newsletter

Pular para o conteúdo principal

Desenvolvimento

O campo de Franco e a capitalização da Petrobras

Sugerido por Assis Ribeiro

Do Tijolaço

Para quem acha que Libra é tudo, vem aí Franco…

Preste atenção neste trecho da entrevista da presidenta da Petrobras, Graça Foster, ao Estadão, no final de semana:

A área de Franco, pelo que se comenta, está muito próxima do tamanho de Libra (8-12 bilhões, segundo a ANP). E Franco é só uma das áreas da cessão onerosa. Se tiver 8 bilhões de barris, por exemplo, a Petrobrás explora até 5 bilhões? Como funciona?

O contrato é esse (5 bilhões de barris de óleo equivalente). Tudo além de cinco, se é cinco num campo, se a gente vai desenvolver aqui também, ali… Essa é uma das etapas mais importantes dessa discussão.

Seria mais viável focar em um campo apenas?

O que é mais razoável, mais adequado, para uma empresa de petróleo não necessariamente é para a União. Há que se olhar os dois lados e a palavra final é da União. O petróleo é dela, pertence a ela. Aquilo que é mais razoável para uma empresa de petróleo nem sempre é o mais adequado para a União. Por isso, é uma discussão importante e rica.

A Petrobrás pode devolver algumas áreas para a União?

Essa é a discussão que vamos fazer. Já estamos prontos. Em 2010, assinamos contrato, já estamos perto de 2014, está na hora de sentar para organizar, montar um cronograma de atividades, (avaliar) todos os itens que precisam ser discutidos, passo a passo, o timing para cada um e fazer um trabalho técnico e econômico.

Deu para entender o que a gente vinha dizendo aqui?

francofhc

Franco é apenas uma das seis áreas entregues por contrato diretamente à Petrobras, durante o processo de capitalização da empresa.  Foi com essa operação que o Brasil conseguiu recuperar uma parte do capital da Petrobras que Fernando Henrique espalhou na Bolsa de Nova York.

Aliás, outro Franco, não o campo de petróleo, mas diretor e depois presidente do Banco Central do governo tucano, queria vender a Petrobras, o que em parte foi feito com a entrega das ações aos americanos.

acoespetrobras

Veja aí ao lado como o Estado brasileiro recuperou quase 10% da empresa naquela operação.

Pelo menos em relação a Franco, estão praticamente prontos os estudos de avaliação e eles indicaram reservas muito superiores aos 3,5 bilhões de óleo recuperável – a previsão inicial, de 2009 –  e aos próprios 5 bilhões de barris contratados com a União.

Também estão neste ponto os trabalhos em Florim, cuja estimativa original, de meio bilhão de barris, com poços que revelaram reservatórios de grande dimensão vertical, embora a área seja bem menor que Franco.

Ainda há quatro áreas “bloqueadas” para a Petrobras, no contrato de cessão onerosa: entorno de Iara, Tupi Sul e Tupi Nordeste , além de Peroba, esta incluída na condição de “reserva” para o caso de não se alcançarem os 5 bilhões de barris, o que não vai acontecer, é evidente agora.

Uma avaliação superior ao volume contratado vai ser, provavelmente, objeto de adjudicação direta – como permite a lei de partilha – a Petrobras, que renegociará os valores a serem pagos à União por este excedente.

Será que os que achavam que Libra deveria ter ficado exclusivamente a cargo da Petrobras, sem captação de recursos de parceiros para a exploração se dão conta de que isso implicaria – já de início – em abandonar os investimentos nestas áreas da cessão onerosa, as quais, além de estar contratualmente obrigada a perfurar e produzir, o petróleo é tão garantido e de boa qualidade quanto em Libra?

E mais: tudo indica que, somadas, as áreas já parcialmente adjudicadas à Petrobras, provavelmente, vão superar as reservas de Libra.

Se esgotarmos a Petrobras em imprudências, mesmo que com generosas razões, eu garanto a você que a tal “falta de interesse dos investidores estrangeiros” vira num instante apetite de formigas por mel.

Média: 5 (3 votos)
10 comentário(s)

Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Cessão generosa

PORQUE  EM LIBRA FOI UM LEILÃO DE PERDEDORES?

