newsletter

Assinar

Falta um blockbuster na estratégia de Nelson Barbosa

Desde o governo José Sarney, havia uma fórmula infalível da área econômica romper com impasses políticos: lançar um pacote econômico. Após o Real, escassearam os pacotes, mas permaneceu o fantasma da volta da inflação e do risco de fim de mundo para romper com impasses.

O que está faltando à área econômica é encontrar o pacote de medidas que opere como um divisor de águas. Obviamente, não poderá ser da natureza dos velhos pacotes, interferindo em contratos e investimentos. Mas a urgência do momento exige mais do que a peregrinação do Ministro Nelson Barbosa por gabinetes de economistas, pregando o bom senso.

***

Há um conjunto de situações que podem ser somadas para criar o impacto político.

Uma delas é a possível entrada em massa do capital chinês na economia.

Este mês Barbosa irá à China conferir de perto as intenções chinesas. Da embaixada, a China tem acenado com profundo interesse em entrar, até sozinha se for o caso, em obras de fôlego, como a ferrovia Bioceânica e o Trem Bala.

A prova do pudim está nos PMI (Procedimentos de Manifestação de Interesses). Por ele, uma empresa procura o governo e manifesta interesse em assumir a concessão de determinada obra. Acertados os ponteiros, ela se incumbe de preparar os estudos técnicos necessários para a licitação.

Se houver interesse real da China, as empresas locais poderão recorrer aos PMIs.

***

Barbosa passou a quinta-feira passada em São Paulo conversando com economistas de várias linhas econômicas sobre sua estratégia para a recuperação da economia.

Tem insistido que, ao contrário do que a imprensa vem propalando, o Congresso tem se mostrado receptivo às propostas. Muitos parlamentares sentem necessidade de prestar contas para sua base, sobre o que está fazendo para enfrentar a crise.

***

Rebateu, também, as análises taxando de inócuas as medidas de liberação do crédito.

Com o pagamento dos passivos do Tesouro aos bancos públicos, há uma enorme massa de recursos no BNDES, indexadas à TJLP.

A estratégia é utilizar melhor o que já existe. No caso do crédito agrícola, os financiamentos pré-custeio têm grande demanda, inclusive para antecipar a compra de insumos.

O BNDES retomou as linhas de capital de giro para exportação e para PME (Pequenas e Microempresas) a um custo de 15% a 19% ao ano, inferior aos 40 e tantos por cento das linhas convencionais. O desafio será chegar na ponta, já que é uma operação indireta.

Cobrando 15% ao ano, abre-se grande oportunidade de refinanciar as prestações de bens de capital.

***

A mesma lógica foi seguida na permissão para os trabalhadores utilizarem até 10% dos recursos do FGTS e da multa de rescisão como garantia para o crédito consignado. Não haverá nenhum saque adicional, mas apenas o que está previsto na legislação. Mas, utilizando o FGTS no financiamento, o trabalhador terá mais poder para barganhar redução das taxas de juros.

***

Já houve mudanças importantes nas concessões, com pelo menos quatro avanços sistêmicos.

  1. Foram revistas as regras para a concessão de rodovias e ferrovias, conferindo maior flexibilidade. Antigamente, era obrigatório a duplicação depois de cinco anos. Agora, há um gatilho levando em conta a demanda.

  2. Nas telecomunicações, está em andamento a reforma do marco regulatório, passando do regime de concessão para o de autorização, sem as obrigatoriedades das concessões.

  3. Flexibilização da Lei do Petróleo para campos antigos da rodada zero. Quando foi votada a Lei do Petróleo, a rodada zero incluiu um conjunto de campos, com prazos de concessão de 8 a 10 anos. Muitos deles têm potencial para mais, mas as concessionárias não investem por falta de prazo. Esticando o prazo, destrava-se parte dos investimentos da Petrobras e de outros campos.

  4. Os técnicos do TCU (Tribunal de Contas da União) estão prestes a terminar os estudos para três ramais das ferrovias. Continuaram trabalhando em pleno recesso carnavalesco.

***

Mesmo assim, ainda falta o blockbuster.

O caminho poderá estar em um grande plano descentralizado de destravamento dos investimentos em saneamento, articulando operações que permitissem aos municípios quitar suas dívidas com a União com suas concessões de saneamento.

A partir daí a recuperação da economia poderia se dar na ponta dos municípios.

Mas é medida que exige mais do que a correção técnica: demanda criatividade e coragem políticas.

Imagens

Média: 3 (20 votos)
27 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Paulo Ress2
Paulo Ress2

A solução da Dilma para a

A solução da Dilma para a economia é privatizar a Petrobrás.

