newsletter

Assinar

Na troca de dívidas dos estados, a saída para a crise

O governo aceitou a sugestão de trocar dívidas de estados por empresas estaduais. É um primeiro passo importante para o equacionamento do nó fiscal, mas pode ser muito melhor trabalhado.

Não pode ser meramente um acerto de contas burocrático. Há condições de se montar um programa que mobilize investimentos privados, permita pactos com os trabalhadores e com os entes federados.

Tudo depende da maneira como se fará o programa.

O caminho para tal passa pelas seguintes etapas:

1. Acerta-se o passivo dos estados (e municípios) não apenas com a União, mas com os fundos sociais (FGTS, INSS e FAT), através da entrega de empresas estaduais e municipais e de direitos de concessão – reavaliando-os.

2. Prioriza- se o saneamento, iluminação elétrica e companhias de gás. Não apenas aceitando empresas de saneamento dos estados, como direitos de concessão de municípios. É imoprtante esse passo para gerar valor para abater a dívida.

3. Securitizam-se esses ativos. Cria-se um título especial, digamos Obrigações Sociais do Tesouro (como no velho Plano K), trocam-se pelos ativos de estados e municípios. Com esses títulos, eles quitam sua dívida com a União e os fundos.

4. Esses novos títulos - lastreados nos ativos oferecidos por estados e municípios - vão constituir um novo Fundo - que participará dos futuros leilões das empresas e concessões. Esse Fundo servirá para o governo negociar politicamente com as centrais sindicais.

5. Avaliadas as concessões e as empresas licitadas, se providenciarão os leilões dos quais participarão investidores nacionais e internacionais, empresas do setor e esse Fundo Social - que se beneficiará da futura valorização das empresas.

6. Convocam-se centrais sindicais, estados, mercado para discutir uma modelagem que preserve a função pública das empresas, sem inviabilizar os novos investimentos.

Se juntar todas essas pontas, o governo conseguirá mobilizar estados, municípios, empresas do setor, mercado, centrais sindicais em um plano que, ao mesmo tempo, equaciona o problema fiscal e lança uma nova etapa do investimento na economia.

Média: 4 (18 votos)
12 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de ALEX FURTADO
ALEX FURTADO

Do fundo do coração....

Nassif,

Do fundo do seu coração, você acredita mesmo que esta seja uma solução exiquivel a curto prazo, a tempo de nos salvar da derrrocada?

E se a resposta for sim, qual tempo você acha que leva para esse plano ser colocado em prática e o primeiro canteiro de obras se instalar?

Sempre te achei uma pessoa pé-no-chão mas desta vez você me parece otimista demais.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de pedro luiz
pedro luiz

Troquemos nossos governantes.

Troquemos nossos governantes. Fica mais barato para a sociedade Brasileira.Temos milhares de adminsitradores, contadores, economistas enfim de todas as áreas aposentados, com experiência para mudar a gestão pública. Precisamos de "técnicos" de todas as áreas de formação para começar a mudar esse país. TEM JEITO, SIM. Mobilixzar as universideades para ir para as ruas.Chega de comodismo nosso. Ficar em casa mantém o que aí está.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

tudo isso é muito bem dito,

tudo isso é muito bem dito, seria uma pena se tivéssemos como presidente alguém completamente incapaz de pensar um plano sequer de país.

 

ainda bem que não, né?

Seu voto: Nenhum
imagem de Pedro  Carlos Penido Veloso dos Anjos
Pedro Carlos Penido Veloso dos Anjos

Inventaram um novo nome para

Inventaram um novo nome para as privatizações?

Caramba!

Desta vez vou querer a minha casquinha!

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de arkx
arkx

a crise tem nome:a oligarquia brasileira, anti-povo e anti-nação

soluções para a crise:

- estatização do sistema financeiro;

- reeestatização das empresas privatizadas pela privataria de FHC.

o setor dominante, principalmente os plutocratas paulistanos, nunca serão capazes de resolver a crise: eles são a crise. tecnocratas gordos e engravatados nunca serão capazes de resolver a crise: eles são os gestores dos interesses das oligarquias. não existe saída para a crise que passe pelo modelo atual: ou se tem a ousadia de propor a medidas corretas ou sejam engolidos todos com a crise...

