newsletter

Assinar

O caso Miriam Dutra e a libertação de Delcídio do Amaral, por Yuri Carajelescov

Remanesce, no entanto, a dúvida: por que um político inteligente, como Serra, com pretensões presidenciais, se exporia admitindo em seu gabinete uma assessora que só comparece ao Senado para bater o ponto?

por Yuri Carajelescov

Testando a hipótese

A hipótese a seguir parte do pressuposto de que os grupos familiares de mídia, parcelas importantes do Poder Judiciário, do Ministério Público e da Polícia Federal, doravante denominados “alta burocracia”, assim como os principais políticos do PSDB e de seus partidos satélites (DEM e PPS) jogam juntos pela retomada do controle do governo central perdido há 13 anos.

O objetivo nuclear dessa aliança não é e nem nunca foi combater a corrupção, mas desalojar os intrusos capitaneados por Lula do poder, o que tem se mostrado até agora inviável pelo voto. O projeto conjunto visa a (re)orientar a nação a partir de três eixos:

(i.) desmantelar a incipiente política distributivista, bloqueando toda e qualquer possibilidade de seu aprofundamento e de redução da desigualdade;

(ii.) desmontar as engrenagens de desenvolvimento autônomo do país (vide o ataque sistemático à Petrobras, às empresas de engenharia e ao programa nuclear) e

(iii.) reverter a política externa não alinhada aos interesses americanos no mundo, reduzindo a participação do Brasil no Mercosul e nos BRICS em favor de um acordo bilateral com os Estados Unidos.

Trata-se de um programa de contra-reforma sistematicamente rechaçado pela maioria do país, difícil, portanto, de ser implementado, ao menos por enquanto, a partir da força e da legitimidade das urnas.

Pois bem, esses três grupos (mídia, "alta burocracia" e caciques da oposição), como as "famiglias" italianas, se protegem, mas, por vezes, acontecem rusgas entre irmãos, em função de idiossincrasias ou interesses particulares. O caso Miriam Dutra talvez seja um deles, essencialmente fogo amigo.

Aos fatos.

Miriam Dutra concede uma entrevista para uma revista estrangeira de pouca expressão (BrazilcomZ) na qual requenta uma história revelada pela revista Caros Amigos em 2000 sobre o filho que teria tido com o ex-presidente FHC, fruto de uma relação extraconjugal de 6 anos, a participação da Rede Globo no processo de ocultação do fato etc. Ouvida depois pela "Folha", ela manda um torpedo direto no alvo: “não sei como ainda não descobriram as contas dele (FHC) no exterior”, algo como “eu sei o que você fez no verão passado”.  Seria a senha de uma chantagem?

Os blogs de esquerda, em sua maioria lulopetistas, inconformados com a campanha sistemática contra o ex-presidente Lula, espalharam como fogo no paiol a entrevista.  As redes sociais bombaram.  A “Folha”, reconhecidamente amigável aos tucanos, especialmente a Serra, deu grande destaque e a Globo, como havia sido envolvida na história, teve que se defender em seus jornais televisivos. Estava garantida a ampla divulgação do requentado caso “Miriam Dutra”, furando, assim, a tradicional blindagem de FHC na mídia.

No meio desse tiroteio, começam a aparecer as digitais de José Serra. Descobre-se que a irmã de Miriam Dutra, Magrit Dutra Schmidt, é funcionária fantasma lotada em seu gabinete. Lauro Jardim, ex-Veja atualmente em “O Globo”, noticia em primeira mão o fato. Por razões que não vem ao caso agora, a família Marinho é grata, gratíssima, a FHC, o que se reflete na cobertura edulcorada dos veículos das organizações Globo em relação a ele.

Pego em flagrante, o senador se defende: “Ela (Magrit) trabalha em casa porque está envolvida em um projeto secreto”. Bem, como o projeto é secreto e o senador é tucano, nada mais precisou dizer nem lhe foi perguntado. Remanesce, no entanto, a dúvida: por que um político inteligente, ladino e experiente como Serra, com pretensões presidenciais, se exporia admitindo em seu gabinete uma assessora que só comparece ao Senado para bater o ponto? Estaria fazendo um favor a alguém ou seria uma forma de se manter próximo a fontes relevantes, reconhecido o seu pendor por coletar, armazenar e sistematizar dados e informações de adversários e aliados, o que seus desafetos costumam chamar de dossiês?

Na mesma semana em que repercute o caso “Miriam Dutra”, forma-se maioria (7x4) no Supremo Tribunal Federal a favor de uma das teses defendidas pelos agentes da Lava Jato: a precarização do princípio constitucional da presunção de inocência. O Min. Teori Zavascki compõe a maioria formada na Corte. Uma vitória e um recado para a turma do juiz Moro: “go ahead!”. Uma derrota e um recado para os presos na Lava Jato: “Percam as esperanças. Assinem logo as delações premiadas. As instâncias superiores estarão fechadas para seus recursos.”

Na sexta-feira à tarde, sem grande estardalhaço, o senador petista Delcídio do Amaral, após parecer favorável da PGR, foi solto por decisão do Min. Teori sem assinar acordo de delação premiada, segundo informou seu advogado. Delcídio do Amaral tem DNA tucano. Filiado ao PSDB, ele foi ministro de Itamar e depois ocupou a diretoria de Gás e Energia da Petrobras entre 2000 e 2001, tendo trabalhado com Nestor Cerveró e Paulo Roberto Costa.

Antes de ser preso, Delcídio foi flagrado em escutas nas quais se ouviu o seguinte:

“E você vê como é que ele é [Fernando Baiano], como é matreiro? A delação, quando ele conta quando ele me conheceu, quando eu era diretor e o Nestor era gerente [da Petrobras]. Que ele foi apresentado a mim por um amigo, que ele poupou, que é o Gregório Marin Preciado. E as conversas que nós ouvimos é que em uma dessas reuniões que ocorreram, eu não sei com relação a qual desses projetos, houve uma reunião dessa na Espanha que os caras já rastrearam quem “tava” nessa reunião. E existiu um espanhol nessa reunião. que eles não souberam identificar. Bingo, é o Gregório!”

“Ou seja, Fernando está na frente das coisas, mas atrás quem organiza é o Gregório Marin”

“O Serra me convidou para almoçar outro dia... Ele [Gregório] é cunhado do Serra. E uma das coisas que eles levantaram nessa reunião na Espanha, eu não sei [se] sobre sondas ou Pasadena, mas houve um reunião na Espanha, e existia esse espanhol que não foi identificado. E é o Gregório. É o Gregório. O Nestor conheceu o Gregório”. Esses trechos foram retirados de matéria publicada pelo jornal Valor (http://www.valor.com.br/politica/4329880/delcidio-diz-que-empresario-gre...).

Na mesma matéria, o “Valor” informa que: “Segundo a delação premiada de Baiano, Preciado teria obtido entre US$ 500 mil e US$ 700 mil pela suposta cessão de uma empresa sob seu controle e registrada em nome de seus parentes para o recebimento e distribuição de propina de US$ 15 milhões relativa à aquisição pela Petrobras da refinaria americana de Pasadena. A empresa citada por baiano é a Iberbras Integración de Negocios y Tecnologia.”

Na verdade, Gregório Marin Preciado é casado com uma prima de Serra. As relações entre ambos vão além do provável convívio em festas familiares, como desvendou o jornalista Amaury Ribeiro Jr em “A privataria tucana”. No entanto, mais uma vez, tratando-se de um político integrante do aliança acima referida, a imprensa se desinteressou e a “alta burocracia” tampouco se ocupou de investigar.

Delcídio preso, no entanto, era um risco. E se ele sucumbisse e resolvesse firmar um acordo de delação premiada e apresentasse provas da relação de Gregório Marin Preciado e outros com o esquema de corrupção na Petrobras?

Nesse jogo, o rei precisa ser preservado. FHC é o rei desse xadrez. Por todos os serviços prestados à causa, pela simbologia, FHC pode até vir a ser alvo de chantagem, mas não pode cair nunca. Diante de qualquer ameaça ao rei, deve-se abrir as portas das masmorras se for preciso para passar até um senador petista, quem sabe pela mesma porta da qual saiu o banqueiro Daniel Dantas?

Coincidências acontecem e isso tudo pode ser uma enorme viagem; uma trama caricatural ao gosto de Umberto Eco, que nos deixou ontem. “Ou não”, como diria Caetano. É mais provável que o caso Miriam Dutra desapareça do noticiário da mesma forma que surgiu. Do nada para o nada, o que, em seu silêncio, explicaria muita coisa.    

Ps. Na mesma sexta-feira foi publicada decisão do Min. Teori Zavascki que, acolhendo manifestação da Procuradoria-Geral da República, arquivou procedimento investigatório– que ninguém sabia que havia sido aberto – contra Aécio Neves por suposta propina recebida da empreiteira UTC. Esse fato reforça a percepção cada vez mais presente da inimputabilidade de certos atores políticos.

Média: 4.5 (25 votos)
21 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Reconciliação com a realidade

 

 

 

Neste conturbado mundo de muito barulho e pouca luz, penso que devemos focar em valores que fizeram próspero e rico o mundo ocidental. Escrevi o texto abaixo, buscando essencialmente focar em valores que funcionaram ao longo do tempo.  Ofereço este texto para discussões. Comentários são bem vindos.

 

 

https://lh3.googleusercontent.com/proxy/nzFLXQqYOLbAlPMijr9ZrKVlX7b57Zk1-EVZwe7jUuOSlhMLQqJb6F5l0oqkqGrPfSjmhzzfmQO2iYPsh7VYh-5gKl7PRJTpN_AQnLKAMlM_yL5Y1t5FDw=s519A reflexão abaixo está focada em 3 tragédias recentes da civilização humana: na Síria, nos EUA e no Brasil, busca encontrar um denominador comum, apontar a origem da relação espúria de economia com política e a inutilidade da intervenção de governos. Sugere solução com base em um novo Pacto Social onde predomina a filosofia da teoria econômica austríaca e descarta para o lixo da história a influência keynesiana. A inserção de citações de pensadores ao longo do texto visa aproveitar a experiência de intelectuais e estadistas – eles tiveram razões circunstanciais para sumarizar suas ricas experiências em algumas palavras, que devem servir como bússola para gerações vindouras. Acredito fortemente que "A herança do passado é a semente que faz brotar a colheita do futuro." (Os arquivos nacionais dos Estados Unidos, Washington DC)

 

 

https://www.rotary.org/sites/default/files/styles/rotary_responsive_280/public/T1516_PT.png?itok=flO_rQFcimage001.jpg@01CFBC04.EECBD2E0Caso acredite que este texto foi enviado a você por engano, por favor, descarte-o

       

 

 

 

Estou consternado ainda com a foto do menino sírio, de 3 aninhos, encontrado morto na praia turca: rosto colado na areia, bum bum empinado, vestido pra viagem, cabelo de anjo, sapatos sem meias. Despachamos de volta deste mundo este anjinho recém chegado. Sequer demos oportunidade a ele de mostrar seu talento: quem sabe ele não seria um Leonardo da Vinci, Luciano Pavarotti ou André Rieu, que iria encantar o mundo. Sua família estava atrás de oportunidades, na insana condição dos que estão no mundo sem ter nele um lugar, deixando uma vida inteira para trás e um futuro incerto pela frente, trocando a morte certa pela morte provável. Até onde um coração aguenta tamanha angustia!!

 

 Jason Liosatos Gallery</p />
</p><p> 'Blood and Lies' Tony Blair</p />
</p><p>http://www.jasonliosatos.co.uk/TonyBlair%20-%20Copy.JPGVeja a seguir, a crise dos refugiados que assola o mundo, apontando as causas da tragedia:

 

 

“Muitas pessoas simpatizam com os refugiados, claro, e gostariam de ajudá-los. A questão é como fazê-lo sem infringir os interesses dos residentes dos países onde os refugiados estão se movendo. Enquanto isso, um enorme choque descontrolado de diferentes estilos de vida pode levar e já está levando ao crescente nacionalismo e intolerância, para o surgimento de um conflito permanente na sociedade”. - Presidente da Rússia Vladimir Putin - reunião ordinária do Valdai International Club - 19 a 22 de outubro, 2015 - especialistas de 30 países - Guerra e Paz

 

O ex-senador americano Ron Paul (R-TX) definiu com rara e habitual maestria as responsabilidades desta tragédia:”A razão pela qual tantos estão fugindo de lugares como a Síria, Líbia, Afeganistão, Iraque é que os intervencionistas estrangeiros americanos e europeus deixaram estes países desestabilizados, com nenhuma esperança de recuperação econômica. Essa migração em massa do Oriente Médio e além é um resultado direto da política externa neoconservadora de mudança de regime, invasão e empurrando a "democracia" no cano de uma arma”.

http://4.bp.blogspot.com/-mveNN8R_54c/UisyT3O8uRI/AAAAAAAAEq4/juVKz4uUtEE/s400/download.jpgFinaliza recomendando aos intervencionistas: “Parem de se intrometer nos assuntos de outros países. Abracem a prosperidade que vem com uma política externa pacífica, não a pobreza que vai com o funcionamento de um império. Fim do Império” - The Real Refugee Problem – And How To Solve It - 6/9/2015 - RonPaul Institute

“O deslocamento do sul para o norte é inevitável; não adiantará as cercas, muros ou as deportações: porque virão milhões. A Europa vai ser conquistada pelos famintos. Eles vêm procurando e buscar o que lhes roubaram. Não há nenhum retorno para eles porque eles vêm de uma fome de séculos e eles estão rastreando o perfume da tarifa. O elenco está se aproximando. As trombetas começaram a soar. Ódio é servido e precisamos de políticos que sabem e estar à altura das circunstâncias”.

