Revista GGN

Assine

Políticos querem volta da doação empresarial e limite para fundo público

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN - A Câmara dos Deputados vota nesta quarta (16) um projeto de reforma política com dois pontos principais: a adoção do chamado distritão para eleição de vereadores e deputados e a criação de um fundo público para financiamento de campanha, com cerca de R$ 3,6 bilhões de origem indefinida. Esse último item tem causado divergências a ponto de congressistas abrirem uma discussão sobre a volta do financiamento empresarial. 

O Supremo Tribunal Federal, há 2 anos, declarou inconstitucional as doações realizadas por pessoas jurídicas para candidatos e partidos. A nova regra passou a valer nas eleições de 2016. Para que o Congresso consiga alterar isso, é preciso correr, pois alterações na legislação eleitoral, com intenção de valer para 2018, devem ser feitas até o fim de setembro.

Segundo o Estadão, há uma corrente de políticos que acha o retorno da doação de empresas viável, apesar das críticas que o modelo sofrerá por causa da Lava Jato. “Costumam dizer que não tem sentido trazer o financiamento empresarial por causa das mazelas expostas pela Lava Jato. Eu acho o contrário. Se tiver financiamento com regras muito claras e rígidas, com limites individuais, podemos fazer algo compatível com o modelo adotado no Brasil”, disse Armando Monteiro ao Estado.
 
O jornal sinalizou que um dos caminhos mais rápidos para retomar as doações empresariais seria a aprovação, pelo Senado, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 113A/2015, que está pronta para deliberação do plenário. "A proposta abre a possibilidade de os partidos voltarem a arrecadar de empresas, embora mantenha a vedação aos candidatos. A norma diz que os limites de arrecadação devem ser estabelecidos por meio de lei, sem determinar o teto." 
 
Independente de qual seja o caminho, o senador Aécio Neves (PSDB) antecipou que a questão, de qualquer forma, vai esbarrar no Supremo. Além disso, ele acredita que o Congresso não vai ter tempo hábil para destravar a pauta.
 
Por conta desse impasse, a Câmara deve fazer uma mudança no texto da reforma que aguarda deliberação para "diminuir o fundo para o equivalente a 0,25% da Receita Corrente Líquida da União (RCLU) e restringi-lo às eleições de 2018 e 2020. A partir do pleito de 2022, a articulação é para a retomada do financiamento empresarial. Pelo texto da reforma política aprovado na comissão especial da Câmara, o fundo será permanente e equivalente a 0,5% da RCLU." Esse valor equivale a R$ 3,6 bilhões, hoje. 

 

Média: 1 (3 votos)
4 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Romanelli
Romanelli

Tem que voltar MESMO O

Tem que voltar MESMO

O BRASILEIRO (e o trabalhador) tem que aprender pra que serve a polítca  ..tem que AMADURECER e entender que se quiser defender seus interesses, tem que COLABORAR com os que o defendem

O militante de partido tb tem que investir na sua ideologia  ..e não só ficar esperando por uma boquinha (nota - tá cheio de partido dizendo que tem 1 milhão de filiados  ..oras, se cada qual der mil R$, dá UM BILHÃO por ano)

A maioria adora chamar polítco de ladrão pensando que os caras tem que trabalhar de graça (ou por pouco) pra eles  ..se receber presente então !? é gangster, propineiro  ..será ?

..e ainda cobram providências pra melhorar a própria vida sem lhes dar nada em troca, SÒ OFENSAS  ..e com um detalhe, 99,99% NUNCA se dignaram a botar a mão no bolso por uma causa  ..ou a trabalhar pelo coletivo

GENTE FOLGADA  ..quer ser servida mas nunca servir  ...esta é uma outra parte da verdade que ninguém fala

O empresário e banqueiro, não ..desde cedo sabem fazer lobby, e financiam apoiadores e amigos com interesses em comum

CLARO que tudo é valido se tiver TRANSPARÊNCIA  ..pois caso contrário, com ou sem dinheiro público, virá a grana IMUNDA  de IGREJAS (pq de DEUS não é) ..do trafico e do crime organizado  ..o ABUSO e a assimetria  ..afinal, a ética e a verdade tem que prevalecer até para com o cumprimento das promessas de campanha (outra lógica ignorada pela hipocrisia brasileira)

O que não pode é não ter limites  ..é a empresa colaborar com mais de um partido  ..ou colaborar na esperança de ver FACILITAÇÔES pra suas atividades, ceder a chantagens, tudo com PREJUÌZO FLAGRANTE, e comprovado, ao páis e/ou a terceiros

 

Seu voto: Nenhum

O melhor dos mundos

1-Fundo público

2-Doação empresarial

3-Distritão.

Vamos aprovar tudo isso através dos nossos " competentes " legisladores.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

 

O amor é lindo!

E quem é o Relator?

E quem é o relator?

Vicente Candido (PT) relator da reforma política, afirmou no Roda Viva de anteontem andar com Maia e Eunício, ser contra o voto obrigatório, ser a favor da lista fechada decidida pela cúpula do partido, ser articulador do voto distrital misto, se afirmou parlamentarista e que gosta do semipresidencialismo francês. Ouviu Josias de Souza chamar o PT de partido mais ladrão do país calado e não respondeu nada.

Esse cara é mais do PSDB que o Dória!

Esse cara tem aval para dizer o que quer? O PT está de acordo com tudo isso?

Deixou Humberto Costa nas páginas amarelas no chinelo.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Penso que será importante um

Penso que será importante um xadrez do Nassif tentando explicar tudo que a questão envolve.

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Pedro Augusto
Pedro Augusto

Reforma política prevê

Reforma política prevê mandato de 10 anos para ministros do STF e do STJ

 

http://mundovelhomundonovo.blogspot.com.br/2017/08/reforma-politica-hist...

 

 

    

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.