Revista GGN

Assine

Suspeito de lançar rojão é preso na Bahia

Do Estadão

 
Encontrado em Feira de Santana, na Bahia, jovem estava foragido desde segunda-feira, 10
 
Sérgio Torres

RIO - Preso de madrugada em um hotel na cidade baiana de Feira de Santana (a 100 km de Salvador), Caio Silva de Souza, de 23 anos, suspeito de matar um cinegrafista da Band com um rojão, em protesto do dia 6 no Rio, está sendo trazido pela Polícia Civil à capital fluminense em um voo convencional. A chegada ao Aeroporto Internacional do Rio está prevista para as 9h.

Em nota oficial divulgada ao amanhecer, a Polícia Civil informa que o acusado pela morte do cinegrafista Santiago Andrade será levado diretamente para a Cidade da Polícia (Jacaré, zona norte), onde o delegado da 17ª Delegacia de Polícia (DP), Maurício Luciano de Almeida, responsável pela prisão na Bahia, dará entrevista coletiva.

Souza foi localizado às 2h no quarto do hotel, próximo à rodoviária de Feira de Santana. Também presente no momento da captura, o advogado Jonas Tadeu afirmou, em entrevista à TV Globo, que o cliente e o outro acusado, Fábio Cardoso Barbosa (preso no fim de semana), são "jovens que são aliciados, jovens que são manipulados", mas não disse por quem.

Sobre Souza, que teria disparado o rojão que atingiu Santiago Idílio Andrade na quinta-feira passada (a morte ocorreu quatro dias depois), o advogado disse tratar-se de "jovem miserável financeiramente, de baixo discernimento".

O chefe de Polícia Civil, Fernando Veloso, contou que a viagem do acusado ao Nordeste vinha sendo monitorada pelos investigadores. O destino dele seria a cidade de Ipu, no Ceará, onde mora um de seus avôs. Teria decidido descer em Feira de Santana depois que conversou por telefone com o advogado e com a namorada.

"Foi uma operação complexa", disse Veloso, que enviou o delegado e três agentes para a Bahia a fim de localizar e apreender o suspeito. A entrevista foi dada à Globo.

A namorada de Souza acompanhava o advogado no momento da prisão. Ela não teve o nome revelado.

De acordo com as informações da polícia, Caio mora em Nilópolis, na Baixada Fluminense, e trabalha como auxiliar de limpeza no Hospital Estadual Rocha Faria, em Campo Grande, zona oeste do Rio de Janeiro.

Protesto. O rojão lançado por ele durante as manifestações da última quinta-feira, 6, contra o aumento das passagens no Rio, atingiu o cinegrafista da Band Santiago Ilídio Andrade. Ele teve morte cerebral confirmada na segunda-feira,  10,depois de passar quatro dias em coma no Hospital Souza Aguiar, região central. COLABOROU EDGAR MACIEL, AGÊNCIA ESTADO

Média: 3.7 (3 votos)
17 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Bem, vamos ver se o suspeito

Bem, vamos ver se o suspeito é o cara branco que tá correndo na foto que todo mundo já viu.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Ivan de Union
Ivan de Union

Se ele for preto entao os 3

Se ele for preto entao os 3 policiais federais com ele na capa tambem sao:

http://oglobo.globo.com/rio/caio-silva-de-souza-confirma-em-entrevista-q...

Ele eh moreno:

http://noticias.bol.uol.com.br/fotos/imagens-do-dia/2014/02/07/sequencia...

Note uma mao branca perto do braco dele.  Sao bem diferentes.  A diferenca do tom da pele tambem pode ser vista entre ele e a mulher em vermelho aqui:

http://www.noticiasdodia.info/2014/02/para-a-policia-explosivo-que-feriu...

E aqui, o braco dele perto de uma perna branca tatuada:

http://www.jcnet.com.br/banco_imagem/images/nacional/cinegrafista%207.JPG

O ponto ja eh irrelevante ja que ele contou aa mae, que contou aa rede golpe.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Cardoso
Cardoso

Deixando as paixões...

 

Acho que é o momento de deixarmos as paixões partidárias de lado e pensarmos no razoável.

Que os Black Blocs são violentos e depredadores de bens privados e públicos, não temos dúvidas. Devem ser coibidos em tais práticas, por dentro das leis. Mas, achar que aquele jovem colocou o rojão para atingir o cinegrafista, é um exagero. Não passa.