José Saramago, prêmio Nobel de literatura (1922-2010)

Penso que, aos estrategistas de ambos os lados, faltam noções de física: princípio de ação e reação ou de convivência humana: princípio de causa e efeito. Não se bombardeia impunemente populações civis incluindo crianças e idosos. Esta escalada de horror não leva a nada, usando o principio de “dente por dente”.

“Quanto às intervenções militares abertas (e mesmo as não-tão-abertas), os resultados têm sido repetidamente enunciados: Estados falidos. Não há refugiados sem ISIS e não ISIS sem a ocupação do Iraque pelos EUA, etc. Em uma profecia sombria feita antes de sua morte, o coronel Muammar Gaddafi disse: “Agora ouçam bem, vocês da OTAN. Vocês estão bombardeando uma muralha, uma barreira que fica no caminho da migração africana para a Europa e no caminho dos terroristas da Al Qaeda. Esta muralha é a Líbia. Vocês estão destruindo-a. Vocês são estúpidos, e irão queimar no inferno por causa dos milhares de imigrantes africanos.” Ele não estava afirmando o óbvio?” - Žižek: A economia política dos refugiados - Publicado em 21/11/2015

“Que a crise dos refugiados é uma consequência das políticas EUA-europeias, isto é claro a olho nu. … A destruição do Iraque, a destruição da Líbia e os esforços para derrubar Bashar Assad na Síria com as mãos de islâmicos radicais — é disso que se tratam as políticas da UE e dos EUA, e as centenas de milhares de refugiados são o resultado dessa política”. Boris Dolgov da Fundação de Cultura Estratégica de base em Moscou [TASS]

 

“A guerra civil na Síria e as tensões no Iraque e na Líbia continuam alimentando o fluxo de imigrantes, mas esta não é a única causa. Concordo com aqueles que vêem os acontecimentos atuais como uma tendência na direção de outro reassentamento em massa dos povos, o que deixa países mais fracos com economias ineficazes. Há problemas sistêmicos que levam as pessoas a abandonar suas casas e pegar a estrada. E a legislação europeia liberal permite que muitos deles não só fiquem na Europa, mas que também viam por lá sob benefícios sociais, sem procurar emprego”. Irina Zvyagelskaya, do departamento de Estudos Orientais no Instituto Estatal de Relações Internacionais de Moscou, (TASS)

 

“Essas pessoas estão esgotadas, irritadas e humilhadas. Elas não fazem ideia de quais são os valores europeus, ou de como são os estilos de vida e as tradições, do multiculturalismo ou sobre a tolerância. Elas jamais irão concordar em respeitar as leis europeias.… Elas jamais serão gratas às pessoas em cujos países foram conduzidas a entrar de modo a envolverem-nas nesses problemas, porque foram estes mesmo países que primeiramente trouxeram, a seus próprios países de origem, um banho de sangue. … Angela Merkel promete uma sociedade alemã moderna e uma Europa preparada para os problemas. … Isso é uma mentira e um absurdo!”  Yevgeny Grishkovets,  autor, dramaturgo e encenador russo, escrevendo em seu blog.

 

 

Vamos migrar para outra tragedia, o endividamento do governo americano jamais visto no passado, onde as crianças que nascem hoje já estao endividadas por ação de irresponsaveis que transferem seus problemas para as proximas gerações. Penalizar o futuro em benefício do presente é uma ação de inconsequentes.

A constatação de Ron Paul é definitiva: “Déficits significam futuros aumentos de impostos, pura e simplesmente. O aumento de déficits deve ser visto como um imposto sobre as futuras gerações, e os políticos que criam déficits deveriam ser condenados como criadores de impostos”.

image030.jpg@01CF157D.E2DF1600Ou ainda Reagan com sua fina ironia:

 “O Governo é como uma criança. Um canal alimentar com um grande apetite de um lado e nenhum senso de responsabilidade do outro”.

Durante os 8 anos de Reagan, PNB per capita ajustado pela inflação cresceu 3,5% ao ano. Comparado com 0,7% a.a. nos 8 anos anteriores e 1,5% a.a. nos 8 anos seguintes. Para aqueles que defendem que a riqueza da América pode ser atribuída a regulação. Bem, claro, “pode ser atribuída” a Zeus. - OCTOBER 19, 2015 Peter St. Onge - Robert Shiller Is Shilling for Socialism

 

Migrando para a corrupção no Brasil, este inacreditável  desvio de recursos que envergonha a todos, a mais cruel escola de economia de compadrio. Hegel, o fecundo pensador alemão, revirando em seu túmulo, deve estar “uivando junto com os lobos” e revendo seu conceito de Estado como suprema criação da ética humana!!!

A corrupção no Brasil torna real a irônica constatação de que os governos são compostos por dois grupos. Um formado por gente incapaz, e outro por gente capaz de tudo.

 

Importante diferenciar conceitos:

Economia de livre mercado, refere-se a um sistema de produção e trocas que é baseado no império de lei, na igualdade de direitos para todos, na liberdade de escolha, na liberdade de comércio, na liberdade de inovar, na disciplina guiada por lucros e prejuízos, e no direito de gozar os frutos de seu próprio trabalho. Ela acontece por interação espontânea de indivíduos, livre das amarras do estado, quando nenhum outro sistema é forçado sobre a população. É tão natural quanto as estações e a gravidade. Atender à necessidade dos outros é condição essencial, os competidores de maior sucesso no livre mercado são aqueles que melhor atendem às necessidades dos outros, com muito mais eficácia do que qualquer instituição de caridade. Lucro é consequência de atender a necessidade de outros, não as suas.

“Todas as instituições de caridade no mundo, durante o período da ultima década, não atenderam às necessidades dos outros que o mercado atende numa única hora” - Capitalism, Socialism, and the Pope - By John C. Goodman.

“Liberdade econômica e social não é apenas a melhor politica para um povo livre, é a moldura indispensável para o futuro”. Cato Instituto

"A grande virtude de um sistema de livre mercado é que a ele não importa a cor das pessoas; não importa qual é sua religião, ele só se preocupa se eles podem produzir uma coisa que você quer comprar. É o sistema mais eficaz que temos descoberto para permitir que as pessoas que odeiam umas as outras possam lidar com o outro e ajudar um ao outro". Milton Friedman , em "Por que o governo é o problema, p. 19" (1993) .

Economia de compadrio, refere-se a trocas espúrias entre interesses de produtores e políticos e burocratas que buscam o poder a qualquer custo, onde não desdenham alianças com a fraude, trapaça e corrupção. São os amigos do rei que investem mais na politica do que na economia, verdadeiras prostitutas que vendem o cérebro ao invés do corpo. Reagan definiu isto com notável ironia: “Foi dito que a política é a segunda profissão mais antiga. Aprendi que ela carrega uma semelhança impressionante com a primeira”.   Ou ainda a constatação do experiente Kissinger: “Noventa por cento dos políticos dão má reputação aos outros dez por cento”.

Este confronto entre pró-mercado e pró-negócios é antigo. Adam Smith escreveu "A riqueza das Nações", para denunciar o mercantilismo, o capitalismo de compadrio, de sua época. Milton Friedman disse em uma conferência de 1998: "há um equívoco comum que pessoas que são a favor de um mercado livre também são a favor de tudo o que faz os grandes negócios. Nada poderia estar mais longe da verdade. "

 

 

Afortunadamente, a sociedade brasileira apresentou antídotos eficazes, através da competência e determinação do juiz Sergio Moro e uma equipe de jovens defensores de justiça que estão resgatando a dignidade de todo um povo. Pior de tudo, a corrupção sistêmica impacta o sentimento de autoestima de um povo. Um povo inteiro que paga propina é um povo sem dignidade”.

A velha e decadente justiça está sendo humilhada pela competência, inteligência e pragmatismo desta nova geração. Livre imprensa também merece crédito, além das revistas semanais, jornalista Ricardo Eugenio Boechat e sua brava turma: Barão, Tatiana, Monica Bergamo e Jose Simão têm sido incansáveis na divulgação inteligente, imparcial e bem humorada desta tragédia brasileira.

Falência da decadente justiça que humilha toda uma sociedade, é permitir que altos dirigentes esportivos tenham tapete vermelho em casa e algemas no exterior.

 

Esta relação espúria de política e economia cresceu com a legislação do New Deal (explosão regulatória) de F.D. Roosevelt (1933-45) presidente americano por quatro períodos, em função da necessidade circunstancial de medidas intervencionistas para mitigar os efeitos da crise dos anos 30 e da Segunda Guerra Mundial.

“Mas Roosevelt, ao chegar ao poder, promulgou a seqüência mais longa de medidas escrotas, matança de prosperidade que qualquer presidente na história americana. A economia ainda não tinha se recuperado quando entramos na segunda guerra mundial, uma guerra que não ajudou a economia a nos tirar da grande depressão. A dor provocada pelo governo foi prorrogada”. - The Great Depression and the New Deal - by Murphy, Robert P.

Seu antecessor – pres. Hoover (1929-32), embora tivesse fama de ser pró “laissez- faire”, parece ser o inspirador do New Deal. Steven Horwitz, Professor de economia na Universidade de St. Lawrence traz luz ao período da grande depressão:

”Apesar da evidência esmagadora, ao contrário, das crenças de Hoover para suas ações como Presidente, as observações de seus contemporâneos e historiadores modernos, persiste o mito da Presidência de Herbert Hoover como um exemplo de laissez-faire. De todos os presidentes, até e incluindo-o, Herbert Hoover foi um dos intervenientes mais ativos na economia”

 'Creating Hell on Earth' Jason Liosatos Galleryhttp://www.jasonliosatos.co.uk/Georgegalloway%20-%20Copy.JPG “Não se esqueçam de que eu descobri que mais de noventa por cento de todos os déficits nacionais, de 1921 a 1939, foram causados por pagamentos pelas guerras passadas, presentes e futuras”. Franklin D. Roosevelt

“As pessoas não fazem guerras. São os governos que as fazem”. Ronald Reagan

 

 'Nobody Wins' Jason Liosatos Galleryhttp://www.jasonliosatos.co.uk/P1070384.JPG “Nenhum governo, voluntariamente, reduz seu tamanho. Programas governamentais, uma vez lançados, nunca desaparecem. Realmente um escritório de governo é a coisa mais próxima da vida eterna que nós sempre vemos  neste mundo”. Ronald Reagan

 

 

https://fbcdn-sphotos-c-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xfa1/v/t1.0-9/11825049_864615183606261_6779022948443000297_n.jpg?oh=c907ce9fe573f0766ff35f726bc4a2d9&oe=56911540&__gda__=1453238646_3e76da3d378d3bacba7054e90d7ae317Já no periodo de FDR, o ato do New Deal de 1933 buscou a cartelização de quase todas as indústrias nos EUA, acreditando na eficácia da intervenção humana sobre as leis de mercado. Dentro desse espírito dominante, surgiu em 1936 a "Teoria Geral do Emprego, do Juro e da Moeda" do inglês John Maynard Keynes, que legitimou a falsa pressuposição de que era possivel introduzir a mão de ferro do estado para orientar ou gerenciar o mercado. Criou-se desta forma uma parceria de burocratas e políticos buscando atuar sobre o mercado. Como se não bastasse isso, Keynes foi a figura chave da reunião de 44 países de lideranças econômicas mundiais realizada na bucólica cidade americana de Bretton Woods por 3 semanas, em julho de 1944, quando se decidiu pela criação do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional. Essa reunião, pouco mais de 1 ano antes do término da Segunda Guerra Mundial, definiu e legitimou a intervenção do governo na economia a nível mundial e teve a adesão maciça dos participantes. É preciso entender as circunstancias da época: mundo destruido pela guerra, desemprego em alta preocupante e desespero de populações inteiras, clamando por esperança. A teoria intervencionista de Keynes supriu essa demanda, fortemente estimulada pelo New Deal de F. D. Roosevelt. Vejamos o conselho principal de Keynes:

“É preciso, portanto, dotar o Estado de instrumentos efetivos de política econômica, que lhe permitam regular a taxa de juros de modo a mantê-la abaixo da “eficiência marginal do capital”, incrementar o consumo mediante a expansão dos gastos públicos e expandir os investimentos  por meio de empréstimos públicos capazes de absorver os recursos ociosos.”

“Nas fases iniciais da revolução keynesiana, macroeconomistas enfatizaram a política fiscal como o remédio mais potente e equilibrado para o gerenciamento da demanda. Gradualmente, deficiências da política fiscal tornam-se aparentes. As deficiências decorrem de sincronismo, teoria macroeconômica e o déficit em si”.

