Revista GGN

Assine

O fator Thomaz Bastos e os "engenheiros de obras prontas"

Engenharia de obras prontas

Um dos mais fascinantes exercícios que existem é o de analisar os pensamentos e as teses dos chamados "engenheiros de obra pronta". Em função dos acontecimentos subsequentes ao julgamento farsesco da AP 470, chovem comentários sobre os 'erros' e as 'inocências' do PT...

Não é lindo e maravilhoso observar tamanha capacidade para comentar sobre o jogo depois do apito final? Uma tese surgida ontem¹, neste mesmo espaço (sobre o ex Ministro da Justiça Márcio Thomaz Bastos), caminha alegremente nesta direção. Vejamos porquê.

Márcio Thomaz Bastos foi peça chave, fundamental, de grande valia e de grande abrangência para barrar as inúmeras tentativas de golpe que houveram contra Lula em 2005 e 2006. Foi uma das mais destacadas figuras do governo federal, atuando ao lado de Dilma Rousseff, Ciro Gomes, Luiz Inácio Lula da Silva e do próprio José Dirceu para impedir, por exemplo, que um pedido de impeachment contra Lula vingasse no Congresso Nacional. 


A não inclusão de Lula na denúncia do MPF, feita em abril de 2006, teve a ingerência direta de Márcio Thomaz Bastos. Se Lula fosse incluído naquela denúncia, seu governo acabaria ali mesmo e sua reeleição restaria deveras prejudicada. 

Também é bom sempre relembrar que a OAB teve uma reunião tensa e decisiva para o futuro da democracia brasileira, em maio de 2006. Nesta reunião foi arquivado o pedido de impeachment que alguns de seus integrantes solicitaram contra o presidente Lula. E porque foi arquivado? 

Justamente porque a denúncia feita pelo MPF, menos de um mês antes, não tinha o nome do presidente! Mais uma vez Marcio Thomaz Bastos se utilizou de todas as suas ferramentas, enquanto Ministro da Justiça, para abortar a tentativa de golpe. Isto sem falar da Câmara... 

A oposição e a mídia venal elegeram Severino Cavalcanti (PP-PE) presidente da Câmara em 2005, com a articulação direta e decisiva de FHC. Derrotaram o então candidato do PT, Luiz Eduardo Grennhalg, da seção paulista. 

Pois bem, quando estourou o "mensalão", a oposição se viu diante do quadro mais maravilhoso do mundo! Todos sabemos que qualquer processo de impeachment só tem sequência com a anuência do presidente da Câmara dos Deputados, que pode arquivar ou dar sequência a qualquer pedido desta natureza. 

Acontece que Severino Cavalcanti, eleito pela oposição, mudou de oposição e cerrou fileiras em apoio ao presidente Lula logo em seguida (na negociação o PP recebeu o Ministério das Cidades, que comanda até hoje...). 

O que fizeram os fracassados oposicionistas diante da mudança de posição de Severino, que eles mesmos elegeram presidente da casa contra o candidato do PT? 

Logo arranjaram um jeito de destituí-lo da presidência, com aquela história do "mensalinho" do Severino, relativo à cantina da casa! 

A oposição então tratou de bancar a eleição de José Thomaz Nonô (PFL-AL) para a presidência da casa, esta era a última esperança da oposição para entrar com o pedido de impeachment de Lula. 

Ocorre que o vencedor, por escassa margem, foi Aldo Rebelo (PC do B-SP), e ali se abortou definitivamente (no Congresso Nacional) mais uma tentativa de golpe. 

Abortado o golpe no Congresso, FHC, cínico como sempre, surge com a 'tese do sangramento', ou seja, quando viu que o golpe que pretendia fazer contra Lula fracassou, saiu pela tangente dando uma de "magnânimo"... 

O que pretendo dizer com tudo isso? 

Pretendo dizer que o governo federal, Lula e o PT fizeram o que era possível ser feito naquela altura dos acontecimentos. As pessoas não se dão conta de que a interrupção do governo Lula esteve por um fio!

Não foi feita por detalhes minúsculos, não foi feita porque toda a máquina do governo federal se movimentou para barrar o impeachment de Lula e a tentativa de golpe branco. É uma falácia, uma rotunda mentira dizer que o governo federal e o PT não se mobilizaram naquela época para defender o governo. Isso não é verdade!

Foi mobilizado meio mundo para garantir a não inclusão de Lula na denúncia do MPF (poderosíssimos setores oposicionistas pressionaram para que isto acontecesse), foi mobilizado meio mundo para que a presidência da Câmara não caísse nas mãos da oposição em 2005, foi mobilizado meio mundo para que a OAB não entrasse com um pedido de impeachment contra Lula em maio de 2006, etc, etc e etc. 

É uma sonora e rematada bobagem dizer que as pessoas do governo federal e do PT ficaram vendo a banda passar quando da eclosão desses acontecimentos. E, por tudo isto que acabei de escrever, repito mais uma vez, Márcio Thomaz Bastos foi peça fundamental, crucial para que o governo Lula pudesse sobreviver àqueles intensos bombardeios de 2005 e 2006. 

Por fim, cumpre destacar que traição não vem de fora, vem de dentro. Se viesse de fora, não seria traição! Óbvia constatação. 

Ninguém em sã consciência poderia imaginar, até o início do julgamento farsesco da AP 470, em agosto de 2012, que estaria prestes a assistir a um circo de horrores fraudulento de tamanha monta. Os engenheiros de obra pronta criticavam Joaquim Barbosa em 2003? Ou em 2004? Ou em 2005, 2006, 2007, 2008, 2009, 2010, 2011 ou no primeiro semestre de 2012? Evidentemente que não!

E nem tinham como fazê-lo, a não ser que fossem seres imbuídos de poderes premonitórios e paranormais! O mesmo raciocínio se aplica aos ex Ministros Cesar Peluso e Carlos Ayres Britto. Não é 'lindo' ver engenheiros de obra pronta virem criticar Lula hoje, em 2013, a respeito destas três nomeações, sendo que absolutamente ninguém criticou estes três personagens nos dez anos anteriores ao julgamento farsesco da AP 470?!

Ninguém imaginava o que Ayres Britto ou Barbosa fariam no julgamento da AP 470, nem mesmo a quadrilha máfio-midiática tinha certeza da atuação de ambos antes do início do referido julgamento!

Mas é preciso ir mais além, é preciso ainda caminhar um pouco mais e olhar mais adiante para ver que a tese dos engenheiros de obra pronta não tem sustentabilidade alguma. Esta tese de culpar as vítimas pelos erros praticados pelos algozes, de culpar as vítimas pelas traições e mudanças de posições de figuras nomeadas por elas mesmas é um acinte!

Quer dizer então que o culpado pelo suicídio de Getúlio Vargas foi Tancredo Neves, seu "inepto" Ministro da Justiça, e não os golpistas que acossaram o seu governo?

Quer dizer então que o culpado pelo golpe militar de 64 foi o então Ministro da Justiça Abelardo Jurema, e não os próprios golpistas que praticaram o golpe?

Quer dizer então que o culpado pelas frustradas tentativas de golpes brancos de estado praticadas contra Lula em 2005 e 2006 é o ex Ministro Márcio Thomaz Bastos, e não os que intentaram de todas as formas para dar cabo do governo de Lula naquela oportunidade? Quer dizer que Lula é o culpado por ter nomeado Barbosa (que os engenheiros de obra pronta jamais criticaram antes do linchamento da AP 470)?

É o mesmo que dizer que o culpado pelo golpe militar no Chile, em 1973, é Salvador Allende e não o golpista Augusto Pinochet (que foi nomeado pelo próprio Allende)! É o mesmo que dizer que o culpado pelo golpe de 64 é João Goulart, e não os golpistas que praticaram o referido golpe de estado! Sem mais e nem menos, é uma tese ridícula e absurda. É como culpar a vítima de um estupro por ter saído a noite, ao invés de culpar o estuprador. Esta tese é uma obra de ficção científica!

Culpar Lula ou José Dirceu por terem nomeado Ayres Britto e Joaquim Barbosa em maio de 2003 é uma estultice, a não ser que os engenheiros de obra pronta consigam provar que lá atrás, há mais de dez anos, e através de seus maravilhosos dons premonitórios, já haviam previsto o que eles fariam muito tempo depois, em agosto de 2012!

Quanto a tese de que o PT errou ao nomear sempre o primeiro colocado nas listas tríplices do MPF, outra vez os engenheiros de obra pronta se regozijam! Esquecem eles que o Brasil passou os oitos anos anteriores a Lula tendo que aturar Geraldo Brindeiro, conhecidíssimo pela alcunha de Engavetador Geral da República? Esquecem que este mesmo Engavetador (que nunca ficou em primeiro lugar nas listas tríplices) foi alvo de intensas e duríssimas críticas do PT?

Foi justamente neste contexto que o PT procurou se diferenciar do governo anterior e aplicou uma política absolutamente inovadora, abrindo mão das tradicionais blindagens que sempre existiram no Brasil.

Qual é a proposta dos que criticam essa política do PT com relação aos procuradores gerais da república? Querem voltar ao status quo anterior? Não se lembram os engenheiros de obra pronta que a decisão tomada por Lula em 2003 foi intensamente aplaudida por representar uma quebra de paradigma com o que sempre aconteceu no Brasil?

Não se lembram os engenheiros de obra pronta que a decisão tomada por Lula em 2003 (que já se tornou uma jurisprudência petista) foi a resposta, corretíssima, dada pelo PT ao terrível descalabro existente nos oitos anos do PSDB?

Hoje criticam o que lá atrás foi considerado uma grande contribuição do PT ao Brasil e ao povo brasileiro! Fazem o discurso perfeito para os que um dia venham a vencer o PT no futuro, ou seja, lhes dão argumentos para retornar com as abomináveis práticas de blindagem que o PT teve a coragem e a decência de extirpar! É algo realmente incrível...

A "sacada" de Barbosa, ao defender o estupro da nazista teoria do "domínio do fato" para estiolar réus sobre os quais não pesava nenhuma prova esculhambou com todo mundo, pegou todo mundo de surpresa. 

O mundo jurídico brasileiro jamais esperava que o STF fosse se afastar de sua jurisprudência majoritária e nunca imaginaria que a sanha condenatória dos verdugos togados os levasse até mesmo a torturar a nazista teoria do "domínio do fato" para fazê-la 'confessar' que alguns dos réus eram culpados!

O Tribunal de Exceção esmerou-se para que todos os que tem mais do que dois neurônios pudessem chamá-lo de Tribunal Inquisitorial, de Exceção e Medieval. 

Valeria bem mais a pena estudar o mundo das traições na história da política do que centrar fogo, erroneamente, em Márcio Thomaz Bastos. Os traidores geralmente estão próximos, muito próximos daqueles que um dia, mais cedo ou mais tarde, irão trair. 

Antes de tudo, os traidores traem as suas próprias consciências, alguns por dinheiro, outros por fama, poder, etc... Existe, por exemplo, alguém que tenha sido mais traidor nessa história toda do que Carlos Ayres Britto?

Não, o PT não errou na questão dos Ministros. Tampouco na questão dos procuradores gerais. Falar isto hoje é fácil, é, como está escrito em outros parágrafos, praticar o hábito de ser um engenheiro de obra pronta. O que é um equívoco lamentável. O PT pagou um alto preço por um erro político cometido no primeiro mandato de Lula. O restante a própria evolução dos acontecimentos políticos determinou, de umas formas ou de outras.

O que não dá é para tecer críticas que jamais foram feitas anteriormente! Simplesmente inexistiam essas críticas antes de agosto de 2012. E porque não existiam, porque nunca houve motivo para a existência das mesmas, o que é a prova cabal de que Lula estava correto antes. E de que o PT está correto agora ao não cair na fácil tentação da blindagem típica dos que sempre se adonaram do poder de Estado no Brasil.

Se alguém avalia que ministros do supremo traíram quem os nomeou, ou que os procuradores traíram quem os nomeou, então que passem a criticá-los com veemência, não a criticar àqueles que agiram com correção desde o início.

Ou se faz isso ou a pérfida tese dos conservadores acabará prevalecendo. Qual tese? A de que Salvador Allende e Jango eram ineptos e incompetentes e de que a culpa pela queda dos mesmos é deles próprios, e não dos golpistas que os derrubaram! Esta lógica se aplica com perfeição ao tema principal deste post. 

