Revista GGN

Assine

As frentes de esquerda e a sabedoria das geringonças, por Reginaldo Moraes

 
Por Reginaldo Moraes*
 
Em Portugal, duas organizações de esquerda bem ‘duras’, o PCP, de origem estalinista, e o Bloco, de raízes trotskistas, concordaram em apoiar um governo do PSP, centro-esquerda moderada, que já executou políticas de austeridade. Lição para o Brasil?
 

O brasileiro Ruy Braga (ex-PSTU e atual PSOL) e Elísio Estanque (Bloco de esquerda português) assinam importante artigo no jornal Público, de Lisboa: “Uma geringonça para o Brasil?”. Oportuno, merece muita atenção. Leia aqui a versão digital.

A meu ver, o artigo traz uma enorme contribuição ao debate político brasileiro. Digo “a meu ver” até porque já externei esse ponto de vista. E, deliberadamente, para sugerir tal reflexão, me dei ao trabalho de escrever um livrinho sobre a experiência do Bloco de Esquerda e o Podemos. O artigo dos dois vale desde logo por sua conclusão. Só que a conclusão conflita com algumas afirmações que a precedem. E a conclusão deixa de lado uma premissa fundamental – e que, com certeza, incomoda os autores (Ruy, pelo menos). Vejamos.

O artigo começa reconhecendo as “as inegáveis conquistas alcançadas pelos primeiros governos do PT”. Duas notas sobre essa afirmação. Primeiro, que elas existiram, é certo, mas, como sabem os autores, foram bem pequenas. Ocorre que, dada a enorme desigualdade existente no Brasil, conquistas pequenas como essas são simplesmente fantásticas para o lado de baixo e intoleráveis para o lado de cima. De qualquer modo, é algo positivo ver, na pena de gente que sempre o negou, que nem tudo no governo do PT foi traição de classe. Embora, reconheço, muita coisa me pareça perto disso – ou, pelo menos, foram concessões para lá de dispensáveis.

Mas as conquistas existiram – e certamente em parte explicam porque, ao contrário de certas análises mais apressadas, o “ciclo do PT” não é tão claramente “passado”. Recentes pesquisas de opinião (mais de uma) apontam não apenas o apelo popular (e eleitoral) de Lula, mas, também, o crescimento da preferência pelo PT, pelo partido. E tudo isso depois de uma guerra midiática anti-PT. Qualquer plano político sério tem que levar isso em conta.

Mas o uso do cachimbo entorta a boca, como se dizia antigamente. Falo de Ruy, mais diretamente, porque está muito mais ligado ao tema do que Estanque, por suposto. Assim, Ruy lamenta “certa reticência por parte da principal liderança popular da história brasileira: Luiz Inácio Lula da Silva”. É mais do que um lamento, é uma insinuação, que mais adiante se revela uma acusação. Não descarto que haja tal resistência – creio que existe – e ela seria menor, claro, em alguém como eu ou Ruy, que não temos as condições do ex-presidente. Não temos o eco (e, portanto, a responsabilidade) que ele tem. Nem temos a condição de cidadão à beira de uma condenação e, até, no limite, encarceramento. Se estivéssemos em tal condição, creio, teríamos algumas reticências.

Mais adiante, há outras afirmações indevidas ou carentes de comprovação factual. O artigo menciona a existência de negociações entre a direção do PT e o deputado golpista Rodrigo Maia para obter o afastamento de Temer. Seria bom comprová-las, até porque, explícita e enfaticamente, tanto Lula quanto a presidente do PT rejeitaram essa via. Se os autores têm informação relevante a respeito, seria bom expor ao público (e no Público…). Que haja petistas (e até grão-petistas) com essa inclinação, não duvido. Mas há em outros partidos de esquerda gente grossa que parece sonhar com Moro ou Dallagnol em sua chapa. Ou não? Mas, é relevante?

