Revista GGN

Assine

Clipping do dia

As matérias para serem lidas e comentadas.

Média: 3 (2 votos)
14 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Carioca
Carioca

Tamos ou não tamos PHU ?

Ministro Moreira Franco diz que política de segurança do RJ tem que ser 'profunda e radical'Segundo ele, medidas têm que levar em consideração a complexidade da segurança no estado. Ministro participou do anúncio do alargamento de trecho da BR-101 e da abertura do Mergulhão de Niterói.

Por Fernanda Rouvenat, G1 Rio

 

19/08/2017 10h12  Atualizado há 31 minutos  Fernanda Rouvenat / G1) Fernanda Rouvenat / G1)

Moreira Franco participa de anúncio de alargamento da pista da BR-101 (Foto: Fernanda Rouvenat / G1)

 governador abraça Carlinhos Maracanã sob vigilância de Anísio e companhia

(http://www.jb.com.br/rio/noticias/2011/12/15/jogo-do-bicho-e-politica-in...)

Seu voto: Nenhum

Quem é esse homem?

Quem é esse homem que arrasta multidões por onde passa, que todos querem tocá-lo, 

como um herói,um Robin Hood moderno?  QUEM É ESSE HOMEM?

Crédito;Toni Bulhões.

 

 

 

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Jackson da Viola
Jackson da Viola

ultima....juro...

Licitação de unidade de gás da Petrobras terá poucas estrangeiras, dizem fontes

https://br.reuters.com/article/topNews/idBRKCN1AY28W-OBRTP

Seu voto: Nenhum
imagem de Jackson da Viola
Jackson da Viola

“Prefiro cheiro de cavalo a cheiro de povo.”

Netinho do "saudoso".......

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Jackson da Viola
Jackson da Viola

tecnicos-de-dentro-do-governo-denunciam-incoerencia-fiscal

http://blogs.correiobraziliense.com.br/servidor/tecnicos-de-dentro-do-go...

Seu voto: Nenhum
imagem de Jackson da Viola
Jackson da Viola

Mises e christopher cantwell

https://www.vice.com/pt_br/article/d3334w/o-neonazi-christopher-cantwell...

https://archive.fo/IMgMU

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Jackson da Viola
Jackson da Viola

A Noruega e as contradições...

http://www.dw.com/pt-br/a-hipocrisia-clim%C3%A1tica-norueguesa/a-40141580

Seu voto: Nenhum
imagem de Jackson da Viola
Jackson da Viola

moradores-do-jacarezinho-estocam-alimentos

http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/moradores-do-jacarezinho-esto...

Seu voto: Nenhum

Gilmar Mendes manda soltar 'parente' preso por corrupção e confi

Da RBA

Gilmar Mendes manda soltar 'parente' preso por corrupção e confirma suspeição do MPF

 

 

Jacob Barata Filho, "rei dos ônibus" do Rio de Janeiro e de quem o ministro foi padrinho de casamento da filha, foi preso em julho. Apesar de habeas corpus, empresário segue na cadeia   por Helena Sthephanowitz publicado 18/08/2017 12h25, última modificação 18/08/2017 12h30  REPRODUÇÃO GilmarMendes_Casamento.jpg

Filha de empresário preso por corrupção e evasão de divisas foi apadrinhada pelo ministro Gilmar Mendes, que expediu habeas corpus em seu favor

Um casamento realizado em 2013, com festança de luxo, entre herdeiros de milionários donos de empresas de ônibus, em plena temporada de protestos pela má qualidade do serviço e pela tarifa cara voltou a ser notícia na imprensa na tarde dessa quinta feira (17).

A cerimônia que uniu Beatriz Barata e Francisco Feitosa Filho custou estimados R$ 3 milhões e foi comparado ao famoso “baile da ilha fiscal”, por conta da exibição explícita de luxo e riqueza. Mas o que chamou mesmo a atenção foi a presença do casal Gilmar Mendes e sua mulher, Guiomar, como padrinhos da noiva.  Explica-se: Beatriz é filha de Jacob Barata Filho, o "rei dos ônibus" do Rio, onde a família é dona de 16 empresas de ônibus e detém 450 coletivos que circulam na cidade.

Pois Barata Filho foi preso pela Operação Ponto Final em junho passado, quando embarcava para Portugal apenas com passagem de ida. Acusado pela Polícia Federal e pelo Juiz Marcelo Bretas de fazer parte de um esquema que envolve empresas de ônibus e o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB).

