Revista GGN

Assine

As poucas chances de Lula na Justiça rumo a eleições 2018

 
Jornal GGN - A condenação de Luiz Inácio Lula da Silva pelo juiz de primeira instância da Operação Lava Jato, Sérgio Moro, prevê que o ex-presidente não possa concorrer a eleições e cargos públicos por 7 anos. A sentença passaria a valer, contudo, somente se o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) confirmá-la. Ainda assim, o cenário não está fechado: Lula pode recorrer até que sua ação seja analisada pela última instância e pedir uma espécie de "licença" para concorrer à Presidência em 2018.
 
Ainda assim, as chances são pequenas. Isso porque a jurisprudência traz exemplo de desfavor ao ex-presidente. Além do próprio histórico da 8ª turma do TRF-4, que julgará Lula, de não apenas confirmar as decisões de Moro, como também em alguns casos aumentar as penas impostas, o Supremo Tribunal Federal (STF) trouxe outras jurisprudência para complicar ainda mais a situação do líder petista.
 
Conforme o GGN divulgou, o relator das revisões das sentenças de Moro, desembargador federal João Pedro Gebran Neto, e os integrantes da 8ª Turma do TRF4 vêm adotando as mesmas metodologias e interpretações do juiz da Vara Federal da Curitiba, mas na segunda instância. Gebran, que já foi apontado por supostamente ter relações pessoais de amizade com Moro, também é caracterizado como juiz "linha-dura", concordando com os despachos do juiz do Paraná em grande parte das sentenças.
 
No histórico de recursos envolvendo diretamente o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Gebran vem negando todas as tentativas de defesa do político e chegou a comprar a briga do magistrado, quando os advogados de Lula recorreram que Moro estaria impedido de julgá-lo. O desembargador não somente negou todos os recursos de Lula, como também criticou a defesa e compartilhou com Sérgio Moro a imagem de que a iniciativa do ex-presidente seria a de protelar as investigações.
 
Afora esse contexto da segunda instância, Lula está na mira da Ficha Limpa. A Lei determina que se o réu for condenado por órgãos colegiados não poderá se candidatar às eleições - que é o caso do TRF-4. E apesar de Sérgio Moro determinar o afastamento do ex-presidente de cargos públicos por sete anos, a lei impõe uma inelegibilidade por oito anos a partir da data da condenação.
 
Neste aspecto, o tempo de julgamento do Tribunal também é determinante. Para ser enquadrado na Ficha Limpa, o ex-presidente precisaria ser condenado até o dia 15 de agosto de 2018, quando é realizado o registro das candidaturas dos que concorrem às eleições, seguindo o artigo 93 da lei 13.165, de setembro de 2015.
 
De acordo com levantamento realizado por diversos jornais, imediatamente após a condenação de Lula por Moro, o TRF-4 tem uma estimativa de 16 meses para um caso ser julgado pela segunda instância. Entretanto, também como pontuou o GGN na reportagem "Moro deixou ao TRF-4 o fato 'eleições 2018' para condenar Lula", os juízes levam em considerações fatores externos para influir sobre o tempo de julgamento de determinados processos.
 
Para se ter uma ideia, o julgamento mais rápido feito pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região foi de 7 meses de julgamento. Nessa linha, o próprio presidente do Tribunal, desembargador Carlos Eduardo Thompson, já confirmou que a Corte julgará o processo contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva antes das eleições de 2018. "Posso afirmar com quase absoluta certeza que antes da eleição esse processo já estará pautado e julgado no tribunal", disse em entrevista à Rádio BandNews FM, no dia 13 de julho.
 
De forma menos exposta, o presidente da Corte informou, ao mesmo tempo, que o caso triplex contra Lula não será "polarizada" no TRF-4, mas sim, "naturalmente", irá "centralizar" nas provas trazidas por Sérgio Moro, com o trabalho que já realizou. "É natural que na primeira instância [o processo] centralize um pouco na figura do juiz que lá está. É ele quem faz toda a instrução, ouve as testemunhas, produz provas periciais”, disse o desembargador, indicando a tendência do TRF-4 de confirmar o despacho de Moro.
 
