Revista GGN

Assine

Ciro Gomes

A eleição presidencial de 2018, segundo Ciro Gomes

Jornal GGN - Em entrevista ao canal Ultrajano, no Youtube, o ex-governador e pré-candidato à presidência da República pelo PDT, Ciro Gomes, foi provocado a fazer uma análise do contexto em que se dará a disputa eleitoral de 2018.

Na visão de Ciro - que está convencido de que a atual crise política lhe é favorável - a corrida será superfragmentada, a exemplo do pleito de 1989, e terá ao menos 6 candidatos principais, sendo que a maioria terá condições de arrancar cerca de 10% dos votos válidos no primeiro. Em 1989, Lula, com aproximadamente 17% dos votos válidos, foi ao segundo turno com Collor, que angariou 30%.

Ciro projeta que disputará, no próximo ano, contra Geraldo Alckmin, Jair Bolsonaro, Marina Silva, possivelmente Lula ou outro nome do PT. Ele deixou a sexta vaga em aberto, após avaliar que João Dória Junior, mesmo que ouse deixar o PSDB para ser candidato, sofrerá uma derrota expressiva.

Confiante, ele acredita que pode herdar votos de Lula e ainda ser beneficiado pela divisão da direita, que estará espelhada em vários candidatos que devem querer surfar nas mazelas do PT e, ao mesmo tempo, estarão implicados pela Lava Jato.

Leia mais »

Média: 3.5 (18 votos)

Ciro critica insistência de Lula em ser candidato a presidente

Foto: Reprodução
 
 
Jornal GGN - O ex-ministro Ciro Gomes decidiu subir o tom das críticas a Lula e afirmou que é culpa do ex-presidente, ainda que "remotamente", a crise instaurada desde o impeachment de Dilma Rousseff.
 
"O grande responsável remotamente, e não imediatamente, é o Lula, desde que resolveu usar imprudentemente a popularidade maravilhosa, extraordinária que o povo deu a ele para brincar de Deus e nomear para presidente da República uma pessoa sem experiência, que nunca tinha disputado uma eleição."
 
Além de Dilma ter aversão à política, de quebra, Lula deixou Michel Temer na linha de sucessão presidencial, destacou Ciro.
Média: 2.9 (19 votos)

Ciro Gomes: pelas diretas já, “esculhambar deputado é muito bom”, por Marcelo Auler

ciro_marcelo_auler.png

Foto: Reprodução

Do blog do Marcelo Auler

 
Marcelo Auler

Conhecido pela sua fala franca, críticas ácidas, até entre os amigos e aliados – como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva -, o  ex-governador do Ceará e ex-ministro de Lula e de Dilma Rousseff, Ciro Gomes, mostra ceticismo com relação ao futuro da Republica. Para ele existe apenas uma saída: as manifestações nas ruas. Porém, exige mais: “é preciso aquecermos a linguagem dos protestos. Estamos lidando com uma república de bandidos”. A quem se mostra admirado com suas proposições de radicalização, ele alerta que ao se lidar com bandidos, “quem dá a arma é o inimigo”. Exemplifica:

“Se a gente esquentar o protesto, a gente mostrar que nós, o povo brasileiro, unido, por esmagadora maioria, estamos de olho no que eles vão fazer e que não vamos aceitar trambique, nem soluções menores, eles são capazes até de mudar o seu próprio interesse pragmático do momento, em nome de uma sobrevivência política ou física“.

Leia mais »
Média: 3.9 (14 votos)

Para Ciro, Lula é responsável por fortalecer Temer e 'lado podre' do PMDB

ciro_gomes_lula_ricardo_stuckert.jpg
 
Foto: Ricardo Stuckert
 
Jornal GGN - Em entrevista para a BBC Brasil, Ciro Gomes, ex-governador do Ceará e “quase candidato” à presidência, falou sobre a crise política, as eleições de 2018 e seus possíveis adversários, fazendo diversas críticas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.
 
Para Ciro, Lula é o responsável pelo “momento político trágico” vivido atualmente pelo país, já que “foi ele quem botou o Michel Temer na linha de sucessão”. O ex-ministro diz que o petista fortaleceu o “lado podre” do PMDB, também afirmando que avisou o ex-presidente da biografia do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha.
 
