newsletter

Assinar

Multimídia do dia

As imagens e os vídeos selecionados.

Média: 2.6 (5 votos)
6 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Transculturações carnavalescas

Apesar de sua origem europeia, o carnaval no Brasil é marcadamente africano, por motivos óbvios. E é importante observar hoje a nítida influência brasileira nos carnavais das ex-colônias portuguesas na África: Cabo Verde, Guiné-Bissau, Angola, e Moçambique.

 

Seu voto: Nenhum (4 votos)

A mulher fala mas eu não sucégo, vou batendo o prego

O Carpinteiro é uma marcha cantada pelos Anjos do Inferno. Lançada em 1945 fazia muito sucesso Brasil afora, com ou sem carnaval. Está listada no Dicionário Cravo Albin.

Sou carpinteiro vou batendo o prego

Porque não nego minha profissão

a mulher fala

mas eu não sucégo

vou batendo o prego

vou batendo o prego.

O trabalho não deshonra

digo sempre ao meu amor

Você deve se orgulhar

De ser mulher

de um trabalhador

Bate o prego

Tira o prego

Quem trabalha tem valor

A letra está em

http://docvirt.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=cordelfcrb2&pagfis=47112&pesq=

E a música em

http://dlmanager.gq/mp3/MTc3NTQ5NjY1.html

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Eu também tou batendo o prego...

Amigo Antonio Francisco!

Essa é a Marcha dos Carpinteiros e a solicitei ao Nirez para responder a tua postagem. Interessante que ele falou que a segunda parte da melodia foi copiada para uma canção de natal... Realmente...

Seu voto: Nenhum (1 voto)

lucianohortencio

É Carnaval!

Seu voto: Nenhum (1 voto)

lucianohortencio

imagem de jns
jns

O rei endoideceu

Certo dia a princesinha/ que vivia a chorar/ saiu andando sozinha/ ao luar

Contam que essa princesinha/ não parou de caminhar/ e o rei endoideceu

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Cris Kelvin
Cris Kelvin

Julian Assange e o Carnaval do Telegrama

Repassando marchinhas imortais, cantadas e puladas há mais de 100 anos, lembrava de algumas que quedaram datadas ao glosar fatos do momento ou simplesmente despercebidas pularam em branco. Entre elas, a desconhecida “Carnaval do telegrama”, brincadeira despretenciosa publicada na rede em 2011, que sintetiza de forma crítica e humorada o caso Julian Assange e decorrências dos vazamentos pelo Wikileaks. Com a divulgação da posição da ONU condenando a prisão do ativista, nesta semana, e ciente que o carnaval em torno da publicação das espionagens não terminou, julguei que a marchinha (descontada a precariedade da produção) ainda tem alguma atualidade e pode encontrar nesta praça  seu bloco de  foliões.

Oba, oba,  tem telegrama:

é Carnaval no barraco do Obama!

Oba, oba, oba, tem telegrama:

é Carnaval no barraco do Obama!

 

Julian Assange abre alas

para o Wikileaks passar.

Tio San tá pulando na praça 

num trem sueco a trois!

 

Na ilha pintou fantasia.

“Deus, Salve a Rainha”, o amor!

Puxando o cordão,

     condão da folia,

pelado vai o embaixador!

 

Hugo Abati

*

Julian Assange e o Wikileaks também foram tema no Carnaval de Colônia, Alemanha,  nem 2011 (foto acima).  No  Brasil, os documentos revelaram outro tipo de folião: o senador tucano José Serra, envolvido em lobby do pré-sal com a petrolífera americana Chevron; e o apresentador do Jornal da Globo, William Waak, apontado como informante do governo norte-americano.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.