Se tal situação for configurada no caso de Lula, o ex-presidente terá ainda uma outra chance: o artigo 26-C da Lei 64/1990, que permite ao condenado em segunda instância reivindicar ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) um recurso que garanta o direito de concorrer às eleições, antes de finalizada a condenação em trânsito em julgado, ou seja, até a instância máxima, que é o STF.
 
De acordo com reportagem da Folha de S. Paulo, tal dispositivo foi criado para evitar que uma decisão que ainda pode ser modificada em outras instâncias acarrete um dano irreversível a um candidato a eleições, excluindo-o do pleito eleitoral. 
 
Mas o recurso não é tão simples: os ministros do Superior Tribunal de Justiça precisariam colocar o processo de Lula com caso de urgência, a frente, inclusive, de outros pendentes há mais tempo na Corte. "Em caso de condenação, o assunto vai ser resolvido entre o TRF da 4ª Região e um relator no Superior Tribunal de Justiça", afirmou o procurador regional eleitoral Luiz Carlos dos Santos Gonçalves, de São Paulo, à Folha.
 
Ainda, recai contra o ex-presidente outro obstáculo: a jurisprudência já criada pela Suprema Corte. Em caso recente, o Supremo Tribunal Federal, ao analisar o caso de Renan Calheiros na ação de descumprimento de preceito fundamental (ADPF) 402, entendeu que réus não podem assumir a Presidência da República. 
 
Ainda que de forma confusa, o tema poderia ser reaberto, porque a maioria votou de maneira contrária ao afastamento de Renan Calheiros da Presidência do Senado, mas os ministros analisaram que, como presidentes nas Casas Legislativas, réus não poderiam assumir a sucessão presidencial, em caso de vacância. 
 
Portanto, tal jurisprudência poderá ser levantada caso Luiz Inácio Lula da Silva consiga registrar sua candidatura antes de uma decisão do TRF-4, se líder petista conquistar a absolvição ou, ainda, conquiste o recurso junto ao STJ antes de uma decisão final do Supremo.
 
 
Média: 3 (17 votos)
28 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Mauro Silva 2
Mauro Silva 2

Passar a frente pode/não pode

A repórter fala q no TRF, lula pode ser condenado em tempo recorde por conta do óbvio interesse dos juízes e promotores nisso.
Todavia, em caso do recurso da apelação ao STJ, do presidente diante da evidente condenação no trf-4, a jornalista invoca uma possível"fila de processos" q atrapalhariam o presidente.
Essa fila de pendências não existe no TRF da quarta região?

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Cançado do Brasi de INJUSTIAS
Cançado do Brasi de INJUSTIAS

INJUSTIÇA

No texto não se menciona em menhum momento que o rel é inocente segundo as provas APRESENTADAS PELA DEFESA.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Steiger
Steiger

O "rel" é culpado de acordo

O "rel" é culpado de acordo com a sentença, que é o que conta.

Seu voto: Nenhum
imagem de Romanelli
Romanelli

leiam o ultimo

leiam o ultimo paragrafo

http://www2.camara.leg.br/a-camara/documentos-e-pesquisa/estudos-e-notas...

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Joao Carlos Campos
Joao Carlos Campos

O maior bloqueio

Não pode ter presidente da República réu em ação criminal 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Romanelli
Romanelli

FORA DE PAUTA Imagine assim,

FORA DE PAUTA

Imagine assim, UM VAGABUNDO dum juíz sabe que se pecar a ORCRIM da Justiça o aposenta com proventos integrais.

Aí, antes disso, o camarada julga outro de menor sorte e, PIMBA !!! Aplica a este desgraçado a mesma régua que lhe seria servida.

Resumindo um caso pratico :

LULA esta com os bens bloqueados sem lhe oferecer risco de subsistência porque recebeRIA aposentadoria como ex presidente ...teria ouvido de certa sentença

SÒ QUE ISSO È MENTIRA ..e o autor da sentença, um "desembaÇador", resolveu turvar os olhos da sociedade pra estas letras miúdas

RELEMBRANDO, desde 1,988 ex presidente NÃO recebe pensão por ter ocupado o cargo de MAIOR IMPORTÂNCIA da nossa república

..já promotor e juíz  ..nem te conto quanto ganham pra vc não cortar os pulsos

Seu voto: Nenhum (1 voto)

O TRF4 é um puxadinho de Moro

O TRF4 é um puxadinho de Moro e Globo. Para retirar Lula do cenario politico adotaram tatica do golpe de 64 quando acusaram JK de ser corrupto ecde ser dono de apto. Como nao conseguiram impedi lo, suspenderam as eleicoes de 65. Para limpar o golpe, vieram de Castelo Branco. O Congo é aqui...

