newsletter

Assinar

As ligações entre a Brasif, a casa em Paraty e os Marinho

Enviado por Jair Fonseca

Do Viomundo

Da Redação, com Lidyane Ponciano em Belo Horizonte

O número no endereço dado pela empresa é simbólico: 171.

No Código Penal, significa estelionato.

Nossa repórter esteve no endereço, em Belo Horizonte: rua Margarida Assis Fonseca, 171, bairro Califórnia.

Perguntou ao guarda, depois foi à portaria: funciona ou funcionou aqui uma empresa que aluga helicópteros?

Resposta de um funcionário que diz que a empresa Brasif está lá há mais de 50 anos: nunca!

Na portaria, a mesma resposta: não, não há helicóptero para alugar.

Por telefone, confirmamos com duas funcionários distintas. Elas checaram com colegas. Não, ali nunca pousou um helicóptero. Nem funcionou o Consórcio Veine-Santa Amalia.

Gravamos, mas não identificamos os entrevistados para não expô-los a retaliações.

Captura de Tela 2016-02-16 às 22.45.29

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Procuramos via Facebook a mulher indicada como administradora da sociedade.

Ela mora no Rio de Janeiro, mas supostamente alugava helicópteros sem tripulação em Belo Horizonte.

Segundo denunciou o Tijolaço, o consórcio Veine-Santa Amalia até recentemente era o responsável pelo helicóptero que serve à família Marinho.

No site da Anac, o aparelho agora aparece sob controle da empresa Vattne, baseada no Rio de Janeiro. Mas existe algo em comum com Belo Horizonte: o responsável pela Vattne é diretor da Brasif.

A Santa Amalia Administrações e Participações Ltda., integrante do consórcio com a Veine, é baseada em uma fazenda de Uberaba, em Minas Gerais: a Córrego dos Macacos.

Já a Agropecuaria Veine Patrimonial Ltda. é a mesma que tem sob seu nome a mansão triplex frequentada pela família Marinho na praia de Santa Rita, em Paraty, litoral do Rio de Janeiro.

A Veine tem como sócios dois brasileiros e uma empresa baseada em Nevada, nos Estados Unidos, a Vaincre. A Vaincre foi gerenciada pela panamenha Camille, que por sua vez foi aberta pela Mossack Fonseca, empresa panamenha investigada pela Operação Lava Jato. Os documentos que demonstram isso estão aqui.

A Mossack está sendo investigada por supostamente criar um laranjal para investidores brasileiros. Uma funcionária disse ao MPF que o objetivo das empresas de papel criadas pela Mossack é “proteção patrimonial”, não lavar dinheiro ou esconder propriedades do Fisco.

“Proteção patrimonial” é a garantia dada a capitalistas de que não vão perder tudo em caso de crise.

Será que os Marinho colocaram a casa e o helicóptero sob as asas da Veine para proteger o patrimônio? Logo eles, que defendem o risco capitalista com tanta firmeza?

Ou a Vaincre e a Veine foram instrumentos para transportar dinheiro recebido no Exterior e estacionado em refúgios fiscais para o Brasil?

Esclarecer isso é o objetivo de checar o papelório: quais empresas de fato existem e quais são ficção?

Só uma investigação do juiz Moro e dos procuradores e delegados da Lava Jato poderia esclarecer definitivamente.

Os indícios são de que o consórcio Veine-Santa Amalia representa um acerto entre os Marinho e o empresário Jonas Barcellos, dono da Brasif. O milionário já foi dono dos freeshops de aeroportos brasileiros. Hoje, em Belo Horizonte, a Brasif aluga máquinas pesadas.

Curiosamente, a revista Época, dos irmãos Marinho, denunciou Jonas como um dos fornecedores de caronas aéreas ao ex-presidente Lula, nesta reportagem.

Estadão também mencionou Barcellos como “amigo de Lula”, nesta reportagem.

Mas ambos omitiram, talvez por desconhecimento, o fato de que uma empresa de Jonas é sócia da empresa que tem em seu nome a mansão dos Marinho em Paraty. A sociedade, como demonstram os documentos acima, continua ativa.

Viomundo não dá muita bola para estas coisas burocráticas de nomes e endereços. Reconhece que pode levar a denúncias furadas.

Mas o que diriam a Época e o Estadão – para não dizer a Veja — se Lula ou algum outro petista tivesse uma empresa que aluga barcos de lata, mas nunca alugou barcos de lata, num endereço onde ela nunca de fato funcionou?

Seria um escândalo, com direito a buscas por “laranjas” nas redondezas para aparecer no Jornal Nacional.

Constatamos em Belo Horizonte que o consórcio forneceu um endereço para alugar helicópteros sem tripulação onde nunca houve helicóptero, nem aluguel, de acordo com quatro funcionários distintos da Brasif, que por sua vez consultaram colegas.

Ao nos incentivar a investigar o assunto, um leitor se referiu a um verdadeiro Baile da Plutocracia em torno da família Marinho: o dono da Brasif, Jonas Barcellos, é um dos conselheiros do Consig, o Conselho de Desenvolvimento Sustentável da Baía da Ilha Grande. 