Paul Samuelson, Economia (Ed. 15) [1995]

 

“O que certamente vai acontecer é o que aconteceu no mundo rico agora, onde países se desenvolveram em sua própria maneira, no seu próprio tempo, sob suas próprias estruturas políticas e econômicas. Ninguém lhes deu auxílio ou tentou suborná-los a adotar políticas para seu próprio bem. Agora o que precisamos fazer é ter certeza de que não estamos no caminho dos países pobres, agora, fazer o que já fizemos. Precisamos deixar as pessoas pobres se ajudar e ficar fora do caminho — ou, mais positivamente, parem de fazer coisas que estão obstruindo-os. - The Great Escape, Universidade de Princeton economista Angus Deaton - 2015 Prêmio Nobel de economia

 

 

Seria leviandade avaliar a contribuição de Keynes baseada numa citação isolada, mesmo porque suas circunstâncias favoreciam decisões emocionais, numa tentativa desesperada de gerar empregos. Fortalecer a demanda agregada através de impostos e taxas, apenas transfere recursos sob a invariável lei de mercado para o questionável domínio da vontade humana. Cria-se mais empregos na burocracia de governo, subtraindo aqueles da iniciativa privada, ou ainda, cria-se um grande sistema parasitário, totalmente sustentado com os nossos impostos. Algo como:“tudo pelo povo, mas sem o povo” ou despotismo esclarecido.

Isto é exatamente o que tem acontecido neste atônito mundo de ditadura da burocracia, a mais terrível forma de servidão humana. O mundo precisa hoje exatamente percorrer o caminho inverso: fortalecer a iniciativa privada e reduzir a burocracia.

"A paixão tem nos ajudado; mas não pode fazer mais que isso. No futuro será nossa inimiga. Razão, frieza, cálculo, razão desapaixonada, deve fornecer todos os materiais para o nosso futuro apoio e defesa." Abraham Lincoln

"Na elaboração de um sistema que desejamos que dure por muito tempo, não podemos perder de vista as mudanças que o tempo produzirá.” James Madison


“Um dos grandes erros é julgar politicas e programas pelas suas intenções, ao invés de seus resultados. Todos sabemos da famosa via que é pavimentada com boas intenções.” Milton Friedman
 

Porem isto gerou uma indigesta mistura de economia com politica, que são áreas distintas por natureza.

Economia permite a apropriação de recursos quando os agentes são regulados pela inexorável lei da oferta e procura.

Politica é uma arte onde predomina a vontade humana

Com isto a economia perdeu a condição de ciência, devendo ser coadjuvada pela psicologia, sociologia e até mesmo a antropologia, enquanto que na politica foi introduzida uma relação de dependência, antidemocrática por excelência, onde a sorte dos governados depende da virtude dos governantes.

“Apesar destes convincentes argumentos contra o não-intervencionismo, não consigo ignorar a constatação seguinte: sempre que ouço políticos e os seus adjuntos discutirem o assunto que conheço melhor, a economia, eles normalmente se enganam. E eles erram não de maneiras menores; eles erram em aspectos fundamentais. Eles freqüentemente falam e escrevem como se ... os preços fossem números arbitrários que podem ser manipulados pelo governo sem consequências indesejáveis ou não intencionais

… Em suma, quando o objecto de discussão ou o objeto da ação é a economia, os políticos e os seus adjuntos normalmente falam e agem como se eles fossem imbecis (ou como se o público-alvo que desejam agradar fosse composto basicamente de imbecis). Então, por que devo confiar que esses mesmos políticos e os seus adjuntos, quando eles discutem e atuam em assuntos sobre os quais sei muito menos do que a economia, não sejam imbecis? Por que deveria supor que sejam mais informados, razoáveis e sensatos – e menos politicamente motivados – do que são quando eles discutem a economia?

... e com base nisso, concluo que eles são pouco confiáveis, imprudentes, e, portanto, é muito mais provável que eles pratiquem ações prejudiciais para o bem-estar geral, do que o contrário”. Às vezes, não há nenhuma opção boa - Postado: 19 de novembro de 2015 05:47 AM PST - Don Boudreaux - Tweet

 

Porém, o mais significativo foi a falsa crença na possibilidade de gerenciar mercados, algo similar à tentativa de supervisionar a lei da gravidade – uma impossibilidade da natureza. Desenvolvimento não acontece por intervenções externas, ele acontece de dentro para fora.

“A maior segurança que uma pessoa pode ter vem de dentro de si mesmo, não do lado de fora. Ninguém pode fazer nada por você que possa coincidir com o que você pode fazer por si mesmo”. – Samuel Goldwyn

 

Enfim, a aplicação prática do intervencionismo keynesiano está afetando cada individuo na face da terra, tem sido a mais nefasta e devastadora ação humana. Estamos perdendo todo o esforço civilizatório de séculos. Humanidade esta cavando sua própria sepultura.

 "Quando as «condições para o desenvolvimento» estão presentes, auxílio não é necessário. Quando as condições locais são hostis ao desenvolvimento, auxílio não é útil, e que vai fazer mal se perpetua essas condições."

"As forças negativas estão sempre presentes; mesmo em ambientes de boas condições, auxílio compromete as instituições, contamina a política local, e isso enfraquece a democracia. Pobreza e o subdesenvolvimento são principalmente as consequências das instituições pobres, se por enfraquecer as instituições ou obstruir seu desenvolvimento, fluxos de grande ajuda fazem exatamente o oposto do que eles são destinados a fazer. Não é surpreendente então que, apesar dos efeitos diretos da ajuda que muitas vezes são positivos, o registro de ajuda não mostra nenhuma evidência de qualquer efeito globalmente benéfico". - The Great Escape, Universidade de Princeton economista Angus Deaton - 2015 Nobel de economia

 

“Se vós quiserdes ir para o alto, então use as próprias pernas! Não se deixe ser carregado; não sente-se nas costas e cabeças de outras pessoas!” -  Friedrich Wilhelm Nietzsche, Assim falou Zaratustra [1883-1891]

Nestas 3 tragédias focadas acima: crise de refugiados, dívida do governo e corrupção, o principal responsável foi o empoderamento financeiro do Estado, legitimado pela teoria intervencionista de Keynes.

'Moral Amnesia'

http://www.jasonliosatos.co.uk/Webob.JPG

 

 Jason Liosatos GalleryQuanta irresponsabilidade, insensatez e inconsequência recomendar um sistema sem equilíbrio e sustentabilidade, um saco sem fundos: embora se buscasse o equilíbrio e estabilidade, governos do mundo inteiro se endividaram e gastaram à vontade, pois gastar criará empregos, mesmo que o emprego gerado seja bombardear crianças e idosos de País estrangeiro, fortalecer o caixa de partidos políticos para comprar consciências e se manter no poder. Isto é tudo que os poderosos de então queriam ouvir, alguém de credibilidade do meio acadêmico que justificasse e legitimasse a inconfessável vontade humana que tem permitido cometer aberrações dignas de fanáticos alucinados pelo poder “dos penetrantemente visionários, até os psiquicamente perturbados”, usando a clarividência do competente historiador inglês Eric Hobsbawm.

"Nós crescemos como uma nação, respeitada por nossas instituições livres e por nossa capacidade de manter uma sociedade livre e aberta. Há algo sobre o funcionamento da CIA que está lançando uma sombra sobre nossa posição histórica e sinto que é preciso corrigi-lo".

Ex-presidente Truman, em um editorial publicado no Washington Post em 22 de dezembro de 1963

 

 

 

Hayek"Num país onde o único empregador é o Estado, a oposição significa morte por inanição. O velho princípio de quem não trabalha não come é substituído por um novo princípio: quem não obedece não come". Hayek (1899-1992)

 

“O governo é composto por uma gangue de homens como você e eu. Eles não têm, tirando uma com a outra, nenhum talento especial para o negócio do governo; Eles têm apenas um talento para a obtenção e manutenção de cargos. Seu principal dispositivo para esse fim é a busca por grupos que desejam muito algo que não conseguem e a promessa de dar-lhes. Nove vezes em dez, o que prometem não vale nada. É a décima vez feita boa pelo saque A para satisfazer a B. Em outras palavras, governo é uma corretora em pilhagem, e cada eleição é tipo de uma venda antecipada ou leilão de bens roubados”. (citação atribuída a H. L. Mencken -  irresistível para libertários).

 

“Minhas leituras da história me convenceram de que a maioria dos casos de mau governo resulta de excesso de governo”. Thomas Jefferson

 

Desde o final da Segunda Guerra Mundial em 1945, o keynesianismo teve diversas versões: neo, pós, new keynesianismo, trickle down ou ainda monetarismo e muitas outras: estruturalismo, economia de oferta, neo liberalismo, todas elas anti mercado ou fundadas na falsa premissa da possibilidade de gerenciar mercados. Desta forma, o mundo passou a viver um inferno onde essas politicas se exauriram: o modelo de Keynes não funciona, e só continua ativo por falta de alternativa.

Temos de admitir que fizemos a escolha errada, logo após o término da Segunda Guerra: estávamos diante do proposto intervencionismo econômico de Keynes e o liberalismo da escola austríaca. O Keynesianismo se tornou a teoria dominante no mundo – mainstream – com escandalosa centralização de poder nos governos e asfixiando a iniciativa privada. O melhor resultado que se conseguiu foi uma Resultado de imagem para lysander spooner frasesestagflação – mistura de estagnação e inflação – uma ofensa a inteligência humana. O erro não é uma tragédia; a verdadeira tragédia é não aprendermos com o erro.

 

 

"É a noção de autoridade que constitui o verdadeiro locus de disputa entre o libertarianismo e outras filosofias políticas. Libertários são céticos sobre a autoridade, considerando que a maioria aceita a autoridade do estado, em mais ou menos os termos em que o estado afirma. Isto é o que permite a muitos endossar o comportamento governamental que pareceria de outra forma violar os direitos individuais: não libertários supõem que a maioria das restrições morais que se aplicam a outros agentes não se aplicam ao estado". O problema da autoridade política  página 178 de Michael Huemer do excelente volume de 2013

Alan E. Johnson"Sobre a difícil questão do adequado papel do governo na economia, eu estou indeciso, embora seja claro para mim que nem total planejamento central nem totalmente desregulado laissez faire, funcionam. Parece-me que uma certa quantidade de regulação governamental é necessária, mas o que deve ser depende de uma série de juízos particulares que devem ser informados pela experiência e pelo conhecimento de matérias como história e economia. Talvez uma falha da esquerda é não estar sempre sendo suficientemente consciente dos aspectos práticos da execução de um negócio ou as consequências não intencionais da ação governamental. Talvez uma falha da direita é não estar sempre suficientemente consciente do fato histórico que não mitigado, laissez faire, às vezes, leva a injustiça ou que o motivo do lucro pode não ser o princípio supremo do universo. Precisamos aprender uns com os outros, e espero que este fórum facilite esta aprendizagem". – no Goodreads fórum – Alan E. Johnson autor de "O primeiro fundador americano: Roger Williams e liberdade de consciência", 2015  (ênfase adicionada)                                                     

 

 

mises14 “O problema vem se desenvolvendo há muitos anos: uma espécie de alcoolismo econômico no qual a sociedade tem dependido do governo para resolver todos os seus problemas. Os governos prometeram acabar o desemprego, erradicar a pobreza, mitigar as dores do envelhecimento e da doença, e até mesmo reduzir as consequências dos erros de banqueiros e homens de negócios. Promessas irresistíveis! Era exatamente o que todos desejavam. Tornamo-nos alcoólatras econômicos, dependentes do governo, e nem fazíamos uma ideia de quem pagaria o preço desse vício feliz." LUDWIG VON MISES (1881-1973) - discurso na Universidade de Atenas, em 1984) 

 

Resultado de imagem para lysander spooner frasesSe fosse liberado totalmente o mercado, como sugere a escola austríaca, iríamos aumentar muito a concentração de renda ou a distância entre ricos e pobres. É preciso consensuar um novo Pacto Social, tendo o conceito de trabalho como processo de transformação de energia humana em energia física ou intelectual. Esta energia tem que ser assegurada a priori, ou nutrição, saúde e educação, como cláusula contratual assegurada ao empregado e dependentes e o governo reduzindo a tributação correspondente. A partir daí, a teoria econômica da escola austríaca é insuperável. Meritocracia, competição, livre mercado, redução do poder econômico do Estado, enfim dignidade e liberdade para produzir e consumir. Humanismo seria um rótulo adequado ao regime resultante deste Pacto Social, não se caracterizando nem como capitalismo, nem sequer socialismo. Ele atende à promessa da revolução americana – “jamais fortalecerás os fracos por enfraqueceres os fortes” e a revolução francesa com promessas de “liberdade, fraternidade e igualdade”

O Humanismo atende, sobretudo, aos apelos do Papa Francisco:

La santé papes devenue « marronnier » journalisme italien. “Queria encorajá-los a ter em mente todas aquelas pessoas, em torno de nós, que estão presas num ciclo de pobreza. A eles também é preciso dar esperança. A luta contra a pobreza e a fome deve ser combatida constantemente e em muitas frentes, especialmente em suas causas”. – Papa Francisco ao Congresso Americano na visita aos EUA, em setembro/2015.

