Revista GGN

Assine

Saúde

Mais de um milhão de pessoas deixaram de ter plano de saúde, aponta levantamento

 
medical_pixabay.jpg
 
Foto: Darko Stojanovic/Pixabay
 
Jornal GGN - Números do Instituto de Estudos de Saúde Suplementar (IESS) mostram uma queda de 2,2% no mercado brasileiro de planos de saúde em maio, na comparação com o mês anterior. 
 
A diminuição representa uma perda de cerca de 1 milhão de vínculos, reduzindo o total de benefícios de beneficiários de planos de saúde a 47,36 milhões. Leia mais »
Média: 2 (4 votos)

Usuários de drogas da 'nova cracolândia' em SP são impedidos de montar barracas

Atualizado 15h30
 
Nova ação da política anticrack promovida por Doria e Alckmin aconteceu na manhã deste domingo (11). Seis horas após a intervenção, a PM liberou os usuários que passavam por revista a reocuparem a praça
 
Foto: Agência Brasil
 
Jornal GGN - A prefeitura e o Estado de São Paulo promoveram uma nova ação na manhã deste domingo (11), por volta das 6h para dispersar usuários de drogas na região central da cidade. Com o auxílio da Guarda Civil Municipal a da Polícia Militar, o perímetro a volta da praça Princesa Isabel foi isolado e os dependentes químicos que mantinham barracas no local foram dispersados e alguns deles, considerados traficantes, presos. O local ficou conhecida como a "nova cracolândia" depois da ação do dia 21 de maio que dispersou usuários de crack da antiga cracolândia. 
 
Seis horas após a ação, a PM liberou os usuários que passavam por revista a reocuparem a praça, localizada a 400 metros da cracolândia. Os dependentes foram proibidos de levar elementos para a construção de barracas, como lonas e atacas. 
 
Segundo a Folha de São Paulo, não houve enfrentamento, mas alguns dependentes atearam fogo em lixos e colchões para tentar obstruir as atividades. As administrações de Alckmin e Dória anunciaram que não irão mais permitir a montagem de barracas por usuários em qualquer ponto central da cidade. No dia 21, os dois governos receberam críticas por realizarem as atividades sem a consolidar uma estratégia mais ampla com os responsáveis pela área da saúde e assistência social, e sem realizar o cadastramento prévio dos usuários, uma das promessas do novo programa anticrack de Doria.
Leia mais »
Média: 3 (5 votos)

"Planos de saúde acessíveis" rebaixam direito de saúde a bens, diz PFDC

 
Jornal GGN - A sugestão do governo de Michel Temer, apresentada pelo Ministério da Saúde, comandado pelo já alvo de críticas e polêmicas Ricardo Barros, de oferecer "planos de saúde acessíveis" é uma "clara ofensa à disciplina constitucional" do SUS (Sistema Único de Saúde) e sequer representa uma "garantia de benefício" aos consumidores, afirmou a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) .
 
Em nota técnica encaminhada na última semana, a Procuradoria do Ministério Público Federal critica duramente a proposta do Ministério, encaminhada no dia 7 de março à Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que tem como tese oferecer planos de saúde com preços mais baixos e, consequentemente, com menor cobertura.
 
"A ideia é desonerar o sistema público de saúde de uma parcela dos serviços que atualmente presta, que passariam a ser ofertados pelo setor privado", explicou o órgão. Segundo o relatório dos procuradores, a sugestão não só "não oferece vantagens ou melhorias para a prestação da atenção à saúde pelo serviço público", como "desorganiza o SUS".
Média: 5 (3 votos)

O cenário pós-eleições da saúde mental no país, por Adriana Marino

saude_mental.jpg

Do Psicanalistas pela Democracia

Back to the future ou o cenário pós-eleições da saúde mental no país

por Adriana Marino

Psicanalistas, psicólogos, terapeutas ocupacionais, assistentes sociais, enfermeiros, médicos e demais profissionais ligados à saúde mental: o que podemos esperar com relação ao cenário que se desponta com a chegada dos governos municipais na virada do futuro ano de 2017? A resposta é simples: governos engendram políticas públicas de saúde e de saúde mental que marcam a situação e trazem os destinos em que estamos e iremos nos inserir como profissionais em nossas práticas públicas e privadas.

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

Carne brasileira é forte, defende ex-servidor do MAPA

Jornal GGN - Esclarecimento de um ex-servidor do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) que ajudou a estruturar no Sistema de Inspeção Federal (SIF), a respeito da Operação Carne Fraca da Polícia Federal: 
 
 
Enio Marques defende Sistema de Inspeção Federal e alerta à necessidade de Ministério assumir forte posicionamento na comunicação: 
 
Caros, o centenário SIF e os seus servidores são vítimas.  A seguríssima carne brasileira é vítima. Entendam que não são a carne e o SIF os acusados. Os acusados são os gestores do Mapa no Paraná que, segundo a Justiça Federal, usaram as suas investiduras para promover extorsões, criar dificuldades, vender facilidades, perseguir servidores. 
 