O virtual candidato do PDT também afirma que não gostaria de disputar a presidência contra Lula, argumentando que o ex-presidente, se for candidato, “racha o país em bases odientas, rancorosas, violentas”. “O Brasil precisa desesperadamente de um projeto novo”. 

Leia mais »

Média: 2.6 (17 votos)

Eleição francesa “é um alerta para o PT”, pensa Mathias Alencastro

O cientista político Mathias Alencastro (Foto - Divulgação)

Eleição francesa “é um alerta para o PT”, pensa Mathias Alencastro

do RFI

Eleição francesa “é um alerta para o PT”, pensa Mathias Alencastro

por Adriana Brandão

Todas as pesquisas eleitorais apontam Emmanuel Macron, do movimento independente Em Marcha, como o grande favorito do segundo turno da eleição presidencial na França. O cientista político Mathias Alencastro dá crédito às sondagens e acredita ser “praticamente impossível que Marine Le Pen crie uma surpresa” neste domingo (7). Em entrevista à RFI, ele analisa essa reta final da campanha, as consequências do resultado para a política francesa e faz um paralelo com a situação brasileira. Alencastro pensa que a vergonhosa derrota do Partido Socialista francês nessa eleição “é um alerta para o PT”.

Leia mais »

Média: 2.3 (16 votos)

Lula se diz "ansioso" para depor diante de Moro sobre o caso triplex

Foto: Reprodução

Jornal GGN - O ex-presidente Lula disse, em entrevista a uma rádio do Ceará, nesta sexta (7), que está "ansioso" para ficar cara a cara com o juiz federal Sergio Moro e descobrir quais as provas que a Lava Jato acumula contra ele no caso triplex. Lula disse que está curioso porque os próprios procuradores da Lava Jato chegaram a dizer que não têm provas de que Lula comandou um esquema de corrupção envolvendo a Petrobras, apenas "convicção" disso.

"Estou ansioso porque é a primeira oportunidade que vou ter de saber qual é a acusação que eles têm contra mim, e qual é a prova. Porque até agora o que vi é alguem dizer é que não esperem provas, porque eles têm convicção. Estou ansioso porque é preciso ter prova para me condenar", disse o ex-presidente.

Leia mais »

Média: 5 (11 votos)

O modelo de gestão pública defendido por Ciro Gomes

'Brasil precisa de câmbio que estimule cultura de produção e puna o rentismo', aposta ex-ministro
 
 
Jornal GGN - Como Ciro Gomes atuaria na presidência da República? Nesta quarta e última parte da entrevista que o ex-ministro e ex-governador do Ceará concedeu ao GGN, o político falou da sua experiência na gestão do Ceará, de como conseguiu acabar com 100% da dívida imobiliária do Estado, ainda em 1994, em uma época de grande variação inflacionária e, depois, quando secretário de Saúde, na gestão de seu irmão Cid Gomes, ajudou a expandir a rede de policlínicas implantando consórcios intermunicipais de saúde e, com isso, acabar com as filas. 
 
Ciro também creditou a sua gestão e de seu irmão à boa colocação das escolas cearenses no Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), destacando que hoje, entre as cem melhores notas, 77 são de instituições do ensino público do Estado.
 
Assista a seguir:
Leia mais »
Média: 4.1 (26 votos)

Ciro critica abuso de autoridade na Lava Jato

"Esse Moro resolveu prender um blogueiro. Ele que mande me prender. Eu recebo a turma dele na bala, se eu não tiver cometido nada errado", ameaça o ex-governador

fotor_moro_e_ciro.jpg

Jornal GGN - Nesta terceira parte da entrevista que Ciro Gomes (PDT-CE) concedeu para ao GGN, no programa Na sala de visitas com Luis Nassif, o ex-governador do Ceará criticou o abuso de autoridade exercido pela Justiça e Ministério Público de Curitiba, fazendo um alerta ao juiz Sérgio Moro caso aplique a condução coercitiva contra o ex-ministro. 
 
"Esse Moro resolveu prender um blogueiro [Eduardo Guimarães, em condução coercitiva, dia 21 de março]. Ele que mande me prender. Eu recebo a turma dele na bala, se eu não tiver cometido nada errado", disse. 
 
