Revista GGN

Assine

Quando Dilma foi na contramão dos esquemas ilícitos

 
Jornal GGN - Embora tente colocar Dilma Rousseff na mira de envolvidos do esquema de corrupção em estatais, em situações em que a presidente supostamente teria conhecimento do que ocorria, a delação do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) não conseguiu trazer provas do envolvimento da presidente nos casos delatados. Mas, por outro lado, admitiu que a presidente foi a responsável, em pelo menos dois casos, por quebrar esquemas montados para a corrupção. Em um terceiro, mostra que Dilma não entrou em negociatas para aprovar Medida Provisória que favorecesse banqueiro investigado.
 
Foi o caso de Furnas, no qual Delcídio relata a participação direta de Aécio Neves (PSDB-MG) no esquema - "sem dúvida um dos beneficiários dos valores ilícitos" - comandado por Dimas Toledo, então diretor de engenharia da estatal e que possuía "vínculo muito forte com Aécio" e com o PSDB, além de apoio do Partido Progressista. Na delação, o senador conta que "quando o governo Lula assume, há uma movimentação de se mudar a diretoria de Furnas, mais especificamente a diretoria de engenharia" - a mais "cobiçada", a "joia da coroa" para o esquema de desvios.
 
Entretanto, a tentativa do ex-presidente foi frustada, explica Delcídio, porque Dimas Toledo era sustentado por "três partidos importantes", assim teria mencionado Lula ao senador. Trata-se do PSDB, do PP e, posteriormente, do PT, sobretudo por influência de José Dirceu. Por isso, disse Delcídio, o ex-presidente não interferiu nos comandos da estatal. Cenário este que mudou com a entrada de Dilma Rousseff:
 
"Em relação a Furnas, Dilma teve praticamente que fazer uma intervenção na empresa para cessar as práticas ilícitas, pois existiam muitas notícias de negócios suspeitos e ilegalidade na gestão da empresa", relatou Delcídio.
 
O senador completou que a presidente Dilma trocou "praticamente toda a diretoria" em Furnas, agora "absolutamente técnica" e de confiança da presidente. Os investigadores, então, questionaram Delcídio até quando durou o esquema de ilegalidades de Furnas. "Até uns quatro anos atrás, quando Dilma mudou a Diretoria", respondeu.
 
Ainda na delação, o parlamentar disse que esta mudança e interferência da presidente na estatal foi "o início do enfrentamento de Dilma Rousseff e Eduardo Cunha, pois este ficou contrariado com a retirada de seus aliados de dentro da companhia".
 
 
Em outro episódio, considerado por Delcídio "um dos maiores escândalos envolvendo a BR Distribuidora", e detalhadamente descrito em reportagem anterior pelo GGN, trata-se de uma operação comandada por João Augusto Henriques, entre 1997 e 2001, na estatal, manipulando as margens de preço da compra de etanol junto a usinas.
 
Henriques tinha amplo apoio do PMDB, sobretudo de Michel Temer. Todo o esquema foi montado visando lucro sobre as variações de preço do etanol, entre 2007 e 2008. Depois disso, o vice-presidente fez lobby para que se aprovasse o ex-diretor da BR Distribuidora na Petrobras, especificamente na Diretoria Internacional. 
 
Mas Dilma Rousseff, então ministra Chefe da Casa Civil, "vetou" o apadrinhado de Temer para a Petrobras, contou Delcídio.
 
"João Augusto Henriques foi cotado para ser Diretor da Diretoria Internacional da Petrobras, entre 2007 e 2008, com o apadrinhamento de Michel Temer e da bancada do PMDB na Câmara, mas teve seu nome vetado pela Presidente Dilma Rousseff, diante dos desmandos havidos quando foi diretor na BR Distribuidora", assumiu o parlamentar aos investigadores.
 
 
A então ministra Dilma levou em consideração, ainda, os "problemas [de Henriques] no Tribunal de Contasl". Com a negativa, quem assumiu a pasta na estatal foi Jorge Zelada.
 
 
Em outro momento, refere-se ao caso do banqueiro André Esteves, do BTG Pactual, denunciado por tentativa de obstruir o avanço das investigações da Operação Lava Jato, em forma de pagamento pelo silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró. Delcídio brevemente cita quando Dilma Rousseff assumiu a Presidência da República, o banqueiro perdeu a interlocução junto ao Planalto, que antes era feita por meio de Antonio Palocci, ministro da Fazenda do governo Lula.
 
O senador explica que, por isso, a partir da gestão de Dilma, ele mesmo passou a exercer "esse papel de interlocutor", o que se seguiu quando Delcídio ocupou a Presidência da Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, no início de 2015, e foi líder do governo em abril do último ano. 
 
 
Da mesma forma, em outro trecho, Delcídio exime de responsabilidade a presidente Dilma Rousseff em aprovação de Medidas Provisórias que beneficiassem o banqueiro André Esteves.
 
