Revista GGN

Assine

Doria suspende programa para deficiente auditivo criado no governo Haddad

Atividades da Central de Interpretação de Libras foram suspensas nesta segunda (13) porque a Prefeitura congelou os pagamentos dos últimos três meses. Em nota, Paço escondeu que recebeu aviso de paralisação


Jornal GGN - A gestão do prefeito João Doria (PSDB) provocou, por falta de pagamentos, a suspensão da Central de Interpretação de Libras, programa criado durante o governo Fernando Haddad (PT), em São Paulo, para oferecer assistência a pessoas surdas, surdocegas e deficientes auditivos.

Os serviços da Central foram contratados da empresa IMF Tecnologia para Saúde em abril de 2015, válidos por pelo menos dois anos, prorrogáveis por mais dois, ao custo de R$ 6,9 milhões. Em média, 3 mil atendimentos eram feitos por mês. A empresa, contudo, não recebe a contrapartida mebsal de R$ 280 mil da Prefeitura há três meses, e decidiu lançar mão da lei de licitações (que prevê suspensão das atividades previstas em contrato após 90 dias de inadimplência) para justificar a paralisação.

O corte do atendimento de intermediação de libras para português e vice-versa foi feito nesta segunda (13), e deve vigorar até que o pagamento seja normalizado. A informação foi confirmada ao GGN pela gerente administrativa da IMF, Renata Neubauer Junqueira.

A iminência da suspensão do programa vem gerando, há alguns dias, manifestações nas redes sociais. No dia 8 de março, a Prefeitura teve de publicar uma nota se posicionando sobre a "possível paralisação".

Segundo o texto, "o atendimento (...) está com o seu funcionamento normal, não havendo razão por parte da SMPED [Secretaria Municipal de Pessoa com Deficiência] para a descontinuidade deste serviço. A título informativo, quem realiza a prestação do serviço de interpretação de Libras para o Munícipe é uma empresa contratada, que conta com profissionais qualificados, cujo contrato está em vigência, portanto, não há motivo para a interrupção do serviço", sustentou o governo Doria.

Porém, ao contrário do que informou a Prefeitura, a IMF protocolou na Secretaria responsável pelo programa, no dia 3 de março, um aviso de que a empresa não tinha mais condições de sustentar o programa sem que os pagamentos fossem regularizados até o dia 13. O documento foi endereçado a Cid Torquato, titular da pasta.

O GGN apurou que a gestão Doria deixou em aberto valores correspondentes ao mês dezembro de 2016 até agora, sob a justificativa de que estaria realizando uma "auditoria" no contrato.

Somente após o aviso de suspensão, o Paço passou a questionar os pagamentos à IMF por causa de um impasse envolvendo a Prodam (empresa municipal responsável por serviços ligados a tecnologia e comunicação), que se arrasta desde a gestão passada.

Além do atendimento presencial, a IMF disponibilizou ao município assessoria virtual para os usuários. A Prodam é a responsável contratual por disponibilizar internet e alocar o servidor para tornar o atendimento completo. Contudo, desde o começo das atividades, é a própria IMF quem, na prática, disponibiliza o servidor à Prefeitura, sem custos adicionais ao erário.

"A bem da verdade, a empresa é culpada de fazer além daquilo que deveria. Esse questionamento veio somente após a carta de aviso sobre a paralisação", disse uma fonte ao GGN, sob condição de anonimato.

A reportagem também recebeu relatos de que o governo Doria trabalha para omitir a real causa da suspensão do serviço, a falta de pagamentos. Os funcionários da IMF estão sem linha telefônica a partir de hoje, e os esclarecimentos sobre a situação do serviço são feitos por uma funcionária ligada à Comunicação da Prefeitura.


Sobre a Central

A Central de Interpretação de Libras da Prefeitura de São Paulo foi criada na gestão do prefeito Fernando Haddad e seu escopo é o atendimento na intermediação de Libras para Português e vice-versa de pessoas surdas, surdocegos e deficientes auditivos nos locais públicos da cidade.

Esse serviço dá cumprimento à LBI, Lei Brasileira de Inclusão, que prevê a presença de intérpretes de Libras nas instituições públicas e privadas para garantir a comunicação, e assim, o empoderamento do cidadão surdo.

O serviço se faz necessário em consultas médicas, tratamentos psiquiátricos, atendimentos na área da assistência social (questões da área da família, acompanhamento de adictos), audiências em tribunais, reuniões na defensoria pública, INSS, entre outros.

Os atendimentos iniciaram em junho de 2015 e eram feitos nos locais públicos ou através de um app gratuito.

A Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República chegou a colaborar com um carro, três computadores e mobiliário para compor a estrutura da CIL de São Paulo.

Média: 3.9 (7 votos)
10 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Chris
Chris

Publicidade

Entretanto, a publicidade da Prefeitura de SP anda a todo vapor nas rádios (fascistas) paulistanas. 

Seu voto: Nenhum

A desculpa da auditoria.

Com a desculpa da auditoria:  colocaram em dúvida vários benefícios sociais, mas jamais colocaram em dúvida os juros extorsivos de bancos e do cartão de crédito.

Com   desculpa da auditoria , colocaram em dúvida e paralisaram centenas de obras, mas jamais auditaram as vendas de poços de petroleo e de fatias da petrobrás.

Com desculpa da auditoria estão acabando com a educação no país, mas ninguem audita este governo e este desgoverno.

Mas foi sem desculpa sem nada que Dória como um taleban, destruiu todos os grafites da 23 de maio.

Não sei porque se desculpam, se o que resta é apenas a desfaçatez.

 

Seu voto: Nenhum
imagem de CEduardo
CEduardo

http://vidamaislivre.com.br/2

http://vidamaislivre.com.br/2014/05/06/quero-colaborar-com-a-cidade-diz-...

Seu voto: Nenhum
imagem de jose fernandes
jose fernandes

Esperar o que desse

Esperar o que desse fascista,e virá mais coisa por ai...

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Adyneusa
Adyneusa

Vai quebrar

Vai quebrar São Paulo esse idiota. Mas acho "bom" votaram nesse canalha disfarsado de bom moço.
Como todo bom tucano, só tem aparencia.
E os pobres que votaram nele? já perderam o transporte escolar, o leite, farmácia popular, Samu, quero é mais.

Seu voto: Nenhum (6 votos)

É típico dos tucanos se

É típico dos tucanos se fazerem de surdos, mudos e cegos!

Seu voto: Nenhum (7 votos)
imagem de rosenvald flavio barbosa
rosenvald flavio barbosa

sinceramente????

eu quero é mais...................

votaram nesta desgraça..............agora é ver o que do que o cara é capaz!!! 

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de O. Lima Duartte
O. Lima Duartte

É uma área muito delicada,

É uma área muito delicada, mas não podemos de atirar pedras no Prefeito João Dória, o qual deve ter seus motivos para estar priorizando outras áreas. Seria de bom grado que o Prefeito pelo menos justificasse explicanto a medida, mesmo não tendo essa obrigação.

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de Chris
Chris

Outra área, vc quis dizer,

Outra área, vc quis dizer, publicidade???

.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de LeandroLeandro
LeandroLeandro

Não tem obrigação?   É muito

Não tem obrigação?

 

É muito engano, ele, por ser o prefeito da cidade, tem, sim, a obrigação de justificar toda e qualquer medida que for tomada pela prefeitura. Ele é o funcionário público com a missão de tomar as decisões de políticas públicas e projetos e deve justificar tudo isso para o público, que é quem detem (ou deveria) o poder.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.