Revista GGN

Assine

Seria melhor se trabalhassem numa empresa de demolição, diz Juca Ferreira sobre governo Temer

 
juca_ferreira.jpg
 
Jornal GGN - Ministro da Cultura durante os governo de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff, o sociólogo Juca Ferreira afirma que o governo de Michel Temer está ‘ceifando’ tudo que o que foi construído, não somente na cultura, mas também nos direitos trabalhistas, na aposentadoria, nos direitos das mulheres e nos avanços na relação entre negros e brancos no país.
 
“Eles são devastadores”, diz o ex-ministro, que considera que a Operação Lava Jato não é isenta, já que parte de uma tese de que a corrupção é problema exclusivo do PT, “quando na verdade é o modus operandi da política brasileira”. 
 
“Eles não têm projeto e querem destruir tudo o que foi construído, como aliás em outras áreas que não a cultura. Acho que funcionaria melhor se trabalhassem numa empresa de demolição”, afirma Juca. 
 
Leia mais abaixo: 
 
Da Rede Brasil Atual 
 
 
Para ministro de Lula e Dilma, governo Temer "vem ceifando tudo que foi construído" na cultura e nos direitos conquistados durante o período de estabilidade democrática
 
Ministro da Cultura dos governos de Luiz Inácio Lula da Silva (2008-2010) e de Dilma Rousseff (2015-2016), o sociólogo baiano Juca Ferreira diz que não acompanha as informações sobre o filme Polícia Federal - A Lei é Para Todos (direção de Marcelo Antunez), que "revelará" a Operação Lava Jato sob a ótica da PF, previsto para estrear em julho.
 
Mas, sabendo da orientação do filme, e que, segundo divulgado na mídia, a PF teria dado consultoria para produção e direção, ele diz: "Qualquer filme que sustente a tese inicial (da Lava Jato) é um filme equivocado, porque a realidade já avançou muito. O que já se sabe pelas revelações é que a prática sistemática para a aprovação de projetos era o processo de corrupção".
 
Para Juca Ferreira, a operação não tem isenção e "partiu de uma tese equivocada de que a corrupção é um problema do PT, quando na verdade é o modus operandi da política brasileira, e hoje todo o comando do governo oriundo do afastamento de Dilma, todos estão delatados, incluindo o Temer".
 
Sobre o "projeto cultural" do governo Temer, o ex-ministro afirma que os atuais mandatários do país não estão "devastando" apenas a cultura. "Eles vêm de novo ceifando tudo o que foi construído, não só na área de cultura, mas nos direitos conquistados, leis trabalhistas, aposentadoria, direitos das mulheres, avanços na relação entre negros e brancos no Brasil. Eles são devastadores."
 
Para não se dizer que se esqueceu do humor ou ironia baianas, acrescenta: "Acho que funcionaria melhor se trabalhassem numa empresa de demolição".
 
Sobre o ator  Ary Fontoura, crítico de Dilma e defensor do impeachment, escalado para representar Lula no filme, Ferreira diz que "é muito magrinho para fazer o Lula".
 
Como vê a tentativa do filme de abordar a Operação Lava Jato, centrando o enredo na figura do Lula e que, segundo se diz, teve até consultoria da Polícia Federal?
 
Não tenho informação sobre esse filme, mas eu acho que é um tema que desperta interesse, que ainda não revelou completamente seus componentes. A operação (Lava Jato) não tem mostrado a isenção que a justiça precisa ter. Partiu de uma tese equivocada de que a corrupção é um problema do PT, quando na verdade é o modus operandi da política brasileira, e hoje todo o comando do governo oriundo do afastamento de Dilma estão delatados, incluindo o Temer.
 
Qualquer filme que sustente a tese inicial é um filme equivocado, porque a realidade já avançou muito. O que já se sabe pelas revelações é que a prática sistemática para a aprovação de projetos era o processo de corrupção. 
 
Tendo a achar que, se for baseado na versão inicial, vai ser um desastre, um equívoco, não vai contribuir em nada. Se o filme partir disso é um instrumento político, de intervenção na realidade para tentar reforçar uma tese que a realidade mostra que foi um equívoco, que gerou parcialidade a tal ponto que tentam condenar pessoas sem provas a partir da convicção que tiveram.  
 