Neste trecho da entrevista, Ciro avalia também que Dilma não lutou o suficiente para evitar o golpe jurídico que a afastou do Planalto em 2016, fazendo uma comparação com a postura de João Goulart no golpe de 1964. Ele aponta também os erros do PSDB e que poderão levar a um descrédito ainda maior do partido que defendeu o impeachment contra Dilma, mas que acabou alimentando ainda mais a crise institucional do país. 
Média: 4.3 (18 votos)

Ciro denuncia esquema de Temer no Porto de Santos

Ex-governador conta também que, desde governo Collor, já alertava para as manobras ilegais de Eduardo Cunha no Congresso

 
Jornal GGN - Nesta segunda parte da entrevista que Ciro Gomes (PDT-CE) concedeu para o GGN, no programa Na sala de visitas com Luis Nassif, o ex-governador conta que já alertava para as manobras ilegais de Eduardo Cunha no Congresso, desde o governo Collor, e chama de "quadrilha" o grupo político composto por Cunha, Eliseu Padilha e outros nomes próximos a Michel Temer e, ainda, anuncia o envolvimento de Temer no esquema de corrupção do Porto de Santos e os embates políticos que evitou maior desgaste do governo Lula no Mensalão. 
Média: 4.5 (19 votos)

Ciro Gomes conta como FHC entregou o Sivam para os EUA

"Fernando Henrique forçou a mão para que o Brasil cancelasse a concorrência do Sistema Sivam e entregasse, sem licitação, à Raytheon"


 
Jornal GGN - Você acompanha agora a primeira parte da entrevista que o ex-governador Ciro Gomes (PDT-CE) concedeu para o GGN, no programa Na sala de visitas com Luis Nassif. Neste bloco ele conta como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso entregou o Sistema de Vigilância da Amazônia para uma empresa norte-americana. 
 
"No primeiro momento, o Fernando Henrique, entre a eleição e a posse, forçou a mão para que o Brasil cancelasse a concorrência do Sistema Sivam [Sistema de Vigilância da Amazônia] e entregasse, sem licitação, à Raytheon, [em 1995] por pedido explícito do Bill Clinton, na reunião da ALCA (Área de Livre Comércio das Américas), na Flórida. E isso está numa ata do Itamar Franco que me colocou pra assinar", explicou a Nassif.  

Leia mais »

Média: 5 (17 votos)

Lula agradece Ciro Gomes pela transposição do São Francisco

“O companheiro teve a coragem, a honradez de enfrentar o debate sem fazer cara feia e provar que o povo nordestino é o dono do Rio São Francisco e não apenas um ou outro estado da federação”.

 
Jornal GGN – Durante o discurso da inauguração popular da transposição das águas do Rio São Francisco, o ex-presidente Lula apontou as principais lideranças políticas que, junto com ele, compraram a briga para conseguir fazer o megaprojeto sair do papel.
 
O petista destacou que a ideia do projeto foi dada a ele ainda em 1989, durante uma viagem de avião que estava fazendo com o político e economista Miguel Arraes, falecido em 2005, que o estava apoiando no segundo turno que enfrentou contra Fernando Collor.
 
“O doutor Miguel Arraes me disse: você tem que fazer a Transnordestina e a transposição das águas do rio São Francisco”.
 
Lula contou que, deste então, ficou com a mensagem na cabeça e quando finalmente chegou à presidência da república, em 2003, decidiu planejar a proposta, lembrando que a transposição do rio que atravessa cinco estados brasileiros e é o mais importante curso d’água do Brasil e da América do Sul foi pensada pela primeira vez pelo imperador Dom Pedro II (1825-1891), como única forma de solucionar a seca no semiárido nordestino. 
 
O ex-presidente destacou que a proposta, entretanto, nunca saiu do papel porque havia disputa entre os estados doadores (onde o rio atravessa) e os estados receptores.
Leia mais »
Média: 4.5 (17 votos)

Política, política, política e política, por Juliano Santos

Política, política, política e política

por Juliano Santos

Comentário ao post Lula, Ciro e a frente das esquerdas, por Luis Nassif

Não diria que a política de conciliação fracassou, pois durou treze anos e fêz muita coisa. Desandou, por falhas do PT, quais sejam, conciliação "em excesso", o tal "republicanismo" e acomodação burocrática da cúpula partidária. Sem contar uma geração de políticos sem sangue nas veias. Com esses Humberto Costa, Vianas, Tarsos, Cardozos e covardes que não aparecem, não há partido que resista. Salvam-se poucos como Lindeberg, Pimenta, Wadih e Gleisi.