Amigo, nao estamos numa guerra qualquer..,..isso me lembra as noticias de pias e vasos de ouro que seriam de propriedade de lideres derrubados pelas tais primaveras àrabes, que transformaram aqueles paises em coisa pior do que eram : se o povo comia agora nao come..,.se estudavam ja era...se tinham um ditador agora tem varios: um em cada esquina cortando cabeças e estuprando crianças..,..eh com muita tristeza que vejo o mesmo modus operandi sendo aplicado contra Lula e seus seguidores.,

 

Se os EUA gastaram trilhoes de reais para que se apossasem do petroleo e infraestrutura de pais como Iraque e outros que foram palcos das tais "primaveras" - do mercado, diga-se de passagem - o Brasil tem muito mais riquezas a transferir aos donos fo golpe. 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

 

...spin

 

 

...

No governo do povo sobre o povo é assim, discute-se uma possível candidatura a um réu em demasiados processos penais e já condenado pelo Judiciário. São vocês que merecem um Michel Temer na presidência, um Eunício presidente do Senado, um Jucá e Renan como senadores, uma Gleise com senadora, um Paulo Bernardo, Henrique Alves, Geddel como Ministros...  

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Gritar nas ruas "Fora temer"...nada a ver com nada

O caso  de Lula não é o Temer(Temer é chutar cachorro morto)ou hoje ou  ano que vem ele sai.Problema é o Judiciário aliado do golpe ou senhor do golpe!!!Não querem mais o PT e fim de papo!Não entender isso e andar pras ruas com cartazes foraTemer,é desviar totalmente do foco!!Globo  e Judiciário são partner nessa colossal destruição do País!!!!E ademais, todos agregados  do tucanato  mercado e bancos,o povo éabsolutamente irrelevante!!

Seu voto: Nenhum (4 votos)

"A corrupção à brasileira é como o solo de Roma: basta cavar um pouco e descobrimos ruínas." Mino Carta

O Judiciário já condenou e será levado adiante!!!

Sendo assim,  parece pelo andar das carroças  barulhentas que será. Lindberg farias Presidente!!!Senador atuante combativo, bate de frente,Hadad da entrevistas na Globo, molão  sonso!!!!Mulheres dessa vez nem pensar basta!!!

Seu voto: Nenhum

"A corrupção à brasileira é como o solo de Roma: basta cavar um pouco e descobrimos ruínas." Mino Carta

Não é só questão de legalidade x ilegalidade

meu achômetro diz que o povo vê fortes indícios. Pode até ser legal não comprovar o triplex e o sítio, mas que parece, parece, sim, e isso pra uma Direção Nacional que se perpetua e um líder elevado a semideus "não existe ninguém mais honesto que eu", entre arrogante e tolo, pega muito mal. A DN e cia. faz seu papel porque admitir erro seria o fim. E a esquerda do PT não tem onde cair, e vive falando em "refundação"( Tarso Genro) e destronar a atual Direção, que não houve, talvez um milímetro.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Sinceramente, alguém acredita que o Lula não será condenado pelo

Sinceramente, alguém acredita que o Lula não será condenado pelo TRF4?

Trabalhar com a hipótese de absolvição do ex-presidente é tão ingênua quanto acreditar que o Congresso Nacional iria rejeitar o impeachment da Dilma.

Essas lideranças petistas pensam que estão disputando grêmio estudantil de escola de ensino médio. As lideranças petistas são muito incompetentes, vão sofrer mais uma derrota acachapante.

O Judiciário, o Ministério Público, a Mídia e o Congresso Nacional estão todos controlados pelos inimigos do Lula. É muita cretinice política acreditar que o Lula disputará as eleições em 2018.

Essa hipótese já deveria ser descartada há muito tempo. O PT e a esquerda já deveriam estar trabalhando alternativas ao Lula.