 

Um leilão na forma de concessão traria mais recursos para exploração de outros campos, diretamente pela Petrobras na forma de prestação de serviço como sugere o professor da USP Ildo Sauer. Por exemplo: Mal comparando, no leilão de Tupy por “cessão onerosa” – renomeado para Lula – rendeu US$42.5 bilhões, conquanto considerado menos promissor. Claro que não entrou dinheiro em espécie. Apenas maior participação estatal no capital da Petrobras e fuga de acionistas minoritários.

O que parecia na época uma doação “generosa” – para contrapor à cessão onerosa – acabou por se transformar em dor de cabeça para a Petrobras, com a fuga dos acionistas minoritários e redução do valor das ações a quase metade, situação que perdura até os dias de hoje.

 

“Inicialmente, a estimativa das reservas de Franco, divulgadas em 2010, por ocasião da cessão onerosa, era de cerca de 4,5 bilhões de barris. Desse total, 3 bilhões de barris foram dados em troca de ações da companhia durante a mega capitalização da empresa”.

“Outros dois bilhões estão divididos em outros campos do pré-sal de menor porte: Florim, Sul de Guará, Entorno de Iara, Sul de Tupi, Nordeste de Tupi, e uma área contingente (Peroba), somando o total de R$ 74,8 bilhões, valor equivalente às ações cedidas pela Petrobras à União. Na época, se estabeleceu um valor para o petróleo produzido no local de US$ 8,51, valor que será renegociado no ano que vem entre a empresa e o governo”. Fonte: Valor Econômico, por Cláudia Schuffner.

Seu voto: Nenhum

Uma nova capitalização

PORQUE  EM LIBRA FOI UM LEILÃO DE PERDEDORES?

 

Um leilão na forma de concessão traria mais recursos para exploração de outros campos, diretamente pela Petrobras na forma de prestação de serviço como sugere o professor da USP Ildo Sauer. Por exemplo: Mal comparando, no leilão de Tupy por “cessão onerosa” – renomeado para Lula – rendeu US$42.5 bilhões, conquanto considerado menos promissor. Claro que não entrou dinheiro em espécie. Apenas maior participação estatal no capital da Petrobras e fuga de acionistas minoritários.

O que parecia na época uma doação “generosa” – para contrapor à cessão onerosa – acabou por se transformar em dor de cabeça para a Petrobras, com a fuga dos acionistas minoritários e redução do valor das ações a quase metade, situação que perdura até os dias de hoje.

 

“Inicialmente, a estimativa das reservas de Franco, divulgadas em 2010, por ocasião da cessão onerosa, era de cerca de 4,5 bilhões de barris. Desse total, 3 bilhões de barris foram dados em troca de ações da companhia durante a mega capitalização da empresa”.

“Outros dois bilhões estão divididos em outros campos do pré-sal de menor porte: Florim, Sul de Guará, Entorno de Iara, Sul de Tupi, Nordeste de Tupi, e uma área contingente (Peroba), somando o total de R$ 74,8 bilhões, valor equivalente às ações cedidas pela Petrobras à União. Na época, se estabeleceu um valor para o petróleo produzido no local de US$ 8,51, valor que será renegociado no ano que vem entre a empresa e o governo”. Fonte: Valor Econômico, por Cláudia Schuffner.

Seu voto: Nenhum
imagem de Kepler K
Kepler K

Petrobras

Petrobras hoje:

http://www.bmfbovespa.com.br/cias-listadas/empresas-listadas/ResumoEmpresaPrincipal.aspx?codigoCvm=9512&idioma=pt-br

 

Seu voto: Nenhum

Mais royaltie pro Rio de

Mais royaltie pro Rio de Janeiro.

É esse poço mesmo Petrobras. Coloca esse na frente!

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de armando botelho
armando botelho

É de arrepiar quando se fala

É de arrepiar quando se fala em bilhões de barris de petróleo , e pior é o prazer imbutido e o sifrão nos olhos .