A dita reticência e o cultivo das negociações de gabinete à direita seriam, segundo o artigo, uma explicação para o arrefecimento das frentes de massa influenciadas pelo partido (como a CUT e a Frente Brasil Popular). O argumento poderia ter algum sentido, acho que tem, só que é um pouco arriscado dizer que “a desmarcação da greve geral inicialmente prevista para o dia 30 de junho aponta nesse sentido”. Os fatos – e certamente Ruy os acompanhou bem de perto – mostram que nas duas semanas que precederam a greve houve recuos claros e fortes de duas centrais que controlam setores relevantes para o sucesso da paralisação (transporte ferroviário, metrô, ônibus).  No caso do Metrô de São Paulo, por exemplo, o próprio PSOL se dividiu – e uma parte optou pela não adesão à greve. O mundo é um pouco mais cinzento.

De qualquer modo, não daria tanta importância a tais desacordos com os autores. São menores, em vista da mais do que relevante (e surpreendente) conclusão: “O país necessita de uma ‘saída portuguesa’. Precisa de uma geringonça”.

O que é a geringonça?

Para ver o tamanho da dificuldade e os caminhos tortuosos que ela nos indica, é preciso explicar ao leitor brasileiro o que quer dizer a “geringonça” portuguesa. Elisio Estanque, que viveu essa história, pode corrigir ou completar minha descrição.

A geringonça é, fundamentalmente, um acordo pelo qual duas organizações de esquerda bem “duras” (o PCP, de origem estalinista, e o Bloco, de raízes trotskistas) concordaram em apoiar um governo do PSP, uma centro-esquerda para lá de moderada. Afinal, o PSP fora, anteriormente, executor de políticas de “austeridade” neoliberais. E seus “barões” são claramente aparelhistas, fisiológicos. PCP e BE tinham 21% dos votos no parlamento. Com isso, se apoiassem o PSP (com 30%), este poderia formar o gabinete, isto é, o governo do país. Bom, um governo de coalizão? Não exatamente, porque PCP e BE não participam do gabinete, não indicam ministros, secretários, nada disso.

A geringonça, no plano do governo nacional, começou, de fato, com experimentos similares em governos locais, como em Lisboa. A geringonça foi uma decisão nada fácil para o BE, por exemplo. O partido tinha uma tradição de política bem à esquerda, não fazia acordos com partidos “reformistas” ou “social-liberais”. A decisão de ir para a geringonça não foi fácil e sem sequelas. E as políticas do governo geringonça estão longe de constituir um “novo projeto de desenvolvimento” ou uma ruptura com o capital. Contudo, com todas essas limitações, trouxeram ganhos significativos para os trabalhadores e recuperaram a qualidade das políticas públicas (saúde, educação, previdência). Uma geringonça para o Brasil, como querem os autores, deveria partir da avaliação dessa experiência, de suas premissas e de suas dificuldades.

Uma ideia no contrafluxo?

Como disse, creio que a ideia faz muito sentido. E, como disse, venho apontando isso faz tempo – com o pouco que minha voz pode ecoar. Mas esta ocorrência é surpreendente por vários motivos. Primeiro, porque introduz pelo menos uma dissonância (se não uma mudança de tom) no artigo – aquilo que vem antes enfraquece a proposta, quase a impede. Segundo, porque conflita com toda a trajetória dos grupos que os autores chamam para o acordo (sobretudo o grupo a que pertence Ruy, nem falar daquele que abandonou). O PSOL rejeitou até mesmo o apoio eleitoral do PT na segunda volta das eleições municipais, no Rio e em Belém (onde, aliás, aceitou e abraçou efusivamente a adesão de direitistas renomados, uma geringonça singular). Estaria agora disposto a um governo conjunto com o PT?

Mas vou um pouco adiante. Certa vez, em conversa, disse a um amigo português que o Bloco havia feito um acordo com um partido que está à direita do PT, eu diria mesmo que o PS português está mais próximo de um PMDB, pela fisiologia de boa parte de seus dirigentes e pelas políticas que executou quando governo. E as políticas do atual governo-geringonça são mais do que moderadas, são reformas pontuais num ajuste (a tal austeridade) que a direita lhe deixou como herança.

