Revista GGN

Assine

O caso do racha dos militares da reserva

Por Fábio Santos

Comentário no post "Argentina suspende instalação de base militar dos EUA"

Por pertinência ao post, reproduzo postagem do Major Mascarenhas, aqui mesmo no blog do Nassif:

Por Maj. Mascarenhas Maia - 19/03/2012

Comentário do post "Manifesto expõe racha dos militares da reserva"

Prezado Luís Nassif,

Infelizmente somos julgados pela imagem dominante; e essa imagem dominante ainda é a de que os militares deram o golpe militar em 64, derrubando um presidente constitucionalmente eleito, e implantando uma ditadura sangrenta.

Eu refuto essa imagem de plano: os militares, em seu conjunto, não fizeram isso. Uma pequena parcela dos militares fizeram isso. Parcela essa que foi doutrinada, influenciada e levada a agir fora da lei pelos militares norte-americanos, notadamente a partir do final da 2ª guerra. Isso é fato. Décadas de cursos, mimos e agrados em West Point, Valley Forge, Colorado Springs, Annapolis, dentre outras, nos levaram a essa situação. Reconhecê-lo não faz de mim um oficial comunista; reconhecer os fatos históricos e valorá-los pelo real valor, e não pelo valor de face, deve fazer parte de uma análise baseada na defesa racional da soberania brasileira.

Não levanto bandeiras e nem lidero movimento algum dentro da Força. Falo por mim. E o que falo e afirmo é as Forças Armadas brasileiras perdem um tempo enorme discutindo a Lei de Anistia. Embora eu seja, desde o ingresso na Força, um crítico severo do envolvimento das FFAA no movimento de 64, não vejo como anular a Lei de Anistia sem conflagrar o país, opondo novamente militares a civis. Sou curto e grosso: a meu ver, a Presidente, Comandante-em-Chefe das Forças Armadas, deve mandar o ministro da Defesa punir os signatários daquele manifesto bisonho. E ponto final.

Preocupa-me, isso sim, a situação de descaso, penúria e falta de capacidade operativa da Força Armada brasileira, em seu conjunto. Preocupa-me, mais ainda, o verdadeiro cerco que os norte-americanos implantaram ao território brasileiro; um verdadeiro cinturão de bases (fixas e móveis) a nos asfixiar, desde Mariscal Estigarríbia, no Paraguai, até a Amazônia. Isso sim é preocupante. 

Portanto, prezado Nassif, devemos atuar em conjunto, militares e civis, no sentido de recompor minimamente a capacidade dissuasória das Forças Armadas brasileiras. Tanta riqueza exposta (petróleo, água, minérios variados, alguns quase que exclusivamente brasileiros, áreas imensas de terras férteis e intensamente produtivas) e indefesa pode acabar atiçando a cobiça de bucaneiros de todos os matizes. Sinto que é meu dever como brasileiro, e como militar, reiterar esse alerta à nação.

Um abraço cordial

Mascarenhas Maia

Oficial de Infantaria

Média: 5 (1 voto)
1 comentário

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de hideraldo
hideraldo

TEMOS DE EXTINGUIR O TERMO

TEMOS DE EXTINGUIR O TERMO  "DITADURA"

POR QUE? ORA VAMOS REFAZER A HISTORIA NOVAMENTE... PENSEM BEM:

 ESTAMOS EM 1964 E OS SIMPATIZANTES DO COMUNISMO CONSEGUEM IMPLANTAR O REGME NO BRASIL,

ENTÃO TRES COISA S IRIAM ACONTECER QUASE NO MESMO MOMENTO:

UMA: OS ESTADOS UNIDOS DA AMERICA IRIAM FAZER UM VERDADEIRO BLOQUEIO CONTINENTAL  AO REDOR DO NOSSO PAIS

DUAS: CASO NÃO FICASSEM SATISFEITOS IRIAM PURA E SIMPLISMENTE INVADIR COMO FIZERAM NO IRAQUE

TRES: AINDA POR CIMA, TERIAMOS UMA FARB (força armada revolucionaria brasileira) QUE ESTARIA ATIVA ATE HOJE...

