Revista GGN

Assine

A "reorganização silenciosa" das escolas estaduais não passará, por Maria Izabel Azevedo Noronha

Foto Laura Viana/Brasil de Fato

A "reorganização silenciosa" das escolas estaduais não passará

por Maria Izabel Azevedo Noronha

No segundo semestre de 2015, após a mais longa greve dos professores, que durou 92 dias, o Governo do Estado de São Paulo decidiu "reorganizar" a rede estadual de ensino, anunciando o fechamento de 94 escolas e desmembramentos em outras 754 unidades, com fechamentos de classes e remanejamentos de estudantes. Muitas crianças e jovens seriam excluídos da vida escolar.

O governo foi fragorosamente derrotado pela mobilização conjunta dos professores, estudantes, pais e movimentos sociais. Houve manifestações organizadas pela APEOESP desde o momento em que o então Secretário Herman Voorwald anunciou o projeto e, mais tarde, ocupações das escolas envolvendo milhares de estudantes e também professores e outros movimentos. Como resultado de todo esse processo, o Secretário da Educação foi exonerado.

Ocorre que o Governo continua implementando a tal "reorganização", mas mudou o método. Vem fechando classes paulatinamente em todas as regiões do estado, provocando superlotação, evasão escolar, exclusão, desemprego de professores e queda na qualidade do ensino.

Milhares de classes foram fechadas

Em 2015, foram fechadas pelos menos 3.390 classes, de acordo com levantamento parcial da APEOESP. Em 2016, nosso sindicato constatou, em levantamento parcial, o fechamento de pelo menos 1.500 classes. No primeiro semestre de 2017, também em levantamento parcial, estimamos que 1.400 classes possam ter sido fechadas e nem mesmo durante o recesso escolar de julho o processo foi interrompido. A APEOESP recebeu denúncias de diversas regiões notificando classes fechadas (anexo).

As denúncias apontam que pelo menos duas escolas estão passíveis de fechamento, não mais disponibilizando vagas no ano letivo de 2018, apesar da existência de demanda. O Governo Estadual pretende fechar a Escola Estadual Flamínio Lessa, em Guaratinguetá, e a Escola Estadual Professor Leopoldo José de Sant´Anna, em São Vicente, ambas em razão dos planos da Secretaria Estadual da Educação de destinar seus prédios para instalações das respectivas Diretorias de Ensino.

Não aceitamos a reorganização escolar, seja ela explicita ou silenciosa, como vem ocorrendo. O estado de São Paulo possui enorme demanda de crianças e jovens fora da escola e de adultos que não puderam estudar na idade apropriada, que deveriam ser acolhidos na Educação de Jovens e Adultos (EJA), mas também classes de EJA são fechadas.

Campanha pelo direito à escola pública

Por isso, a APEOESP vai organizar, em conjunto com estudantes, pais e toda a comunidade, uma grande campanha contra o fechamento e a superlotação das classes e contra o fechamento de escolas. Nossas subsedes trabalharão para coletar, registrar e apresentar às escolas, às Diretorias de Ensino e à Secretaria Estadual da Educação toda a demanda por vagas nas escolas estaduais, para impedir que continua a ser levado adiante este crime contra nossas crianças e jovens.

Vamos mobilizar as comunidades no entorno das escolas onde estão ocorrendo os fechamentos de classes e aquelas ameaçadas de fechamento. Há muitos casos em que a mobilização impediu os fechamentos ou impôs grande redução das escolas atingidas. Vamos continuar denunciando nos meios de comunicação esse projeto do Governo do Estado, que deveria, isto sim, desmembrar as classes superlotadas, reduzir o número de estudantes em cada uma delas, abrir novas classes onde há demanda e promover a qualidade de ensino, o que não ocorre com a atual sobrecarga de trabalho dos professores.

Em 2015, nós impusemos uma grande derrota a este Governo. Em 2017, a "reorganização silenciosa" da rede estadual de ensino não passará.

Maria Izabel Azevedo Noronha - Bebel
Presidenta da APEOESP

Assine

Média: 3 (2 votos)
3 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Alexandre VI
Alexandre VI

Esse negócio

de 'no passaram' dá maior azar. Quando fala-se nisso é porque já passou tudo. Fala um aí que deu certo com esse discurso de fracassado.. Se deu certo é porque não falou.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Descobriram o caminho das pedras

Pois é, essa é a tática atual do golpe do dólar: cozinhar em fogo brando para evitar que as pessoas se revoltem. E é claro, com as firmas privadas de entretenimento noticioso mentindo que está tudo bem, seja através de interpretação dos fatos, da omissão completa ou ainda de desvios para outros assunto (do tipo "Saiba como se comportar em restaurantes" e outras bobegns).

Mas quanto ao cozimento constante mas em fogo brando, isso acontece aqui, nas escolas de segundo grau, na USP, na Sabesp... mas também no Iraque, na Síria, contra a Coreia do Norte, na Grécia, praticamente em todos os lugares que o dólar está atacando estados e cidadãos.

"Bombardeio ao 'La Moneda' nunca mais, o pessoal chia muito. Mais fácil encher aquilo lá de sorridentes palhaços à Ronald Mac Donald."

Seu voto: Nenhum

Governo neoliberal

A sindicalista deve lembrar que após esse movimento o governador elegeu  em primeiro turno o prefeito e o golpe se consolidou. A ldb foi modificada. Tudo está diferente. 

Seu voto: Nenhum

George Vidipó

aviso aos amigos...

da APEOESP, .... O que tem de "P2" infiltrado, ... tanto na APEOESP como no meio estudantil, é impressionante !

logo, ...logo vai começar a "sumir" professor e líder estudantil ....  1964 voltou !

Seu voto: Nenhum (1 voto)

pacoandrade

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.