Revista GGN

Assine

Professor da FAU-USP desfaz quatro mitos sobre a crise na Universidade

Sugerido por Gilberto .

A USP não é problema, é solução!

Por João Sette Whitaker, em Cidades para que(m)?

1. Resumindo os Fatos:

Entre 2010 e 2013, a USP parecia viver momentos de euforia. Além da presença já tradicional da universidade no topo da produção científica nacional, um Reitor escolhido a dedo pelo Governador José Serra (afinal, era o segundo colocado da lista tríplice), o Prof. João Grandino Rodas, punha em prática uma gestão que mesclava (propositalmente?) irresponsabilidade financeira, certo autoritarismo (na relação com o Conselho Universitário), e doses de populismo, gastava o que devia e o que não devia em obras de grande visibilidade, bolsas de todos os tipos, vistosas “embaixadas” da universidade em Cingapura, Londres e Boston, e alguns merecidos benefícios a docentes e funcionários, cujo patamar salarial sempre foi muito aquém do que deveria ser (conseguindo assim acalmar os ânimos grevistas em sua gestão).

Terminado seu mandato, o novo Reitor (que fazia parte da gestão anterior), depara-se com o óbvio: a gestão Rodas havia gasto muito além da conta, entrando sem parcimônia nas reservas financeiras da USP e colocando em risco (propositalmente?) sua tão sagrada autonomia face ao Governo do Estado. Nada mais previsível. Porém, a estrutura de poder da universidade é hoje tão viciada que o então reitor pôde fazer tudo isso, pasmem, dentro da legalidade, amparando-se na condescendência de seu Conselho Universitário.

Diante da grave crise, o atual Reitor voltou-se contra seu próprio lado. Esquecendo-se de que é ele mesmo professor (fazendo parte de reduzidíssima elite com salários bem graúdos), em vez de abrir as opacas contas da universidade para amplo conhecimento da sociedade e uma real apreensão do que havia sido feito, preferiu colocar a culpa na folha de pagamento e na massa salarial que compromete 105% do orçamento e “engessa” a universidade. Em suma, para o Reitor, são os professores e funcionários da USP que geram a crise, e não a sequência de gestões irresponsáveis.

Com isso, provoca dois movimentos que parecem bem planejados: por um lado, alimenta uma campanha perversa e simplista da grande mídia contra os “marajás” da USP, supostamente responsáveis pelo colapso financeiro, como sugere, por exemplo, artigo do jornalista Élio Gaspari atacando os “doutores da USP” (leia aqui). Por outro lado, abre espaço para um movimento de enfraquecimento da USP e da universidade pública, que passa a ser vista, também de maneira simplista e perversamente equivocada, como uma máquina anacrônica e deficitária que necessita de um “choque de privatização”. Vão nesse sentido as propostas diversas de privatização da USP, como as avançadas pelo próprio Reitor em artigos na mídia (sugerindo por exemplo a redução de docentes em dedicação exclusiva), ou o tragicômico artigo da Folha de SP sugerindo que os alunos da USP poderiam pagar “pequenas” mensalidades de quase 4 mil Reais!

Que não se enganem os incautos a quem essas campanhas se destinam. São argumentações grosseiras que escondem a realidade. Que Élio Gaspari não se preocupe: os “Doutores da USP” que ele ataca ganham certamente bem menos do que ele, renomado jornalista do mercado midiático, e são bem menos responsáveis pela crise do que parece, como veremos.

2. Desfazendo um primeiro mito: “a folha de pagamento que compromete 105% do orçamento da USP é a grande culpada pela crise”.

Comecemos, então, por essa questão: a folha de pagamento da USP compromete 105% do seu orçamento não porque os salários de seus docentes e funcionários sejam milionários, mas porque há anos a universidade vem sofrendo constante ampliação sem que, ao mesmo tempo, haja um aumento correspondente das verbas para seu sustento.

Para quem não sabe, as universidades estaduais paulistas vivem, desde 1989, do repasse de 9,57% da arrecadação do ICMS do Estado, verba destinada a seu custeio, o que implica, na maior parte, no pagamento dos salários. Além, é claro, de outras fontes de financiamento, estas porém destinadas à pesquisa, provindas dos governos estadual (Fapesp) e federal (Capes-Cnpq e Finep), assim como de agências internacionais ou mesmo de instituições privadas (por meio de convênios específicos). A alíquota do ICMS repassada às universidades, nos primeiros anos, sofreu reajustes, conforme as três universidades cresciam: de 8,4% do ICMS em 1989, passou para 9,57% em 1995.

Porém, desde então, congelou-se. Em quase 20 anos, não houve mais reajuste, enquanto que a universidade não parou de crescer. O orçamento da USP ficou dependente de um repasse variável conforme aumenta – ou diminui – a arrecadação anual do ICMS, para suprir um gasto fixo com tendência a aumentar, o da folha de pagamento. Uma conta que não fecha, e que há anos, e muito antes da gestão Rodas, já compromete em mais de 90% a verba de custeio da universidade.

O Reitor insiste em ver nesse fato e no aumento de empregados as causas da crise que tem que enfrentar: alegando, em carta enviada aos docentes, o “insustentável comprometimento com gastos de pessoal”, e apontando a contratação de cerca de 2.400 funcionários e 400 docentes entre 2010 e 2013 como causa do aumento incontrolável desses gastos, a atual gestão decidiu congelar qualquer reajuste salarial, negando até a reposição das perdas com a inflação. Por isso, e compreensivelmente, docentes e funcionários da USP, e os alunos em seu apoio, estão em greve.

Acima da questão salarial em si, que poderia ser negociada, está a atitude de calar sobre as verdadeiras causas do aperto financeiro: os gastos escandalosos da última gestão, que comprometeram o tênue equilíbrio de um orçamento já em seu limite há décadas. Nada também sobre o uso das reservas da USP (que levaria um poder executivo submetido à Lei da responsabilidade Fiscal - o que a USP não é - à condenação certa por improbidade administrativa). Nada disso, a culpa é da folha de pagamento, “dos doutores da USP”, que o Elio Gaspari mostra empenho em desqualificar. Diz nosso Reitor: “afirmar que a crise financeira da USP é resultado de sua expansão ou de repasses incorretos feitos pelo Governo não nos ajuda a superá-la”.

Pois bem, valeria a pena então que nosso Reitor analisasse com mais acuidade o anuário estatístico que sua universidade produz, ano a ano. Lá veria que sim, o crescimento da USP desde 1995, quando foi congelada a alíquota, foi significativo, e que o problema, nem de longe, está nos 2800 funcionários e docentes recentemente admitidos. A USP nesse período não só criou cursos como incorporou ou fundou novos campi, como os de Lorena, de Santos ou da USP Leste, ampliou seus museus, cresceu em todas as dimensões possíveis. E isto, vale dizer, não pelo acaso, mas como fruto de uma política oficial (e louvável) de expansão por parte do Governo do Estado. Só faltou, é claro, destinar as verbas para sustentar tal crescimento.

Para facilitar o trabalho, mostro a seguir alguns desses números: entre 1995, ano do último reajuste da alíquota, e 2012, a USP passou de 132 cursos oferecidos a 249, ou um aumento de 88,6%. Na Graduação, as vagas oferecidas no vestibular, que eram 6.902 em 1995, passaram para 10.602 em 2012, um aumento de 53,6%. Os alunos matriculados aumentaram em 77,6% no período, passando de 32.834 para 58.303.

Na pós-graduação, área em que a USP se destaca, sendo responsável por 25% da pesquisa no país, os cursos tiveram um aumento de 34,6%, passando de 476 em 1995, para 641 em 2012. O que levou a um aumento do número de alunos matriculados de 102,3% no período.

Tudo isso com a mesma alíquota. A USP só não quebrou porque no rico estado de São Paulo, o ICMS desde então felizmente sempre cresceu.

Por incrível que pareça, o número de empregados docentes e administrativos, alegadamente o grande culpado pela crise, também aumentou, é verdade, mas em proporções MUITO MENORES do que o crescimento da universidade mostrado acima. O número de docentes da USP, entre 1995 e 2012, passou de 5.056 para 5.860, ou um aumento de.....apenas 15,9%! O número de funcionários não docentes, que era de 15.105 em 1995, passou para 16.839, um aumento ainda menor, de 11,5%. E para aqueles que acham que a USP vem “inchando-se” de funcionários em relação ao número de docentes, os dados mostram que, pelo contrário, o corpo funcional enxugou-se nesse período, mesmo que discretamente, a relação professor-funcionário tendo diminuído de 1 / 2,98 para 1 / 2,87.