Sem as devidas contextualizações históricas, sobra somente a fácil e inconsequente engenharia de obras prontas.

¹ http://jornalggn.com.br/noticia/a-ingenuidade-petista-e-o-fator-marcio-thomaz-bastos#comments

 

Média: 4.6 (22 votos)
54 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Um erra, outros pagam

Diogo Costa é tão governista, mas tão governista, que seria capaz de fazer o mais ortodoxo dos stalinistas chamá-lo de puxa saco.

Se algum dia o Lula disser que 2 + 2 = 5, podemos saber, Diogo dirá que o Lula esta certo, que foi a “correlação de forças” que implicou nesta resolução, ou outra desculpa estulta qualquer.

 

A questão em que o artigo erra, e erra de maneira cabal, é em não reconhecer a responsabilidade de Lula e Dilma nas indicações.

A responsabilidade pelo que os ministros indicados fizeram cabe só a estes ministros, é claro. Porém, O ERRO QUANTO A INDICAÇÃO é de quem indicou, é evidente!

E o Diogo, não sei se de maneira suja ou só por falha de memória, não toca no assunto, por exemplo, do Luiz Fux, nomeado pela Dilma DEPOIS de tudo o que se sabia quanto a atual composição do STF. Não vai comentar nada sobre o Fux, Diogo? Ou sobre a Rosa “provas elásticas” Weber? Me dá um tempo.

E há muito mais...

E sobre o Toffoli – considerado um pusilânime e desqualificado mesmo dentro do PT, não vai comentar?

Ou, dos erros terríveis Carlos Alberto Direito (reconhecidamente um conservador de última instância, pra não falar de outros problemas mais graves ainda – que não especificarei aqui por se tratar de personagem já falecido), e Eros Grau, um pseudo-marxista que votou contra a revisão da lei da anistia? Se você não sabia que a atual composiçãoo do STF era fraca em outros anos, Diogo, não julgue sua inapetência como a dos outros...

Lula então não sabia que os nomeados por ele para o STF se importavam com tudo – menos a constituição? Então, ele não viu a aceitação da denúncia do mensalão, lá atrás?

Vamos lembrar que, juridicamente, os membros do STF não deveriam aceitar sequer a denúncia inicial. Só aceitaram por conta da “faca no pescoço” da imprensa marrom. Capitularam. Tava tudo ali, para qualquer um que quisesse ver.

 

A responsabilidade das péssimas indicações são do Lula e da Dilma. E não estão sendo eles, é bom frisar, que estão indo pra cadeia. Outros estão pagando pelos erros que estes dois cometeram.

Seu voto: Nenhum
imagem de Crisitano
Crisitano

Como disse no outro post, o

Como disse no outro post, o maior erro do PT, de Lula, e alguns de seus quadros, foi achar que iriam governar sozinho, assumir o poder e destituir os verdadeiros donos do poder, que é o PMDB, Sarney e companhia.....

Se Lula tivesse ouvido Dirceu e feito feito o acordo com o PMDB no primeiro mandato, nnao teria acontecido o mensalão.....

Acusar a opoisição e a mídia de criar o mensalão é de uma cegueira total, quem criou o fato foi o próprio PT e a insatisfação dos seus "aliados"por n˜åo terem acesso a cargos, ministérios, estatais, etc......

A mídia e oposiç˜åo aproveitaram o momento.......

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de alcarpinteiro
alcarpinteiro

Entre o comentário de Araujo

Entre o comentário de Araujo e o de Costa, eu fico com ambos. Falaram parte da verdade. A CF dá ao presidente o poder de nomear o procurador geral e juízes do STF. É legítimo fazer uso deste poder. Lula preferiu não fazer. Não foi sensato, pode-se ver agora. Ponto para Araujo.

FHC fez uso deste poder. Aliás, exagerou. Ao nomear o engavetador e Gilmar Mendes, transformou as duas instituições (PG e STF) em uma ação entre amigos. Contra essa ação extrema de FHC, Lula aplicou um contraste extremo. É aí que entra a análise contextual de Costa. 

Lula ficou refém de seu contraste. Viu-se obrigado a aplicá-lo e seria atacado se tentasse desfazê-lo (se bem que não tentou). Para mim, o erro foi original. Ele deveria ter escolhido pessoas que tivessem afinidade ideológica com suas ideias, sem exigir a fidelidade canina do engavetador e de Mr. Gilmar (o tal espírito republicano, que FHC preteriu ao escolher a Real Politik). Eu sei, estou cumprindo meu papel de engenheiro de obras prontas, mas que outro papel um observador poderia ter?

Araujo tem razão ao apontar a falta de objetividade nas indicações dos petistas. Mas que raio de critério é escolher juízes do STF por gênero, cor da pele e região de origem? Se é para ser assim, crie uma lei de cotas para o STF. A única excessão foi a nomeação de Toffoli, um dileto companheiro, que nada acrescentou. Se bem que mau não fez, dado o baixo nível do supremo elenco. Fux segura a lanterna, por merecimento, e ninguém tasca.

Depois de tanto tempo, já passou da hora da presidenta corrigir o rumo. PGs e juízes ganham vida própria após serem nomeados. Quando se nomeia porras-loucas, eles fazem porras-louquices. E não existe uma suprema camisa de força para corrigir o erro.

 

Seu voto: Nenhum

Muito chique!

"Culpar Lula ou José Dirceu por terem nomeado Ayres Britto e Joaquim Barbosa em maio de 2003 é uma estultice, a não ser que os engenheiros de obra pronta consigam provar que lá atrás, há mais de dez anos, e através de seus maravilhosos dons premonitórios, já haviam previsto o que eles fariam muito tempo depois, em agosto de 2012!"

Estultice nada!

O sentido foi o mesmo de nomear Menezes Direiito, notoriamente conservador e notoriamente alinhado aos coservadores. Não adianta a negação. O ânimo era, sim, de agradar quem eles SABIAM que não gostavam deles. Acreditavam que COM A CANETA NA MÃO seriam ouvidos; e com "generosidade" conseguiriam esclarecer seus pontos de vista diantes de quem os odiava.

Muito chique!

Seu voto: Nenhum (1 voto)

PJ não VOTA!

O Jornalismo acabou e a eleição não tem fim!

Fofocas de Salão, Autoridade e Poder

Uma das coisas que continuamente me surpreende é a tratativa da política por fofoqueiros(as) respeitados(as) como colu(o)nistas políticos, que vivem perto ou dentro do poder, descobrindo e pubicando futricos, tipicamente que ouvem de quem ouviu de quem ouviu (...de quem ouviu).

É certo que isto também faz parte, Mas quando nos perdemos nas análises do varejo, começamos a nos perder no atacado, dado o enorme qtde. de detalhes envolvidos, efeitos borboleta, dissimulações, etc. do jogo.

Como a política, entendida como a defesa de interesses (e necessidades), é exercida por múltiplas pessoas e ... interesses, o ensacamento de gatos é mais comum do que raro.

Quem entra na política, ainda que com boas intenções públicas (o que é incomum), tipicamente acaba se perdendo em fazer política apenas para defender ... sua política ... e não para obter resultados de interesse público.

Acaba quase sempre jogando a toalha e apenas vivendo dela. 

Daí, para entender este mundo, precisamos utilizar uma qualidade muito buscada nas empresas (por incomum), apelidada de "visão helicóptero", que é a habilidade de descer ao detalhe da grama e subir para panoramizar a floresta.

Embora seja "irresistível" (e também necessário) saber de detalhes sobre quem, como, onde e quando alguém fez ou falou algo e em qual contexto, é importante, após saciadas as "sacadas" individuais, que se junte tudo e se dê uma olhada consolidada.

Usando estes parâmetros, sem entrar muito nos méritos específicos de pessoas ou fatos, suspeito que:

1) Governo tem Autoridade, não necessariamente Poder. O PT hoje tem aquela (por governos), mas a oposição oligárquica ainda detém o maior quinhão deste último (justiça, parte dos parlamentos, operação dos ministérios, míRdia, educação privada (e parte da pública), FA´s, PF, bancos e outras empresas, agropecuária, mineração, comércio, serviços em geral, a parte da população que concentra renda e patrimônio, etc.).

O país está "aparelhado" por eles há 513 anos.

2) Se 1 é verdadeiro (não é?) então a missão do governo federal é exponencialmente complicada. E assim foi com Getúlio, JK, Jango... além de Lula e Dilma. Notar que foi uma "moleza" tão grande com FHC, que este chegou a declarar: "governar o Brasil é muito fácil", uma frase infame e escandalosa, num país com imensos  problemas e deficiências. Simplesmente focou-se em executar um desmonte nacional arrasador ,de um trabalho de décadas, garantido até pela Constituição (veja-se o tamanho do poder,não dele, mas de que ele pertence).

3) Lula, embora ridicularizado (e odiado) nas poltronas do Poder de fato hoje sentindo-se sufocado por limitações de Autoridade, conseguiu enfrentá-los e vencê-los em graves crises golpistas, econômicas e midiáticas. Eleitoralmente, até desafiou este gigantesco poder econômico-miRdiático avisando-os (!!) que iria eleger um "poste". E assim foi. Portanto insinuar que este espécime "operario-apedeuta-barbudo-molusco" (ou seu governo) seja "ingênuo" ou incometente (vide resultados) não pode corresponder as fatos.

4) O mesmo está acontecendo com Dilma, que se ainda não enfrentou nenhuma grave crise, sofre uma barragem de artilharia intensa e ininterrupta, a qual tende a se intensificar nos próximos 11 meses, com raids aéreos, guerrilhas, tanques, químicos e tudo o mais que o inimigo dispuser. Até fogo amigo (PRESTENÇÃO, pô!).

5) Seria ingenuidade insinuar que (L&D) não cometem erros (em geral táticos, as vezes estratégicos, como por opinião, os tais campeões nacionais "anabolizados". Mas para não cometer erros táticos, é preciso também "combinar com os russos", já dizia nosso erudito Garrincha.

6) O fato é que as elites que deveriam liderar o país para seu desenvolvimento, abdicam mesquinha e burramente deste papel, não aceitando um governo que eleito e orientado ao povo, divida interesses, mesmo se dispondo a não ignorá-los, dando-lhes oportunidades em PAC´s, concessões, incentivos ...Fazem muxôxo por "pouco vantajosas". Querem mesmo "só tudo", os presentinhos embrulhadinhos a que estão historicamnte acostumados.

7) Este Poder que ainda está aí (medíocre pois só tem dinheiro e suporte velado estrangeiro, sem querer fazer rima) não tem qualidade sequer para enfrentar um "apedeuta e um poste", com todo o imenso arsenal econômico-financeiro e miRdiático que dispõem. Portanto, por incompetência e desespero, apelam para a truculência possível. No passado, os tanques. Hoje, resta-lhes o futrico miRdiático, a aparelhagem geral, a sabotagem (ou corpo mole) e, mais contundentemente, a (in)Justiça.

7.1) O melhor que conseguiram até hoje, ridiculamente, foi o farsesco mensalão, cuja comemoração nos dá vergonha alheia.

7.2) No desespero, praticam qualquer absurdo (crescentemente) pois entendem que) não tem a perder. Usar oito anos para construir um escandalosa AP470 eivada de ilegaidades e inconstitucionalidades pela corte suprema é "nada", pois o que querem é sangrar (ainda não aprenderam) ou provocar rupturas institucionais. Sim, já não temos guerras frias nem milltares com a mesma disposição. Mas há uma instituiçaõ que (ainda) não depende de eleitores...

7.3) Não tenho dúvidas de que os procuradores e juízes do Supremo poderiam ser julgados por seus evidentes malfeitos (pelo Congresso). Mas talvez seja essa uma das rupturas buscadas para que a truculência se instaure por golpe. E o governo, me parece, não compra essa (não estou nesta grama para avaliar).

8) Por que o Congresso, único poder institucional que pode questionar este supremo, parece ao contrário, temê-lo?. Consigo enxergar 2 razões mais evidentes:

8.1) Os rabos estão por demais entrelaçados para desatar este nó.

8.2) Não se quer dar a chance de crise institucional, propícia a mais um golpe em nossa História.