Seu voto: Nenhum

e pela ilegalidade sempre estar dois passos à frente...

foi que o judiciário brasileiro desenvolveu hábitos que se tornam instintivos para os casos de perseguição política

sem luta não conseguiremos

mas o que esperar de uma geração perdida ou de uma geração "cicatricure"?

cicatrizes o brasileiro acha feio.....................................prefere morrer pastando, mas bonito

sempre identifico os vencedores pelas cicatrizes que trazem

e pensar que lutamos para ter esta merda de geração perdida

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de sabra
sabra

Sempre o mesmo discurso.

Tudo que Patricia Faerman disse não tem nada a ver com o que esquerda pensa ou não pensa. Tudo isto não tem nada a ver com o que o povo pensa ou não pensa. Tudo isto foi deslocado para um forum restrito, onde o que vai pesar não tem nada a ver com anseios do povo seja de esquerda  e nem da direita. Na verdade vai ser um acerto entre um judiciário que vai reboque de interesses políticos e dos próprios interesses políticos que esses juizes representam. Se houvesse um laivo de legalidade este processo sequer existiria  e até nosso amigo  paulo Henrique sabe disto. Todos sabemos que este processo nunca foi feito para ser legal. e que os nosso guardiões da lei, agora guardam seus podres poderes, trabalharam incompetentemente para o desfecho que tanto querem.   Portanto o que vai decidir esta sentença é tudo que vai ocorrer de hoje até 2018.  Não é só da esquerda  e do povo que estou falando. Estou falando também do proprio poder judiciário, que não se resume a Curitiba ou a orientandas de Moraes. Pois agora o que está em jogo não é apenas Lula, mas também a credibilidade de todo o judicíário. Veremos se todos irão dar a mão e se suicidar, ou se alguem no pelotão de linchamento, vai acordar antes do desfecho.

O resto do texto de Paulo Henrique é puro diversionismo. 

Seu voto: Nenhum
imagem de Eudes Gouveia da Silva
Eudes Gouveia da Silva

Mas não é só. Jornalista

Mas não é só. Jornalista quando escreve sobre os profissões deve estar um pouco. primeiro o TRF-4 deve encontrar provas no processo. Oque, definitivamente não tem. Segundo, se encontrar tem que à partir delas, encontra culpabilidade no teu. Terceiro, tem que publicar a sentença em tempo hábil. Quarto, a inabilitação imposta pelo Moro só após o trânsito em julgado no STF (ALGUÉM DÚVIDA?), pois não se confunde com a ficha limpa.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

A esquerda no Brasil parece

A esquerda no Brasil parece não ter planejamento para longo prazo (isso é diferente de sonhos).
Muita ingenuidade me parece permear os caminhos dos fiéis da democracia por aqui.
Para mim que sou distante de militância e atuação política, hoje, vejo claramente que esta reversão dos aspectos democráticos ora em curso (o golpe por assim dizer) se iniciou já no segundo mandato de Lula.
O impeachment da presidenta Dilma parece que pegou muita gente do governo e aliados de surpresa. E não deveria ter sido assim, já que a política e a previsibilidade deve ser pensada e planejada dia a dia (pra onde foi a análise de riscos?).
Vendo os acontecimentos atuais, percebe-se que por onde se tenta encontrar alguma saída para viabilização da candidatura da maior expressão popular e progressista, o Lula, vislumbra-se obstáculos criados parece que meticulosamente orquestrados. E de difícil transposição.
A minha esperança reside no fato de que estamos diante de um mito popular, capaz de atravessar grandes tempestades e sair vitorioso.
Notem que este homem está há pelo menos 5 anos sendo massacrado diuturnamente pela mídia e as forças conservadoras, numa tentativa, até agora, infrutífera para desmanchar a sua imagem de grande líder que é.
Um fato está a favor das forças progressistas: o tempo age em sintonia com a verdade, coerência e a justiça (a verdadeira). E contra o arranjo, a manipulação e o desmonte.
É mais fácil emergir aquilo que é verdadeiro que manter-se por muito tempo o arbítrio.

 

Seu voto: Nenhum

Aguardar o julgamento na

Aguardar o julgamento na segunda instância, acreditando que o TRF-4 se portaria de maneira republicana, é o mesmo que acreditar em saci-pererê, boitatá e mula sem cabeça.

Lula já está condenado desde sempre, mesmo sendo inocente.

Nos restou apenas a luta nas ruas e, em últmo caso, a revolução.

