Revista GGN

Assine

Onde explodirá a próxima bolha, por Jim O’Neill

do Project Syndicate

Onde explodirá a próxima bolha

por Jim O’Neill

9 de agosto de 2017, é o décimo aniversário da decisão do banco francês BNP Paribas de congelar cerca de US $ 2,2 bilhões de fundos do mercado monetário. Aqueles de nós que estavam ativos nos mercados financeiros na época lembram desse evento como o início da pior crise financeira global desde a Grande Depressão.

Muitos economistas e observadores financeiros argumentam que ainda estamos vivendo as consequências dessa crise e com as forças que a incitaram. Isso é parcialmente verdade. Muitas economias desenvolvidas ainda têm políticas monetárias não convencionais, como a flexibilização quantitativa, e tanto a produtividade como o crescimento salarial real (ajustado pela inflação) parecem estar estagnados.

Mas é importante colocar esses procedimentos em perspectiva. Muitas pessoas, incluindo a Rainha da Inglaterra, em novembro de 2008, ainda perguntam: "Por que ninguém viu isso?" Na verdade, muitos observadores financeiros alertaram que os preços da habitação nos Estados Unidos estavam aumentando de forma indesejável, especialmente devido à falta de poupança pessoal entre os consumidores dos EUA.

Como economista-chefe da Goldman Sachs na época, escrevi três documentos diferentes ao longo de vários anos mostrando que o déficit da conta corrente dos EUA era insustentável. Infelizmente, essas descobertas caíram em ouvidos surdos e os operadores de câmbio da empresa provavelmente se aborreceram com as conclusões.

Em um ponto em 2007, o déficit da conta corrente dos EUA foi calculado em 6-7% do PIB (desde então, foi revisado para baixo para cerca de 5% para todo o ano). Esse alto número refletiu o fato de que a balança comercial dos EUA estava se deteriorando constantemente desde a década de 1990. Na ausência de quaisquer consequências negativas óbvias, no entanto, a complacência se estabeleceu, e os EUA continuaram a gastar mais do que economizaram.

Enquanto isso, a China havia passado a década de 1990 exportando produtos de baixo valor agregado para o resto do mundo, e não menos para os consumidores dos EUA. Em 2007, o seu excedente da conta corrente foi de cerca de 10% do PIB - a imagem espelhada dos EUA. Enquanto este estava economizando muito pouco, a China estava economizando demais.

Para alguns observadores, esse enorme desequilíbrio internacional foi a fonte da crise. Nos anos que antecederam o crack, eles argumentaram que o sistema financeiro global estava simplesmente fazendo seu trabalho, encontrando formas cada vez mais inteligentes de reciclagem dos excedentes. Claro, agora sabemos que ele executou esse trabalho bastante mal.

Muito mudou na década intermediária. Em 2017, a China gerará um excedente de conta corrente de 1,5-2% do PIB, e os EUA provavelmente irão encontrar um déficit de cerca de 2%, mas possivelmente até 3% do PIB. Esta é uma grande melhoria para as duas maiores economias do mundo.

Ainda assim, outros países criaram desequilíbrios de conta corrente cada vez maiores ao longo da última década. O principal deles é a Alemanha, cujo excedente externo agora ultrapassa 8% do PIB. A conta corrente da Alemanha sugere que há desequilíbrios profundos que podem levar a uma nova crise se a formulação de políticas não estiver bem coordenada. A última coisa que a Europa precisa é outra reversão súbita, como vimos no auge da crise da dívida grega.

O Reino Unido, por sua vez, terá um déficit de conta corrente acima de 3% do PIB este ano, que é quase três vezes o de  dez anos atrás. Mas isso não quer dizer que a balança comercial do Reino Unido tenha se deteriorado significativamente. Em vez disso, reflete o fato de que o Reino Unido é um importante centro financeiro e que os retornos dos investimentos mudaram mais no Reino Unido do que em outros lugares.

Tudo dito, a economia global hoje é muito mais saudável do que era há dez anos. Muitos ficaram desapontados com o fato de que o crescimento real do PIB mundial, desde a crise, tenha superado o desempenho na década anterior. Mas desde 2009 - o pior ano da recessão - a economia global cresceu a uma taxa média de 3,3% , assim como nos anos 80 e 90.

É claro que isso é em grande parte devido à China, o único país BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) que atendeu as expectativas de crescimento para a década (embora a Índia não esteja muito atrasada). O tamanho da economia chinesa mais do que triplicou em termos nominais desde 2007, com o PIB aumentando de US $ 3,5 trilhões para cerca de US $ 12 trilhões. Como resultado, o tamanho agregado das economias do BRIC é agora de cerca de US $ 18 trilhões, que é maior do que a União Europeia e quase tão grande quanto os EUA.