9) O item (8) parece explicar porque evidentes absurdos que nos deixam perplexos no MP e STF acontecem sem nenhum freio. Eles sabem disso! (não é republicanismo) Mas muitos não querem entender que não fazer o que "deve ser feito" (sob o aspecto moral) talvez não o deva ser (sob o aspecto político).

10) Lembrando-se que além destes infames cacifes (do rabo preso e/ou da crise institucional), este pessoal tem, de fato, o PODER no país, é certo que sua medicridade requer que tenham suporte de poderes mais reais e competentes, como os vindo de fora. Mas isto é reserva tática, que lhes dá apenas a tranquilidade e desfaçatez (e "coragem") de praticarem os absurdos que praticam, seja na Justiça, na míRdia, na economia ou na política.

E não estou falando apenas de poder militar, Nsa´s, Cia´s ou traíras locais cooptados em todos os setores. Estou falando do controle externo de setores estratégicos como telecom e suprimento de varejo, que pode, por decisão de conselho (na Europa e EUA) gerar "surtos inflacionários oportunos", para ajudar os amicci de ocasião, por meros tictics de etiquetas (tá, impressão de códigos de barras alterados nos sistema para Pen Taylors).

Portanto, colegas, as vezes acho quase um milagre que possamos ter há 11 anos, governos com legítimos interesses na sua população, sem esquecer o resto (que bem ou mal, faz parte) e que se sustente num panorama como este. Erros fazem parte. Mas incompetência ou ingenuidade?!

Se fosse religioso estaria de joelhos rezando pelo bom passado recente e pelo futuro que aguarda nossos filhos.

Como não sou, é ficar de pé e andar pra frente.

Atento.

Seu voto: Nenhum

Eu concordo com as críticas

Eu concordo com as críticas às críticas ignominiosas feitas contra o Márcio Thomaz Bastos no outro post, mas não exatamente pelos mesmos motivos.

Não pelo que Márcio Thomaz Bastos supostamente fez para barrar a denúncia do MPF contra Lula (e aqui não haveria como considerar aceitável esse tipo de intromissão de um Ministro da Justiça sobre a atuação do Ministério Público) ou o pedido de impeachment da OAB (mais ou menos da mesma forma, seria complicado, do ponto de vista ético, considerar aceitável que Márcio Thomaz Bastos exercesse "ingerência", como dito, sobre a decisão da OAB, ainda que ele seja um grandiosíssimo advogado, como todos sabem). Neste último caso, é menos grave a atuação na OAB, pois poderia ser interpretada como uma ação política e os trâmites de um pedido de impeachment são essencialmente políticos, tanto que o processo tem natureza político-administrativa. E sendo ele um advogado, não seria tão incomum vislumbrar essa sua atuação, angariando apoio entre a categoria dos advogados para impedir a apresentação do pedido. Neste ponto, seria aceitável e menos grave. Seria certamente menos comprometedor do que intervir na atuação do MPF, coisa que eu não acredito que aconteceu. Não denunciaram Lula porque não havia mesmo como denunciar por absoluta falta de provas.

Penso que as críticas a Marcio Thomaz Bastos são improcedentes porque não se pode responsabilizá-lo pelo que ministros indicados pela cúpula do governo fizeram ao interpretar os fatos submetidos a julgamento na AP 470 (processo do mensalão).

Esse tipo de pensamento, que está no cerne dos ataques feitos contra Thomaz Bastos no outro post de Motta Araujo, é exatamente o que permite a criminalização de todo um partido político por conta do que alguns de seus integrantes fazem ou deixam de fazer.

Quem lúcido pode pretender que as pessoas sejam responsáveis pelos atos praticados por terceiros, isso de uma forma generalizada? Quer dizer, A seria responsável pelo ato de B que seria de C e assim por diante. Isso não faz qualquer sentido.

Como Marcio Thomaz Bastos pode ser responsabilizado pelo que os ministros decidem, interpretando a lei e no legítimo exercício de suas funções jurisdicionais?

Quer dizer que quando alguém indica ou sugere o nome de um ministro do STF (nem sei se foi este o caso de Márcio Thomaz Bastos), torna-se automaticamente responsável por todos os eventuais e supostos erros que essa pessoa cometer? O que seria erro? Decidir de forma diferente do que gostaria o governo, mesmo que o ministro pense diferente ao aplicar a lei aos fatos? É isso o que defende o texto, na cara de pau.

É claro que isso não faz nenhum sentido. A acusação é tão destrambelhada que, por ela, todo aquele que indicar um ocupante de um cargo político, como o de um ministro de estado, deverá ser responsabilizado pelos atos ilegais, de corrupção preferencialmente, que ele praticar, independentemente de qualquer outra coisa. Basta a nomeação, tida como ruim, para que a culpa se estabeleça. Irrazoável, desproporcional esse tipo de entendimento.

Nessa linha, Dilma seria culpada pelos casos de corrupção observados no Ministério do Transporte, por exemplo, mesmo que tenha mandado apurar depois. Não adiantaria mais, porque o erro ela já cometeu antes, quando nomeou pessoas que praticaram ilegalidades.

 

Seu voto: Nenhum

"É relativamente fácil suportar a injustiça. O mais difícil é suportar a justiça." Henry Louis Mencken.

imagem de Fulvia
Fulvia

Depois das análises de Diogo,

Depois das análises de Diogo, André e Morgana proponho um post sobre o atual ministro da justiça.  Que tal comparar o atual JEC com MTB ?   Aliás por onde anda ele, nesse momento crucial das prisões de Genuíno e Dirceu?  Será que ele foi indicado, imposto ou escolhido?  Ah! esse PT não aprende nunca...

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de Schell
Schell

O erro na indicação dos

O erro na indicação dos nominados para serem ministros do STF deveu-se ao fato de que acreditaram que o "presente" seria prevalente sobre o "passado" dos mesmos. Não foi. Assim, quando da AP470 - a começar pelo midiático então procurador geral (o dos 40 ladrões) - os de sempre - amarronzados - foram "buscar" no passado e no presente (parentescos, inclusive) munição suficiente para "insuflar" o ego dos vorazes torquemadas. Deu no que deu: a partir do "convencimento" de uns e o "efeito manada" de outros (mandados pelos juízes auxiliares trazidos de todos os lugares), só podia ocorrer condenações. A verdade sobre tais atos, no entanto, apenas se confirmará como "farsa maquiavélica" ou como nova verdade, a partir dos próximos julgamentos e, como nenhum deles (tucanos e túcanóides) aparecem na pauta, por enquanto, fico com a "farsa midiaticamente encenada". Nos EUA jamais aconteceriam tais nomeações, pois lá, a imprensa, por mais "murdochiana" atualmente, sabe que não sobreviveria se não fosse a fundo "apreciar" os currículos dos indicados. Essa a ingenuidade dos governos PT: achar que pequenas agressões e "achaques" não fossem ser "lembrados" na hora certa pelos de sempre.

Seu voto: Nenhum
imagem de Marcos Chiapas
Marcos Chiapas

Bastante confuso

Um texto bastante confuso, onde o autor discursa duramte um longo período enaltecendo a atuação do ministro da justiça e outros na blindagem a Lula para, num segundo momento afirmar que o PT extirpou este mal da política brasileira.

Chama de nazista a teoria jurídica que possibilitou a condenação de Eichmann num tribunal em Tel Aviv. Condena a teoria que possibilitou a condenação também dos membros da junta militar argentina e de Fujimori no Peru, justamente por terem o domínio do fato, ou seja, criarem as condições necessárias para que o fato criminoso acontecesse. 

Reclama o fato de o STF não ter usado da sua jurisprudência, como se a ciência jurídica fosse estática e não pudesse jamais evoluir no intuoto de fazer melhor justiça, acompanhando as mudanças da sociedade e principalmente das associações criminosas de âmbito administrativo, onde os responsáveis buscam sempre "delinquir dentro da lei". 

Enfim, parece tratar-se apenas de uma defesa partidária apaixonada e não de um texto que deva ser analisado como agregador de algum valor à discussão.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Leandro A.
Leandro A.

Ora, deixe de ser "uspiano",

Ora, deixe de ser "uspiano", meu caro!

O texto revela um conhecedor das dinâmicas politicas que culminaram nos fatos presentes. A paixão é questão de estilo, o que vale mesmo é a nova perspectiva que abre ao debate.

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de Marcos Chiapas
Marcos Chiapas

Amigo

Para falar de dinâmicas políticas que levaram aos fatos presentes, vamos começar um pouco antes, certo ? Como você bem disse, são dinâmicas e não estartaram com a denúncia de Jefferson e nem se encerrarão com a prisão de Dirceu.

Talvez possamos começar, quem sabe, pela expulsão de quadros da Esquerda do PT por José Dirceu, da sua atuação na ocupação dos espaços impossibilitando a discussão democrática dentro do Partido. Se não quiser ir tão longe, poderíamos falar da indicação de sua amiga de longa data, Donna Hrinak,  para a Embaixada americana em Brasília em meados de 2002 e da viagem feita por Dirceu na mesma época aos USA, onde beijou a mão de todos, desde wallstreet até a casa branca, com paradas no Congresso e na sede do World Bank.

Se Diogo Costa sabe disso e não vai dizer, ou simplesmente não sabe, é uma incógnita. Mas o fato do mesmo não ter dito um "a" sequer sobre a cassação de Dirceu pelos companheiros do Congresso, pode nos dar alguma pista sobre isso.

Seu voto: Nenhum

E ainda se acha alguma coisa...

Não se faça de pangaré, rapaz. Não falei sobre a cassação de José Dirceu em 2005 porque este não era, não é e nunca foi a parte principal do post em questão. Falo sobre isso na hora em que bem quiser, porque acompanhei tudo minuto a minuto.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Diogo Costa

imagem de Marcos Chiapas
Marcos Chiapas

Pangaré ?

Estás nervoso porque ?

Entendo sua seletividade na escolha dos argumentos. Além da cassação de Dirceu também não fez referência a contracargar do PT quando da implantação da CPI do Mensalão ( não a dos Correios ). Aquela onde o PT disse que revelaria todos os nomes de congressistas haviam recebido dinheiro.

Encerrada precocemente sem relatório final  com Vacarezza por  alegando "falta de tempo e deputados" que o assinassem.

Hehehehehe

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Não há nenhumas confusões

1. As articulações políticas ocorreram de forma frenética naquele período, de ambos os lados. A blindagem referida no texto é aquela praticada pelo PSDB, que entronou durante 08 anos consecutivos o notório Engavetador Geral da República, Geraldo Brindeiro, impedindo toda e qualquer investigação contra o desgoverno tucano. Esta prática foi banida pelo PT e se Lula não apareceu na denúncia do MPF, cobre do MPF que teve ampla liberdade de atuação, não do PT ou de MTB ou de Lula.

 

2. Vossa senhoria defende que a tese do 'domínio do fato' deve ser aplicada igualmente contra nazistas, ditadores millitares e contra pessoas num regime de normalidade democrática. Eu defendo que não. E mais do que isto, o estupro da tese do 'domínio do fato' é conhecido por todos que tem talvez mais do que dois neurônios. O maior conhecedor e teórico da tese, Claus Roxim, já disse 'trocentas' vezes que mesmo a tese do 'domínio do fato' não permite, em hipótese alguma, que se prescinda da PROVAS para condenar as pessoas. E disse também que jamais se pode condenar alguém com base nesta tese em função do cargo que a pessoa ocupava na altura dos acontecimentos ou do grau de hierarquia destas mesmas pessoas. Ou seja, na AP 470 fraudaram até mesmo a tese do 'domínio do fato'! Percebam o tamanho do ódio que existia e que existe contra os réus, capaz de justificar tamanha barbárie.

 

3. Vossa senhoria aplaude o linchamento da AP 470. Aplaude a maior farsa judicial da história do Brasil. Aplaude o julgamento-linchamento encomendado, máfio-midiático, inquisitorial e de exceção. E reputa esta ação penal como sendo um avanço (sic) para a jurisprudência verde-amarela! Eu digo exatamente o contrário de tudo isto que vossa senhoria defende.