 

NÃO TERIAMOS LAMENTANDO A PERDA DE DUZENTAS E POUCAS PESSOAS MORTAS E OUTRAS DUZENTAS "DESAPARECIDAS POLITICAS"

TERIAMOS TIDO SIM , MAIS DE DUZENTOS MIL MORTOS NESSA BRINCADEIRA...

 

 

 

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.
+38 comentários

Esse "major" deve ter feito seu CFO em Pequim e o CAO em Cuba, para conhecer tão pouco a historia recente do Brasil. Data Venha!!!

 

Esse cara não foi cassado pela ditadura ? A época do golpe, todos os oficiais que não rezavam pela cartilha foram postos para a reserva ou coisa assim.

 

Caríssimo Major Mascarenhas Maia, irás ouvir o elogio mais improvável - vindo de quem jamais imaginou: o filho de um dissidente político perseguido, preso e torturado pelo Regime Militar de 1964. O meu elogio.

Tu és digno da farda que envergastes, verdadeiramente! Parabéns!

Pois não é que vejo em ti um militar autêntico, digno da estirpe do saudoso General Henrique Batista Duffles Teixeira Lott? Patriota, legalista, fiel, altivo e esclarecido - muito distinto do oficialato "vendilhão" e comezinho da época do regime, de visão mesquinha e fidelidade somente a interesses espúrios estrangeiros que, antes de servir ao País, apenas serviram de ponte para a interferência externa ilegal e predatória em nossa soberania e riquezas nacionais (sendo muito bem recompensados por isso, diga-se).

Obs.: "...Os que divergiram eram muito pouco expressivos. O movimento de 64 contou com o apoio da esmagadora maioria do corpo de oficiais das tres armas...". André Araújo, este é o tipo de comentário elitista e preconceituoso que eu sempre espero de ti. Quer dizer que o expressivo apoio da enorme maioria da soldadesca e dos suboficiais - MAIORIA NUMÉRICA ABSOLUTA NAS FORÇAS ARMADAS - é menos importante do que uma parcela (só parte, ainda que em maior número) do corpo de oficiais e chefes da Forças Armadas que apoiaram o Golpe de Estado em 1964 - golpistas na acepção do termo, pois como oficiais militares graduados eles romperam com seu juramento SOLENE de respeito às autoridades civis que os subordinavam e rasgaram a Carta Constitucional que deveriam proteger.

Porque a leitura histórica enviesada do golpe é de que o generalato reagiu em 64 a uma clara quebra na cadeia de comando por cabos e sargentos - ou seja, a soldadesca e o sub-oficialato é que teriam rompido PRIMEIRO com um juramento de obediência à doutrina militar (que optaram por abraçar). Nada mais errôneo: eles apenas ESTAVAM LEMBRANDO a seus oficiais que estes igualmente possuíam um juramento a honrar (o de servir à Pátria e defender a Nação) - e demonstravam disposição franca a quebrá-lo, naquele momento.

P.S. - Para quem não se recorda do General Lott: ELE SOZINHO barrou um movimento de golpe e garantiu a posse de Juscelino Kubitschek em 1956, conhecido com Movimento 11 de Novembro - depois iria ainda ter participação fundamental na transmissão da faixa presidencial ao vice de Jânio Quadros, João Goulart, em 1961, ao aconselhar o comandante do III Exército em Santa Maria-RS, General Peri Constant Bevilacqua, a apoiar a Campanha da Legalidade com uma mobilização de suas forças (que "subiram" mobilizadas até São Paulo com o então governador do RS, Leonel Brizola). Tal ação garantiu a posse constitucional e legítima do vice. Por tal conselho contrário à expressa determinação do Marechal da Guerra de então, Marechal Odílio Denis, posteriormente ele recebeu voz de prisão e ficou 12 dias encarcerado, sendo três dias na inóspita Fortaleza da Laje.

