Revista GGN

Assine

crise no Rio de Janeiro

Na Uerj, início do ano letivo de 2017 é adiado por tempo indeterminado

uerj_tania_rego_abr_2_2.jpg
 
Foto: Tânia Rego/Agência Brasil
 
Jornal GGN - Por meio de nota divulgada na noite de ontem (31), a Reitoria da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) anunciou o adiamento do início do ano letivo de 2017, que começaria hoje (1), por tempo indeterminado.
 
A reitoria justificou a decisão citando as condições precárias de manutenção da universidade, com a falta de pagamento das empresas terceirizadas que foram contratadas por meio de licitação pública. Além disso, serviços de limpeza, vigilância e coleta de lixo estão restritos, e o restaurante universitário está fechado.
 
O adiamento também foi causado, segundo a reitoria, pelo atraso recorrente de salários dos funcionários e docentes dos meses de maio e junho. Além disso, as bolsas estão atrasadas, incluindo a dos alunos cotistas, e o décimo terceiro salário não foi pago. 

Leia mais »

Sem votos

No RJ, quase metade dos servidores estão com salários atrasados

servidores_rj_protesto_-_tomaz_silva_abr.jpg
 
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
 
Jornal GGN - Na última sexta-feira (21), servidores da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro receberam os salários de maio, com mais de dois meses de atraso. Entretanto, eles ainda estão sem receber os valores do mês passado e o 13º salário de 2016. 
 
Segundo a Secretaria de Fazenda, 204.579 funcionários estaduais, quase metade do total de servidores, ainda não receberam o salário de maio integralmente. Os vencimentos de junho estão atrasados para 216.127 trabalhadores, incluindo ativos, inativos e pensionistas. No total, o Rio deve cerca de R$ 1,06 bilhão para os servidores.
 
Na área da saúde, os servidores receberam somente R$ 550 relativos ao mês de maio. Já os funcionários ativos da educação do Departamento de Ações Socio-Educativas (Degase) estão com os salários de maio e junho em dia, além dos servidores ativos, inativos e pensionistas da segurança – incluindo policiais militares e civis, bombeiros, agentes penitenciários e demais funcionários das secretarias de Segurança e Administração Penitenciária e órgãos vinculados.

Leia mais »

Média: 3.7 (3 votos)

No RJ, reitores de universidades afirmam que não há como começar o segundo semestre

uerj_tania_rego_abr_2_1.jpg
 
Foto: Tânia Rego/Agência Brasil
 
Jornal GGN - Carta assinada pelos reitores das três universidades estaduais do Rio de Janeiro e enviada ao secretário estadual de Ciência e Tecnologia afirma que não há como começar as aulas do segundo semestre deste ano caso não seja normalizado o pagamento do 13º salário de 2016 e os vencimentos de abril, maio e junho deste ano.
 
As universidades estaduais do Rio de Janeiro (Uerj), do Norte Fluminense (Uenf) e a Fundação Centro Universitário Estadual da Zona Oeste (Uezo) ainda estão concluindo o segundo semestre de 2016, após um longo período de greve em razão da crise financeira que afeta o governo estadual.
 
Salários de servidores e docentes estão atrasados, assim como o pagamento para os alunos bolsistas. 

Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Na Uerj, crise financeira faz evasão de alunos dobrar

uerj_tania_rego_abr_0.jpg
 
Foto:Tania Rego/Agência Brasil
 
Jornal GGN - A grave crise financeira enfrentada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) fez a evasão de alunos dobrar no ano passado e também prejudica o interesses dos candidatos para o vestibular de 2018. 
 
Ruy Garcia Marques, reitor da universidade, afirma que houve uma diminuição nas inscrições no vestibular. “Até em casa, meu filho, de 16 anos, me diz que não sabe se quer ir para a Uerj", afirma. Para ele, levará tempo “para a gente recuperar a grandeza” do nome da universidade. 
 
A situação vivida pela Uerj é um reflexo da crise nas finanças do governo do Estado do Rio de Janeiro. Neste ano, o início das aulas foi adiada inúmeras vezes, e os alunos ainda estão cumprindo o calendário acadêmico do ano passado. Além disso, salários de técnicos e professores e o pagamento para os alunos bolsistas estão atrasados. 