Ou seja, que me desculpem o Reitor, a mídia e quem mais acreditar no argumento do inchaço da folha salarial, o que ocorreu na verdade é que a USP ampliou em 88% seus cursos e em 77% seu número de alunos mesmo tendo um aumento de docentes e funcionários de apenas 15% e 11%, respectivamente. A verdade é que, isto sim, nos últimos 17 anos, os empregados da USP aumentaram significativamente sua carga de trabalho e sua eficiência!

E dai, evidentemente, a conta não fecha. Aumentar cursos em quase 90% significa aumentar drasticamente os gastos de custeio, e também de pessoal, por mais que se aceite trabalhar mais ganhando pouco. A criação de 282 novos cursos de graduação e pós em 17 anos implica em ter novos professores e novos funcionários, mesmo que isso tenha sido feito em proporções muito menores. Se uma família cresce, não há saída: deve-se aumentar o orçamento familiar, para sustentá-la. É um cálculo simples, que qualquer estudante do ensino fundamental já saberia fazer: não é possível aumentar-se expressivamente o volume de gastos sem buscar mais fundos para custeá-los.

Pois bem, o orçamento das universidades paulistas continua fixado no repasse dos mesmos 9,57% da arrecadação do ICMS, desde 1995. E ai está certamente o maior erro do Sr. Reitor, e o motivo da enorme incompreensão da comunidade que ele deveria representar. Ao invés de voltar-se contra seus pares, deveria enfrentar o Governador do Estado e a Assembleia Legislativa para defender a urgente necessidade de ampliar a verba orçamentária da USP.


3. Desfazendo um segundo mito: “os professores da USP, Unicamp e Unesp são marajás e ganham demais”.

Vale então agora uma resposta mais precisa ao Sr. Gaspari. Não, estimado jornalista, os “Doutores da USP” não são marajás. São sim responsáveis por fantástico aumento do alcance da universidade pública paulista, que cresceu muito acima da proporção em que eles mesmos cresceram. Além de sustentarem o crescimento de 77,5% do número de alunos matriculados, promoveram um salto de 127,5% no número de dissertações e teses defendidas desde 1995. E, para isso, ganham, na verdade, muito pouco. Menos, aliás, que seus colegas das universidades federais.

Em um país com discrepâncias salariais escandalosas, em que o salário médio não passa dos R$ 2 mil e onde 43% das famílias têm renda mensal domiciliar menor que um salário mínimo (IBGE), falar desses valores é sempre um tabu, pois parece até perverso. Esse é o argumento comumente usado para desqualificar as reivindicações de professores, como se a discussão fosse a de nivelar por baixo e não a de necessária mudança desse quadro escandaloso, com um aumento efetivo da remuneração salarial geral, o que aliás vem sendo feito pelo governo federal nos últimos anos, com um aumento consistente e regular do salário mínimo.

Assim, talvez por conhecer muito bem dura realidade salarial brasileira, a classe docente das universidades paulistas de fato reclama muito pouco e trabalha com bastante abnegação, considerando a importância, as exigências e a quantidade do trabalho realizado. Aliás, quando o novo Reitor tomou posse, os professores da USP mostraram-se até abertos a abrir mão de reajustes face ao rombo que, sabia-se, havia sido feito na gestão passada. Aceitaram cortes de verbas de pesquisa, de bolsas, desde o início do ano. Porém, o que os mobiliza hoje, certamente, é a postura de jogar a culpa da irresponsabilidade de gestão sobre seus salários, apenas isso. Pior ainda, é ver ser construído na grande mídia um discurso de que são marajás privilegiados que “afundam” a universidade. Vejamos então os números mais de perto.

Embora seja uma carreira que exija como ponto de partida anos de estudos, e o nível de Doutorado, e seja considerada o ápice da trajetória acadêmica tendo em vista a reputação e a excelência internacional da universidade, um professor em início de carreira na USP em regime integral e dedicação exclusiva (não pode ter outras remunerações) ganha hoje, líquidos, cerca de R$ 6,5 mil, e um livre-docente com quinze anos de casa ganha menos de dez mil. Muito menos, certamente, do que os jornalistas que se levantam contra os “doutores da USP”. Enfim, os salários "faraônicos" alardeados pela mídia, e que beneficiam apenas um pequeno punhado de professores – inclusive o Reitor –, todos com mais de trinta anos de carreira e acumulando chefias e direções, são da ordem de R$ 22 mil.

Um número significativo de carreiras no funcionalismo público estadual, por exemplo na área jurídica, cujos concursos são disputadíssimos, partem de salários iniciais equivalentes aos desses poucos marajás da USP e três vezes maiores do que os "doutores". Por exemplo, concurso de 2011 para vagas de promotor substituto no Ministério Público do Estado oferecia salário de R$ 20 mil (clique aqui). Os colegas Daniel Borges e Ana Gabriela Braga, professores de Direito da UNESP, explicitaram essa defasagem em artigo recente na Folha de S. Paulo (clique aqui). Muitos alunos recém-formados, após um par de anos de profissão, já recebem salários muito mais altos que o dos professores que os formaram.

Qualquer professor das universidades públicas estaduais que quisesse atuar no mercado, com seu currículo e conhecimentos específicos na sua área, receberia sem dúvida remuneração duas ou três vezes mais alta do que seu salário na universidade. Ainda assim, em geral esses professores optam por ficar na universidade. Dinheiro é importante, mas não é o objetivo central: a profissão de professor e pesquisador é, antes de tudo, uma opção de vida e dedicação ao ensino e à produção do conhecimento.

“Professor, além de dar aula, o Sr. também trabalha?”. Essa frequente pergunta feita aos docentes da USP mostra o quanto a profissão e seu papel são mal compreendidos. Um professor das universidades públicas paulistas tem uma carga de trabalho fenomenal, o que amplia ainda mais a injustiça da sua remuneração: além de dar aulas em sala de classe, deve realizar pesquisas, produzir livros, capítulos de livros e artigos acadêmicos, buscando incessantemente meios de financiamento para essas pesquisas e revistas para suas publicações, elaborando e apresentando projetos, candidatando-se a seminários e conferências, e assim por diante. Um único professor deve também orientar dezenas de estudantes em seus trabalhos de graduação, iniciações científicas, mestrados e doutorados, um trabalho árduo e individualizado, além de participar regularmente de bancas finais e de qualificação (de graduação, mestrado e doutorado), o que o leva a ter uma carga de leitura semanal - extra horário de trabalho - bastante significativa. Além de tudo isso, não são poucos os professores que se dedicam também a atividades de extensão, em que o conhecimento que produzem se confronta e contribui em situações reais de partilha com a sociedade. O fato é que, em resumo, um professor das estaduais paulistas trabalha muito, reclama pouco pois gosta do que faz, recebe menos do que deveria e, sobretudo, dorme pouco.

4. Desfazendo um terceiro mito: “os alunos da USP representam apenas uma elite privilegiada e poderiam pagar pelos seus estudos”

Outro mito amplamente divulgado é que as universidades estaduais paulistas, encabeçadas pela USP, são espaços que privilegiam os setores de alta renda, seus alunos sendo todos de elite. Essa falsa ideia ajuda a alimentar o argumento de que a USP e suas congêneres são injustas, favorecem quem tem dinheiro enquanto são financiadas por toda a sociedade, sobretudo a classe média, que aquece o comércio e portanto a arrecadação de ICMS.

O discurso não é de todo inverossímil, e sobretudo nasce certamente de um fato real: a USP foi criada, na década de 30, como um claro projeto da burguesia e para a burguesia do Estado, em seu objetivo de ganhar a hegemonia política e econômica no Brasil. As primeiras aulas eram dadas em francês, um claro indicativo de sua elitização.

Porém, ao longo do tempo, essa situação mudou. É claro que o sucateamento que nosso sistema econômico concentrador da renda causou no serviço público de educação básica levou a uma histórica e perversa inversão, que até hoje persiste: os mais ricos que podem pagar escolas particulares caras saem mais preparados para os vestibulares mais difíceis e entram na universidade pública gratuita, o que não conseguem os mais pobres, que tiveram de estudar na escola pública sucateada, e para quem se destinam os cursos superiores pagos. Uma inversão tremendamente injusta, mas que vem, felizmente mudando.

Pois é por isso que são imprescindíveis sistemas de acesso que deem a oportunidade do ensino superior gratuito aos menos favorecidos, como as cotas, raciais e sociais, a reserva de vagas para oriundos do ensino público, como vêm adotando as universidades federais e, infelizmente de maneira demasiadamente tímida, as estaduais paulistas (leia aqui). É por isso que é importante a progressiva substituição do vestibular por um exame único, o ENEM, que iguala um pouco as oportunidades e permite um melhor manejo da destinação das vagas. E é por isso que é fundamental a constante expansão das universidades públicas, desde que, é claro, aumentem também os recursos para financiá-la.