Após o putsch militar, por sua postura declarada de dissidência teve seus direitos políticos cassados (já havia sido candidato anteriormente à presidência contra Jãnio Quadros). Quando faleceu em 1984, seu enterro aconteceu sem honras militares, fato que não tem precedente ou explicação na história ou na Doutrina Militar brasileira. O então Ministério do Exército tentou minimizar e justificar o fato, mas a imprensa da época divulgou a ausência das honras militares no enterro de Lott.

Teu caminho justo e perfeito é árduo e de nenhuma recompensa material ou reconhecimento póstumo, Major Mascarenhas - mas desde já te adianto: está em excelente companhia. TFA.

 

  o povo sabe a diferença , quem coloca tudo tudo num só balaio e o pig , a imprensa golpista que nem brasileira é , que bom seria um exercito forte , mas para isso o correto seria todos os militares de hoje manifestarem-se para fazer aparecer o resquicio desta minoria , e dar uma resposta para amesma oposição civil golpista da época e para o judiciário este sim precisando de uma intervenção , pois é dominado pelos mesmos inimigos externos. ENTÃO MAJOR , POR QUE OS MILITARES NÃO SE MANIFESTAM. CALANDO A OPOSIÇÃO GOLPISTA ?

 

A manifestação do oficial é oportuna para que se diga que a Ditadura Militar foi implantada por uma facção golpista das forças armadas instigada pela direita ( civil e militar) . A questão é que os militares ja deveriam a muito tempo terem se apartado desse entulho que compromete nossas forças armadas com a reação politica e limita a sua atuação na defesa nacional. Enquanto os golpistas Generais de Pijama e Jornalistas e Politicos ainda na militância, entre outros, continuarem a dar a tônica, ficara essa mancha na imagem dos militares preocupados com a defesa do Pais.

 

Nassif,

segue texto do Santayana

 

Publicado em 13/06/2012

Santayana: EUA e
Espanha. Olho neles !

O Conversa Afiada reproduz artigo de Mauro Santayana: O Brasil diante de dois inimigos.

O Conversa Afiada reproduz artigo de Mauro Santayana, do JB online:

Leia tambémJobim, o traíra: ele quer uma base americana no Rio (217)Santayana e Garzón: Justiça só fala grosso com débil (40)Santayana: quis Gilmar evitar um incêndio ? (42)Santayana: Linguagem e soberania (148)Santayana, a Anistia e Tancredo (47)O Brasil diante de dois inimigos
por Mauro Santayana

Em discurso recente no Senado, Pedro Simon advertiu contra o perigo de que o crime organizado se aposse das instituições do Estado. Até o caso Cachoeira, disse o parlamentar gaúcho, havia sido comprovada a corrupção de setores da burocracia dos governos, mas não a da estrutura do Estado.

O governador Marconi Perillo se esquivou, com habilidade, das questões mais graves, em seu depoimento na CPMI. Registre-se que ele se encontrava mais do que tranqüilo, mesmo respondendo às indagações precisas do relator, até que chegou a vez do deputado Miro Teixeira. O experiente homem público, mesmo tendo como ponto de partida o caso menor, que é o da venda da casa de Perillo, deixou, na argúcia de suas perguntas, graves suspeitas.

Como pôde o governador receber o dinheiro de uma empresa e passar a escritura a um particular? Também ficou claro a quem ouviu o governador ser difícil que ele ignorasse as atividades ilícitas do apontado contraventor; ele conhecia, com intimidade, a sua vida empresarial, social e familiar.

