Revista GGN

Assine

GGN pergunta: Senador Waldemir Moka (PMDB-MS) é a favor do impeachment

 
Jornal GGN - A equipe GGN perguntou a todos os 81 senadores o posicionamento de cada um sobre o impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Além do voto "a favor" ou "contra", a reportagem quis saber as razões que movem o posicionamento dos parlamentares. O senador Waldemir Moka (PMDB-MS) votará pelo impedimento de Dilma "porque ele está convicto de que a presidente Dilma cometeu crime de responsabilidade".
 
Leia o posicionamento do senador Waldemir Moka (PMDB-MS):
 
1) Votará pela admissibilidade do processo de impeachment no Senado?
Sim.
 
2) Se aceito o processo, votará contra ou a favor do impeachment no Senado?
A favor.
 
3) Por quê?
O senador Waldemir Moka (PMDB-MS) é a favor ao impeachment porque ele está convicto de que a presidente Dilma cometeu crime de responsabilidade. Ao "pendurar" dívida bilionária nos bancos públicos e editar decretos sem autorização do Congresso, ele assumiu a responsabilidade pelos crimes praticados ao arrepio da lei.
 

Acompanhe no infográfico do GGN o voto a voto dos senadores, nessa primeira etapa, quando o plenário decide se aprova a proposta.

 

 

Média: 2.1 (11 votos)
1 comentário

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de dude
dude

Que justificativa!

Ora a Dívida Brasileira interna, levando-se em conta o PIB, que o que mostra o nosso efetivo débito bruto, é de aproximadamente 66%. Estamos falando em dívida interna bruta. A líquida é praticamente a metade. Não podemos nos esquecer que em 2002, fim do mandato de FHC, a dívida tinha o mesmo percentual. Então, a situação, neste aspecto,não mudou. No entanto, o desenvolvimento atingido pelo nosso País, que retirou mais 40 milhões de brasileiros da miséria é um atestado eloquente de que este deputado quer continuar e repetir a mentira que se espalhou para o povo de que o governo quebrou o Brasil.

É esse senador quer continuar a pregação do PIG, deixando de revelar os dados positivos dos governos Lula  e Dilma, buscando uma justificativa totalmente desvirtuada.

O Brasil não está quebrado.

E vejam:

O Japão passou dos 200% do PIB e o Tio Sam também já passou dos 100%. Para se ter ideia do que deve internamente os EEUU, basta mencionr que o PIB dele em 2015 foi de quase 18 trilhões de dólares. Centenas de país, inclusive do chamado primeiro mundo, tem dívidas públicas internas superiores ao nosso, em relação ao PIB. Somos ainda um País com dívida controlada, máxime agora com a desvalorização cambial e com o aumento da nossas reservas cambiais, que estão por volta de 376 bilhões de dólares. Inclusive, a dívida pública externa não chega a 120 bilhões de dólares, embora a dívida privada externa seja superior a 200 bilhões de dólares.

Porém, há que se levar em conta que há dívida de longo e curto prazo, de forma que os pagamentos, seja relativamente à divida interna como a externa, no curto prazo, são de pequena monta e totalmente administrável.

Portanto, esta tal de quebradeira que querem fazer-nos engulir é um motivo mentiroso para justificar um impedimento.

Dizer que houve crime de responsabilidade e sair pelas beiradas, querendo a ela atribuir a causa de dívidas bilionárias, é faltar com a verdade.

Finalmente, estamos passando por uma recessão mundial, que atingiu a todos os países, inclusive o nosso, que foi aumentada pela crise política, que a oposição nos trouxe, com o " quanto pior, melhor ".

Saberemos, depois, desta votação, que está contra o povo brasileiro e quem está a nosso favor e, com certeza, não iremos votar, de forma alguma, nos traidores do povo brasileiro.

Seu voto: Nenhum

Mais um ...tapado

É incapaz de justificar o seu voto com conceitos próprio e sua linguagem pessoal.

Estes caras existem, porque tem gente que vota neles! 

Seu voto: Nenhum (2 votos)

julião

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.