 

4. Quanto ao "agregar valor", é apenas a expressão de um reles juízo de valor do missivista. O que não agrega valor é um comentário incapaz de fazer uma discussão séria sobre um post. E menos ainda quando tenta inutilmente desqualificar o autor do post. Na falta de argumentos, parte-se para a ridícula e canhestra tentativa de diminuir um texto, quando não se consegue rebatê-lo sem que se deixe aparecer as reacionárias motivações idelógicas do pretenso contendor. Contendor este que, ao dizer que o post é uma "defesa apaixonada", entrega de bandeja que ele próprio, o contendor choroso, também pratica o que chama de "defesa apaixonada", só que em sentido contrário.

Seu voto: Nenhum

Diogo Costa

imagem de Marcos Chiapas
Marcos Chiapas

Evidente

É evidente que não se pode prescindir de provas para que a teoria do domínio do fato, que não tem a pretensão de encontrar culpados, mas sim de transformar meros partícipes ou mandantes em autores do fato criminoso, seja utilizada.

E as provas contra Dirceu existem tanto quanto existem as provas contra Fujimori, que também não fazia parte de um governo de excessão, tendo sido eleito democraticamente.

O comando de Fujimori sobre o grupo Colina para o extermínio do Sendero Luminoso foi comprovado no tribunal sem apresentação de nenhum documento, apenas baseando-se em testemunhos. Assim como no caso de José Driceu. 

Como o ilústre professor Roxin admite que sua teoria foi utilizada acertadamente no caso da condenação de Fujimori,  transformanso-o em autor dos crimes, não há porque imaginar que condenaria sua utilização no caso da AP 470, sobre o qual o mesmo jamais proferiu opinião alguma.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de morgana profana
morgana profana

Confusões e contrabandos...

Engraçado é o comentarista pretender desmerecer o texto do Diogo pelos motivos "errados" apenas para contrabendear sua noção de "justiça"...

Ora, cada caso citado pelo comentarista como semlelhante a ação 470, como passível de ananlogia a teoria do domínio do fato é de fazer chorar...

Nos casos citados havia, não somente, provas indeléveis de que a estrutura hierárquica determinava que os crimes particados tivessem origem conhecida (o topo da cadeia de comando), como se tratou de episódios que nada se relacionam com a tentativa de criminalizar a ação política desenvolvida pelos partidos e seus líderes na busca de uma base de apoio, material bem mais volátil que uma ordem de execução ou tortura de desafetos e opositores...

Os maiores especialistas da teoria defendida de Roxin disseram aqui, e todos lemos: a teoria só pode ser considerada se, no caso de sua ausência (da teoria), ainda assim restem provas (e indícios) que levem os réus a condenação (como foi o caso dos exemplos citados pelo comentarista)...

Depois vem a pérola sobre a jurisprudência e a inovação jurisprudencial...

Ora, é claro que o direito não é ciência estática (não é nem ciência, sabemos todos)...Mas um tribunal aperfeiçoa seus entendimentos tendo como referência aquilo que produziu, e não contrariando radicalmente, e neste caso, excepcionalmente o que vem considerando...

Vejamos o caso do artigo 55 da CRFB e da cassação automática: Como se não bastasse a contradição flagrante dos entendimentos pretéritos da corte pelos seus juízes mais antigos (Celso de Mello, o mais notório deles), teve o fato grave de entenderem que o cado um deputado (Donadon era o nome dele?) recentemente cassado por crimes que o levariam a perda do mandato (artigo 92 do CP e 15 da CRFB, defendidos como motivo sistêmico para justificatica da perda automética dos direitos políticos - mandato) deveria ser resolvido entre seus pares (a mesa da Câmara)...

Nem citemos o escândalo dos embargos e a supressão do duplo grau de jurisdição, onde o tribunal julgou sistematicamente contra tudo o que estabeleceu como exceção na ação 470...

Santo zeus, junte-se a tudo isto que nenhuma corte do mundo ocidental democrático(seja lá oq ue for isto)inova jurisprudência em matéria criminal para tornar o regime mais gravoso aos réus, prerrogativa exclusiva do Congresso!!!!!

Volta, filho, por aí não dá....

 

 

Seu voto: Nenhum
imagem de Marcos Chiapas
Marcos Chiapas

Em tempo

Negar a ciência do direito, deveria ficar restrito a uma ignorância pessoal assumaida, e não buscar a generalização da ignorância ( sabemos todos ) como argumento.

Aliás, essa afirmação ( sabemos todos ), quando utilizada,  denota que o afirmador se supõe onisciente. Caso para a psiquiaria.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de morgana profana
morgana profana

Método...

Uma questão de método...

Caro menino dr marcos, nosso psquiatra, diga-nos então, como ciência, onde está o fenômeno, a tese, a hipótese e a síntese que podem ser submetidas a observação e ensaios no campo do Direito?

Não vale citar casos que se enquadrem como Sociologia do Direito ou Antropologia do Direito, isto não tem nada a ver com o que você quer "provar", rsrs...

Aguardamos...

Quanto a sua opinião aí debaixo, eu acho com alguém te apresentar o velho brocado: cada caso é um caso...

Simples assim...

Quanto a onisciência, fica a pergunta: Sabemos todos que dois mais dois são quatro? Então, se eu afirmar que todos sabemos isto, é algo merecedor de sua atenção ambulatorial psiquiátrica?

Fico feliz que tenha concordado com o resto do que eu disse, a julgar pela sua preferência (ou tara?) pelo debate periférico que trouxe na sua resposta...

Biejocas de titia, tolinho...

Seu voto: Nenhum
imagem de Marcos Chiapas
Marcos Chiapas

Faltou a aula ?

Aquela onde ensinaram a diferença entre ciência exatas e não exatas  ? Heheheheh

Para você, cientistas sociais, cientistas políticos e também os cientistas jurídicos ou do direito são apenas papais noéis ou coelhinhos da páscoa.

Santa ignorância.

Quanto ao singelo e simpático exemplo do dois mais dois, apenas reforça a idéia que para você, o mundo da ciência se resume as exatas. Tolinha.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de morgana profana
morgana profana

Ah, então tem que desenhar...

Bom, então vamos para o campo da sua "ciência", o Direito Positivo:

Matar é crime, ainda que consideradas as exclusões de ilicitude, legítima defesa, inexigibilidade de conduta diversa e outras exceções, como inimputabilidade, etc...

Se titia disser, sabemos todos que matar é crime isto significa um caso patológico de megalomania (ou pretensão a onisciência)???

vai dormir, fiote, ou melhor, volta para o mar oferenda...

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Marcos Chiapas
Marcos Chiapas

Evidente

Eu sei que matar nem sempre é crime. Simples. Entendeu ? 

Há uma ciência jurídica que diz quando matar é crime e quando não o é.

Acho que é meio complicado para você, mas fique tranquilo, sei respeitar os limites dos outros, por isso não insistirei muito.

hehehehe

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de morgana profana
morgana profana

Sano deus!!!!

Misturou tudo, os aios e bugaios...rsrs...A "ciência" diz que matar é crime, ué, eu pensei que fosse uma lei (Código Penal)...

E como lei, nada mais é que o resultado daquele esqeueminha básico (fato, valor e norma) que por sua inconstância e instabilidade, não podem ser encampados como ciência, pois toda vez que a cientologia do direito prevalece, acabamos com milhões em campos de concentração ou nos porões de alguma ditadura...

 

rsrs, pelamordedeus, daonde saiu este cara???

Então a mesma "ciência" que afirma que matar é crime (objeto, fenômeno), diz que matar em legítima defesa, ou em como punição para traição em período de guerra, etc, são legalmente aceitáveis???

Uma ciência que tem como regra geral a relativização de suas leis gerais e de seus fenômenos???? Como assim????

Seu caso é, realmente, grave...

 

Seu voto: Nenhum
imagem de morgana profana
morgana profana

Ainda o método...

Exata ou não, social, biológica ou humana, nenhuma ciência se legitima senão estiver dentro do "esqueminha" que você desconhece: fenômeno, tese, hipótese, síntese, e no meio, observação, e ensaio...

Vamos lá, "jênio", diga-nos onde o Direito se encaixa nestas definições aceitas por todos os cientistas...

Putz, será a língua portuguesa uma ciência? Pois é, mas de fato, temos várias ciências associadas ao estudo da língua...É esta distinção que o pobre não consegue enxergar...rsrs

Pois é, na caixinha do "jênio" só é campo de conhecimento o que pode ser chamado de ciência, e depois é titia que é cartesiana, rsrs...

Há um estudo de ciêncai política? Óbvio, mas pode toda a política como atividade humana ser enquadrada sob o espectro da "ciência"? Claro que não....

Assim como o estudo de alguns ramos do direito com viés científico não coloca o DIREITO na categoria de ciência, isto é impossível...

Santo zeus, daonde saiu isto?

Vamos passar a estudar uma LEI GERAL DO DIREITO, rsrsrs...

Vai dormir, criança, isto aqui não é assunto para iniciantes...

Seu voto: Nenhum
imagem de Marcos Chiapas
Marcos Chiapas

Só uma dica

Comece pelo dicionário, depois tente vôos mais altos.

Cuidado para não se esborrachar.

Hehehehehe

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Marcos Chiapas
Marcos Chiapas

Por favor

Por favor, estude o caso de Fujimori antes de generalizar.

Sempre lembrando que Roxin elogiou o uso do dom;inio do fato neste caso específico.

Sempre lembrando também, que o esperneio de partidários como você e Diogo Costa, é aceitável e deve ser respeitado, mas isso não o isenta de ser criticado.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de alcarpinteiro
alcarpinteiro

É verdade que Roxin disse que

É verdade que Roxin disse que a teoria foi corretamente usada no caso Fujimori. Você acrescentou que o envolvimento dele foi baseado em testemunhos. No caso de Dirceu, a única prova de seu envolvimento foi o testemunho de Roberto Jeferson, também reu e diretamente interessado. Alunos brasileiros do prof. Roxin criticaram o uso da teoria no caso da AP 470.  

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Marcos Chiapas
Marcos Chiapas

Parece que não

Há outros testemunhos, como o da presidente do Banco Rural,  de Marcos Valério e de sua secretária.

No caso de Fujimori, igualmente, os testemunhos foram de outros réus.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Clever Mendes de Oliveira
Clever Mendes de Oliveira

Importante post para entender a ação dos ministros na AP 470

 

Diogo Costa,

Excelente comentário. Para mim, entretanto, falta você criticar a idéia das pessoas que consideram que os ministros nomeados por Lula e Dilma Rousseff traíram quem os nomeou.

Para reconhecer que eles não agiram contra o PT, mas ao contrário no longo prazo agiram em favor do PT é preciso saber qual foi a decisão do STF na AP 470. É esta análise que está faltando não só nos comentários dos que defendem o PT como nos comentários dos que são contra o PT.

Só quando as pessoas perceberem que no julgamento da AP 470, o STF mudou o entendimento então prevalecente e fruto de ministros conservadores de que o crime de corrupção incluía o ato (ou a omissão) pelo qual se recebia a vantagem indevida e passou a considerar como crime de corrupção o simples recebimento de vantagem indevida por parte de funcionário público (ou que pudesse se tornar funcionário público) com a gama de poderes de um deputado federal, os ministros atuais do STF serão percebidos como tendo agido em favor do PT e não contra o PT pelo menos no longo prazo.

É importante observar que até então, conforme pode-se ver na própria alegação dos réus na peça de defesa, o recebimento de vantagem indevida por funcionário público com a gama de poderes de um Deputado Federal era o mero crime de caixa dois. Com o novo entendimento do STF, o mero recebimento de vantagem indevida por deputado federal passa a ser crime de corrupção passiva, independentemente se ele praticou ou deixou de praticar (No caso da omissão) o ato pelo qual receberam o vantagem indevida.

Se os réus da corrupção passiva tivessem praticado o ato tanto os réus da corrupção ativa como os réus da corrupção passiva teriam a pena aumentada de um terço. Nenhum deles sofreu esta condenação.

O efeito no curto e no médio prazo do julgamento da Ação Penal 470 foi e será devastador para o PT, mas no longo prazo o PT viu transformar em entendimento do Poder Judiciário aquilo que o PT tentou via Poder Legislativo, mas não conseguiu: aumentar a condenação dos crimes de caixa dois.

Esta transformação do entendimento do Poder Judiciário sobre o crime de corrupção, o PT só conseguiu porque os indicados pelo PT não traíram o PT.

O grande feito da imprensa foi sendo derrotada no seu ideário de ver réus sendo condenados pela compra e pela venda de votos, convencerem a todos de que as pessoas foram condenadas pela compra e venda de votos.