O caso Cachoeira – e a advertência de Pedro Simon é importante – mostra como a nação está acossada por um inimigo interno insidioso, que é o crime organizado. Os recursos públicos são desviados para alimentar um estado clandestino, que está deixando de ser paralelo, para constituir o núcleo do poder, em alguns municípios, em muitos estados e na própria União. Essa erosão interna da nacionalidade brasileira, que se assemelha a uma gangrena,  coincide com o cerco internacional contra o nosso país.

Enquanto parte da opinião nacional acompanha, indignada, as revelações do esquema Cachoeira,  articula-se  eixo internacional entre os Estados Unidos, a Espanha e todos os países da Costa do Pacífico, com a exceção do Equador e da Nicarágua, contra o nosso povo, mediante a Aliança do Pacífico. Não há qualquer dissimulação.

Como informa a publicação Tal Cual, da oposição venezuelana, o foro funciona ativamente e já celebrou seis reuniões de alto nível. “Os quatro países signatários  da nova Aliança do Pacífico – revela a publicação – têm, todos eles, governos de centro ou centro-direita, crêem no capitalismo, são amigos dos Estados Unidos, e favorecem os tratados de livre comércio e o princípio do livre-comércio em geral. Une-os  sobretudo um temor comum e impulso defensivo frente à ascendente potência hegemônica ou neo-imperial que é o Brasil”. E termina: “sentimo-nos satisfeitos e aliviados pelo surgimento do muro de contenção à expansão brasileira, que é a Aliança do Pacífico”.

Assim, os Estados Unidos cuidam de retomar a sua influência e presença militar na América Latina. Nesse sentido, procuram valer-se da Aliança do Pacífico para estabelecer bases militares cercando o Brasil, da Colômbia ao sul do Chile. Leon Paneta, o Secretário de Defesa dos Estados Unidos, acaba de acertar com o presidente do Chile, Sebastián Piñera, o estabelecimento de uma base norte-americana em Fuerte Aguayo, nas proximidades de Valparaíso. Entre outras missões dos militares americanos está a de treinar os carabineiros chilenos, a fim de coibir manifestações populares. Há, ao mesmo tempo, uma orquestração da imprensa e dos meios políticos e empresariais, a fim de reabilitar a figura do ditador Pinochet.

Os Estados Unidos, que mantêm uma base no Chaco paraguaio, quiseram também ocupar o aeroporto de Resistência, na província argentina do Chaco, e o governador Capitanich assentiu, mas o governo de Cristina Kirchner vetou o acordo.

A participação da Espanha nesse novo cerco ao Brasil é evidente. Em Madri, os embaixadores dos quatro paises maiores envolvidos (México, Colômbia, Peru e Chile) se reuniram, para defender a nova aliança, e coube ao embaixador do Chile, Sergio Romero, ser bem explícito. Ao afirmar que o bloco não nasce contra o Brasil, nem contra o Mercosul,  aclara, no entanto, que o grupo recebe de braços abertos os investimentos europeus, especialmente da Espanha e dos Estados Unidos – que poderiam formalmente participar da Aliança.

Limpemos os nossos olhos, vejamos os perigos que ameaçam diretamente a nossa sobrevivência como nação independente, nas vésperas do segundo centenário do Grito do Ipiranga. Não temos que ficar abrindo mais divisões internas, e devemos nos unir para enfrentar, ao mesmo tempo, o inimigo interno, que é o crime organizado e suas teias nas instituições do Estado, e os inimigos externos.

Esses, sempre que estivemos avançando no desenvolvimento social e econômico,  procuraram quebrar as nossas pernas, contando com traidores brasileiros. Não é preciso recuar muito no passado. Basta lembrar o cerco contra Vargas, em 1954, a tentativa de golpe de 1955, repetida em 1961 e, por fim, o golpe de 1964, com as conseqüências conhecidas. Registre-se que, apesar da vinculação com os Estados Unidos, durante o governo Castelo Branco, e a famosa doutrina das “fronteiras ideológicas”, vigente durante o governo Médici, a partir de Geisel os militares brasileiros não mantiveram a mesma subserviência diante de Washington.