Mandela ficou 27 anos preso e só saiu por conta da luta sangrenta que população negra se propôs. Mesmo com pressão internacional o apartheid não caiu antes.

O único exemplo de resistência que tem dado certo é o venezuelano. Chavez foi deposto e o povo pressionou pela sua volta. Mesmo assim, essa pressão só logrou resultado pois Chavez tinha o exército como aliado, além de ser Tenente Coronel do Exército. Se não fosse pelo exército, tanto Chavez teria caído naquela época como Maduro também já teria sido deposto.

Ainda sou pela opinião de que Lula não se deveria deixar prender por esses vermes. Seria muito triste ver Lula, que tanto fez pelo povo, ir parar em um presídio por ordem desses canalhas golpistas.

O melhor seria partir para o exílio em Portugal ou na França e denunciar o golpe no exterior, fazendo pressão política para o restabelecimento da ordem democrática no país.

 

Seu voto: Nenhum

e não será a primeira vez que vão deixar de julgar o recurso...

para julgar o juiz........................................

exatamente como aconteceu com De Sancts

anotem aí : a reação contrária ao recurso será maior que a ação

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Lula já era...

e caiam na real: a ilegalidade sempre está dois passos à frente

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de ml
ml

Inocentado? Ilusão dos

Inocentado? Ilusão dos democratas, e dos petistas em particular.

Vou repetir, com algumas alterações, o que já disse em outro comentário.

É incrível como os democratas de modo geral ainda acreditam, contra todas as evidências, que o judiciário, por respeito aos princípios básicos do direito, inocentará o Lula ou, pelo menos, permitirá que ele seja candiado.

Alguns membros dos tribunais superiores estão, é claro, incomodados pelas atitudes do Moro. Mas isso se deve simplesmente à violação da hierarquia: um mero juiz de primeira instância subordina efetivamente os tribunais superiores, coagindo-os a sancionarem decisões por vezes totalmente desprovidas de fundamento jurídico. Isso é intolerável e mesmo humilhante em qualquer corporação; no entanto, os juízes dos tribunais superiores submetem-se, por medo da grande mídia e dos interesses econômicos que sustentam o golpe. Quando for possível, restaurarão a hierarquia que tanto prezam. Não o farão por respeito à justiça, mas para “por ordem na casa”.

A não ser que fatos novos e impactantes ocorram na política e na economia, Lula será condenado em segunda instância e a sua candidatura inviabilizada juridicamente. Depois, as contas serão acertadas “dentro” da corporação.

O que resta ao campo democrático? Já ficou evidente a incapacidade de mobilizar o povo. Isso não surpreende. No nosso país, a política ainda é feita primordialmente pelas oligarquias e pela classe média, apesar de todo o grande trabalho feito pelo Boulos e outros. Quando a esquerda perdeu a classe média, perdeu a capacidade de mobilizar decisivamente as ruas. A direita não teme o povo; dele, espera no máximo revoltas espontâneas, depredações, etc., que julga, e com razão, poder subjugar pela força bruta.

Mas teremos eleições em 2018. Sim, porque é praticamente impossível no mundo atual passar por cima dessa exigência democrática – e é isso que torna absolutamente necessária a participação do judiciário no golpe. Mas o PT continua a acreditar que o Lula será candidato, que algum tribunal superior terá, finalmente, escrúpulos e restaurará a justiça. Insano, não é? Ou que pode viabilizar a candidatura de um Haddad... Já o Ciro parece crer que pode herdar espontaneamente os votos que iriam para o Lula.

O campo democrático precisa articular uma frente ampla e candidaturas alternativas à do Lula (de preferência, por razões eleitorais, um político não petista e não paulista). O Lula e os candidatos alternativos devem fazer desde já (e juntos) uma ampla campanha ou 2018 consagrará nas urnas o golpe de estado, apesar das dificultades da direita em encontrar um candidato.

Seu voto: Nenhum

Esperar o Julgamento de Lula na segunda instância será o .......

Esperar o Julgamento de Lula na segunda instância será o último erro.

Se Lula for condenado em segunda instância que farão os milhões de apoiadores? Vão esperar o que? O julgamento no supremo? Ou que o arcanjo Gabriel desça dos céus?