"O processo legislativo de emendas parlamentares a medidas provisórias se transformou em campo fértil para oportunidades de defesa de interesses setoriais e para negócios escusos", disse o senador. "Uma das emendas, a MP 668, apresentada por Eduardo Cunha ou congressista a ele ligado, (...) consistia em permitir o pagamento de dívidas com o governo mediante papéis de baixa liquidez", completou.
 
"A emenda foi vetada pela Presidente da República", concluiu Delcídio, antes de seguir narrando que o banqueiro ainda teria tentado a aprovação da Medida junto ao ministro da Fazenda, Joaquim Levy.
 
Média: 4.7 (15 votos)

Recomendamos para você

13 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Edu
Edu

Atestado de idoneidade

Essa delação de Delcidio é nada mais nada menos que um atestado de idoneidade de Dilma. Gostem os coxinhas ou não.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Severino Januário
Severino Januário

O que está assombrando a

O que está assombrando a oposição golpista, não é o fato do Lula ter ficado abrigado da ditadura asquerosa do juiz Moro. É a possibilidade de, com ele no governo, o Brasil reencontrar os trilhos, romper a crise e recomeçar uma fase de crescimento. É esta possibilidade que está fazendo pessoas como FHC e o senhor Paul Skaf perderem as estribeiras e aparecerem como tresloucados na mídia também tresloucada. Ninguém se iluda. O Brasil tem muitos e poderosos inimigos internos.

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de Ubajara
Ubajara

Dilma também limpou a Petrobras

É muito importante lembrarmos que Dilma nomeou Graça Foster como Presidente da Petrobras e juntas deram um limpa na diretoria da empresa em 2012. Como está claro na matéria publicada pelo Estadão; numa tacada só, demitiram Paulo Roberto Costa, Jorge Zelada e Renato Duque, hoje réus na Lava-Jato.

Vai aí o link da matéria:http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,saida-de-diretores-da-petrobras-e-decisao-do-conselho-diz-lobao,110494e

É muita hipocrisia tentar incriminar uma Presidenta que teve coragem em mexer nos vespeiros da corrupção deste Brasil.

 

Seu voto: Nenhum (6 votos)
imagem de mauro silva1
mauro silva1

o primeiro ato

o primeiro ato de lula, tendo em vista a grave crise econômica que passa o país e da fundamental preservação dos programas de erradicação da miséria e fome, será o de cortar todas as verbas públicas para comunicação institucional do governo federal.

as organizações globo bem como os grupos bandeirantes, s.b.t., folha, estado de são paulo, editora três e demais empresas de mídia corporativa, cientes das prioridades sociais, saberão buscar no mercado os recursos cortados e, republicanamente, entenderão a medida extrema.

lula, mostra a tua cara nova!

Seu voto: Nenhum (5 votos)
imagem de Clovis de Oliveira
Clovis de Oliveira

Prezado Mauro, Urge

Prezado Mauro,

Urge intensificar a campanha de Lula para a presidência. Ouso acrescentar que talvez venha a ser a única esperança de que o Brasil não despenque nas mãos das hienas golpistas. Quando ocorreu o 4 de março, disse aos amigos: Lula devia aproveitar esta pataquada e iniciar a sua campanha.

 

Seu voto: Nenhum
imagem de Edu
Edu

(Sem título)

Seu voto: Nenhum (4 votos)

A Dilma não é politica

Mas trabalha como uma mula. E quebrou a roubalheira de Furnas, Petrobras e não deixou o país cair no apagão. Agora com Lula de volta na política, teremos novamente da dupla perfeita. Para o ódio e medo dos coxinhas

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Se essa dupla não tirar o

Se essa dupla não tirar o país da crise, ninguém tira. Aliás, todas as medidas de caráter neoliberal tomadas no campo da Economia nos últimos meses deram com os burros n'água.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de eleitor raso
eleitor raso

De costas para a sociedade

Quando da grosseria com a Presidente na abertura da copa, o Senador emitiu nota dizendo que aquilo era resultado da forma como ela estava governando: "de costas para a sociedade". Agora entendo porque: Furnas, não é? Depois o Senador emitiu outra nota, mais condizente com as circunstâncias.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Pois é. Que horas o pig vai

Pois é. Que horas o pig vai entrevistar o Nilton Monteiro?

Seu voto: Nenhum (4 votos)
imagem de Ivan de Union
Ivan de Union

Resumindo, face a TODOS os

Resumindo, face a TODOS os tipos de corrupcao, Dilma os relegou aa lata de lixo.

Seu voto: Nenhum (10 votos)
imagem de Mariano S Silva
Mariano S Silva

E é precisamente por isto

E é precisamente por isto Ivan, que querem inviabilizar o governo dela!

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de André-Kees Schouten
André-Kees Schouten

Parece, então, que o senador

Parece, então, que o senador Aecio Neves tem mais motivos para não se conformar com a derrota nas últimas eleições...

Seu voto: Nenhum (10 votos)
imagem de Nádia Ramos
Nádia Ramos

Agora está explicado o motivo

Agora está explicado o motivo dos golpistas querer derrubar Dilma.

Seu voto: Nenhum (8 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.