O Humanismo não iria incutir juízo e equilíbrio aos burocratas formuladores do orçamento americano e aos políticos tomadores de decisão, mas a sistemática irá inviabilizar déficits. Também não garante valores éticos e morais aos homens de negócio, burocratas e políticos brasileiros, mas inviabiliza a corrupção. Igualmente não impede que famílias sírias busquem melhores oportunidades na vida, mas a sistemática estimula empreendedores sírios locais a gerarem empregos e oportunidades para seu povo.

photoTenho profunda angústia para entender porque Hitler não encontrou resistência dentro de seu povo, civilizado, politizado e esclarecido, a ponto de inviabilizá-lo no poder. Igualmente busco entender porque o mundo acadêmico, com inteligências notáveis e privilegiadas, não condenou a teoria de Keynes de intervenções governamentais na economia. Difícil apontar a mais nefasta e devastadora para a humanidade. Identificar o vírus na estrutura social é condição necessária, porém o exército de antivírus deve agir para isolá-lo e neutralizá-lo.

"No longo prazo, até mesmo os governos mais despóticos com toda a sua brutalidade e crueldade não competem com idéias. Eventualmente a ideologia que ganhou o apoio da maioria vai prevalecer e cortar o chão debaixo dos pés do tirano. Em seguida, os oprimidos muitos irão se rebelar e derrubar seus mestres."Von Mises

 

"Cada pessoa, como diziam os estóicos, deve ser primeira e principalmente deixada ao seu próprio cuidado; e cada pessoa é certamente, sob todos os pontos de vista, mais apta e capaz de cuidar de si do que qualquer outra pessoa" – Adam Smith

“O que, então, são as atribuições de um governo? Não para regular o comércio; Não para educar as pessoas; Não para ensinar religião, não para administrar a caridade; Não para fazer estradas e ferrovias; mas simplesmente para defender os direitos naturais do homem, para proteger a pessoa e propriedade, para evitar as agressões dos poderosos sobre os fracos, numa palavra, para administrar a justiça. Este é o natural, o original, as atribuições de um governo. Não se entende que faça menos: não deveria ser permitido fazer mais. Herbert Spencer, "A devida esfera de governo" [1843]

“O melhor programa econômico de governo é não atrapalhar aqueles que produzem, investem, poupam, empregam, trabalham e consomem”.

(Barão de Mauá - 1813-1889)

 

 

Veja abaixo um gráfico da evolução do pensamento econômico desde o século 16.

 

 

https://mises.org/sites/default/files/styles/full_width/public/economists-family-tree_0.jpg?itok=fIK72qCp

"É impossível entender a história do pensamento econômico, se não atentarmos para o fato de que a economia como tal é um desafio para a vaidade de quem está no poder.

Sim, mas só por economia séria – a economia de estudiosos como Adam Smith, J.B. Say, Frederic Bastiat, Carl Menger, Alfred Marshall, Frank Knight, Fritz Machlup, Ronald Coase, George Stigler, Milton Friedman, Armen Alchian, Yale Brozen, James Buchanan, Gordon Tullock, Leland Yeager, Harold Demsetz, Gary Becker, Bruce Yandle, Julian Simon, Deirdre McCloskey, Robert Higgs, David Friedman e George Selgin (e, também os austríacos como Mises, Hayek e Israel Kirzner). Há, naturalmente, outras espécies de economia, tais como Keynesianismo e grande parte da economia do bem estar modernos, que garantem no poder que seus conceitos são justificados, que superstições econômicas do homem de rua são bem fundamentadas na realidade – que concentrações suficientes de poder de fato podem fazer milagres ocorrerem.” - página 67 da edição de 2007 Liberty Fund de Ludwig von Mises de 1949 magnum opus, Ação humana

Russ Roberts e John Papola são os responsáveis por estes instrutivos vídeos (vide abaixo) - debate Keynes x Hayek - excelente trabalho que mostra, como queria Mises, que a ciência econômica não deve se restringir a salas de aula, mas pode ser estudada por todos, usando tecnologia disponível de comunicação. Por terem compilado e produzido este fantástico trabalho de comunicação, permitindo realçar a teoria econômica austríaca, meu sincero reconhecimento.

Sugiro fortemente assistir estes debates simulados entre Keynes e Hayek -

 https://www.youtube.com/watch?v=O5jeXrKvJXU#t=21 - um rap mostrando suas argumentações distintas e muitas vezes antagônicas

 

https://www.youtube.com/watch?v=ELVbEG5qjVI - Fight of the Century:Keynes vs. Hayek Round Two (legendado em português) Estes 2 gigantes do pensamento econômicomodelaram a civilização  e nosso estilo de vida. Hayek é consistente e voltado para as próximas gerações. Keynes não viveu o suficiente para assistir o inferno que vivemos hoje com sua inconsequente teoria - a médio prazo estamos todos mortos!!!!Lembre-se que ambos F.A. Hayek e Keynes previram o crash em 1929: Hayek porque as taxas de juros eram demasiado baixas, Keynes porque elas eram muito altas!

 

Ilustrativo também, o debate simulado de Smith e Marx – veja em:

https://www.youtube.com/watch?v=QOmFyRpTvFM - Adam Smith e Karl Marx: Liberalismo e Socialismo -  bem elaborada produção do Globo Ciência. https://www.youtube.com/watch?v=WnZs9xrDM0k Encontro do século - Smith eMarx (EJA)- excelente produção da Fundação Vanzolini – USP/SP 

 

Evidencias de água fluindo em Marte – isto abre a possibilidade de vida; das maravilhas não podemos começar a imaginar. Sua descoberta é um feito surpreendente. Enquanto isso, os cientistas marcianos continuam sua busca por vida inteligente na terra. George Monbiot, publicado no Guardian, 30 de setembro de 2015

 

 

 

Ainda no departamento de tragédias humanas, não podemos nos esquecer que a natureza deu ao homem um pênis e um cérebro, mas insuficiente sangue para fazê-los funcionar simultaneamente.

 

, para relaxar, após estressante tema, assista esta magistral apresentação pela conclusão do décimo aniversário da peça "Les Miserables." de Victor Hugo.

 

https://www.youtube.com/watch?v=YnmA-8IMVWw&feature=em-subs_digest - Do You Hear the People Sing - Publicado em 21 de jan de 2015

 

Gratidão por este mundo maravilhoso, assista:

 https://www.youtube.com/watch_popup?v=KgZSrO7dzeo&feature=youtu.be – imagem e texto que me traz paz, exalta os mais nobres sentimentos humanos, acalma nos momentos de aflição, estimula a reflexão e alimenta o espirito. Que esta paz de espirito acompanhe você e família neste ano que se inicia.

 

Celebremos este próximo ano com muita esperança e fé nas infinitas possibilidades do ser humano de encontrar, pelas gerações que se sucedem, a solução para nossos problemas. Cada criança que desembarca neste mundo é uma chama de esperança e renovação

Cordialmente,

 

 

Ronaldo Campos Carneiro – dez/2015
GD 2008-9 – Distrito 4530 – Brasília - DF
 

rcarneiro4@gmail.com
        http://ronaldocarneiro.wordpress.com 
        http://rcarneiro4.blogspot.com.br

 

​---------------------------------------------------------------------

Comentários

 

De: Ives Gandra Martins <igm@gandramartins.adv.br>
Data: 9 de outubro de 2015 13:14
Assunto: RES: “Reconciliação com a Realidade”
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

 

Caro Ronaldo,

 

Rico em citações e diagnosticando o momento presente.

Vale a pena que conheçam suas ideias.

 

Abraços,

 

 

De: Geraldo Vilhena <gvilhena@gmail.com>
Data: 11 de outubro de 2015 11:50
Assunto: Re: “Reconciliação com a Realidade” (Versöhnung mit der Wirklichkeit)
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

 

Meu caríssimo Ronaldo,

 

foi um grande prazer ter falado, ontem, com você, pelo telefone; obrigado. Acabei de ler seu texto e, logo no início, sua referência ao pequeno garoto sírio, uma imagem que, dificilmente, sairá de nossa memória. Já tentei e, ainda, estou fazer reflexões, sobre o Estado Islâmico e as Cruzadas; somos todos cristãos. Está faltando, em meu entendimento, um diálogo de paz e união, prevalecendo o respeito a todos e o reconhecimento às tradições, cultura e religiosidade de toda a humanidade. O princípio primeiro do próprio Universo que moveu o movimento que é permanente e a cada momento, há mudanças, esse primeiro princípio é um SER criado por si próprio, é DEUS, portanto, não temos dois DEUSES, mas temos um só DEUS, ou acreditamos nesse DEUS, com a certeza de Sua existência ou permanecemos, cada um de nós, aceitando verdades, que não são certezas, todas as verdades podem ser alteradas a cada instante, uma idéia nova pode nos levar a um novo juízo e a ter uma nova verdade. Assim, são as ciências, suas teorias. 

Quanto a KEYNES, devemos entendê-lo em seu momento; a teoria primeira de Keynes jamais pode ser alicerce à política econômica que estamos vivendo em nosso Brasil; Eduardo Suplicy, há vários anos, utilizou Keynes, para a implementação de um plano de assistência aos desempregados, à pobreza, vítimas de crises em um pós-guerra, por exemplo. Hoje, o que assistimos (para muitos, um keynesianismo, o que não é), é uma política populista utilizando os recursos do Estado (frutos de nossas contribuições, através dos diferentes processos de recolhimentos de cada setor, primário, secundário e terciário), para formar um imenso contingente eleitoral, mantido a custa dos mais diversos tipos das chamadas "bolsas". Só há portas de entrada, mas nenhuma porta de saída e, assim, já chegamos a alcançar, aproximadamente, hoje, mais de quarenta milhões de pessoas dependentes dessas bolsas, mantidas pela parcela dos tributos dos três setores. A corrupção, jamais vista em nosso País, fica com bilhões, enquanto, outros bilhões, vão para as bolsas, e não há nenhum retorno de seus resultados para a Economia do País, hoje, com uma dívida superior a três trilhões e quinhentos bilhões de dólares. Não há fiscalização no sistema de "bolsas", não há devolução dos recursos financeiros, "verdadeiras bolsas" destinadas aos partidos políticos, a deputados e senadores, governadores e secretários, prefeitos, secretários e vereadores, temos aí, um grande deficit, e nós, acabamos tendo de cobrí-lo. Não é Keynes, são nossos homens públicos. O capital para se manter e crescer, cada vez mais, só encontra um caminho, pagar propinas para continuar existindo e crescendo. Essa é a mudança a ser feita, hoje e agora, caso contrário, teremos pela frente, longos anos de sofrimento que iremos deixar para nossos filhos e netos...).

Um abraço, com amizade sincera, Geraldo Vilhena

 

De: Geraldo Vilhena <gvilhena@gmail.com>
Data: 26 de outubro de 2015 15:06
Assunto: Re: “Reconciliação com a Realidade” (Versöhnung mit der Wirklichkeit)
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

 

Meu caríssimo Ronaldo,

Com relação a meu e-mail anterior em resposta a sua mensagem, com um ótimo texto, tecí alguns comentários, inclusive sobre o que, hoje, falam em keynesianismo e eu escreví dizendo que Keynes está muito distante do que se propala. Hoje, coincidentemente, fls. A3 da Folha de São Paulo, tem um ótimo artigo do ex-Ministro Bresser Pereira "Não saia, caro Levy" em que, logo em seu primeiro parágrafo, ele o conclui com a frase: " Sei, porém, que esse keynesianismo vulgar nada tem a ver com Keynes"...

Pela colocação do Bresser, verifiquei que não estou só nessa reflexão sobre a nossa política econômica e financeira; infelizmente, estou acreditando que será muito difícil a permanência do Ministro Levy, ante a pressão do Lula, do Presidente do PT e da bancada petista, responsáveis pela atual situação do Brasil, a não ser (o que será muito difícil) a Presidente Dilma romper, publicamente, com o PT e com o populismo eleitoreiro que foi implantado em nosso País.

Não temos outro caminho, agora, a não ser, nós assumirmos as responsabilidades (os inocentes pagando pelos criminosos) para tentarmos, em, no mínimo, cinco anos, recolocar nosso País, em um processo de desenvolvimento integral (social e econômico); mensalão, petrolão... falta muito: BNDS, Eletrobrás, Correios, CEF, Banco do Brasil, Ministério das Cidades, Ministério do Transporte, etc. etc.

Um abraço, Geraldo Vilhena 

De: Schubert OISS-BR <schubert.oissbr@anasps.org.br>
Data: 29 de outubro de 2015 12:11
Assunto: RES: Mudança através de boas ideias
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

 

Amigo Ronaldo: excelente tuas reflexões! Estas em boa companhia.....Abraços, Schubert

De: Paulo Timm <paulotimm@gmail.com>
Data: 30 de outubro de 2015 06:27
Assunto: Mudança através de boas ideias
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

 

Estimado e diligente amigo,

Cumprimentos pela sua constante atenção aos problemas que tanto nos afligem, sejam os internacionais, como os internos. 