A Operação Ponto Final rastreou o pagamento de propinas a políticos e agentes públicos entre 2010 e 2016. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), os pagamentos seguiam esquema similar ao utilizado pelas empreiteiras revelado nas operações Calicute e Eficiência, e podem chegar a mais de um bilhão de reais, se incluídas outras pessoas que não são agentes públicos. O caso envolve também o ex-governador Sérgio Cabral (PMDB) que concedeu desconto de IPVA às empresas de ônibus num processo administrativo que tramitou por apenas um dia no Estado. De acordo com o MPF, só para Cabral, preso desde novembro, foram destinados R$ 300 milhões. Quase três meses se passaram desde a prisão do "empresário" e o caso ainda está em análise na PGR.

Mas nesta quinta-feira (17) Gilmar Mendes concedeu habeas corpus não só para o "rei do ônibus" como também a Lélis Teixeira, presidente da Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), envolvido no mesmo processo. 

Os presos, porém, nem tiveram tempo de comemorar a liberdade "presenteada" por Gilmar Mendes. Pouco tempo depois de proferir a decisão pela soltura da dupla, o juiz Marcelo Bretas determinou novamente as prisões de ambos: Lélis Teixeira, acusado de corrupção entre sistema de ônibus do Rio e políticos e Barata Filho, pelo crime de evasão de divisas.

O caso chama atenção não só pelo ineditismo, mas principalmente porque é mais um episódio a levantar suspeitas em torno da figura de Gilmar Mendes. O Ministério Público Federal do Rio de Janeiro não queria que o ministro atuasse nesse caso. No dia 25 de julho, duas semanas após Barata Filho ser preso, o MPF pediu que Rodrigo Janot defendesse a suspeição de Gilmar Mendes no processo contra Jacob Barata Filho.

No documento, enviado à Janot, o MPF anexou links de reportagens de sites de jornais que mostravam fotos do ministro ao lado de Beatriz Barata durante a cerimônia de seu casamento. O MPF também lembrou que um dos advogados de Barata Filho é também advogado de Gilmar, em uma ação movida pelo ministro em 2014. 

E tem mais: Beatriz, casou-se com Francisco Feitosa Filho. O pai, de Feitosa Filho é Francisco Feitosa de Albuquerque Lima, o Chiquinho Feitosa, por sua vez chamado de "barão do ônibus" do Ceará. Chiquinho Feitosa, ex-deputado federal pelo DEM e presidente do DEM cearense é nada menos que irmão de Guiomar Feitosa de Albuquerque Lima Mendes, esposa de Gilmar Mendes.

Guiomar é advogada do escritório Sérgio Bermudes, que tem como cliente a Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro (Fetranspor), cujo presidente, Lélis Teixeira, quase foi solto pelo marido, Gilmar.

Chiquinho Feitosa, cunhado do ministro do STF, também é presidente da Federação das Empresas de Transportes Rodoviários dos Estados do Ceará, Piauí e Maranhão e do Sest/Senat. Além de ser dono da empresa Vega, concessionária de linhas de ônibus em Fortaleza, também é dono de uma das maiores empresa de ônibus de Portugal, a Vimeca, que opera na região da Grande Lisboa. Coincidentemente, era justamente para Portugal que Jacob Barata Filho estava fugindo quando foi preso, levando dólares e euros acima do máximo permitido, ou seja, cometendo o crime de evasão de divisas.

O episódio deve voltar a acirrar os ânimos dos muitos que desejam o impedimento de Gilmar Mendes como ministro do STF. A conferir.

http://www.redebrasilatual.com.br/blogs/helena/2017/08/gilmar-mendes-sol...

Seu voto: Nenhum

webster franklin

Parente veste a carapuça ao fugir da CPI da Petrobrás

Carta Maior

18/08/2017 14:07Parente veste a carapuça ao fugir da CPI da Petrobrás

 

Ao se negar a comparecer à CPI e fornecer documentos, Parente faz confissão de culpa, segundo deputados integrantes da CPI da Petrobrás

 

Rogerio Lessa - AEPET

  Reprodução

 

 
Convidado a comparecer à CPI da Petrobrás, em andamento na Assembleia Legislativa do RJ (Alerj) e presidida pelo deputado Paulo Ramos (PSol-RJ), o presidente da Petrobrás, Pedro Parente, deixou uma impressão ruim, como se tivesse algo a esconder. Para não comparecer nem fornecer documentos sobre vendas de ativos, entrou na Justiça e conseguiu uma liminar, através da Juíza Mirela Erbisti, da 3ª Vara da Fazenda Pública do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro.
 
Em vista disso, o presidente da CPI, Paulo Ramos, declarou: “CPI não é audiência pública, nem um seminário. É um órgão investigativo. A Petrobrás é a maior empresa do País, e seu presidente deveria ser o primeiro a fornecer informações para a população brasileira. Quando se nega a fazer isso, deixa a impressão de que tem algo a esconder”, disse o deputado, alertando que, a partir dessa negativa, que gera suspeitas, “as pessoas gentilmente convidadas podem se transformar em investigáveis”.
 