Enfim, espera-se que o Itamaraty mantenha o governo da Sra. Dilma Roussef a par dessas manobras anti-brasileiras, comandadas a partir de Madri e de Washington, e que a CPMI vá até o fundo, nas investigações em curso. Elas não devem parar nas imediações de Anápolis, mas chegar a todo o Brasil, conforme os indícios surjam. É bom conhecer a verdade do passado, mediante a Comissão formada para isso. E se faz também necessário conhecer a verdade do presente, e impedir que o crime tome conta das instituições nacionais, como está ocorrendo no México de Calderón.

E não nos devemos esquecer que o sistema financeiro mundial é também uma forma – superior e mais poderosa – de crime organizado. E muito bem organizado.

 

Sempre existiu diferenças entre as posições políticas dos oficiais das forças armadas. O golpe foi dado por um certo grupo. Outros divergiram. 

 

Os que divergiram eram muito pouco expressivos. Os movimento de 64 contou com o apoio da esmagadora maioria do corpo de oficiais das tres armas. A prova a aceitação do movimento em todo o Pais, por todos os Comandos, ao nivel de Comandos de área, de divisões, de bases aereas, de naves da marinha, não houve dissenso ou resistencia.

Essas fatos são da Historia, registrados e arquivados.. Se houvesse dissenso haveria racha, como houve em 61, no episodio da renuncia de Janio.

O que uniu as Forças Armadas foi a Presidencia da Republica insuflar praças e sargentos contra seus oficiais, no Exercito e na Marinha, um ato que não é tolerado por nenhuma organização militar no planeta, em qualquer tipo de ideologia ou regime.

 

 

E o caso do pré-sal?

O que dizem?

 

Há um Exercito Brasileiro, que certamente não é aquele que foi dominado por agentes que chegaram a adotar a suprema arma da covardia, a tortura.

paraqbens Major.

 

Quem não desconfia de si próprio não merece a confiança dos outros (ditado árabe)

Selva Brasil, Major!

 

Selva, guerreiro!

 

Iggy, achei lindo seu comentário: ainda há militares em Berlim! Concordo plenamente que o major Mascarenhas Maia é o nosso homem de Berlim! Eu sou leiga em assuntos militares, mas conheço bem a postura entreguista de alguns brasileiros (tucanos, principalmente); o que o Major nos diz, sobre o cerco de bases americanas, é de uma gravidade atroz!! Espero que os assessores da presidente Dilma que lêem esse blog, (e há muitos que lêem), imprimam essa mensagem do major e a repassem urgente à Presidência da República! Parabéns, major, por sua postura corajosa, patriótica e nacionalista! O Brasil necessita de mais militares como o senhor!5ZXXR

 

Prezados(as) Senhores(as)

Sobre esse assunto devemos analisá-lo olhando pelo retrovisor. Isso porque, na época o mundo era bipolar. Havia a guerra fria. Houve uma apoio enorme para que o militares assumissem o poder. Isso, claro, pelo "medo", principalmente da classe média. Acho que devemos deixar para os historiadores. Entretando, faz-se necessário destacar que, quando houve a divisão do Partidão, divisão essa que levou alguns para a "luta armada" e outros para a luta política. Acho de uma desonestidade intelectual incrível quando vejo e ouço o pessoal que optou pela luta armada dizer que queriam a redemocratização do Brasil. Claro que isso, hoje, é um discurso que rende muitos votos, mas não é verdade. Eles queriam substituir uma ditadura por outra. Só isso. Será a primeira vezes que os derrotados contam a estória. Quem ganhou a luta contra a ditadura foram os que optaram pela ação política.

 

Nossos militares, mesmo os mais próximos do que se pode chamar de democrata, não abdicam do papel de tutores do Brasil!