Então seu comentário transformado neste post "O fator Thomaz Bastos e os engenheiros de obras prontas" de domingo, 17/11/2013 às 08:23, em meu entendimento, peca só por não trazer as conseqüências legislativas do julgamento do STF na Ação Penal 470.

Clever Mendes de Oliveira

BH, 17/11/2013 (Em Pedra Azul)

 

Seu voto: Nenhum
imagem de Clever Mendes de Oliveira
Clever Mendes de Oliveira

Importante post para entender a ação dos ministros na AP 470

 

Diogo Costa,

Excelente comentário. Para mim, entretanto, falta você criticar a idéia das pessoas que consideram que os ministros nomeados por Lula e Dilma Rousseff traíram quem os nomeou.

Para reconhecer que eles não agiram contra o PT, mas ao contrário no longo prazo agiram em favor do PT é preciso saber qual foi a decisão do STF na AP 470. É esta análise que está faltando não só nos comentários dos que defendem o PT como nos comentários dos que são contra o PT.

Só quando as pessoas perceberem que no julgamento da AP 470, o STF mudou o entendimento então prevalecente e fruto de ministros conservadores de que o crime de corrupção incluía o ato (ou a omissão) pelo qual se recebia a vantagem indevida e passou a considerar como crime de corrupção o simples recebimento de vantagem indevida por parte de funcionário público (ou que pudesse se tornar funcionário público) com a gama de poderes de um deputado federal, os ministros atuais do STF serão percebidos como tendo agido em favor do PT e não contra o PT pelo menos no longo prazo.

É importante observar que até então, conforme pode-se ver na própria alegação dos réus na peça de defesa, o recebimento de vantagem indevida por funcionário público com a gama de poderes de um Deputado Federal era o mero crime de caixa dois. Com o novo entendimento do STF, o mero recebimento de vantagem indevida por deputado federal passa a ser crime de corrupção passiva, independentemente se ele praticou ou deixou de praticar (No caso da omissão) o ato pelo qual receberam o vantagem indevida.

Se os réus da corrupção passiva tivessem praticado o ato tanto os réus da corrupção ativa como os réus da corrupção passiva teriam a pena aumentada de um terço. Nenhum deles sofreu esta condenação.

O efeito no curto e no médio prazo do julgamento da Ação Penal 470 foi e será devastador para o PT, mas no longo prazo o PT viu transformar em entendimento do Poder Judiciário aquilo que o PT tentou via Poder Legislativo, mas não conseguiu: aumentar a condenação dos crimes de caixa dois.

Esta transformação do entendimento do Poder Judiciário sobre o crime de corrupção, o PT só conseguiu porque os indicados pelo PT não traíram o PT.

O grande feito da imprensa foi sendo derrotada no seu ideário de ver réus sendo condenados pela compra e pela venda de votos, convencerem a todos de que as pessoas foram condenadas pela compra e venda de votos.

Então seu comentário transformado neste post "O fator Thomaz Bastos e os engenheiros de obras prontas" de domingo, 17/11/2013 às 08:23, em meu entendimento, peca só por não trazer as conseqüências legislativas do julgamento do STF na Ação Penal 470.

Clever Mendes de Oliveira

BH, 17/11/2013 (Em Pedra Azul)

 

Seu voto: Nenhum
imagem de Alberto Pirro
Alberto Pirro

eu lí pasmo o post anterior

eu lí pasmo o post anterior onde tentam atribuir o destino dos mensaleiros a atuação do Thomas Bastos, isso porque ele indicou o Barbosa para o STF, mas quem indicou o FUX?  além disso, o PT ao reclamar que não escolheram juizes seus, esta confessando que quem tentou a absolvição dos mensaleiros não o fizeram pela certeza da inocencia, mas por mera lealdade!

 

 

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de morgana profana
morgana profana

Vitória de Pirro ou outra bomba semiótica...?

Engraçado, como alguns se dedicam a misturar as coisas...

Bom, uma coisa é reivindicar que os juízes escolhidos por este ou aquele governo tenham interpretações constitucionais que se aporximem da orientação política dos governos que os escolheram...Isto não tem nada a aver com a escolha de "juízes domesticados"...

Ou alguém imagina um governo Obama que indique um juiz da Suprema Corte de lá que tenha uma interpretação hostil da Constituição sobre imigração ou sobre a reforma de saúde?

Sendo o governo Lula e Dilma tensionado à esquerda, normal seria que reivindicássemos uma adesão dos juízes escolhidos as causas caras a esquerda, como ampla defesa dos réus, duplo grau de jurisdição, apego as provas, etc...

E tudo o que fizeram, do início ao fim, foi rasgar a CRFB e uma visão humanista e progressista dela...A inclusão da palhalada da teoria do fato nos permite a condenar o comentarista, por exemplo, se o filho dele for traficante, e levar para casa, após a venda da última carga do dia, uma garrafa de vinho para a família brindar, sabendo ele ou não da atividade ilícita do filho, porque como pai, ele "DEVERIA SABER"...

Então, Alberto, meu caro, titia não está falando aqui de culpados e inocentes, mas de garantias individuais, que antecedem esta noção binária...

O problema não é reclamar a absolvição ou condenação, mas antes um julgamento que seja verdadeiro e justo...Eu creio que é isto que está em debate aqui, ou não?

Com este circo, alguém(de bom senso) pode dizer se houve crime, e se há culpados?

Sobre esta deficiência moral insanável é que repousa a culpa do ministro, que, foi incapaz de estrutura as mudanças no estamento judiciário que reduzissem as chances de surgimento de circos judiciários como este, e depois, se incapaz de prever (ou prevenir) estes eventos, fosse capaz de arrumar as soluções que trouxessem o julgamento de volta para "a curva"...

 

Seu voto: Nenhum
imagem de morgana profana
morgana profana

Desrespeitado público!

Dioguito, sua capacidade argumentativa é largamente conhecida, mas tem limites, como todos nós temos...

Poucas vezes titia assistiu sua inserção no debate pela classificação do adversário, pura e simplesmente para interditar a discussão, do tipo: "fulano é enhgenheiro de obras prontas"...

Ora bolas, é claro que boa parte das análises sobre passos e atos de governos se dão depois que vemos os resultados, debater-se contra isto é tolice, e Dioguito não é tolo...Esta é a natureza dos processos de avaliação para planejar e evitar novos erros...

E como tal, cada análise vem impregnada da posição política de quem a faz, porque também quer impor sua visão sobre a que não deu certo!!!! Reclamar disto, é infantilidade...

De outro lado, de nada adianta apenas superestimar os esforços do ministro MTB para fazer aquilo que era o TRABALHO DELE, e de outro lado, subestimar a cobrança por aquilo que ele NÃO FEZ!!!!

Bem, sendo o governo um troço tão frágil, que esteve pendurado por um fio (titia concorda) é lógico que a margem de erro diminui, e os quadros serão cobrados com mais intensidade, principalmente aqueles que se dão, ou reivindicam para si um peso relativo proporcional a habilidade que dizem ter...

O "cachê" de MTB vem de sua conhecida habilidade, ou as pessoas decidem pagar milhões em honorários porque acham ele um velhinho simpático?

Se não, fica fácil: quando acerta é o super-herói, quando erra a culpa é dos outros...Como assim?

MTB, como todo advogado que tem a carteira de clientes que tem, não é santo (e não se trata de criminalizar o exercício da advocacia)...Mas o fato é que sua fortuna em honorários é, em grande parte, amealhada com os frutos dos desvios sobre os quais seus clientes são acusados...

Ou alguém acredita que Beira-Mar é pintor de paredes?

Ou que os honorários pagos por Cachoeira têm origem lícita?

Acender vela para deus e o diabo não é incomum, é antes dogma de sobrevivência nesta profissão, Dioguito, então, se titia não imagina que o batbarbosa deixou de lado suas contradições e idiossincrasias quando virou juiz inquisidor, eu também não acredito que MTB largou o cachimbo na gaveta de seu escritório chique, para consertar a boca quando assumiu o MJ...

Bom, sendo assim, é preciso relativizar o papel de um ministro que, minutos depois de sair do ministério, estava advogando para os principais adversários e responsáveis pelas crises do governo, inclusive e principalmente aqueles que A SUA POLÍCIA INVESTIGOU (cachoeira), sem que tivesse o menor escrúpulo ou pudor, e sem que ninguém o cobrasse por isto, ao menos não na dimensão da contradição que tal comportamento simbolizava...

Se havia escolhas muito melhores para os cargos de juízes do supremo ou de procuradores?

Não sei, é preciso rever os concorrentes, mas o fato é que como Ministro da Justiça, estes procuradores, depois tornados ex-procuradores (e advogados dos principais réus que "beneficiaram") e os juízes do supremo, depois tornados advogados na mesma condição, não foram incomodados por nenhuma articulação política e fiscalizatória dos órgãos e entidades onde o MTB desfilava com rara desenvoltura (como você mesmo disse em seu texto)...

Só o governo apanhou, e o Ministro, junto com o governo ficaram só da DEFENSIVA...E por quê?

Porque, como se diz nas cadeias, MTB "não tava podendo, meu chefe"...Ele não poderia questionar, por exemplo, a ligação de Antonio Fernando de Souza com daniel dantas (ex-procurador geral é o atual advogado de dd) , primeiro porque ele fazia o mesmo quando deixou de ser ministro (advogando para acusados que a PF subordinada a ele investigou), e depois porque o nome que eles constriuiram como "solução" derrotada na presidência da Câmara (Greenhalgh) é ligado até a medula com o "dd"...

Não houve um pio do governo (nem de MTB) neste sentido de denunciar a flagrante promiscuidade do ex-procurador com aquele que é, na verdade, um dos mentores do esquema de financiamento de campanha, desde as privatizações...

Assim como MTB, já advogado dos réus, sabedor das ligações escusas de Ayres Briito e JB com o grupo globo, este grupio beneficiado com as verbas VISANET, sequer verbalizou (seja diretamente, ou através de seu sofisticado esquema de "notinhas nos colonistas amigos") um ataque sequer a esta contradição grave, que poderia tornar suspeito o relator e o presidente da corte, por exemplo...

Com um ministro da Justiça proeficiente, o nome de Lula sequer seria aventado...Com um ministro proativo, a farsa da mensalão não passaria de mais uma pequenina intercorrência jurídica...

Você, caro Diogo,é que está parecendo fiscal de obras (ruins) prontas: Como o ministro (e outros personagens) foi incapaz de barrar que aquela palhaçada da filmagens da propina de 3 mil reais se transformasse no circo do mensalão, agora você se conforma em admirar com a tentativa de conserto feita depois do desmoronamento de boa parte do capital político do governo, e da prisão do seu principal artífice, depois do próprio Lula, óbvio...

O governo só não caiu porque Lula bateu na mesa e disse que se tentassem o golpe ele iria às ruas convocar a população...

O papel de MTB foi ridículo e diminuto, como aliás, foi sempre desde que não conseguiu controlar o seu quintal (PF, OAB, procuradores, etc).

Em política, não há espaço vazio, e é sempre o governo que tem (ou deve ter) a inciativa de ocupar espaços...

Se a o circo 470 aconteceu, é porque alguém falhou: e sendo o circo um problema jurídico, por natureza, é sobre o domador que recai a maior parte da culpa quando as (bestas)feras resolvem assumir o controle do picadeiro...

Cada ano de prisão e sofrimento dos injustiçados da ação 470 têm que ser debitados na conta do ex-ministro, principalmente...

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Respeitável público!

1. Marcio Thomaz Bastos saiu do Ministério da Justiça em março de 2007. Ou seja, há quase 07 anos que ele não é mais Ministro. Quem ele defendeu ou defende agora, através de seu munus advocatício é irrelevante. O caso do Cachoeira foi em 2012, quando ele estava já afastado do Ministério há mais de 05 anos. Logo, a tese de que ele estava advogando para adversários do governo, "minutos depois de sair do Ministério", cai por terra inexoravelmente. Mais do que isto, TODAS as investigações feitas contra Carlos Cachoeira, que estouraram em fevereiro de 2012, foram iniciadas DEPOIS da saída de MTB do Ministério da Justiça.

