Revista GGN

Assine

Maria do Rosário defende fim de megapresídios

Sugerido por Gunter Zibell - SP

Da BBC

Para ministra, violência só cairá com fim das megaprisões

Em entrevista à BBC Brasil, Maria do Rosário defendeu fim de megapresídios

Diante da divulgação de um relatório que acusa o Brasil de violações de direitos humanos, especialmente em matéria de segurança, a ministra-chefe da Secretaria de Direitos Humanos, Maria do Rosário, reconheceu os maus tratos ocorridos no país e afirmou ser preciso acabar com os megapresídios, como o de Pedrinhas.

"Para lidar com a questão da segurança no Brasil é preciso trabalharmos em uma outra lógica, pois já ficou claro que o encarceramento massivo não tem provocado a diminuição dos crimes", disse a ministra, em entrevista à BBC Brasil, horas após a ONG Human Rights Watch ter divulgado seu balanço anual sobre a situação dos direitos humanos em cada país.

Pedrinhas

No relatório, a Human Rights Watch diz que a impunidade impede avanços do Brasil como uma democracia "influente". Além disso, também critica duramente a ação da polícia e a situação das penitenciárias.

Segundo ela, casos como o do Complexo de Pedrinhas, no Maranhão - onde foram registradas mais de 60 mortes em 2013 – revelam a inviabilidade das grandes unidades prisionais.

"Esses complexos amplos não são aceitáveis. Reverter a existência [desses complexos] é uma meta importante do país. Já temos diretrizes para investir na descentralização e na construção de unidades menores, afirmou Maria do Rosário, dizendo que tais presídios podem fortalecer grupos criminosos, além de impedir a ressocialização.

"A lei prevê que os apenados cumpram suas penas próximos à família, o que é fundamental para a recuperação de alguém que cometeu um crime. Portanto, as grandes unidades afastam os apenados e penalizam suas próprias famílias."

CliqueLeia mais: Impunidade impede avanços de Brasil como 'democracia influente', diz ONG

Presos provisóriosCaso Kaique

No dia 11 de janeiro, o adolescente Kaique Augusto Batista dos Santos, de 17 anos, foi encontrado morto sob um viaduto no Centro de São Paulo.

Familiares e amigos disseram, primeiramente, que ele havia sido morto porque era homossexual. Rapidamente, o caso gerou repercussão uma vez que a Polícia Civil de São Paulo, responsável pelas investigações, afirmou se tratar de suicídio.

Após a divulgação do boletim de ocorrência com a hipótese de suicídio, a Secretaria de Direitos Humanos soltou um comunicado em que demonstrava solidariedade à família da vítima e condenava o "assassinato brutal" de Kaique.

Na nota, o órgão também afirmou que havia designado um servidor para acompanhar pessoalmente o caso.

Na última terça-feira, no entanto, a mãe do adolescente reconheceu que o filho havia se suicidado.

Questionada pela reportagem da BBC Brasil sobre o posicionamento inicial da Secretaria, a ministra Maria do Rosário afirmou que "lançamos uma nota dura e firme porque é nossa missão enfrentar toda violência, mas especialmente os crimes de ódio e intolerância".

"Agora, houve uma mudança...Nossa nota foi baseada no posicionamento da família, que pediu apoio à Secretaria. Mas hoje [terça-feira] a família mudou os aspectos da sua percepção. É uma família que também é vítima."

"E a Secretaria pede às autoridades de São Paulo que esgotem todas as possibilidades sobre o caso", finalizou.

Para lidar com a superlotação nos presídios como o de Pedrinhas, a ministra destacou a aprovação pelo governo de um regime diferenciado para a construção de novas prisões.

"Diante do rigor da legislação brasileira na contratação de serviços de construção, estamos constituindo procedimentos mais ágeis para que os Estados possam fazer as construções necessárias para lidar com a superpopulação", afirmou ela à BBC Brasil.

No entanto, para Maria do Rosário, pouco adianta a criação de novos presídios se não for assegurado aos presos o cumprimento das regras de direito à defesa e a um julgamento justo.

"Mais de 200 mil presos no Brasil estão em situação provisória. Não bastam mutirões carcerários. É preciso rever o processo de encarceramento maciço sem que garantias processuais fossem fornecidas a esses presos."

A ministra também cobrou posições mais efetivas do Judiciário e do Legislativo. "Esses órgãos lidam com leis que buscam endurecer a responsabilidade penal e que não buscam fazer cumprir as diretrizes de execução da pena baseado em direitos humanos.

No caso específico da situação carcerária do Maranhão, Maria do Rosário não quis comentar possíveis atritos entre a sua pasta e a governadora Roseana Sarney, ressaltando a importância da formação de um comitê conjunto - entre Ministério da Justiça e governo maranhense - para lidar com a crise no Estado.

Avanços

 Agência Brasil

Maria do Rosário reconheceu violações de direitos humanos

O relatório destaca diversos avanços entre os temas de direitos humanos no Brasil. Um deles é indiciamento dos policiais envolvidos na morte do pedreiro Amarildo, no Rio de Janeiro.

Para a ministra, esse é um bom exemplo de como o Brasil está começando a reverter o quadro de impunidade entre as forças de segurança - um dos pontos mais criticados pela ONG.

"Há outros muitos indicativos positivos na política brasileira, como o enfrentamento ao trabalho escravo, à violência, inclusão social para a econômica."

Maria do Rosário rebateu ainda a crítica feita pela ONG dizendo que seria contraditório o Brasil querer assumir um papel de liderança nos debates internacionais de direitos humanos, enquanto não consegue resolver problemas sistemáticos.

Além dos aspectos positivos que citados no documento, a ministra destacou um outro trunfo do Brasil: "Mesmo nos aspectos que ainda há violações dos direitos humanos, não vamos negá-los nem deixar de enfrentá-los."

Média: 2.7 (7 votos)
5 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Essa aí não sabe NADA sobre

Essa aí não sabe NADA sobre sistema carcerário.

Porque não te calas?

Seu voto: Nenhum

Continuo com a mesma ideia...

Continuo pensando da mesma forma: transformar alguns crimes em crimes federais e transferir alguns detentos para presídios federais de altíssima segurança e bem longe das cidades com 'direito' a trabalho. Minha avó dizia que "cabeça vazia é a oficina do demônio"!  Coloquem uma marreta de 10Kg nas mãos de um condenado e uma peça de granito para moer. No final do dia, após um banho e uma refeição o corpo só irá querer cama e dormindo ninguém pensa em mais nada! Uma lógica idiota mas que funciona!!

Seu voto: Nenhum

"Não tenho prova cabal contra Dirceu - mas vou condená-

Também sou...

Cada cidade deveria ter seu próprio presídio para presos de delitos leves. Delitos graves, para a segurança do preso, deve cumprir longe do seu domicílio.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Não é questão de tamanho ou

Não é questão de tamanho ou mesmo número de presos, e sim questão de qualidade das instalações e do tratamento dado aos detentos.

Unidades prisionais menores que continuem tratando um ser humano (independente dos crimes que tenham cometido) como lixo não vão resolver nada.

E mesmo em presídios menores os grupos criminosos vão continuar atuando se o isolamento do apenado não for eficaz.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de aliancaliberal
aliancaliberal

Se vc esta em duvida sobre

Se vc esta em duvida sobre algum tema , faça exatamente o contrário que Maria do Rosário que vc estara fazendo o que é certo e o melhor para o país.

 

Seu voto: Nenhum (8 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.