Revista GGN

Assine

Protesto de conta de luz, a Aneel e o massacre dos consumidores, por André Araújo

Protesto de conta de luz, a Aneel e o massacre dos consumidores

por André Araújo

Um velho amigo, engenheiro de carreira de uma das grandes empreiteiras em crise, demitido por falta de obras após 26 anos de casa, passou a sobreviver como freelancer em reformas de  lojas. A renda caiu, a vida apertou, atrasa algumas contas de luz e condomínio  mas sem deixar acumular a segunda conta, situação comum hoje a milhões de lares atingidos pela recessão.

Meu amigo recebeu um telefonema de seu banco, o  cheque especial estava cancelado porque apareceu um protesto de conta de luz da Eletropaulo, a conta venceu em 9 de junho e a concessionária enviou a conta ao Cartório  de Protestos dias depois. A conta já estava protestada, meu amigo não recebeu qualquer aviso, este foi enviado por AR ao endereço do dono do imóvel, em nome de quem estava a conta. O dono do imóvel estava viajando, ninguém viu ou informou o aviso. Tal procedimento nunca tinha ocorrido antes, meu amigo correu a loja da Eletropaulo e lá informaram que era assim mesmo, a concessionária estava protestando as contas e podia fazer após o primeiro dia de atraso. Quando ele recebeu o telefonema do banco a conta já estava paga pelo sistema eletrônico, mesmo protestada a Eletropaulo recebeu normalmente a conta sem informar o protesto, tudo irregular.

Seu caso não era o único. A loja da Eletropaulo na Av. Rebouças estava cheia de consumidores com o mesmo problema, todos revoltados e aborrecidos, além de pagar custas abusivas de cancelamento era necessário ir ao Cartório pessoalmente  e perder um dia de trabalho.

Meu amigo ligou para a ANEEL e lá informaram que não havia impedimento para a concessionária protestar, a lei era omissa quanto a isso e então a Eletropaulo podia protestar porque não era proibido faze-lo. Foi o que disse o 167 da ANEEL.

Para consertar o problema da negativação, depois de paga a conta diretamente à Eletropaulo por via eletrônica, o nome sujo continua. É preciso ter a anuência da Eletropaulo e depois ir ao Cartório e pagar custas de cancelamento de R$125,00 mais custas do protesto, para só então obter o cancelamento e limpar o nome. A mão de obra é enorme, além do custo também absurdo para cancelar, um alto valor inexplicável, é tudo eletrônico, trata-se de alguns toques de computador no cartório, trabalho simples que um funcionário junior pode fazer, seu tempo custa centavos, mas a o cartório se locupleta com 125 Reais, presente da Eletropaulo, para o já ultra lucrativo negócio de cartórios, agora com um maná de milhares de novas vítimas tangenciadas para pagar caro por “cancelamentos”, ótimo para o negocio dos  cartórios, o melhor negócio do mundo. Imagine-se que a Eletropaulo tem 6 milhões de consumidores, se protestar todo mês 100.000 vai gerar um lucro extra de R$12,5 milhões aos 10 Cartórios de Protestos de São Paulo, só para os cancelamentos, fora as custas do protesto, escorchando os já esfolados consumidores de energia,  com essas “custas” inesperadas.

Se o cunsumidor atrasou a conta presume-se que está com dificuldades de renda, pois por cima disso a Eletropaulo faz questão de prejudicá-lo ainda mais, extraindo mais dinheiro para pagar um “cancelamento” e custas que podem chegar a 30% ou mais do valor da conta.

A PROTEÇÃO AO CONSUMIDOR

Uma concessionária de energia tem uma ARMA fortíssima contra inadimplência, o CORTE DO FORNECIMENTO. Não precisa de mais armas, basta esse poder enorme, ninguém pode viver sem eletricidade, toda a vida hoje depende disso, até para trabalhar é preciso eletricidade.

A ANEEL não acha suficiente o poder que a concessionária tem de cortar o fornecimento? Porque se dá à concessionária o PODER ADICIONAL  DE PROTESTAR E NEGATIVAR  SEUS CONSUMIDORES?  É poder excessivo, é poder abusivo, a ANEEL tem obrigação de defender o consumidor, muito mais frágil do que a concessionária. Essa ação das concessionárias é uma FATO GRAVÍSSIMO, pode fazer o consumidor perder o crédito, o emprego, um novo trabalho, não é algo banal, apenas um incomodo, é muitas mais que um simples aborrecimento, pode arruinar a vida econômica do consumidor, hoje já tão difícil. É impressionante a LEVIANDADE da concessionária em agir como se o consumidor fosse UM inimigo a combater.