Seu voto: Nenhum

Jogando limpo

CLIQUE NA IMAGEM PARA MAIS TIRINHAS!

Seu voto: Nenhum

Nassif, te largaram na chuva? Ninguém mais anuncia aqui?

Cadê os banners dos anunciantes?

 

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Follow the money, follow the power.

imagem de Carlos Lan
Carlos Lan

Concordo em gênero e número, Nassif, mas...

...falta combinar com os russos,.como diria Garrincha. Nassif, às vezes vc não se sente enganado por aqueles que tão apaixonadamente defende? Nobre e honrado jornalista, poucos neste país têm tanta propriedade para argumentar como vc, mas pq essa demora em aceitar de vez o que está mais do que claro? Acabei de ler aue BB e Itaú aumentaram os juros para 6.43% ao mês. Quem vai arcar com isso? O trabalhador assalariado, que se mata para manter a dignidade da família. Li também que o governo adiou para março o anúncio de quais gastos "poderá " vir a cortar. Há um ano e meio leio vc sugerir as mais óbvias soluções, mas o governo só faz exatamente o contrário do que vc propõe. É possível tanta burrice em um só ser humano, Nassif? A Dilma tem algum problema mental, ou algo do gênero? Li em um artigo seu no ano passado que (salvo engano) vc fora procurado pelo genro do FHC para opinar sobre uma possível soluça governamental. Ainda que não tenham seguido seu conselho, vc foi ao menos consultado. Quantas vezes a Dilma o procurou? Nassif, não seria o momento de aceitarmos os fatos, de que o problema da Dilma não é apenas arrogância e burrice, que ela tem de sobra, mas interesses um pouco mais escusos? São perfuntas, não afirmações. Gostaria de seu comentário mais sincero.

Seu voto: Nenhum

Quer dizer que O Governo

Quer dizer que O Governo precisa de um projeto de engenharia?
O Governo precisa de um plano a ser executado Com a Odebtecht e a OAS?

Nassif, a não ser que vc planeje usar o exército. ..péssima idéia.
Esquece saneamento. Saneamento era para ter sido a bola da vez mas isso foi antes.
Agora acabou e só daqui a 10 ou 15 anos. Fico surpreso que vc não tenha visto a besteira que disse. Sim os consultores. ..

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de antonio barbosa
antonio barbosa

Governo é parente serpente.

Vamos imaginar uma situação hipotética. Em sua família um parente lhe deve muito dinheiro para motivos variados e agora lhe diz que não vai lhe pagar. Diz que sente muito, mas que a situação dele ficou insustentável e que você que se dane. Opa! Na hora da gastança tudo muito bem, tudo muito bom. Na hora da arcar com as obrigações, toma lá que o filho é seu. Assim é o governo brasileiro. Tripudiou, sambou, arreliou com o dinheiro público e agora busca a solução mais fácil: CPMF, loteamento da infraestrutura, entrega a preços baixos do patrimônio petrolífero e por ai vai. É como o parente serpente, que depois de lhe dar uma banana, vem na maior cara de pau comer churrasco na sua casa. A verdadeira solução está na cara do governo, mas ele teima em não adotá-la porque isto seria sua ruína política definitiva, ou seja, cortar na carne seus imensos e atabalhoados gastos. Veja que atualmente o governo acena mais uma vez para aumentar o tempo de aposentadoria, mas recusa-se a transformar este direito em algo igual para todos, ou seja, os trabalhadores do setor privado que se danem, porque os políticos e os funcionários públicos irão manter suas mordomias. Por mais que se procure, que se escarafunchem, não conseguirão achar um blockbuster neste falido governo. Nelson Barbosa não passa nem perto de Levy, mais parece uma marionete ou um boneco de ventríloquo. A crise é mais dramática do que se imagina e se Dilma não tiver a decência de sair, ela vai se aprofundar até surgir o desabastecimento e o desespero do povo virar um salve-se quem puder. 

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Marco Abi
Marco Abi

Falta tudo, sobretudo horizonte

Criatividade é coisa que falta a Nelson Brabosa. Puxado o tapete do Levy, Nelson chegou ao auge do que queria. Será (já é) o comandante do naufrágio econômico. No máximo vai tentar diminuir a recessão.

Coragem política é coisa que falta ao governo todo, dado que almeja tão somente rastejar até o fim do mandato.