Com tudo isso, mas também pelo alto nível de dedicação aos estudos dos adolescentes de menor renda, e como resultado de uma educação básica que vem lentamente melhorando, o acesso à USP se democratizou, como foi apontado por Vladimir Safatle em sua excelente aula inaugural do movimento de greve, e é muito menos elitizado do que se pensa: um rápido levantamento (feito por meu colega Artur Rozestraten) na base de dados da Fuvest mostra que, em dezembro de 2013, 75,9 % ou 3/4 dos alunos da USP tinha renda familiar (ou seja, somando os salários de pai e mãe) de até R$ 6.780,00 ; 39,4% deles cursaram todo o Ensino Médio (ou a maior parte dele) em Escolas Públicas; 48,7% dos alunos vêm de famílias cujo maior grau de instrução é o Ensino Médio Completo. São, em boa parte, os primeiros na família a terem acesso ao Ensino Superior, e 70,1% deles pretende trabalhar ou contar com alguma bolsa ou crédito educativo para se manterem durante o curso. Mesmo que não sejam oriundos dos estratos de renda mais baixa, e mesmo se a USP ainda abrigue também uma boa parcela de alunos de maior nível econômico, não se pode mais dizer que ela seja uma universidade de elite. Na verdade, ela hoje é uma universidade que atende majoritariamente à classe média.

Com esses dados, vale uma resposta mais precisa à reportagem da Folha de SP, que sugere que 60% dos alunos da USP poderiam pagar mensalidades, como forma de “tirar a USP da crise” (quando já vimos que trata-se na verdade de um falso problema). O jornal apresenta cálculos do quanto custaria uma mensalidade na USP, de forma a substituir integralmente o atual financiamento oriundo do ICMS: R$ 3,9 mil. De onde o jornal tirou tal conclusão eu não sei, mas sei que faltou explicar como 60% dos alunos de uma universidade em que 76% deles vem de famílias com renda de até R$ 6.780,00 poderiam comprometer 57,5% dessa renda na mensalidade de apenas um único filho.

Em 1999, quando a USP ainda tinha reitorias que defendiam a universidade pública, o então reitor Jacques Marcovich solicitou ao IEA - Instituto de Estudos Avançados um estudo, coordenado por um dos nossos mais brilhantes intelectuais e professor da casa, Alfredo Bosi, que resgatasse o papel e a importância da universidade pública. Dentre os inúmeros argumentos do excelente texto, intitulado “A presença da universidade pública” (leia aqui o texto completo), vale o que segue sobre a cobrança de mensalidades: “De mais a mais, como o custo da universidade pública já é cobrado da sociedade através dos impostos, cobrar também dos alunos significaria cobrar duas vezes pelo mesmo serviço, sem que essa contradição trouxesse alívio orçamentário significativo. A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito que investigou problemas da universidade brasileira (1991-1992), após ouvir especialistas, concluiu que a eventual cobrança de mensalidades nas universidades públicas a preço equivalente ao que se pratica nas particulares, cobriria apenas entre 7% a 10% do orçamento. Paulo de Sena Martins, em seu artigo “A Universidade Pública e Gratuita e Seus Inimigos”, cita três outros cálculos feitos de maneira independente que apontam valores equivalentes ou menores. Recorde-se, ainda que a eventual cobrança de mensalidades implicaria mais burocracia e custos adicionais, reduzindo o que sobrasse a termos irrisórios”.

Além disso, vale lembrar que a cobrança de mensalidade, embora seja desejada pela Folha de São Paulo, é proibida pelo art. 206, IV, da Constituição Federal, que prevê a gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais. Mas sequer é essa a questão mais importante. O mais sério está no fato de que a defesa da cobrança de mensalidade representa também a defesa do fim do caráter público da universidade, e mostra desconhecimento sobre o que realmente é caro no ensino superior: a pesquisa.

5. Último (e mais grave) mito: “a universidade pública é ineficaz, a sociedade não deveria continuar sustentando-a e ela deveria ser substituída pelo ensino superior privado”.

Quando aparecem na mídia internacional os tais “rankings” de universidades, os jornalões brasileiros têm reações variadas: quando a USP se destaca (o que é sempre o caso), o feito é exaltado com algum (e ridículo) orgulho patriótico. Mas quando a notícia é “negativa”, ou seja, de que a USP, mesmo que ainda liderando com folga entre qualquer outra universidade do país e até da América Latina, cai algumas posições em algum ranking, surge um coro uníssono apontando para a “falência” da mesma. Rapidamente, surgem também artigos e análises apontando seu suposto anacronismo e a necessidade de sua privatização.

Rankings universitários, deve-se dizer, não medem nada. Ou melhor, medem coisas demais. O que se entende por “qualidade universitária”? O que convier a cada um, e esses rankings apontam para o que mais lhes interessa, o que nos tempos atuais é em geral a “eficiência de mercado” de uma universidade “de resultados”, o que não é forçosamente o melhor critério para avaliar a qualidade de um curso superior.

Não obstante, tome-se o ranking que se quiser, a USP e as universidades públicas lideram todos eles, na produção de conhecimento: número de doutorados concluídos, de patentes registradas, de pesquisas desenvolvidas, de artigos científicos publicados, de alunos graduados, etc. Como coloca o estudo do IEA já citado: “Não há maneira imune a críticas de se classificar universidades ou cursos por ordem de qualidade. Tais e tantas são as variáveis em jogo que sempre se pode discordar do peso atribuído a cada uma delas. Uma coisa é certa, no entanto: todos os critérios sugeridos até hoje apontam para a superioridade esmagadora da universidade pública”.

O interessante é que a própria Folha de SP, que sugere a cobrança de mensalidades na USP, faz o seu ranking (o “Ranking Universitário Folha”). E o utiliza para sugerir uma equiparação entre a mensalidade proposta para a USP e a da PUC-RJ, a “melhor universidade privada do país”. Curioso constatar que o jornalismo apressado (para dizer o mínimo) da Folha deixa de observar um fato de razoável importância: a “melhor universidade privada do país” aparece apenas em 15º lugar de seu ranking, precedida apenas por....universidades públicas, dentre as quais, em primeiro, quinto e sexto lugares, respectivamente, a USP, a Unicamp e a Unesp!

Não achem que, a partir do 15º, surge então uma lista infindável de instituições privadas. Não, seguem ainda mais e mais universidades públicas, exceto em 19º e 26º lugares, ocupados pela PUC-RS e pelo Mackenzie, respectivamente. E assim vai, encadeando-se instituições públicas umas atrás das outras até o 33º lugar, com a PUC-PR, de tal forma que, das cinquenta “melhores” universidades do país, segundo os critérios da Folha (para quem quiser acreditar neles), temos apenas sete instituições privadas. As outras 43 são, todas, públicas....e gratuitas.

Mesmo que se resolva analisar as cem melhores instituições do ranking, a presença de universidades privadas melhora um pouco a partir do 60º lugar, mas, ainda assim, temos apenas 31 instituições no total. Ou seja, das cem melhores universidades apontadas pelas Folha, 31% apenas são instituições privadas e pagas, e 69% são públicas.

Trata-se de uma hegemonia absoluta, por qualquer ranking ou critério que se queira adotar, das universidades públicas. E, vale dizer, todas as “privadas” que aparecem nos 50 primeiros lugares não são propriamente privadas, mas confessionais, ou seja ligadas a alguma ordem religiosa (PUCs, Mackenzie, por exemplo) e declaradamente sem fins lucrativos. As “grandes” universidades privadas, Uninove e Unip, aparecem, respectivamente no 70º e 76º lugares. Um jornalismo sério, em vez de ficar montando simulações sem sentido sobre possíveis mensalidades para a USP, deveria talvez perguntar-se por que, afinal, a universidade gratuita é tão superior, em qualidade, à universidade paga e privada.

Nos resultados mais recentes do ENADE, 47% das instituições públicas obtiveram nota 4 ou 5 (29,8% e 17%, respectivamente) as mais altas possíveis, um resultado bem superior aos 21% das universidades particulares que conseguiram igual desempenho (17,3% notas 4 e apenas 3,5% notas 5).