Agora quando se imagina o poder de poluição comprovada no diamente negro , ficamos aqui pensando com nossos botões , não estariamos na contramão da maioria dos paises que pesquisam diuturnamente uma fonte limpa de energia , para acabar de vez com a emissão priduzida pela queima de energia originária dos fosséis.

A sofreguidão do nosso governo em botar a mão nos petrodóres pra resolver todos os nossos problemas cronicos de saúde , educação e infreestrutura é um espanto e se torna na única fonte de esperança maior.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Pelo visto, os "petrodolares"

Pelo visto, os "petrodolares" servirão sim de lastro econômico. Coisa que poucos países possuem. Portanto, nada de poluição, etc..etc..etc.......Engana-se pensar ser a única fonte de esperança e sim a retomada da Independencia economica internacional. Basta ver o que se faz com o "lastro" economico no mundo atual. 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Durvalino
Durvalino

....  o preço da gasolina

....  o preço da gasolina precisar subir sim - ate para conter a imobilidade urbana em q vivemos.  mas nao ha sentido em majorar o oleo diesel - base do transporte de mercadorias e pessoas, q desagua direto na inflaçao.

simples nao !!!!

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Motta Araujo
Motta Araujo

http://jornalggn.com.br/blog/

http://jornalggn.com.br/blog/luisnassif/rentabilidade-e-capitalizacao-da...

A chamada "capitalização da Petrobras foi um desastre que deu inicio a perda de valor de mercado das ações da Petrobras. Hoje a Petrobras vale METADE do que valia antes da capitalização. Foi uma capitalização "ideologica", burra,

que diluiu os minoritarios e fez o pepel da empresa perder valor e interesse no mercado. É preciso muito incompetencia para destruir valor de mercado e IMPEDIR a empresa de se capitalizar facilmente via ações.

Rasteira no mercado só se dá uma vez. O mercado acusa a perda e risca a empresa de recomendação de compra dos fundos. Hoje a Petrobras esgotou sua capacidade de endividamento, não pode se financiar com emprestimos e tampouco tem compradores para novas emissões de ações. A União "ganhou" 10% a mais de ações mas o TOTAL do valor das ações que a União tem hoje é muito menos do que valia antes da capitalização. Nem dono de boteco faz um negocio desses. E ainda se dizem "nacionalistas".

Ao abrir o capital da empresa no exterior, listando nas Bolsas internacionais, o Governo FHC visou criar mercado para a Petrobras, o controle da União NUNCA esteve em jogo. Esse "mercado" para o papel é fundamental para a Petrobras crescer. A capitalização "matou" o mercado e limita o crescimento da empresa que hoje está vendendo ATIVOS em 38 paises onde investiu porque não tem mais como se financiar. As vendas de ativos estão sendo feitas em quase todos os casos com PREJUIZO. A Petrobras perdeu peso, valor, presença e futuro com essas manobras nacionalisteiras.

Enquanto isso a PEMEX, a mais antiga estatal de petroleo do mundo, criada em 1938 com a nacionalização do petroleo mexicano pelo Presidente Lazaro Cardenas, vai abir seu capital e fazer o caminho que a Petrobras fez no governo FHC.

Seu voto: Nenhum

O mercado comprou por 10% do

O mercado comprou por 10% do valor defasado de hoje.

Multiplicou o capital por 10...realmente eles devem estar muito insatisfeitos.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de emerson57
emerson57

dilma entrega

se tiver muito óleo,

a dilma e o edison lobão e a chambriard ..............e-n-t-r-e-g-a-m

mas,

no dia seguinte ela vem à tv explicar para o povo porque foi bom entregar.

e o pt (que eu elegi)? 

pt?............. qual pt? ......................existe ainda?

Seu voto: Nenhum (6 votos)

"Franco é apenas uma das seis

"Franco é apenas uma das seis áreas entregues por contrato diretamente à Petrobras, durante o processo de capitalização da empresa.  Foi com essa operação que o Brasil conseguiu recuperar uma parte do capital da Petrobras que Fernando Henrique espalhou na Bolsa de Nova York."

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de Luis Rossi
Luis Rossi

Se não fosse o PT a Petrobrás

Se não fosse o PT a Petrobrás estaria quebrada!

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.