Como a ANEEL tira o corpo fora desse esmagamento do consumidor? É assunto típico de regulador, faz parte da relação de consumo, a Agencia tem obrigação de se posicionar, não pode tirar, FINGIR QUE NÃO É COM ELA, ignorar olimpicamente. É coisa séria! Segundo soube pela própria ANEEL, essa permissão de protestar NÃO ESTÁ NO CONTRATO DE CONCESSÃO mas também não é proibida, quer dizer, como não é proibida a ANEEL faz de conta que não vê e deixa fazer como se isso fosse algo normal.

Nos contratos entre partes privadas o que não está proibido é permitido MAS nos contratos onde o Estado é parte o que não está permitido NÃO pode fazer.

Ora, o Contrato de Concessão é de ordem pública, o Poder Concedente é o Estado e como em todo contrato de ordem pública O QUE NÃO ESTÁ PERMITIDO NO CONTRATO não pode ser feito pela livre vontade da concessionária. A Eletropaulo diz que não é proibido, ISSO NÃO BASTA. Precisa ser PERMITIDO EXPRESSAMENTE e não é, a concessionária não pode fazer dentro do contrato o que dele não consta, é um principio de direito em concessões do Estado.

E se permitido fosse pelo menos que se exija o mínimo DE BOM SENSO, de urbanidade, de tratamento civilizado na relação com o consumidor, tem que ser uma relação de boa fé.

1.Um prazo mínimo de 30 dias de tolerância após o vencimento da conta. Cobre-se juros e correção mas uma tolerância mínima existe em todo o comércio e serviços, especialmente em tempos de profunda crise econômica, existe em outros países e sempre existiu no Brasil. Um rigor draconiano de TOLERÂNCIA ZERO no apogeu da recessão e do desemprego, faz sentido?  A ELETROPAULO tem raiva dos consumidores? Ela vive do que?

2.Necessidade de AVISO PRÉVIO de cinco dias  comunicando que a conta será protestada SE NÃO FOR PAGA, aviso por telefone, e-mail ou correspondência, com comprovação.

Hoje a concessionária tem obrigação de avisar sobre o corte MAS não sobre o protesto e negativação na SERASA, isso é o mínimo dentro do conceito de direito do consumidor.

A brutalidade da ação da ELETROPAULO choca pela sua indiferença à situação do Pais, da economia, da vida de seus 6 milhões de consumidores. A ELETROPAULO é uma das provas provadas de que a privatização nem sempre é boa, os serviços e a postura da empresa piorararam radicalmente após a privatização, os cortes de energia nunca foram tantos, a rede de lojas de atendimento foi reduzida a poucas unidades acanhadas, mal instaladas, desconfortáveis, com filas que podem fazer perder muito tempo, o call center é um horror, o atendimento pode levar a horas de espera e as respostas são 90% em gravação que evidentemente não resolvem grande parte dos problemas, o que obriga a ir à loja e enfrentar longas filas, segundo se sabe, TUDO É TERCEIRIZADO, do call center às lojas, a ELETROPUALO quando foi privatizada tinha 27.000 funcionarios, compatível com 6 milhões de consumidores, hoje tem pouco mais de 3.000, porque terceirizou a empresa toda e mudou sua sede para fora de São Paulo, para economizar nos custos, tudo feito para tentar atingir uma taxa de retorno altíssima e para isso vale qualquer coisa.

O grupo global  AES de energia elétrica com sede em Washington é controlado por venezuelanos exilados nos EUA, Andres Gluski, ex-Ministro da Fazenda da Venezuela antes do chavismo é o CEO mundial, no Brasil a Eletropaulo tem como presidente um venezuelano e como diretor financeiro outro venezuelano, da elite que saiu de Caracas quando Chavez chegou ao poder, a energia elétrica de Caracas era também da AES americana.