Vale observar, porém, como sublinha o estudo do IEA de 1999, que “defender a universidade pública não significa desqualificar o ensino superior particular, mesmo porque são complementares e sua convivência no Brasil já tem se mostrado mutuamente proveitosa. Note-se, por exemplo, que a universidade pública é o grande viveiro de onde saem os mestres e doutores que formam o corpo docente do ensino particular. Dos 3.200 mestres e doutores formados pela USP em 1997, mais de 90% encontraram lugar em outros estabelecimentos de ensino superior. O que nos leva a concluir – e aqui sim com propriedade – que dar apoio à universidade pública é uma excelente maneira de se apoiar, também, a universidade privada”.

Entretanto, ainda fica no ar o porquê de tamanha discrepância no desempenho das públicas e das particulares. A resposta se contrapõe ao argumento simplista de que cobrar mensalidades é um meio eficaz e suficiente para manter uma instituição de ensino superior. Não é, e por uma simples razão: o que sustenta uma produção de conhecimento de alto nível não são propriamente as aulas oferecidas, mas sim a capacidade de realizar pesquisa. Nenhuma universidade alcançará um alto padrão de qualidade enquanto se mantiver apenas como “oferecedora de cursos” e não sustentar uma intensa atividade de pesquisa, que retroalimente em permanência seu quadro docente e alavanque a produção científica.

Ocorre que, como aponta mais uma vez o estudo do IEA, “em sua essência, a pesquisa é uma atividade cara, de retorno seguro a longo prazo, mas incerto no horizonte imediato e, por isso mesmo, pouco atrativa para a iniciativa privada”. De tal forma que, em todo mundo, a pesquisa – e estamos falando aqui em valores infinitamente superiores ao da simples atividade didática – é financiada por fundos públicos, mesmo que possa ser também complementada por aportes privados. No Brasil, que ninguém se engane: as universidades particulares que fazem pesquisa – justamente aquelas confessionais que têm destaque nos rankings – recebem financiamento público das diferentes agências de fomento governamentais, tais como a Fapesp, Cnpq, Capes e Finep.

Um argumento recorrente dos paladinos do fim da universidade pública é o suposto exemplo norte-americano. Lá, dizem eles, o mercado privado sustenta a universidade, com o pagamento de mensalidades e doações milionárias dos ex-estudantes. O que, definitivamente, não é verdade.

Diz o estudo do IEA: “72,4% dos estudantes norte-americanos frequentam universidades públicas e apenas 28,6%, as universidades privadas. Em ambos os casos são cobradas mensalidades cujo total, à primeira vista, custeia boa parte das atividades. Nas públicas, essa participação é de 18% na média, enquanto nas privadas sobe a 41,2%. Mas o que não se diz é que essas provêm na sua imensa maioria, parcial ou totalmente, de bolsas oferecidas pelo próprio governo ou fundações de caráter benemérito. Ou seja, o aluno paga, mas paga com o dinheiro da sociedade. A imagem idílica do rapaz que financia seus estudos em Harvard lavando pratos nas horas vagas fica muito bem no cinema mas cabe mal na realidade. Na verdade, ele faz pouco mais do que entregar com a mão direita na tesouraria da escola o dinheiro que recebeu, sob a forma de bolsa de estudos, com a mão esquerda da comunidade”.

Esse quadro reflete a situação de outras nações desenvolvidas, que há séculos entenderam a importância e o papel do ensino superior gratuito e universalizado. Na França e no Reino Unido, no início dos anos 2000, 92,08% e 99,9% das matrículas em cursos superiores eram em universidades públicas, e esse número pouco se alterou até hoje.

Os EUA, o país mais poderoso na produção de pesquisas científicas no mundo, reserva o equivalente a quase 0,9% do seu PIB fenomenal para o fomento público à pesquisa, superado apenas pela Coréia do Sul, que investe 1% do seu PIB, porém em valores totais bem mais modestos. O Brasil figura em boa posição, destinando 0,6% de seu PIB em investimentos públicos à pesquisa, valor equivalente, por exemplo, ao Canadá (vejaaqui).

Cita-se muito também  o papel das doações de ex-alunos nos EUA, que se beneficiam para isso de descontos no imposto de renda que não exitem aqui. O exemplo é bastante citado porque as universidades muito prestigiosas de fato conseguem fundos significativos, como o caso de Harward, que ostenta reservas próprias de cerca de U$ 15 bilhões. Porém, ainda segundo o estudo do IEA, “na média e, ao contrário do que se imagina, essa fonte de recursos não ultrapassa 5% (dados do Departamento de Educação dos EUA)”. Ou seja, fica clara a incompatibilidade da comparação com o Brasil, e desfaz-se a impressão de que naquele país o ensino superior seja financiado pelo setor privado. Não é.

A ideia de alguns de que a USP poderia então reequilibrar-se financeiramente apelando para ganhos diretos tais como a venda ou aluguel de parte do seu campus, a cobrança de estacionamentos ou de licenças para o comércio em seu interior é simplista. Por mais que seja verdade que a universidade poderia de fato arrecadar algum dinheiro com um melhor proveito dos serviços prestados ao setor privado, a cobrança de suas patentes, etc., ainda assim tratam-se de valores irrisórios face ao bilhões necessários para sustentar o ensino e a pesquisa. E, além do mais, deixemos em paz uma das últimas grandes áreas públicas e protegidas da ação do mercado imobiliário na cidade, o Campus do Butantã que, aliás, devia ser bem mais aberto à cidade. Vá lá saber, por exemplo, por que os brilhantes dirigentes da USP, de um lado, e do Metrô, de outro, recusaram-se a implantar a estação de metrô do bairro na entrada da universidade. Se a USP é pública, falta a seus dirigentes, é verdade, uma visão também pública.

Além de seus custos fenomenais, que ensejam obrigatoriamente o fomento estatal, há outra razão pela qual a pesquisa – ou parte significativa dela – deve manter-se sob tutela pública: a sua independência e autonomia.

Há evidentemente alguns setores em que as temáticas de pesquisa até podem casar com os interesses do mercado, e nesses casos, o setor privado mostrará interesse em contribuir financeiramente, o que pode ser muito positivo. Porém, a pesquisa não pode e nem deve depender dessa relação. Pois há um momento em que os interesses não combinam mais, e a universidade deve poder continuar a pesquisar. Daí a importância fundamental do financiamento público, do qual nenhum país, nem mesmo o mais liberal, abre mão. Em linhas gerais, o que alimenta e faz viver o mercado é a busca pelo lucro. Pesquisas que lhe interessem serão, em última instância, aquelas que, a curto ou médio prazo (senão tornam-se desinteressantes financeiramente), avancem nesse caminho. A universidade pública, em compensação, tem por objetivo contribuir para o desenvolvimento do país e a melhoria social em geral, mesmo que em alguns casos isso possa passar muito longe da perspectiva do lucro privado. Ao contrário, é comum que se contraponha a ele.

Vejamos, por exemplo, a área do urbanismo que estuda a precariedade urbana e busca de soluções para a manutenção da população mais pobre em suas comunidades, mesmo que estas estejam situadas em áreas “nobres” de forte interesse do mercado. Não é o setor imobiliário que financiará pesquisas sobre o tema, e esse é um assunto típico, voltado para a questão social e de grande importância em um país que tem cerca de 20 milhões de pessoas sem moradia digna, que não encontra financiamento em lugar nenhum que não seja de órgãos públicos de fomento.

Os exemplos são infinitos. Vladimir Safatle em sua aula inaugural deu o exemplo de pesquisas na área biomédica que possam contrariar os interesses da indústria farmacêutica. Ou de análises econômicas que se confrontem aos interesses do mercado financeiro e dos bancos, e assim por diante. A autonomia na pesquisa é a garantia de um país de produzir conhecimento para o enfrentamento de grandes problemas, que não passem pelo aspecto comercial, nem pressuponham interesse para o setor privado.

A importância da pesquisa, sua autonomia e a atenção que a USP e as universidades públicas paulistas lhe destinam é a razão pela qual elas se destacam tanto na produção científica brasileira. Só a USP, como lembra Vladimir Safatle em artigo na Folha de SP (leia aqui), produz 25% de toda a pesquisa no Brasil. A universidade formou em 2012, 6.016 mestres e doutores, um número que cresceu 268% desde 1989, quando formou 1.634 pós-graduandos.

Em suma, a contribuição da universidade pública, e especialmente da USP e suas congêneres estaduais, para o desenvolvimento do país, é fenomenal. A USP vem cumprindo com louvor seu papel ao longo dos últimos 70 anos, mantendo-se em destaque no âmbito nacional, mas também internacional. É a única universidade da América Latina a aparecer consistentemente em destaque nas mais diversas classificações internacionais, e expande-se de forma regular e consistente. O gigantismo da sua folha de pagamentos é decorrente do seu crescimento e de seus bons resultados, e não o contrário. Ao invés do que se difunde, a massa salarial da USP, mesmo com a participação por sua conta de seus (ilustres) aposentados, se enxugou nos últimos anos se comparada ao aumento dos estudantes que ela beneficia e do volume sempre crescente de seus resultados acadêmicos e científicos.

