Revista GGN

Assine

BNDES confirma demissão de dois diretores

da Agência Brasil

BNDES confirma demissão de dois diretores

Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil

 O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) confirmou que dois diretores da instituição, Vinícius Carrasco, da área de Planejamento e Pesquisa, e Cláudio Coutinho, da área de Crédito, Financeira e Internacional, pediram demissão nesta sexta-feira (7).

Segundo a assessoria de imprensa do BNDES, não haverá pronunciamento oficial sobre a saída de Carrasco e Coutinho, que tinham sido convidados para os cargos pela então presidente da instituição, Maria Silvia Bastos Marques.

O motivo alegado pelos dois executivos para deixar a instituição teria sido uma entrevista em que o atual presidente do banco e sucessor de Maria Sílvia, Paulo Rabello de Castro, critica a Taxa de Longo Prazo (TLP), que, a partir de 2018, substituirá a atual Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), usada pelo banco em suas operações. A entrevista foi publicada hoje pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Vinícius Carrasco e Cláudio Coutinho contribuíram para a formulação da TLP, que reduziria o crédito do BNDES subsidiado às empresas.

 

Média: 5 (1 voto)
1 comentário

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Os diretores da Era Maria

Os diretores da Era Maria Silvia continua firmes, especialmente a poderosa Solange Paiva (ex-Secretaria da Previdencia e ex-dirretora geral da ANAC, no governo FHC) , Chefe do Gabinete da Presidencia  e Eliane Lustosa , diretora de Mercado de Capitais, ex- diretora financeira da PETROS, fundo d pensão da Perrobras  muito amiga de Maria Silvia. Rabelo de Castro não nomeou ninguem até agora,  o que é estranho, está pendurado na diretoria da Maria Silvia.

Até o governo Dilma a diretoria do BNDES era indicada pelo Planalto, no governo Temer esse poder foi transferido à equipe econoomica que indicou a ultraneoliberal Maria Silvia, que prontamente transferiu R$100 bilhões para o Tesouro, um movimento

anti-desenvolvimento e pro-mercado financeiro e já se preparava para trnsferir mais R$50 bilhões, o que iria enfraquecer

muito a capacidade do BNDES emprestar. A indicação de Paulo Rabelo, que não é fanatico neoliberal, desagradou Meirelles e Goldfajn, que tratavam o banco como uma dependencia do Ministerio da Fazenda.

O banco está com uma liderança fraca, Paulo Rabelo é bom mas está sem retaguarda politica, o BNDES continua paralisado,

o que é exatamente o que equipe economica deseja, são inimigos até da existencia do BNDES.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.