Revista GGN

Assine

Forças Armadas já estão à disposição do Plano Nacional de Segurança


Foto: Mídia Ninja
 
Jornal GGN - A tática de recorrer às Forças Armadas como meio de proteção de Michel Temer frente às ameaças a sua imagem e governabilidade foi escancarada desde que o atual presidente resolveu convocar o Exército, Marinha e Aeronáutica para discutir a "conjuntura atual", após a divulgação dos grampos e acusações contra Temer. Cinco dias depois, o governo publicava um decreto para o uso das Forças Armadas como "Garantia de Lei e da Ordem".
 
O decreto foi usado, com o deslocamento de tropas nas ruas do Distrito Federal, justamente no dia 24 de maio, quando Brasília paralisava em ato na Esplanada dos Ministérios pela realização das Diretas Já e pela queda de Michel Temer. 
 
Agora, o também polêmico uso do Exército, Marinha e Aeronáutica nas chamadas "operações integradas" no Rio de Janeiro, com o Plano Nacional de Segurança, foi lançado. Nesta quinta-feira (20), o ministro Raul Jungman (Defesa) afirmou que o "estado-maior conjunto" já está constituido e o Ministério preparado.
 
As ações do Plano preveem o uso de 620 integrantes da Força Nacional no Rio de Janeiro e 240 agentes da Polícia Rodoviária Federal, para atuar na incidência de crimes, com fiscalizações e abordagens. A crítica é de que a medida seja o início de um uso recorrente das Forças Armadas para qualquer tipo de situação, vista pelo governo como ameaça.
 
"Estamos ativando as Forças Armadas, em função do Plano Nacional de Segurança, fase Rio de Janeiro. Este é um plano que irá até o fim do governo [Temer] e será feito conjuntamente com o governo do Rio de Janeiro e muito em breve terá o seu início, contando com apoio integral, permanente, toda vez que se fizer necessário, das Forças Armadas", anunciou Jungman.
 
O ministro reuniu-se com o presidente Michel Temer, o governador Luiz Pezão e representantes da área de segurança dos governos federal e estadual, no Palácio do Planalto, nesta quinta. Diante da repercussão das últimas medidas do governo junto à área de segurança, o encontro tentou ser discreto.
 
"Não queremos ações midiáticas, mas ações de resultados. É nisso que estamos trabalhando", disse o chefe do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, ministro Sérgio Etchegoyen. A partir de agora, todos os órgãos de segurança pública, as Forças Armamdas e de inteligências estão "à disposição" do Plano Nacional, completou Etchegoyen.
 
 
 
Média: 2.3 (6 votos)
5 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Serjão
Serjão

E o China?

O que diz o China?

Seu voto: Nenhum

FFAA que bate continência

FFAA que bate continência para Temer e Jungmam, que permite a dilapidação e entrega do patrimonio nacional à empresas estrangeiras, não merce meu respeito.

Quero que se lasquem prá lá , na guerrilha urbana aqui do RJ. Que infelizmente também sou vítima.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Estou de saco cheio por tudo que vem acontecendo no país, e nós democratas, não fazemos nada.

Eu inclusive. Parece que estamos todos anestesiados, que fomos dopados. Mas essa lombra vai passar e vamos acordar.

Eu creio !!!

gAS

Estranhíssimo....Pulgas atrás das orelhas .

Este sub-governo de salafrários preocupado com a segurança do brasileiro ?

a) No RJ encontram-se grandes estatais, Petrobras, Eletrobras, Furnas e uma das maiores empresas de saneamento da AL, todas estão neste momento sendo esquartejadas para serem entregues ao grande capital .

b) No RJ encontra-se também a sede da principal empresa de comunicação e propaganda do governo entreguista e apátrida .

c) No RJ todos os serviços públicos entraram em colapso (inclusive a segurança pública feita pela milícia fardada sob gestão estadual) .

Portanto, se houver alguma resistência radical contra o governo dos facínoras salafrários, elas começarão pelo RJ .

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Exército no 3º mundo é patriota?

O problema de exércitos no 3º mundo é para proteger interesses de adversários econômicos desses países, portanto a artilharia estaria apontado para dentro do território,não apontando para o outro lado para proteger as fronteiras. É tudo um faz de conta. Os milicos vão para o States, aprendem a brincar de  John Wayne e outros personagens famosos e aprendem que existem 3 tipos de seres humanos, os Cowboys, defensores da boa moral e da legalidade, os índios selvagens que querem destruir os cristãos e os mexicanos que só bebem tequila e gostam de formar bandos só para assaltar diligências e as marias fumaças americanas.

No site Sul 21 (http://www.sul21.com.br/jornal/iv-tudo-muda-num-piscar-de-olhos/), o prof. Fernando Horta faz uma série de artigos sobre a revolução russa, e o que levou a Russia a ser uma potência intependente foi a decisão do exército russo, que tinha que lutar contra a Alemanha ou proteger o Czar e atacar os revoltosos.  "Mesmo as tropas enviadas para as capitais, supostamente para conter as revoltas e recolocar a 'ordem no exército', acabavam confraternizando com os rebeldes".