Termino com uma frase feliz do documento coordenado pelo Professor Alfredo Bosi em 1999: “É indispensável lembrar, ainda e sobretudo, que a universidade pública brasileira não é uma utopia, mas uma realidade duramente construída com o trabalho de gerações de brasileiros, um imenso patrimônio da nação a ser preservado com o devido cuidado. Uma verdadeira universidade demora décadas para ser construída, uma reforma mal conduzida pode destruí-la em muito pouco tempo”.

Média: 5 (20 votos)
49 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de pulpito
pulpito

PROBLEMAS ESTRUTURAIS CRÔNICAS

Críticas em cima de opiniões, sugestões e pontos de vistas nunca trilha bom clima para solucioção de qualquer questão ou problema, pelo contrário, desvirtua para irracionalidade e ignorância nas relações.

Como em qualquer empreendimento e gestão, a boa prática administrativa básica, sugere:

Detectado problema, gargalo. No mesmo instante, busca-se solução contundente, o mais adequado para estancar o "sangramento" (por mais que o corte seja dolorido). Ação(es) que impacte(m) no(s) resultados cantábeis/financeiros.

E na sequencia, demais ações que contribuam para futuros resultados positivos financeiros tendendo para uma gestão com responsabilidade sócial. Quer seja alterações nos estatutos, Leis, decretos e até mesmo nos regismentos internos em cada órgão, se aí existir propensão às acomodações e desvio de caráter.

Pois cada órgão, departamento, do estado, mantendo certa autonomia em suas gestões, participando diretamente dos  orçamentos/distribuição, planejamentos, participariam também com suas responsabilidades.

Bom, aí que é a pedra no sapato para uma estrutura boa no ensino. Mudanças que dependam do legislativo, nesta políca brasileira estremamente partidária.

Mas a mudana cultural, precisa também de trabalho de formiga, que como uma PG se transforma em um batalhão, mudaça com pessoas íntegras sem desvio de caráter.

Seu voto: Nenhum
imagem de marcosomag
marcosomag

Auditoria independente poderia dar cadeia para alguns na USP?

Um "Centro de Convenções"  para executivos encherem "os cornos" de uísque importado em festas de fim de ano enquanto departamentos estão caindo aos pedaços. Redução do número de funcionários enquanto aumentam a quantidade de cursos "de mercado". Envelhecimento rápido do corpo docente enquanto os formandos, cientes do "sucateamento" da universidade, buscam oportunidades nas federais. Compras esquisitíssimas de imóveis para a implantação de cursos pagos "de mercado" sob os olhares bovinos do Conselho Universitário e estupefatos da Comunidade Universitária.

Está é a USP dos tucanos após duas décadas de desmandos. A "cereja do bolo" foi a desastrosa "jestão" Rodas. Uma

auditoria independente revelaria, na melhor das hipóteses, incompetência. Na pior, falcatruas, causando desdobramentos policiais. 

Seu voto: Nenhum
imagem de achille larena
achille larena

USP-Cabeças pensantes.

Esse jornalista além de não ser formado pela USP,se é que tem diploma,é um recalcado por  não ter nível para frequentar uma faculdade pública.O professor João Sette mostrou a  verdade sobre a situação da nossa Universidade.

 

 

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de anab
anab

Não por acaso o porcalhista

Não por acaso o porcalhista ressuscitou um termo tão caro a direita, os marajás de Collor de Mello.  Ou seja, a culpa é do mordomo,  dos servidores publicos, dos doutores que sempre  fizem a fama de excelencia da USP. Na realidade depois dos tucanos  ex em TUDO, ex melhor universidade da america latina.

Gente, nem a USP se salvou. E os paulistas ainda votam em peso nos tucanos. Sindrome de Estocolmo, só pode.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

A alíquota congelada não é explicação, MAS...

...somente se considerarmos o período sugerido (1995-2013). Vejamos.

A arrecadação do ICMS, em termos reais (ou seja, considerada a inflação do período), duplicou no período de 1995 a 2013. Fonte: http://www.fazenda.sp.gov.br/relatorio/2014/agosto/tabelas/tabela12a.asp.

Em 1995 foram R$ 63,1 bi; em 2013, R$ 125,1 bi. Ambos os valores estão expressos em reais de julho de 2014.

Portanto, esse aumento de receita, por si só, deveria ter sido suficiente para bancar a expansão da quantidade de cursos ou de alunos que é citada no texto - expressiva, sim, porém inferior a 100%.

Note-se, contudo, que o fato que está sendo assinalado mais vigorosamente a respeito das contas da USP é o comprometimento da receita com a folha salarial. Portanto, é para a evolução da folha que devemos voltar a atenção. Outros gastos devem receber atenção secundária na análise.

Ora, o próprio professor da FAU informa que o aumento na quantidade de docentes e funcionários foi modesto: 16% e 11%, desde 1995. Como foi possível que um crescimento numérico dessa ordem tenha gerado um aumento da massa salarial superior ao crescimento da arrecadação real do ICMS? Alguma coisa aí parece estar errada.

Creio que a explicação mais simples para o descalabro atual deve ser procurada em anos mais recentes.

A arrecadação do ICMS - base de cálculo da receita da USP - cresceu, em termos reais, quase 20% de 2008 a 2013: de R$ 105,4 bi a R$ 125,1 bi. Quanto cresceu a massa salarial dos funcionários e docentes nesse mesmo período? Se o comprometimento da receita com a folha é maior agora do que era em 2008, evidentemente a massa salarial cresceu mais de 20%.

Ok; mas cresceu por quê? Aumentou o salário médio? Aumentou a quantidade de docentes e funcionários? Em que proporção?

Se aumentou o salário médio, esse aumento representou um pico histórico ou foi apenas uma recuperação salarial, um retorno a patamares anteriores?

Se aumentou a quantidade de docentes e funcionários, esse aumento se deve à expansão da universidade (aumento de alunos, de cursos, etc.) a partir de 2008, ou foi um mero inchaço do quadro?

No frigir dos ovos, talvez o argumento do professor da FAU esteja correto, devendo apenas ser ajustado o período de comparação.

Seu voto: Nenhum
imagem de abcdru
abcdru

crise da usp

O icms do estado aumentou sim, porém o repasse do governo não está sendo integral. Houve alteração no cálculo e cada mês falta certa quantia. Veja nos boletins da Adusp e Sintusp.

Seu voto: Nenhum
imagem de Helio Pereira
Helio Pereira

Crise da USP

O professor da FAU-USP se esqueceu: Professsor da USP tem estabilidade. Com ou sem rendimento, permanece no cargo. Como comparar  com empregados da iniciativa privada ? Quem vai deixar cargo na USP, por um com salario pouco maior na iniciativa privada privada ? E fala coisas mais incriveis, como citar salarios de jornalistas, como de Helio Gaspari, que são da iniciativa privada e a qualquer instante podem ficar sem seus empregos. E não tem garantido, na aposentadoria, os mesmos rendimentos. Fala outra incorencia: "salário liquido de 6,5 mil". Não se refere a salario bruto, que é o normal. Nunca  professores de universidades federais e seus servidores, ganham as vantagens e salarios pagos numa USP. E na área Federal as vantagens tem de ser por leis do Congresso e sanção presidencial.

Seu voto: Nenhum
imagem de Maria Silva
Maria Silva

E ninguem ainda culpou a Dilma?


Depois da crise da água temos a crise da USP. É a cara do PSDB, a crise a as soluções propostas tais como mensalidades e privatizações. É isso que vamos enfrentar no sistema federal de ensino caso o Aecim seja eleito. Não que o sistema federal seja um paraiso. Trabalho nesse ambiente, e sei que nem tudo são flores. Mas comparando-se com as estaduais paulistas, parece que as federais  estão em situação, no minimo razoavel, como diria a Patrica Poeta. Inacreditavel que esses reitores paulistas pratiquem uma gestão temeraria por varios anos, e não haja qualquer orgão interno ou externo capaz de controlar  e fiscalizar o uso do dinheiro publico. A midia, parece ser omissa e conivente  desde sempre. Só entra pra deformar. São Paulo é a cara do PSDB. Como diria PHA, a "Chuisa" ...