Leia mais »

Média: 1 (1 voto)

A securitização de direitos futuros do petróleo no coração da crise do Rio, por Marco Aurélio Cabral Pinto

As operações internacionais feitas pelo governo do Rio para obter recursos resultaram, com a insolvência estrutural do fundo Rioprevidência, em ganhos significativos para as instituições financeiras estrangeiras privadas envolvidas (Foto RBA)

no Brasil Debate

A securitização de direitos futuros do petróleo no coração da crise do Rio

por Marco Aurélio Cabral Pinto

Conteúdo especial do projeto do Brasil Debate e SindipetroNF Diálogo Petroleiro

A difícil situação financeira enfrentada pelo Estado do Rio de Janeiro na conjuntura é resultado da confluência de eventos ruins. Durante o ano de 2014, os preços de petróleo internacional caíram à metade, o que impactou severamente receitas de royalties obtidas pelo Estado. A partir de 2015, somou-se queda acentuada nas transferências de impostos do Governo Federal, consistente com impacto da crise política sobre a atividade econômica em geral, particularmente sobre a Petrobras.

Até 2013, contudo, o Governo Federal havia realizado operações de crédito, seja através do tesouro, seja com emprego dos bancos públicos. A partir de então, a concertação entre a Fazenda federal e os interesses financeiros têm subordinado o governo local ao receituário neoliberal de privatização e contenção de gastos. Como joias da coroa encontram-se o controle da CEDAE e a securitização de direitos futuros sobre royalties do petróleo.

Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Professores e alunos da Uerj acampam na sede do governo do RJ

uerj_tania_rego_abr_2_0.jpg

Foto: Tânia Rego/Agência Brasil

Jornal GGN - Na tarde desta terça-feira (16), alunos e professores da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (Uerj) montaram um acampamento em frente ao Palácio Guanabara, sede do governo fluminense, em protesto contra o sucateamento da instituição. 

A Uerj tem sofrido com a crise financeira no Estado e não paga bolsas para seus alunos desde março. Além disso, funcionários e professores não receberam o 13º salário do ano passado, assim com os outros servidores estaduais. 
 
“Temos 9.800 alunos cotistas, sendo 8 mil também bolsistas. A bolsa é um valor baixo, de R$ 450,00, mas que faz toda a diferença na vida deles”, afirmou o reitor Ruy Garcia Marques.

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

Professores e intelectuais assinam manifesto de apoio a UERJ

uerj_tania_rego_abr_2.jpg

Foto: Tania Rego/Agência Brasil

Jornal GGN - Manifesto assinado por mais de 700 intelectuais, professores e pesquisadores manifesta solidariedade com a grave situação vivida pelos docentes, funcionários e alunos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).
 
O documento,  assinado por nomes como Luiz Carlos Bresser-Pereira, Luiz Gonzaga Belluzzo, Renato Janine Ribeiro (ex-ministro da Educação) e Eduardo Fagnani, destaca os salários atrasados na universidade, também dizendo que professores e alunos não estão recebendo suas bolsas de pesquisas.
 
Os docentes critica o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), que tem ameaçado cortar salários de funcionários e professores, “como se eles fossem responsáveis pela caótica situação”. 

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

Texto-base do projeto de recuperação de estados é aprovado na Câmara

camara_edilson_rodriguesagencia_senado.jpg
 
Foto:Edilson Rodrigues/Agência Senado
 
Jornal GGN - Por 301 votos a 127, a Câmara dos Deputados aprovou o texto-base do Projeto de Lei Complementar 343/17, que tem o objetivo de ajudar os estados endividados em troca de contrapartidas como privatizações, redução de incentivos tributários e aumento das alíquotas da contribuição social de servidores. 
 
Em um primeiro momento, a criação do Regime de Recuperação Fiscal dos Estados deve beneficiar governos que estão em situação de calamidade fiscal, como Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Minas Gerais.
 
Para aderir ao programa, tambem é necessária a aprovação de leis estaduais que coloquem restrições nos gastos. Hoje, a Câmara analisa os destaques apresentados ao texto do relator, deputado Pedro Paulo (PMDB-RJ).

Leia mais »

Média: 1 (2 votos)

Após quase quatro meses de paralisação, Uerj volta às aulas

uerj_tania_rego_abr.jpg

Foto: Tania Rego/Agência Brasi

Da Agência Brasil

por Felippe Flehr

A Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) retoma suas atividades acadêmicas a partir de hoje (10), após quase 4 meses de paralisação. A decisão foi tomada em reunião feita na última sexta-feira (7) entre a reitoria e o Fórum de Diretores das Unidades Acadêmicas. Também retornarão às aulas os alunos do Colégio de Aplicação da Uerj (Cap-Uerj). As aulas são correspondentes ainda ao segundo semestre de 2016.  O reitor Ruy Garcia Marques explicou voltamos por respeito aos alunos e à sociedade.
 