Em beneficio da dúvida acredito que eles não estão sabendo que seu setor de cobrança está agindo de forma tão irresponsável em relação a seus clientes, tratados como inimigos.

O ABUSO NO PROTESTO DE CONTAS DE LUZ

Tendo já a garantia de poder cortar o fornecimento do consumidor inadimplente custa a crer que o Estado, representado  pela ANEEL, que tem a obrigação de proteger os consumidores contra situações de monopólio, como é o caso das concessionárias de energia elétrica, permita que se jogue o consumidor indefeso na mão de dois monopólios vorazes, a concessionaria e os cartórios. O consumidor está absolutamente  vulneravel a essa extorsão, pois disso se trata, pagar custas altíssimas em cima de contas que não são baratas.

Uma pesquisa rápida no Google indica muitos casos de reclamação de contas protestadas pela Eletropaulo DEPOIS DE PAGAS e a concessionária NÃO cancela o protesto indevido no Cartório, APÓS MESES de reclamação, o consumidor reclama continuamente e a concessionaria nada faz, o nome continua sujo  e bloqueando a vida bancaria do consumidor. E a  ANEEL?

A necessidade pagamento de altas taxas a cartórios para liberar o nome  sujo significa um AUMENTO  INDIRETO NA TARIFA, pode ser 30 ou 40% da conta a mais, ora o custo para o consumidor É REGULADO pela ANEEL, o protesto é um AUMENTO DE CUSTO para o consumidor, isso deveria sensibilizar a ANEEL, que regula a tarifa.

Como a ANEEL se nega a regular esse abuso, vou propor aos congressistas que conheço a apresentação de legislação específica para impedir essa situação de clara exploração do consumidor, uma vez que é do princípio do sistema de concessões que não pode o consumidor ficar desprotegido perante concessionárias monopolistas sob pena de completo desequilíbrio da relação de consumo. O poder da concessionária é desproporcionalmente muito maior frente ao consumidor e cumpre ao Estado proteger o lado mais fraco, é do princípio mais elementar do sistema de concessões de serviços públicos, para isso existem agências reguladoras ou será que é para paparicar as concessionárias?

Média: 4.7 (12 votos)
24 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de LUIZ ANTONIO FERREIRA FERREIRA
LUIZ ANTONIO FERREIRA FERREIRA

protesto

eu também fui protestado apos atrazar a conta 20 dias,será que a lei é pra todos ou para um só numero dainstalação 0028018648

Seu voto: Nenhum

ANEEL

A ANEEL  serve  pra  que  mesmo ???

Seu voto: Nenhum
imagem de André élebê
André élebê

"O poder da concessionária é

"O poder da concessionária é desproporcionalmente muito maior frente ao consumidor e cumpre ao Estado proteger o lado mais fraco, é do princípio mais elementar do sistema de concessões de serviços públicos, para isso existem agências reguladoras ou será que é para paparicar as concessionárias?"

 Descobriu a América, hein AA?? Seu nacionalismo sóbrio e sincero (digo isso com respeito, não ironia) ainda vai te levar para a esquerda antes que a morte te leve dessa vida. Foi o caminho que percorri.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

http://g1.globo.com/sp/sao-ca

http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2014/12/elektro-envia-n...

O PROCON já sabe do problema e já se posicionou, o protesto de contas de luz é INDEVIDO, não tem amparo legal.

Mas o PROCON não tomou o passo seguinte, entrar com uma ação coletiva contra as concessionarias, no caso ELEKTRO e ELETROPAULO, por coincidencia as duas estrangeiras, a primeira da ENRON (e sucessoras) e a segunda da AES.

O PROCON sugere que cada consumidor entre com ação judicial, o que não deveria ser o caso, é um problema coletivo e o PROCON é qum deveria agir. Muios consumidores não tem tempo e capacidade para entrar com ação individual, é para isso que existe o PROCON.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Antonio C.
Antonio C.

Comentário.

Esse é o ponto.

Pergunta-se qual a real utilidade de um PROCON qualquer de fazer a lista das empresas mais denunciadas e, em muitos casos, pelo mesmo problema. A mesma empresa, o mesmo problema, diversas vezes. Já não é um problema individual; trata-se de problema coletivo e com ocorrência continuada.

