Revista GGN

Assine

Os valores das campanhas de 2010 sem as doações de empresas

Sugerido por Filipe Rodrigues

Do Uol

Sem doação de empresas, Dilma teria só R$ 3 mi para campanha em 2010 

Fernanda Calgaro

Se as doações de campanha por empresas estivessem proibidas nas eleições de 2010, como pede ação que está sendo julgada pelo STF (Supremo Tribunal Federal), as contas dos partidos teriam ficado às mínguas naquele ano. O valor arrecado por Dilma Rousseff na eleição passada seria de apenas R$ 3 milhões, por exemplo.

Levantamento feito pelo UOL com base nos dados disponíveis no site do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) estima que os então candidatos dos três partidos mais bem colocados no primeiro turno naquele ano, Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB) e Marina Silva (hoje no PSB e, à época, no PV), teriam módicos R$ 22 milhões, ante os R$ 266,1 milhões arrecadados. Ou seja, nem 9% do valor. O valor é uma estimativa porque os dados não estão consolidados pelo tribunal. É preciso baixar da internet as planilhas das prestações de conta separadamente por candidato, comitê e diretório, e fazer o cálculo manual, considerando a sobreposição de valores repetidos nas tabelas. 

Além disso, faltam informações no site, como a origem do dinheiro arrecadado pelos diretórios regionais. O cálculo não levou em conta a verba repassada pelas siglas dos candidatos a vice na chapa presidencial para a campanha conjunta.

A falta de transparência no financiamento de campanha é alvo frequente de críticas por abrir brechas para o caixa 2, formado por dinheiro não contabilizado oficialmente.

Por conta disso, uma ação direta de inconstitucionalidade movida pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) requer no STF o fim das doações por empresas.

Pela regra atual, o financiamento de campanha no Brasil é público e privado. Pessoas jurídicas podem doar até o limite de 2% do faturamento bruto do ano anterior ao da eleição. Pessoas físicas também podem doar até 10% do seu rendimento.

Os partidos também recebem dinheiro público do Fundo Partidário (formado por recursos do Orçamento, multas, penalidades e doações).

No julgamento da ação da OAB iniciado em dezembro passado no STF, quatro ministros (Joaquim Barbosa, Luiz Fux, Dias Toffoli e Luís Roberto Barroso) votaram a favor de mudar a lei e proibir o financiamento por empresas.

No entanto, um pedido de vista (mais tempo para analisar a questão) do ministro Teori Zavascki interrompeu a discussão, que poderá ser retomada na volta do recesso, em fevereiro. Ainda faltam os votos de sete magistrados.

Menos dinheiro

Se as doações jurídicas estivessem vetadas, o caixa de campanha da presidente Dilma, eleita no pleito de 2010 no segundo turno, que recebeu cerca de R$ 135,5 milhões naquele ano, teria que contratar publicidade, pagar fornecedores e pessoal, entre outras inúmeras despesas inerentes a uma campanha, com menos de R$ 3 milhões.

Isso porque, do total recebido, apenas R$ 338 mil vieram de pessoas físicas. O restante, em torno de R$ 135,1 milhões, foi doado por empresas. Desse valor, R$ 124 milhões foram repassados pelo próprio partido, via diretórios regionais e nacional, além do comitê de arrecadação montado para a eleição e outro especialmente para a campanha presidencial.

E uma ínfima parte dessa quantia (menos de 2%, ou R$ 1.614.250,48) chegou ao comitê da campanha e ao diretório nacional por meio de doações de pessoas físicas. A campanha também teve repasse de R$ 814.682,26 via comitê nacional e diretório regional, mas a origem não consta da planilha do TSE.

No caso de Serra, dos R$ 106,5 milhões no seu caixa de campanha, ficariam também parcos R$ 3 milhões se a proibição às doações por pessoa jurídica estivesse em vigor naquele ano.

O tucano recebeu apenas R$ 78 mil doados diretamente por pessoa física e quase a totalidade do que arrecadou veio de pessoa jurídica, incluindo repasse de quase R$ 101 milhões do comitê financeiro e mais R$ 1,6 milhão dos diretórios estaduais.

Considerando que 97,8% que chegou ao comitê financeiro foram doados por empresas, cerca de R$ 3 milhões apenas teriam chegado até a campanha serrista. Sobre a origem dos valores transferidos pelos diretórios estaduais, não há informações disponíveis. 