Seu voto: Nenhum
imagem de vivian slv
vivian slv

Reflexão

Algo de errado ocorre com a  USP sim, dizer que não é uma hipocrisia. Percebo que  se você é pobre, ainda que tenha  condições de cursar no período  noturno com o trabalho de dia e vivendo na periferia,  é quase impossível prosseguir os estudos, se for integral então, esquece, é muito difícil, pessoas pobres que tenham que ajudar nos rendimento da família não cursam integral. Apesar dos incentivos, as bolsas  privilegiam apenas alunos com boas notas, muitas vezes é impossível manter um bom rendimento trabalhando  durante o dia e estudando à noite. As bolsas vão para quem?  Mais $ desperdiçado. A evasão na USP é bem significativa, principalmente daqueles que têm  dificuldade de se manter estudando à noite.

Os muros reais ou não  da universidade afastam a maioria da população, a minoria também não está interessada em ceder esse privilégio, gostam da exclusividade. Mas sabemos  também que muitos pais trabalham para dar o melhor para seus filhos, pagam escolas, mas  se contentam com essa situação e desistem de  sua força  de opinião e de pressão sobre o governo.

 A Fuvest não é garantia de nada, são provas e nada mais. Ela  é  só um meio de os cursinhos lucrarem, é um mercado. Eles   cumprem bem objetivo de inserir o aluno na universidade, sem discutir aqui os mecanismos,  bom pra quem tem $ pra pagar. A maioria das  carreiras não são mais tão difíceis de ingressar. Em geral os cursos têm notas de ingresso muito baixas. O ensino básico é que está abandonado, por isso um maior  número de pessoas não conseguem passar ,  mas o governo  não está interessado em melhorar.

A graduação afundada,  regras e  normas não são seguidas, é uma bagunça, no fim do semestre sempre é uma confusão e correr para um lado e outro, então muitas vezes para passar você depende do humor do professor, alguns incompetentes dão  aula à  contragosto, por que são pesquisadores e desprezam  os alunos da graduação só querem  cumprir  função.

O maior mito é de que todos os   alunos  da FFLCH são  baderneiros, é uma grande mentira, a maioria das pessoas querem estudar, obter seu diploma e ser um bom profissional, a politização existe,  mas não é obrigatória. Essas pessoas que só pensam  em bens e dinheiro acham que as humanidades deveriam ser banidas, mas  não se vive só de engenheiros, advogados e médicos (nenhum deles querem servir  toda a sociedade), as humanidades  tem uma importância fundamental na formação de um cidadão e profissional competente e íntegro.

 

Seu voto: Nenhum
imagem de le
le

:(

a bolsa vai para os ricos porque tem os pais pra bancar eles...e os pobres que se virem sem educação.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de André R. R. Gonçalves
André R. R. Gonçalves

Não é bem assim...

Na verdade, as bolsas não vão para os ricos, pois a universidade delimita quem pode receber as bolsas de acordo com a renda familiar dos candidatos. Apesar de ser um processo bem burocrático e com algumas falhas, em geral é bastante eficiente. 

O problema é que são poucas bolsas  e/ou com valores baixos, que não são suficientes pra garantir que o aluno se dedique apenas ao estudo. Aí entra na questão que a Vivian citou, de que o estudante precisa fazer a dupla jornada e muitas vezes não consegue, acabando por desistir da faculdade.

E com essa crise e o estranho esquema de prioridades da reitoria, as poucas bolsas que existem estão sendo cortadas, enquando o escritório da universidade em Boston continua funcionando normalmente.

Seu voto: Nenhum
imagem de Sta. Catarina
Sta. Catarina

USP

Uma universidade da importância da USP não tem uma auditoria regular para acender o farol amarelo? Onde estão os responsáveis em todos esses anos que viram a coisa degringolar e não fizeram nada.

Para mim, há uma mistura de má gestão com conveniência política e irresponsabilidade administrativa. Tudo junto, dá no que deu. 

Se culpam o governo do Estado, que orientem os alunos a votarem em um candidato de outro partido para ver se sangue novo resolve. Professores são formadores de opinião.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Laerte
Laerte

Excelente artigo.

Excelente artigo.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Valderi Felizado da Silva
Valderi Felizado da Silva

Querem chegar a 100% do ICMS?

Parece-me descabida a desculpa da cota do ICMS ser a razão da mazela orçamentária que hoje vive a USP.

Oras, se a parcela do ICMS foi congelada no índice de 9,57, e isso é a explicação do caos, então deveria-se aumentar?

Até para quando? 100%?

Mas se os gastos aumentaram é lógico que o dinheiro repassado, em comparação ao ano em que ficou estabelecido essa alíquota, também aumentou.

Vejamos bem. O crecimento econômico de 1995 a 2014 mais que quintuplicou. Foi de 731 bilhões para 4,8 trilhoes em reais. Se colocássemos a referência em dolar, seria um crecimento de cerca de 260%.

Pô, é claro e notório que o total repassado do ICMS aumentou, embora seja sempre de 9,57%.

Mas porque as despesas aumentaram mais que 260% de 1995 para cá?

E se acompanhássemos o aumento do índice do repasse, que estava em 8,4% em 1989 e depois para 9,57 em 1995, hoje estariamos com 13,27% do total do ICMS recolhido. Ou seja, somente uma instituição abocanharia mais de 10% do principal imposto estadual. Uma instituição que nada mais é trincheira de idéias ultrapassadas. 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de abcdru
abcdru

crise da usp

Por a caso seu dinheiro continua valendo o mesmo de 1995 para cá? As despesas aumentaram porque teve aumento de cursos e inflação!!!! Antes da usp incorporar Lorena, abrir a usp-leste, etc., o sr. governador disse que iria aumentar a aliquota... só que não o fez...

Seu voto: Nenhum
imagem de André R. R. Gonçalves
André R. R. Gonçalves

O Sofismo de Valderi

Parece-me mais descabido ainda seu entendimento do texto, Valderi. Em primeiro lugar, foi dito várias vezes (e mesmo que não fosse dito, seria óbvio) de que não se pode reduzir toda a crise a um único fator. A situação na USP não é resultado apenas da falta de um caixa que cresça nos mesmos patamares da universidade, mas de uma sucessão de más gestões e gastos mal-explicados, alguns até absurdos. Some a tudo isso os interesses obscuros relacionados a alguns aspectos do caos universitário, como um suposto interesse de instituições prividas, e você encontrará um quadro bem complexo para explicar essa crise. Com bem disse o atual reitor, Zago, antes de o poder conferido pelo cargo lhe subir à cabeça: o problema hoje na USP é muito mais político do que econômico.

Outro ponto importante: o crescimento do ICMS não foi tão milagroso assim como você diz. Este é um imposto diretamente ligado ao comércio. Não sei se você sabe, mas um dos reflexos do caos econômica de 2008 foi um desaquecimento do comércio, que estava a todo vapor na década que antecedeu a crise. E uma redução no comércio tem como consequencia óbvia uma redução nos impostos arrecadados.

A própria reitoria publicou um informe no primeiro semestre dizendo que o repasse dado pelo Governo do Estado nos primeiros meses do ano foi menor do que o esperado. Não bastasse isso, existe uma denúncia de que o Governo não repassa os 9,57% brutos do ICMS às instituições, fazendo deduções antes de repassar a porcentagem. De acordo com a Adusp, essa monobra diminui em R$ 50 milhões o repasse.

Por fim, quero te lembrar que essa " trincheira de idéias ultrapassadas" (que curiosamente é a maior referência nacional em termos de pesquisa e ensino na atualidade) não é a única beneficiária dos 9,57% do ICMS. As outras universidades paulistas (UNESP e UNICAMP) e o Centro Paula Souza (administrador das Fatecs e Etecs) também sobrevivem dessa alíquota.

Passar bem.

Seu voto: Nenhum
imagem de Roberto DeLucia
Roberto DeLucia

Prof. da FAU-SP

          O prezado Colega da FAU fez uma reflexão crítica sobre diversos assuntos de gestão e política da USP que têm sido repercutido na Comunidade uspiana como  a greve atual e na mídia, as reportagens da Folha de S.Paulo e Estadão. Neste contexto, se faz necessária  a implementação de novo Estatuto para incrementar a participação de Professores, Estudantes e Funcionários nos orgãos de decisão dos Departamentos, Institutos e Faculdades e a Reitoria e Pró-Reitorias por meio de eleições diretas. No tocante, as carreiras docentes, estabelecer duas categorias, doutores e associados, passando os tilulares como cargo honorífico sem função administrativa e abolir a incorporação salarial definitiva  de funções administrativas temporárias (Chefia, Diretoria e Reitoria) .O ensino de graduação em geral, está desvalorizado para os docentes, devido ao produtivismo na pesquisa que pressiona principalmente os novos doutores em suas metas. Rever a expansão populista  da USP de novos campus ( USP Leste , Lorena etc ) e cursos profissionalizantes apenas dirigidos ao mercado. Tudo isso, é apenas o início para barrar a onda de privatização de Universidade Pública e Gratuita ( USP) que está mais interessada em vender notícias e denegrir a educação em mera mercadoria.