Sou governista, portanto, entendo que os BBs estão prejudicando o governo pelo qual votei e torço. Mas, se eu achar apaixonadamente que aquele jovem matou propositalmente o cinegrafista, então deverei ficar calado quando alguém diz apaixonadamente que Genoíno foi condenado porque é um bandido, um corrupto.

Nós, que tanto chamamos a mídia de "PIG", estamos indo na "pilha" do PIG, apenas porque queremos ferrar um grupo que está prejudicando o governo que estamos apoiando. 

Quem apoia o governo Dilma, apoia a Copa e os BBs são contra a Copa. Por isto, são contra nós.

Passando esta febre, o PIG, esquecerá o Santiago e andará de braços dados com os BBs, por "uma causa maior"!

O momento é para reflexão. Enquanto a polícia e o judiciário se encarregam de "enquadrar" estes dois jovens, deveríamos chamá-los para conversar e entender o que está por detrás de todo este ódio.

Há uma matéria no G1 falando sobre a mãe do jovem do rojão, preso na Bahia. Será que o Estado já foi na casa dela (me parece que mora de favor) para saber se o dinheiro dela é suficiente para o sustento dela e do pai que é esquisofrênico?

O jovem dizia que "se sentia um herói" por ter lutado para baixar o preço do transporte coletivo.

Acho que é por aí que podemos começar a entender muitos (não todos) que militam nas táticas Black Blocs.

E por fim: Lamento a morte trágica do cinegrafista. Que Deus possa confortar o coração dos familiares.

 

 

 

 

 

 

Seu voto: Nenhum
imagem de Carlo Zardinni
Carlo Zardinni

Quem está pagando?

Segundo o Delegado Maurício Luciano de Almeida, na coletiva de hoje pela manhã. informou que a familia do  Caio, suspeiito do covarde assassinato do Cinegrafista Santiago, é muito pobre, que as condições da casa em que mora são miseráveis, a mãe dele está  desempregada sem renda, trata-se um rapaz muito simples, etc e etc.

Uma pergunta apenas: - como um sujeito que está vivendo de pequenos serviços, como se diz, bicos, tem para sí um Advogado que atende a clientes de peso no Rio de Janeiro, os quais suponho, lhes  paga honorários, que não são baratos, como seriam os de um Defensor Público que são gratuítos, quem está pagando o seu Advogado e quanto isto está custando?

 

 

Seu voto: Nenhum (2 votos)

O advogado poderia ter

O advogado poderia ter assumido a causa pela publicidade que a mesma garante, talvez.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Ivan de Union
Ivan de Union

Muitissimo provavel que seja

Muitissimo provavel que seja um partido politico.  A PF ja ta em cima do assunto, se nao me engano.

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Leo V
Leo V

Uma matéria boa do Globo

Uma matéria boa do Globo finalmente:

Importante como contrapeso a esse massacre feito sobre alguém já condenado por antecipação, sem direito de defesa, numa situação que obviamente não foi dolosa.

 

Acusado de detonar rojão diz à mãe que tudo não passou de acidente

  • Marilene Mendonça afirmou que nenhum político ou advogado ofereceu assistência à família

Publicado:12/02/14 - 5h00 Agência O Globo / Marcelo Carnaval

Marilene Mendonça conta que filho se achava um herói na luta pela redução do valor da passagem de ônibus: “Ele ia a todas as passeatas” Agência O Globo / Marcelo Carnaval

RIO — O telefonema não durou mais do que três minutos, mas foi suficiente para Caio Silva de Souza, de 22 anos, contar à mãe, Marilene Mendonça, de 49 anos, que a morte do cinegrafista Santiago Andrade durante a manifestação da última quinta-feira não passou de um acidente. Em sua casa no município de Nilópolis, na Baixada Fluminense, Marilene contou ao Globo que ele confessou ter segurado o rojão que atingiu a vítima — mas que negou ter feito o lançamento do artefato. Desesperada, a mãe, que disse ter reconhecido o filho nas imagens de TV, contou que não foi procurada por nenhum político e que o filho só não se entregou à polícia porque nenhum advogado ofereceu ajuda jurídica à família.

 

— Ele me disse: “Mãe, foi um acidente. A gente só usa a bomba para fazer barulho e assustar a polícia. Nunca tive a intenção de jogar em ninguém”. Meu filho sempre me avisa quando vai nas passeatas, porque quer ajudar a baixar o preço das passagens de ônibus. Ele usa ônibus para ir ao trabalho. Como a passagem diminuiu da outra vez, ele se achou um herói junto com os outros. Ele se sente o defensor dos pobres. Eu pedia para ele não ir, mas ele não me ouvia — contou Marilene, lembrando que o filho estava chorando.

