Revista GGN

Assine

Primeiro-ministro francês alerta para novos ataques terroristas na Europa

 
Da Agência Lusa

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, disse hoje ser uma “certeza” a ocorrência de mais ataques terroristas de “grande escala” na Europa. "Haverá ataques. Ataques de grande escala. É uma certeza. Este hiperterrorismo está para ficar", disse o governante na Conferência de Segurança de Munique, de acordo com a agência France Presse.

Na semana passada, em Paris, Valls afirmou que o nível de ameaça de ataques é agora "provavelmente" mais elevado do que antes dos ataques jihadistas de 13 de novembro.

"Entramos numa nova era caracterizada pela presença contínua de hiperterrorismo. Um hiperterrorismo localizado na confluência de um pseudomessianismo religioso e do uso do terror em massa", disse o primeiro-ministro na conferência chamada Davos da Segurança.

"Temos de estar plenamente conscientes e agir com grande força e grande clareza. Repito diante de vós, como digo aos meus concidadãos: nós mudamos o tempo", acrescentou durante mesa-redonda da qual participou também o primeiro-ministro russo, Dmitry Medvedev.

Tal como o presidente francês, François Hollande, afirmou quinta-feira (11) à noite, Manuel Valls apelou à Rússia para que cesse a  ofensiva na Síria, que afeta a população civil.

"Digo, sem qualquer ambiguidade e com confiança, a Dmitry Medvedev: a França respeita a Rússia e os seus interesses, mas sabemos que para voltar ao caminho da paz e da discussão, o bombardeio da população civil tem de acabar ".

Quanto ao acordo alcançado em Munique entre os Estados Unidos, a Rússia e os seus principais aliados, para parar as hostilidades na Síria, Valls saudou a decisão, mas defendeu que sua concretização é urgente.

O primeiro-ministro francês reiterou mensagem sobre o risco de colapso do projeto europeu, tendo como pano de fundo a crise migratória e o risco de saída do Reino Unido da união dos 28.

"O projeto europeu pode mover-se para trás e pode até desaparecer se não tivermos cuidado", advertiu, acrescentando que o projeto “pode recuar perante o aumento do egoísmos e do populismo”.

 

Média: 1.7 (6 votos)

Recomendamos para você

2 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Devem estar planejando mais atentados p/ obter apoio da populaç

Agora toda essa atençao à populaçao civil, mas, que engraçado, só depois do governo sírio ter liberado algumas cidades sitiadas...

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Pulha, hipócrita, safado e sem vergonha!

Onde estavam os socialistas franceses quando a destruição dos Estados nacionais do norte da África e do Oriente Médio foram iniciadas... apoiando o poder agressor!

A França desde o início da guerra civil na Síria sempre esteve ao lado das monarquias do Golfo Pérsico. Se Sarkozy já tinha arriado a calça francesa para os sauditas, o socialista Hollande abaixou a cueca. Diplomaticamente foi e é o maior entrave europeu para as negociações paz que envolvam o Baath sírio e o presidente Assad. O objetivo francês na Síria é um só, ver o país transformado em uma nova teocracia sunita dependente da OTAN.

A frança, como país, atingiu o ponto mais baixo desde o seu surgimento como Estado. A sua decadência tecnológica, econômica e cultural finalmente contaminou de tal forma a política que contenta-se com o papel de "campeão" dos neocons norte-americanos, na geopolítica mundial, e serviçal dos alemães nas decisões da União Européia.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.