Como se vê na mansão de Paraty, os donos da Globo tem um grande interesse pelo litoral carioca.

Quem aparece ao lado de Barcellos no conselho? Jonas Suassuna, dono do sítio frequentado pelo ex-presidente Lula!

Quem é um dos conselheiros-fundadores? José Roberto Marinho. Dos filhos de Roberto Marinho, ele é o “ecologista”.

Mas isso não bate com o comportamento da família: a casa de concreto em Paraty teria violado as leis ambientais, segundo denúncia de servidora do ICMBio. Uma ação iniciada pelo MPF busca demolir o triplex de concreto de Santa Rita, que tem piscina invadindo a praia pública.

Mais uma instância em que os Marinho pregam uma coisa publicamente, via TV Globo, mas privadamente fazem outra.

Abaixo, um passeio pela Paraty House sugerido pelo Fernando Brito, do Tijolaço:

PS do Viomundo: Em entrevista à Folha de S. Paulo desta quinta-feira, 18 de fevereiro, a jornalista Mirian Dutra diz que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB-SP) usou a Brasif S.A. Exportação e Importação para mandar dinheiro para ela e o filho Tomás Dutra no exterior.  Mirian teve um relacionamento afetivo com o ex-presidente nos 1980 e 1990.

Segundo a jornalista, por meio da assinatura de um contrato fictício de trabalho, celebrado em dezembro de 2002 e com validade até dezembro de 2006, a Brasif fazia uma transferência de US$ 3 mil mensais.

No documento, aparece como contratante a Eurotrade Ltd., empresa da Brasif com sede nas Ilhas Cayman.

Mirian Dutra contrato

Na entrevista à Folha, a jornalista diz que, numa conversa, dois anos depois da vigência do contrato, Fernando Henrique revelou que o dinheiro enviado pela Brasif era, na verdade, dele, e não da empresa.

“Ele me contou que depositou US$ 100 mil na conta da Brasif no exterior, para a empresa fazer o contrato e ir me pagando por mês, como um contrato normal. O dinheiro não saiu dos cofres da Brasif e sim do bolso do FHC”, diz.

 

Imagens

Média: 5 (17 votos)

Recomendamos para você

9 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de era republicana
era republicana

a relação

a relação globo-mirian-fhc-pananá-paraty-brasif-jona

barcelos-bornhausesn, está cada vez mais complicada para eles...

o que acho mais infame é que a grande mídia acaba focando no

escandalo privado do fhc com a mirian r parece que eswquece  do resto...

 

bumlai sempre é citado como amigo do lula.

por que barcelos nunca é citado como amigo do fhc, dos marinhios etc e tal?

e a moça da mosssack brasil,

 que foi presa pelo moro e esplicou

como funciona o esquema,  por que foi liberada?

esse silencio os condena?

 

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Jurgen2010
Jurgen2010

Parabéns Viomundo! Esta

Parabéns Viomundo!

Esta investigação deve ser constante. É só o inicio do novelo. Deve ter muito mais. Deve ser por este motivo o ódio ao PT, ficam a descoberto.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de serralheiro 70
serralheiro 70

Prevaricação?

Arnaldo, deixar de investigar ilícitos no caso do triplex de parati, isto pode?

Seu voto: Nenhum (2 votos)

E o Moro ?

E o Janot ? Já foram perguntados sobre isso ? Já deram alguma entrevista ?

Seu voto: Nenhum (3 votos)

lenita

Brasif

“Proteção Patrimonial” outro significado para lavagem de dinheiro.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de gardenal
gardenal

Moro! VADA A BORDO, CAZZO!

Moro! VADA A BORDO, CAZZO!

Seu voto: Nenhum (4 votos)

De Moro tá mais pra VAZA A

De Moro tá mais pra

VAZA A BORDO, CAZZO!

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Marcos K
Marcos K

Mas FHC não era honesto? As

Mas FHC não era honesto? As Organizações Globo não são imparciais e isentas? Não entendo mais nada.

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de Orlando Soares Varêda
Orlando Soares Varêda

  Isso mesmo Marcos K. Eu

 

Isso mesmo Marcos K. Eu também estou perplexo. Desde o surgimento dessa fofoca fiquei com a cabeça aperreada sem entender mais porra nenhuma. Logo agora , as duas maiores reservas morais do Patropi são alvejados com a mão na cumbuca. A rede Globo e o professor Cardoso. Ambos, não deveriam fazer uma coisa dessas com seu fan clube de coxinhas tucanos.

E agora, o quê dizer da Polícia Federal Tucana, do PGR e do judiciário justiceiro? Que farão agora as vestais da imoralidade, digo, da moralidade pública? Irão apurar tudo com o mesmo empenho e vazamentos seletivos? Em Moro? Diz alguma merda ai, cara.

Orlando

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Bingo!!!

Bingo!!!

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.