 

2. Quanto às escolhas para o STF, dos três ministros citados no post (Cesar Peluso, Carlos Ayres Britto e Joaquim Barbosa), apenas Cesar Peluso foi defendido por Marcio Thomaz Bastos. Para quem lembra da atuação dele na AP 470, foi absolutamente correta, sem espalhafatos e com uma tese absolutamente correta na questão da lavagem de dinheiro, ele deu um magnífico voto sobre este item antes de se aposentar. Ayres Britto foi filiado ao PT no passado, chegando a disputar cargos eletivos pela legenda do número 13. A indicação dele NÃO passou por Marcio Thomaz Bastos. E quanto a Joaquim Barbosa, a indicação partiu de Frei Betto, diretamente para Lula e José Dirceu.

 

3. Quanto aos procuradores, repito, o critério (que já virou jurisprudência do PT) é nítido e cristalino, desde o início. O PT optou por varrer da face da Terra o modo como os procuradores gerais eram escolhidos anteriormente, notadamente nos desgovernos do PSDB. E todo mundo aplaudiu na época quando o PT rompeu com essa prática da blindagem e prestigiou como nunca antes na história deste país o Ministério Público Federal.

 

4. Antonio Fernando de Souza deixou de ser Procurador Geral da República em junho de 2009, mais de 02 anos DEPOIS da saída de Marcio Thomaz Bastos do Ministério da Justiça. Antonio Fernando de Souza tornou-se advogado de Daniel Dantas DEPOIS de junho de 2009, quando MTB não era mais Ministro da Justiça. Quando o STF aceitou a denúncia feita em abril de 2006 pelo MPF (aceitou em agosto de 2007), Márcio Thomaz Bastos NÃO era mais Ministro da Justiça!

 

5. Só quem não teve o imenso desprazer de acompanhar minuto a minuto o linchamento executado na AP 470, entre 02 de agosto e 17 de dezembro de 2012, é capaz de imaginar que neste período houve algum espaço, por mínimo que fosse, para furar a barragem instransponível montada pela quadrilha oligopólica máfio-midiática em torno de Joaquim Barbosa e de Ayres Britto. Nada saiu e nada sairia naquela época contra o relator e o então presidente do STF.

 

6. Um Ministro da Justiça "proeficiente" seria capaz de barrar o golpe montado pela Veja e por Carlinhos Cachoeira nos Correios? Como? Mandando matar Roberto Jeferson? Cortando-lhe a língua? Encarcerando-o n'alguma masmorra secreta nos confins da Amazônia para que ele não desse a bombástica entrevista para a jornalista Renata Lo Prete, que detonou a bomba do "mensalão"? Tarso Genro, para quem não lembra, foi o substituto de Marcio Thomaz Bastos no Ministério da Justiça, a partir de março de 2007. E foi nesta gestão de Tarso Genro que aconteceu o famoso episódio do 'grampo sem áudio' no STF, quando o psicopata togado Gilmar Dantas disse que chamaria Lula 'às falas'. Não foram poucas as pessoas que criticaram impiedosamente Tarso Genro pela sua "dubiedade", por ser "claudicante", por colocar Lula em situação 'vexatória', etc... Foi também neste período que se prendeu Daniel Dantas, solto por 02 Habeas Corpus consecutivos do psicopata togado Gilmar Dantas! A culpa por tudo isso foi da "inoperância" de Tarso Genro? Enfim, parece que nada presta e que a culpa é sempre do PT...

 

Por fim, discordo completamente de que as prisões das figuras públicas do PT tem que ser debitadas na conta de Marcio Thomaz Bastos. Isso é um desconhecimento impressionante da dinâmica dos fatos e da dinâmica da política brasileira, desde 2005 até agora. E olha que nem entrei no mérito das 03 CPIs que ocorreram em 2005 e 2006! Ainda vou escrever sobre estas CPIs e relembrar as pessoas dos bastidores dessas Comissões, e de tudo o que lá aconteceu, e de quem eram os parlamentares da bancada Daniel Dantas, e de como blindaram o PSDB para imolar o PT, e de como Henrique Pizzolato foi transformado num boi de piranha (porque era o único direitor do Banco do Brasil indicado pelo PT) para que os outros diretores (indicados pelo PSDB) saissem pela tangente.

 

E também hei de relembrar o fogo amigo que contaminou as CPIs, mas principalmente a CPMI dos Correios, que não incluiu Daniel Dantas no relatório final, livrando a cara dele próprio e do PSDB, e com a ajuda de fogo amigo, inclusive de fogo amigo do próprio Partido dos Trabalhadores.

Seu voto: Nenhum

Diogo Costa

imagem de morgana profana
morgana profana

O tempo e o vento...

O vento leva as palavras, e o tempo é o senhor da razão...

Bem, Diogo quer nos fazer crer que a História seja feita e se movimente por datas fechadas e eventos estanques, vamos dissecar esta noção nas suas próprias palavras:

 

1. Marcio Thomaz Bastos saiu do Ministério da Justiça em março de 2007. Ou seja, há quase 07 anos que ele não é mais Ministro. Quem ele defendeu ou defende agora, através de seu munus advocatício é irrelevante. O caso do Cachoeira foi em 2012, quando ele estava já afastado do Ministério há mais de 05 anos. Logo, a tese de que ele estava advogando para adversários do governo, "minutos depois de sair do Ministério", cai por terra inexoravelmente. Mais do que isto, TODAS as investigações feitas contra Carlos Cachoeira, que estouraram em fevereiro de 2012, foram iniciadas DEPOIS da saída de MTB do Ministério da Justiça.

Resposta: Dioguito tem o direito de não saber o tempo de maturação que envolve uma notícia-crime, um Inquérito Policial, e seus desdobramentos...Ele tem o direito de imaginar que o caso cachoeira "foi em 2012"...O que ele não tem o direito é de nos empurrar goela adentro estes equívocos, seja por ingenuidade ou por necessidade de "vencer" o debate...Um caso "que estoura" em 2012, COM AMPLA E TOTAL CERTEZA teve seu início quando MTB ainda era ministro, e já que estamos no campo dos "chutes diogonais", nada nos desautoriza a imaginar que tal período de incubação do "caso" tenha se dado justamente porque o ministro(e depois advogado) esteve lá, ou seríamos levianos demais?

2. Quanto às escolhas para o STF, dos três ministros citados no post (Cesar Peluso, Carlos Ayres Britto e Joaquim Barbosa), apenas Cesar Peluso foi defendido por Marcio Thomaz Bastos. Para quem lembra da atuação dele na AP 470, foi absolutamente correta, sem espalhafatos e com uma tese absolutamente correta na questão da lavagem de dinheiro, ele deu um magnífico voto sobre este item antes de se aposentar. Ayres Britto foi filiado ao PT no passado, chegando a disputar cargos eletivos pela legenda do número 13. A indicação dele NÃO passou por Marcio Thomaz Bastos. E quanto a Joaquim Barbosa, a indicação partiu de Frei Betto, diretamente para Lula e José Dirceu.

Resposta: Ótimo, pelo critério do Diogo, o ministro da JUSTIÇA só deve ser cobrado por quem ele indicou, como se o fato de não ter indicado o absolvesse de suas ações (ou omissões) para construir a base de apoio para que as indicações de outros (do governo) se concretizassem...Segue a realidade diogonal: eventos são estanques!

3. Quanto aos procuradores, repito, o critério (que já virou jurisprudência do PT) é nítido e cristalino, desde o início. O PT optou por varrer da face da Terra o modo como os procuradores gerais eram escolhidos anteriormente, notadamente nos desgovernos do PSDB. E todo mundo aplaudiu na época quando o PT rompeu com essa prática da blindagem e prestigiou como nunca antes na história deste país o Ministério Público Federal.

Resposta: No meu texto eu não discuto esta bobagem de prestigiar o MPF pelo PT (outra idiotice contra a qual o MTB também se omitiu, sendo ele quem é, e conhecendo o partido do MP)...Estou a discutir sua inação, seja como ministro, seja como advogado, mas principalmente como quadro do PT, silenciando frente as ligações promíscuas de todos com os réus, justamente porque este era seu calcanhar de Aquiles

4. Antonio Fernando de Souza deixou de ser Procurador Geral da República em junho de 2009, mais de 02 anos DEPOIS da saída de Marcio Thomaz Bastos do Ministério da Justiça. Antonio Fernando de Souza tornou-se advogado de Daniel Dantas DEPOIS de junho de 2009, quando MTB não era mais Ministro da Justiça. Quando o STF aceitou a denúncia feita em abril de 2006 pelo MPF (aceitou em agosto de 2007), Márcio Thomaz Bastos NÃO era mais Ministro da Justiça!

Resposta: E como deixou de ser ministro, MTB morreu para a política, e todos os seus atos (ou omissões) devem ser apenas enquadrados na perspectiva da sua gestão no MJ...Ai, ai, ai, titia não aguenta este tipo de ingenuidade...

E sendo ele quem é, porque não ouvimos de sua boca (ou de seus teleguiados) nenhuma alusão ao fato da globo, antonio fernando de souza, jb, etc, estarem ligados até a medula com o VISANET, e de quebra com daniel dantas? Será que ele esqueceu como se faz? Ou será um respeito a algum tipo de "ética" entre os que detêm o munus advocatício (ou seria, neste caso, o humus?)...?

5. Só quem não teve o imenso desprazer de acompanhar minuto a minuto o linchamento executado na AP 470, entre 02 de agosto e 17 de dezembro de 2012, é capaz de imaginar que neste período houve algum espaço, por mínimo que fosse, para furar a barragem instransponível montada pela quadrilha oligopólica máfio-midiática em torno de Joaquim Barbosa e de Ayres Britto. Nada saiu e nada sairia naquela época contra o relator e o então presidente do STF.

Resposta: Tática diogonal, comum na mídia tradicional e na construção de consensos: como não sou capaz de dar respostas às minhas falhas, superdimensiono o papel dos inimigos...Assim que boa parte do PCC e dos comandos do RJ se criaram...Como as polícias e os governantes não sabiam o que fazer, elegem inimigos públicos número 1...que agora, de fato, são o que são! O primeiro passo para a criação de um supervilão é a propaganda das forças estatais...

Dentro desta compreensão, só teve espaço para uma oposição mequetrefe, que encurralada no Senado e na Câmara juntou-se a uma mídia decadente e canhestra, que depois enfrentaram e quase derrubaram um presidente que fez sua sucessora(um poste) e depois, no auge da carnifican elegeu o prefeito (outro poste) da maior cidade do país...Ué, alguma coisa nesta conta (faz de?) não fecha...Governos com 70 ou 80% de aprovação esmagados por juizes e por TVs...Bem, este cenário só é possível se houver espaço(incompetência), e se há espaço(incompetência) os ministros e líderes têm que arcar com suas parcelas de culpas ou não? 

6. Um Ministro da Justiça "proeficiente" seria capaz de barrar o golpe montado pela Veja e por Carlinhos Cachoeira nos Correios? Como? Mandando matar Roberto Jeferson? Cortando-lhe a língua? Encarcerando-o n'alguma masmorra secreta nos confins da Amazônia para que ele não desse a bombástica entrevista para a jornalista Renata Lo Prete, que detonou a bomba do "mensalão"? Tarso Genro, para quem não lembra, foi o substituto de Marcio Thomaz Bastos no Ministério da Justiça, a partir de março de 2007. E foi nesta gestão de Tarso Genro que aconteceu o famoso episódio do 'grampo sem áudio' no STF, quando o psicopata togado Gilmar Dantas disse que chamaria Lula 'às falas'. Não foram poucas as pessoas que criticaram impiedosamente Tarso Genro pela sua "dubiedade", por ser "claudicante", por colocar Lula em situação 'vexatória', etc... Foi também neste período que se prendeu Daniel Dantas, solto por 02 Habeas Corpus consecutivos do psicopata togado Gilmar Dantas! A culpa por tudo isso foi da "inoperância" de Tarso Genro? Enfim, parece que nada presta e que a culpa é sempre do PT...

Resposta: A relação dos episódios só ratifica a minha tese, e não a desconstrói, ou seja: Um governo que está sob o ataque que está não tem chance de errar, e se erra, não pode repetir, inclusive no caso DD...Dioguito, se era para passar o vexame que passaram(e isto tem que  ser colocado na mesa quando se vai prender alguém como dd), melhor evitar o espetáculo da prisão, e conseguir uma condenação definitiva depois, "preservando" o processo da exposição da "mídia amiga", justamente onde eles operam com maestria...