Por Enio Marques 
 
Caros amigos, a carne é forte!!!!
 
A repercussão internacional parece, de fato, ter potencial de dano as imagens do SIF e das carnes. 
 
Alguns governos, com base no que está sendo divulgado, poderão ceder à pressão de produtores, da imprensa, de parlamentares e de consumidores. Sei muito bem o que é isso!!!
 
Na sexta feira (17) pensei que os riscos às exportações e ao consumo de carnes fossem insignificantes. Mas a maciça divulgação e as matérias jornalísticas nas grandes mídias levaram muitos a acreditar que as carnes têm problemas. Um boi puxa uma boiada...
 
Lamentavelmente, a comunicação da prisão de acusados de corrupção deu a entender a população que carne é risco à saúde pública.
 
Por ter atuado tantos anos na construção dessa sólida base internacional de credibilidade do SIF e da defesa, por ter vivenciado várias crises, por talvez ser um dos poucos brasileiros, ainda vivo, que participou das rodada de negociações sanitárias e fitossanitárias internacionais, no maior número de acordos bilaterais realizados pelo Brasil, sinto-me credenciado e, por isso, na obrigação, de colaborar na busca da verdade.
Leia mais »
Média: 4.1 (13 votos)

Ministro da Saúde diz que obesidade infantil é culpa das mães que "não ficam em casa"

Da Fundação Perseu Abramo

Após o fiasco da fala de Temer no dia 8 de março sobre as mulheres, naturalizando a limitação da mulher ao âmbito doméstico e afirmando que nossa contribuição à economia se restringia a notar desajustes nos preços do supermercado, o ministro da Saúde não ficou atrás: no dia 16 de março, Ricardo Barros afirmou que a obesidade infantil decorre do fato de que as crianças não têm oportunidade "de aprender a descascar alimentos" com suas mães.

Disse, ainda, que hoje "as mães não ficam em casa, e as crianças não têm oportunidade, como tinham antigamente, de acompanhar a mãe nas tarefas diárias de preparação dos alimentos". Assim como Temer, Barros interpreta que o cuidado com a casa e com os filhos é responsabilidade exclusivamente materna e culpa as mães que ousam trabalhar fora de casa.

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

Fosfoetanolamina: Anvisa manda suspender propaganda

Oncologista alerta para falta de estudos que comprovem eficiência terapêutica do produto que passou as ser vendido como suplemento



Jornal GGN - Para burlar o controle sanitário, a fosfoetanolamina deixou de ser comercializada como medicamento,  passando a ser vendida como suplemento alimentar.

Ainda assim a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) determinou recentemente que as propagandas publicitárias na internet sobre o produto sintético fossem retiradas, destacando que a legislação sanitária não permite que um suplemento alimentar alegue propriedades terapêuticas – tipo de informação que está sendo divulgada nas propagandas veiculadas na internet.

Em entrevista ao portal Brasileiros, o oncologista clínico Helano Freitas, coordenador de Pesquisa Clínica do A.C.Camargo Cancer Center, alertou para a falta de estudos empíricos que comprovem a eficácia do produto e ainda questionou: Por que os desenvolvedores não investiram em estudos e decidiram distribuir indiscriminadamente a substância? E por que agora decidiram comercializá-la a qualquer custo, não mais com finalidade terapêutica, mas como suplemento?
Leia mais »

Média: 4 (3 votos)

Dona Marisa segue na UTI com condições inalteradas

 
Jornal GGN - De acordo com boletim médico divulgado ontem (29), a ex-primeira-dama Marisa Letícia Lula da Silva segue internada na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) do Hospital Sírio-Libanês. 
 
Dona Marisa “segue sob monitorização, com condições clínicas e neurológicas inalteradas”, segundo o hospital. 

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

Em novo boletim, hospital informa que dona Marisa passou por novo procedimento

Jornal GGN - O hospital Sírio Libanês atualizou o boletim médico da ex-primeira-dama Marisa Letícia, na manhã desta quarta (25). Segundo o informe, a esposa do ex-presidente Lula "segue internada sob cuidados intensivos. Nas últimas horas, foi submetida a nova avaliação tomográfica de crânio para controle de sangramento cerebral. Após avaliação das equipes médicas foi realizada a passagem de um cateter ventricular para monitoração da pressão intracraniana."

Leia mais »

Média: 5 (4 votos)

SUS perderá R$ 1 bilhão e meio com mudanças no seguro de veículos

Jornal GGN - O SUS (Sistema Único de Saúde) vai perder R$ 1,5 bilhão de recursos. Isso porque a nova regulamentação do DPVAT vai impactar diretamente no orçamento direcionado à saúde.