Quando o Czar não era mais govenro, a oligarquia local também queria ter o exército ao seu dispor, mas a opção pelo País levou a Russia a ser a potência que é hoje, senão estariam separados em pequenos países a disposição do "mercado". Questão de patriotismo e cidadania, coisa que parece apenas uma ideia nos nossos milicos.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Uma fonte para a criação de uma Questão Militar.

O uso das Forças Armadas como uma GUARDA PRETORIANA é mais um fator de quebra da estabilidade do Regime do que de segurança do Governo. Vamos às explicações.

As Forças Armadas Brasileiras apesar do ambiente de doutrinação anticomunista que domina estas a partir da formação de oficiais na Escola das Américas (School of the Americas) inaugurada em 1946 e fechada em 1984 em que se formou o famigerado Brigadeiro João Paulo Burnier, que segundo o conhecidíssimo Brigadeiro Eduardo Gomes se referiu como "um insano mental inspirado por instintos perversos e sanguinários, sob o pretexto de proteger o Brasil do perigo comunista.", ainda tem suas derivações levada pela própria tradição da FFAA.

Porém, nenhuma doutrinação militar por mais intensa que seja pode contrariar a evolução da mentalidade das pessoas em época de crise. Vamos imaginar o que se passa na cabeça de um capitão do exército ou das demais forças quando contrapõe o seu soldo com o salário de ingresso de um membro do Ministério Público ou mesmo, como citado a pouco por um senador da república, com o salário de um ascensorista do senado.

Porém o espírito militar é forjado mais na defesa do país do que qualquer coisa, mesmo que esta defesa como pensavam pessoas como o Brigadeiro Burnier era a repressão dos movimentos de esquerda.  

Entretanto por mais anticomunista que seja um membro das Forças Armadas e por mais analfabeto em termos políticos ele jamais pensará que defender o governo Temer é defender as “forças da Liberdade”  contra “o perigo Comunista”. Excetuando soldados conscritos que realizam o serviço militar obrigatório, todo suboficial como os oficiais tem noção clara que uma chamada para defender o governo Temer é uma chamada para defender uma organização criminosa.

Além desta consciência clara da função que exerceria um exército transformado em guarda pretoriana, há mais dois sérios problemas, primeiro é da origem social dos integrantes das Forças Armadas e o segundo problema é que a história nos ensina sobre a atuação da própria guarda pretoriana na Roma Antiga.

Diferentemente das forças armadas de outros países, os que ingressam tanto como suboficiais como oficiais no Brasil não são membros das oligarquias civis, e mesmo há certo desprezo destas oligarquias dos membros das Forças Armadas.

No Brasil entram para as forças armadas três tipos de pessoas, quem tem uma tradição familiar, quem por atração aos ambientes de caserna e de armamentos e poderio militar e finalmente quem acha que entrado nas Forças Armadas conseguirá um emprego estável e razoavelmente remunerado. Quem tem uma tradição familiar, forjada por vínculos mais antigos do que em 1964 pode simplesmente inspirado em papéis democráticos que estas forças imprimiram ao país, ser um forte fator de perda de estabilidade do Governo. Já o terceiro grupo, de quem entra para ter nas Forças Armadas como um emprego com estabilidade e um salário razoável, pode simplesmente se dar conta que estas forças são o verdadeiro patinho feio da burocracia estatal, são jogados de uma região a outra do país, muitas vezes sem a mínima infraestrutura, e os soldos comparados aos membros de castas como o judiciário são um verdadeiro escândalo.

O Governo só pode contar com o apoio dos três grupos, daqueles que a família entrou pós 64 nas forças armadas ou aqueles inebriados pela sensação de poder dada pelo uso de armamentos não pensem muito nas consequências de contra quem é o uso destes armamentos. Mesmo estes dois grupos o fator SOLDO não é ignorado, e se a defesa do Sistema for exigida a eles perguntarão: Qual a contrapartida que recebemos?

As polícias militares encontram-se numa verdadeira luta contra o que é definido como “bandidagem”, porém recursos provenientes da corrupção correm entre uma parte significativa destas corporações azeitando a vontade de vários comandantes e mesmo de soldados e menores patentes. Porém o mesmo tipo de lubrificante, devido a forma de comando e a tradição das Forças Armadas será algo marginal e muitas vezes condenados pelos comandantes e comandados, logo a transformação destas numa mera polícia terá grandes reveses.

Muitas pessoas confundem a atuação do ex-capitão Jair Bolsonaro como um paradigma das Forças Armadas Brsileiras, porém todos os membros destas sabem que a política deste é mais voltada para as polícias do que para as forças armadas, pois nas dezenas de anos que o mesmo ocupa uma cadeira de deputado federal a sua atuação a favor das Forças Armadas é pífia, pois em questões de rearmamento ou outras questões mais de fundo este deputado simplesmente se omite ou mesmo privilegia o capital internacional na indústria bélica nacional. Ou seja, Bolsonaro ocupa a posição de aparente defensor das instituições militares simplesmente porque não há outro que possa fazer isto.

Seu voto: Nenhum

Xi! Agora vai, hein? Serão

Xi! Agora vai, hein? Serão presos todos os oficiais da PMRJ que hoje riem porque um dia fizeram alguém rir. Serão presos também todos os vereadores, deputados federais e estaduais, os senadores e todos os barões do tráfico de entorpecentes...

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.