Há cerca de um ano, Caio, que é filho único de pais separados, deixou de viver com Marilene, que mora de favor numa casa humilde de parentes em Nilópolis. Segundo a mãe, ele dormia com ela no sofá da sala. Marilene conta que não pode trabalhar, pois cuida do pai que é esquizofrênico. Com a aposentadoria do pai, ela passou a ajudar o filho pagando o aluguel de R$ 450 de um quitinete próximo à estação de trens de Olinda, para que ele usasse só uma condução para chegar ao trabalho. O acusado estudou até a oitava série em colégios públicos da região. Atualmente ele trabalha como auxiliar de serviços gerais de uma empresa terceirizada que presta serviços no Hospital Municipal Rocha Faria, em Campo Grande.

Segundo Marilene, o filho lhe contava que os encontros eram marcados pela Internet e, como ele não tem computador, Caio utiliza o próprio celular para acessar o Facebook para confirmar sua presença nas manifestações.

— Não tem movimento político por trás do meu filho. Se tivesse alguém apoiando ele, não estaríamos precisando de um advogado para defendê-lo. Ele foi a todas passeatas, por causa do aumento das passagens de ônibus. Caio me conta que esconde o rosto por causa da polícia e para não reconhecerem ele no serviço. Agora nem sei como vai ficar, pois ele trabalhava como temporário. Acho que eles (empregadores) não vão ficar mais com ele lá. Ele ganha um salário mínimo, mas faz falta — lamentou Marilene.

Como tem problemas neurológicos, a mãe de Caio não vê televisão ou ouve rádio, para não ficar deprimida. Foi quando a polícia chegou onde mora, na tarde da última segunda-feira, que ela se deu conta que o filho estava em apuros. Ela conta que os primeiros a chegarem foram os agentes federais, seguidos de PMs e policiais civis.

— Eu não estava em casa, mas a minha família chegou a dizer que eles chegaram apontando armas para todo mundo achando que meu filho ainda morava aqui. Cheguei a ligar para o telefone de um policial federal para pedir que o levassem à delegacia, desde que arrumassem um advogado de graça para o meu filho, pois não tenho como pagar, mas ele não atendeu o telefone — contou Marilene, cuja casa é cheia de papéis colados na parede para o pai não se esquecer das tarefas diárias.

Quando perguntada se o filho é um black bloc, Marilene diz que não sabe direito, mas que “ele anda com eles” nos protestos. Ela sai em defesa do grupo:

— Ele me disse que este tal de Black Bloc sempre vai na linha de frente para proteger os manifestantes da polícia. Acabou o protesto, cada um vai para a sua casa. O que a polícia tem que fazer é chamar os outros dois que aparecem nas imagens. Meu filho não estava lá sozinho. Ele me disse que ficou desorientado e que havia muita fumaça — concluiu Marilene, ressaltando que o filho é uma pessoa tranquila.

Ele é considerado foragido, já que na noite desta segunda-feira teve a prisão temporária decretada pela Justiça. Caio tem duas passagens pela polícia, como envolvido em ocorrências de tráfico de drogas: uma na 53ª DP (Mesquita) e outra na 56ª DP (Comendador Soares), mas não tem anotações criminais. Ambos os procedimentos são de 2010. Segundo a assessoria da Polícia Civil, ele estava próximo ao local onde foram encontradas drogas. Depois de prestar depoimento, ele foi liberado.


http://oglobo.globo.com/rio/acusado-de-detonar-rojao-diz-mae-que-tudo-na...

Seu voto: Nenhum

Ele ainda não cofessou o crime

 

Suspeito de lançar rojão que matou cinegrafista diz que só falará em juízo'Ele não admitiu, nem negou', disse o delegado responsável pela prisão de Caio Silva de SouzaO DIA

Rio - O delegado Maurício Luciano, da 17ª DP (São Cristóvão) disse, nesta quarta-feira, em entrevista coletiva realizada na Cidade da Polícia, que Caio Silva de Souza se negou a falar sobre a morte do cinegrafista. "Ele disse que falaria somente em juízo. Não admitiu, nem negou", disse o delegado.

Ainda segundo Maurício Luciano, segundo depoimentos, Caio seria uma pessoa reservada no dia a dia, em casa e no trabalho, mas que se "transforma no meio da multidão". O chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso, também participa da coletiva. 