.

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de joel lima
joel lima

A mãe desse tsunami todo é


A mãe desse tsunami todo é Dilma Governo tão débil que permite que infecções oportunistas façam a festa. E o dramático é ver gente como Nassif trabalhando em duas frentes ao mesmo tempo = mostrando como querem quebrar a ordem democrática em nome de combater a corrupção (que só vem do pt, e nunca do psdb)  e transformar aqui de vez em república de bananas e também mostrando caminhos para o Brasil ver um rumo na economia.  Mas Dilma é a paralisia em pessoa. A verdade é que a sorte dela é que as opções para ficar no lugar dela são bem piores do que ela - Temer, Cunha, Aécio.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Renato Ferreira Lima
Renato Ferreira Lima

Keynesianismo em estado puro...

Posso já dizer qual o resultado?

Perda de controle das contas,

Re-aparelhamento das estatais (trocando os protegidos dos caciques locais pelos protegidos dos caciques federais - ou da "cacica" federal, como parece preferir nossa Presidente que adora flexionar o que não deveria, a começar pelo orçamento)

Piora dos já horrorosos serviços.

E turma, aplaudindo. Exatamente como nos anos 80.

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de Anízio Bragança Júnior
Anízio Bragança Júnior

Isso não seria privatização?

Isso não seria privatização?

Seu voto: Nenhum (13 votos)
imagem de Paulo F.
Paulo F.

Tungada!

Lá vai a Viúva ficar com todo entulho, de novo!

Seu voto: Nenhum (9 votos)
imagem de Colé
Colé

Vendemos mais da metade do

Vendemos mais da metade do país para pagar dívida na chamada era das privatizações, e a dívida aumentou.

Agora vamos vender o que restou para também pagar dívidas, e não solucionar.

As próximas vendas serão as nossas calcinhas.

O nosso sangue.

As nossas veias.

Saudade de Galeano.

Governo de quatro.

Isolado.

Se vendendo.

Desesperado para não cair.

Sabendo que já está na lona.

No bolso e no ringue.

Triste fim.

Seu voto: Nenhum (12 votos)
imagem de altamiro souza
altamiro souza

sugestões para gerar as

sugestões para gerar as soluções -

sempre um alento pa o espírito das gente, podes crer...

Seu voto: Nenhum (4 votos)

... trocar modus operandi de gestão da coisa pública

... trocar seis por meia dúzia...

Seu voto: Nenhum (12 votos)

"Não há segredo que o tempo não revele, Jean Racine - Britânico (1669)" - citação na abertura do livro Legado de Cinzas: Uma História da Cia, de Tim Weiner. 

imagem de Renato Ferreira Lima
Renato Ferreira Lima

A meu ver, é pior que isso

O que acho que se vai tentar fazer é, via balanços, camuflar as transferências de valores e os reais prejuízos - uma versão estatal do que os derivativos faziam com os créditos podres do sub prime americano. Vai contaminar tudo.

O resultado é que as contas do governo federal, que já estão completamente descontroladas e sem fazer sentido dadas as mandrakarias contábeis dos últimos anos, o fato é que o accountability delas vai ficar ainda pior. E a razão é simples: a motivação deste equipe econômica, desde 2011-2012 tem sido mascarar as contas, não ter transparência, não assumir os problemas, tentando sempre varrer pra baixo do tapete ou culpar o tomate. Essa "mágica" apresentada pelo Nassif não vai funcionar.

Caminnha-se para um caos parecido com o do final do governo Sarney, em que as contas públicas simplesmente não faziam mais sentido e a economia era derretida pela inflação. Ah, sim, com um agravante: à época, o peso dos impostos era menor do que hoje. O cidadão tinha um pouco mais de margem para manobrar e sobreviver.

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.