Seu voto: Nenhum
imagem de Wellington Furtado Ramos
Wellington Furtado Ramos

Não consegui acessar os Links

Por gentileza, não consegui acessar os links que estão indicados entre parenteses como "clique aqui". Poderia, por favor, atualizar a postagem? Estou muito interessado em ler acesso às referências citadas.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Ana Masson
Ana Masson

Acesse este post, o

Acesse este post, o original: http://cidadesparaquem.org/blog/2014/8/14/a-usp-no-problema-soluo

Ele possui todos os links ativos.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Acesse o endereço de origem

Acesse o endereço de origem daquilo que o professor escreveu:

http://cidadesparaquem.org/blog/2014/8/14/a-usp-no-problema-soluo

Seu voto: Nenhum
imagem de Paulo Silveira
Paulo Silveira

Valores não estão congelados

"A alíquota do ICMS repassada às universidades, nos primeiros anos, sofreu reajustes, conforme as três universidades cresciam: de 8,4% do ICMS em 1989, passou para 9,57% em 1995. Porém, desde então, congelou-se. Em quase 20 anos, não houve mais reajuste, enquanto que a universidade não parou de crescer."

 

Em 20 anos congelou-se??? a economia de Sao Paulo decuplicou-se. 9,57% do ICMS é um número que cresceu vertiginosamente. 

ÓBvio que a gestão é péssima, mas querer dizer que a USP recebe pouco dinheiro, ou que isso é " congelado"...? por favor..

Seu voto: Nenhum (10 votos)
imagem de Ms.C. Jorge Carvalho (ICMC-USP)
Ms.C. Jorge Carvalho (ICMC-USP)

"Tudo isso com a mesma

"Tudo isso com a mesma alíquota. A USP só não quebrou porque no rico estado de São Paulo, o ICMS desde então felizmente sempre cresceu."

 

Prossiga com a leitura e não tire conclusões baseadas em excertos.

Seu voto: Nenhum (9 votos)
imagem de José Luís Almeida
José Luís Almeida

O argumento do orçamento

O argumento do orçamento congelado, na forma que está apresentado, não é válido. O autor compara a fixação de uma porcentagem de um imposto (que cresceu muito ao longo do tempo considerado) com uma taxa de crescimento, também porcentual, dos custos da universidade. Não se pode concluir, pelos números apresentados, que a evolução dos custos superou a do orçamento. O fato de fazer a ressalva de que o ICMS cresceu não anula a mentira afirmada anteriormente de que o orçamento congelou. A USP quebrou devido a uma série de gestões irresponsáveis, não por causa do congelamento do aporte. Ainda assim, se a universidade está falida, o Estado tem obrigação de resgatá-la financeiramente. Enquanto não o fizer, o reitor não tem margem de manobra contábil para aumentar salários nem pagar seja o que for.

Seu voto: Nenhum
imagem de Mitu
Mitu

O conselhiro universitário

O conselhiro universitário tem representantes dos docentes, funcionáros e discentes, juntos talvez sejam  maoria. Onde andavam esses que nunca viram nada disto?

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de André R. R. Gonçalves
André R. R. Gonçalves

Ações autoritárias

O Conselho Universitário (CO), deveria se reunir a cada 2 meses para discutir as questões que tocam a universidade. No entanto o reitor, que é quem tem o poder de convocar o CO, não o faz desde fevereiro, tomando as decisões quase que por conta própria. O reitor anterior, pelo que fui informado, também deixou de convocar o CO varias vezes durante seu mandato.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Simples
Simples

A UFABC tem se mostrado uma

A UFABC tem se mostrado uma jovem competente e de gestão das mais democráticas e , portanto, pronta para assumir o que deve ser solução;; anexar USP , Unicamp e Unesp e virar a maior univesidade pública da América Latina.. Um presente da Ela Lula para o mundo.

Seu voto: Nenhum (13 votos)
imagem de jair almansur
jair almansur

Eu defendo que os alunos

Eu defendo que os alunos paguem. Ou paguem como oc cubanos ou paguem como os americanos. Ma paguem. O sujeito fas mestrado e doutorado com um curriculum que só intere?

ssa a banqueiros e industriais. O que se ensina na faculdade de economia

Seu voto: Nenhum (15 votos)
imagem de Antonio C.
Antonio C.

Comentário.

O problema da USP é político que se tornou econômico. A "vista grossa" do Conselho Universitário é "vista grossa" de diretores de faculdades, de museus, pró-reitores, todos estes que compõem o Conselho Universitário. E o reitor fala da crise financeira como se fosse algo fora de seu conhecimento até então, como se não fosse parte do problema. Quem possui cargos de confiança e mesmo sem concurso público na USP se considera privilegiado dentro de sua estrutura viciada. Difícil encarar que professor universitário olha para o espelho em vez de olhar para a matemática. Quantos se consideram responsáveis pela crise dentro do CO? Poucos, quase ninguém. Para não sentir o peso da culpa, Zago insinua a ideia de um programa de demissão voluntária. "Claro,  culpa não é, também, dele, está em outro lugar.  Delusão...

Seu voto: Nenhum

Excelente texto.

Os paulistas que não abram os olhos, com essa mania brasileira de jogar fora seu patrimônio, logo logo vão sucatear a Universidade.

Agora esse discurso sobre os Marajás vem desde o Collorido. Serve bem aos políticos, mas apesar de existirem alguns, não reflete a realidade.

Alguém poderia avisar a mídia que esse argumento já está pra lá de batido.

Acho que, ao menos em educação custeio é igual a investimento! Ou pelos menos deveria ser.

 

 

 

 

Seu voto: Nenhum (8 votos)

Números não mentem.A USP

Números não mentem.A USP cresceu e a verba não.
Reitor dizer que professor ganha muito é novidade para mim.
Esse reitor esqueceu quem é e o que representa.

Verba para educação, por definição, sempre deve ser insuficiente. Se não o é, quem a administra é incompetente.

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de Daniel Krein
Daniel Krein

O custo de cada aluno é muito alto

As universidades estadais de SP recebem 9,75% da receita estadual de ICMS, repassados mensalmente. Como em 2013 essa receita foi de R$140 bilhões, o repasse às universidades é cerca de R$14 bilhões. A USP recebe mais de um terço desse valor. Tendo 58 mil alunos, como disse o autor do post,cada aluno custa cerca de R$100 mil por ano. Isso sem contar todo o dinheiro que vem da Fapesp, CNPq e Capes, que devem superar R$2 bilhões.

Em suma cada aluno da USP custa mais do que os das melhores universidades do mundo, certamente mais do que qualquer aluno universitário fora dos EUA.

Essa crise financeira está prevista e anunciada há mais de três décadas. As razões são muito diversas. Filha solteira de funcionário ou docente da USP recebe por toda a vida o salário integral do pai ou mãe, como pensão. Todas morrem como avós, sem nunca casar em cartório. 

Seu voto: Nenhum
imagem de Ana Oliveira
Ana Oliveira

Pesquise melhor

Isso que você disse sobre pensão é mentira, vá se informar melhor para não falar asneira

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de Helio Pereira
Helio Pereira

Pensão

Meus caros, a pensão de filhas solteiras de servidores civis (maiores), era realmente paga até a alguns anos atrás. Depois isso acabou, para quem não recebia . Agora, não sei se acabou em todas as esferas do Setor Publico. Na área Federal não tem mais,  pra quem não recebia,assim como no setor publico do Estado do Rio. Todavia ficou o enorme contingente de quem já recebia. Na área militar essa pensão acabou para ingressoui nas Forças Armadas a partir de Janeiro de 2001.

Seu voto: Nenhum

São 92.000 alunos e a despesa não é só com eles

Daniel,

A USP é uma universidade de ensino e pesquisa. Tem 58.000 alunos só na graduação. Incluindo a pós, são 92.000 alunos.(http://www5.usp.br/usp-em-numeros/). Há varias outras despesas com pesquisa, hospital universitário, cursos e atividades de cultura e extensão e muitos outros. A relação você encontra no mesmo link.

O orçamento aprovado para 2014 é de R$ 5.017.864.619,00..  (https://www.google.com.br/url?sa=t&source=web&rct=j&ei=UQLxU8y3MqHLsATky...)

 

Seu voto: Nenhum (9 votos)

Gilberto .    @Gil17

imagem de Lineu Ignacio
Lineu Ignacio

USP

o que todos  os paulistas devem entender é que dinheiro publico tem limite.