Resultado: Depois do oba-oba das algemas (realmente desnecessárias), dd revidou, trancou ação e quase acabou com a vida dos policiais da PF que serviram de bucha para os sonhos de megalomania e das disputas dos amigos e inimigos de DD dentro do governo...Gushiken que o diga...

No outro tema, claro que o episódio jefferson não poderia (ou pelo menos, nem sempre pode) ser controlado por governos, mas a dimensão que causou sim...isto é fato...E fica a questão: Por que o super MTB saiu em 2007, no olho do furacão, deixando o MJ nas mãos de tarso sogro, um zérruela que só serviu para destilar seus ódios e contas das lutas internas do partido como ministro????

Por fim, discordo completamente de que as prisões das figuras públicas do PT tem que ser debitadas na conta de Marcio Thomaz Bastos. Isso é um desconhecimento impressionante da dinâmica dos fatos e da dinâmica da política brasileira, desde 2005 até agora. E olha que nem entrei no mérito das 03 CPIs que ocorreram em 2005 e 2006! Ainda vou escrever sobre estas CPIs e relembrar as pessoas dos bastidores dessas Comissões, e de tudo o que lá aconteceu, e de quem eram os parlamentares da bancada Daniel Dantas, e de como blindaram o PSDB para imolar o PT, e de como Henrique Pizzolato foi transformado num boi de piranha (porque era o único direitor do Banco do Brasil indicado pelo PT) para que os outros diretores (indicados pelo PSDB) saissem pela tangente.

Resposta: Dioguito, têm que ser debitadas na conta do MTB e de todos os demais, ou será que vamos passar por isto apenas lamentando que os homens maus nos roubaram o pirulito e nos passaram a mão na bunda?

Eu não posso debitar estas prisões na conta dos inimigos, porque para eles é crédito...Eu tenho é que procurar saber onde foi que o governo errou...MTB é um destes erros, e graves, só você não quer ver(sabe-se la porquê)...mas não interessa...respeito suas questões pessoais...

E também hei de relembrar o fogo amigo que contaminou as CPIs, mas principalmente a CPMI dos Correios, que não incluiu Daniel Dantas no relatório final, livrando a cara dele próprio e do PSDB, e com a ajuda de fogo amigo, inclusive de fogo amigo do próprio Partido dos Trabalhadores.

Resposta: Pois é, difícil acreditar que todo este monstrengo gestou-se no seio do governo sem a omissão do MTB...Ou será que, utilizando sua lógica ricúpero(?), só o que é bom deve ser faturado para ele...

Então me diga: em algum momento você enxerga uma atuação ruim do MTB? Diga-nos qual?

Seu voto: Nenhum

"Buenas e me espalho (...)" - Tréplica

1. É fato público, notório e incontroverso que as investigações que culminaram com o estouro do caso Carlinhos Cachoeira, em fevereiro de 2012, iniciaram através das Operações Monte Carlo e Vegas, do Departamento da Polícia Federal de Goiás, que buscavam coibir a exploração de máquinas caça-níqueis e de jogos de azar. Estas investigações, como também é público, notório e incontroverso, iniciaram em 2008.

 

2. Realidade 'diogonal', engraçado mas inverídico. Não, a história não é estanque. E o post, bem como o comentário anterior demonstram isso de forma cabal, através da narrativa cheia de contextos que buscam justamente demonstrar o encadeamento dos eventos históricos. Defendes que MTB pecou por "omissão". É quase dizer que ele deve ser condenado pelo 'domínio do fato', afinal de contas, não tinha como não saber que as escolhas para o STF em 2003 resultariam em eventos trágicos contra o PT nove anos depois, em 2012. Discordo desta análise por razões óbvias. 

 

3. Bobagem ou não, o fato concreto e indesmentível é que o PT passou os oito anos de FHC criticando o método de escolha dos procuradores gerais. E justamente por causa deste CONTEXTO político que o PT resolveu mudar o critério para a escolha dos procuradores gerais da república, como está amplamente demonstrado no post. Márcio Thomaz Bastos não é e nunca foi um 'quadro' do PT.

 

4. Esta crítica, se considerarmos que é válida, tem de se aplicada para outras várias pessoas, para outras dezenas, talvez centenas de pessoas que sabem dessas intestinas ligações entre Daniel Dantas, Rede Globo, PSDB e afins. Então, porque a crítica centra fogo em Márcio Thomaz Bastos, que participou ativamente do Gabinente de Crise montado por Lula em 2005 para acompanhar diuturnamente os passos da oposição e da mídia sobre a questão da AP 470? Para quem não lembra, faziam parte deste Gabinete o ex Ministro Márcio Thomaz Bastos, Gilberto Carvalho, Dilma Rousseff e Ciro Gomes. Então, a crítica (se é que ela é válida) fica só por conta de MTB? Porquê?

 

5. Se incompetências houveram, a história há de demonstrar. O fato cabal e indesmentível é que o PT resolveu centrar fogo na disputa eleitoral de 2012, ao invés de centrar fogo na questão da AP 470. Essa tática foi delineada, como também é público e notório, por Lula, José Dirceu, José Genoíno e Rui Falcão. Acertada a tática? Há controvérsias. Mas isto é o que houve no segundo semestre de 2012. De modo que se esta tática está incorreta, que tal criticar quem bancou a mesma?

 

6. Quem prendeu Daniel Dantas foi o delegado Protógenes Queiróz, com autorizações judiciais de Fausto de Sanctis. Este é um caso para lá de controverso, Protógenes agiu a revelia de seus superiores hierárquicos (maldita hierarquia?) e sofreu as sanções legais em função disto. A Operação Satiagraha está 'trancada' hoje no STF, se não me engano, sob a relatoria do Ministro Dias Tóffoli. Porque MTB saiu em 2007? Boa pergunta. Mas deveria ser dirigida ao Lula que o segurou até março de 2007 (ele já queria ter saído no primeiro semestre de 2006), não a mim.

 

Sobre os acertos e erros, nenhuma dúvida de que o ponto inicial foi um erro político do PT. O erro de achar que poderia tecer relações com um dos office boys de Daniel Dantas (Marcos Valério) e sair impunemente disto. O próprio José Dirceu já cansou de falar que em toda esta história ele não perdoa a si próprio pelos erros políticos que cometeu durante todo este imbróglio.

 

Este monstrengo não foi gestado pela omissão de MTB. Esse monstrengo (fogo amigo) foi gestado por inúmeros outros fatores, que passam por financiamentos de campanhas, em especial, mas não somente. Quanto a atuação de MTB em todo este processo, atribuo a ele o mesmo grau de responsabilidade que se possa atribuir ao Ministro da Justiça de Getúlio Vargas, Tancredo Neves, quando do suicídio do mesmo. E também o mesmo grau de responsabilidade que se possa atribuir ao Ministro da Justiça de João Goulart, Abelardo Jurema, quando do estouro do golpe militar de 1964.

Seu voto: Nenhum

Diogo Costa

imagem de morgana profana
morgana profana

Não tem problema, titia te junta, de novo...

Dioguito:

1. É fato público, notório e incontroverso que as investigações que culminaram com o estouro do caso Carlinhos Cachoeira, em fevereiro de 2012, iniciaram através das Operações Monte Carlo e Vegas, do Departamento da Polícia Federal de Goiás, que buscavam coibir a exploração de máquinas caça-níqueis e de jogos de azar. Estas investigações, como também é público, notório e incontroverso, iniciaram em 2008.

Resposta: Seu conhecimento sobre os meandros da investigação policial são parcos...em 2008 tiveram início as investigações que desdobraram de outras tantas investigações sobre cachoeira e seu grupo, que foram então, sintetizadas em 2008 em um inquérito-mãe...

Mas fica a pergunta: como alguém pode advogar para um suspeito que foi investigado pelo polícia que comandou até 2007?

2. Realidade 'diogonal', engraçado mas inverídico. Não, a história não é estanque. E o post, bem como o comentário anterior demonstram isso de forma cabal, através da narrativa cheia de contextos que buscam justamente demonstrar o encadeamento dos eventos históricos. Defendes que MTB pecou por "omissão". É quase dizer que ele deve ser condenado pelo 'domínio do fato', afinal de contas, não tinha como não saber que as escolhas para o STF em 2003 resultariam em eventos trágicos contra o PT nove anos depois, em 2012. Discordo desta análise por razões óbvias. 

Resposta: Não, filho, criminalmente ele não pode ser responsabilizado, mas politicamente você sabe que as coisas se encadeiam de formas bem diferentes...Não falamos de condenação, nem em exclusividade em apontar o dedo para MTB...Trata-se apenas de, se temos que considerar os erros da cúpula do PT, com certeza, ele deverá estar incluído, coisa que você refuta, deus sabe porquê...Ainda mais sendo ele o "picão das galáxias" que ele diz ser...

3. Bobagem ou não, o fato concreto e indesmentível é que o PT passou os oito anos de FHC criticando o método de escolha dos procuradores gerais. E justamente por causa deste CONTEXTO político que o PT resolveu mudar o critério para a escolha dos procuradores gerais da república, como está amplamente demonstrado no post. Márcio Thomaz Bastos não é e nunca foi um 'quadro' do PT.

Resposta: Dioguito, você sabe que MTB sempre esteve vinculado aos hostes mais coroadas do PT, e que foi esta condição que o alçou ao cargo de ministro...

4. Esta crítica, se considerarmos que é válida, tem de se aplicada para outras várias pessoas, para outras dezenas, talvez centenas de pessoas que sabem dessas intestinas ligações entre Daniel Dantas, Rede Globo, PSDB e afins. Então, porque a crítica centra fogo em Márcio Thomaz Bastos, que participou ativamente do Gabinente de Crise montado por Lula em 2005 para acompanhar diuturnamente os passos da oposição e da mídia sobre a questão da AP 470? Para quem não lembra, faziam parte deste Gabinete o ex Ministro Márcio Thomaz Bastos, Gilberto Carvalho, Dilma Rousseff e Ciro Gomes. Então, a crítica (se é que ela é válida) fica só por conta de MTB? Porquê?

Resposta: Mas o post e o debate é sobre MTB, quando chegar a hora dos outros, debateremos sem problemas...mas por que excluir o MTB sem qualquer possibilidade de aquilatar os erros que tenha cometido? É pessoal, porque se for, titia respeita...

5. Se incompetências houveram, a história há de demonstrar. O fato cabal e indesmentível é que o PT resolveu centrar fogo na disputa eleitoral de 2012, ao invés de centrar fogo na questão da AP 470. Essa tática foi delineada, como também é público e notório, por Lula, José Dirceu, José Genoíno e Rui Falcão. Acertada a tática? Há controvérsias. Mas isto é o que houve no segundo semestre de 2012. De modo que se esta tática está incorreta, que tal criticar quem bancou a mesma?

Resposta: Dioguito, esta escolha não invalida o debate, e nem nos obriga a criticar o Lula (mas se for o caso, pau nele também)...Até porque, em 2012, chegou-se a esta "escolha" por falta de escolha, ou seja, como o stf já estava cristalizado em sua posição, comoa tocha acesa e a fogueira pronta, restou ganhar as eleições e recuperar o estrago feito até então, por todos os erros cometidos, inclusive os de MTB...

6. Quem prendeu Daniel Dantas foi o delegado Protógenes Queiróz, com autorizações judiciais de Fausto de Sanctis. Este é um caso para lá de controverso, Protógenes agiu a revelia de seus superiores hierárquicos (maldita hierarquia?) e sofreu as sanções legais em função disto. A Operação Satiagraha está 'trancada' hoje no STF, se não me engano, sob a relatoria do Ministro Dias Tóffoli. Porque MTB saiu em 2007? Boa pergunta. Mas deveria ser dirigida ao Lula que o segurou até março de 2007 (ele já queria ter saído no primeiro semestre de 2006), não a mim.

Resposta: Dioguito, você acredita, seriamente, na tese de que um delegado pode agir com tanta desenvoltura, incluir o apoio da Abin, sem ciência de seus superiores? 'Tá se vendo que você não conhece nada mesmo dos meandros da PF, da reação de dd e seus sabujos junto aos superiores do delegado, etc, etc e etc...

Esta foi a versão que foi passada para tentar consertar os estragos e ceder as chantagens do dd...Foi um jogo, e perdemos...