Já o vice-presidente da AEPET, Fernando Siqueira, considera que a sentença da juíza se baseou em algumas falácias e que, portanto, ela foi induzida ao erro. “A petição diz que a CPI iria apurar ‘o que, jocosamente, se denominou desmonte da Petrobrás’. Seria jocoso aceitar a venda da malha de gasodutos que transporta o gás do pré-sal para uma empresa que deu um tombo no governo brasileiro ao vender a Light e Eletropaulo no último ano da concessão?; Seria jocoso aceitar a venda de Carcará, o melhor campo do pré-sal, que tendo três poços perfurados e uma reserva de 3 bilhões de barris, teve 66% (aproximadamente 2 bilhões de barris) vendidos por US$ 2,5 bilhões?", indaga.
 
Vale lembrar que a Petrobrás pagou ao governo US$ 8,50 por barril nos campos da cessão onerosa, sem ter nenhum poço perfurado. Carcará, com três poços perfurados, valeria, no mínimo US$ 9 por barril, cerca de US$ 27 bilhões. Carcará tem uma pressão maior que os demais campos, gerando uma economia fantástica na recuperação secundária. Significa que foi vendido por ser bom demais, conforme afirmou o geólogo Luciano Chagas em entrevista ao AEPETV (clique aqui para assistir).
 
A petição da Petrobrás também diz que a dívida bruta da Companhia é de R$ 400 bilhões. Siqueira pondera que este valor existia quando o dólar estava cotado a R$ 4. Logo depois da posse de Parente, o dólar caiu para R$ 3,20, e a dívida caiu para R$ 320 bilhões. A Petrobrás tem em caixa, em média, US$ 22 bilhões, portanto, a dívida líquida, no início da gestão Parente, era de US$ 78 bilhões, que, transformados para reais, correspondiam, na verdade, a R$ 249 bilhões.
 
“Recentemente, o próprio o presidente Parente declarou que dívida bruta teria caído para US$ 89 bilhões, que, abatidos os US$ 22 bilhões em caixa, resultaria numa dívida líquida US$ 67 bilhões ou R$ 214 bilhões. Ou seja, praticamente metade da dívida declarada na petição”, contabiliza.
 
Siqueira ressalta também que o senhor Parente, ao assumir, declarou que precisava de US$ 21 bilhões para tocar o plano de negócios. “Mas, apenas com a desvalorização do dólar, ganhou de presente US$ 25 bilhões. Por que continuar vendendo ativos?”.
 
O vice-presidente da AEPET lembra ainda que o diretor financeiro Ivan Monteiro foi ao exterior tomar empréstimo de US$ 2 bilhões e voltou com US$ 4 bilhões, a juros bem abaixo das taxas de mercado, mostrando que quem tem as reservas do pré-sal já descobertas tem crédito fácil e barato no mercado internacional.
 
Outro fato relevante é que o BNDES devolveu ao governo, intempestivamente, R$ 100 bilhões por falta de tomador. "Por que a Petrobrás não cogitou desse dinheiro?”, indaga Siqueira.
 
Outra falácia da petição: “para viabilizar os investimentos até 2021, o desinvestimento é essencial”. Os fatos acima mostram que isto não é verdade.
 
Também soa falaciosa a afirmação de que “a ingerência de órgãos não legitimados na execução do plano de desinvestimentos faz surgir o risco de lesão grave ao autor, prejudicando a continuidade das atividades essenciais para sua recuperação, bem como o próprio reequilíbrio financeiro e a redução do endividamento”. Afinal, ir a uma CPI fornecer esclarecimentos sobre uma empresa pública, altamente estratégica para o País, não denigre a imagem de ninguém. A não ida, sim. “O que denigre a imagem é a nomeação por um governo cujos integrantes têm sido acusados de obstrução de justiça, formação de quadrilha e corrupção pelo Ministério Público Federal”, frisa o vice-presidente da AEPET.
 
A petição de Parente diz ainda que “do ponto de vista operacional e estratégico, a interferência em tais procedimentos termina por afastar possíveis compradores/parceiros, não somente para esses ativos como para todos os demais processos assemelhados, diminuindo seus valores ofertados”.
 
Na opinião de Siqueira, o que desvaloriza os ativos é:
 
 1) vendê-los em momento inapropriado de baixa temporária do preço do barril de petróleo internacional;
 
 2) proceder desvalorizações contábeis dos ativos (impairment) sucessivos de R$ 49 bilhões, em 2014; R$ 48 bilhões , em 2015, e R$ 16 bilhões, em 2016;

 3) vender esses ativos sem concorrência e sem transparência.