Esse  arrazoado de ideias  se baseia  no conceito de que somente o ensino superior é suficiente.

São Paulo e o  brasil precisam de tecnicos.

Estudei na USP e sei que a maioria dos profesores faz bico lá.

 

Falta capacidade gerencial para os ' letrados da usp '   em usar a capaicade tecnologica de São Paulo ao seu favor.

Mas precisa trabalhar.

Dar poucas auilas e incluir em seu curriculum que é professor da USP dá mais valor na inciativa parivada.

 

Ou seja, chegou a hora da onça  beber  agua.

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de certos
certos

[ Estudei na USP e sei que a

[ Estudei na USP e sei que a maioria dos profesores faz bico lá.  ]  Em universidade pública, docente competente é exatamente quem consegue algo, especialmente cargo, e se livre de sala de aula, pois isso é o esgoto do esgoto.  Sem ainda levar em conta que na USP e públic em geral  só entram os melhores, basta indicar o programa e onde  pega livro com o conteúdo que o cara aprende. De fato, quando surge algum docente que presta os alunos são os primeiros em fazer campanha para que  seja eleito para algum cargo e possa estudar com outro mais ruim ou até fique sem.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Generalizando

"a maioria dos profesores faz bico lá". Tem certeza que isso é verdade? Então a qualidade dos números de pesquisa, colocação profissional dos estudantes só comprovam a alta produtividade daqueles docentes que trabalham...

Seu voto: Nenhum (6 votos)

Guilherme Ferraz

imagem de alfie
alfie

Gastança

O longo texto a e alguns dos comentários  colocam professores como "coitadinhos". Coorporativismo? Talvez. O fato é que as inteligências da USP foram lenientes com o desperdício , a gastança dos anos anteriores. A USP tem autonomia e nessa autonomia para gastar, não lembro de ter visto vozes recalmando. Agora que o atual reitor apontou o gasto superior a 100% na folha de pagamento,  o proselitismo defensório dos professores só toca mais nos salários. A comparação com o salário dos jornalistas é equivocad. Além disso o jornalista (atua em área em crise) ganha da iniciativa privada. Já os gastos excessivos com a folha de pagamento da USP, as viagens e outras manifestações de desperdício, ocorrem com o dinheiro do povo de São Paulo, até do sujeito que não ganha nenhuma contra partida da USP. Isso não pode continuar e o atual reitor fez bem em apontar essa gastança. Lamento que, antes dele, NINGUÉM da USP tenha se manfestado. Uma conspiração do silêncio? 

Seu voto: Nenhum
imagem de Lina
Lina

É justamente por existirem

É justamente por existirem pessoas com esse tipo de pensamento que os investimentos em educação são cada vez menores... Quanta gastança?!!! Gastança para desenvolver e habilitar profissionais para se tornarem médicos, veterinários, farmacêuticos, advogados, jornalistas, psicólogos e agrônomos de qualidade... As universidades públicas são as únicas que ainda salvam a dignidade sobre ensino do nosso país, mas infelizmente estão na luta para sucateá-la.

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Pode falar, VC nem leu, não

Pode falar, VC nem leu, não e?

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Gestão em choque

O choque de gestão para sanar as universidades públicas paulistas está sendo focado no arrocho salarial. Aguém lembra de algo muito atual???? Algum programa/proposta de governo?

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Guilherme Ferraz

imagem de Elisabete Otero
Elisabete Otero

Texto excelente que coloca

Texto excelente que coloca com rara precisão o papel da universidade pública numa sociedade que se proponha ser justa. Sou aposentada de universidade federal e desde 1980 temos lutado pela manutenção das universidades públicas federais e as questões não diferem das públicas estaduais, de acordo com este artigo.

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de mz
mz

Lanterna acesa

Excelente artigo, muito esclarecedor sobre a real situação da USP. Ajuda a iluminar o ambiente que a mídia e seus produtos de marketing tentam obscurecer por tácitos interesses, longe de serem para a maioria da população, beneficiam alguns poucos em detrimento  até mesmo da soberania e identidade nacionais quando secundariza a própria produção de conhecimentos estratégicos.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Fernando Berlinck Dutra Vaz
Fernando Berlinck Dutra Vaz

A crise da USP'

Prezados,

Eu sempre defendi que todas as vagas das Universidades publicas Brasileiras fosse exclusivamente dos alunos que cursaram o primeiro e segundo graus completos em escolas públicas! A razão disso é que só assim a qualidade de ensino publico no Brasil melhorará rapidamente. Imaginar que pais que foram educados por um sistema ruim consigam melhora-lo e a mesma coisa que imaginar que uma pessoa de baixa estatura possa jogar basquete contra o Dream Team dos USA! Eles pegam na bola, mas nunca tem chances de vitória!

Na questão direta da crise da USP a coisa é realmente incrível. Pois no Brasil (e na realidade no mundo, não conheço exceção a esta regra! Mas isso não é confirmação que seja a coisa certa a ser feita!) professores/pesquisadores levam mais tempo para serem formados (na sua maioria) do que nos países desenvolvidos. Quando estes professores/pesquisadores estão no auge de sua produção científica e intelectual, eles são "dragados" ou "compelidos" a se tornarem administradores de Universidade/Faculdades! Eles nunca foram treinados para isso ou tem conhecimento teórico/prático para desenvolver as funções! Ai existe uma complacência de todos os envolvidos, Professores, Alunos e Funcionários! Claro que os professores ganham muito com esta ida para a administração da Universidade/Faculdade, quando não menos, salários e aposentadorias muito melhores! Mas é claro que isso tem um custo! Este custo é repassado para a sociedade! E como tudo mais, enquanto a sociedade não quiser e fizer a mudança acontecer, os erros e problemas irão se repetir aeternam. O resultado sempre é o mesmo, Universidades/Faculdades mal administradas.

Seu voto: Nenhum

Discordo

Acredito que um dos principais motivos pelos quais a USP é a melhor universidade do país é o fato de ter os melhores alunos. Podemos discutir se o critério de seleção atual (vestibular da FUVEST) é o mais adequado, mas não podemos abrir mão de exigir qualidade e excelência e quem quer entrar na melhor universidade.

Isso acontece no mundo inteiro, tanto em universidades públicas quanto privadas. Ou veja se um aluno que não tem o nível mínimo exigido consegue entrar nas melhores escolas na França, na Alemanha ou nos EUA.

Universidade, para manter-se na ponta, tem que ter os melhores quadros docentes e discentes. Sem os dois o edifício não se sustenta.

Seu voto: Nenhum (7 votos)
imagem de Alexandre VI
Alexandre VI

Vou salvar...

Para reler por ocasião do próximo confronto (greve) Universidades Federais X MEC.

Seu voto: Nenhum

Bellíssimo texto!

provando que ainda tem vida intelectual na USP. Estou sendo injusto, os textos do Safatle já mostram isto.

Fica claro também que a "jeston" tucana queria, é preparar a privatização da USP.

E que os "jornalistas" como E. Gaspari e o escriba que escreveu na FSP são penas de aluguel a pior espécie.

Será que os eleitores paulistas tem capacidade de acordar?

Seu voto: Nenhum (7 votos)

parece que não, infelizmente

mais um patrimônio público vítima do choque de cafa-gestão!!

Seu voto: Nenhum (4 votos)

"Se é para o bem de todos e felicidade geral da Nação, estou pronto! Digam ao povo que fico" MT

A vida é curta demais para se beber cerveja barata!!

A diferença entre o Brasil e a República Checa é que, a República Checa tem o gove

imagem de AlvaroTadeu
AlvaroTadeu

A falha é filha da Folha.

Eu creio que a questão é partidária, porque o PSDB é um partido radicalmente privatista e está há 20 anos nomeando reitores para a USP que professam a mesma ideologia. O que a Folha não revela é que seus jornalistas, majoritariamente oriundos da escola privada, poderiam ter-se formado na USP se ela cobrasse mensalidades, o que alijaria os alunos mais pobres e abriria espaço para os filhos de "marajás", comerciantes, traficantes, banqueiros e fazendeiros ricos, mas com uma prole sem nível intelectual para disputar as vagas de nossa melhor universidade.

Um amigo, depois de doze anos na USP, onde alcançou o doutoramento em Física, vendo que seu salário não podia bancar o tratamento de sua mãe doente e sem perspectivas na carreira, fez concurso público e abandonou a universidade. Anos e anos de pesquisa e estudos foram jogados no lixo. O trabalho burocrático que meu amigo executa hoje, qualquer jornalista da Folha é capaz de executar. Até mesmo aquele dos "múltiplos chapéus".

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.