Dito isto, só me resta concordar com a conclusão, mas lembrar essas ressalvas para apontar as dificuldades. Um movimento dessa natureza – a confluência rumo a uma geringonça tropical – não provoca apenas “mau humor” em Lula, como vazou a mídia liberal. Sei (e os autores também) que gerou bem mais do que isso em boa parte do PSOL. São obstáculos a superar – e é bom reconhecer onde estão, não onde a nossa antiga crença nos diz que estão.

Braga e Estanque dão uma enorme contribuição a esse debate. É preciso que siga adiante.

**Professor da Unicamp, pesquisador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Estudos sobre os Estados Unidos (INCT-Ineu) e colaborador da Fundação Perseu Abramo. É colunista do Brasil Debate

Média: 3.4 (5 votos)
5 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Flavio Marcio
Flavio Marcio

A "geringonça à brasileira"

A unidade de

ação das esquerdas e dos setores democráticos da sociedade brasileira é uma exigência material da História, e não uma forçação de barra ou acochambração de idealistas ingênuos. Naturalmente, ela tem que estar calçada nas 

convergências programáticas que buscam combater a aliança entre o neoliberalismo 2.0, o neofundamentalismoe o neonazifascismo que produziram o golpe. E na identificação da real representatividade na sociedade de cada um dos condutores desta unidade progressista de modo que ela tenha legitimidade e

reconhecimento popular. 

Não dá mais pra ignorar que a realidade já desfez algumas advertências que antes pareciam apenas figuras 

literárias, a saber:

1- Muita atenção com o Ovo da Serpente! - Ocorre que algumas serpentes já chocaram e estão à solta por aí dando botes cada vez mais agressivos (Doria/Alckmin na Cracolândia, o lawfare contra o Rafael Braga e o Lula, a invasão impune da Escola do MST, a escalada de assassinatos e barbárie contra lideranças indígenas e de movimentos sociais, etc)

2-  Cuidado com a impressa cínica, mercenária, corrupta! – Um público vil como ela há muito está formado e atua  em defesa do indefensável golpe e até de sua radicalização. 

3- Livros escolares americanos mostram a Amazônia brasileira

como área de controle internacional!  – Fato é que, até ordem em contrário, a agenda do governo golpista-entreguista de Temer e caterva deverá realizar operações conjuntas com as FFAA norte-americanas na região amazônica em novembro próximo, configurando uma quebra concreta da nossa soberania. 

Uma "geringonça à brasileira" que una forças capazes de barrar estas desgraças tornou-se um questão de

vida ou morte para o resgate do nosso sonho de amor Brasil❗️

 

 

 

 

 

 

 

Seu voto: Nenhum
imagem de Flavio Marcio
Flavio Marcio

A unidade de ação das

A unidade de

ação das esquerdas e dos setores democráticos da sociedade brasileira é uma exigência material da História, e não uma forçação de barra ou acochambração de idealistas ingênuos. Naturalmente, ela tem que estar calçada nas 

convergências programáticas que buscam combater a aliança entre o neoliberalismo 2.0, o neofundamentalismo

e o neonazifascismo que produziram o golpe. E na identificação da real representatividade na sociedade de cada um dos condutores desta unidade progressista de modo que ela tenha legitimidade e

reconhecimento popular. 

Não dá mais pra ignorar que a realidade já desfez algumas advertências que antes pareciam apenas figuras 

literárias, a saber:

1- Muita atenção com o Ovo da Serpente! - Ocorre que algumas serpentes já chocaram e estão à solta por aí dando botes cada vez mais agressivos (Doria/Alckmin na Cracolândia, o lawfare contra o Rafael Braga e o Lula, a invasão impune da Escola do MST, a escalada de assassinatos e barbárie contra lideranças indígenas e de movimentos sociais, etc)

2-  Cuidado com a impressa cínica, mercenária, corrupta! – Um público vil como ela há muito está formado e atua  em defesa do indefensável golpe e até de sua radicalização. 

3- Livros escolares americanos mostram a Amazônia brasileira

como área de controle internacional!  – Fato é que, até ordem em contrário, a agenda do governo golpista-entreguista de Temer e caterva deverá realizar operações conjuntas com as FFAA norte-americanas na região amazônica em novembro próximo, configurando uma quebra concreta da nossa soberania. 