Pois bem, se necessário é, para a maioridade política do país ou para sua definitiva destruição, que afinal nos entreguemos à conflagração fratricida, que seja, então. Porque, caro major, se a paz queremos com fervor, se a guerra só nos causa dor, devemos lutar para que não sejamos vítimas dessa guerra surda e sem quartel em que se transformou, desde o primeiro índio escravizado, a batalha pela repartição das imensas riquezas deste país, e na qual nossos oficiais têm primado por estar do lado dos mais ricos, agindo sempre como seu último bastião, e deixando aos resistentes o torpe papel dos heróis de Massadas.

Sou dos que que temem a reação dos quartéis, quando seus piores quadros vierem a ser julgados pelos seus crimes e monstruosidades. Sou dos que temem essa doença de nossos oficiais, essa mania de se considerarem nossos tutores, com o poder e o dever de nos punir quando fazemos o que lhes pareça errado. Mas não acho que um país deva se alimentar do medo e da escuridão. O que o senhor pensa, caro major: um infante deve permanecer paralizado pelo medo ou lutar, mesmo acoçado pelo fogo do inimigo?

Levaremos os criminosos aos tribunais, mais cedo ou mais tarde, caro major. Cabe aos oficiais com consciência democrática e exata noção de a quem servem (ao Povo do Brasil ou aos seus confrades?) garantir que, ainda que ajam inquetações e discordâncias, os militares se mantenham dentro de seus deveres constitucionais, e jamais quebrem a ordem democrática. Aos acusados, resta se defenderem nos tribunais, e, se puderem, provar sua inocência.

 

 

Também importante

 

Bravo! Muitas verdades que  precisavam de exposição. Fazemos  um desserviço à história ao acreditar nos reacionários e  ideólogos do autoritarismo que fingiam (e fingem) que suas ações gozavam de amplo apoio.

 

O nome que se dá pra isso é corporativismo e contra isso só mesmo uma batalha sangrenta entre compatriotas. O único lugar onde não se vê corporativismo é no meio do povo.

 

Hélio Jorge Cordeiro

 Boa a participação do major, com seu ponto de vista e experiência. No entanto, também discordo de que seria melhor para as Forças Armadas e o Brasil a não instalação da Comissão da Verdade. Ao contrario, creio ser essa a unica forma de no futuro, as Forças Armadas livrarem-se das acusações que permanecem atuais, dado a falta de apuração e condenação.

 

Prezado Maj. Mascarenhas Maia

Quando o senhor diz:

"Uma pequena parcela dos militares fizeram isso. Parcela essa que foi doutrinada, influenciada e levada a agir fora da lei pelos militares norte-americanos, notadamente a partir do final da 2ª guerra. Isso é fato. Décadas de cursos, mimos e agrados em West Point, Valley Forge, Colorado Springs, Annapolis, dentre outras, nos levaram a essa situação"

traz-me à memória a história de Adão e Eva contada pela Bíblia.

Seriam os militares golpistas pobres Adãos seduzidos pelas maçãs das Evas norte americanas?

Mesmo o senhor separando o joio do trigo, deixa a porta aberta para retirar dos militares traidores do Brasil suas responsabilidades no que tanje à decisão deles - consciente - de apoiar o governo "democrático norte-americano" de então.

 

Corriga Aliados US para OTAN , no meu comentário anterior (A França não faz parte da OTAN) :

Notícias Militares: Exército brasileiro adquire 240 tanques Leopard ...noticiasmilitares.blogspot.com/.../exrcito-brasileiro-adquire-240-tanq...

15 nov. 2006 – Exército brasileiro adquire 240 tanques Leopard 1A5. O recente anuncio da aquisição por parte do exército brasileiro de 240 carros de ...

