newsletter

Assinar

MPF organiza debate sobre modelos de polícia e segurança pública

Por Marlon Alberto Weichert, via facebook

Queremos convidá-los para participação no evento “Diálogos Públicos Ministério Público e Sociedade – Polícia Democrática e Direito à Segurança”, nos dias 16 e 17 de março de 2016, em São Paulo/SP.

A iniciativa reunirá membros de carreiras públicas e sociedade civil num debate plural para refletir e debater estratégias que permitam compatibilizar um modelo de polícia democrática, a promoção do direito à segurança pública e o respeito aos direitos dos profissionais da área. 

O marco são as recomendações formuladas pela Comissão Nacional da Verdade e a Comissão da Verdade da Assembleia Legislativa de São Paulo em relação às reformas institucionais na segurança pública.

As inscrições já estão abertas e seguem até o dia 9 de março no site do evento, que segue.

Participe!

Dias: 16 e 17 de março de 2016
Local: Auditório da Procuradoria Regional da República 3ª Região em São Paulo
Mais informações: (11) 2192-8869 / suzanapastore@mpf.mp.br.

 

Média: 2.3 (3 votos)
6 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Descobriram a panacéia para

Descobriram a panacéia para solucionar os problemas da segurança pública: "carreira única" e "ciclo completo".

Ótimo.

Só não dizem que, por esse modelo, os MPs é quem irão presidir as investigações (hoje são presididas por Delegados da Federal e da Civil).

Mais poder para os super-homens infalíveis do MP, isso é tudo o que precisamos!!

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

-------------------------------------------------- CIRO 2018 --------------------------------------------------

Não senhor!

O modelo não é rígido. Não funciona só dessa forma. O conceito básico de polícia de ciclo completo é que ela atua investigando e no policiamento ostensivo e preventivo. Qualquer outro adendo - inclusive essa sua estória de investigação presidida por MP - é ilação ao gosto do freguês...

Seu voto: Nenhum (2 votos)

No Brasil a única proposta política da oposição é o golpe.

Quando a Justiça só pune de um lado, os bandidos já sabem qual lado escolher.

Claro, e o MPF está

Claro, e o MPF está patrocinando por todo o Brasil esse tipo de seminário a troco de nada, né...

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

-------------------------------------------------- CIRO 2018 --------------------------------------------------

Problema do MPF

MPF não me pauta, azar deles se defendem esse modelo...

Seu voto: Nenhum

No Brasil a única proposta política da oposição é o golpe.

Quando a Justiça só pune de um lado, os bandidos já sabem qual lado escolher.

Primeiro e mais importante passo

O relato do Nelson Tadeu, abaixo, fala da falta de sincronia entre as polícias Civil e Militar.

Esse é apenas um dos problemas que se tem quando duas corporações (PM e Polícia Civil), fazem trabalhos diferentes, mas volta e meia invadem a competência e a área de atuação uma da outra.

Basta ver, por exemplo, que as PM's atuam investigando, através de seus serviços "P2", por exemplo - de acordo com a Constituição, à PM caberia a atividade de policiamento ostensivo e a manutenção da ordem pública.

E as Policias Civis, que deveriam - pela Constituição - exercer a tarefa de polícia judiciária e a apuração de infrações penais, tem em sua maioria os seus grupos de atuação ostensiva, que não raro se envolvem em confrontos públicos, inclusive devidamente uniformizados.

A única solução possível pra isso é uma só: extinção das PM's e Polícias Civis e criação de uma só entidade policial, estruturada com uma carreira única e com ciclo completo - que englobe as competências de policiamento ostensivo e preventivo e de investigação policial.

De outra forma não será possível superar as guerras de vaidades e as divergências políticas que marcam a atuação das polícias no Brasil.

 

Seu voto: Nenhum

No Brasil a única proposta política da oposição é o golpe.

Quando a Justiça só pune de um lado, os bandidos já sabem qual lado escolher.

Segurança Pública no Brasil.

Estamos , aqui em  um  pequeno distrito Fatima, municipio de Flores - PE. Somos praticamente 6.000 habitantes. 

Sofremos muito sem  segurança pública aqui no distrito. Uma  verdadeira guerra  para  o Estado de Pernambuco  manter  efeitivamente  uma guarnição  de três  soldado aqui. 

Há  um  consumo grande de droga, em plena praça pública de Fatima. Isso tem gerado brigas, tentativas  de  homicidio,  estupro dentre  outras  ilicitude corriqueiras  no distrito. 

A Policia Militar, trabalha  em uma politica  de  sanfona , Quando  a população  reclama,vai para as radios, faz  protesto  ela (Policia Militar) volta . Passado  alguns meses  desaparecem novamente  passando meses  sem dar  as cara .   

Quando estão  aqui  muitas  vezes  ficam dentro da casa  alugada  só saindo poucas vezes  para fazer ronda na única praça  existente  aqui.  Não andam  a pé , para conversar  com a comunidade. Sá  andam de  viatura  e  muitas  vezes  de vidros levantado e ar condicionado. Tem que mudar  a  forma  de policiamento em nosso ponto de vista .  Os  meliante  aqui são  praticamente  sempre os mesmo, mas  o sistema   existente  hoje  possibilita  estarem sempre  solto.  Varios  tem diversas passagens  pela policia, mas  as informações  não são centralizada.  Não  há  um serviço minimo de inteligencia  disponivel  para  consulta  rapida  pela  policia .

Também há  uma falta  de sincronia com a policia civil de Pernambuco. Informações   que  a policia  militar  poderia  ter  não  estão  disponivel 24 horas.  

O Estado de Pernambuco, omisso  e contumaz  em não  prestar segurança pública de qualidade,  deveria  estimular  a formação de Conselho de Segurança Pública  nas comunidades. Quem sabe  dos  problemas  são  os  cidadão  da localidade  que  vive  e convive  24 horas na  teia  social .   Acreditamos  que  a participação da sociedade  no debate  e ação de governo  é  extremamente  importante . 

 

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.