Como ex-ministro da Cultura, você pode dizer se é comum financiador de um projeto cultural não ser identificado, como aparentemente acontece com o filme em questão?
 
Não, não é comum. Deve ser um financiamento privado, mas não sei. Mas é estranho que não se saiba das motivações dos que patrocinam um filme desse tipo.
 
Coincidência e ironia que Ary Fontoura fez críticas a Dilma, defendeu o impeachment, e interpreta Lula no filme?
 
Os artistas têm opinião política. Alguns poucos apoiaram o golpe. Ele é um deles. Como têm os a favor, o que também não é estranho. Tentaram criminalizar os que estavam a favor da Dilma, dizendo que estavam "recebendo"... Montaram até uma CPI para tentar criminalizá-los. Mas artista é como qualquer cidadão, tem direito a ter opinião política. Alguns têm opinião equivocada, outros têm uma compreensão melhor, mas faz parte da realidade. E o Ary Fontoura é muito magrinho para fazer o Lula. Mas isso é secundário, é quase uma piada. 
 
Qual sua opinião sobre o "projeto cultural" do governo Temer?
 
Eles não têm projeto cultural. Tentaram acabar com o Ministério da Cultura, houve uma reação enorme no meio cultural, artístico e na opinião pública, e mantiveram. Mas estão destruindo por dentro. O Marcelo Calero começou o processo de demolição das políticas e programas que funcionavam bem e estavam se alargando.
 
O atual ministro (Roberto Freire) está dando continuidade. Tudo indica que vão pra cima agora de uma das políticas mais bem sucedidas, que é a do cinema. Só não foram ainda porque a Ancine tem mandato e eles foram obrigados a respeitar o mandato. Mas estão se preparando para atacar também. 
 
Só para você ter uma ideia, quando o Lula assumiu, em 2003, eram produzidos menos de dez filmes por ano. Com a política desenvolvida pelo Estado brasileiro – Minc e Ancine –, hoje são 150 filmes por ano. Já conquistamos uma parte do público brasileiro, ainda menor do que pode ser, mas estamos evoluindo. E o cinema brasileiro é superavitário, gera mais recursos por meio do público e da bilheteria do que o governo investe
 
O ministro não tem o que dizer e tem dito que "é um projeto de poder", mas não explica que diabo de projeto de poder é esse. Eles não têm projeto e querem destruir tudo o que foi construído, como aliás em outras áreas que não a cultura. Acho que funcionaria melhor se trabalhassem numa empresa de demolição.
 
Mas o cinema brasileiro já passou por momentos muito difíceis antes e sobreviveu...
 
O Collor extinguiu a Embrafilme e depois os tucanos não fizeram nada, pelo contrário, partiram da tese de que isso é monopólio dos americanos, que o Brasil não tinha que se meter nesse assunto. Fomos nós, no governo Lula e depois Dilma, que desenvolvemos toda uma política pública de apoio ao cinema, aos artistas, empresas, em todo o território brasileiro.
 
Hoje tem produtora em todo o Brasil, não só nas capitais. Mas esses caras reduzem tudo a moeda e a mercadoria, não conseguem compreender que uma nação é um processo mais complexo. Os neoliberais têm uma dificuldade enorme de compreender isso.
 
Mas por ter passado por situações como na era Collor, o cinema brasileiro não pode ser comparado ao mito da Fênix, que sempre ressurge das cinzas?
 
A cultura brasileira vive disso. Desde que foi proclamada a República a gente tem mais períodos de instabilidade, ditadura, do que de estabilidade. Acabamos de sair do período mais longo de estabilidade e a democracia mostrou que é um ambiente favorável para o desenvolvimento da cultura brasileira e nós representamos isso, construímos políticas públicas no Estado democrático.
 
Eles agora vêm de novo ceifando tudo o que foi construído, não só na área da cultura, mas nos direitos conquistados, leis trabalhistas, aposentadoria, direitos das mulheres, avanços na relação entre negros e brancos. Eles são devastadores. Como se quisessem nos reduzir a uma republiqueta de banana. 
 