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de Josiel Nunes
Josiel Nunes

Não acho que falte alguma

Não acho que falte alguma coisa para fazer a economia reagir. O representante dos capitalistas Joaquim Levy já foi defenestrado, o arrocho fiscal foi abandonado e um pacotaço de crédito anunciado há pouco. A recuperação está logo ali adiante, é só olhar.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de niveo roberto campos e souza
niveo roberto campos e souza

Primeiro de tudo, baixar o

Primeiro de tudo, baixar o indecoroso, indecente e abusivo juro.

Só enriquece os banqueiros e os já ricos  e, como empre, os especuladores e  faz o povo de eterno palhaço.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Renato Ferreira Lima
Renato Ferreira Lima

Planos infalíveis do Cebolinha...

Os pacotes do Sarney entregaram uma economia com taxa de 6.000% de inflação ao ano. Ou seja, o tal do plano infalível rompia não só com os tais "impasses políticos" como afundaram a economia brasileira, transformando o país no paraíso dos rentistas e no inferno dos pobres - é, keynesianos não gostam de ouvir isso pois sabem que foi a sua complacência com a inflação que nos levou até isso.

O que investidores buscam são regras claras e estáveis, desburocratização, governo menos interventor, inflação sob controle. Ou seja, tudo o que "pacotes econômicos" não trazem. Cebolinha e Cascão não querem mais apanhar da Mônica? Então fariam melhor se deixassem o coelho em paz e fossem cuidar de outras coisas - estudar e tomar banho, por exemplo. Mas ficam presos nesse ciclo vicioso de criar "planos infalíveis" funcionam. Pior: apanham e continuam iguaizinhos, sem aprender nada.

Acho que, quando crescerem, Cebolinha e Cascão serão economistas. Aliás, Barbosa e Mantega tinham algum apelido na infância? Vai saber - talvez Cascão e Cebolinha tenham crescido... e virado keynesianos!

 

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de J.Neto
J.Neto

O que a China

O que a China vai querer em troca ????

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de J.Neto
J.Neto

O que a China

O que a China vai querer de troca ??????

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de nilo
nilo

economia

Então o PT precisa "terceirizar" nossa economia para sair da crise que ele mesmo criou?

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Marcos (esse nome já existe)
Marcos (esse nome já existe)

Esperar mais o que?

Penso que depois de destruir a estabilidade econômica, mentir deslavadamente (ainda teve a cara de pau de dizer que só percebeu a crise depois das eleições) disparar a inflação e o desemprego (eu sou um deles desde out/2015 e a empresa estava sem serviço desde jul/2014) o que resta a esse governo é cair fora. Acho que a renovação melhorará as idéias e os animos em geral.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Quando irão se convencer de

Quando irão se convencer de que Marx está certo ao afirmar que o Capitalismo é uma farsa?

Mas aproveito para alertar Turco que o acesso a algumas matérias do GGN é negado no Face Book.

Que diabo é isso?

Seu voto: Nenhum (7 votos)
imagem de Theolg
Theolg

Se cada empresa contratar 2 funcionários, o Brasil sai da crise

No curtíssimo prazo, um programa de isenção de impostos sobre folha de pagamento para empregos criados nos próximos 24 meses. A isenção valeria para empresas que aumentassem o quadro de funcionários em relação a dezembro de 2015.

Meta: 10 milhões de empregos. Slogan: Se cada empresa contratar dois funcionários, o Brasil sai da crise.

 

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de ALEX FURTADO
ALEX FURTADO

Enrolar e desenrolar....

E coloca eles para fazer o quê? A propósito o distinto solucionador de problemas vai contratar quantos?

Inventar obrigações para os outros é muito fácil.... pegar no cabo do guatambu é bem diferente.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Theolg
Theolg

Alecão, deixa de abobrinha!

Alecão, coloca os funcionários para cuidar da demanda que o reaquecimento da economia vai gerar.

Planos mirabolantes são os mais celebrados, mas planos que funcionam, em geral, são simples.

Faça as contas: 2 empregados por empresa. Vai aumentar o PIB! Não tem como fugir da matemática.

Tá ai a solução!!!

Esquece esse plano chinês, Nassa!

Seu voto: Nenhum
imagem de Theolg
Theolg

Blockbuster é a reforma tributária

Nassa, extinguir o IPI e criar um IVA não-cumulativo para substituir PIS/COFINS e CIDE é a grande carta na manga que Dilma e Barbosa ainda não enxergaram.

Primeiro, porque vai baratear vários produtos e serviços, permitindo assim a queda dos juros de forma consistente. Com menos pagamento de juros, o governo vai ter bala na agulha para sair do sufoco.

Segundo, porque o povão vai ver resultado imediato com a queda dos preços. Um amplo acordo entre governo e os vários setores da economia garantiria o repasse da economia com a redução dos impostos para o consumidor final.

