newsletter

Assinar

O “teste do marshmallow” da economia global, por Jeffrey D. Sachs

Jornal GGN - A economia global tem enfrentado um começo de 2016 turbulento, com queda dos mercados de ações; a recuperação dos emergentes em meio à queda expressiva dos preços das commodities; influxo de emergentes afetando a Europa; a desaceleração do crescimento chinês em resposta a uma moeda sobrevalorizada e a paralisia política nos Estados Unidos. Um cenário que exige cautela e alguns princípios a serem adotados.

Em artigo publicado no site Project Syndicate, o professor e conselheiro das Nações Unidas Jeffrey D. Sachs apontou alguns itens para escapar de tal quadro. E um deles é o progresso econômico global, que depende de alta poupança e investimento global. “Em primeiro lugar, a nossa meta global deve ser o progresso econômico, o que significa melhores condições de vida em todo mundo (...) O progresso depende de uma elevada taxa de investimento global: desenvolver as habilidades, tecnologia e estoque de capital físico para impulsionar os padrões de vida mais elevados. No desenvolvimento econômico, como na vida, não há almoço grátis: sem taxas elevadas de investimento em know-how, habilidades, máquinas e infraestrutura sustentável, a produtividade tende a diminuir (...)”.

Essas taxas de investimento, por sua vez, dependem diretamente de uma taxa elevada de poupança.  “Um famoso experimento psicológico descobriu que as crianças que poderiam resistir à tentação imediata de comer um marshmallow, e, assim, ganhar dois marshmallows no futuro, eram mais propensas a prosperar como adultos do que aqueles que não podiam. Da mesma forma, as sociedades que adiarem o consumo imediato, a fim de poupar e investir para o futuro poderão desfrutar de maiores rendimentos futuros e maior segurança na aposentadoria”. 

Em segundo lugar, Sachs diz que os fluxos de poupança e investimento devem ser vistos como globais, e não nacionais. “Um país como a China, com uma alta taxa de poupança que excede as necessidades de investimento locais, pode apoiar o investimento em outras partes do mundo que poupam menos, notadamente nos países de baixa renda na África e Ásia. (...) Os chineses sabem que os ativos financeiros das famílias, ao invés de numerosas crianças ou seguridade social do governo, serão a principal fonte de sua segurança financeira. Baixa renda África e na Ásia, por outro lado, são jovens e pobres em capital. Eles podem contrair empréstimos da China para financiar uma maciça e rápida acumulação de educação, competências e infraestrutura para sustentar o seu próprio futuro”.

Em terceiro lugar, o pleno emprego depende de taxas de investimento elevadas que correspondem altas taxas de poupança. Porém , Sachs diz que essa taxa não se traduz automaticamente em uma taxa elevada de investimento, a menos que seja devidamente dirigida. “O dinheiro depositado em bancos e outros intermediários financeiros (como seguros e fundos de pensões) podem financiar atividades produtivas ou especulação de curto prazo (por exemplo, empréstimos de consumo e imobiliário). Grandes banqueiros do passado, como JP Morgan construíram setores como transporte ferroviário e aço”.

Em quarto lugar, os elevados investimentos privados por negócios dependem de altos investimentos públicos em infraestrutura e capital humano. “Os investimentos de hoje com altos retornos sociais - como energia de baixo carbono, redes de energia inteligentes para as cidades, e os sistemas de saúde baseados em informação - dependem de parcerias público-privadas, nas quais os investimentos públicos e políticas públicas ajudam a estimular o investimento privado”. 

Segundo Sachs, o grande problema atual é que os intermediários financeiros mundiais não estão direcionando os recursos de poupança em investimentos de longo prazo. O problema é agravado pelo fato de que a maioria dos governos (os EUA é um caso gritante) subinvestem de forma crônica na educação a longo prazo, no treinamento de habilidades, e infraestrutura. “O investimento privado está aquém principalmente por causa da escassez de investimentos públicos complementares”.

O resultado é de demanda mundial inadequada (investimentos globais aquém da economia global, por exemplo) e capital de curto prazo altamente volátil flui para financiar o consumo e imobiliário. Esses fluxos de curto prazo estão sujeitos a reversões abruptas da dimensão e orientação. Segundo Sachs, “a crise financeira asiática de 1997, seguido de uma parada súbita dos fluxos de capital para a Ásia, e os empréstimos globais a curto prazo, de repente secaram depois que o Lehman Brothers entrou em colapso em setembro de 2008, fazendo com que acontecesse a Grande Recessão. Agora a China está enfrentando o mesmo problema, com a entrada de capital abruptamente dando lugar às saídas”.

Média: 3.7 (6 votos)
1 comentário

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de MAAR
MAAR

INVESTIMENTO VERSUS ESPECULAÇÃO

Correta a tese do Sachs, segundo a qual a ausência de políticas maciças voltadas para o direcionamento da poupança acumulada, com vistas ao financiamento de investimentos de longo prazo, é uma causa da debilidade crônica da economia global. A promoção de investimentos em infra-estrutura, educação e inovação tecnológica constitui o antídoto capaz de evitar a manipulação de crises cíclicas destinadas a favorecer a especulação financeira e o capitalismo predatório. Tais vicissitudes prejudicam a sustentabilidade do sistema econômico, e condicionam a instabilidade política que agrava a crescente concentração de renda, bem como as injustas e desumanas desigualdades sociais.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de MAAR
MAAR

EM TEMPO

Vale ressaltar que é mais adequado dizer ‘a tese sustentada no artigo em tela’, pois diversos outros pensadores progressistas defendem estas mesmas ideias.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.