Eles conseguem sobreviver como governo?
 
Tenho minhas dúvidas. Acabaram de sair pesquisas. Está caindo vertiginosamente a avaliação do governo. Eles perderam quatro eleições. O povo brasileiro não aprova esse projeto. Precisaram dar um golpe para tentar encaminhar. Mas acho que vai ter problema. O Brasil está caminhando para uma situação falimentar, tipo Espírito Santo, a economia caindo, por mais que a imprensa tente incensar um otimismo artificial, e a situação social se agravando.
 
O único componente que falta aí são as manifestações. Mas caminhamos para uma situação falimentar desse governo. Estamos vivendo um momento em que reina a mediocridade e a boçalidade. Agora, a reação da área cultural é enorme, a consciência do negativo. São poucos artistas que apoiam o processo de golpe, e muitos que apoiaram inicialmente estão tomando consciência de que entraram num barco furado.
 
Tirando a Regina Duarte, que é renitente...
 
Não sei, nem tenho visto manifestação dela. Tem cinco ou seis, que são reacionários estruturais. Nasceram pra isso.
 
0gif-tarja-autores-que-sigo.jpg
Média: 5 (4 votos)
4 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Juca

Está muito certo , quando diz: "Estamos vivendo um momento de mediocridade e boçalidade". Pois são medíocres e boçais os participantes deste governo.

Mas a inveja os tornou assim. Como pode um mísero torneiro mecânico ser tão endeusado lá fora, com tantos títulos universitários? E ainda ser amado por seu povo? "assim não pode, assim não dá", como dizia o FHC, o invejoso Mór, o sociólogo.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

lenita

Os golpistas são cupins

Os golpistas são cupins esfomeados, devastadores em todas as áreas. Não servem nem para demolição, pois detonariam até o que poderia ser reciclado. Quando se lê o quem é quem na página oficial do Ministério da Saúde, sobram o horror e a náusea. Ali foram aboletados como chefes das secretarias seres que não têm currículo técnico, mas capivara - aliados políticos, fregueses de conchavos do marido da Dona Marcela, empresário tucano e até esposa sorridente de um político do baixo clero. O golpe tabajara é simplesmente nauseabundo. Está tudo enlameado.

Seu voto: Nenhum (3 votos)
imagem de Atreio
Atreio

no carnaval do volta dilma

no carnaval do volta dilma vai ter bastante manifestação, exerça a sua!

ridicularizar e constranger golpisats e suas familias.

ninguém mais quer estar na foto ao lado de golpista.

 

não vai levar 21 anos de novo. sem crime, semimpeachemnt!

pra corrigir erros, reDILMA-se!

Seu voto: Nenhum (3 votos)

Discordo.O que o governo

Discordo.

O que o governo Temer está fazendo é reconstruir as relações de poder que existiam no período Colonial. 

Assim como os colonos odiavam os índios, negros, mamelucos e cafuzos insubmissos, a direita mafiosa/maçonica odeia os brasileiros que votaram e votam no PT. 

Como Michel Temer e seus cães de guarda de avental emporcalhado são brancos e os "outros" são mestiços (descendentes de brancos, índios e negros, entre os quais me incluo pois tenho um antepassado argentino que casou com uma índia apanhada no mato) as ações do governo dele só poderiam resultar numa destruição/criativa. 

Não dá para reconstruir as relações de poder coloniais sem revogar a soberania popular (golpe de 2016) e sem destruir o Estado de male-male-bem estar social construído pelo PT. 

O primeiro objetivo foi cumprido. O segundo está em curso.

A verdade, porém, precisa ser toda dita. O próprio PT cochilou e entregou o poder de mão beijada à quadrilha de mafiosos e maçons comandados por Michel Temer. 

Faltou Lula e Dilma adotar uma postura "sou Estado e não me toque" descendo o porrete Penal e metendo o chicote Administrativo no lombo nos escravocratas tucanos/peemedebistas.

Tudo o que estamos vivendo é um resultado prático da política "Lulinha paz e amor".

Paz e amor é o caralho, mano... esta boca é do povo brasileiro ou nós vamos arrebentar a boca de todo mundo. 

 

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.