Revista GGN

Assine

Brasil é apenas o 104º no ranking de liberdade de imprensa

Do Justificando

A falsa liberdade de imprensa facilita os golpes de todos os tipos

Por Mauro Donato

Segundo o mais recente ranking sobre liberdade de imprensa da ONG Repórteres Sem Fronteira, o Brasil ocupa a 104ª posição. Caiu 5 posições (havia caído 9 em 2013 e agora desceu mais um pouco). Centésima quarta posição entre 180 países é uma colocação preocupante e vexatória. Determinantes para a queda foram o aumento da violência contra jornalistas, o registro de ameaças e a quantidade de mortos durante o ano passado. Total de sete jornalistas assassinados.

Como pode isso?

Para os leitores dos grandes jornais, telespectadores dos canais abertos de TV e ouvintes das grandes rádios, um ranking desses irá soar como peça de ficção. Claro, nada disso acontece com os jornalistas que trabalham para aquela meia dúzia de famílias detentoras de quase oitenta por cento da mídia. Estes estão alinhados e repetem em uníssono o que seus chefes querem que seja dito e escondem o que seus patrões desejam que seja escondido.

A perseguição é sobre os independentes, é inegável. Veja quantas dificuldades o DCM enfrentou ao publicar o documentário Helicoca. “É um ambiente de medo para os jornalistas, sobretudo os jornalistas independentes, blogueiros”, disse Emanuel Colombié, chefe do departamento de pesquisas da Repórteres Sem Fronteiras.

Mas e o cinegrafista da Band? A tragédia ocorrida com Santiago Andrade em 2014 foi um acidente. Terrível, mas um acidente. Ninguém lançou a bomba propositalmente no cinegrafista da Band e, infelizmente, o caso dele é um bom exemplo da disparidade no tratamento da questão quando acontece com um ‘deles’. Toda a cobertura dramática, a dedicação em apontar os culpados, o enunciado destacando que as manifestações faziam sua “primeira vítima fatal”. Santiago era então a 11ª pessoa a morrer, não a primeira, desde os protestos de 2013 e dezenas de outros jornalistas já haviam sido feridos, muitos com gravidade como a perda de um olho e outros tendo seus equipamentos destruídos ou confiscados. Mas eram todos independentes e os casos não vieram para as manchetes.

O oligopólio da mídia brasileira é um dos principais motivos para o atraso do país. Seu monobloco alienador faz com que andemos para trás em dizersos rankings como de liberdade de imprensa ou de educação. Desinforma para manter seus privilégios.

Um exemplo nítido: Desinformados, muitos combateram o Marco Civil Regulatório da internet. Lobotomizados pela mídia unificada, diziam que se tratava de censura, que o PT queria controlar a rede. Agora estão aí desesperados com a notícia de que as operadoras desejam limitar e cobrar o acesso de forma diferenciada. E aqui mais uma vez vale a pena observar a cobertura jornalística atual sobre o tema. As operadoras de telefonia são grandes anunciantes. Em razão disso, a Globo tem se empenhado em explicar o porque da medida. Com infográficos, depoimentos técnicos minuciosos e longas reportagens, está claramente defendendo os amigos que detêm outro oligopólio.

Os barões da mídia estão pouco se lixando para um ranking como o do Repórteres sem Fronteira. Estão sempre atuando em bloco. Basta observar a reação orquestrada às notícias internacionais recentes. O Guardian, o New York Times, o Fìgaro e outros jornais estão tratando com seriedade e preocupação o que se passa por aqui no cenário político. E nem era para ser diferente. Para quem está de fora fica ainda mais evidente o teatro. Vá explicar para um gringo que quase 400 deputados com a ficha suja votaram pelo impeachment de alguém sem prova de crime.

Ato contínuo, a mídia brasileira dedica-se a desqualificar essa leitura. Renata LoPrete, da GloboNews, disse que eram comentários superficiais, carentes de fundamentações. Curioso é que a mesma mídia internacional é vista como rainha da cocada preta quando comenta sobre nossa economia interna, dá seus pitacos prevendo até o que ainda não ocorreu. Quando é para especular, tudo bem?

A mando das diretorias, as redações alternam o complexo de vira-lata com uma soberba vomitiva. Portanto, na grande mídia você não verá destaque para este vergonhoso ranking da Repórteres sem Fronteira, lá o que importa são os rankings de economia.

O ranking da ONG só confirma o quanto é perigoso, para um jornalista, não fazer parte da mídia dos Marinho, dos Saad, dos Mesquita. Para o público em geral, perigoso é informar-se apenas por ali. Vira vítima das operadoras de telefonia, do mercado automobilístico, da especulação imobiliária, financeira, e assim vai. Todo tipo de golpe fica fácil num ambiente assim.

Mauro Donato é Jornalista, escritor e fotógrafo nascido em São Paulo

Média: 5 (4 votos)
5 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de altamiro souza
altamiro souza

o último parágrafo mostra a

o último parágrafo mostra a gravidade da

existencia dessa grande mídia golpista...

ela golpeia nossos interesses no dia a dia, defendendo intreresses

dos que nos golpeiam, nos usam e abusam, nos laienam, nos impingem

mentiras, nos enganam com produtos fajutos, etc e etc e o escambau

Seu voto: Nenhum

Plin Plin!

Máquina poderosa e eficaz de lavar mentes de tolos e incautos.

Seu voto: Nenhum
imagem de Zé Roberto
Zé Roberto

Libertinagem de imprensa

Sou contra a liberdade de imprensa no Brasil, e explico:

1) No Brasil existe liberdade de imprensa apenas para os editores, não existe liberdade para os jornalistas muito menos para a população em geral;

2) Grande parte dos jornalistas, saco na verdade chantagistas, ameaçam quem não adquire quotas de publicidade, de publicações que possam vir a denegrir a imagem das pessoas ou empresas;

3) Muitos utilizam a chamada liberdade de imprensa para abusar das pessoas, principalmente das mais indefesas

Logo o que existe no Brasil é Libertinagem de Imprensa.  Nem mesmo os jornalistas se respeitam.

Seu voto: Nenhum

Caro Nassif Considerando que

Caro Nassif

Considerando que a pesquisa foi feita enrte 180 países, o Brasil deveria ocupar, no minimo o 190º lugar.

Onde essa pesquisa foi feita?Na FIESP?FEBRABAN?Globo?Ninhos tucanos?

O que os Repórteres sem Fronteiras entende por mídia golpista?!

Saudações

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Se alguém souber onde posso (podemos) denunciar a mídia-lixo...

Eles também desrespeitem os mais básicos direitos de um cidadão, no caso cidadã - eu.

Por que ninguém fala sobre isso? Por que ninguém ressalta que eles são adeptos da invasão de privacidade, procuram um comportamente comum como forma de impor humilhação e são indiferentes à tortura?

Por que ninguém toma alguma atitude mais definitiva contra essa máfia - que inclui todos os canais de tv aberta.

A meu ver, nenhum governo vai conseguir enquadrar essa máfia. Tem que ser na base no repúdio popular combinado com muitas ações na justiça, boicote aos anunciantes - e ações do governo no sentido de cortar TODA a verba pública - nenhum dinheiro público pode pagar por um trabalho de baixíssimo nível que visa unicamente prejudicar o maior número possível de pessoas.

 

Seu voto: Nenhum

Vera

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.