Revista GGN

Assine

conta no exterior

Dallagnol concorda com devolução de passaporte à filha de Eduardo Cunha

Foto: Agência Brasil

Jornal GGN - O procurador Deltan Dallagnol enviou um ofício ao juiz Sergio Moro infomando que não se opõe à devolução do passaporte de Danielle Dytz, a filha de Eduardo Cunha investigada por ser dependente de um cartão de crédito vinculado a conta secreta na Suíça.
 
O comunicado, também assinado pelos procuradores Diogo Castor de Mattos e Orlando Martello, foi enviado ao juiz de Curitiba no dia 3 de agosto.

Leia mais »

Média: 2.3 (6 votos)

Procurador diz que delação da JBS contra Dilma e Lula é "incomprovável"

Foto: Agência Brasil
 
 
Jornal GGN - Em entrevista ao UOL, o procurador Ivan Cláudio Marx, que cuida do inquérito contra Lula e Dilma por causa da delação de Joesley Batista, da JBS, praticamente deu 3 motivos para o caso ser encerrado.
 
Em troca de imunidade penal, Joesley afirmou à Procuradoria da República que mantinha no exterior duas contas criadas ao longo dos governos Lula e Dilma, onde chegou a acumular 150 milhões de dólares.
Média: 4.3 (6 votos)

Deputado pede que Meirelles seja investigado pelo recebimento "irregular" de R$ 50 milhões

Foto: Agência Brasil
 
 
Jornal GGN - O líder do PT na Câmara Carlos Zarattini aproveitou o discurso no plenário nesta quarta (2), dia em que a denúncia contra Michel Temer será votada, para cobrar explicações de Henrique Meirelles sobre o recebimento de R$ 217 milhões por sua empresa de consultoria a megaempresas, incluindo a holding da JBS. 
 
Reportagem do BuzzFeed mostrou que Meirelles, poucos meses antes de ser nomeado ministro da Fazenda do governo Temer, recebeu boa parte dos lucros da consultoria em uma conta no exterior. Outros R$ 50 milhões foram pagos quando ele já era titular da Pasta. Isso, na visão de Zarattini, é "irregular".
Média: 5 (4 votos)

Porque a delação da JBS contra Dilma e Lula não pesa como a de Temer

JBS provou relação direta com Temer e pagamento de propinas ao PMDB. Contra Dilma e Lula, há terceiros e o desgastado "ouvi dizer" 
 
Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
 
Jornal GGN - A liberação da chamada lista de Fachin, com dezenas e mais dezenas de inquéritos contra políticos de todos os leques, a reboque da delação da Odebrecht, exigia um esforço que a imprensa não conseguiu fazer: separar o joio do trigo. Naquele momento, todos foram jogados numa vala comum. Peixe de aquário, com acusação de receber R$ 30 mil como doação eleitoral via caixa 2, sem contrapartidas, foi misturado com tubarão que faturou milhões em cima de obras públicas. A delação da JBS não é diferente nesse sentido.
 
Não sabemos se é por culpa do Ministério Público Federal (que só agora tirou da manga a ação controlada) ou da JBS (que só passou a registrar encontros com políticos após o impeachment), mas a disparidade nas provas apresentadas contra Michel Temer, de um lado, e Dilma Roussef e Lula, de outro, é gritante. 
Média: 4.3 (12 votos)

Lula: "O senhor que grampeou o Youssef, poderia saber mais de corrupção que eu"

Moro quis saber se Lula não se sentia responsável pela corrupção na Petrobras. Juiz também deu indícios de que a participação do ex-presidente - que admitiu reunião com Renato Duque para falar de propina - era vital para o esquema

Jornal GGN - No quarto vídeo do depoimento de Lula a Sergio Moro, o ex-presidente foi questionado pelo juiz se sabia da existênca do esquema de corrupção na Petrobras durante sua passagem pelo governo. Lula respondeu que não tinha conhecimento e nem responsabilidade pelas ações dos ex-diretores que corromperam a estatal. E disparou contra Moro: "Todos nós só ficamos sabendo quando foi pega no grampo a conversa de Alberto Youssef com Paulo Roberto. (...) O senhor que soltou o Youssef e mandou grampear. O senhor poderia saber mais do que eu."

O embate começou quando Lula disse que nenhuma autoridade, institutição ou mesmo a imprensa havia levantado indícios do petrolão à época dos acontecimento. Entre 6'37'' - 7'06'':
 
Lula: Entenda, doutor Moro, que coisa engraçada. Todos os diretores que indiquei passaram pelo crivo do GSI [gabinete que avaliava as indicações de partidos], foram indicados, não houve um voto contra do Conselho de Administração, nenhuma denúncia de qualquer trabalhador, nenhuma denúncia da Policia Federal, nenhuma denúncia do Ministério Público, nenhuma denúncia da imprensa. E isso aconteceu em 2003 e 2004. Como não posso grampear ninguém e não tinha Youssef na minha vida, eu não tinha como saber.
 

Leia mais »

Média: 4.6 (14 votos)

"Quem abre a caixa de monstros é devorado primeiro", diz Dilma sobre Aécio e Andreia Neves

Foto: Ricardo Moraes/Reuters
 
Jornal GGN - A ex-presidente Dilma Rousseff avaliou, em entrevista à jornalista Mônica Bergamo, publicada nesta terça (4) pela Folha, que o senador Aécio Neves (PSDB) e sua irmã, Andreia, são vítimas de um "processo gravíssimo de radicalização" que eles também ajudaram a fomentar, só que contra o PT e seu governo, após a derrota na eleição de 2014.
Média: 4.5 (16 votos)