Não falo nas "falhas" da direita, que deu o golpe, porque não foi falha, muito pelo contrário. Falha é não ver que em algum momento eles cansariam de perder eleição e partiriam para o tudo ou nada. Leia a história do Brasil e se constata que a direita brasileira é golpista, sempre foi.

Leia mais »
Média: 4.4 (16 votos)

Lula, Ciro e a frente das esquerdas, por Luís Nassif

Com o fracasso do petismo, com sua estratégia de conciliação,  as esquerdas retornaram aos tempos heroicos, aquele do “em cada cabeça uma tendência”. Não chegam às baixarias da direita, de envolver famílias, apelar para insinuações sexuais, mas são muito mais dispersivas.

Em geral,  dedicam mais energias a combater os grupos do mesmo campo de luta do que os adversários; têm uma dificuldade imensa em identificar os pontos centrais de uma estratégia política, perdendo-se em quizílias e detalhes irrelevantes,  e, também, uma virtude/vício enorme, de questionamento permanente das estruturas vigentes na própria esquerda.

Leia mais »

Média: 4.3 (78 votos)

Se Lula disputar Presidência em 2018, Ciro Gomes não deve entrar, dizem analistas

Por Eduardo Maretti

Para analistas, Ciro Gomes não vai para eleição se Lula estiver na disputa

Em evento do PDT realizado em Brasília, ex-governador do Ceará disse que, se partido quiser, vai abraçar "com entusiasmo de jovem a causa de servir o Brasil como presidente"

Da RBA 

Se depender do que disse nesta quinta-feira (16), em evento do PDT em Brasília, o ex-governador do Ceará (1991-1994) Ciro Gomes (PDT) certamente será candidato a presidente da República em 2018. Sua candidatura está lançada por ele próprio. “Vou cumprir a missão que o partido determinar que eu cumpra. E se for a de servir o Brasil como seu presidente, é com entusiasmo de jovem que vou abraçar essa causa”, afirmou ele, ministro da Integração Nacional no primeiro mandato de Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2006).

Ciro chegou a alimentar a curiosidade de jornalistas, dando um perfil do nome que escolheria para ministro da Fazenda. Disse que será “um empresário da produção” e que não poderia falar mais nada. “Senão dou até o nome. Mas está desenhado. E o meu presidente do Banco Central será um acadêmico. Nada de executivo de banco na economia”, prometeu.

Leia mais »

Média: 4.5 (12 votos)

Xadrez da saudade de Lula

Peça 1 – a nostalgia de Lula

Como era previsível, há total incapacidade das forças que planejaram o golpe em montar qualquer projeto minimamente competitivo para 2018.

Não há uma estratégia para superar a crise econômica, mas apenas um projeto ideológico de desmonte do Estado de bem-estar.

O chamado mercado pouco está se lixando para as consequências futuras desse desmonte. Conseguiu-se uma maioria pontual para alterações na Constituição e é o que basta para despertar o espírito animal dos empresários. Demanda, desemprego, instabilidade política são detalhes irrelevantes para esses cabeças de planilha.

Têm-se, então, a seguinte anti-fórmula política dos grupos de poder:

1.     Um modelo cujo caminho para o paraíso consiste na eliminação de direitos sociais, deterioração dos serviços públicos e desmonte das políticas industriais.

2.     A não entrega do combinado: a recuperação da economia. Sequer a elaboração de uma utopia qualquer, capaz de dar sobrevida ao arrocho.

Por outro lado, a intensa campanha negativa da mídia logrou apagar da memória recente da opinião pública os anos de glória do segundo governo Lula. Com o aprofundamento da crise e a ampla incapacidade dos grupos de poder de recriar o sonho, já está havendo uma volta das lembranças dos anos dourados. A ofensiva contra a Lava Jato desnudará de vez a hipocrisia nacional.

Leia mais »

Média: 4.6 (66 votos)