Em sua coluna em O Globo, nesta quarta (21), Lauro Jardim explicou que o DPVAT, seguro obrigatório dos veículos, teve alterações: caiu em 37,2% o valor a ser pago pelos proprietários. 

Leia mais »

Média: 2.8 (4 votos)

Aos colegas Cubanos, por Régis Eric Maia Barros

Aos colegas Cubanos, por Régis Eric Maia Barros

Nesse período do Programa “Mais Médicos”, eu tiver o prazer de conhecer alguns médicos cubanos. E, com esse pequeno texto reflexivo, reporto-me a eles. Pois bem, o referido programa governamental foi capaz de trazer um desconforto imenso nas entidades médicas e em muitos médicos. Esse desconforto, infelizmente, se materializou em vários atos que, para mim, atacam à ética. Certamente, as relações estremecidas entre o governo federal e parte da classe médica catalisaram muitas atitudes destas que merecem reprovação. No entanto, eu não creio que isso tenha sido o único promotor das diversas posturas ora desdenhosas, ora agressivas, ora preconceituosas aos colegas cubanos.

Leia mais »

Média: 4.8 (16 votos)

Saúde, direito dos planos, dever dos mais pobres, por Ion de Andrade

Por Ion de Andrade

Pode um ministro da saúde ameaçar a ordem constitucional?

Na semana passada o ministro da Saúde Ricardo Barros foi a público, em entrevista à BBC, dar como inviável o princípio constitucional da saúde como direito de todos e dever do Estado. A suposta falta de recursos estaria na raiz do problema. Os planos de saúde, mais baratos e com menor cobertura, seriam a solução.

É evidente que o Ministério da Saúde já teve ministros preocupados com o financiamento da saúde, como foi o caso de Adib Jatene, que propôs a criação da CPMF, além de outros que militaram pela inclusão dos recursos oriundos do pré-sal na saúde, ou pela regulamentação da emenda 29 que estabelece a vinculação de recursos das três esferas de governo para um processo de financiamento mais estável do SUS. O atual ministro não pertence a essa família honrosa de ministros, aliás de muitas e variadas origens partidárias.

Leia mais »

Média: 4.3 (6 votos)

A entrevista de Oliver Sacks que virou documentário e transformou uma vida

Oliver Sacks com óculos de mergulho
 
Jornal GGN - "Eu não posso fingir que eu não tenho medo. Mas o meu principal sentimento é só um: de gratidão. Eu tenho amado e tenho sido amado; Eu tenho ganhado muito e tenho dado algo em troca; Eu tenho lido, e viajado, e pensado, e escrito". O trecho é do impactante artigo do neurologista Oliver Sacks, anunciando no The New York Times, em fevereiro de 2015, que morreria em breve de um câncer intratável.
 
A história do neurologista mais famoso do mundo, que lidava com pessoas com doenças e síndromes congênitas incuráveis, comoveu os países. Mas meses antes de sua morte, a jornalista Mônica Vasconcelos da BBC Brasil, sem saber o que passaria com o médico, o entrevistou.
Leia mais »
Média: 5 (3 votos)

Lindbergh Faria acusa governo de mentir sobre PEC 241

Em dez anos Receita Corrente Líquida na saúde passará de 15% para 11%
 
 
Jornal GGN - O Senador Lindbergh Faria (PT/RJ) divulgou uma nota acusando o governo de não esclarecer o verdadeiro impacto da PEC 241 sobre os gastos com a Saúde pública. O parlamentar destaca que, atualmente, o Estado investe apenas 15% da Receita Corrente Líquida (RCL) na saúde. Com a proposta da equipe Temer em dez anos o Brasil vai investir 11% da RCL no setor. 
 
"Essa queda se dará porque a despesa, ao longo dos próximos anos, será reajustada somente pelo IPCA do ano anterior, enquanto a Receita Corrente Líquida cresce tanto pela inflação quanto pelo crescimento real do PIB. Portanto, mesmo que haja um crescimento do PIB e das receitas, a ampliação de gastos no setor estará represada pelo limite constitucional que pretendem impor". Acompanhe a nota na íntegra:
 
Média: 4.2 (10 votos)

SUS vai perder R$ 654 bilhões com congelamento de gastos, diz Patrus Ananias

 
Jornal GGN - O ex-ministro e ex-deputado federal Patrus Ananias (PT-MG), integrante de comissão especial da Câmara que analisa a PEC que congela os gastos públicos por 20 anos, afirma que a medida fará o Sistema Único de Saúde perder R$ 654 bilhões, de acordo com estimativa do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde.
 
Essa redução de recursos representaria 500 milhões de procedimentos de atenção básica, 83,5 milhões de procedimentos de ambulatórios e 19,6 milhões de procedimentos em hospitais que deixariam de ser oferecidos pela população.
 
Ananias também citou estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) que afirma que a PEC 241 terá um impacto negativo no financiamento e na garantia do direito à saúde. 

Leia mais »

Média: 4 (4 votos)