"Na realidade teríamos que retornar no dia 17 de janeiro, porém, a situação estava impraticável. Todos os campus se encontravam sujos, sem manutenção e outros fatores. Porém, nesses três meses de negociação muita coisa evoluiu. Hoje o campus Maracanã, por exemplo, está limpo, com os elevadores funcionando, ainda que não na sua totalidade, e outros avanços. É preciso ressaltar que isso é o mínimo. Falta muitíssima coisa para se fazer," disse.
Leia mais »
Média: 5 (2 votos)

Na Uerj, professores rejeitam possibilidade de corte salarial

uerj_professores.jpg

Da Agência Brasil

Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) decidiram nessa segunda-feira (27), em assembleia, manter o estado de greve. A informação de que o governador Luiz Fernando Pezão cortaria 30% dos salários da categoria pautou o encontro, que reuniu cerca de 250 docentes no campus Maracanã, zona norte da capital fluminense. Eles reclamaram dos salários atrasados, incluindo o décimo terceiro, e das estruturas precárias de trabalho. 
 
Presidente da Associação dos Docentes da Uerj, a professora Lia Rocha ressaltou que o estado de greve não significa que os docentes, que também são pesquisadores, não estejam trabalhando. “Cheguei atrasada à assembleia porque estava na banca de fim de curso de uma aluna da graduação, que precisa se formar para assumir um cargo público”, afirmou Lia.

Leia mais »

Média: 3.7 (3 votos)

Servidores do RJ fazem 'bicos' para sobreviver durante crise do Estado

servidores_rj.jpg

Da Agência Pública

 
por Pedro Prado

Contamos em vídeo duas histórias de servidores estaduais que recorreram aos “bicos” para sobreviver à crise do estado

Os salários e pensões de servidores públicos estaduais ativos e inativos atrasados estão parcelados desde o ano passado. Como alternativa à crise fiscal do estado, alguns desses trabalhadores têm buscado no trabalho informal o sustento familiar.

“As contas continuam chegando, empréstimo, cheque especial, quer dizer, o salário sempre defasado e a gente vai se virando do jeito que dá”, desabafa André (nome fictício), policial civil que pediu para não ser identificado.

Leia mais »
Média: 5 (4 votos)

Uerj adia início das aulas pela quinta vez

uerj_1.jpg

Da Agência Brasil

O Fórum de Diretores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) decidiu em reunião realizada hoje (9) adiar pela quinta vez o início das aulas referentes ao segundo semestre de 2016, devido a atual crise financeira que atravessa o governo do Rio de Janeiro. A Uerj entende "que um fator crucial desta crise diz respeito ao pleno exercício de sua autonomia, inclusive financeira, e está preparando as medidas judiciais cabíveis para o cumprimento dessa disposição constitucional. Também estamos elaborando anteprojeto de lei, a ser encaminhado à Assembleia Legislativa do Rio, com a mesma finalidade", diz em nota o colegiado.

Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

MP-RJ entra com ação de improbidade administrativa contra Pezão

 
Jornal GGN - O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro entrou com ação civil pública por ato de improbidade administrativa contra o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB).
 
A ação foi ajuizada ontem (20), no mesmo dia em que o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) publicou decisão pedindo a cassação de Pezão e seu vice, Francisco Dornelles, por abuso de poder econômico durante as eleições. 

Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Alerj aprova privatização do Cedae e ao menos 20 são detidos em protesto

protesto-alerj_cedae.jpg
 
Jornal GGN - Nesta segunda-feira (20), a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou o texto-base do projeto de lei que autoriza a privatização da Cedae, empresa estatal de águas e esgoto.
 
O projeto foi aprovado por 41 votos a favor e 28 contra, sendo que um deputado não votou. A privatização da estatal faz parte das exigências do governo Temer para o plano de recuperação fiscal do Rio de Janeiro. 
 
Manifestantes contrários à medida se concentraram em frente à Assembleia e saíram em passeata em direção à Candelária. De acordo com o jornal O Globo, ao menos vinte pessoas foram detidas, incluindo um adolescente que foi levado para a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente. 

Leia mais »

Média: 1 (3 votos)

Deputados do RJ adiam decisão sobre Cedae, mas servidores continuam com protestos

alerj_protesto_cedae.jpg
 
Jornal GGN - No Rio de Janeiro, o Movimento Unificado dos Servidores Públicos Estaduais do Rio (Muspe) mantiveram o protesto em frente à Assembleia Legislativa (Alerj) contra a privatização da Cedae (Companhia Estadual de Águas e Esgoto). 
 
Os deputados estaduais iriam votar o projeto da venda do Cedae nesta terça, mas o presidente da Alerj, Jorge Picciani (PMDB), anunciou que a votação foi adiada para a semana que vem. 
 
Outra manifestação contra a privatização da companhia na semana passada deixou uma pessoa baleada após confronto entre polícia e manifestantes. 

Leia mais »

Média: 5 (4 votos)