newsletter

Luis Nassif Online

Dilma tem cometido desacertos, mas ela é a única em condições de manter modelo atual de desenvolvimento; por Luis Nassif
92 comentários
Em 1993 houve um encontro histórico, juntando Raphael Rabello, Charles da Flauta, Luizinho Sete Cordas, João Macambira
6 comentários
"É muito mais decisão política do que orçamentária. É decisão politica dizer que ônibus não vai ficar atrás do carro"
46 comentários

Multimídia do dia

As imagens e os vídeos selecionados.

Média: 2.3 (3 votos)

Fora de Pauta

O espaço para os temas livres e variados.

Média: 3 (2 votos)

Clipping do dia

As matérias para serem lidas e comentadas.

Média: 3.7 (3 votos)

O retrocesso da Polícia Militar em São Paulo

Sinceramente, não sei o que aconteceu com a Polícia Militar de São Paulo. Parece parte do intenso processo de decadência das instituições paulistas, que não poupou as Universidades, os institutos de pesquisa, do Butantã ao Museu do Ipiranga, o Memorial da América Latina, o Cepam, Fundação Seade, Emplasa.

Anos atrás, recebi um convite para visitar a PM. Estava empenhadíssima em programas de qualidade, orgulhosa dos avanços obtidos internamente. Na parte musical, a Banda Marcial e a Sinfônica, com quadros de primeiríssima.

De repente, o caos.

Ontem, um amigo que tem escritório na República testemunhou a maneira como a PM atuou contra as famílias que invadiram um prédio abandonado.

Recentemente ele acompanhou trabalhos de hospitais bem organizados. Todo procedimento tinha protocolos. A enfermeira seguia protocolos para arrumar a cama do paciente, para colocar sonda, para tirar temperatura.

O que ele testemunhou com a PM foi a falta total de protocolos.
Média: 5 (12 votos)

Marina faz comício esvaziado na terra de Lula, no ABC paulista

Jornal GGN - Nesta sexta-feira (19), Marina Silva (PSB) teve apenas uma agenda pública: um comício tímido na Praça da Igreja Matriz, no centro de São Bernardo do Campo (SP). O ex-presidente Lula mora ali, no berço de movimentos sindicais e do PT. De acordo com uma pesquisa local, a ex-ministra do Meio Ambiente bate Dilma com vantagem de 10 pontos no primeiro turno.

O bom desempenho no reduto petista "é um indicativo de que aquelas pessoas que se mobilizaram na década de 1970 para buscar a nova política, para garantir conquistas sociais, continuam à frente daqueles que desistiram dessa agenda e agora estão indo para o caminho do retrocesso", avaliou Marina.

Mas se por um lado os números sopraram à favor de Marina no ABC, por outro, a chuva intermitente, a organização do evento e o cansaço físico da candidata contribuiram para um comício esvaziado. Marina fez um discurso rápido, em cima de um pequeno trio elétrico, ao lado de Beto Albuquerque e Luiza Erundina e foi embora. Sem direito à caminhada pela principal via comercial da cidade, entre populares. Dilma, quando passou por lá no último dia 2, fez questão de travar o trânsito por quase duas horas, ao lado de Lula.

Leia mais »

Média: 2.3 (9 votos)

Augusto Boal: o subversivo maravilhoso

Outras Palavras

       

Encenação de “Murro em ponta de faca”, do Boal, com direção de Paulo José, em 2013. Em cena, Laura Haddad, Gabriel Gorosito, Erica Migon, Sidy Correa, Abílio Ramos e Nena Inoue

 

Em seu testamento, ele propôs: “Temos obrigação de inventar outro mundo. Mas cabe construí-lo com nossas mãos, entrando em cena, no palco e na vida.”

Por Paulo Cannabrava Filho;  Imagem Roberto Reitenbach

 

Boal queria transformar o mundo. Queria um mundo em que as pessoas pudessem se realizar em todo seu potencial. Quando voltou dos Estados Unidos, em 1956, veio com uma das mais poderosas armas para o desenvolvimento humano. Veio com o teatro incorporado a seu ser, acreditando que Stanislavski o ajudaria a levar a cabo a revolução cultural necessária. E reinventou o teatro.