Uma "geringonça à brasileira" que una forças capazes de barrar estas desgraças tornou-se um questão de

vida ou morte para o resgate do nosso sonho de amor Brasil❗️

 

 

 

 

 

 

 

Seu voto: Nenhum

Contribuição ao debate?

PSTU e PSOl são partidos pequeno burgueses travestidos de esquerda, que apoiaram a queda de Dilma, a farsa da Lava-Jato e depois do monte de besteiras que fizeram ficam com falsidades espantosas inclusive inventando uma aliança entre o PT e Maia.

O link do artigo no Público está quebrado no texto, porém recoloco-o para que vejam a vilania desta pseudo esquerda do PSTU e PISSOL .

Realmente, se Lula torceu a cara para a falsa tentativo do PISSOL em se aproximar do PT não foi por falta de motivos, achava melhor correr estes meliantes.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Paulo Junior
Paulo Junior

"PCP e BE tinham 21% dos votos no parlamento"

"PCP e BE tinham 21% dos votos no parlamento".

O PSOL tem 6 deputados federais, pouco mais de 1% dos votos na Câmara. A maior contribuição que poderia dar para as esquerdas no Brasil seria superar seu naniquismo, para depois vir a querer impor condições aos demais setores. Mas imagino que esse próprio naniquismo explique muito de suas posturas: devem considerar ser mais viável brigar com o PT por uma maior fatia do eleitorado de esquerda do que combater a direita, e o caso de Belém me parece ser um claro exemplo disso.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de ze sergio
ze sergio

??

??

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de ze sergio
ze sergio

as...

"Navegar é preciso

Viver não é preciso"

Viver é preciso para sociedade. Para a esquerda só é preciso navegar. A Democracia é impossível para as esquerdas. Se Democracia, para que as esquerdas? 

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de bonobo de oliveira, severino
bonobo de oliveira, severino

Democracia e Capitalismo?

Seria arriscado e polêmico afirmar que os anos de governo progressista, nacionalista, desenvolvimentista e ligeiramente includente que sobreviveu durante algum tempo, merce de muita peleja diária, a partir de 2003, poderia ser considerado mais a esquerda que o que prega o estatuto daquele que se intitula o partido da social democracia brasileira. Mas é fato de difícil contestação, em dabates entre contendores medianamente sérios e bem informados, que nesse período recente houve ampla abertura para participação de representantes de todo o espectro ideológico, inclusive os mais sectários, fundamentalistas e até os esquizofrênicos. Houve uma forte influência das forças mais conservadoras e reacionárias percebida nas decisões de governo nesse período? Sim, houve. Porque esses segmentos estão mais forte e organizadamente representados nas instãncias de governo. Isso se chama DEMOCRACIA. Durante esse breve período de caminhada na direção de incipientes formas de participação democrática quem atuou fortemente contra a democracia foram os agentes do tal do Mercado, que controlam os meios de comunicação. O ponto fundamental para que exista a democracia é que os cidadãos saibam em quem podem e devem votar e quem não devem eleger porque farão ou fariam políticas contrárias aos seus interesses majoritários. Esse povo passou os últimos quize anos sem saber o que fazia o governo que elegeu, ouvindo denúncias diárias que indicavam que ele elegeu para o governo um bando de corruptos. Só assim foi possível, depois de tantos anos de campanha cruel de desmoralização da política e dos polítocos eleitos, dar o GOLPE e, aí sim, por no governo um bando de BANDIDOS. Quem confunde a cabeça do cidadão para poder por no poder aqueles que não defendem os seus interesses? São os meios de comunicação, controlados pelo tal do Mercado que, nada mais é que o capitalismo selvagem, maior símbolo do Capital do Século XXI, segundo as conclusões assustadores e reveladoras de Thomas Piketty. Então, meu caro, o que é incompatível, oposto, letal para a DEMOCRACIA é o CAPITALISMO. Ou não é?

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.