newsletter

Assinar

O clube das 'notas negativas', por Daniel Gros

Jornal GGN - Em boa parte da década, os bancos centrais tem feito progressos apenas limitados na redução das forças deflacionárias globais. Após 2008, o Federal Reserve (o Banco Central dos Estados Unidos) manteve as taxas de juro zero, enquanto seguem as múltiplas ondas de expansão do balanço através de compras de títulos em grande escala. O Banco da Inglaterra, o Banco do Japão e o Banco Central Europeu têm seguido o exemplo, cada um com sua própria versão do chamado "quantitative easing" (QE). No entanto, a inflação não se recuperou sensivelmente em qualquer lugar.

Apesar das lutas contra a inflação deflacionada, as políticas monetárias (e o desempenho econômico) agora mostram-se divergentes. "Enquanto os Estados Unidos e o Reino Unido estão crescendo com força suficiente para sair de suas políticas expansionistas e aumentar a taxa de juros, a zona do euro e o Japão estão em queda mesmo com o pacote de ajuda, e empurram para baixo as taxas de juros de longo prazo", diz o economista Daniel Gros, diretor do European Policy Studies, sediado em Bruxelas, em artigo publicado no site Project Syndicate.

Para o articulista, o que ajuda a explicar essa diferença é a dívida. "Os EUA e o Reino Unido têm acumulado déficits em conta corrente por décadas e são, portanto, os devedores, enquanto que a zona do euro e o Japão apresentaram superávits externos, tornando-os credores, porque as taxas negativas beneficiam devedores e credores de riscos, introduzindo-os após a crise econômica global e estimulando uma recuperação nos EUA e no Reino Unido, mas com pouco efeito na zona do euro e no Japão".

Tal fenômeno não é isolado. Gros explica que, até agora, a maioria dos países credores do mundo (aqueles que possuem grandes e persistentes superávits em conta corrente) possuem taxas de juros negativas, não só para os títulos públicos a longo prazo e outras dívidas "sem risco", mas também para os papéis com maturidade de médio prazo. E isso tem sido favorável.

"Apesar do fraco impacto das taxas de juros reduzidas, os bancos centrais de tais economias seguem comprometidos com elas. Se é sugerido que o QE ou menores taxas de juros não são suscetíveis de beneficiar suas economias, eles mudam o foco da discussão, protestando contra a noção de que a alta dos juros iria estimular a economia - um argumento aparentemente hermético. Só é realmente longe de ser hermético", diz o economista. Em alguns casos, as taxas de juros menores podem estimular a poupança, uma vez que os rendimentos dos poupadores caem e eles reduzem seus gastos, principalmente se o objetivo é fazer uma poupança para sua aposentadoria.

Nada disso desacredita a regra geral - que constitui a base da formulação da política monetária moderna - de que uma menor taxa de juros tende a estimular o consumo e outras despesas. O impacto varia simplesmente de acordo com a posição de dívida da economia. Por exemplo: em uma economia fechada, há um devedor para cada credor, então o que os credores perdem com taxas de juros muito baixas, os devedores devem ganhar. "Mas em uma economia com um grande posicionamento de estrangeiros em ativos líquidos, é natural que existam mais credores do que devedores. Para um país com grandes dívidas externas, o oposto é verdadeiro. A eficácia da política monetária, no limite inferior deve, portanto, ser diferente nas economias credoras e devedoras", diz o articulista.

Até recentemente, esta condição não importava, porque as posições em ativos estrangeiros eram geralmente pequenas (em percentagem do PIB). Hoje, no entanto, estas posições nas principais economias industriais são grandes e cada vez mais divergentes, em parte devido ao acúmulo de alavancagem que levou à crise financeira global de 2007-2008, e que continua a crescer em níveis internacionais.

Para Gros, os bancos centrais deveriam ser pacientes. "Na verdade, os economistas apoiaram o movimento global em direção à independência do banco central, precisamente porque parecia que os bancos centrais estariam menos inclinados a tentar estimular a economia para o ganho de curto prazo. Mas os bancos centrais parecem ter se tornado impacientes, se preocupando com uma inflação baixa, apesar do hiato do produto estar lentamente se fechando e o pleno emprego te sido alcançado nos EUA e No Japão.

Média: 5 (1 voto)

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de aqua
aqua

ou ainda

o fato de a Inglaterra ter se tornado, na prática, um paraíso fiscal. Soa isolar e simplificar demais os dados.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de aqua
aqua

acho complicado

Discutir crescimento econômico a partir de dados meramente contábeis, dos balanços de dívidas etc, e ignorar movimentos humanos, a exemplo da tendência ao retorno das plantas fabris ao território americano (mesmo que sob intensa automação).

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.