Naquela época, o Brasil se reinventava em todos os aspectos da criatividade humana: reformas de base, teatro, cinema novo, bossa nova, poesia concreta, CPC da UNE, democracia, CGT/Pua[1] , Congresso de Trabalhadores Agrícolas, projeto nacional de desenvolvimento, plano trienal…. é, o Brasil se reinventava.

Leia mais »

Média: 4 (2 votos)

'Deus e o Diabo' marca abertura do 47º Festival de Cinema de Brasília

Enviado por Jota A. Botelho
Do EBC - Agência Brasil 



Cerimônia de abertura da 47ª edição do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

FESTIVAL DE BRASÍLIA DO CINEMA BRASILEIRO - 2014


A abertura do 47º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro foi marcada pela exibição do filme Deus e o Diabo na Terra do Sol, que completa 50 anos de lançamento. A obra, do cineasta Glauber Rocha, é considerada um clássico pelos críticos. Lançado em 1964, foi indicado à Palma de Ouro no Festival de Cannes. A cópia exibida na noite de abertura foi restaurada.

Na abertura do evento, o secretário de Cultura do Distrito Federal, Hamilton Pereira, disse que o filme é um marco na vida do país. "Ele nos convoca, chama para colocar a nossa cara na frente do espelho, das nossas grandezas e misérias”. Paloma Rocha, filha de Glauber, esteve presente ao evento. “Eu recebo essa homenagem com carinho, orgulho. Acho que Deus e o Diabo abrir esse festival é uma honra”. Ela elogiou a retomada do antigo formato do festival, em que os filmes competem sem a separação em gênero. “Estou feliz pela retomada do seu espírito, privilegiando a autoria, a invenção e a qualidade dos filmes que estão em competição. É um festival importantíssimo, que tem a tradição de trazer para as telas o que há de mais interessante de inovação no cinema brasileiro, de linguagem e métodos de produção” acrescentou.

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

Cuba - 1918

Postal de Cuba de 1918, com habitação rústica e uma carruagem transitando, um meio de transporte usual na época.

  •  

 

Leia mais »

Média: 5 (4 votos)

Livro de fotógrafo português retrata atuação de ditaduras no Cone Sul durante Operação Condor

Operamundi: Exposição no Paço das Artes, em São Paulo, a partir do dia 23, traz imagens da obra, que contém documentos e histórias de vítimas das ações autoritárias 


Antigos militares acusados pelo Ministério Público da Argentina durante sessão de julgamento por crimes contra a humanidade

Em 1973, o chileno de 17 anos Fernando Mora Gutiérrez ajudou a desatolar um caminhão do Exército com uma pá, perto da fronteira com a Argentina. Perguntou para onde os oficiais estavam levando um grupo com 17 homens da vizinhança, que contava com seu pai, Sebastián. Os militares não responderam, mas convocaram o rapaz para acompanhá-lo. Ele assentiu e subiu no veículo.

O caminhão regressou no dia seguinte para devolver à família somente a pá de Fernando. O jovem e os outros homens, trabalhadores sindicalistas da zona madeireira, haviam sido fuzilados pela “Caravana da morte” no que ficaria conhecido como o massacre de Chihuío, e seus corpos desapareceram. Quem conta a história é o português João Pina, que conversou e fotografou Alterneriana (ou 'María') Mora, mãe de Fernando e viúva de Sebastián, e sua filha Sonia.

Leia mais »

Média: 4.4 (5 votos)

Infiel: A História de Uma Mulher Que Desafiou O Islã

Infiel
A História de Uma Mulher Que Desafiou O Islã
Ayaan Hirsi Ali - 496 páginas - Companhia das Letras
Infiel - A história de uma mulher que desafiou o Islã, Ayaan Hirsi Ali.