Realmente a falta de mobilização da população e dos partidos que apoiam Lula é surpreendente, estão jogando uma partida com um barralho marcado e rezando para que os donos da mão não façam nada.

O que deveria ser feito eram comites de apoio popular a Lula, preferencialmente bem nucleados e organizados, e com centena de milhares de militantes dispostos a inviabilizar a condenação de Lula.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Tem toda razão. Mas tem

Tem toda razão.

Mas tem mais.

Mesmo que Lula concorra e vença, ele vai Governar como ?

Esse e o principal ponto.

Sinceramente não vejo como Lula, tendo que se ocupar de sua defesa, possa, ao mesmo tempo, se ocupar de agendas para o País, de criar programa de Governo, de dialogar com diversos outros setores.

É muita coisa.

A meu ver Lula deveria se candidatar ao senado ou a camara e apoiar alguem para a Presidencia.

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de julio cesar novaes
julio cesar novaes

voto universal e direto à presidência da república

Não vejo como a decisão do Supremo, quanto a impossibilidade de réu assumir apresidência da república, possa interferir em quem disputar e ser eleito pelo voto universal e direto, à presidência da república. Uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa. Ser eleito pelos colegiados para presidir a câmara ou o senado, não pode ter o mesmo peso de ser eleito pelo voto direto dos brasileiros, à presidência da república.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Esta aí o resultado palpável

Esta aí o resultado palpável do ativismo político judiciário encabeçado pelo Barroso dentro do STF na decisão tomada no Caso do Renan.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

O JUIZ QUE SEQUESTRA

O JUIZ QUE SEQUESTRA LIBERDADE

Por Wanderley Guilherme, no blog Segunda Opinião
24 de julho de 2017

O Tribunal Regional Federal da Quarta Região (TRF-4) modificou 34 das 48 apelações de sentenças do juiz Sergio Moro em processos da Lava Jato, assim distribuídas: 18 penas foram aumentadas, 10 reduzidas e, 6, anuladas. A taxa de acerto impecável limitou-se a 30% das sentenças. Os estatísticos da magistratura avaliarão a normalidade ou a excepcionalidade das correções impostas a um juiz primário. Surpreende que o número de sentenças modificadas por maior severidade (18) seja praticamente igual ao de sentenças retificadas em favor dos réus (16). Em estatística geral, decisões que ora caem 50% de um lado e ora 50% do outro indicam a predominância do acaso. Estatisticamente, as chances de um acusado ser favorecido ou injustiçado seriam as mesmas, mas este não é o caso de nenhum dos 50% das sentenças do juiz Sergio Moro, seja condenando, seja passando a mão na cabeça do réu.

Em algumas sentenças, a revisão da TRF-4 condenou a quem o juiz Sergio Moro havia declarado ser inocente. Não são erros de pequena monta para um magistrado que defende suas decisões com o argumento da imparcialidade e da estrita aplicação da lei. A avaliação da TRF-4 de que 18 sentenças, em 48, estiveram aquém do que a justiça recomendava expôs o discernimento do juiz Sergio Moro a justas interpelações, afinal, trata-se de número superior ou de sentenças impecáveis (14). E permanece em suspenso a avaliação da soltura do doleiro Alberto Youssef, anteriormente condenado pelo mesmo juiz Moro, pelos mesmos crimes, e também posto em liberdade vigiada pela benesse da delação premiada. Pois não é que o criminoso repete os crimes, agora em escala gigantesca, e o juiz Sergio Moro decide com a mesma benevolência, devolvendo Alberto Youssef e esposa, sua cúmplice, ao aconchego do lar?

As penas modificadas em favor dos réus incluíram a redução de 10 e anulação de 6. Ou seja, a correção absoluta das sentenças condenatórias, anulando-as, somou cerca de 40% do total de 16 sentenças modificadas em favor dos réus, também superior ao número de sentenças impecáveis. Das sentenças modificadas em favor dos réus, quase 50% (6) foram simplesmente anuladas, sem retificação possível, imperitas. Entre elas, alguns casos célebres; por exemplo, o de João Vaccari Neto, sentenciado a 15 anos de reclusão, a maior das condenações impostas por Sergio Moro. Atenção, a maior pena deliberada por Sergio Moro entre as sentenças por ele aplicadas a João Vaccari Neto, foi considerada insubsistente, vazia, sem provas, por se socorrer tão somente de duas delações premiadas e, ademais, por nenhuma das duas haver afirmado ter tratado de propina com o réu. Convido o leitor a reler esta última frase. Não fosse o Brasil de hoje um hospício continental, como o qualificou um jurista, e nenhuma sentença do juiz Sergio Moro, assentada estritamente em sua convicção, mereceria credibilidade. O juiz Sergio Moro, pela amostra aqui examinada, não é equilibrado.