Seu voto: Nenhum

Com esses direitistas, não é à toa que o chavismo floresce

Deus escreve certo por linhas tortas, por meio de André Araújo eu finalmente descobri porque o chavismo floresce na Venezuela. É só ver o nível dos direitistas de lá. Uma pena que eles tenham sido farol guia para a nossa direita.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

---

O quê?!

Então o André acreditava que as agências reguladoras no Brasil serviam para equilibrarem as relações entre os concessionários e os consumidores?

Então o André acreditava que as concessionárias de serviços públicos, monopólios por natureza, deixavam as decisões sobre as políticas de relacionamentos com os seus clientes nas mãos dos gerentinhos mequetrefes?

Em qual país vive o André? Não tinha conhecimento que as agências reguladoras, criadas por FHC e mantidas por Lula e Dilma, servem apenas garantirem a máxima rentabilidade aos bucaneiros que se apossaram dessas empresas?

O André, pelo visto, não sabia que o capitalismo decretino nos setores de serviços essenciais (água e esgoto, energia, comunicações e dados, transporte coletivo, planos de saúde, educação, etc.) é feito por e para os donos dessas empresas?

Santa Ingenuidade... por onde andou o André nos últimos vinte e cinco anos?

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Amigo, não tenho procuração

Amigo, não tenho procuração para representar o André, mas seu artigo é uma prestação de serviço em defesa do consumidor.
Além de muito bem embasada, a denúncia serve também de argumento para uma boa demanda judicial.
Deveríamos, todos, agradecermos por essa iniciativa.
Depois dessas observações o presidente da Anel não pode se esquivar de suas responsabilidades objetivas.
A tabelinha Eletropaulo x Cartórios denota algo muito grave.
Talvez o Ministério Público, como fiscal da lei, pudesse entrar nessa "jogada" para entender interesses ocultos.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Paulo F.
Paulo F.

Agencias reguladoras

Herança maldita da era FHC!

PS:

O grupo global  AES de energia elétrica com sede em Washington é controlado por venezuelanos exilados nos EUA, Andres Gluski, ex-Ministro da Fazenda da Venezuela antes do chavismo é o CEO mundial, no Brasil a Eletropaulo tem como presidente um venezuelano e como diretor financeiro outro venezuelano, da elite que saiu de Caracas quando Chavez chegou ao poder, a energia elétrica de Caracas era também da AES americana.

Chaves incopetente : devia mandar todos (democraticamente, obvio) para o paredon! 

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de Ivan de Union
Ivan de Union

"todos revoltados e

"todos revoltados e aborrecidos, além de pagar custas abusivas de cancelamento era necessário ir ao Cartório pessoalmente  e perder um dia de trabalho"

Fale com TODOS eles que eh preciso somente UM deles pra ir pra essa compania e enfiar um tiro na cara do primeiro gerente filho da puta que aparecer na reta.

SOMENTE UM.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de baader
baader

ver lei recém sancionada

ver lei recém sancionada 13.460 de 2017

Seu voto: Nenhum
imagem de Paulo F.
Paulo F.

Guardiões da moral e dos bons(?) costumes

Cade eles?

Ta lá na letra da lei

XI - eliminação de formalidades e de exigências cujo custo econômico ou social seja superior ao risco envolvido;

 

Até os detentores das cartas de corso eram mais éticos!

Seu voto: Nenhum

A lei é muito generica e não

A lei é muito generica e não estipula sanções. Dá enfase á Ouvidoria nas empresas mas essas existem formalmente

e precisam ser fiscalizadas por amostragem pelas Agencias. O atendimeno começa por muitas gravações tipo "gincana",

voce aperta uma tecla e pedem outra, numa rosca sem fim, tudo isso depois do aviso "todas nossas posições estão ocupadas"

a espera pode lavar horas. Todas empresas instalam ouvidorias mas poucas funcionam como a lei imagina, são muito burocratizadas e perdem muito tempo com numeros de protocolo mas a eficiencia é pequena, cumprem tabela.

Seu voto: Nenhum

Nãoi achei nada nessa lei

Nãoi achei nada nessa lei sobre cobrança e protesto.