Não concordo com sua visão de mundo. Sou um empedernido defensor do Estado como mecanismo de regulação da sociedade, na esteira de vários reformadores sociais, alguns citados por V., no século XX.  Ruim com ele, o Estado, muito pior sem ele. Aliás, basta retornar um pouco aos dias mais difíceis da Crise de 2008 nos USA, da qual TRABALHO INTERNO, documentário, é testemunho, para se ver o papel decisivo que teve o Estado na recuperação da economia daquele país. Não existe "mão invisível" do Mercado, como creem os liberais (neo) . Existe, sim a "mão de gato" dos grandes monopólios no seu afã irrefreável de lucros cada vez maiores, agora sob a hegemonia financeira que sufocou os melhores dias do capitalismo produtivo... Mas, enfim, ideias não são metais que se fundem. E estamos condenados, como dizia Sartre, a sermos livres e, por isso mesmo, a conviver com nossas diferenças. 

A propósito, deixo-lhe  a recomendação de leitura de um livro recente , SAPIENS, de um historiador israelense: Uma visão de longo alcance sobre a aventura humana.

Um abraço,

PAULO TIMM

De: Amaury Lanna <amaurylanna@yahoo.com.br>
Data: 31 de outubro de 2015 09:20
Assunto: Mudança através de boas ideias
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

 

Ronaldo,

 

Lí e gostei muito !!! Está bem consistente e realista !!!

Tomei a liberdade de enviar para alguns parentes e amigos aos quais vc conhece como minha irmã Maria Elisa , meu cunhado Anuar Kalil e nosso amigo Sabbag , e outros amigos , tb Engenheiros , mas com boa cabeça e cultura geral.

O Anuar me pediu para eu passar o seu email para ele e eu enviei , pois ele quer trocar idéias com vc , pois tb gostou muito do seu texto.

Espero que vc não se incomode com minha iniciativa.

Abraços.

 

Amaury

 

De: Paulo Timm <paulotimm@gmail.com>
Data: 1 de novembro de 2015 08:48
Assunto: Re: Mudança através de boas ideias
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

 

Caríssimo Ronaldo,

Dou-me conta de uma coisa: É impossível um verdadeiro "diálogo" na idade a que chegamos. V. me diz coisas que não me dizem nada e reciprocamente.:

 Ronaldo -Meritocracia, competição, livre mercado, redução do poder econômico do Estado, enfim dignidade e liberdade para produzir e consumir.Humanismo?  

 Timm - Estado como criação ética suprema do Homem?   

 

Palavras e expressões vazias. Religião, talvez. Pura superstição, certamente.

 

Claro que cultivamos dúvidas sobre nossas idéias, mas estas são dúvidas metódicas, pouco propensas a abalar verdadeiramente nossas opções. Por isso já nem fazem sentido novas leituras. É como se já tivéssemos lido tudo e delas retirado as convicções que nos animam - ou desanimam.  Digo DES-ANIMAM porque já não  tenho muito ânimo para mudar o mundo. Contemplo-o. E me confesso pouco otimista quanto ao futuro da humanidade. E sem saúde, tempo, alma enfim, para tentar salvá-lo. Mesmo assim, continuo escrevendo, montando minhas edições, mais como um entretenimento lúdico, que me toma tempo, atenção e um mínimo de inteligência, do que uma grande mensagem de salvação. Não por acaso me retirei da cidade, das instituições, do mundo das relações. Sou um ermitão cibernético. Ligo-me ao mundo e, sobretudo aos velhos amigos, como Você, pela INTERNET e é só...Nem por isso, porém, me deprimo psicologicamente. Ao contrário, sou um Titanic de excitação mental e moral interna. Poucas coisas me abalam. Nem icebergs no meio do Atlântico...E sigo meu curso com serenidade.

 

 

Bom Domingo para o amigo e família! Estou seguro de que tomará minhas observações como reconhecimento da nossa amizade e não como repto às suas ideias. 

Abraço

PAULO TIMM

-------------------------------------------------

De: Amaury Lanna <amaurylanna@yahoo.com.br>
Data: 2 de novembro de 2015 15:58
Assunto: Mudança através de boas ideias
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

 

Ronaldo,

 

Veja abaixo um comentário de outro engenheiro , amigo comum meu e do Sabbag :

 

Muito bom, nosso amigo esta no caminho certo, abordou temas pertinentes, comentou e trouxe artigos de pessoas competentes, como a que associa o déficit de hoje com o imposto de amanhã. Parabéns.

Abs

Amaury

 

De: Ibs Tecnologia Web Site7Dias <ibsweb@ibsweb.com.br>
Data: 3 de novembro de 2015 11:14
Assunto: Re: Mudança através de boas ideias
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

 

Prezado Sr Ronaldo,

 

Obrigado por entrar em contato com o nosso Instituto.

Seu texto é impactante e informo que também me sensibilizei muito com a cena do menininho na praia, "rosto colado na areia, bum bum empinado, vestido pra viagem, cabelo de anjo, sapatos sem meias."

 

Sua descrição é brilhante, também me peguei pensando que aquele menino poderia ser um um revolucionário, como artista, empresário, alguém que por insensibilidade de nós humanos não permitirá mais saber.

 

Rodrigo Studart .·.  

- (61) 8175-2841 Oi

 

Diretor

http://www.site7dias.com.br
Brasília: (61) 3366-2570 OI

              (61) 3543-2841 NET

              (61) 9976-0418 Vivo

 

De: Francisco das Chagas Leite Filho <leitefo@gmail.com>
Data: 2 de novembro de 2015 08:19
Assunto: Re: Mudança através de boas ideias
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

 

Caro Ronaldo,

muito obrigado pelo envio de seu excelente texto. Gostaria de saber se posso publicá-lo no meu blog Café na Política. Sem mais, e muito honrado pela atenção, envio-lhe minhas fraternas saudações.

------------------------------------------------------

De: Raul Pereira <raulaapereira@gmail.com>
Data: 3 de novembro de 2015 14:38
Assunto: Re: “Reconciliação com a Realidade”
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

 

Olá, Ronaldo:

 

Apreciei ler seus texto mas, não vejo porque V. se interessar pelos meus comentários, sempre desprovidos de qualquer caráter intelectual.

 

Não conheço os autores citados, apenas creio que os fatores e recursos atuais deveriam ser mais bem avaliados e melhor aproveitados.

 

Nenhum deles conheceu a força das redes sociais, mal e mal somente a imprensa escrita e falada, talvez alguns, nem a "televisada".

 

Como dizia Roberto Campos, "não existe opinião pública e sim, opinião publicada". Na minha opinião, isso é que move o mundo atual.

 

Excesso de intelectualidade, nos dias de hoje, não leva a nada, se não houver comunicação e, consequente ação.

 

Com a força da imprensa, não é necessário ser intelectual para saber que essas ondas de refugiados, principalmente na Europa  nada mais são do que situações orquestradas pela cúpula muçulmana que quer, a qualquer custo, retomar o território que, segundo falam, era deles.

 

Vide a taxa de natalidade deles (mais de 6) em relação à dos demais países do ocidente (não chegam a 2, quando o índice ideal para se manter uma civilização é de 2,11).

 

Voltando ao BR, a força da TV é inda maior, haja visto o que se fala do regime militar de 21 anos, hoje erroneamente taxado como ditadura militar.

 

Vide o que Luis Inácio fez e faz, para ver que "neste país", o que vale é a imprensa televisada, para criar mitos como o dele.

 

Meu caro Ronaldo, sinto-me excessivamente velho e cansado para continuar lutando contra nossa atual realidade.

 

Definitivamente, não consigo entender como (cerca de) 25% dos eleitores brasileiros, incluindo significativa gama de intelectuais, ainda acreditam nessa "mentira ambulante"....

 

Limito-me às minhas ações sociais e pontuais no ROTARY, com as quais sinto-me relativamente reconfortado e, só.....

 

Parabéns por suas colocações.

 

Abs,

 

Raul Pereira.

 

De: Ricardo Bergamini <ricardobergamini@ricardobergamini.com.br>
Data: 4 de novembro de 2015 17:55
Assunto: Reconciliação com a Realidade
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>
 

Amigo Ronaldo

Li e gostei muito, porém com as suas colocações fica evidente que estamos numa rota de colisão mundial, porque não dizer numa clara fase pré - apocalíptica. Não consigo visualizar nenhuma luz no final do túnel no contexto humano. Creio que vamos viver, em breve, uma grande transformação no contexto mundial por forças exógenas ao planeta terra. Enfim, algo tem que ocorrer e nós, seres humanos, perdermos a nossa capacidade de resolução. Pode ser uma bobagem, mas é assim que eu penso com sinceridade.

 

Um forte abraço do amigo.

 

Ricardo Bergamini

(48) 9636-7322

(48) 9976-6974

ricardobergamini@ricardobergamini.com.br

www.ricardobergamini.com.br

De: Fernando Quintella [mailto:faquintella@gmail.com]
Enviada em: domingo, 8 de novembro de 2015 13:05
Para: Ronaldo Carneiro
Assunto: Salve 2016 - Reconciliação com a realidade

Ótima análise, Ronaldo. Como sempre. Abraços. Fernando

De: rc-monteiro@ig.com.br [mailto:rc-monteiro@ig.com.br]
Enviada em: domingo, 8 de novembro de 2015 12:07
Para: J. BARROS J.BOSCO QUADROS; waldenir77@gmail.com; Waldenir de Bragança; Paulo de Resende; Jos de Oliveira Lzaro; Aristeu Pessanha; rcarneiro@salutecafe.com.br
Assunto: Salve 2016 - Reconciliação com a realidade

Amigos e Companheiros!

Saudações 

 Envio mais uma excelente contribuição do nosso companheiro Ronaldo Carneiro

Precisamos refletir e propor  alternativas para o modelo alienígena que importamos para guiar o NOSSo futuro.

Recomendo não só a reflexão como a divulgação do excelente trabalho

Abraços; Roberto Carlos  Governador 2003 - 2004 Distrito 4750

De: Geraldo Vilhena [mailto:gvilhena@gmail.com]
Enviada em: domingo, 8 de novembro de 2015 16:18
Para: Ronaldo Carneiro
Assunto: Salve 2016 - Reconciliação com a realidade

 

Meu caríssimo RONALDO<
Lí atenciosamente, o texto e os anexos; cumprimento-o pela sua dedicação e preocupação em estudar, comentar e discutir, através de seus textos, a atual situação mundial e, especialmente, o quadro político, econômico, social, moral e ético de nosso Brasil. Faltam em nossas Universidades, as discussões com nossos universitários, infelizmente, observamos uma alienação de alunos e de muitos professores; há professores (é lamentável, mas é uma verdade) que não sabem o que ocorreu em março de 1964 (foi, ontem), assim, certamente, amanhã, será pior do que, hoje, caso não façamos alguma cousa, ainda, hoje. Devemos esquecer Keynes e o neokeynesianismo; não podemos misturar a política keynesiana com a situação atual, como não podemos misturar Democracia com o que estamos assistindo, em nome da DEMOCRACIA. Democracia é o sagrado direito de respeito às idéias opostas, através de um procedimento ético social que possa nos conduzir para o melhor caminho capaz de implementar um pleno desenvolvimento econômico e social, com uma paz entre todos os povos, independente de suas tradições, de suas origens, de suas histórias, de suas crenças. Precisamos ter em mãos o tratado de Política de Antes de Cristo, de Platão com os avanços de seu ex-aluno Aristóteles e o período que se seguiu Depois de Cristo, com o cristianismo e a diferentes escolas de pensamento, através do períodos de nossa história, passando por Hegel, citado por você e chegando aos dias de hoje. O que Hegel Marx, Leão XIII escreveriam, hoje? E Santo Agostinho, Santo Tomaz de Aquino, Descartes? No Brasil, hoje, com perto de 40 Partidos Políticos, como podemos falar em doutrinas, ideologias, programas, diferentes? Como podemos falar em esquerda, em direita, em progressista e em conservador? Quem são eles? Onde estão suas diferenças? Parece-me que apenas em seus interesses pessoais, em verdadeiros reinados com seus herdeiros, em donos de partido e quando há um aumento de donos de um mesmo partido (sócios), cria-se outros partidos, para que possa haver partido para cada um ser o seu dono (parece um comércio e política não é comércio). Não tenho conhecimento em nossa História de um quadro de corrupção generalizada, como estou vendo, hoje. Não vamos longe: da crise de 29 até hoje, Getúlio (resultado de um golpe), Linhares, Dutra, Getúlio (eleito democraticamente), seus substitutos legais, JK, Jânio, tentativa de golpe com solução democrática, Jango, derrubado por um golpe com apôio externo, os governos militares em um governo conduzido pelos Atos Institucionais e pelas eleições indiretas, até o retorno da Democracia, mesmo, assim, com uma eleição indireta e um Presidente, inconstitucionalmente empossado, porque era um Vice de um que SERIA o presidente, mas não o foi, porque não tomou posse, assim, não tinha o seu Vice para substituí-lo, pelo impedimento constitucional, mas quem seria o seu vice que assumiu (assim mesmo sem que o antecessor de quem seria o seu substituto, assumisse lhe passasse o Governo) e daí, até, hoje, Itamar, FHC, Lula, Dilma vem assumindo a Presidência, oriunda de um Governo que, constitucionalmente, não existiu, o de Sarney. Você já analisou essa nossa recente história? Precisamos rever nossos alicerces, e, logo; caso contrário, iremos cair. Abraços, Geraldo Vilhena

De: Daniel Viuniski [mailto:danielviuniski@via-rs.net]
Enviada em: segunda-feira, 9 de novembro de 2015 08:26
Para: Ronaldo Carneiro
Assunto: Salve 2016 - Reconciliação com a realidade

 

Estimado Governador Ronaldo:

primeiramente um grande abraço na Ivani.