A ex-ministra Marina Silva (PSB), à época no PV, alcançou o terceiro lugar no primeiro turno das eleições de 2010 com R$ 24,1 milhões declarados em seu caixa. Quase tudo, R$ 24 milhões, foi especificado como sendo oriundo de pessoa jurídica, incluindo R$ 23 milhões do comitê financeiro.

Mas, ao contrário de seus adversários políticos, o comitê recebeu mais doações de pessoas físicas (R$ 15,9 milhões ou 64%) do que de jurídicas (R$ 9,3 milhões ou 36%). 

Ou seja, dos R$ 23 milhões que foram parar na campanha de Marina via comitê, ela teria que abrir mão de 36%, ou cerca de R$ 9 milhões, que tiveram origem lá atrás em doações de empresas.

Em resumo, se a regra em debate no STF estivesse valendo naquelas eleições, Marina teria tido algo em torno de R$ 16 milhões.

No primeiro turno daquele ano, Dilma recebeu 47.651.434 votos (46,91%), contra 33.132.283 de votos (32,61%) do Serra e 19.636.359 votos (19,33%) da Marina.

Média: 2.3 (3 votos)
8 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de aliancaliberal
aliancaliberal

Quer dizer que foram " apenas

Quer dizer que foram " apenas R$ 338 mil vieram de pessoas físicas" para a campanha, mas para doar dinheiro para pagamento da multa do condenado Genoino foram arrecadados 650 mil.

Seu voto: Nenhum

Hummm

Uma prova de que não adianta estrangular, pois se a militância quiser enfrenta do mesmo jeito, nem adianta o poderio econômico se animar ao saber que o PT não terá grana para sua campanha enquanto que eles nadarão na bufunfa

Seu voto: Nenhum

Grato, Spin F

imagem de Dudu Cartucho
Dudu Cartucho

O Çerra recebeu 78 mi de

O Çerra recebeu 78 mi de doações de pessoas físicas. E aqueles 8 milhões que a bondosa senhora amiga do Arruda doou? Foram pras Ilhas Cayman?

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Ela deve ter doado para

Ela deve ter doado para vários candidatos tucanos, as doações são individuais e não para cada político.

Seu voto: Nenhum

Nada que uma boa fiscalização resolva...

A tese de se proibir doações privadas incentiva Caixa 2 é estapafúdia, o mesmo que proibir veículos para não ocorrer acidentes de trânsito.

É sabido que o Caixa 1 é muito pior que o Caixa 2, 90% dos casos de Caixa 2 se consiste em sobras de campanhas ou para cobrir os rombos.

Qualquer candidato que ostentar será visto com desconfiança, dependo de seu orçamento inicial declarado.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Consulta

Diante de tudo o que já se discutiu, e diante dos chamados "mensalões", caixa 2, e assemelhados eu pergunto aos universitários: Isso é bom ou é ruim ? Proibir as empresas de investirem na propaganda política é "inventar a roda" ? É um passo para o decoro ? Confesso que estou em dúvida, pois há a possibilidade de, no caso da captação de recursos diminuir, escancarar-se o tal caixa 2, 3, 4, sei lá. Por outro lado, as vezes ficamos invejosos das campanhas políticas inglesas que são curtinhas, em comparação com a brasileira ou norte-americana, e não se enche muito o saco com o festival de hipocrisia, e gasta-se menos .

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Luiz Machado

Inventando a roda

Não amigo Luiz Antonio, não estaremos aí inventando a roda. Com a proibição de doações de pessoas jurídicas as campanhas teriam um tom mais ameno pois todos os partidos repartiriam do bolo para aquela específica campanha eleitoral. Com o dinheiro minguado talvez conseguíssemos até que a campanha política se restringisse a alguns poucos meses mesmo porque não teria grana suficiente para bancar uma campnha muito longa. O que teremos de maior valia nisso tudo seria a maior facilidade em controlar osgastos de campanha e dificultar ( e não acabar definitivamente, o que seria o ideal) o uso do dinheiro de caixas 2, 3 e 4.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

"Não tenho prova cabal contra Dirceu - mas vou condená-

imagem de Mar da Silva
Mar da Silva

Uma coisa é certa: é urgente

Uma coisa é certa: é urgente limitar a influência das empresas privadas nas campanhas políticas, pois cobram em troca a fidelidade dos eleitos aos interesses dessas empresas. Não é à toa que levamos mais de 50 anos e as reformas estruturais - que derrubaram o Jango - ainda não saíram do papel.

E mais: com menos dinheiro privado, é possível surgir candidatos legítimos e não apenas porta-voz de grupos privados.

Seu voto: Nenhum (5 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.