Delegado Maurício Luciano (à esquerda) ao lado do chefe de Polícia Civil Fernando Veloso na coletivaFoto:  Carlos Moraes / Agência O Dia

O delegado informou que o inquérito sobre a morte do cinegrafista já está concluído, pois não há dúvidas sobre a participação do co-autor, Fábio Raposo, que entregou o explosivo, e Caio, que recebeu e acendeu o artefato. "Há a prova testeumunhal, prova técnica e a prova do vídeo. Só não tivemos a confissão", falou.

Preso em pousada na Bahia

Caio foi preso em uma pousada na cidade de Feira de Santana, na Bahia, na madrugada desta quarta-feira. O suspeito foi levado para a Cidade da Polícia, no Jacaré, onde chegou por volta das 9h30, prestou depoimento ao delegado da 17ª DP e logo depois foi levado para a sala de custódia. Ele também realizará exame de corpo de delito no IML. 

De acordo com a polícia, ele não reagiu a prisão. Em entrevista ao Bom Dia Rio , da TV Globo, o chefe de Polícia, Fernando Veloso, disse que a operação foi montada na tarde anterior, e que a polícia baiana foi avisada. O acusado está com prisão temporária decretada pela Justiça do Rio.

Santiago tinha 20 anos na profissão e dois prêmios de Jornalismo por coberturas de mobilidade urbanaFoto:  Reprodução Internet

A policia carioca disse ter as provas necessárias de que Caio foi, de fato, o homem que acionou o rojão. Fábio Raposo, o co-autor, que entregou o explosivo à Caio, está preso em Gericinó, onde cumpre, também, prisão temporária.

Estado fecha cerco a radicais

A morte do cinegrafista da TV Bandeirantes Santiago Andrade, de 49 anos, após inúmeros episódios violentos em manifestações no Rio, causou comoção em todo o Brasil e reação de autoridades policiais e políticas contra grupos radicais. O aperto do cerco a vândalos e criminosos nos protestos foi o assunto do dia. O secretário estadual de Segurança, José Mariano Beltrame, afirmou que vai encaminhar à Comissão de Segurança do Senado um projeto de lei para tentar organizar as manifestações de rua no país.

“A sociedade tem que escolher qual é o nível de tolerância que ela quer aceitar. Porque nós (a polícia), que estamos na ponta, sofremos muito com isso. A legislação quer uma tipificação, e tipificação de uma pessoa com rosto coberto como é que se faz?”, afirmou Beltrame, em entrevista à Rádio CBN , dizendo que o desafio é buscar mecanismos que evitem as máscaras nas passeatas.

“Uma pessoa que vai mascarada não vai para protestar”, justificou Beltrame, dizendo que tem gente deixando de ir às manifestações porque sabe que haverá ‘atos de banditismo’. O assunto também preocupa a cúpula da Polícia Civil. Tanto que as manifestações também foram o assunto principal ontem da reunião do novo chefe de Polícia Civil, delegado Fernando Veloso — empossado semana passada — com delegados da capital. Ele determinou que os titulares de unidades localizadas em áreas de protestos e seu efetivo deverão estar de prontidão em dia de atos nas ruas.

Já o deputado estadual Carlos Minc (PT) protocolou na Alerj ontem um projeto de lei que proíbe a venda no estado de explosivos, principalmente aqueles com ‘potencial de produzir danos substanciais à saúde e à vida’. O texto prevê multa acrescida de R$ 20 mil ao estabelecimento que descumprir a determinação, caso a lei seja sancionada.“Vou pedir urgência na tramitação do projeto. A expectativa é que seja votado antes do Carnaval. Hoje em dia, qualquer pessoa entra numa loja do ramo e sai com dez rojões”, ressaltou Minc.

Com medo de o governo passar uma imagem de insegurança no país, no ano da Copa do Mundo, senadores afirmaram ontem que não há crime de terrorismo no Brasil, contradizendo defesas anteriores que classificavam as ações de black blocs como atos terroristas. Os líderes partidários se reuniram na tarde de ontem com o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e decidiram votar, em duas semanas, o projeto de lei 499/2013, que define o crime de terrorismo.