Seu voto: Nenhum

Lição

Espero que pra aqueles comodistas que aceitam bovinamente DÉBITO EM CONTA sirva de lição.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de WG
WG

Caro André, as camadas mais

Caro André, as camadas mais pobres da população convivem com essa realidade há muito tempo. Com mais inadimplência e a ideologia neoliberal dos poderosos de plantão, as empresas e órgãos públicos vão aumentar o massacre sobre os trabalhadores. Se a classe média não fosse tão estúpida e medíocre, o país já estaria ardendo em chamas.

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de joel lima
joel lima

André, pra mim a questão não

André, pra mim a questão não é nem se um serviço é estatal ou privado. O terrível é quando não há GOVERNO para fiscalizar tanto o serviço prestado pelo estado quanto pela iniciativa privada. Hoje o Brasil está na mãos de um bando de parasitas ( o pmdb, o partido parasita ) que vão sugar tudo o que puderem e no melhor estilo latinoamericano se mandar pro exterior levando o que podem se perceberem que essa porcaria vai implodir. Vi no Estadão uma notícia que mostra como o Brasil pratica um capitalismo selvagem ao quadrado = menos perdendo 15 por cento de clientes, os planos de saúde tiveram um lucro líquido de 60 por cento. Tenho certeza que esse capitalismo selvagem ao cubo envergonharia até gente como Reagan e Thatcher. 

Agora quanto aos chefões da AES não estarem a par disso, André, com todo respeito, eu DU VI DO.  A verdade é que as empresas se adaptam aos países assim como o motorista de um país vai dirigir em outro. O motorista brasileiro que viola regras e acha que nem deveria ter calçada é o mesmo motorista que quando visita o Japão respeita direitinho as regras oor lá. Qual é a diferença = no Brasil, ele pode até matar e só com muito azar vai pegar uns dias de cana e por mais bárbaro que seja o acidente que comenta, matando dezenas de pessosa, nunca perderá a cnh; no Japão, ele, além das penas duríssimas, terá que pagar indenização à família de uma vitima que ele tenha causado por direção perigosa. 

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de ze sergio
ze sergio

protesto....

Caroi André: bemvindo à ilha da Fantasia. O que falavam das Privatarias? Privatiza que melhora?! E das Agências Reguladoras? Para defender o Direito dos cidadãos? A Energia Elétrica mais barata do Mundo, produzida por Hidrelétricas construídas nos governos militares e de Paulo Maluf, transformada na energia mais cara do planeta por privatarias socializantes. E esta gente quer voltar para o Planalto!! Agora sabe para que servem cartórios? Servem para isto. O Brasil se explica.  

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Prezado André Alguns exemplos

Prezado André

Alguns exemplos do "capitalismo primata" em que as viúvas do neoliberalismo jogaram o Brasil:

 

1 - Também sou engenheiro, e reformei uma casinha que era de minha avó (já falecida), para que minha mãe a alugasse e tivesse um complemento na renda. Houve a necessidade de mudar a posição do medidor (o "relógio"), e fiz a solicitação na loja da Eletropaulo de Santo André. Fui informado que "em 10 dias sua solicitação será atendida". Depois de um mês, fui àquela droga ver o qu acontecia, e a atendente me disse que " A Dona Vergínia (minha avó) não permitiu a mudança do medidor". Depois de rir na cara da pirralha, disse que a equipe deve ter falado com o fantasma da Dona Vergínia, porque ela tinha morrido há 10 anos. E a pirralha ainda ficou brava porque tirei uma da cara da dela, dizendo que "o sr. devia mudar o cadastro do imóvel". Quer dizer, a cascata de quem foi lá não importa, não é mesmo?

2 - Recebi uma carta de reajuste do plano de saúde, que é um insulto: além de ofender a inteligência ao dizer que a "inflação médica (?) foi de 40% noano passado, conseguimos reduzir o reajuste para 'apenas' 19,80%". E aí, caro André, não é apenas a ANEEL que está na mão de pilantras, a ANS (Agência Nacional de Saúde Suplementar) é um braço das operadoras de saúde (o ministro da saúde é um capacho imundo e mal cheiroso dos planos de saúde, que bancaram sua campanha)

Então, só vejo uma saída: como não tivemos nossa Revolução Francesa, que tal pôr para correr (não sou um jacobino) estes safados todos? 

 

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Caro Luis Armidoro, no início da revolução francesa os ......