 

Mascarenhas Maia

Meu caro Oficial Infante do EB .Em primeiro lugar  todo Exército é o reflexo direto das Virtudes (quando as possuem!) de um Povo , OU DOS SEUS DEFEITOS !.E o inferno está cheio de Patriotas bem-intencionados .Um conselho : deixe o julgamento do MOVIMENTO REVOLUCIONÁRIO DE DIREITA de 64  para a História (Cuba foi um movimento revolucionário de ESQUERDA!) .Estes eventos pertencem ao período da Guerra Fria .E devem ser  analisados neste contexto .Vivemos novos tempos .E aí  aberturas de arquivos  de regimes políticos autocráticos , fazem-se mandatórias  .AÇÕES POLÍTICAS   TANTO DA DIREITA  COMO DA ESQUERDA deveriam ser simplesmente colocadas a luz da opinião pública para ulteriores julgamentos e reflexões . (lembre-se da Alemanha Oriental DE ESQUERDA COMUNISTA -TRABALHISTA SINDICALISTA , abrinda as pastas secretas do Stasi) .

E lembre-se com vivacidade e como um soldado subordinado ao seu exército  ; O futuro é imprevisível e a História nos mostra que o último bastião organizado e profundamente  revestido  de legalidade política , depois que tudo  se fragmenta , ainda é o Exército de um Povo !(veja os vídeos em anexo) .

E os Americanos , apesar de Predatórios , são os aliados menos diabólicos na História Militar do Brasil (lembre-se da mentalidade Francesa Imperial Brasileira no início da segunda guerra mundial : quase matou todos os Praçinhas -A grande maioria salva pelo General Vernon Walters-US army quinto exército  e o seu competente auxiliar -Cel Castelo Branco -EB.Isto é História !.Veja os vídeos em anexo .

 

revolução é quando a população toma o poder, enfrentando inclusive o exército. quando o exército o faz é golpe. 

 

São militares com a visão lúcida de Mascarenhas Maia que me faz sentir orgulho das nossas FFAA.

 

Leonidas, cadê você! Reaja, homem!

 

Não dá pra entender o Brasil manter relações comerciais com países vizinhos que aceitam bases militares de países terceiros em seus territórios. O Paraguai deveria ponderar com quem tem mais a ganhar, como parceiro do Brasil ou pendejo de outro qualquer, mesmo os EUA. E o Brasil, caso o Paraguai ou outros vizinhos aceitem bases militares americanas (ou chinesas, russas ou francesas ou o diabo) em seus territórios, deveria rever seriamente sua proximidade com os mesmos. Sou totalmente a favor de uma integração cada vez maior do continente, e apoio todas as medidas de aproximação especialmente com os vizinhos diretos, mas líder não é aquele que só lambe lambe lambe, tem que dar o tapão na mesa quando chega a hora, e isso o Brasil não faz nunca. Os EUA tem tanto a nos ensinar (Cuba aceitou 2 ou 3 misseizinhos da Rússia por um par de semanas e está sendo apagada da história por isso) e não dá pra acreditar que só aprendemos o que não presta.

 

Só um pais vizinho do Brasil tem base militar dos EUA, a Colombia, por força de um Tratado de Cooperação Militar celebrado e aprovado pelos dois Congressos. Ninguem tem nada com isso, os dois paises são soberanos e podem fazer o trtado que bem entenderem.

 

Perfeito!

Lucidez  e fatos REALMENTE preocupantes!

Não estamos agindo como uma unidade!

Temos que agir em conjunto por que os interesses sobre nós são grandes!

 

"O que fazemos na vida, ecoa na ETERNIDADE!" (Máximus - Gladiador)

"Os dois mais importantes dias em sua vida são o dia em que você nasceu e o dia em que você descobrir o porquê... - M

Enfim, ainda há militares em Berlim!

 

Importante texto. Discordo quanto a questão da lei da auto-anistia. Vários e vários países fizeram Comissões da Verdade e não houve conflagração alguma entre civis e militares. A Comissão é importantíssima para reparar as injustiças cometidas pelos golpistas, assassinos, torturadores, estupradores, ocultadores de cadáveres, sequestradores e terroristas de estado contra o povo brasileiro e, inclusive, contra centenas de militares que eram contrários aos ditames dos ditadores teleguiados por Washington.