 

http://odia.ig.com.br/noticia/rio-de-janeiro/2014-02-12/suspeito-de-lancar-rojao-que-matou-cinegrafista-diz-que-so-falara-em-juizo.html

 

Seu voto: Nenhum

Grato, Spin F

Será que foi ele mesmo

A Globo trancou seus videos, ve se alguém que tem a senha consegue ver a foto do disparador do rojão prá ver se o rapaz que se apresentou como autor do disparo do rojão que atingiu o cinegrafista é preto e não confere com o real autor dos disparos, será que é ilusão de ótica..rs

http://globotv.globo.com/rede-globo/jornal-da-globo/t/para-assinantes/v/jornal-da-globo-edicao-de-sexta-feira-07022014/3133709/

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Grato, Spin F

imagem de Helton
Helton

Também acho que o tipo físico

Também acho que o tipo físico do rapaz preso não confere com as imagens. E a história toda me parece muito esquisita.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Três Foguetes e três medidas

Nas eliminatórias da copa do mundo, em 1990, a “fogueteira” Rosenery foi presa em flagrante e depois acabou se tornando capa da Playboy na edição 172, de novembro daquele ano, sendo considerada uma celebridade instantânea. Depois do acidente, foi liberada no dia seguinte por não haver notícia-crime contra ela. O rojão apenas caiu perto do goleiro Rojas, do Chile. Rosemary ficou rica e famosa por causa de um rojão e, o aparato esportivo nacional fez um fistival de notícia sobre o fato, focando no teatrinho do goleiro chileno.

No ano 2013, temos o foguete corintiano que matou um menino na Bolívia, e que teve, ao contrário do caso recente do Santiago Andrade, a defesa inflamada da BAND, inclusive na figura do próprio Boechat, crucificando ao Governo por deixar aos corintianos por lá, que foi um acidente, e etc. (http://br.tv.yahoo.com/blogs/tv-esporte/em-editorial-band-critica-governo-e-pede-press%C3%A3o-000958517.html)

Veja, a seguir, parte da nota lida por Boechat no "Jornal da Band" (Abril 2013):

"Os 12 brasileiros mantidos numa prisão no interior da Bolívia desde o final de fevereiro são vítimas de uma flagrante aberração jurídica e do desrespeito aos mais elementares princípios humanitários. Acusados genericamente pela morte lamentável de um jovem durante um jogo de futebol, estes torcedores do Corinthians estão abandonados nas celas sem culpa formada, sem provas consistentes e, o que é pior, sem que seus advogados tenham sequer acesso aos autos, se é que existem autos formalizados.”

 

No recente episódio do acidente, que causou a morte do repórter Santiago Andrade - embora lamentável de todo ponto de vista – a Band toma agora uma “medida” desproporcional e diferente dos casos anteriores, querendo criminalizar com 30 anos de cadeia aos infratores. O aparelho esportivo, que ontem defendeu aos Corintianos deixou no esquecimento ao menino boliviano e, hoje, com base num novo rojão, o aparelho esportivo protege-se de eventuais repercussões na copa do mundo, outorgando 30 anos de cadeia (a Band já condenou) ao jovem que cometeu esse infortúnio.

Rosemary ficou rica e famosa, com foto na Play Boy. O menino boliviano foi esquecido (o maior responsável ainda está criando confusões na torcida do Corinthians) e, o Santiago Andrade, é o novo Tim Lopes do PIG; o menino que provocou o acidente não saiu na revista Play Boy, mas sim em fotos de Far West, nas páginas vermelhas de todos os jornais, do tipo “procura-se vivo ou morto”. Três foguetes e três histórias diferentes.

 

Seu voto: Nenhum

esse cara era para ser interrogado sozinho, longe de jornalistas

advogado sim, namorada não, e jornalista nem pensar......................

 

se é dito que são aliciados e manipulados, o mais importante é descobrir por quem

 

 

Seu voto: Nenhum

Mas a presença de

Mas a presença de jornalistas, apesar de atípica, pode servir de garantia pra evitar argumentações do tipo "só falei aquilo pois estava sofrendo ameaça".

Seu voto: Nenhum

você tem razão...

concordo

Seu voto: Nenhum

Estranhas relações Globo e Polícia de SP

Não consegui entender como a reporter da Rede Globo viajou com os policiais, acompanhou o momento da prisão e regressou ao RJ no mesmo avião em que estava o preso. 

Seu voto: Nenhum (9 votos)
imagem de Álvaro Noites
Álvaro Noites

Embedded journalism.

Embedded journalism.

Seu voto: Nenhum (2 votos)
imagem de Álvaro Noites
Álvaro Noites

Vão vendo que apenas esses

Vão vendo que apenas esses dois pagarão o pato.

Seu voto: Nenhum (2 votos)

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.