Haverá inevitavelmente outra bolha financeira, por isso vale a pena perguntar onde poderá ocorrer. Na minha opinião, é improvável que surja diretamente do setor bancário, que agora está fortemente regulado. A maior preocupação é que muitas empresas líderes em diferentes indústrias continuaram a se concentrar excessivamente nos lucros trimestrais, porque isso determina como os executivos são remunerados.

Os formuladores de políticas devem ter uma análise difícil do papel das recompras de ações nesse processo. Para o seu crédito, no manifesto eleitoral do Partido Conservador de 2017, a primeira-ministra britânica Theresa May anunciou que seu governo faria isso. Espera que o governo de maio continue. Isso poderia dar um golpe simbólico contra o mal-estar subjacente da vida econômica pós-crise. O Ocidente precisa de investimentos reais e maior produtividade e crescimento salarial - não mais lucros economicamente injustificáveis.

Jim O'Neill, ex-presidente da Goldman Sachs Asset Management e ex-secretário comercial do Tesouro do Reino Unido, é professor honorário de economia na Universidade de Manchester

Média: 2.8 (5 votos)
8 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

O'Neill quer saber onde será

O'Neill quer saber onde será a próxima bolha porque é lá que ele investirá, abrindo uma consultoria que oferece estratégias de recuperação econômico-financeira pós-bolhas.

Mas sério, agora... que palhaçada, esse cara. Palhaçada perigosa, é verdade, mas nem por isso menos palhaçada. Me senti assistindo ao PIG dos EUA...

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de solpar
solpar

Você pode até ter criado a

Você pode até ter criado a sigla, mas agora é BRICS, viu, Professor Neill? Com South Africa, please. Longa vida aos BRICS!

QUAE FUERA TEMER!

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de José Eduardo de Camargo
José Eduardo de Camargo

Setor bancário regulado só se

Setor bancário regulado só se for na Islândia. Já quanto aos BRICS o Brasil já não conta mais como todos sabemos. É de surpreender que o Brasil ainda não tenha sido expulso do grupo.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Brasil expulso

E precisa?

Logo precisaremos  reaver os nossos fundos nos Brics e ainda tomar dinheiro emprestado do FMI.

A Cristine Lagard já está esfregando as mãos.

Seu voto: Nenhum

 

O amor é lindo!

imagem de Marcos K
Marcos K

Comecei a rir quando li o

Comecei a rir quando li o seguinte trecho : "Na minha opinião, é improvável que surja diretamente do setor bancário, que agora está fortemente regulado".

Cara que escreve isso não pode ser levado a sério.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Pensei que fosse só eu

"Setor bancário fortemente regulado, aonde, cara-pálida"

 

Seu voto: Nenhum

 

O amor é lindo!

Esta visão é parcial e equivocada (típica de Wall Street)

Os desequilíbrios em conta corrente das economias são sintomas e não causas da crise. As deficits e superavits exagerados são sinais da concorrência feroz entre corporações, praças financeiras e países.

Para ganhar mercado para seus produtos as empresas e países têm que baixar o custo e o lucro. Para isto só há duas soluções: pagar baixos salários (China) ou automatizar a produção (EUA e Alemanha). Nos dois casos os trabalhadores são prejudicados: por conta de baixos salários, desemprego ou subemprego.

Sem massa salarial, o consumo se retrai e não há como vender a superprodução de mercadorias, venda necessŕia para manter o lucro apertado das empresas.

Aí entra o financismo neoliberal: o mercado empresta dinheiro para consumidores e empresas. Mas este dinheiro nunca será pago, pois empresas e consumidores estão no limite de sua capacidade de produção e consumo. Estão o governo cobre estas dívidas, comprnso títulos podres e inundando o mercado de dinheito (expansão quantitativa).

Isto mantém o consumoàs custas de crescimento de dívidas e acentua os desequilíbrios (positivos e negativos)nas contas correntes.

O autor está errado. A economia global não etá numa situação melhor por estar supostamente mais regulada. O que aconteceu é a crise foi empurrada com a barriga e a bolha financeira está cada vez maior. A ponto de explodir novavmente.

E desta vez os Governos não terão bala na agulha para comprar créditos podres...

Seu voto: Nenhum (1 voto)

"O Ocidente precisa de

"O Ocidente precisa de investimentos reais e maior produtividade e crescimento salarial - não mais lucros economicamente injustificáveis."

 

O'Neill parece estar falando do Brasil. Não é mesmo?

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.