 


 

Sinopse:

"Em novembro de 2004, o cineasta Theo van Gogh foi morto a tiros em Amsterdã por um marroquino, que em seguida o degolou e lhe cravou no peito uma carta em que anunciava sua próxima vítima: Ayaan Hirsi Ali, que fizera ao lado de Theo o filme Submissão, sobre a situação da mulher muçulmana. E assim essa jovem exilada somali, eleita deputada do Parlamento holandês e conhecida na Holanda por sua luta pelos direitos da mulher muçulmana e suas críticas ao fundamentalismo islâmico, tornou-se famosa mundialmente. No ano seguinte, a revista Time a incluiu entre as cem pessoas mais influentes do mundo.
Como foi possível para uma mulher nascida em um dos países mais miseráveis e dilacerados da África chegar a essa notoriedade no Ocidente?

Leia mais »

Média: 3.6 (5 votos)

Alberto Youssef tenta afastar juiz que o condenou no caso Banestado

 
Jornal GGN - Passaram-se mais de 10 anos desde que o Caso Banestado foi investigado, e somente nesta quarta-feira (17), o doleiro Alberto Youssef foi condenado pelo crime de corrupção ativa, praticado no final da década de 1990, a 4 anos e 4 meses.
 
A ação havia sido suspensa diante do acordo de delação premiada, firmada entre Youssef e o Ministério Público Federal e do Estado do Paraná. Entretanto, com a apuração da Operação Lava Jato, o MPF entendeu que houve quebra de acordo por parte do doleiro e a ação foi retomada em maio deste ano, com a decisão proferida nesta semana pelo juíz da 13ª Vara Federal de Curitiba.
 
O Ministério Público denunciou o caso em 2003, apresentando que Alberto Youssef obteve um empréstimo fraudulento de US$ 1,5 milhão, em agosto de 1998, para a Jabur Toyopar Importação e Comércio de Veículos, junto à agência Grand Cayman do Banestado, mediante o pagamento de US$ 131 mil de propina a Gabriel Nunes Pires Neto, então diretor de Operações Internacional do banco do governo do Paraná.
Média: 5 (2 votos)

Vivendi vende GVT para Telefônica Vivo

Jornal GGN - O conglomerado francês Vivendi anunciou que seu conselho administrativo autorizou a venda da filial brasileira GVT (Global Village Telecom) para a Telefônica Brasil. As negociações envolvendo as empresas tiveram início em 29 de agosto e a operação inclui pagamento em dinheiro de € 4,663 bilhões, além de 12% do capital social da Telefônica Brasil, após sua integração com a GVT.

O pagamento total da operação poderá ser financiado por meio da ampliação do capital da Telefônica Brasil. A Telefónica S.A, subscreverá, mediante outra ampliação, sua parte proporcional correspondente à participação de 74% na filial brasileira.

"Ao seguir a opinião favorável das instâncias representativas dos funcionários, o conselho de administração da Vivendi autorizou a assinatura com a Telefónica do acordo definitivo relativo à aquisição da GVT, sua filial brasileira com participação de 100%", afirma um comunicado do grupo."A Vivendi receberá 7,4% do capital da Telefónica Brasil, que tinha valor na Bolsa de 2,02 bilhões de euros em 18 de setembro, e 5,7% do capital da Telecom Italia, cujo valor na Bolsa era de 1,01 bilhão de euros em 18 de setembro", destaca a nota.

Leia mais »

Média: 1.5 (4 votos)

O novo iPhone e seu culto, por Fábio de Oliveira Ribeiro

A euforia produzida pelo lançamento do novo iPhone é um fato. E não evidencia apenas o sucesso comercial da marca Apple, nem tampouco as virtudes do produto.

Como qualquer outro telefone celular, o novo iPhone tem data marcada para se tornar obsoleto. Ano que vem uma nova versão será lançada provocando nova corrida às lojas. Antes disto, porém, as baterias dos iPhones vendidos este ano terão perdido a eficiência e precisarão ser substituídas a um custo elevado nas autorizadas da Apple. Isto parece não afetar a ligação quase religiosa que os consumidores tem com a Apple e com o iPhone.