Li com a merecida atenção sua mensagem.

Embora encontre muitas verdades no que está acontecendo por todo o mundo, sou mais crente que nossa situação é um pouco melhor ou com mais esperanças do que foi apresentado.

O tempo vai mostrar a todos que logo passará todo este pessimismo e teremos novamente uma situação bem melhor que do ontem.

De qualquer forma, sou grato pelo envio.

Tive que ler com redrobada atenção, pois suas opiniões são por demais fortes e claras.

Receba também um carinhoso abraço.

Também deseho um feliz e próspero 2016, com muita Paz, alegrias, venturas e saúde.

Daniel Viuniski

Governador 2010/2011

Distrito 4700

 

De: Fiorelo - Corplan [mailto:fiorelo@corplan.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 9 de novembro de 2015 08:08
Para: 'Ronaldo Carneiro'
Assunto: Salve 2016 - Reconciliação com a realidade

 

Bom dia meu querido Companheiro Ronaldo Carneiro,

Que sábias suas colocações, a mais pura realidade, a coletânea de fatos apresentados nos mostra a realidade da humanidade, parabéns todos devemos seguir seus passos e protestarmos contra as coisas ruins e buscar com fé um mundo novo para todos, de justiça paz e amor.

Um fraterno abraço.

Fiorelo Ruviaro

Governador de Rotary International 2012/13

De: Paulo R. Almeida [mailto:pralmeida@mac.com]
Enviada em: quarta-feira, 11 de novembro de 2015 10:19
Para: Ronaldo Carneiro
Assunto: Reconciliação com a realidade

 

       Grato pelo envio de seu texto. Concordo com tudo, em princípio, mas infelizmente o mundo é mais keynesiano do que você ou eu gostaríamos.        E vai continuar assim, pois o keynesianismo combina com a atividade dos políticos. Não creio que se possa transformar todos os políticos em austríacos, pois a essência da sua atividade é keynesiana...

---------------------------

Paulo R. de Almeida
pralmeida@me.com
www.pralmeida.org
diplomatizzando.blogspot.com

De: Joao Figueiró [mailto:joao.figueiro@zeroaseis.org.br]
Enviada em: domingo, 15 de novembro de 2015 19:36
Para: 'Ronaldo Carneiro'
Assunto: Reconciliação com a realidade

 

Caro Ronaldo:

 

Muito grato pelo envio dos textos e citações abaixo, muito bem embasados e fundamentais para entendermos o momento presente.

Minha aposta é nos seres que estão ingressando no mundo agora. Como você diz abaixo “o começo de uma nova vida é, ou pode ser, o começo de um mundo melhor”.

Grande abraço.

Joao Figueiró.

Joao Augusto Figueiró


Av. Paulista, 2073 - Horsa I - sala 2112
01311-940 - Bela Vista
Sao Paulo - SP - Brasil
55(11) 3287 9206

www.maegentil.com.br

 

"Somnio Ergo Sum"

 

Visite e comente https://www.facebook.com/joaoaugusto.figueiro.9

E http://redecriancaepaz.ning.com/

 

De: Vitor Gomes Pinto <pvitorgomes@gmail.com>
Data: 18 de novembro de 2015 18:52
Assunto: Re: “Reconciliação com a Realidade”
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>
 

Estimado Ronaldo Carneiro,

li com muita atenção a enxurrada de conceitos, informações e ideias por ti exposta.

Agradeço muito pela honra em receber tua incrível - e de primeira - produção.

Gostei também de "rever" velhos amigos getulistas como o nosso Paulo Timm.

Apenas dois rápidos comentários. O primeiro acerca de Kissinger que era, seguramente, um otimista, ao considerar que 90% dos políticos dão má reputação aos outros 10%. É um imenso exagero (os 10%) - não achas? -, considerando o que temos hoje. Gostei da afirmativa de Ron Paul, de que deficits significam futuros aumentos de impostos, pura e simplesmente. 

O que vemos no Brasil atual, de Dilma, é que o "futuro" foi sendo abreviado, abreviado, até se transformar no amanhã de manhã ou nesta noite.

Sigo escrevendo.

Abraços do

Vitor

Vitor Gomes Pinto

www.mundoseculoxxi.com.br

De: Luiz Coelho de Oliveira [mailto:drluizcoelho@hotmail.com]
Enviada em: quarta-feira, 18 de novembro de 2015 13:53
Para: rcarneiro@salutecafe.com.br
Assunto: Reconciliação com a Realidade

Estimado companheiro Ronaldo

Muito grato pelo brilhante texto, trazendo uma profunda reflexão sobre os dias de hoje do ponto de vista sociológico, filosófico e religioso.

Seu artigo, ilustrado pela cultura de grandes pensadores, nos mostra a realidade caótica por que passa o mundo de hoje.

Lucilena e eu agradecemos a mensagem final, de fé e esperança no próximo ano.

Abraços,

Luiz Coelho de Oliveira

De: Lúcio Wandeck <luciowandeck@gmail.com>
Data: 9 de novembro de 2015 20:28
Assunto: Re: “Reconciliação com a Realidade”
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>, Lúcio Wandeck <luciowandeck@gmail.com>

 

Caro Ronaldo

 

Gostei do que li, das suas ideias e das ideias de pensadores (criteriosamente escolhidos) inseridas na sua, por assim dizer, exortação em busca de um Pacto Social, mas antevejo dificuldades da altura do Everest para consumá-lo até mesmo em um médio espaço de tempo. A longo prazo –indeterminado— como falarei adiante, será possível consumá-lo como um subproduto do capitalismo.  É como vejo.

 

Explico:

 

O homem ocidental médio (fico no ocidental porque não me atrevo sequer a tentar penetrar na mente do homem oriental religioso - maioria?), na sua peregrinação em busca da riqueza, não está convencido de que seja possível pactuar coisa alguma para beneficiar o próximo, sem que para tal se veja na contingência de ter de abrir mão de parte do seu ativo.

 

Não sei dizer se isso é egoísmo --na acepção diretora da conduta humana moral--, como também não ouso dizer que esse homem é egocêntrico (eu, eu, eu).

 

Sem a pretensão de fazer juízo, opto por dizer que ele é assim porque é.

 

E se é, não se presta, coletivamente, a pactuar nada, entretanto, nem por isso o mundo ocidental está perdido, porque sempre contará com prevalentes conceitos e princípios supranacionais.

 

Tenho plena convicção de que o capitalismo cumpre função social relevante, por si só capaz de, ao longo do tempo, cada vez mais promover a repartição da riqueza.

 

O subproduto dessa forçosa acomodação de interesses (capital / trabalho) será o pacto social do qual você nos fala. Não será planejado, simplesmente acontecerá de pleno ao longo de um período indeterminado. Conterá distorções, injustiças éticas e morais e alternâncias temporárias, mas “no fim (como nos disse Sabino no livro Zélia (Cardoso, ministra do Collor) tudo dá certo e se ainda não deu certo é porque ainda não chegou ao fim.”

 

Às vezes, a intervenção do Estado se faz necessária, afinal vivemos cercados por "lobos de Wall Street", não caricatos como no filme, mas felpudos, muito felpudos.

 

Teorias econômicas são, academicamente, sempre bem-vindas, porque da discussão algo se aproveita, nem que seja apenas para negar ou ajustar algum princípio.

 

Na visão de Marx, o comunismo dispensaria o Estado.  Essa visão puramente acadêmica foi aproveitada pelos comunistas ocidentais de carteirinha com uma solerte alteração: sairia de cena o Estado vigente substituído pelo Estado da gente! Não deu certo. Não podia dar. A vaca só tem um filet mignon para saciar o desejo de muitos. Sobraria gente, faltaria alimento. Mas ainda há tolos crendo nesse modelo!

 

Não só para corrigir distorções é essencial a presença do Estado. Bem mais do que para corrigir, ele é fundamental para planejar políticas públicas. Em resumo, exerce o papel de protagonista principal em um programa de suprimentos ideológicos, cabendo-lhe prever para prover.

 

Abusando (?) do direito de metáfrase “:“tudo pelo povo, mas sem o povo”, diria, malevolente, “tudo pelo partido, mas só para os membros do comitê central”. O restante, como se sabe, não passa de massa de manobra, figurantes com cabeça oca.


 

Deixemos, como você pontifica, o mercado livre. Ele é muito mais sabido do que os seus protagonistas.

 

Com respeito e admiração,

 

Lúcio Wandeck

De: Gelio Fregapani <geliofregapani@gmail.com>
Data: 23 de novembro de 2015 06:25
Assunto: “Reconciliação com a Realidade”
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

 

Artigo muito profundo e bastante esclarecedor. Meus cumprimentos.
 Gelio Fregapani

De: Flavio Tavares de Lyra <lyra.flavio@gmail.com>
Data: 30 de novembro de 2015 19:30
Assunto: “Reconciliação com a Realidade”
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

 

Caro Ronaldo: Sem qualquer pretensão de ofendê-lo, diria que seu texto, pelo irrealismo e ideologia de seu conteúdo, poderia muito bem ter o título de "Distanciamento da Realidade". São louváveis sua boa intenção, o esforço realizado, sua erudição, porém o mundo que serve de suporte ao que nele está dito, nunca existiu, mesmo no tempo da livre concorrência e,muito menos, nos tempos de concorrência monopolística em que já há muito vivemos. A relação fundamental da vida social é o capital, como tão bem mostrou MARX e não a troca de mercadorias, como os economistas liberais imaginavam. Suas afirmações quanto ao tamanho do Estado e o desejo de reduzi-lo não passam de ideologia. Como manter a indústria de armamentos e as guerras sem gasto fiscal? Esse discurso tem a finalidade precípua de justificar reduzir os gastos que diminuem as desigualdades sociais. Deveria ser complementado com uma resposta sobre o que fazer com a população que não consegue ser absorvida por um sistema que cada vez gera menos empregos. Entregar os destinos de um povo ao mercado é o mesmo que tentar afastá-lo de qualquer destino previsível. A ilusão de que o capitalismo deu certo pressupõe acreditar que 3/4 da população do mundo, que vive em condições das mais precárias, está feliz e realizada. Desculpe, mas seu texto só convence quem já está convencido de que a maioria da população do mundo está satisfeita com o que o capitalismo lhe oferece. Esse discurso serve para tranquilizar a classe dominante e permitir-lhes dormir sobre suas fortunas, mas nunca para os que são explorados diuturnamente em nome das virtude do livre mercado, que nunca existiu. Fico, sinceramente, em dúvida se você realmente submeteu seu discurso a uma autocrítica, pelo que constato de seu bom nível intelectual.

Para concluir: Você acredita mesmo que o mundo que aí está, ameaçado por guerras, terrorismo, e destruição ambiental justifica defender os valores que fizeram próspera uma minoria em detrimento dos interesses da grande maioria? 

De: Waldir Camêlo <w.camelo@terra.com.br>
Data: 5 de janeiro de 2016 19:06
Assunto: Ronaldo Carneiro
Para: rcarneiro4@gmail.com, w.camelo@terra.com.br

Caro Amigo Governador Ronaldo Carneiro, Eu o parabenizo pela autoria do artigo Reconciliação com a Realidade, e não obstante a minha formação se posicionar bem longe das lides econômicas, me atrevo a dizer-lhe que se trata de um trabalho de fôlego e de mérito, podendo, inclusive, se converter em um dos pontos equilibrantes para alavancar o país nesta particularidade. Por outro lado, lamento dizer que meritocracia não tem mérito para os governantes brasileiros, o mérito conhecido e reconhecido, destacado, louvado e aplaudido, é aquele que já se esparramou de Norte a Sul, de Leste a Oeste e, principalmente, no quadrilátero do Centro-Oeste. Portanto, diante de um país carcomido pela corrupção reinante e carente de ser passado a limpo e levado a sério em choque de realidade, não tenho como esconder o meu pessimismo sobre o assunto, pois, considero pouco provável juntar e misturar a Reconciliação, a Realidade e a Economia Brasileira. Waldir Camêlo-adv e Gov de RI D-4530

De: <jsimantov@ig.com.br>
Data: 17 de janeiro de 2016 08:36
Assunto: Fwd: Proposta reformatada
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>

Prezado Ronaldo

Lhe desejando um feliz 2016, repleto de saúde, paz, amor e realizações (com um País menos corrupto), quero que saiba que apreciei bastante seu e-mail sobre o assunto: Reconciliação com a Realidade.

Aproveitando a oportunidade, acredito que poderemos estudar uma parceria, aproveitando potenciais sinergias, tendo em vista o meu rascunho de projeto: O combate à corrupção pela Educação.

Amanhã mesmo, vou ligar para vc e conversaremos um pouco sobre o assunto. O PNBE está pronto a colaborar levando esta bandeira adiante. O Banco Mundial poderia se interessar.

