Revista GGN

Assine

Clipping do dia

As matérias para serem lidas e comentadas.

Sem votos
5 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de maria rodrigues
maria rodrigues

A última que ouvi de Rodrigo

A última que ouvi de Rodrigo Maia foi essa: "Se a reforma da Previdência não for aprovada poderemos ter um Brasil nas mesmas condições do RJ". 

Por falta de argumentos, o Carioca aspirante a Presidência, cria uma frase terrorista.

Quem esculhambou o RJ foram os seus comparsas. Quem poderia ter evitado o mal imenso e vergonhoso hoje vivido pelo povo do segundo mais rico estado da Federação, foram exatamente Cabral, Cunha, Pezão, Temer e Rodrigo Maia. Dos dois primeiros sabemos um pouco do que roubaram dos cofres públicos, sem que ninguém se apresse em recolocar esses valores no lugar de onde não deveria ter saído. Tivessem Temer e Rodrigo Maia, em especial o Carioca, cheio de privilégios e poderes, querido, pretendido, desejado, de coração, muito teriam feito para evitarem essa tragédia. Mas, do que se tem notícia, é que só parte do Planalto medidas mais truculentas, ora cobrando dívidas daquele Estado com a União, ou condicionando Pezão, outros sarfadaz, a vender ativos, aumentar os descontos dos funcionários, entre outras medidas mais indigestas, incompreensíveis.

Todos os dias a vergonha fica mais escancarada. Hoje li uma notícia sobre psicólogos que estãoa oferecer, gratuitamente, seus serviços aos coitados que, além de estarem a depender de cestas básicas para não morrer de fome, também carecem de ajuda psicológicas para não virem a encher os manicômios.

A História há de contar essa quadra da vida do povo fluinense e carica com todos os detalhes, e para que nunca se esqueçam os brasileiros em geral onde nasceu essa vergonha e quem a promoveu.

Seu voto: Nenhum

Alerta: Golpe “reprivatiza” Vale, agora desnacionalizada

../../Desktop/Vale%20reprivatização%20desnacionalizante%20copy.jpg

Alerta: Golpe “reprivatiza” Vale, agora desnacionalizada

Por Romulus

Golpe: numa tacada só os gringos passam a ter METADE dos votos na Vale!

Evidentemente, os seus interesses convergem com os do Bradesco, outro grande acionista:

·                Corte de custos;

·                Maximização dos lucros e do pagamento de dividendos no curto prazo;

·                Investimentos apenas nas atividades mais lucrativas, de rápido retorno.

E, assim, juntos, formam a maioria!

*

- Espoliação do futuro do Brasil

Tudo isso, é claro, desconsiderando:

·                Interesses de longo prazo da empresa;

·                Interesses econômicos e estratégicos do Estado brasileiro.

·                Interesses dos trabalhadores e das comunidades afetadas pelas atividades da empresa.

Em suma: como adiantado no título, é o golpe da “reprivatização” desnacionalizante.

 

LEIA MAIS »

 

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

*

Tribunal que condenou Rafael Braga absolveu playboy que matou filho de Cissa Guimarães

 

https://www.revistaforum.com.br/2017/08/12/tribunal-que-condenou-rafael-braga-absolveu-playboy-que-matou-filho-de-cissa-guimaraes/

 

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

*

Efeitos persistentes da imigração

 

http://revistapesquisa.fapesp.br/2017/07/18/efeitos-persistentes-da-imigracao/?cat=humanidades

 

 

Seu voto: Nenhum

*

Cidade nos EUA vai dar passagem de ônibus de graça para reduzir trânsito

 

http://ciclovivo.com.br/noticia/cidade-nos-eua-vai-dar-passagem-de-onibus-de-graca-para-reduzir-transito/

 

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

A destruição de um país

Tijolaço

A destruição de um país

 

henf

Os indivíduos em geral e a as coletividades, quase sempre, movem-se em função de desejos e objetivos. Por uma década, reaprendemos a acreditar que o caminho para alcançá-los eram o Brasil em desenvolvimento e o nosso próprio desafio de, neste ambiente, alcançarmos o progresso pessoal: o “fazer um curso” ou graduar-se, “abrir um negócio”, comprar uma casa, um automóvel e assim por diante.