Trinta e seis anos seriam subtraídos à vida em liberdade, se as pessoas entregues ao profissionalismo do juiz Sergio Moro não tivessem as penas anuladas pela TRF-4. Esse é o total dos anos de cadeia que o juiz Sergio Moro distribuiu passionalmente, inclusive a dois apenados que, como verificou a turma da apelação, não fizeram mais do que, por função administrativa assalariada, promoveram a movimentação de recursos da empresa OAS. A iluminada convicção do juiz Sergio Moro não hesitou, contudo, e gratificou a um com 11 anos de cadeia e com 4 anos a outro. Se não havia evidência para a condenação, é óbvio que também não existia base probatória para a incrível diferença no tamanho das penas. Finalmente, quantos anos de liberdade foram resgatados a favor dos réus que conseguiram, de justiça, redução das penas. De que é feita, afinal, a subjetividade desse juiz? O que quer ele dizer quando se refere à sua convicção ao sequestrar a liberdade de cidadãos e cidadãs brasileiros?

PS Cafezinho:

Aproveite e assista ao vídeo do lançamento do livro de Wanderley Guilherme!

Seu voto: Nenhum
imagem de gaúcho
gaúcho

Se o julgamento no TRF4 for

Se o julgamento no TRF4 for ideológico Lula será condenado mesmo sem provas, se o julgamento for técnico e dentro da lei Lula será absolvido.

Será que é tão difícil analisar os fatos com base na realidade?

Seu voto: Nenhum (5 votos)

De todos esses impecilhos o

De todos esses impecilhos o mais fundamental não é de natureza jurídica, mas POLÍTICA. Os desembrcadores do TRF-4 já estão dando declarações para acalmar o "mercado" do ódio e das perseguições encabeçados pelas mídias e, dentro destas, as Organizações Globo. 

Para quem acredita em milagres, o que não é absolutamente o caso deste cearense, só um deles do mais alto calibre pode livrar Lula não só de uma confirmação da sentença do Feisler de Curitiba, como até mesmo um agramento da pena. 

Aliás, volto atrás: há,sim, um "milagre" pela "Fé" deste ateu: o povo nas ruas derrubando as várias bastilhas: Judiciário, Mídias, Congresso......Mas aí é querer, ou sonhar, demais. 

Seu voto: Nenhum (8 votos)
imagem de Celso Paulo da Silva
Celso Paulo da Silva

Geralmente não sou muito

Geralmente não sou muito otimista, mas eu ainda creio que o fator ONU vai pesar uma montanha pro judiciário brasileiro no caso do Lula. Os caras estão aprontando de tudo, principalmente o imparcial de curitiba porque estão com a impressaão de que o mundo não está vendo nada. O Lula e muitíssimo considerado lá fora e quando a ONU se manifestar em relação a essa perseguição vai se um escândalo em  níveis mundiais. Aí eu quero ver um desembargador não levar em condideração o judiciário mundial e aprovar as sacanagens jurídicas do seu moro.

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Sem dúvida.

Só revertermos se acontecer esta "revolução", mas isto é também acreditar em milagres.

De qualquer maneira, nossa luta não deve ser apenas de curto prazo e visando apenas a eleição de 2018, até para não aumentar a frustração. O golpe, por enquanto, tá com a faca e o queijo na mão e juntando com a apatia da população, abusam ainda mais; se um dia conseguirmos sair desta letargia, vamos cobrar cada centavo deste golpe, mas por enquanto, é seguir correndo, talvez seja uma corrida de 5, 10, mas pode ser de 42 km, mas chegaremos lá.

É que o blog do Nassif divulga as notícias de maneira bem confusa, mas, por enquanto, o nazista de Curitiba é que tem a maior aprovação da população (64%) enquanto o presidente Lula apenas 29%; a notícia não divulgou a rejeição, mas acredito que seja acima dos 50%.

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.