Um forte abraço

Simantov

​De: Pedro Dutra <phdma2002@yahoo.com.br>
Data: 18 de janeiro de 2016 21:35
Assunto: Re: Fwd: Reconciliação com a Realidade
Para: Ronaldo campos carneiro <rcarneiro4@gmail.com>
 

Muito obrigado, Ronaldo. Ótimo texto. Atenciosamente,

Pedro Henrique Mancini de Azevedo, MBA, PMP
Cel.: (22) 999140552
Email: phdma2002@yahoo.com.br

De: Tania Faillace [mailto:taniajfaillace@gmail.com]
Enviada em: quinta-feira, 21 de janeiro de 2016 09:40
Para: Ronaldo Carneiro
Assunto: Salve 2016 - Reconciliação com a Realidade

 

Perdoe-me dizer-lhe, mas acho que você é bastante ingênuo, ou carece de informações. O que não surpreende por parte de um cidadão brasileiro, abastecido de notícias pelos cartéis que sabemos, todos eles financiados desde os EUA, e ligados ao cartel Time-Life. Portanto, só são informadas as noticias que interessam ao Império anglo saxão e a suas empresas, todas elas muito interessadas, em consolidar o poder que já exercem sobre a nação brasileira. A fotografia do menino afogado foi objeto de uma exploração mediática vergonhosa, usada como propaganda contra o governo sírio ELEITO, e laico, isto é, não religioso. Não foi ele a única pessoa que se tem afogado nessas travessias, e no caso em questão, o responsável direto foi o pai, que, ao invés de cuidar do filho e de sua segurança, tratou de salvar-se sozinho.

Muita hipocrisia e exploração publicitária da morte do inocente. Repugnante.

Refugiados. Esses refugiados estão sendo contrabandeados como carne de gado por quadrilhas especializadas, as mesmas que levam cubanos, mexicanos, hondurenhos, etc para os EUA, onde são rechaçados, marginalizam-se e formam quadrilhas de assaltantes e traficantes, por sua vez. Trata-se de um NEGOCIO, que não é propriamente marginal ao sistema capitalista, mas lhe serve de instrumento, inclusive de pressão política, e contra os trabalhadores organizados.

Um milhão de "refugiados" na Alemanha têm o objetivo de impedir que a Alemanha saia do sufoco econômico, social e financeiro pelo qual passa a Europa. Esses refugiados são incentivados pelo governo turco, que alimenta ambições expansionistas. Entre eles, estão infiltados terroristas tanto do Estado Islâmico (Oriente Médio), como do Boko Karam (os africanos).

Também temos dessa gente aqui dentro, e há ameaças de atentados e terrorismo. que obviamente a imprensa financiada pelos EUA não informa.

Estamos já dentro da III Guerra Mundial, a Assimétrica, teorizada por Gene Sharp. A Guerra Assimétrica, tanto usa métodos convencionais (bombardeios, invasões), como atentados, subversão, lavagem de mentes, propaganda.

Nosso continente é considerado o melhor em termos de riquezas naturais para sua exploração.

O governo militar, parcialmente, e FHC, totalmente, abriram o Brasil para o saque estrangeiro, com as privatizações, concessões, etc.

Isso nada tem a ver com bons ou maus sentimentos, mas com a luta pelo PODER MUNDIAL. Já houve muitos impérios desde a Antiguidade. O IV Reich em construção usa da mais sofisticada tecnologia, e tem ambições ainda mais delirantes.

Procure informar-se sobre Nova Ordem Mundial, Clube de Roma, Clube de Bilderberg, Tratado de Bretton Wood (1947), e avance nos links indicados em cada pesquisa internética.

Tania J. Faillace

De: Partido NOVO [mailto:faleconosco@novo.org.br]
Enviada em: sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016 18:31
Para: Ronaldo Carneiro
Assunto: Reconciliação com a realidade

 

Prezado Ronaldo.

Agradecemos a sua mensagem, com textos e verdadeiras aulas do liberalismo da escola austríaca e sobre a importância da civilização Ocidental.

São pensamentos muito alinhados com o NOVO. Os textos enriquecerão nossos arquivos para as discussões e debates.

Continue participando!

Atenciosamente

Simone

Equipe do NOVO

De: Gerson Gonçalves [mailto:gersongoncalves38@gmail.com]
Enviada em: quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016 17:54
Para: Ronaldo Carneiro
Assunto: Reconciliation with reality

 

Meu caro companheiro Ronaldo, uma vez mais você me surpreende com suas publicações desta vez vertido para o Ingles. Material muito precioso. Parabéns. ! vá em frente.

Abraços, 

Gerson

---------------------

 

Seu voto: Nenhum
imagem de toninho do jaraguá
toninho do jaraguá

Esses políticos do psdb estão mudando de partido

Os políticos do psdb estão mudando de partido para ver se consegue enganar o povo, mas não vão conseguir. O povo brasileiro agora com a Internet está muito atento .

Seu voto: Nenhum
imagem de Edi Passos
Edi Passos

Prezado Yuri,

se me permites, parece que uma das mais prováveis respostas à sua pergunta inicial é: porque Serra, assim como qualquer outro tucano gordo, tem certeza absoluta da impunidade, pois sabem que jamais serão investigados pela Polícia, tampouco denunciados pelo MP e muito menos julgados e condenados pela "justiça". Vide exemplo do Aécioporto Neves, o chato; do covarde espancador de professores do Paraná e do próprio príncipe da privataria, o FHC!

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de Esmael Leite da Silva
Esmael Leite da Silva

Na Serra do Rola Moça, Estão

Na Serra do Rola Moça,

Estão guardados os segredos,

revela-se agora, a poça,

Vem á luz, saindo do degredo

 

Chega na cidade,

Dizendo primeiro,

quase toda a verdade

Ao país inteiro.

 

Tem mais coisa nesta Serra,

Esta ficando cheiroso,

Todo mundo sabe nesta terra

Da hipocrísia de Cardoso

 

Esqueçam da verdade,

A vida é um Vale do Rio Doce,

Serra e Cardoso, são pura maldade,

Comem do mesmo prato, como se diferente fosse.

 

O principe, se casou,

Esqueceu o amor no estrangeiro,

A moça logo notou,

Acabou-se o dinheiro

 

Quase louca,

Gritou para o mundo inteiro,

Farinha pouca, 

Meu pirão primeiro

 

Cardoso todo compungido,

Cisma e cala,

Sente-se atingido,

Mas nada fala

 

Foi o que pensei,

O quadro do príncipe,

Retrata Doriam Grey.

 

 

Seu voto: Nenhum
imagem de Esmael Leite da Silva
Esmael Leite da Silva

Na Serra do Rola Moça, Estão

Na Serra do Rola Moça,

Estão guardados os segredos,

revela-se agora, a poça,

Vem á luz, saindo do degredo

 

Chega na cidade,

Dizendo primeiro,

quase toda a verdade

Ao país inteiro.

 

Tem mais coisa nesta Serra,

Esta ficando cheiroso,

Todo mundo sabe nesta terra

Da hipocrísia de Cardoso

 

Esqueçam da verdade,

A vida é um Vale do Rio Doce,

Serra e Cardoso, são pura maldade,

Comem do mesmo prato, como se diferente fosse.

 

O principe, se casou,

Esqueceu o amor no estrangeiro,

A moça logo notou,

Acabou-se o dinheiro

 

Quase louca,

Gritou para o mundo inteiro,

Farinha pouca, 

Meu pirão primeiro

 

Cardoso todo compungido,

Cisma e cala,

Sente-se atingido,

Mas nada fala

 

Foi o que pensei,

O quadro do príncipe,

Retrata Doriam Grey.

 

 

Seu voto: Nenhum

moral brasileira (Amante/Concubina/Namorada): fujo ao título?

Só toco neste ponto porque continua no imaginário e no vocabulário da gente (generalizo) termos adjetivos classificatórios que considero hipócritas e moralistas. UOL usou o termo amante no Portal. Não tenho certeza se já foi retirado das leis brasileiras tais termos "concubina" e "amante" (sempre no sentido pejorativo). Obs: essa minha postagem seria adequada numa seção Comprtamento. "Seria", mas considero estar ligado ao tema, sim. A carta da esposa legal de Miterrand é uma tapa na moralidade hipócrita (procure-se a carta na web). A função social dos amantes também é tema de um livro comentado e elogiado pela brilhante Marilene Felinto(não reproduzo nada de M. Felinto pq ela desautoriza, ou melhor, não quer e ponto).

Seu voto: Nenhum (1 voto)

"A fidelidade muitas vezes não passa de falta de imaginação " - Oscar Wilde

imagem de Henrique de Souza
Henrique de Souza

Vergonha

É uma vergonha!

E ao que tudo indica, existe sim proteção ao príncipe da privataria e seus comparsas!

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Acho que essa história da

Acho que essa história da prisão após decisão em segunda instância judiciária deve ser melhor refletida.

Talvez ouvirmos alguém - não lavajateiro - da área jurídica favorável a essa medida.

Tendo a concordar com a decisão, em que pese o momento em que ela foi tomada.

Permito-me acreditar que ela não foi um recado aos presos da lava-jato e sim à sociedade brasileira, permito-me acreditar que é um avanço.

Posso estar enganado ou prenhe de ingenuidade, é claro.

E o texto do post é ótimo, apesar de minha pequena - pequena, nada: grande - discordância nesse ponto.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de GalileoGalilei
GalileoGalilei

Também estive em dúvida

Prezado sergio,

O artigo de hoje do Janio de Freitas na Folha foi bastante esclarecedor. Ao menos para mim que, por um breve momento achei, tal como você, que esta medida seria um avanço.

O raciocínio do Janio, com o qual concordo, é o de que com essa decisão, o judiciário joga a sua responsabilidade em relação à lentidão da justiça, e que tanto revolta a sociedade, em cima daqueles a quem a justiça deixa no limbo.

Se o judiciário fosse mais ágil, o fato de haver várias instâncias até o definitivo trânsito em julgado, tudo isso seria desnecessário.

Parece-me que, temos hoje, um dos quatro poderes (já explico) da república exorbitando demasiadamente sobre os demais, e com o grande apoio da turba, esta sob a regência do quarto poder, a mídia.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Arthemísia
Arthemísia

Infelizmente, Sérgio, penso

Infelizmente, Sérgio, penso que não se trata de nenhum avanço e há alguns indicadores para isso. O primeiro é que o momento da decisão é crucial para entendê-la. Não há coincidências nem acasos, neste caso. A decisão do STF praticamente invalida a existência dos tribunais superiores (particularmente o STJ), e isso não é pouca coisa para a hierarquia jurídica. Pense no aumento exponencial da politicagem para nomeação dos desembargadores do TJs de todo esse enorme país. É muita coisa envolvida para que acreditemos que o momento da decisão tenha sido obra do acaso. Por ora, atende a Lava Jato em sua guerra contra o PT, mas depois vai atender coisas muito mais cabeludas. 

Alem disso, a guinada do ministro Teori é algo a se explicar. Após saber de seu nome nas gravações, as decisões sobre as quais tomamos conhecimento têm sido no sentido de preservar sua imagem perante a mídia.

Outra questão a ser considerada é que o Judiciário tende a não assumir sua culpa na solução dos seus problemas e acaba empurrando para os outros. O problema alegado pelos ministros que votaram favoráveis à nova lei criada pelo STF é o a impunidade. Porém, a impunidade é resultante da morosidade do Judiciário e não da quantidade de recursos legais. Os recursos já são utilizados pelos advogados porque sabem que o Judiciário é lento e ruim; caso os recursos fossem julgados com celeridade, os advogados mudariam de estratégia. Pois bem, já que o Judiciário (e o STF é campeão da morosidade) não quer assumir sua culpa e seu problema, empurra para o Exeutivo, que administra o sistema prisional; prende e pronto, está resolvida a questão da impunidade, ainda que isso custe a liberdade de inocentes.

Por certo o Brasil não será o primeiro e nem o único país a prender inocentes. O que ficou feio é que nossa Constituição determina que se evite isso a todo custo. E o STF mudou a Constituição, isso é fato. E não não função do STF fazer isso, outro fato. Se fez, não foi de forma inocente ou ingênua.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de GalileoGalilei
GalileoGalilei

Não tinha lido o comentário da Arthemísia até o fim

Ele só confirma a tese do Janio de Freitas no artigo de hoje da Folha e citado por mim acima.

É isso aí.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de RONALD1
RONALD1

O VERDADEIRO PODER

O verdadeiro poder: DINHEIRO.

É o dinheio que domina a nossa mídia.

É o mesmo dinheiro que elege nossas camaras legislativas(municipal, estadual, federal, senado).

É o dinheiro que escolhe nossos deuses da justiça que recebem esse poder por herança. Por justiça temos (PGR, PF, STF, STJ,  desembargadores, e que tais...).

É o dinheiro que nos ilude dizendo que vivemos num regime demo-crático e que o poder emana do povo.

Realmente quem manda nesse nosso país em todas as instâncias são os endinheirados.