Havia lugar para os pequenos sonhos de cada um no grande sonho de um país.

O governo nacionalista e inclusivo que nos permitia estas aspirações, infelizmente, não foi capaz de interferir no outro patamar, este subjetivo, onde se acomodam desejos e aspirações humanas: a compreensão que, se era essencial o objetivo individual, a realização deste dependia, inapelavelmente, do ambiente econômico-social que passáramos a ter.

Acho curioso – e trágico –  que a discussão hoje na esquerda seja sobre falta de critérios mais “morais” nas alianças que fez para governar por uma década – e apenas isso, porque , depois de 2013, o governo passou apenas a responder às crises e não mais a dirigir o processo político.

O quadro político-parlamentar do Brasil é, há muito tempo, este desastre que assistimos hoje. Um pouco melhor aqui ou ali, talvez, mas em geral assim: miúdo, fisiológico, acanalhado, ávido por recursos eleitorais (que vinham, claro, de empresas que visavam lucros e privilégios), quando não de enriquecimento pessoal. Controlá-lo é o passo essencial para qualquer governo e muito mais difícil é para um governo que pretenda transformar o país: mudar é muito mais difícil que manter o status quo de uma sociedade injusta.

Só os pueris podem acreditar que uma seita de “puros e castos” converterá a sociedade ao tal padrão – que ironia! – “Fifa”. Nem mesmo, estamos a ver, quando esta seita – nem tão casta, nem tão pura – tem, como tem o sistema judicial brasileiro, o poder de denunciar, prender, fuçar, grampear, escavar – e sem consequência alguma – os escaninhos da vida de cada cidadão.

O resultado da “onda” moralista está aí, diante de nós: um país arruinado, onde o ceticismo se tornou a regra, onde a desesperança venceu a vontade, onde a estagnação sufocou o desejo de progresso, onde a drenagem de nossas riquezas para a ser apontada como “salvação” e onde todos nós nos embrutecemos.

Quem, agora, pensa em “fazer um curso”, “abrir um negócio”, “conseguir uma promoção”, comprar uma casinha, exceto uma pequena camada da população?

Como, se o debate nacional é “onde vamos cortar”, “como vamos taxar mais” o “o que vamos vender”  ou “a quem vamos prender e condenar”?

Todo processo de transformação no Brasil sempre foi abortado com o fórceps do moralismo, desde Vargas. Da UDN dos punhos de renda, aos coxinhas da paulista, passando pelas senhoras católicas e lacerdistas, sempre veio da classe média o combustível humano para as fogueiras da Inquisição, que são as chamas da treva.

Há uma pequena chance – e apenas porque aqueles tempos de progresso são recentes e se personalizam em Lula – de retomarem-se um projeto de vida e de país onde o crescimento econômico seja mais importante que os cortes orçamentários, onde investir seja a forma de avançar, onde incluir seja a fórmula para o progresso social, onde o ódio não seja mais a pauta da política.

Os “purismos” – sejam os étnicos, os religiosos, os morais – sempre foram capas hipócritas da crueldade humana e social. A nossa força sempre foi o contrário: o Brasil diverso, mestiço, cheio de pecados que fomos expurgando com o tempo, sempre que tivemos liberdade e mesmo quando tivemos tantas eras autoritárias.

Ainda mais quando vemos que os nossos santos não são nada franciscanos e, de seus berços de farturas, mostram um desprezo supremo pelo sofrimento da população.

http://www.tijolaco.com.br/blog/o-salve-me-quem-puder/

Seu voto: Nenhum (1 voto)

webster franklin

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.