldisko
Durvaldisko

Nada surpreende. Lamentar

Nada surpreende. Lamentar  que  o mercado não incorpore  essa "força de trabalho"entre 10 e 14 anos e fazer coro com a campanha de Roberto Marinho ,desfechada contra o ensino público quando Brizola governava o Rio de Janeiro.

Os CIEPS,ou escolões, como  eram chamados os centros de  estudo  de tempo integral,sofreram  forte  hostilização das Organizações Globo,naquele período.As críticas eram de natureza  das mais estapafúrdias.

Portanto, reiterando o que  dizia  para quem quisesse ouvir, o velho Mesquita,na redação do seu jornal quando  se falava em campanha de alfabetização,escandalizado, exclamava:" E quem vai pegar no cabo da enxada?"

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Marcos K
Marcos K

Na hora do aperto, a Folha

Na hora do aperto, a Folha serve. Raspa um pouco, mas é melhor do que folha de caderno, ou mesmo melhor do que nada. Se não tem Folha, serve Estadão. O Globo e até a Zero Hora. Fazer o quê? Quando essas coisas acabarem o negócio é nunca ficar sem papel higiênico.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Em geral as Mulheres trabalham muito mais que os Homens

O correto seria afirmar que as pessoas que não tem emprego ou nem procuram ocupação.

Cuidar da casa e das crianças( varrer, colocar as coisas em ordem, cozinhar, lavar, realizar pequenos reparos, etc) é um trabalho e tanto. Na verdade as Mulheres que além de cuidar da casa e das crianças, tem um emprego remunerado ou não, realiza  uma dupla  ou tripla jornada de trabalho de trabalho.

Além disso estudar é investimento, e lugar de criança é brincando em casa ou na rua e estudando na escola ou em casa.

No mais,  a Folha  já faz muito tempo que perdeu a capacidade de analisar os fatos.

 

Seu voto: Nenhum (3 votos)

2014---distribuição de renda

Trabalho duro.

Conheci um pedreiro que morava numa pequena chácara e reclamava que muitas vezes chegava do trabalho e a esposa deixara de tratar das galinhas.

E lá ia ele alimentar as penosas... reclamando.

Até que um dia sofreu acidente de trabalho e ficou em casa, recuperando o pé quebrado.

Assim ele viu o qto a esposa trabalhava, dia todo, no fogão, no tanque, na faxina e cuidando dos filhos.

Este caso o próprio me contou e disse que passou a dar milho às cacarejantes com satisfação e esmero.

Nunca mais reclamou.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Não se pode levar nenhum

Não se pode levar nenhum orgão de imprensa à sério quando eles transformam acontecimentos de um programa de tv como o BBB em "notícia" de destaque em primeira página ou em seus portais.

Cada manchete da folha carrega em si, uma média de 3 mentiras e 2 inverdades.

Seu voto: Nenhum (8 votos)

A Folha é lamentavel.

Sem comentários.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

São os mesmo que engrossam o

São os mesmo que engrossam o côro : Não há copa!

Eles não desistem..Falha de Sp.

Seu voto: Nenhum (8 votos)

Felizmente não leio e não

Felizmente não leio e não lerei a Folha de São Paulo, jornal que só tenho visto quando é utilizado para embrulhar carne no açougue.

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Como moro no rio, não vejo

Como moro no rio, não vejo nem em embrulho de açougue

Seu voto: Nenhum (7 votos)

Alessandro D(Usa GNU/Linux)

 

Então é o globo,

o que dá na mesma em termos de "conteúdo", antes do peixe que é um alimento que de fato não merece tal comparação.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.