Cada época tem seus objetos de culto, seus receptáculos da fé. Na cidade antiga, o fogo sagrado era venerado no Pritaneu. Em casa diante do altar os cidadãos cultuavam os simulacros dos seus ancestrais, em público participavam dos rituais em louvor dos heróis e deuses protetores de sua cidade representados pelas magníficas estátuas de mármore e de bronze. Na Antiguidade, a arte estava a serviço da política e da religião, a produção do que era necessário ao culto privado e público também.  

Guardadas as devidas proporções, durante a Idade Média as Catedrais e as relíquias dos santos e lascas da verdadeira cruz desempenharam a mesma importância religiosa, pedagógica, política e econômica que os templos e rituais da cidade antiga. Nos dias de hoje, a Lojas da Apple são os equivalentes do Pritaneu e das Catedrais. E o iPhone é sem dúvida alguma receptáculo da verdadeira fé. Por isto, a obsolescência programada deste telefone causa tão impacto negativo na sua comercialização.

Leia mais »

Média: 4.5 (8 votos)

Cuba pede a países desenvolvidos apoio na luta contra Ebola

Jornal GGN – Cuba apelou, nesta quinta-feira, aos Estados membros da ONU, que não abandonem os países afetados pela crise do Ebola. Exortou, principalmente, que as nações com maiores recursos unam-se ao esforço global contra a doença.

“A humanidade tem uma dívida com os povos da África”, disse o vice-ministro de Relações Exteriores de Cuba, Abelardo Moreno, durante sua intervenção na sessão de emergência sobre a epidemia do vírus, convocada pelo Conselho de Segurança da ONU.

O país caribenho ofereceu recentemente à OMS cooperação no controle do vírus com o envio de uma equipe de 165 profissionais de saúde à Serra Leoa.

O diplomata enfatizou que a resposta de Cuba é parte de uma longa história de ajuda à África, Ásia e América Latina no campo da medicina, que já beneficiou mais de 158 países com 325 mil profissionais de saúde.

Leia mais »

Média: 5 (4 votos)

Escócia permanece na Grã-Bretanha

 
Jornal GGN - A Escócia não será independente do Reino Unido, decidiu a maioria dos eleitores (55,3%) no referendo realizado no país, nesta quinta-feira (17). Em torno de 84% da população escocesa participou da votação, um total de 4.285.323 eleitores.
 
Do Estado de S. Paulo
 
 
Por Andrei Netto, correspondente
 
Resultado oficial saiu na madrugada desta sexta-feira, 19, quando urnas indicaram 55% a 45%; premiê britânico diz que cumprirá promessa de transferência de poderes para Edimburgo, mas quer esperar resultados das eleições gerais da Grã-Bretanha em 2015
 
Em um dia histórico na trajetória milenar da Escócia, 55,3% dos eleitores decidiram pela vitória do "não " à independência em relação à Grã-Bretanha, contra 44,7% pela secessão. O resultado foi anunciado nesta madrugada, pouco antes das 5h50, horário local - 1h50 no Brasil -, quando a apuração dos 3,6 milhões de votos chegou a 80%. Em pubs e praças públicas de Edimburgo e Glasgow, festa e decepção dividiram os escoceses, encerrando dois anos de disputa.
 
Ao todo, a campanha Better Together, liderada pelo ex-ministro de Finanças trabalhista Alistair Darling, com o apoio dos três maiores partidos britânicos, alcançou 2.001.926 votos, contra 1.617.989 votos para a Yes Scotland, campanha liderada por Alex Salmond, primeiro-ministro escocês e líder do Partido Nacional (SNP). O resultado foi atingido com uma participação recorde desde 1950: 84,5% dos eleitores inscritos nas listas eleitorais foram às urnas, dado que confirmou a mobilização popular em torno da autonomia em relação à Grã-Bretanha.
Média: 1.7 (6 votos)