Revista GGN

Assine

audiencia de custodia

O conveniente vazamento do vídeo de Geddel

 
Jornal GGN - Foi apenas para expôr Geddel Vieira Lima à humilhação ou o vazamento do vídeo da audiência de custódia teve outro propósito?
 
Preso por obstrução de Justiça, Geddel chorou diante de um juiz da Lava Jato tão logo percebeu que pode ter tomado um xeque-mate.
 
Participam da audiência, na quinta (6), o magistrado Vallisney Oliveira de Souza, a defesa de Geddel e representante do Ministério Público Federal. No mesmo dia, o vídeo foi vazado à imprensa. 
 
O destaque, em muitos portais, foi o choro de Geddel quando Vallisney indeferiu o pedido da defesa para que ele fosse transferido para a prisão domiciliar, com tornozeleira, entrega de passaporte e qualquer outra medida que fosse necessária.
 
Mas o vídeo contém outra informação importante para a Lava Jato.

Leia mais »

Média: 4.2 (5 votos)

Geddel chora ao ser mantido na prisão, após admitir ligação a mulher de Funaro

Jornal GGN - O ex-ministro Geddel Vieira Lima admitiu, em audiência de custódia com o juiz federal Vallisney Oliveira, nesta quinta (6), que conversou por telefone com a esposa de Lúcio Funaro por mais de 10 vezes no último ano, mas negou que a conversa tenha envolvido "chantagem" ou "pressão". Geddel foi preso sob a acusação de obstrução de Justiça. 

Leia mais »

Média: 5 (4 votos)

Espírito Santo é o estado com menos superlotação em presídios

Jornal GGN - Depois de ser denunciado à ONU, em 2010, pela precariedade e a superlotação em presídios, o estado do Espírito Santo passou a ser o que tem a menor discrepância na proporção entre vagas ofertadas pelo sistema prisional e o número de presos, em comparação com os demais estados brasileiros.

Em 2014 haviam 16,6 mil detentos para 13,5 mil vagas - o que ainda representa um excesso de 23%. Em 2003, o índice era bem pior: a superlotação chegava a 131%. Houve denúncias de que presos eram "acorrentados ou mantidos em contêineres por falta de vagas", relatou reportagem da Folha, publicada nesta terça-feira (10).

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

Senado testa limites para garantir defesa em investigações

 
Jornal GGN - Desde que se tornou mira recorrente das investigações da Operação Lava Jato, principalmente após os vazamentos das conversas com o ex-presidente da Transpetro, Sergio Machado, o peemedebista Renan Calheiros (AL) busca formas de aumentar os direitos de defesa dos investigados e brecar os abusos de investigações brasileiras.
 
Os limites dessas tentativas são, por outro lado, pouco a pouco testados pelo senador. O projeto que quer mudar as regras atuais da Lei de abuso de autoridade, por exemplo, enfrenta fortes resistências do Ministério Público Federal, Polícia Federal e juízes.
 
Mas, ainda, avançam outros projetos que trazem benefícios ao Código de Processo Penal brasileiro, no sentido de ampliar e assegurar as garantir dentro do Estado democrático de direito e da presunção da inocência. Foi o caso da regulamentação da audiência de custódia, aprovada na noite desta quarta-feira (14) pelo Senado. 
 
 
Mudanças que garantem defesa
 
O projeto (PLS 554/2011) estipula um prazo máximo de 24 horas para que um preso em flagrante seja levado a um juiz. A proposta altera o CPP, assegurando que o preso terá direito de realizar exame de corpo de delito e depor na presença de um advogado, membro do Ministério Público ou da Defensoria. 
Média: 3 (6 votos)