Caro Luis Armidoro, no início da revolução francesa os Jacobinos não eram tão furiosos, a medida em que foram notando a dificuldade em mudar o que deveria ser mudado o humor foi azedando.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Os cartórios são uma

Os cartórios são uma excrescência. Minha mãe faleceu ano passado e eu (e minhas irmãs) gastamos por volta de 8 mil em cartórios para certidões negativas de todos os tipos imagináveis e para lavração da escritura e registro, para um imóvel de 40 anos avaliado em torno de 500 mil reais (e olhe lá). Além do Itcd que o governo do sr Pimentel cobrou 40 mil ao avaliar o apto em 660 mil, pois, eles olham o valor médio do metro quadrado na região não se dando o trabalho de mandar um avaliador ao local para olhar as condições do imóvel, localização, etc, prejudicando, assim, aqueles que têm imóveis de valores venais menores em detrimento dos mais caros. A quem recorrer? À justiça mais corrupta do planeta? Prefiro a morte.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Falando em herança e o tal ITCD,

eu e meus familiares passamos também em Megê por um conluio estadual-federal-bancário-tributário esquizofrênico, envolvendo o ITCD:

Logo depois do falecimento de um familiar, contratamos um advogado especializado em cuidar de inventário e de partilha entre os herdeiros.

Este advogado foi rapidamente verificar o ITCD e trouxe uma informação interessante: se o pagássemos em até 30 dias o valor total devido, receberíamos um desconto em torno de R$ 9.000,00, o que foi feito.

Depois de alguns meses, já no ano seguinte, foi feita a última declaração de renda do falecido, conforme calendário da receita federal. Essa dava direito a uma restituição em torno de R$ 3.000,00 a ser entregue ao inventariante, que também foi um herdeiro.

Essa restituição não estava prevista na época do inventário, por motivos óbvios: ela é calculada na época da entrega das declarações de renda.

Quando finalmente a Receita resolveu entregar a restituição, ela o fez pelo Banco do Brasil. Pois bem, um gerente do tal banco só aceitava entregar ao inventariante essa restituição, se o inventariante a inserisse na partilha, o que pode ser feito por um processo chamado de "sobre-partilha".

Fomos então ao órgão responsável pelo ITCD e este concordava com a sobre-partilha, mas o desconto mencionado acima deveria ser devolvido.

Ou seja, nesse conluio, para se receber os tais R$ 3.000,00 da restituição, deveria ser pago R$ 9.000,00 de retorno do desconto.

Como todos os herdeiros sabiam fazer contas, optou-se por desistir da restituição, que retornou aos cofres da receita.

Se isso foi um ardil do tal gerente para descolar um trocado, ele ficou sem nada.

É ou não é esquizofrenia pura, nesse conluio estadual (ITCD), federal (declaração) bancário (?!) tributário (Receita) ?

 

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Target

Meu caro André..

A explicação é simples: trata-se de um "target" que o "country-manager" colocou no "Sales VP", "account receivable manager" e  o "Legal VP" do País para atingir o "quarter", melhorando desde já o "year-to-date" (YTD) e garantir o "Golden Circle Dinner" em alguma cidade paradisíca nos USA com o Global CEO, e principalmente  assegurar o respectivo bonus,  para toda a equipe local, troféu "rookie of the year", troféu "sales champion" e premio "best staff manager", etc.... Sabendo que o risco de uma "legal action" é mínimo e por cima "manageable", não estarão mais aqui quando a "subpoena" bater na porta. Qualquer coisa, "call the FBI " para "dar um jeito" na coisa aqui.

Um trombadinha faz o mesmo resultado sem esse palavreado todo.

 

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Jotage
Jotage

Princípios

Não é bem assim.

Em tempos de ditadura as empresas dirigidas por executivos sem nenhum vínculo com o povo deixa de lado a humanidade e os diretores desta empresa confirmam a falta de caráter que eles escondiam.

A Eletropaulo está começando é uma guerra. Isto é um engano monstro dos mentecaptos que implantaram estas diretrizes. Redes de energia e subestações de transformação são extremamente vulneráveis a vandalismo.

Ninguém ataca uma rede ou subestação, porque todo mundo depende da energia. Agora, se a empresa é inimiga da população, bom os princípios se vão.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Paulo F.
Paulo F.

Em portugues claro

Tunga e achaque!

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.