O primeiro a trancar a operação foi o STJ, depois o Eros Grau, Ellen Gracie (o hd apreendido), etc...Tóffoli só está confirmando uma cagada que não tem mais volta, tamanho o estrago já feito no suporte probatório, etc...

Sobre os acertos e erros, nenhuma dúvida de que o ponto inicial foi um erro político do PT. O erro de achar que poderia tecer relações com um dos office boys de Daniel Dantas (Marcos Valério) e sair impunemente disto. O próprio José Dirceu já cansou de falar que em toda esta história ele não perdoa a si próprio pelos erros políticos que cometeu durante todo este imbróglio.

 

Este monstrengo não foi gestado pela omissão de MTB. Esse monstrengo (fogo amigo) foi gestado por inúmeros outros fatores, que passam por financiamentos de campanhas, em especial, mas não somente. Quanto a atuação de MTB em todo este processo, atribuo a ele o mesmo grau de responsabilidade que se possa atribuir ao Ministro da Justiça de Getúlio Vargas, Tancredo Neves, quando do suicídio do mesmo. E também o mesmo grau de responsabilidade que se possa atribuir ao Ministro da Justiça de João Goulart, Abelardo Jurema, quando do estouro do golpe militar de 1964.

 

Resposta: No mais, concordamos, mas fica a pergunta: Algum destes citados por você saiu do governo e foi advogar por um dos principais investigados da PF, e que poderia atacar de frente a maior publicação semanal, desmascarando-a para sempre?????

Seu voto: Nenhum

Nessas horas o Diogo não

Nessas horas o Diogo não lembra da nomeação do Fux e da entrevista recente dele explicando como foi republicano todo o processo...

Mas aquilo deve ter sido um sonho, já que o governo/PT/Lula/etc é infalível e sempre faz o melhor possível em qualquer situação.

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de Arthemísia
Arthemísia

De acordo. O PT só paga o

De acordo. O PT só paga o preço de sermos uma democracia fraca, só isso. Infelizmente o preço éalto para pessoas como José Dirceu e José Genoíno.

Uma coisa é certa, todos pagamos o preço de um poderoso lobby feito ainda na Assembléia Constituinte pelos experts juristas. Observem: da Constituição Federal de 88 para cá, qual foi o poder que mais cresceu? Qual poder que não sofre o menor controle social? Quem se tornou poder, na prática, sem sê-lo de direito? 

Criamos o monstro, agora falta aprender a lidar com ele.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Lanterna na popa

Nunca tive profundidade, inteligência ou poder para erguer um farol que lançasse um facho de luz para as futuras gerações. Estas memórias são apenas uma lanterna na popa de um pequeno barco. Como dizia Samuel Taylor Coleridge "a luz que a experiência nos dá é a de uma lanterna na popa, que ilumina apenas as ondas que deixamos para trás."

O texto acima está no início da auto-biografia de Roberto Campos. A considerar o que diz Campos citando Samuel Coleridge e a crítica de Diogo Costa, todo historiador, creio que André Araujo é um deles, seria um engenheiro de obras prontas.

Prefiro parafrasear Gerge Santyana "aqueles que não aprendem com os erros passados estão condenados a repetí-los".

Em um artigo a respeito da eminente eleição de Lula em 2002, Eliane Cantanhêde apontava como risco o fato de que Lula nomearia durante seu mandato 9 Ministros do STF. Eliane, safa, sabia do que falava. Lula, aparentemente, não.

Creio que é disso que André fala, da realpolitik envolvendo a forma pela qual são indicados os Ministros do Supremo e Procuradores Gerais em relação à garantia de governabilidade. Da nessecidade de estabelecer compromissos entre o indicado e a governabilidade de quem indicou.

Não se trata de imputar erros a Lula, o PT não tinha a experiência do PSDB em ser governo. Mas trata-se de cobrar de Marcio Thomaz Bastos a responsabilidade sim. Ele tinha, ou deveria ter, o conhecimento de quem era quem na magistratura e a vivência de tribunal suficente para saber como e com quem estabelecer tais compromissos.

Dilma, "engenheirona de obras prontas", aprendeu rápido. Veja a qualidade de suas primeiras indicações, Luiz Fux e Rosa Weber, com as seguintes, Teori Zavascki e Luís Roberto Barroso. Ainda falta o tal compromisso do qual fala André, mas a melhora qualitativa salta aos olhos.

Seu voto: Nenhum

Ouso pensar porque ouso pensar que ouso pensar.

 

caro Sergio

Uma coisa um tanto obvia do ponto de vista atual, com Cia, Snowden, Nsa, Abin : este tipo de coisa devia ser objeto permanente de investigaçao sigilosa do partido,  pois trata-se simplesmente de informaçoes de cunho intelectual/politico que podem ser obtidas legalmente antes das nomeaçoes.  O Diogo que me desculpe, mas é obvio que conhecer os pontos de vista de candidatos a postos cuja nomeaçao é de responsabilidade da presidencia nao podem ser negligenciados neste ponto. Numa comparaçao com o mundo corporativo, quem em sã consciencia iria contratar um notorio ativista pelo direito dos animais pra trabalhar com propaganda pro setor de carnes?  Acho que a comparaçao foi suficiente forte pra avaliar a importancia politica destes ministros. E nao só nas questoes que interessam diretamente ao executivo, mas tb naquelas onde os pontos de vista sejam coicidentes com os anseios de justiça mais justa, mais presente e rapida, com todo o aparato investigatorio e com estrito cumprimento do texto constitucional, defendendo primeiramente a republica brasileira, o que deveria ser o anseio de qualquer brasileiro independente do partido.  Pelo menos na minha opiniao.

Seu voto: Nenhum
imagem de Rabuja
Rabuja

Esta postagem confirma a

Esta postagem confirma a principal crítica feita na postagem que a desencadeou: petistas são e continuam ingênuos. Os que assumiram o poder e os que o seguem fielmente, independente das razões. Na impossibilidade de outro argumento para justificar a ingenuidade, o mantra agora é o papo de governo republicano. Aliás, é a mesma desculpa para continuar enchendo os cofres da mídia velha com dinheiro de publicidade e apanhar dia e noite de modo cada vez mais inescrupuloso.

 

 

Seu voto: Nenhum (5 votos)

O André Motta Araújo está

O André Motta Araújo está empenhado em (re)escrever a História do Brasil  segundo André Motta-Araújo, o Hobsbawm do Jardim Europa.

Seu voto: Nenhum (8 votos)

Quem escreve um conto...

E dá para ser de outro jeito?

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Ouso pensar porque ouso pensar que ouso pensar.

 

MA e AA são a mesma pessoa?

Fernando, dias atrás perguntei se o Motta era o AA e os dois comentaram no mesmo post, não responderem sim nem não, apenas comentaram, de forma que, como os dois são cadastrados, podem ou não serem a mesma pessoas, prá ter certeza, tenho que ver o Motta usando termos do AA, ainda não vi, estou na espreita.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

 

...spin

 

 

Avatar ! Sim. AA e Motta são

Avatar !

Sim. AA e Motta são as mesma pessoa, inclusive o AA já tinha escrito um texto praticamente idêntico a este, culpando o MTB por ter sido responsável pelo caminho que o episódio mensalão tomou.

Abs.

Nilva

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Mesmíssima pessoa, até nas

Mesmíssima pessoa, até nas vírgulas são iguais. Quem conhece a fundo a genealogia da realeza europeia desde os Tudors senão o enviado especial ao Castelo de Caras? E os preconceitos? Rigorosamente os mesmos, a mesma bronca com o "excesso de direitos" das empregadas domésticas que já não dormem mais na senz...ops, no emprego, e por aí vai. 

Seu voto: Nenhum (7 votos)

São as mesmas pessoas porque

São as mesmas pessoas porque os argumentos são so mesmos.

Quanto a André Araujo, trata-se de um conservador no que o conservadorismo tem de melhor.

Deve ter horror à Caras, "nouveau riche est si désagréable".

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Ouso pensar porque ouso pensar que ouso pensar.

 

imagem de Alexandre Bueno
Alexandre Bueno

O PT no poder e o Mensalão

Bom dia Nassif e Amigos. Tendo em vista a natureza deste espaço, mais racional e menos emocional, gostaria de colocar meus pontos acerca do PT no poder e o Mensalão.

Com relação à análise do Diego, nada a acrescentar. Recortou e organizou muito bem os fatos, por isso não pretendo me estender a respeito. O ponto é que o PT também pecou. Pecou em certo deslumbre, pecou em suas articulações e pecou, fundamentalmente, na fé de alguns de seus caciques de que poderiam fazer parte do "clube" ou do establishment, particularmente o midiático, se eles fossem "bonzinhos"com seus atuais algozes.

E neste contexto, alguns episódios merecem ser discutidos: por exemplo, a famosa CPI do Banestado, que apanhou grão-tucanos e outros com a boca na botija. E a grande pergunta que se faz é por que o PT recuou? Em nome da República, em nome do "não revanchismo"? Sei...

E nestes 10 anos temos assistido uma série de trombadas, faltas de articulação e medidas estranhas: exemplos? O PT sempre preservou Maluf, inclusive na CPI do Banestado. Outro, a Globo quebrou e houve aportes do BNDES. Por que? Palocci capa da Veja. Abafamento geral e irrestrito da Operação Satiagraha e depois dinheiro do BNDES - sempre ele - para patrocinar a estapafúrdia fusão Oi-Brasil Telecom. 

Seguindo na série de deslizes, temos ainda a bizonha nomeação de Joaquim Barbosa e a cereja do bolo, Fux. Sim, o Fux!!!  Além disso, tome-se a CPI do nosso amigo Carlinhos Cachoeira. Chance de desmoralizar de vez o bantitismo de certa mídia e ainda colocar na mesa uma discussão madura acerca dos limites empresariais do jornalismo e regulamentar o direito de resposta. E o que foi percebido foi outro recuo. 

Tendo em vista tais aspectos, pode-se até inferir que a militância Petista também foi traída com tais atos. Paulistano de classe média de centro-esquerda cresceu combatendo o Malufismo, criticando aparelhamentos e privilégios  e defendendo a ética. E neste sentido o PT burocrata falhou. Ok, tivems ganhos em outras frentes, como a social, mas enquanto valores e projeto de País o PT está devendo. E muito.

A burocracia Petista foi para a Alemanha e hoje não fala nem Português tampouco Alemão. E o julgamento do Mensalão corou este descasamento entre os recuos que no fundo eram uma maneira de ser aceito no "clube" e uma elite despreparada e com traços fascístas que não quer nem ouvir falar no PT. E nunca vai querer. 

 

 

Seu voto: Nenhum
imagem de Ivan de Union
Ivan de Union

"Também é bom sempre

"Também é bom sempre relembrar que a OAB teve uma reunião tensa e decisiva para o futuro da democracia brasileira, em maio de 2006. Nesta reunião foi arquivado o pedido de impeachment que alguns de seus integrantes solicitaram contra o presidente Lula. E porque foi arquivado?"

(...)  "foi mobilizado meio mundo para que a OAB não entrasse com um pedido de impeachment contra Lula em maio de 2006":

Gente, QUEM a OAB pensa que eh?!?!

Nos EUA, se uma Ana de advogados tentasse um truquinho desses, o FBI os  fo de ria  da noite pro dia!

Como ninguem no Brasil nota que a OAB nao eh digna de lavar banheiro, muito menos de se intrometer em politica tao abertamente como o faz???

Repito:  QUEM eles pensam que sao??????????

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de JorgeLuis
JorgeLuis

Cabe aqui uma pergunta

Ok. Já ouvimos os dois lados da questão. Acho que existem pontos relevantes nos dois casos. Mas e agora? Daqui para frente, o que o PT deve fazer? Deve continuar a ser "republicano", ou "ingênuo" de acordo com alguns?

Concordo que é complicado prever o comportamento futuro de alguém que aparenta ser aliado. Mas acho que em todos esses anos de governo já deu para identificar quem está atuando a favor ou contra o projeto de governo do PT, principalmente no segundo escalão do executivo.

Já não é hora de fazer alguns remanejamentos, principalmente na SECOM, Ministério das Comunicações e Ministério da Justiça, redutos de tucanos enrustidos, tantas vezes denunciados pelos blogs sujos?

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.