Eventual queda na arrecadação seria compensado com tributação de lucros e dividendos, CPMF, fim dos juros sobre capital próprio, criação do IGF, além de aumento do ITR para grandes propriedades e mansões rurais.

O barateamento do custo de vida do brasileiro, criará o meme necessário para a retomada da confiança. Tudo pode ser aprovado em 90 dias, e entraria em vigor em 2017.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

blockbuster chinês faz água... é o salve-se quem puder.

"Há um conjunto de situações que podem ser somadas para criar o impacto político.

Uma delas é a possível entrada em massa do capital chinês na economia."

Valor Econômico 11/02/2016 ­ 05:00

Pettis alerta para elevado endividamento da China

Por Camila Souza Ramos

Enquanto os mercados buscam tatear o tamanho do impacto global que terão as reformas econômicas em curso na China, que busca promover o crescimento por meio do consumo doméstico, aumentar a participação do setor privado e distribuir renda, Michael Pettis, professor da Universidade de Pequim, chama a atenção para o crescimento galopante da dívida chinesa nos últimos cinco anos. Para o economista, o país não tem mais do que dois ou três anos para controlar esse endividamento.

Em entrevista concedida ao Valor por email, o economista disse que a China chegou ao fim de uma era de 30 anos de crescimento acelerado e que agora passa por uma correção de rota. Ele cita a tese do economista Albert Hirschman, para quem todo país que apresenta um "milagre" de crescimento que dure dez anos ou mais também desenvolve profundos desequilíbrios econômicos. Desde a Segunda Guerra, houve entre 30 e 40 desses casos, mas o chinês foi "o mais extremo na história". "Em todos os casos, sem exceção, depois de um período inicial com altos níveis de investimento direcionado ao setor produtivo, esses países ficaram saturados e viram-­se incapazes de absorver investimento adicional de forma produtiva sem antes implementar novas reformas liberalizantes.", afirmou Pettis.

Para ele, a China, como todos os países que passaram por "milagres" de crescimento, enfrenta a oposição de "interesses escusos" ­ ligados no caso a elites regionais ­ que se beneficiaram do antigo modelo de crescimento, o que faz com que o país continue a apresentar altas taxas de investimento. "É por isso que, em todos os casos, a dívida começa a crescer mais do que a capacidade de serviço da dívida e, em algum ponto, ameaça desestabilizar a economia." Há poucos dados oficiais sobre a situação do endividamento da China, mas sabe­-se que nos últimos cinco anos o país registrou o maior crescimento de dívida da história. O Instituto McKinsey estima que a China tenha encerrado 2014 com endividamento total equivalente a 282% do PIB. Cálculos do Centro de Finanças e Política do Massachusetts Institute of Technology (MIT) indicam que o endividamento do governo central está em cerca de 40% do PIB. Pettis estima que o endividamento chinês tem crescido duas a três vezes mais rápido que a capacidade de pagamento de juros e amortizações.

Ainda que a situação tenha se agravado a partir de 2011, o aumento da dívida do país não pegou as autoridades de surpresa. Já em 2007, o então premiê Wen Jiabao disse em pronunciamento que tinha conhecimento dos desequilíbrios que estavam sendo gerados pelo rápido crescimento do país e prometeu revertê­-los. Para Pettis, não é coincidência que, logo após esse discurso de Jiabao, tenham surgido denúncias na imprensa local de grupos ligados às elites provinciais que estavam tentando bloquear os esforços de reforma. "Foi por isso que, assim que Xi Jinping chegou ao poder, formalmente em 2013, mas na realidade em 2012, suas primeiras políticas foram centralizar dramaticamente o poder e quebrar a força desses interesses estabelecidos, que serão necessárias se ele for implementar as reformas propostas na Terceira Plenária" do Partido Comunista da China, anunciadas em 2013, afirmou o economista. Entre as medidas aprovadas na plenária estão a permissão para que o capital privado se engaje em projetos estatais, a quebra do monopólio estatal em alguns setores, a ampliação do setor privado bancário para instituições de pequenos e médio porte, a permissão para que agricultores se mudem para centros urbanos, além do aperfeiçoamento do mecanismo de fixação da taxa de câmbio e a liberalização da taxa de juros.

A mudança de rota implica em forte desaceleração do PIB, que deve passar a crescer "bem abaixo de 3%", na avaliação do economista, freado sobretudo pelo enfraquecimento da taxa de investimento, enquanto o consumo deverá ganhar fôlego mais lentamente. Ainda assim, a redução do ritmo da demanda do país por produtos importados deverá continuar tendo impacto no mercado de commodities. "A China apenas começou seu ajuste, e eu acho que os preços de algumas commodities industriais, como a borracha, continuarão a cair", afirmou Pettis.