“Se o peticionário considera que a Assembleia Legislativa do estado que mais depende do petróleo não é legítimo para obter informações para o povo brasileiro, quem o seria?
O que significa para ele democracia? E o Artigo 1º da Constituição Federal?”, questiona.
 
Por fim, Parente alega que a Petrobrás, por ser sociedade de economia mista federal, estaria sujeita a fiscalização de órgão de controle federal e ao poder legislativo federal. “Ora, a Petrobrás está situada no Estado do Rio de Janeiro e a paralisação de suas obras gerou um caos econômico sem precedentes na história fluminense", pondera Siqueira, citando declaração do deputado Dr Julianelli (Psol) na CPI : “A Petrobrás tem importância fundamental para o povo brasileiro e, particularmente, para o Rio. Indústria naval, geração de empregos e tecnologia. Portanto, como empresa pública, a venda de seus ativos precisa ser amplamente debatida como o povo brasileiro”.
 
"Estranhamente, o presidente da Alerj tentou afastar da CPI o deputado Geraldo Moreira (PTN), cuja postura é de um nacionalista e defensor dos interesses do povo do Rio e do País. Queria colocar em seu lugar, Milton Rangel (PSD), do time do Paulinho da Força Sindical, cuja reputação está a nível da lava jato", finaliza Siqueira.

http://www.cartamaior.com.br/?/Editoria/Politica/Parente-veste-a-carapuc...

Seu voto: Nenhum (1 voto)

webster franklin

Adaga

Por mais de 10 anos prestei serviços a uma portentosa empresa. Gigante. Brasileira. Me sinto enjoada cada vez que leio sobre a destruição da Petrobras. E adoeço porque acredito no intencional, no premeditado, no agendado. No início de 2014 (acho) com a tal "lava jato" trazendo ao palco um dos diretores - àquela altura já afastado - e preparando o terreno para inviabilizar DVR, já soavam as sirenes alertando para um desmonte intencional, uma entrega deslavada e vergonhosa. Ali iniciou-se também meu desligamento gradual da empresa. Quando por fim a deixei em definitivo, um ano depois, os indícios eram já bem mais claros de uma "intervenção" vergonhosa. E acusavam Lula e Dilma de "aparelhamento"... Hoje ainda acompanho de perto - tenho grandes amigos por lá - e tenho vontade de chorar quando me deparo com o desalento e desesperança dos profissionais de valor que vêem a empresa derreter a cada desmando, a cada desmobilização, a cada "desinvestimento", por saberem não se tratar de gestão na crise, mas de partilha de butim simplesmente. Muito triste.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Anna Dutra

The Flash: pela 2ª vez em menos de 24 horas, Gilmar Mendes manda

Tijolaço

The Flash: pela 2ª vez em menos de 24 horas, Gilmar Mendes manda soltar Jacob Barata Filho Postado em 18 de agosto de 2017 às 7:30 pm

Do G1:

 

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), mandou soltar, novamente, o empresário Jacob Barata Filho e o ex-presidente Federação das Empresas de Transportes de Passageiros do Estado do Rio de Janeiro Lélis Teixeira.

Barata Filho e Teixeira estão presos desde o começo de julho e são considerados protagonistas do esquema de pagamento de propina do setor de transportes no estado.

A decisão, assinada nesta sexta-feira (18), derruba uma ordem de prisão expedida nesta quinta (17) pelo juiz federal do Rio de Janeiro Marcelo Brêtas.

Gilmar Mendes já havia determinado a soltura dos dois nesta quinta, antes da decisão de Brêtas.

Mas ainda à noite, o juiz federal Marcelo Bretas determinou nova prisão dos dois. Com a nova decisão, Gilmar Mendes tira Barata Filho e Teixeira da cadeia, determinando, além do recolhimento em casa, a proibição de manterem contato, inclusive com outros investigados no caso.

O ministro, porém, teve a atuação no caso questionada pelo Ministério Público Federal do Rio de Janeiro.

O MPF afirma que o ministro foi padrinho de casamento da filha do empresário. Além disso, alega que um advogado de Gilmar Mendes também é advogado de Barata Filho.

Segundo os procuradores, sabendo disso, Gilmar Mendes deveria se declarar suspeito de tomar decisões sobre o caso. Questionado nesta sexta sobre a relação com os envolvidos, o ministro respondeu:

“Vocês acham que ser padrinho de casamento impede alguém de julgar um caso? Vocês acham que isto é relação íntima, como a lei diz? Não precisa responder”, disse.

http://www.diariodocentrodomundo.com.br/essencial/the-flash-pela-2a-vez-em-menos-de-24-horas-gilmar-mendes-manda-soltar-jacob-barata-filho/

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

webster franklin

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.