Seu voto: Nenhum

Testando

Minha hipótese é que caciques, donos de mídia e alta burocracia são a banda podre da elite brasileira.
Por hipótese, estruturaram uma organização criminosa, como a máfia russa, e operam sem nenhum freio moral ou ético. A casa de praia em Paraty e as prisões preventivas do "juiz" Moro seriam apenas o mínimo, a face suave de quem - por hipótese - fez da criminalidade seu estilo de vida.
Duas forças podem quebrar essa suposta invencibilidade do mal: povo e voto.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de chris
chris

Uma observação

Só o povo, não o voto (necessariamente). Lembre-se que vota-se em candidatos e aqueles que escolhem os candidatos tem o poder de nos oferecer opções que não vão alterar nada...

E o povo tem o cabresto do desconhecimento - o pai da manipulação midiática. E isto poderia ter sido modificado se tivesse ocorrido uma grande revolução na educação básica durante os anos de glória do PT. Um grande mistério paira sobre os motivos que levou um governo progressista não tocar neste ponto fundamental e estratégico para a manutenção dos benefícios sociais e distribuição de renda. Daí hoje vermos gente que foi diretamente beneficiada - nova classe média e gente que recebeu bolsa para estudar fora do país - tacar pedra no PT, cuspir no prato em que comeu. Por que será?

Seu voto: Nenhum
imagem de chris
chris

Uma observação

Só o povo, não o voto (necessariamente). Lembre-se que vota-se em candidatos e aqueles que escolhem os candidatos tem o poder de nos oferecer opções que não vão alterar nada...

E o povo tem o cabresto do desconhecimento - o pai da manipulação midiática. E isto poderia ter sido modificado se tivesse ocorrido uma grande revolução na educação básica durante os anos de glória do PT. Um grande mistério paira sobre os motivos que levou um governo progressista não tocar neste ponto fundamental e estratégico para a manutenção dos benefícios sociais e distribuição de renda. Daí hoje vermos gente que foi diretamente beneficiada - nova classe média e gente que recebeu bolsa para estudar fora do país - tacar pedra no PT, cuspir no prato em que comeu. Por que será?

Seu voto: Nenhum

MIRIAN DUTRA É UMA GRANDE MULHER!



Ela envolveu-se com o ex-presidente FERNANDO HENRIQUE CARDOSO / PSDB numa relação extra conjugal, teve um romance, um filho não reconhecido pelo pai; e afastou-se dele, para não atrapalhar sua vida política, que era tida como muito importante ao país pela Mirian. Se ela errou (Quem não erra?), também foi mulher suficiente para criar seu filho sozinha. Quem pode criticá-la, por defender sua pequena família nessa hora? Mirian não tem culpa, se esse sujeito, que deveria dispor de seus próprios recursos para ajudar cuidar do filho; armou, segundo diz, um esquema de evasão de divisas com recursos públicos e funcionários fantasmas no gabinete do JOSÉ SERRA e ARTHUR VIRGÍLIO, para cumprir sua obrigação paterna. 

Criado o filho, agora ela está abrindo mão até da ajuda que recebia. Por que será? É claro que existem diversos motivos para isso, mas um dos que mais devem pesar, é a percepção de todo

O MAL QUE O FHC E O PSDB REPRESENTAM AO BRASIL!

Confiram como milhões de brasileiros, a exemplo de Mirian, começam a despertar para essa realidade, na medida em que as armações e trambiques do PSDB são desmascarados:

https://www.facebook.com/democracia.direta.brasileira/photos/a.300951956...

O Fernando Henrique Cardoso já deveria estar na cadeia há muito tempo, pois praticou mensalão, comprando voto de deputados no congresso. E o que é pior, não foi para aprovar as mudanças necessárias ao país. O PT fez mensalão, mas nos transformou de um país que exportava 70% de sua pequena produção de automóveis por falta de renda, para um que consome praticamente toda uma produção várias vezes maior; criando oportunidades, renda, e desenvolvimento para todos.
Por isso hoje não sentimos tanto a crise e a queda do PIB, que se concentram muito mais no setor exportador. Já o Fernando Henrique, comprou voto de deputado apenas para garantir sua reeleição, e teve político que confessou até quanto tinha recebido por isso. Processado, ele só não foi pra cadeia, porque seus amiguinhos da "justiça" deixaram o processo caducar, por tanto tempo que ficou engavetado; retirando da sociedade o direito de punir uma imundícia como essa.

Esperamos que agora, com novos fatos de sua canalhice com recursos públicos, o judiciário se preste a cumprir seu papel, e trancafiá-lo. Afinal, estamos todos querendo saber

POR QUE OS POLÍTICOS DO PSDB NÃO SÃO PROCESSADOS E PRESOS, MESMO DIANTE DE CONFISSÕES, PROVAS IRREFUTÁVEIS, E DIVERSAS DELAÇÕES?

Parece que falta acima de tudo aos nossos juízes e promotores FALTA DE VERGONHA NA CARA! Políticos do PSDB e do DEM são os que defendem os interesses de poderosos grupos econômicos estrangeiros no país. Justamente quem controla os PARAÍSOS FISCAIS no exterior, e podem depositar neles limpinho a propina de juízes e procuradores corruptos, sem a menor possibilidade de serem descobertos!
Enquanto não tivermos o direito de cassá-los, a corrupção continuará agindo livremente no Brasil...
O início para conquistarmos tais direitos é a aprovação da PEC 21/2015, nosso direito de convocar o RECALL para iniciar o processo de cassação deles, através de nossos ABAIXO ASSINADOS. Confiram:
https://www.facebook.com/democracia.direta.brasileira/photos/a.300951956...


COMPREENDENDO OS FATOS!

Em entrevista, Mirian explica como o Fernando Henrique e a globo lhe deram um “CALA BOCA”, e afirma que sua irmã ficou rica, usando a influência sobre o que sabia a respeito de seu romance com o FHC:

http://www.brasil247.com/pt/247/brasil/217930/Mirian-Dutra-entrega-irm%C...

Reportagem mostra como irmã de Mirian, uma das mais fervorosas militantes “contra a corrupção”, é funcionária fantasma, admitida pelo próprio Serra; que FHC tem contas no exterior, segundo Mirian; como o Delcídio Amaral foi posto em liberdade, numa ação absurda do judiciário, quando estava prestes à fazer delação premiada, aparentemente para proteger o FHC; além do arquivamento da investigação contra o Aecio Neves, que NÃO VAZOU PARA A MÍDIA, igual as investigações do Lula e outros políticos do governo:

http://jornalggn.com.br/noticia/o-caso-miriam-dutra-e-a-libertacao-de-de...
Resta saber se a “ESQUERDA BANANA” vai engolir mais essas palhaçadas do judiciário, sem ir às últimas consequências, processando e pedindo a cassação de juízes e procuradores, que beneficiam descaramente políticos do PSDB, ao mesmo tempo em que perseguem os políticos mais à esquerda.

Afinal, quando nossa “ESQUERDA BANANA” vai se convencer, de que precisa estar ao lado, e usar a FORÇA DO POVO em favor do Brasil, através da aprovação da PEC 21/2015; para que o próprio povo possa cassar seus políticos no voto, abrindo o caminho para que isso se estenda também aos integrantes do judiciário, nosso “PODER MEDIEVAL”?

FHC usou uma empresa privada, a Brasif S/A, para enviar dinheiro a Mirian Dutra no exterior. Ou seja, converter reais em dólares, para enviá-los ao exterior fraudulentamente. Afinal, os motivos reais do trambique eram para sustentar seu filho. Isso constitui EVASÃO DE DIVISAS do país. É o preço que ele pagou, para manter esse sigilo; o que garantiu sua reeleição, dando-lhe força política para promover o desmonte do patrimônio público, entregue principalmente a empresas estrangeiras, através de suas inescrupulosas privatizações. Graças a elas, o Brasil perdeu a lucratividade de importantes setores econômicos, que hoje vão para o exterior, enriquecendo outros países. Confiram:

http://www.brasil247.com/pt/247/pernambuco247/217951/Silvio-Costa-vai-ao...

Mirian recebia ajuda, para manter seu filho, da empresa Brasif, uma concessionária de serviços públicos, que atuava sem licitação, do Jorge Bornhausen, político amigo de FHC. Isso sem trabalhar, e com a declaração de que isso foi tudo armado pelo FHC:

http://www.brasil247.com/pt/247/midiatech/217929/Mello-Franco-'FHC-tem-muitas-explica%C3%A7%C3%B5es-a-dar'.htm

Vejam o comentário:

“FHC acusou o golpe: acha ser "uso político" a Polícia Federal investigar essas transações de evasão fiscal feitas pela Brasif nas Ilhas Cayman, o paraíso dourado dos tucanos.
Então, está combinado.
Quando a investigação é sobre o barco de lata de dona Marisa Letícia ou sobre o número de caixas de cerveja que Lula levou para um sítio em Atibaia, é combate à corrupção.
Mas investigar remessas de dinheiro, via paraíso fiscal, feitas por uma concessionária do governo, a mando de um presidente da República, para manter uma amante de bico fechado com o apoio da TV Globo e da Veja, é uso político.”

http://www.brasil247.com/pt/colunistas/leandrofortes/217882/Procura-se-u...

COMPREENDA O QUANTO NOSSOS JUÍZES PODEM SER CORRUPTOS!

Calúnia ou grave denúncia CONTRA AÉCIO?

Vejam esse polícial, acusando o Aécio Neves de envolvimento com o tráfico de drogas:

https://www.youtube.com/watch?v=PhhQ3kEnp2I
Não sabemos o que dizer a respeito, nem podemos afirmar que o vídeo é falso e calunioso, ou não. O fato é que já teve mais de 130 mil visualizações, e está há mais de um ano no youtube, denunciando o envolvimento de Aécio com o tráfico de drogas.
Pedimos a todas as autoridades da República e ao próprio Aécio Neves, que esclareçam esses fatos.
De qualquer forma, se houver fundamento e veracidade nessas declarações, precisamos parabenizar esse polícial, que fez a única coisa que aparentemente pode prejudicar o Aécio, que seria esfregar a verdade em sua cara. Já que dificilmente alguém do PSDB é processado na justiça; e, quando é, como no mensalão do Fernando Henrique, o processo caduca de tanto que é enrolado, e o sujeito não vai pra cadeia.
É trágico ver um senador da República com um vídeo desses no youtube, sem tomar providências. Pedimos até mesmo aos simpatizantes do Aécio, pelo bem e pela moralização de nossas intituições públicas, que peçam para ele entrar na justiça e bloquear esse vídeo. Existem meios para isso, caso as acusações não tenham fundamento; e um senador, pouco importa seu partido, deve satisfação à toda a sociedade por seus atos...
Agora se o vídeo não pode ser removido, porque as acusações são justas e existem provas; fazendo, inclusive, que o policial seja processado sem êxito, com a determinação judicial para manutenção do vídeo; é uma verdadeira humilhação a todos os brasileiros, que o procurador geral da República, o STF, e os meios de comunicação, nada façam contra esse sujeito! Esperamos ver esse caso resolvido o mais breve possível, assim como o do FHC. Ajudem-nos denunciando e compartilhando esses fatos, e principalmente exigindo a

PEC 21/2015.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

DEMOCRACIA DIRETA
Porque o Brasil é de todos os brasileiros.
http://democraciadiretabrasileira.blogspot.com.br/
 

Certo é, uma ideia que me

Certo é, uma ideia que me veio agora, soltaram o Delcídio Amaral para dar munição ao noticiário da velha mídia.

Sai qualquer chance de se aprofundar o escândalo FHC, Globo e a Brasif e adentrará o passo a passo da volta do Senador petista ao Congresso Nacional. E dá-lhe manchetes dizendo que o PT não se sente envergonhado da volta do Senador ao Legislativo Federal.

E, ainda, se faz duas coisas:

1) Cria-se a imagem de imparcialidade. Um petista foi solto pelo Moro.

2) O silêncio do Delcídio é a troca para a sua soltura.

Enquanto uns ficam presos até soltarem uma das três palavras mágicas: PT, Lula e Dilma; outros são soltos se prometerem não soltar as palavras mágicas: Aécio, Serra, FHC e tucanos em geral. 

 

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Muito bom

Interessantíssima análise. Abraços a todos.

Seu voto: Nenhum
imagem de veras
veras

Chegou no PSDB, some!

A libertação do Delcídio é como o apartamento do Guarujá. Chegou no PSDB/Globo, sai da pauta.

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de altamiro  souza
altamiro souza

desmascarado o esquema

desmascarado o esquema chamado pelo autor de alts burocrcia,  é preciso saber como dissolve-lo.

lamentar sempre, mas com uma estratégia comjunta para enfraquecer esse esquema infame.....

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Beijo no  Wu
Beijo no Wu

é agora que petismo vai

é agora que petismo vai mostrar sua força ao destruir um senador do  DEM que não fez nem o,00001% da roubalheira do seu, mas vai mais do que  mantê-lo como senador, quiçá candidato a presidente no lugar de Dilma

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Cunha
Cunha

Como fede o poleiro tucano e

Como fede o poleiro tucano e o PiG.

Lamento que essa podridão fique blindada, pois o poder da grande mídia ( principalmente a TV )  é muito grande e a internet  ainda não é para todos.

 

 

 

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.