Em contrapartida, as reformas econômicas em curso também implicam uma "qualidade de crescimento" melhor e com uma distribuição de recursos "muito mais justa e mais eficiente", na avaliação do economista. "Se Pequim conseguir controlar o processo e começar a difícil tarefa de transferir a riqueza dos governos e elites locais para as famílias chinesas comuns, a China conseguirá enfrentar os desafios extremamente difíceis que encara, e o governo de Xi vai merecer um grande aplauso por ter feito o que poucos governos puderam realizar", diz.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

"Não há segredo que o tempo não revele, Jean Racine - Britânico (1669)" - citação na abertura do livro Legado de Cinzas: Uma História da Cia, de Tim Weiner. 

imagem de gabi_lisboa
gabi_lisboa

Foi perversa a liberação do FGTS para garantir empréstimos

bancários e pagar mais juros para o bradesco e cia, seria muito melhor para o trabalhador o governo ter liberado o FGTS direto para consumo, mas a Dilma sempre tem que garantir um agradinho a mais para o Trabuco, seu primeiro ministro. 

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de reginaldo gonçalves
reginaldo gonçalves

blockbuster

Não sei...

estou achando mais fácil uma bananeira dar uvas do que um ministro fraco

de um governo trôpego conseguir tamanhas proezas...

Os fundamentos da economia brasileira foram corroídos durante estes anos de (des)governo.

Não há capacidade ténica nem política em ninguém do governo para iniciar uma concertação deste nível. Há?

 

Seu voto: Nenhum (16 votos)
imagem de Martin Afonso
Martin Afonso

Esse governo ja acabou. So

Esse governo ja acabou. So falta cair. So nao ve quem nao quee.

Seu voto: Nenhum (19 votos)

Independente do jogo de paixões. ...

Alguma coisa consistente precisa ser feita, nem que seja um mergulho no precipício. ..Ficar sentado a beira do caminho é que não dá mais. ...

Seu voto: Nenhum (11 votos)

 

A desgraça daqueles que não gostam da "arte maldita" da política, é ser governado por aqueles que gostam......

imagem de joel lima
joel lima

O que é desanimador é ver que

O que é desanimador é ver que há uma oportunidade imensa de dar uma mudança no ânimo do povo. Para isso, Dilma poderia atacar em duas frentes ao mesmo tempo= como o país está sem dinheiro, fazer uma redução no setor público em tudo aquilo que não é necessário e que é privilégio descarado chamado pelo pomposo nome de direito adquirido: cortar carros oficiais, bolsas moradia, bolsa maitê proença (rs), auxílio paletó, e evitar que funcionários públicos ganhem várias vezes mais que o presidente da república. Isso, além de render dinheiro a um governo com pires na mão, traria o povo ao lado de Dilma e faria com que gente que enche a boca pelo impeachment mostrasse a sua real cara ao ter que defender o indefensável. E o segundo é oque o post falou = propor saneamento total no país, pois é o modo mais eficiente de combater o maior inimigo do país agora que é o mosquito aedes - além de ser um setor que emprega bastante gente. Mas Dilma - e aí não sei se é por falta do mínimo de visão política ou por medo de enfrentar setores muitíssimos organizados da sociedade - prefere entrar num pântano chamado reforma de previdência social - pântano que FHC afundou e Lula sequer chegou perto. 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

O governo precisa de grana

Grana na mão é vendaval.

Por mim ia em cima dos cartões de crédito, verdadeiro imposto, já que atinge a população, impacta a inflação e não devolve nada em contrapartida para o povo e o Brasil.

Questão de vontade de fazer o bem, sem ver a quem.

Seu voto: Nenhum (13 votos)

Follow the money, follow the power.

A ideia é boa, meu caro, mas

A ideia é boa, meu caro, mas desse mato não sai coelho. Ou - com o perdão do trocadilho - se sai, alguém mata.

Seu voto: Nenhum (6 votos)

Prezado Weber Bom

Prezado Weber

Bom dia 

Dificil mexer com a troika, verdadeira capitã do golpe.

Abração

Seu voto: Nenhum (7 votos)

Mário Mendonça

imagem de altamiro souza
altamiro souza

otimas sugestões - esta dos


otimas sugestões - esta dos emprestimos da china, se eu fosse decidir,

decidiria a favor imediatamente...

Seu voto: Nenhum (7 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.