 

Quanto à defesa nacional, o Brasil tem de abrir os olhos e reforçar seu poder dissuasório. Os EUA trabalham frenéticamente para estabelecer a Aliança do Pacífico, com o intento de isolar o Brasil e continuar a empreender a Doutrina Monroe. O exemplo mais recente do frenético trabalho dos EUA para impedir a união sulamericana e reforçar a Aliança do Pacífico é a questão da absurda demora da Venezuela no Mercosul. A Venezuela fez o pedido de entrada em 2005, Argentina, Uruguai e Brasil já aprovaram a incorporação plena da Venezuela. A Câmara dos Deputados do Paraguai também já aprovou, restando apenas a ratificação do Senado do Paraguai para a incorporação plena. O Senado paraguaio é dominado pela oposição pró-EUA e o presidente Fernando Lugo já teve que retirar o pedido de ratificação várias vezes da pauta do Senado porque a casa, a mando dos EUA, já deixou claro que não aprovará tal pleito. A diplomacia brasileira tem que atuar urgentemente nesse caso. É uma grave ameaça à soberania brasileira o fato de a Venezuela ainda não ser membro pleno do Mercosul sendo que o pedido de ingresso foi feito há mais de 07 anos. Os EUA é que estão bloqueando o reforço do Mercosul através de seus títeres no senado paraguaio...

 

Diogo Costa

 Análise perfeita e corajosa........Parabens   Major Mascarenhas Maia...

 

Estes, como o Major Maia, parecem poucos.


Mas logo, logo serão muitos. A conferir.

 

Não vi racha algum. Racha onde? Porque?

 

Ha, finalmente um texto de bom senso falando de defesa nacional e forças armadas!

Muito obrigado, major.

 

De fato, um ótimo desabacho, cheio de boas intenções, mas que, para um oficial que, hoje, Major (não sei o que era em 1964 - até, os tenentes da época já cairam na compulsória), deveria ter dito o que faria no lugar de CASTELO BRANCO com os sargentos, cabos e marinheiros amotinados, já que estes contavam com o total apoio do, de fato, presidente Leonel Brizola (Jango já não comandava, e por isso os militares interviram - o Major não conhece esta parte, com certeza) e de um Ministro da Guerra omisso.


Ele diz que era contra o envolvimento das FFAA, mas, esqueceu-se deste fato, que foi, de fato, o que causou o movimento militar e, infelizmente, a covarde revolução, a partir de Médici.


Por outro lado, quando reclama do atual desaparelhamento do Exército, esquece que o motivo disso é, exatamente não existirem mais, militares como Castelo Branco. O Exército, pós LULA, talvez não tivesse condições psicológicas, sequer, para enfrentar uma rebelião do MST. E ele faz parte do atual quadro que não soube se impor civilizadamente e conseguir o que julga necessário para as Forças Armadas.

 

o que faria no lugar de CASTELO BRANCO com os sargentos, cabos e marinheiros amotinados

 

- Você esta dizendo que o líder dos militares era um civil e então que lideres tinham os militares?

 

e por isso os militares interviram - o Major não conhece esta parte, com certeza) e de um Ministro da Guerra omisso.

 

- caro foi um golpe militar, qual o que uma interversão, quem são os militares para intervir em qualquer processo democrático sem o seu comandante maior, o presidente eleito e sem legitimidade. Foi feito sim, um GOLPE MILITAR e com armas e tanques sem respaldou popular.

 

 e ele faz parte do atual quadro que não soube se impor civilizadamente

 

- desculpe-me mais acabou esta ERA de IMPOR civil ou militar e este Brasil nunca mais: DITADURA!


 

Ô bobão - ainda verei cair um Brizola na sua sopa !

 

 


O desmonte das Forças Armadas começou no governo FHC o próprio Sarney escreveu sobre isso na Folha.